Uso de formol ainda é corrente


Descoberta de que o produto químico foi usado para adulterar leite reacende alerta sobre o uso inadequado da substância
Após a denúncia da presença de formol no leite adulterado por transportadores no Rio Grande do Sul, feita após investigação da Operação Leite Compensado, do Ministério da Agricultura, autoridades de saúde voltam a fazer o alerta sobre o contato ou uso contínuo da substância pela população, o que traz uma série de prejuízos à saúde, entre eles a pneumonia química e até tumores. Atualmente, há normatização específica que limita a concentração do formol em vários produtos que o utilizam em seu processo de fabricação – a maioria deles cosméticos –, mas procedimentos de beleza como as técnicas de alisamento, proibidas pela Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anvisa) por não respeitar a concentração máxima, ainda são correntes no país.
Em relação ao leite, as autoridades médicas afirmam que não há risco à saúde de quem foi vítima da adulteração e chegou a consumir o produto. “É importante alertar que a exposição aguda ao formol, em pequenas quantidades, não causa câncer. Não há razão para pânico. O risco está numa exposição crônica, como no caso das escovas progressivas, que utilizam uma concentração altíssima de formol”, explica o professor de Medicina da Universidade Positivo (UP) Edison Brum. Até mesmo na área médica, em que o produto é utilizado para conservação de peças anatômicas e na limpeza de equipamentos, o médico afirma que está havendo a substituição do formol por outros produtos, para evitar a exposição.
Riscos à saúde
Confira os danos causados à saúde pelo formol com base na concentração:
• 0,8 ppm a 1 ppm* – Percepção do cheiro.
• De 1 ppm a 2 ppm – Irritação do nariz, garganta e olhos.
• Entre 10 e 20 – Dificuldades na respiração, lacrimação, queimação, coceira na pele.
• Em torno de 50 – Edema pulmonar, pneumonia química.
• De 50 a 100 ppm – Morte.
* Em partes por milhão – ppm, em soluções diluídas
Fonte: Daniel Altino de Jesus (Lacen).
No caso do leite, o formol não era a substância principal adicionada, e sim a ureia, que estava contaminada com resíduos do primeiro. Porém, mesmo não causando riscos à saúde quando diluído, o formol não é um produto natural de alguns alimentos, nem deve estar presente durante a fabricação ou transporte dos produtos, justamente pelo risco da exposição crônica do indivíduo à substância. De acordo com a professora do curso de Engenharia de Alimentos Cinthia Spricigo, há empresas transportadoras que adicionam formol ao leite para evitar a sua decomposição até a chegada à usina de beneficiamento, mas que isso constitui fraude.
Alisamento eleva risco de câncer
O formol, ou formaldeído, é considerado um agente com potencial cancerígeno pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde 2004, após estudos conduzidos pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc), ligada ao órgão. As pesquisas comprovaram que pessoas expostas ao formaldeído de forma crônica e em altas concentrações têm maior probabilidade de desenvolver câncer de boca, nariz, garganta e das células brancas do sangue, a leucemia mieloide.
“O formol, de acordo com a OMS, é um carcinogênico do grupo 1, que é o grupo dos produtos com maior poder de causar câncer. Têm o poder de causar anomalias também durante o processo de reprodução humana, durante a gravidez. A exposição ao formol puro, em forma de gás ou líquido, faz com que as células que entram em contato com o produto sofram mutação genética, que pode levar a tumores”, explica o diretor dos laboratórios de Vigilância Sanitária e Ambiental do Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen), Daniel Altino de Jesus.
No Brasil, o maior problema envolve o uso do produto em escovas progressivas para o alisamento do cabelo, o que é proibido pela Anvisa. Não há qualquer produto nessa área com registro na agência, já que a concentração máxima permitida em produtos cosméticos no país é de 0,2% e, para obter o efeito alisante, a escova progressiva precisa utilizar o formol com concentração mínima de 37%.
Composição
Saiba quais produtos e atividades utilizam formol:
Cosméticos
Há grande quantidade de produtos que contém a substância, usada como conservante, entre eles xampus, cremes para cabelo, loções para a pele, desodorantes e produtos de banho, além de fortificantes de unhas. Como conservante, a concentração máxima permitida é de 0,2%. Como fortificante de unhas, a Anvisa permite a concentração máxima de 5%.
Hospitais, laboratórios e IMLs
Por sua função bactericida, o formol é muito utilizado para a preservação de cadáveres, tecidos e peças anatômicas, além de ser usado para a limpeza de equipamentos.
Alimentos
O formol não é utilizado na fabricação de alimentos, mas pode sofrer contaminação durante o processo de envase, por combustão ou ainda durante o plantio, pelo uso de fumigantes.
Cigarros
O formol está presente na fumaça expelida pelo cigarro e aspirada por fumantes ativos e passivos, normalmente numa concentração de 60 a 130 mg/cm³.
Fonte: Anvisa; Inca.

Polícia quer perfil de casal de PMs mortos em chacina




A intenção é analisar a convivência entre o sargento Luís Marcelo Pesseghini e a cabo Andréia Pesseghini, além relação deles com o filho, Marcelo, de 13 anos, o principal suspeito dos crimes


A Polícia Civil pretende traçar um perfil do casal de policiais militares mortos a tiros em uma chacina com cinco membros da mesma família na Brasilândia, zona norte de São Paulo, na semana passada. A intenção é analisar a convivência entre o sargento das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) Luís Marcelo Pesseghini e a cabo Andréia Pesseghini, além relação dos dois com filho, Marcelo Eduardo Pesseghini, de 13 anos, o principal suspeito dos crimes até o momento.
Apesar de o garoto ser apontado como o autor do crime, nenhuma hipótese de investigação foi descartada, como vingança ou crime passional. Desde o início do inquérito, a tese era de que, na madrugada do dia 05, o garoto matou a tiros o pai, a mãe, a avó e uma tia-avó. Depois, dirigiu até perto da escola onde estudava esperou o dia amanhecer e assistiu à aula normalmente. Quando voltou para casa, teria cometido suicídio. A arma do crime foi encontrada na sua mão.

Até esta terça-feira, 13, já haviam sido ouvidas 27 testemunhas. Sandra Feitosa, prima da cabo morta, acompanhou a mãe, tia da vítima, para ser ouvida no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Sandra disse que sua mãe foi convocada para dizer como os demais familiares ficaram sabendo da chacina. “A gente não consegue acreditar. Não vejo como uma criança pode ter feito isso, um jovem”, afirmou na saída do DHPP.Agora, a polícia quer ampliar as linhas de investigação e focar na personalidade do casal de PMs, o que inclui ouvir colegas de trabalho e amigos civis. O Instituto de Criminalística vai fazer um laudo das ligações dos celulares dos pais de Marcelo e do restante da família. Um computador e um tablet apreendido na casa serão analisados.
A polícia também tomou o depoimento na tarde desta terça de uma diretora do Colégio Stella Rodrigues, onde Marcelo estudava, e de um colega de classe do garoto. Segundo o delegado do caso, Itagiba Franco, as duas testemunhas compareceram ao DHPP por volta das 14h. Eles foram ouvidos até as 20h.
Segundo Franco, a polícia ainda deverá procurar uma vizinha da família que disse ter visto duas pessoas - entre elas um PM fardado - na residência na tarde em que os crimes foram descobertos.
O número de testemunhas pode crescer ainda mais, uma vez que o DHPP deverá chamar todos os cerca de 30 policiais que estiveram na cena do crime logo após a chacina. Para a polícia, há sinais de que o local não foi preservado corretamente antes da chegada da equipe do IC.
Corpos
Uma das mais importantes provas para desvendar como aconteceram as cinco mortes é o laudo do exame nos corpos das vítimas. A polícia já pôs em xeque um indício de que haveria uma diferença de 10 horas entre o assassinato do pai e da mãe.
A divergência no resultado da perícia nos corpos, segundo as investigações, poderia ter sido causada pela sequência de exames entre as vítimas - o pai teria sido analisado primeiro, em um intervalo de 10 horas em relação à mãe.
Fonte Gazeta do Povo

Assista a difícil luta dos pacientes renais crônicos para se manterem vivos



Programa "Profissão Repórter" mostrou a difícil realidade dos pacientes renais crônicos


Mais de 900 pessoas aguardam por um transplante de rim no RS
Cerca de 100 mil pessoas fazem hemodiálises no Brasil. O RS é o estado com maior número de transplantes de rim.
O Profissão Repórter desta terça-feira (13/08) mostrou a história de luta de pessoas que esperam por um transplante de rim.
Em Porto Alegre (RS), a repórter Eliane Scardovelli e o repórter cinematográfico Rafael Batista acompanham todo o processo de transplante: a chegada  do órgão, o resultado da prova de compatibilidade e a cirurgia.
Tarima Nistal mostra  um jovem de 18 anos que deixou de crescer por causa de uma doença nos rins e uma garotinha, em São Paulo (SP), que aguarda por um transplante.
Em uma clínica para tratamento de doentes renais, em Feira de Santana, no interior da Bahia, Valéria Almeida se emociona ao conhecer uma mãe de família que repete um período da trajetória de vida da jornalista.


Prefeitura de Colombo reforma Pronto Atendimento do Osasco

Várias obras estão sendo realizadas para garantir uma infraestrutura de qualidade para a população

Telhado do PA, no bairro Osasco está sendo substituído
Começaram na última semana as reformas e manutenções na infraestrutura do prédio onde funciona o Pronto Atendimento (PA) 24 Horas, no bairro Osasco, em Colombo. Em virtude da degradação do telhado, causada pelo desgaste do tempo, a principal melhoria está sendo a substituição de 460 metros de telhas velhas por outras novas de seis milímetros de espessura.
De acordo com o chefe de Divisão e Manutenção de Obras da secretaria municipal de Obras e Viação, Roberto João de Benevictos, a reforma está prevista para ser concluída até esta sexta-feira, dia 16. Ele explica que o problema de infiltração no PA do Osasco, já era considerado crônico, com goteiras em toda a cobertura, causada pelo acúmulo de águas na laje.
“Recebemos muitas reclamações no início do ano, até mesmo os médicos reclamavam da quantidade de goteiras no local. Com a troca de toda a estrutura do telhado, substituindo as telhas deterioradas pela ação do tempo e pela ausência de manutenção, por estas novas telhas, não teremos mais este problema”, garante.
Paralelo a este trabalho, segundo o diretor de obras da secretaria de Obras e Viação, Ítalo Perini Neto, foi realizado também no Pronto Atendimento do Osasco a colocação de uma janela, trocas de lâmpadas com reatores e a reforma e ativação de um banheiro para melhorar o atendimento no consultório médico.
Cobertura do Pronto Atendimento 24H estava deteriorada
O secretário municipal de Obras e Viação, João Maria Rodrigues, lembra que desde os primeiros meses deste ano foram executadas reformas em várias Unidades de Saúde, escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI’s). “Nossa meta é realizar reformas e manutenções em todos os locais públicos municipais prejudicados pela ação do tempo ou vandalismo e oferecer boas condições de infraestrutura e segurança para a população”, destaca.
Fotos: João Senechal/PMC
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
BLOG – colombopmc.blogspot.com.br; FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo: TWITTER: @ColomboPMC e no site oficial: www.colombo.pr.gov.br

Agentes da Guarda fazem palestra em escola municipal

Conversa tratou de assuntos como respeito com os pais, professores e amigos de classe

Alunos da escola municipal Juscelino Kubitschek participam da palestra “Disciplina e Hierarquia”
A Guarda Municipal de Colombo está trabalhando com um novo projeto nas escolas da rede municipal. Com o objetivo de se aproximar das crianças e passar bons exemplos, os agentes iniciaram uma série de palestras intitulada “Disciplina e Hierarquia”.
Para isso, alunos do 4º e 5º anos da escola Juscelino Kubitschek, do bairro Santa Tereza, participaram no dia 12, da palestra que passou conceitos como respeito com os pais, professores e colegas de classe. A conversa contou com a apresentação de slides, fotos e vídeos.
De acordo com o diretor do departamento de Segurança e superintendente da Guarda Municipal, Gilmar dos Santos, os agentes irão realizar palestras em outras escolas do município abordando os mais variados temas. “Estamos visando o bem comum das pessoas”, destacou.
A diretora da escola municipal Juscelino Kubitschek, Marialva Batistão, disse que a palestra foi de extrema importância, pois serviu para melhorar o relacionamento entre alunos, professores e escola.
Guardas municipais de Colombo conversam com as crianças do 4º e 5º anos sobre respeito
Entre os assuntos abordados na palestra estão os cuidados em casa; na escola; no trânsito; o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA); maioridade penal; a importância do estudo e do esporte na formação do cidadão e cidadania. A ação faz parte de uma parceria entre a Guarda Municipal e a Secretaria da Educação, Cultura e Esporte.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
BLOG – colombopmc.blogspot.com.br; FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo: TWITTER: @ColomboPMC e no site oficial: www.colombo.pr.gov.br

Justiça de Colombo aceita denúncia contra 16 acusados de tortura no caso Tayná


No total, 21 foram denunciados pelo MP-PR. Outros cinco teriam cometido atos em Araucária e Campo Largo e juízes de Colombo desmembraram o processo

A Justiça de Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), aceitou a denúncia contra 16 dos 21 acusados pela tortura dos quatro suspeitos durante a investigação do assassinato de Tayná Adriane Silva, de 14 anos – ocorrido na mesma cidade. A decisão foi tomada por um colegiado composto por três juízes, que chegaram à conclusão de que não compete à Vara Criminal da cidade julgar os outros cinco, que teriam cometido os atos de tortura em Araucária e em Campo largo – também na RMC.
A informação foi confirmada nesta quarta-feira (14) pela assessoria do Ministério Público do Paraná (MP-PR). A reunião entre os juízes ocorreu no último dia 7, quando houve a definição inicial sobre o caso. O consenso, no entanto, ainda não é definitivo, já que os juízes de Campo Largo e Araucária podem questionar a competência de julgar o caso em uma ação chamada de “suscitar conflito”. Neste caso, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) decide de quem é a responsabilidade de julgar as acusações contra os outros cinco policiais.
Tayná foi assassinada no dia 25 de junho, em Colombo e, rapidamente, a Delegacia Alto Maracanã deu o caso como esclarecido com a prisão de quatro suspeitos que teriam confessado ter estuprado e matado a adolescente. O rumo das investigações da morte começou a mudar, no entanto, a partir de uma declaração por parte da criminalística e pela apuração de tortura dos suspeitos por policiais.
Fonte: Gazeta do Povo