Por que parte da polícia não quer resolver o caso Tayná?


Algumas perguntas envolvendo o Caso Tayná continuam sem respostas. Talvez a mais importante delas, seja: Por que parte da polícia não quer resolver o Caso Tayná?
A pergunta é feita com base em fatos, e sabe como é, contra fatos não há argumentos. É evidente que existe uma pressão dentro da própria corporação para que não se descubra a verdade. Será que isso é só corporativismo? Ou será que há informações muito mais preciosas que precisam ser escondidas a qualquer custo?Para se ter uma ideia, hoje mesmo, o Presidente do Sinclapol, André Gutierrez disse que há um excesso na prisão dos policiais envolvidos na tortura dos quatro homens, que debaixo de pancada confessaram um crime que não cometeram. Ele disse ainda que é inconcebível nos dias de hoje falar em tortura e que tanto a polícia séria, quanto o Gaeco trocaram os pés pelas mãos.
O Presidente do Sinclapol tem razão num único ponto: de fato é inconcebível nos dias de hoje falar em tortura, ainda mais, quando quatro inocentes são espancados, sem chance de defesa, por homens que se vestem da lei para cometer crimes. E mais, são submetidos a todo o tipo de barbárie, como violências psicológicas e sexuais. Realmente é inconcebível.
O que aconteceu na família de Tayná poderia ter acontecido na família de qualquer cidadão paranaense e o que aconteceu com os quatro homens vítimas da barbárie também. Talvez com raras exceções, dos mais privilegiados pelo dinheiro e pelo poder. Modos que, esse é um caso de responsabilidades. É preciso apurar quem matou Tayná? O porquê do crime? Quais as circunstâncias e o porquê da farsa para incriminar quatro inocentes submetidos a tortura. A alta cúpula da Segurança e do Governo precisa dar as respostas e ficar de olhos abertos com o que acontece dentro do próprio quintal.
Fonte; Blog da Joice