Prefeitura de Colombo compra duas ambulâncias para atendimento à população

Novos veículos irão se juntar a outros dois para reforçar os atendimentos emergenciais e em eventos na cidade

Veículos irão reforçar o atendimento à saúde no município
O sistema de saúde de Colombo acaba de receber um importante reforço a partir deste dia 31. Duas novas ambulâncias equipadas, modelo Peugeot Boxer irão auxiliar no atendimento à pacientes em casos de urgência e emergência, além de servirem como apoio em eventos realizados no município.
Cada uma das ambulâncias custou R$116.990,00, totalizando R$ 233.980,00 pagos com recursos próprios da Prefeitura Municipal de Colombo. De acordo com a Secretária da Saúde, Dalimar Moreira, a compra dos veículos é fundamental para a saúde de Colombo. “As duas novas ambulâncias significam uma melhora no atendimento aos pacientes e demonstram a preocupação da Prefeitura em prover esse serviço aos moradores”, destaca.
Os dois veículos se juntam a outras duas ambulâncias da Prefeitura, e com estas novas, o serviço será intensificado, como explica a secretária da Saúde, Dalimar. “As ambulâncias vieram em boa hora, oferecendo um transporte seguro e eficiente para a população”, reforça. Ainda de acordo com ela, até o final do ano outras duas ambulâncias deverão se juntar a estas quatro.
Serviço
Ambulância servirá ao atendimento à pacientes em casos de urgência e emergência
Quem precisar dos serviços das ambulâncias no município de Colombo pode solicitar durante as 24 horas pelo telefone 41-3621.0101. A Central de Ambulâncias fica na rua Abel Scuissiato, 40 – Alto Maracanã.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
BLOG – colombopmc.blogspot.com.br; FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo: TWITTER: @ColomboPMC e no site oficial: www.colombo.pr.gov.br
Fotos: João Senechal/PMC

12ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE COLOMBO DIAS 19 E 20 DE AGOSTO




Toda comunidade está convidada a participar da 12ª Conferência Municipal de Saúde que será realizada nos dias 19 e 20 de agosto, a partir das 13.00 hrs.  Vamos debater e discutir as ações em saúde de nossa cidade, só assim poderemos avançar nas politicas públicas de saúde.

 Participe.

Paralisação dos médicos afeta atendimentos em hospitais de Curitiba


Hospital Cajuru cancelou 500 consultas e transferiu cinco cirurgias eletivas. No Hospital de Clínicas, apenas cinco ambulatórios funcionam parcialmente, de um total de 27
A paralisação nacional dos médicos afeta os atendimentos eletivos, considerados não urgentes, nesta terça-feira (30), em Curitiba. Os hospitais Cajuru, Evangélico, Trabalhador e o Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) confirmaram que consultas e cirurgias foram remarcadas. Postos e unidades de saúde da capital também registram transtornos. Apenas os atendimentos considerados essenciais, como urgências e emergências, são atendidos nas instituições públicas de saúde.
Paralisação afeta hospitais no interior
Os reflexos da paralisação nacional também causam reflexos nos atendimentos no interior do estado. Em Londrina, cerca de 300 atendimentos foram suspensos para a próxima semana no Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e o atendimento também é afetado no Hospital da Zona Norte. Em Maringá, a estimativa do Hospital Universitário de Maringá (HUM) é de que 90% dos médicos tenham cruzado os braços. No curso de medicina da Universidade Estadual de Maringá, 100% dos estudantes e residentes aderiram à paralisação.
Nas 109 unidades de saúde de Curitiba, durante a manhã, os atendimentos de urgência e emergência não tinham sido afetados, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. Parte das consultas de menor prioridade, no entanto, precisou ser adiada. O cálculo inicial é de que 30% dos médicos tenham cruzado os braços. Os números devem ser atualizados ao longo do dia pela prefeitura.
A recomendação do órgão municipal – e que vale para as outras instituições de saúde – é para que o paciente ligue para confirmar a consulta antes de se deslocar ao posto. Mesmo assim, em muitos casos, alguns transtornos não podem ser evitados. Alguns médicos, conforme a secretaria, não avisam que vão aderir à greve, o que torna difícil fazer um trabalho antecipado de remanejamento de consultas.
O Hospital Cajuru relatou que apenas nesta terça (30), 500 consultas que seriam feitas nos ambulatórios foram transferidas. Além disso, a entidade teve a transferência de cinco cirurgias eletivas para os próximos dias. Algumas das consultas ainda não foram desmarcadas e a entidade tem uma central telefônica trabalhando durante a manhã para avisar o maior número de pacientes possível, para evitar transtornos.
No Hospital de Clínicas, apenas cinco ambulatórios funcionam e de modo parcial. No total, a instituição tem 27 divisões. As que funcionam são responsáveis por atendimentos e pacientes em estado mais sensível. Ainda não há um detalhamento desses departamentos que atendem e do número de consultas canceladas. A previsão da entidade é que a situação continue assim nesta quarta (31), quando deve ocorrer novamente a paralisação dos médicos.
O Hospital Evangélico já havia confirmado nesta segunda (29) que consultas que não são urgentes foram canceladas. A instituição já tinha paralisado parte das atividades e pretende voltar ao normal na quarta (31). Até as 9h30, ainda não havia um balanço detalhado sobre quais setores mais afetados, mas a entidade confirmou a interferência da greve nos atendimentos.
Rede estadual
O Hospital do Trabalhador, conforme informou a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) - que administra a instituição -, teve cerca de 40% das consultas não emergenciais transferidas. Apesar disso, os serviços essenciais de atendimento de pacientes de urgência e emergência não são afetados na manhã desta terça (30), conforme a assessoria da entidade.
A Sesa informou ainda que os hospitais regionais do Litoral, em Paranaguá; do Sudoeste, em Francisco Beltrão; e os dois de Londrina estão em funcionamento normal. Nesses locais, alguns médicos entregam panfletos aos pacientes durante a consulta.
Atendimento normal
O Hospital Angelina Caron, que também atende urgências e emergências, relatou, via assessoria que não tem registro de atendimentos cancelados nesta terça (30) até as 9h30. A entidade não descarta que alguns médicos tenham aderido à greve, mas o fato não interfere nos atendimentos.
Reivindicações
Os médicos realizam um ato público durante o dia em várias praças de Curitiba. A primeira delas é a Praça Rui Barbosa, onde a aglomeração começou a ocorrer por volta das 9h30. Em seguida, à tarde, os profissionais se dividem em outros pontos da cidade. Estão previstas aglomerações para panfletagem nas praças Carlos Gomes, Santos Andrade, Rui Barbosa, Osório, Tiradentes e 19 de Dezembro. Alguns médicos devem pegar ônibus para conversar com os usuários do transporte coletivo da capital. O manifesto é organizado em conjunto pela Associação Médica do Paraná (AMP), o Sindicato dos Médicos do Paraná (Simepar) e o Conselho Regional de Medicina (CRM).
Os protestos se dirigem, principalmente, contra três posicionamentos recentes do governo federal: osvetos da presidente Dilma a alguns pontos do chamado Ato Médico; à medida provisória que aumenta para oito anos o tempo do curso superior de medicina; e à não exigência de que médicos estrangeiros passem pelo exame de revalidação do diploma, o Revalida.

Fonte; Gazeta do Povo

II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE - DIA 31 QUARTA FEIRA

II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

DIA 31 – das 8h às 17h

Acontece neste dia 31, das 8 às 17 horas, a II Conferência Municipal do Meio Ambiente, no Pavilhão do Parque da Uva, na Rua Marechal Floriano Peixoto, 8771, centro. O evento é uma realização da Prefeitura por meio da Secretaria de Meio Ambiente.
A conferência tem como objetivo fazer com que Colombo colabore para a implementação da Lei 12.305/2010, além de promover o debate das principais demandas ambientais do município. A iniciativa é a etapa preparatória para as conferências regional, estadual e nacional, todas com o mesmo tema.
Mais informações:
Secretaria de Meio Ambiente de Colombo – Rua Marechal Floriano Peixoto, 8771, Centro (41) 3656- 4849.
Email: meioambiente@colombo.pr.gov.br
Site: www.colombo.pr.gov.br

Caso Thayná, dois policiais acusados de torturas foram soltos






DOIS POLICIAIS LOTADOS NA DFRV FORAM LIBERADOS


Por volta das 17h desta segunda-feira os policiais civis Lucas Garcia e José Paulo de Freitas e Silva foram soltos. Eles estavam na da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV). Os dois fazem parte do grupo de 15 pessoas acusadas de torturar os quatro homens presos suspeitos de matar Tayná, em Colombo, no fim de junho. O inquérito do caso foi concluído hoje e nos próximos dias o Ministério Público deve oferecer denúncia à Justiça.

fONTE: Blog da Joice

Ex-senadores ganham até R$ 11,4 mil de aposentadoria

Três ex-senadores que ocupam atualmente cargo de ministros – dois no governo Dilma Rousseff e um no Tribunal de Contas da União (TCU) – recebem aposentadorias do Senado tendo contribuído apenas por oito anos para o Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC). Os pagamentos são bem maiores do que os benefícios pagos pelo INSS aos trabalhadores da iniciativa privada, depois de 35 anos de contribuição. O teto do INSS é de R$ 4.157 brutos. Já os ex-senadores recebem entre R$ 5.063 e R$ 11.452 em valores líquidos de aposentadorias do Legislativo, além do salário da atual função, R$ 19.833 em maio. O benefício é legal.
A ex-senadora de Santa Catarina e atual ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, recebe mensalmente R$ 5.063 líquidos como aposentada do Senado. Ela ficou oito anos no Senado. O também exsenador César Borges, ministro dos Transportes, recebe R$ 11.452 líquidos do Senado. Além dessa aposentadoria, ele ganha mais R$ 6 mil como ex-deputado estadual da Bahia.
Cezar Borges

Antônio Cruz/ABr
Ampliar imagem
Já Valmir Campelo, ministro do TCU, foi deputado federal por Brasília por um mandato e senador também por um mandato. Sua passagem pelo Congresso lhe rendeu a indicação para o TCU, onde está desde 1997. Mensalmente, como aposentado do Senado recebe R$ 7.757 líquidos, além do salário do TCU, mais de R$ 26 mil brutos, ou R$ 18,6 mil líquidos.
Polêmica
O Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC) foi criado em 1997 em substituição ao Instituto de Previdência dos Congressistas, que não se sustentava com as contribuições e acabou sendo extinto naquele ano, com um rombo de R$ 520 milhões. À época, a criação do PSSC gerou muita polêmica por permitir que parlamentares se aposentassem após oito anos de contribuição e com idade mínima de 50 anos.
Pelas atuais regras do PSSC, os deputados e senadores devem ter contribuído com 35 anos para a Previdência e ter idade mínima de 60 anos, além de contribuir para o fundo dos congressistas por ao menos oito anos. Eles têm desconto mensal de 11% sobre o salário de parlamentar, o que corresponde atualmente a R$ 2.939. Caso o congressista não queira ter esse desconto, pode pagar a Previdência Social comum, cujo desconto é de R$ 457.
Outro lado
Ministros alegam que têm direito porque contribuíram
Os ex-senadores e hoje ministros que se beneficiam da aposentadoria parlamentar especial alegam que contribuíram para ter direito ao pagamento. A assessoria de imprensa da ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, disse que, além de contribuir por oito anos com o Senado, ela também pagou para o Instituto de Previdência do Estado de Santa Catarina por mais 20 anos, período em que foi professora e por mais nove anos para o INSS. “A aposentadoria do PSSC é a única que ela recebe após 37 anos, nove meses e 11 dias de contribuição”, disse a assessoria da ministra.
O ministro dos Transportes, César Borges, afirmou que, quando senador, efetuou recolhimento à base de 22% (dobrado) para o PSSC. Assim, pode contar o tempo de mandato estadual na aposentadoria especial. “Mas não recebo nada como ex-vice-governador nem como ex-governador [da Bahia]”, declarou Borges. A assessoria do ministro Valmir Campelo, do TCU, foi procurada. Mas a reportagem não obteve retorno.

Fonte: Gazeta do Povo

Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais é marcado com exames de prevenção em Colombo

Como medida preventiva a Secretaria de Saúde realizou testagem rápida para hepatites B e C, no último final de semana

Entre homens e mulheres, com idade mínima de 16 anos, foram realizados 44 testes
A Prefeitura de Colombo, através da Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) realizou no último sábado, 27, a testagem rápida para hepatites B e C. A iniciativa aconteceu em alusão ao dia 28 de julho, data em que se comemora o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, instituída pelo Ministério da Saúde para incentivar ações de prevenção relacionadas às Hepatites Virais.
Entre homens e mulheres, com idade mínima de 16 anos, foram realizados 44 testes, no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) e Centro de Especialidades Médicas (CEM). Em apenas 20 minutos os pacientes tinham acesso ao resultado. Desses, apenas um foi diagnosticado caso positivo de hepatite C, o qual será encaminhado para o laboratório.
De acordo com a enfermeira coordenadora do CTA, Marta Zengo, duas salas foram disponibilizadas para a coleta do material destinado aos exames e outra para o aconselhamento na entrega dos resultados. “Dependendo do resultado, encaminhamos o paciente para realizar o exame em laboratório. O resultado fica pronto em sete dias”, disse.
Resultado dos testes para hepatites B e C é conhecido em 20 minutos
Dados da Divisão de Vigilância Epidemiológica de Colombo (SINAN 2013) foram notificados, em 2010, 101 casos de hepatites, em 2011, 116 casos, e em 2012, 117 casos.
Marta explica ainda que, as Hepatites B e C são doenças transmitidas por vírus e a contaminação acontece, principalmente, através de relações sexuais desprotegidas (sem camisinha), realização de procedimentos sem esterilização adequada (cirurgias, hemodiálise, tatuagens, perfurações na orelha, colocação de piercings), uso de drogas com compartilhamento de seringas, agulhas ou outros equipamentos, acidentes perfurocortantes e de mãe para filho durante a gestação.
Serviço:
Para quem não participou da campanha, pode agendar o teste rápido das Hepatites B e C, no horário das 8 às 17h, por meio do telefone 41-3006.0730 ou pessoalmente no Centro de Especialidades Odontológicas e Médicas (CEO/CEM) na rua Abel Scuissiato, 41.
Mais informações sobre o trabalho da Prefeitura em:
BLOG – colombopmc.blogspot.com.br;
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo:
TWITTER: @ColomboPMC e no site oficial: www.colombo.pr.gov.br