Trio é preso após assaltar jovem na frente de quartel da PM em Curitiba


Por Marina Sequinel e Juliano Cunha

Três rapazes foram presos no início da manhã deste domingo (17), no bairro Rebouças, emCuritiba. Detalhe: eles tinham acabado de assaltar um jovem de 18 anos, usando uma faca, nafrente do quartel da Polícia Militar (PM).
assaltantes-171113-bandab
(Foto: Juliano Cunha – Banda B)
Bruno Fernando Gerlach, de 26 anos, Jackson Borges, de 21, e Laiolor Marcos de Lima Rodrigues, 24, foram abordados por viaturas durante a fuga, na esquina da avenida Silva Jardim com a 24 de maio. A “ousadia” ou a “falta de atenção” dos assaltantes impressionou a polícia.
O trio foi encaminhado direto para a carceragem.

Mãe e filha morrem após pularem em córrego para salvar cãozinho



A filha pulou para salvar o cão e a mãe atrás para resgatar a filha


Uma tragédia chocou moradores de Itaperuçu, na região metropolitana de Curitiba, na tarde deste sábado (16). Mãe e filha morreram tentando salvar o cão da família de uma enxurrada, provocada pela chuva que atingiu o bairro Jardim Itaú.

Segundo testemunhas, o animal de estimação caiu no córrego e começou a ser levado pela forte correnteza. Foi nesse momento que a pequena Priscila Santos, de 8 anos, correu para a água e se jogou para resgatar o bichinho. "A mãe da menina, então, desesperada, pulou para salvar a filha. Os vizinhos viram a cena e tentaram ajudar, mas só conseguiram tirar a criança do rio", contou o agente Sidnei.

Priscila foi levada ao Hospital Evangélico, mas não resistiu e morreu na madrugada deste domingo (17). O corpo da mãe foi encontrado às 22h de ontem. Ambos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML).

Mensalão: presos ficam em celas individuais com chuveiro de água fria


Condenados permacerão na Papuda e na Penitenciária de Gama até decisão final da Vara de Execuções Penais de Brasília

Os nove homens condenados no julgamento do Mensalão que se entregaram à PF (Polícia Federal) dormem em celas individuais no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. Cada uma delas tem cerca de seis metros quadrados, uma cama, um lavatório, um vaso sanitário e chuveiro com água fria.

As duas mulheres - Kátia Rabelo e Simone Vasconcelos - estão na Penitenciária Feminina do Gama, nas proximidades da capital federal.

Todos vão ficar nesses presídios até o juiz da Vara de Execuções Penais de Brasília decidir onde cada um vai cumprir a pena.

Foragido
A PF (Polícia Federal) confirmou, por volta das 11h45 de sábado, que o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato fugiu para a Itália.  Ele foi condenado a 12 anos e 7 meses de prisão no julgamento do mensalão. 

Em nota divulgada à imprensa, o ex-diretor afirmou que tentará "um novo julgamento na Itália, em um tribunal que não se submete às imposições da mídia, como está consagrado no tratado de extradição Brasil e Itália". "Por não vislumbrar a mínima chance de ter julgamento afastado de motivações político-eleitorais, com nítido caráter de exceção, decidi consciente e voluntariamente fazer valer meu legítimo direito de liberdade", diz Pizzolato. Ele tem dupla cidadania e ressalta que vai tentar um novo julgamento na Itália.

Após as declarações de Pizzolato, seu advogado, Marthius Savio Lobato, disse à imprensa que não responde mais pelo ex-diretor.

Embaraço
A fuga do ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado pelo mensalão, cria um embaraço entre Brasil e Itália, acredita o professor especialista em Relações Internacionais e mestre em Direito Internacional Bruno Yepes. “O fato de ele ter fugido já cria um embaraço grande por ele ter dupla nacionalidade. Chegando na Itália, ele é tão italiano quanto ele é brasileiro”, disse em entrevista à BandNews FM.  

Por esse motivo, o professor não acredita que o governo italiano irá deportá-lo. Outro motivo é o caso Cesare Battisti, condenado por assassinatos na Itália, que teve refúgio concedido pelo governo brasileiro. "Depois disso, você acha que a Itália vai devolver Pizzolatto ao Brasil? Vento que bate lá, também bate aqui", observa Yepes. Perguntado se seria possível uma troca de Battisti por Pizzolato, o professor acredita que isso não seria possível, pois seria necessária uma revogação do asilo político.

Yepes lembra de um outro ponto ainda. “O governo brasileiro também não extradita brasileiros para cumprimento de pena no exterior. Dificilmente ele [Pizzolato] será deportado para que cumpra pena. Já foi pensando nisso que ele buscou refúgio no território italiano”.

O ex-diretor do Banco do Brasil, inclusive, não poderia ter deixado o país após o início do julgamento do mensalão. “Todas as vezes que tem condenação criminal, esse criminoso não pode se ausentar do país. Até porque, no curso do processo, há impossibilidade de se ausentar do domicílio da culpa sem autorização do juiz. Ele [Pizzolato], de uma certa forma, fez isso incorretamente. Por ele ter saído por terra, mostra que ele já não estava bem intencionado”, aponta Yepes.

Trâmite
Agora, o trâmite legal para o pedido de deportação começa com a notificação da Interpol – a polícia internacional –, que passa a informação a todas as polícias, incluindo a italiana, de que Pizzolato é um procurado. Sendo identificado, a polícia italiana irá avisar a brasileira, que repassará a notícia ao governo brasileiro. A partir desse momento, este poderá pedir a deportação do ex-diretor ao governo italiano, o qual deverá analisá-lo.

Mensalão na Itália
A respeito da afirmação de Pizzolato de que quer se julgado na Itália, Yepes diz que esse desejo não deve ser realizado.  “Nesse caso, você já tem o trânsito em julgado. A matéria em si já foi decidida. Não dá para julgar novamente o que já foi julgado”.

Relembre agora a quantos anos de prisão foram condenados cada um dos mensaleiros:
Cristiano Paz: ex-sócio de Marcos Valério foi condenado a 25 anos, 11 meses e 20 dias de prisão em regime fechado por formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro.

Delúbio Soares: ex-tesoureiro do PT pegou 8 anos e 11 meses de detenção por formação de quadrilha e corrupção ativa.

Henrique Pizzolato: ex-diretor do Banco do Brasil pegou 12 anos e 7 meses de prisão porformação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro.

Jacinto Lamas: ex-tesoureiro do extinto PL (atual PR) pegou cinco anos em regime semiaberto por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

José Dirceu: ex-ministro da Casa Civil, considerado o chefe do esquema, foi condenado a 10 anos e 10 meses de prisão por formação de quadrilha e corrupção ativa.

José Genoino: ex-presidente do PT e deputado licenciado (PT-SP) foi condenado a seis anos e 11 meses de prisão em regime semiaberto por formação de quadrilha e corrupção ativa.

José Roberto Salgado: ex-dirigente do Banco Rural foi condenado a 16 anos e 8 meses de prisão por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e evasão de divisas.

Kátia Rabello: ex-presidente do Banco Rural, responsável pelos empréstimos fraudulentos ao esquema, pegou 16 anos e 8 meses de prisão e não tem direito a sair da cadeia. Foi condenada por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e evasão de divisas.

Marcos Valério: o publicitário, apontado como operador do esquema do mensalão, pegou 40 anos, 4 meses e 6 dias de cadeia e vai cumprir a pena em regime fechado. Valério foi condenado por formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Ramon Hollerbach: ex-sócio de Marcos Valério pegou 29 anos, 7 meses e 20 dias de prisão por formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Romeu Queiroz: ex-deputado federal pelo PTB foi condenado a 6 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Simone Vasconcelos: ex-funcionária de Marcos Valério foi condenada a  12 anos, 7 meses e 20 dias de prisão em regime fechado por formação de quadrilha, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Para amigos, surto explicaria padrasto assassinar menino Joaquim



Um surto psicótico, causado após o consumo de drogas, explicaria o envolvimento de Guilherme Raymo Longo, 28, na morte do menino Joaquim Ponte Marques, 3, em Ribeirão Preto (313 km de São Paulo).
É o que apontam relatos de familiares e amigos do padrasto do menino, encontrado morto no último domingo (10) no rio Pardo, após cinco dias de desaparecimento.
Folha ouviu 24 pessoas que convivem ou já conviveram com Longo e sua mulher, Natália Mingoni Ponte, 29. Eles estão presos desde o dia em que o corpo foi encontrado e são apontados pela polícia como os únicos suspeitos do crime.
Descrito como um filho amoroso, apaixonado pela mulher e carinhoso com o enteado, Longo era chamado de "Guigui" por Joaquim e, contam, era comum vê-los brincando, como no Natal, quando ficaram o dia todo juntos.
Longo é o filho mais velho de Augusta e Dimas --foi adotado, assim como seus dois irmãos. "O Guilherme que conheci seria incapaz de cometer crime", disse uma amiga, que não quis se identificar.

Padrasto de Joaquim, Guilherme Raymo Longo, 28, deixa a DIG de Ribeirão Preto na quarta-feira (13) após prestar depoimento



Esse perfil contrasta com depoimentos de Natália após ser presa --que apontam para a agressividade do marido, passagens policiais por roubo e vício em cocaína. A Promotoria afirma ver indícios de premeditação na morte.
A relação dos dois teve início há dois anos, quando ele estava internado na clínica Santa Rita de Cássia 2, em Ipuã (411 km de São Paulo), para se recuperar do vício em cocaína e álcool. Natália era psicóloga no local.
Ele chegou lá após morar dois anos na Irlanda, entrar em três faculdades (sem concluir nenhuma), passar a usar cocaína e a abusar de bebidas e ter duas passagens policiais por roubo.
Em uma, foi acusado de levar R$ 150 e o celular de uma mulher, segundo dados do Tribunal de Justiça. Foi inocentado nos dois casos.
Se tratou por sete meses, teve alta e iniciou estágio na clínica. Um ex-diretor disse que ele "não se comportava como quem se recuperava".
Com Joaquim, passaram a morar em São Joaquim da Barra (382 km de Sçao Paulo). Há cinco meses, se mudaram para uma casa da família de Longo em Ribeirão, onde nasceu o filho do casal, hoje com quatro meses.
Foi de onde, supostamente, Joaquim sumiu no dia 5. Cinco dias depois, os dois foram presos e Natália passou a acusar Longo de ser agressivo, ameaçar se matar e de ter tido recaída nos vícios.
"Ele me disse que estava tomando cerveja novamente. A bebida leva às drogas", disse Pedro Alberto de Souza, 29, coordenador da clínica.
Antes da morte do filho, Natália não havia relatado ameaça ou agressão --após brigas, ficou um mês na casa dos pais no início deste ano, que afirmaram nada saber.
O pai dela, Vicente Ponte, a apoiou para reatar o romance. "Não sei mais o que pensar da relação dos dois."

Condor investe R$ 500 milhões e entra em SC


Joanir Zonta


Rede de Pedro Joanir Zonta faz 40 anos em 2014 e quer crescer mais
O empresário Pedro Joanir Zonta, fundador da rede de supermercados Condor, tem planos ambiciosos para o aniversário de 40 anos do grupo, que será comemorado em 2014. Vai investir R$ 500 milhões nos próximos três anos em expansão e abrir a primeira loja fora do Paraná.
O projeto inclui aumentar o número de lojas de 36 para 45 até 2016. Ao todo serão nove hipermercados, entre eles uma loja em Joinville (SC), cidade escolhida para começar a expansão para o estado vizinho. “É um cidade com bom potencial de consumo, terceira maior do Sul, ao superar Londrina”, diz um sorridente Zonta na sede da empresa, no bairro Pinheirinho, em Curitiba. De acordo com ele, a ideia é abrir também em Londrina. “Os projetos estão prontos, só estamos aguardando a liberação dos alvarás.”
Obstáculo
Com falta de mão de obra, grupo “importa” contingente de Antonina
Para driblar a escassez de mão de obra, o Condor passou a trazer pessoas de Antonina, no litoral do estado, para trabalhar nas lojas da rede. Todos os dias ônibus da Graciosa exclusivos para o grupo trazem e levam empregados que moram no município. “Foi uma parceria que fizemos com a prefeitura, quando houve o problema de enchentes em Antonina”, lembra Pedro Joanir Zonta, presidente do grupo. Com o programa, o grupo já contratou 3,5 mil pessoas.
Segundo ele, a alta rotatividade é um dos principais problemas do setor. O Condor emprega hoje 10 mil pessoas, número que deve chegar a 12 mil com os planos de expansão. Atualmente a empresa tem 300 vagas abertas.
Segundo ele, o varejo vai bem e deve continuar a crescer nos próximos anos. Embora a inflação seja uma reclamação de nove entre dez consumidores, ele diz que os pilares que fizeram o consumo crescer nos últimos anos estão mantidos: aumento da renda, desemprego baixo. “A classe C é uma coisa sem fim. Todo mundo quer consumir mais”, diz.

Do suco em pó que foi substituído pelo de caixinha ao vinho popular que perdeu lugar para versões mais sofisticadas, a classe C tem apetite, segundo o empresário.
Zonta diz que “o céu é o limite” para o grupo nos próximos anos, mas diz que a ideia é dar um passo de cada vez.
Em 2013, o grupo deve alcançar um faturamento de R$ 3,03 bilhões, 14% mais que no ano passado. O objetivo é chegar a R$ 4 bilhões até 2016. No ano passado, a empresa passou de nono para sétimo lugar no ranking da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).
Parte dos R$ 500 milhões vai para a ampliação do centro de distribuição de Curitiba, de 28 mil metros quadrados para 42 mil metros quadrados. Ainda está em estudo a instalação de um outro centro de distribuição no Norte do Paraná. “Quando alcançarmos seis, sete lojas na região será viável um CD no local”, afirma. A empresa também vai reformar lojas já existentes. Do total de recursos, 60% virão do BNDES.
Natal
O Condor espera um crescimento de 30% nas vendas de Natal neste ano, embalado por produtos tradicionais, como aves, suínos, panetones e vinhos em geral. Apesar do reajuste de preços de alguns itens, como eletroeletrônicos, por conta da alta do câmbio, Zonta diz que aposta no crédito, com parcelamento até 20 vezes, para impulsionar as vendas.

Jovem inicia arrastão na Eduardo Sprada e morre após errar na escolha da segunda vítima


Por Luiz Henrique de Oliveira

Um jovem de 22 anos morreu na madrugada deste sábado (16) após levar vários tiros na Rua Eduardo Sprada, no bairro Campo Comprido, em Curitiba. Segundo o apurado pela Banda B, o rapaz tentou roubar a motocicleta de um policial militar e foi atingido após uma troca de tiros. Ele chegou a ser encaminhado pelo Siate ao Hospital Evangélico, mas não resistiu aos ferimentos.
A tenente Baldan, da Polícia Militar (PM), contou à Banda B que já era o segundo roubo que o suspeito tinha praticado na região. “O que eu sei é que na segunda tentativa ele tentou roubar esse policial militar que reagiu. Com o suspeito encontramos uma arma, que foi encaminhada para os procedimentos legais”, descreveu.
O corpo do jovem foi recolhido ao Instituto Médico Legal de Curitiba (IML).

Primeiro navio de cruzeiro do verão chega ao Litoral do Paraná; fotos


Da Appa

Atracou na manhã desta sexta-feira (15), no Porto de Paranaguá, o navio de passageiros Seabourn Quest. Com 342 tripulantes e quase 500 turistas, o navio norte-americano é de alto luxo e abre oficialmente a temporada de cruzeiros no terminal paranaense. Esta é a primeira vez que a embarcação atraca em Paranaguá. Ainda este ano, pelo menos mais um navio de passageiros é esperado: o conhecido Aida Cara, que deve fazer duas paradas.
“O último navio, da linha de cruzeiros, que atracou em Paranaguá foi o Aida Cara, que atracou quatro vezes em 2012, a última, no dia 15 de dezembro. De 2010 até esta última atracação, foram mais de sete mil passageiros, sem somar as tripulações, que recebemos aqui no Porto de Paranaguá. A cada ano, o número de paradas turísticas só aumenta”, afirma o superintendente dos Portos do Paraná, Luiz Henrique Dividino. Nos últimos 14 anos (de 1998 a 2012) foram realizadas 45 paradas turísticas (paradas técnicas) de navios de passageiros no Porto de Paranaguá.
Parada – O receptivo para os turistas foi feito pela prefeitura de Paranaguá e pela Secretaria Estadual de Turismo. Com parte do efetivo bilíngue, a Guarda Portuária ajudou a cuidar do trânsito e da segurança na faixa portuária. A previsão é que a embarcação deixe o porto às 20h. Segundo a agência marítima BPA, responsável pela vinda do navio, os turis­tas são de 22 nacionalidades diferentes. A maioria, inglesa e norte-americana. Os que desembarcaram em Paranaguá seguiram para passeios curtos em Paranaguá, Morretes e Antonina.
A prefeitura de Paranaguá, como já virou tradição, montou um posto de atendimento aos turistas na praça 29 de Julho. O local como posto de informações turísticas com guias de turismo bilíngues, apresentações culturais, mostra e comercialização de produtos artesanais. Foram previstas apresentações culturais de Fandango e MPB.
Próximo ao local, no Palacete Mathias Bohn, sede do escritório regional da Secretaria Estadual de Turismo, haverá uma exposição fotográfica com os atrativos turísticos do Paraná.
Outros navios – Ainda em 2013, haverá mais duas paradas de navios de turismo em Paranaguá: nos dias 22 de novembro e 22 de dezembro. Em ambos os casos, o navio será o Ainda Cara. No início de 2014, o Ainda Cara fará outras duas escalas e em março, o Porto de Paranaguá receberá o navio Sea Explorer.

Requião esbraveja pelo twitter; é contra prisão de petistas e contra administração petista


16 de novembro de 2013
O senador Roberto Requião (PMDB) já se manifestou contrário às prisões dos acusados no esquema conhecido como “Mensalão”, realizadas desde ontem. Requião também disparou contra a administração de Dilma Rousseff. 
requiones

Atlético Paranaense é derrotado pelo Botafogo no Maracanã


17 de novembro de 2013
Furacão perde de goleada no Rio de Janeiro
Em um duelo direto na briga por uma vaga na Libertadores do ano que vem, Atlético Paranaense e Botafogo se enfrentaram no Maracanã neste sábado. O técnico Vagner Mancini não contou com Paulo Baier (poupado) e Deivid (suspenso), mas teve a volta de outros jogadores, que não atuaram na última rodada. O Furacão não conseguiu se impor e foi derrotado por 4 a 0.
Na quarta-feira o rubro-negro parananse enfrenta o Flamengo pela Copa do Brasil, em casa. O último jogo também acontece no Maracanã, no dia 27.

Com gritos de “vergonha”, Coritiba perde para o Criciúma em casa por 2 a 1


Por Felipe Dalke
O Coritiba perdeu mais um jogo dentro de casa e desta vez contra um concorrente direto na briga contra o rebaixamento. O Criciúma abriu o placar no primeiro tempo, com 28 minutos, gol de Wellington Paulista. Na segunda etapa, o Coxa melhorou o rendimento e empatou com gol de Júnior Urso mas não teve nem tempo de comemorar pois lá sofreu mais um do Criciúma e acabou perdendo. Agora, o Coxa pode entrar na zona de rebaixamento em caso de vitória do Fluminense e do Bahia, no domingo (17).
Coxa começa mal e Criciúma aproveita para abrir placar
Com muita chuva na cidade de Curitiba, o jogo começou feio e truncado no Couto Pereira. A primeira chance foi do Coritiba logo aos dois minutos da primeira etapa, quando Gil cruzou pelo lado direito e o zagueiro Leandro Almeida apareceu pra tocar de cabeça mas a bola foi para fora e o camisa 44 ainda acabou se chocando contra a trave.
O Coxa teve apenas mais duas ou três participações boas dentro da partida, pois o resto, só deu Criciúma. A torcida Coxa-Branca sem paciência via apenas o Tigre jogar, que contava com a boa participação dos laterais Marlon e Sueliton, que comandavam as jogadas ofensivas do Criciúma.
O grande castigo aconteceu aos 28 minutos da primeira etapa, pois após cobrança de escanteio de Ricardinho pelo lado esquerdo, o centro-avante Wellington Paulista se antecipou a marcação e raspou de cabeça para o fundo das redes e saiu para o abraço com os seus companheiros, fechando a primeira etapa no 1 a 0 para o Tigre, que ainda teve uma boa chance com Sueliton, porém, o lateral bateu para fora.
Coxa empata mas leva balde de água fria do Criciúma
Precisando virar o jogo para ter tranquilidade no Campeonato Brasileiro, o Coritiba voltou para o segundo tempo sem modificações e de fato melhorou na partida, mas continuava sem uma postura tática dentro de campo, tentando chegar ao gol apenas na raça, principalmente lançando bolas para dentro da área, que beneficiava a defesa do Criciúma.
Aos 24 minutos, finalmente, a torcida do Coxa teve o que comemorar. Após lançamento, Deivid recebeu a bola dentro da área, fez o giro, tocou para Vítor Júnior que vinha de trás e o camisa 7 do Verdão ajeitou o corpo e cruzou na cabeça de Júnior Urso, que tocou para o fundo das redes.
O problema é que ninguém esperava um balde de água fria logo na saída de bola do Criciúma. O Tigre saiu com rapidez, João Vitor recebeu a bola pelo lado direito do campo e fez o cruzamento, contou com uma falha da zaga Coxa-Branca e o atacante Lins dominou e bateu no canto de Vanderlei que não teve nada para fazer.
FICHA TÉCNICACORITIBA X CRICIÚMA
Local: Estádio Major Antônio Couto Pereira, em Curitiba (PR).
Data: 16 de novembro de 2013.
Horário: 21h.
Coritiba: Vanderlei; Gil, Leandro Almeida, Luccas Claro e Carlinhos; Willian, Junior Urso, Emerson Santos (Júlio César) e Robinho (Vítor Júnior); Alex (Keirrison) e Deivid.
Técnico: Péricles Chamusca.
Criciúma: Bruno; Sueliton, Ewerton Páscoa, Fábio Ferreira e Marlon; Henik, Serginho, João Vitor (Élton) e Ricardinho (Bruno Renan); Lins e Wellington Paulista (Marcel).
Técnico: Argel Fucks.
Cartões amarelos: Gil e Júnior Urso (CFC); João Victor (CRI).
Gols: Wellington Paulista (CRI), aos 28 minutos do primeiro tempo. Júnior Urso (CFC), aos 24 minutos e Lins (CRI), aos 25 minutos do segundo tempo.

Chuva forte provoca estragos e uma morte na região metropolitana de Curitiba




Uma mulher morreu afogada em Itaperuçu. Um carro com três pessoas dentro foi arrastado pela enxurrada na Rodovia dos Minérios, em Rio Branco do Sul. Há registros de desabamentos 
Em meio ao feriadão da República, chuva e vento forte castigam várias cidades do Paraná - em especial a região metropolitana de Curitiba. Há registros de desabamentos de casas e até de pessoas arrastadas pela enxurrada. A situação é mais complicada em Rio Branco do Sul e Itaperuçu, que tiveram várias ruas alagadas. Uma mulher morreu afogada.
Em Rio Branco do Sul, um carro com três pessoas dentro foi arrastado por uma enxurrada e jogado em um rio. O veículo trafegava pela Rodovia dos Minérios. Eles foram socorridos e o carro foi retirado do rio no início da noite. Conforme a Polícia Militar, os passageiros não tiveram ferimentos graves.
A rodovia e várias ruas da cidade chegaram a ficar alagadas. A Polícia Rodoviária Estadual diz que o trecho da rodovia foi liberado assim que parou de chover no local. Algumas ruas continuavam alagadas até às 21 horas deste sábado, segundo a PM.
Em Itaperuçu, uma mulher de 45 anos morreu em um alagamento. Ela tentou salvar a filha, que estava sendo levada pela enxurrada, e acabou se afogando. Vizinhos conseguiram salvar a criança, de 11 anos, que foi encaminhada ao Hospital Evangélico, em Curitiba.
Na mesma cidade há risco de desabamento de um casa em cima de outra por causa da enxurrada. Os números de ocorrências devem crescer nas próximas horas, prevê a Defesa Civil.
A previsão é de que a chuva continue durante a noite na maioria das cidades paranaenses, informa o Instituto Tecnológico Simepar. A temperatura cai um pouco, mas o tempo continua quente e abafado.
Neste sábado, uma frente fria paira sobre o estado, causando chuvas em todas as regiões. Segundo o Simepar, as chances de chuvas fortes e acompanhadas de rajadas de vento são grandes no litoral, na região metropolitana de Curitiba e nos Campos Gerais.
Domingo
No domingo (17), a frente fria se desloca para a região sudeste do país. O tempo começa abrir, mas ainda há previsão de pancadas de chuvas, mais fracas do que as de sábado, durante todo o dia. Não há previsão de ventos fortes. O litoral e a região metropolitana continuam sendo os mais afetados.