Dominguinhos morre aos 72 anos em hospital de São Paulo

Músico Dominguinhos morreu nesta terça-feira em
SP (Foto: Arnaldo Carvalho/JC Imagem/AE)


Músico lutava havia seis anos contra um câncer de pulmão.
Ele havia sido transferido para a capital paulista em 13 de janeiro.


O músico Dominguinhos morreu nesta terça-feira (23), aos 72 anos, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Ele lutava havia seis anos contra um câncer de pulmão. De acordo com o hospital, o músico morreu às 18h em decorrência de complicações infecciosas e cardíacas.
Ao longo do tratamento, ele desenvolveu insuficiência ventricular, arritmia cardíaca e diabetes. Dominguinhos foi transferido para a capital paulista em 13 de janeiro. Antes, esteve internado por um mês em um hospital no Recife. A filha do músico, Liv Moraes, confirmou nesta segunda-feira (22) que o cantor havia voltado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) porque o estado de saúde dele tinha piorado.
Considerado o sanfoneiro mais importante do país e herdeiro artístico de Luiz Gonzaga (1912-1989), José Domingos de Morais nasceu em Garanhuns, no agreste de Pernambuco. Conheceu Luiz Gonzaga com 8 anos. Aos 13 anos, morando no Rio, ganhou a primeira sanfona do Rei do Baião, que três anos mais tarde o consagrou como herdeiro artístico.

Ainda criança, Dominguinhos tocava triângulo com seus irmãos no trio “Os três pinguins”. Quando ele tinha 8 anos, foi “descoberto” por Gonzagão ao participar de um show em Garanhuns. A “benção” lhe foi dada pelo rei do baião quanto tinha 16 anos.
Instrumentista, cantor e compositor, Dominguinhos ganhou em 2002 o Grammy Latino com o “CD Chegando de Mansinho”. Ao longo da carreira, fez parcerias de sucesso com músicos como Gilberto Gil, Chico Buarque, Anastácia e Djavan.
 Dominguinhos durante apresentação em São Luis do Paraitinga em 2011. (Foto: José Patrício/Estadão Conteúdo)Dominguinhos em apresentação em São Luís do
Paraitinga (Foto: José Patrício/Estadão Conteúdo)
“Gonzaga estava divulgando para a imprensa o disco 'Forró no Escuro' quando ele me apresentou como seu herdeiro artístico aos repórteres”, lembrou-se Dominguinhos em entrevista ao G1 no fim de 2012. “Foi uma surpresa muito grande, não esperava mesmo.”
De acordo com ele, o episódio aconteceu somente três anos depois de sua chegada ao Rio, acompanhado do pai, o também sanfoneiro Chicão. Mudaram-se para a cidade justamente para encontrar Luiz Gonzaga. “Em cinco minutos, ele me deu uma sanfona novinha, sem eu pedir nada”, prosseguiu. Naquele período, Dominguinhos saiu em turnê com o mestre para cumprir a função de segundo sanfoneiro e, eventualmente, de motorista.
Centenário de Gonzagão
No fim de 2012, Dominguinhos se dedicou ativamente às celebrações dos cem anos do nascimento de Luiz Gonzaga. Durante um show no dia centenário, 13 de dezembro, realizado na terra natal do músico, Exu (PE), Gilberto Gil comentou: “Dominguinhos teve a herança do Gonzaga, que ele incorporou, através das canções, dos estilos, o gosto pelo xote, xaxado”. 
Para Gil, no entanto, Dominguinhos soube trilhar um caminho próprio. “Dominguinhos foi além, em uma direção que Gonzaga não pôde, não teve tempo. Ele foi na direção do início de Gonzaga, o instrumentista, da época das boates do Mangue, no Rio de Janeiro, quando ele tocava tango, choro, polca, foxtrot, tocava tudo, repertório internacional, tudo na sanfona. ”

Fonte; Globo.com

Jornada Mundial da juventude é aberta oficialmente no Rio



Encontro que reúne católicos do mundo todo vai até o dia 28 de julho, no Rio de Janeiro

Com a chegada da cruz peregrina e do ícone de Nossa Senhora, às 18h25, no palco montado na praia de Copacabana, foi aberta oficialmente a Jornada Mundial da Juventude, que vai até 28 de julho. No palco, bispos de vários países receberam os símbolos da jornada, antes da missa de abertura, celebrada pelo arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta. Os cardeais já estão no lado direito do palco, vestidos com trajes especiais  "Estou muito feliz por estar aqui, e quando a gente encontra outros conterrâneos fazemos ainda mais festa. Nosso grupo anda de mãos dadas, como aprendemos no carnaval de Salvador", contou Flávia Xavier, de 24 anos, que viajou da cidade baiana de Eunápolis para o Rio em um grupo de 25 peregrinos.A estimativa é que 500 mil fiéis acompanhem a celebração, mas ainda não há estimativa atualizada de público. A polícia informou que não foi registrada nenhuma ocorrência importante. Cerca de 30 atendimentos médicos foram realizados em cada um dos oito postos médicos. Em cada um há cerca de 15 médicos e dez a 15 ambulâncias . A maioria das vítimas sofreu mal estar por alimentação inadequada ao longo do dia.
A administradora Erica Ramos, 40 anos, moradora de Copacabana, teve problemas para ir de metrô da estação Carioca, no centro, até a Cardeal Arcoverde, em Copacabana, na zona sul. "A volta para casa foi um caos, pois as empresas liberaram os funcionários no mesmo horário previsto para começar o evento. O metrô estava superlotado. Para quem mora aqui é complicado", afirmou.

Prefeitura de Colombo continua trabalhando em vários bairros

Moradores do endereço são beneficiados com projeto que restaurou antigo antipó e asfaltou cerca de 500 metros dos pontos emergenciais

Funcionários trabalham na restauração da Rua Felício Kania
Está sendo finalizada nos próximos dias a restauração da Rua Felício Kania no bairro Ana Terra em Colombo. O endereço possuía um trecho de 500 metros a partir da Rua Prefeito João Batista Stocco até a Rua Antônio Francisco Scrok que estava em situação emergencial devido a buracos, e por isso, recebeu asfalto e o antigo antipó foi restaurado.
A obra faz parte do Planejamento de Restauração das ruas em estado crítico de Colombo, como explica o Secretário de Obras e Viação João Maria Rodrigues. “Estamos priorizando as ruas que estão em situações emergenciais. Elas estão no planejamento de restauração, que visa auxiliar no tráfego e na circulação dos moradores das localidades atendidas”, destaca.
As situações vivenciadas pelos moradores antes da reforma são citadas pela professora Marilene Cânia, moradora da rua. “Aqui na rua tinha muito buraco, e o pó que gerava pelo grande movimento de carros e caminhões, prejudicava todos que moram e passam por aqui”, exemplifica. Os buracos também foram o principal ponto citado por Nelson Machado, jardineiro, morador da Rua Felício Kania há 7 anos “ O que mais se via na rua era buraco e lama, mas com essas obras já conseguimos ver as melhorias no dia a dia”, comemora.
Buracos e pó eram principais reclamações dos moradores
Já a aposentada Leonilda Antunes, que passa pelo endereço todos os dias, ressalta a importância de obras como essa nas ruas do município “É uma atitude essencial para a rua, pois beneficia além dos moradores, quem passa pelo local, e espero que o projeto seja expandido para outras localidades”, coloca.
Quanto à expansão das obras o Secretário de Obras e Viação, João Maria Rodrigues conta que o plano de restauração pretende futuramente remodelar outras ruas, com a colocação de asfalto e ampliação das vias.


Governo do Estado troca o comando da Polícia Civil no Paraná

Delegado Riad Farhat


Delegado Riad Farhat, titular do Denarc, assume o cargo no lugar de Marcus Vinicius Michelotto

A Secretaria de Segurança Pública (Sesp) confirmou, na noite desta segunda-feira (22), a substituição no cargo de delegado-geral da Polícia Civil do Paraná. O atual titular da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), Riad Braga Farhat, assume o comando no lugar de Marcus Vinicius Michelotto, que ocupava a posição desde janeiro de 2011.
Antes de passar pela chefia da Denarc, Farhat havia feito carreira como delegado do Grupo Especial Tigre, equipe de elite da Polícia Civil criada em 1990, especializada em soluções de sequestros.
O motivo do afastamento de Michelotto, que será transferido para outra função na corporação, não foi informado pela Sesp.
Em nota, divulgada pelo Facebook da Divisão de Polícia da Região Metropolitana, Michelotto disse que a decisão de sair do comando da Polícia Civil foi tomada em comum acordo. Ele diz que não é o momento para pensar na transição em si, mas de apoiar o novo delegado Riad Farhat. Veja a nota na íntegra abaixo:
Mensagem ao policiais civis
Policias civis, a respeito da minha saída, tenho a dizer que foi decidida em comum acordo. Momento de oxigenação, novos rumos e novos desafios.
Agora não devemos pensar na transição em si, mas em apoiarmos o novo Delegado-Geral, Dr. Riad Farhat.
O Dr. Riad terá o meu apoio no que for preciso e para a missão que julgue que eu deva assumir.
Vamos em frente para implantarmos os projetos do Governo Beto Richa, e ao lado do Secretário Cid Vasques, melhorarmos cada vez mais a nossa instituição e qualificarmos mais nossos serviços à população paranaense.
Agradeço a todos os policiais civis pelo apoio irrestrito dado na nossa gestão.
Marcus Vinícius da Costa Michelotto

Fonte: Gazeta do Povo

Neve chega a Curitiba e Região Metropolitana





Na região metropolitana, fenômeno já foi confirmado em Araucária e São Mateus do Sul. Em Guarapuava, BR-277 chegou a ser interditada por causa de neve. Curitiba teve mínima de 2ºC







A neve chegou a Curitiba e Região Metropolitana na manhã desta terça-feira (23). O fenômeno foi confirmado por registros fotográficos e vídeos enviados por leitores e repórteres da Gazeta do Povo. O fenômeno pôde ser observado a partir das 8 horas, em alguns pontos da região sul da cidade.
As temperaturas baixas que atingem o Paraná entre a noite desta segunda (22) e terça-feira (23) fizeram cair neve em pelo menos dez cidades do estado. O Instituto Tecnológico Simepar relata que o número pode aumentar, já que depende de registros de moradores das regiões onde ocorreu o fenômeno para confirmar o fenômeno.
Até às 7h50, de acordo com o Instituto Tecnológico Simepar, Araucária e São Mateus do Sul, na região metropolitana de Curitiba, já tinha a confirmação do fenômeno. Nas cidades próximas à divisa com Santa Catarina, também havia registro comprovado por fotografias pelo instituto em Pinhão, União da Vitória, Guarapuava, Lapa, Toledo, Palmas, Paula Freitas e Irati. Um repórter da Gazeta do Povo relatou que o fenômeno podia ser observado em Fazenda Rio Grande nesta manhã.
Em Curitiba, algumas pessoas relataram o registro de chuva congelada, uma espécie de fase anterior à ocorrência de neve. De acordo com o meteorologista do Simepar, Lizandro Jacobsen, quanto mais ao sul da capital, maior a chance de ocorrer o congelamento da chuva. “Ficou um pouco mais difícil de nevar em Curitiba porque o resfriamento diminuiu um pouco [às 7h45], mas a chuva congelada tem uma grande chance de ocorrer.”
Em vários municípios paranaenses houve registro de um fenômeno meteorológico semelhante, a chuva congelada, conhecida como “sleet”. A técnica em meteorologia do Instituto Somar Patrícia Vieira explica que a diferença começa já em sua formação. “A chuva congelada acontece quando as gotas de chuva congelam conforme estão caindo. Com a neve, o floco se forma já nas nuvens”, diz. “Quando a neve cai no chão, ela continua por ali. Com a chuva congelada, as gotas derretem assim que tocam alguma superfície”, completa.
Em todo o estado houve registro de temperaturas muito baixas nesta manhã, principalmente em Palmas, com -2Cº. Na capital, a mínima até às 7h45 foi de 2ºC, mas a sensação térmica chegou a -3º, conforme o instituto. Ao longo do dia, a temperatura deve subir pouco, chegando no máximo a 7º.
Rodovias
Na BR-277, em Guarapuava, a neve causa transtorno aos motoristas nesta manhã. A Polícia Rodoviária Federal (PRF), faz uma operação especial entre o pedágio Relógio e a praça de Candói, onde o fluxo chegou a ser totalmente interrompido. Uma densa camada de neve está sobre a pista e uma espécie de trilha no meio do asfalto permite a passagem. Todo o trecho está bastante escorregadio, mas não foram registrados acidentes até às 8 horas.
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou, nesta segunda-feira (22), que dois pontos da BR-116 foram interditados por volta das 21h20, nos quilômetros 100 (sentido Sul) e 152 (sentido norte). Já na BR-282, foi fechado um ponto no quilômetro 45, próximo ao município de Rancho Queimado, a 65 quilômetros de Florianópolis.
Ajuda
Não há um instrumento que consiga precisar se houve ou não neve, e, para que o fenômeno possa ser comprovado, o Simepar precisa da ajuda dos cidadãos. “Pedimos que as pessoas nos enviem fotos e vídeos daquilo que eles acreditam ser neve para que possamos verificar e registrar a ocorrência”, informa Jacóbsen.
Com neve ou sem neve, as temperaturas vão continuar baixas no Paraná. Em Curitiba, a máxima não deve passar dos oito graus. Em Palmas, a mínima pode chegar até os três graus negativos. A partir de quarta-feira, a tendência é que a umidade diminua bastante, o que deve fazer com que o estado registre fortes geadas.
Fonte: Gazeta do Povo