DR. RESENDE, meu médico de infância




Quero aqui registrar a morte do DR. Resende que foi médico da minha família, lembro que toda vez que ficávamos doente minha mãe sempre nos levava no consultório dele. Estava sempre disposto a atender a população

No ano de 1994, quando trabalhava na MALUCELI DA VISCONDE, tive uma retenção urinária e na época o Dr. Resende era médico da empresa, e me disse que eu deveria investigar, porque eu poderia estar com problemas renais. Eu não dei atenção para sua orientação e 4 anos depois descobri ser portador de IRC Insuficiência Renal Crônica, e iniciei  o meu tratamento de hemodiálise.



Dr. Rezende parecia ser o médico que todo mundo gostaria de ter. Atencioso, calmo e preciso no diagnóstico. Foi médico da Klabin, em Telêmaco Borba, por mais de 30 anos, mas também atendia pacientes que não eram da empresa. Os filhos lembram que acordaram em muitas madrugadas com pessoas batendo à porta da casa do Dr. Rezende para uma emergência. Ele sempre atendia sem hesitar. “Tinha gente que o procurava dizendo que o caso não tinha cura, mas meu pai sempre dava um diagnóstico que solucionava o problema”, conta Mariana, uma das filhas.
De médico do povo, passou para a política, sendo vice-prefeito de Telêmaco Borba entre 1969 e 1972, na gestão do prefeito Euclides Marcolla. Mineiro de Viçosa, ele recebeu o título de Cidadão Honorário de Telêmaco Borba em 1986. A esposa Terezinha, com quem viveu por mais de 33 anos, faleceu em 1991. Em 1993, doutor Rezende foi homenageado no livro A fazenda Monte Alegre conta seu conto, organizado pelo colégio estadual Dr. Luiz Vieira. Em 2011, foi homenageado no desfile cívico de aniversário de Telêmaco Borba pelo Centro de Educação Infantil Anita Malfatti.
Com a família, Rezende repetia a mesma dedicação à medicina. A filha Mariana lembra que ele era companheiro e ao mesmo tempo rígido com a educação dos filhos. “Foi muito honesto e justo com todos”, conta. Deixa quatro filhos, 12 netos e 5 bisnetos.
Dia 20 de julho, aos 86 anos, de câncer.