Dez torcedores do Atlético serão transferidos para presídio em Joinville; no Rio só um foi preso

Dez torcedores do Atlético serão transferidos para presídio em Joinville; no Rio só um foi preso


Torcedor preso durante a Operação – Foto: Antonio Nascimento/Banda B

Por Denise Mello e Antonio Nascimento

Os dez torcedores do Atlético Paranaense, presos na Operação Cartão Vermelho deflagrada na manhã desta quinta-feira (19) pelas Polícias do Paraná, Santa Catarina e do Rio de Janeiro, serão levados para o presídio de Joinville (SC) ainda hoje. A informação foi repassada à imprensa pelo delegado Clovis Galvão, da Delegacia de Futebol e Eventos (Demafe), em entrevista coletiva. Eles estão com prisão decretada pela Justiça. Outros seis atleticanos são considerados foragidos. Todos participaram do confronto durante o jogo do Atlético e Vasco, na Arena Joinville, no dia 8 de dezembro, pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Quatro torcedores ficaram feridos.
Os dez presos são: o ex-vereador Juliano Borghetti, Diony Eduardo Carneiro Milleo; Salatiel Dias Lima;  Estevan Vieira da Silva; Marcio José Pondelek;  Thiago Cardozo Salvadori;  Rafael Enrique Marçal; Guilherme dos Santos; Gabriel Almeida Ziener e Willian Batista. Este último é o torcedor que aparece na maca sendo carregado de helicóptero após o confronto.
Mandados de prisão também estão sendo cumpridos em Santa Catarina (Blumenau e Joinville) e no Rio de Janeiro. No estado catarinense, dois torcedores foram presos, sendo um do Atlético e outro do Vasco. Já no Rio de Janeiro, até às 11h30, dos nove mandados de prisão contra torcedores do Vasco, apenas um havia sido cumprido.
Os torcedores estão sendo acusados de associação ao crime, prática ou incitação à violência e danos ao patrimônio público. “Os crimes são esses, mas se, ao longo das investigações, comprovarmos que algum desses torcedores participou de espancamento, também será acusado de tentativa de homicídio”, informou Galvão.
Defesa
O advogado de defesa de sete dos dez presos, Aroldo César Natter, disse na Demafe que as prisões foram ilegais e vai entrar com pedido de habeas corpus para seus clientes. “Foram prisões ilegais e descabidas. A tipificação do crime é envolvimento em racha e não as acusações alegadas. Eles deveriam responder a processo em liberdade. Já estou indo até o Tribunal de Santa Catarina, em Florianópolis, para entrar com pedido de habeas corpus para cada um dos meus clientes”, informou.
O advogado do ex-vereador Juliano Broghetti, Caio Forte Mateus, disse que primeiro vai se informar sobre o mandado e depois vai se pronunciar. “Vamos primeiro analisar as acusações para depois decidirmos as medidas cabíveis”, disse.
Prisões
A operação “Cartão Vermelho”, tem como objetivo prender torcedores que participaram do violento confronto com a torcida do Vasco no último dia 8, na Arena Joinville, pela última rodada do Campeonato Brasileiro.
Entre os locais que a polícia se encaminhou nesta manhã para cumprir os mandados de prisão, estava a sede da torcida organizada do Atlético “Os Fanáticos”, no Rebouças. Apenas uma pessoa foi detida no local, mas em seguida liberada porque, apesar de ter ido ao jogo, não havia mandado de prisão contra o jovem.
A Polícia do Paraná já identificou 28 torcedores que aparecem no confronto em fotos e imagens. Com base nessa lista é que a Justiça acatou os pedidos de prisão feitos pelo delegado de Joinville, Paulo Reis.
Ontem (18), a Justiça negou os pedidos de liberdade provisória dos três torcedores do vasco presos no dia do jogo. Leone Mendes da Silva, de 23 anos, Arthur Barcelos de Lima Ferreira, 26, e Jonathan Santos, 29, foram presos em flagrante e acabaram indiciados por tentativa de homicídio, associação ao crime e incitação à violência. Apesar dos bons antecedentes, a juíza Karen Schubert Reimer disse na sentença que “é conveniente a segregação dos acusados para manutenção da ordem pública”.