Dirigente descarta jogo do Atlético-PR na Arena da Baixada antes da Copa

Presidente do Conselho Deliberativo, Antônio Carlos Bettega, confirma evento teste para 26 de fevereiro, mas diz que time só jogará no estádio após o Mundial-2014


O Atlético-PR voltará a jogar na Arena da Baixada, segundo o presidente do Conselho Deliberativo do clube, Antônio Carlos Bettega, só depois da Copa do Mundo de 2014. O dirigente rubro-negro confirma o primeiro jogo-teste para o dia 26 de fevereiro, mas descarta a possibildade de o Furacão fazer um jogo oficial no estádio antes do Mundial.

- Só jogamos na Arena depois da Copa. Assinamos na quarta-feira o último contrato da conclusão da Arena. O jogo-teste está previsto para o dia 26 de fevereiro. Vamos jogar na Vila Capanema - disse o presidente do Conselho Deliberativo do Rubro-Negro, em entrevista na última quinta-feira, no Paraguai, durante o sorteio dos grupos da Libertadores.
estádio arena da baixada (Foto: Divulgação  )Furacão só deve voltar a jogar na Arena no segundo semestre de 2014 (Foto: Divulgação )
O contrato que envolve clube, Prefeitura de Curitiba, Governo do Paraná e Fomento Paraná ainda não está assinado. Mas, segundo nota divulgada pelo clube e informação da assessoria de imprensa da Fomento, as partes já definiram detalhes do acordo, e ele deve ser assinado em breve. Depois disso, o Atlético-PR vai receber a última parte do financiamento para concluir as obras de reforma, ampliação e modernização da Arena.
Se realmente não voltar a jogar na Arena antes da Copa, o Furacão terá que disputar o Campeonato Paranaense (que vai de 19 de janeiro a 13 de abril), a Taça Libertadores (até as quartas de final) e as nove primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro fora de casa. Além disso, o clube terá que disputar 12 partidas do Brasileirão em outro estádio devido à briga entre torcedores durante o jogo contra o Vasco, no fim de semana passado, na Arena Joinville.
Copa do Mundo na Arena
A obra na Arena da Baixada tem encontrado obstáculos. O Atlético-PR ainda aguarda a liberação da última parte dos recursos. Com dificuldades financeiras, ele tem atrasado o pagamento a empresas que prestam serviços no estádio. Por isso, operários fizeram greve durante a semana. A expectativa, porém, é que a Arena seja concluída até fevereiro. Depois de pronta, ela terá capacidade para 43.891 torcedores. Será palco de quatro partidas da Copa do Mundo: Irã x Nigéria (no dia 16 de junho de 2014), Honduras x Equador (no dia 20), Austrália x Espanha (no dia 23) e, por fim, Argélia x Rússia (no dia 26).

Missa por um Natal Solidário reúne centenas de fiéis no Centro Cívico


14 de dezembro de 2013
A 10ª Edição da Missa por um Natal solidário reuniu pessoas de Curitiba e região para um momento de fé e solidariedade, na Praça Nossa Senhora de Salete, no Centro Cívico. Com o tema “Natal com Jesus é Natal”, o evento trouxe a celebração presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Curitiba, Dom Moacyr José Vitti e animada pelo Padre Reginaldo Manzotti.
No evento, realizado pela Associação Evangelizar é Preciso, os fiéis puderam participar do Terço Mariano, que deu início à tarde de orações. Em seguida, Padre Reginaldo conduziu a bênção com o Santíssimo Sacramento.
Nas barracas montadas ao lado do palco, a população contribuiu com alimentos não perecíveis, que serão doados para as famílias carentes atendidas pela Obra Evangelizar. No ano passado, a Missa por natal Solidário arrecadou cerca de quatro toneladas de mantimentos. Segundo ao organização, a estimativa é de uma arrecadação ainda maior em 2013.
Os jovens atendidos pela comunidade Fonte de Misericórdia, que acolhe rapazes e os recupera do mundo das drogas, estenderam mensagens e participaram relembrando a parceria firmada recentemente entre a comunidade e a Obra que realiza o evento.
Os fiéis receberam velas para serem acesas durante a santa missa, para um momento de oração pelas famílias. Antes da celebração, a imagem de Jesus foi conduzida em uma encenação do Grupo Lanteri. A programação se encerra com show do Padre Reginaldo Manzotti.

Ex-secretário de Justiça lança livro com ataques a Lula


14 de dezembro de 2013
O ex-secretário Nacional de Justiça Romeu Tuma Júnior lançou ontem o livro Assassinato de Reputações – Um Crime de Estado, no qual ataca Luiz Inácio Lula da Silva e acusa o partido do ex-presidente, o PT, de utilizar a máquina do governo federal para montar dossiês contra adversários.
Tuma Júnior, que é delegado, foi secretário do Ministério entre 2007 e 2010, durante o segundo mandato de Lula na Presidência da República. Na época, foi demitido por suspeitas de envolvimento com a chamada máfia chinesa. Parte do conteúdo do livro foi revelada na edição da semana passada da revista Veja.
Em uma das acusações mais polêmicas feitas no livro lançado ontem, o delegado afirma que Lula foi informante da ditadura. Segundo escreveu Tuma Júnior, o então líder sindical repassava dados sobre greves sob o codinome de “Barba” ao Departamento de Ordem Política e Social (Dops), onde atuava seu pai, Romeu Tuma. O petista ficou preso em 1980 por 30 dias no Dops, após greves no ABC.
Segundo Tuma Júnior, ao dar informações ao governo militar, Lula garantiu “privilégios” na prisão. O livro do delegado lista como privilégios noites de sono em um sofá do Dops e uma visita à mãe, dona Lindu, que estava gravemente doente.
Procurado, o Instituto Lula informou ontem que o ex-presidente não iria fazer comentários.
Reputações. Boa parte do livro é dedicada ao que o delegado chama de “assassinato de reputações”. Diz que o então ministro da Justiça e hoje governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, o assediava para que deixasse vazar documentos que prejudicariam adversários. Ele cita o caso do cartel que começou a ser investigado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal em 2008.
Segundo Tuma Júnior, “começou a sair na imprensa que vinha informação da Alstom envolvendo os tucanos”. “Um dia chegou o documento da Suíça, em nome da secretaria. Falei para não mandarem para o Ministério Público ainda: ‘Lacrem o envelope, tragam para mim e avisemos ao ministro, porque chegou a bomba dos documentos da Alstom’”, escreve. As informações tinham como alvo principal Robson Marinho, ex-chefe da Casa Civil do governo tucano de Mário Covas. Eram relatórios enviados voluntariamente pelo país europeu. O ex-secretário de Justiça relata que, mesmo sendo documentos compartilhados por poucas pessoas, eles acabaram vazando mesmo assim.
Ele também critica a ação de parte dos promotores paulistas. “É importante registrar: no Ministério Público de São Paulo existe uma ala que sempre protegeu tucanos de alta plumagem”.
Tuma Júnior também acusa outro ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, de pedir que o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), fosse investigado após dizer que Lula sabia do mensalão. A ordem ao ministro, diz Tuma Júnior, teria sido dada por Gilberto Carvalho, braço direito do ex-presidente. Carvalho afirma que vai processar o delegado.
‘Armação’. O ex-secretário Nacional de Justiça atribui a sua demissão do cargo, em 2010, a uma “armação” do governo Lula com o Estado.
Em 5 de maio de 2010, o jornal publicou reportagem revelando que a Polícia Federal tinha interceptado gravações e e-mails ligando-o a Li Kwok Kwen, o Paulo Li, acusado de ser um dos chefes da máfia chinesa em São Paulo.
A quadrilha era suspeita de ser especializada em contrabando de telefones celulares e venda de vistos permanentes.
“A pergunta que faço é: o que era mais importante para o Estadão noticiar? A foto do ‘chefe da máfia’, um chinês, com o secretário Nacional de Justiça na China, ou entregando um presente para o presidente Lula (…)? Eu respondo: é óbvio que, se não fosse armação do governo com o jornal, se o indivíduo fosse mesmo um mafioso, o Lula estaria na capa do Estadão e não eu”, escreve, referindo-se ao fato de o então suspeito de integrar a máfia chinesa aparecer em várias fotos ao lado de autoridades da República.
FONTE: ESTADÃO

Justiça define por não prorrogar prisão do ex-delegado Marcus Michelotto


14 de dezembro de 2013
O ex-delegado-geral da Polícia Civil do Paraná, Marcus Michelotto, acusado de envolvimento com exploração de jogos de azar, estará livre a partir deste fim de semana. A Justiça indeferiu o pedido de prorrogação da prisão temporária na última sexta-feira, de acordo com o advogado de defesa, Rodrigo Sánchez Rios
Michelotto está em prisão temporária desde terça-feira (10), por resultado de uma investigação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), motivada por uma operação realizada em janeiro de 2012, quando os policiais invadiram a mansão onde funcionava um cassino, no bairro Parolin, em Curitiba.
O ex-delegado teve o pedido de habeas corpus negado pela Justiça na quarta-feira. O desembargador Renato Naves Barcellos, da 11º Vara Criminal, que indeferiu o pedido, afirmou a existência de fortes indícios de participação do suspeito em crimes de corrupção.
Na investigação do Gaeco, também tiveram a prisão decretada outros suspeitos de envolvimento no esquema, entre eles, o delegado Geraldo Celezinki,  além de cinco policiais militares.

Tarifas de táxi em Curitiba aumentam a partir de segunda-feira


14 de dezembro de 2013
Se locomover através de táxi na capital vai ficar mais caro, e os novos valores começam a valer na próxima segunda-feira (16).  A alta será de 15%, de acordo com a Prefeitura Municipal de Curitiba, e representa um valor menor que o último reajuste, em 2010, que foi de 20%. A bandeira 1 vai passar de R$ 2,00 para R$2,30. Já a bandeira 2, que hoje custa R$ 2,30 deve chegar a R$2,80.
O preço da bandeirada inicial também vai aumentar, de R$4,00 para R$4,60. Além disso, a hora parada deve passar de R$20,00 para R$24,00, que representa um aumento de 20%.
O aumento no valor de peças e combustíveis, além de outros fatores de insumos desde o último reajuste influenciam para as novas tarifas, que fazem parte dos planos de melhorias para a cidade, política implementada este ano a capital, que inclui em suas consequências o aumento do número de táxis em Curitiba. A licitação para este aumento de 750 carros na frota tem sua etapa final programada para a próxima semana, quando acontecem as sessões públicas de abertura dos envelopes enviados com as propostas e documentações.

PMDB terá diretórios municipais em todos os municípios até fevereiro


Fonte: Diretório Estadual do Paraná do PMDB

Até o final de fevereiro, o PMDB do Paraná pretende estar com o partido organizado nos 399 municípios. A informação foi dada nesta terça-feira (10), pelo secretário geral do PMDB no estado, ex-governador Orlando Pessuti. De acordo com ele, atualmente o partido está 100% organizado em 340 cidades.
“Das 59 que faltam, 36 realizaram convenções no último final de semana e estão com a documentação em processo de encaminhamento para serem analisadas pela executiva estadual, que realizará os procedimentos de registro junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE)”, disse Pessuti.
Municípios tiveram suas comissões provisórias prorrogadas, e tem até dia 23 de fevereiro do ano que vem para realizarem as convenções. Da totalidade dos municípios paranaenses, apenas três (Coronel Domingos Soares, Boa Esperança do Iguaçu e Ribeirão Claro), ainda não possuem comissão provisória. “Na reunião da executiva da próxima semana, deverão ser indicados os nomes para essas comissões”, frisou o secretário geral do PMDB.
“Hoje estamos totalmente reorganizados em 85% das cidades do Paraná, o que equivale a 340 municípios. Uma situação bem diferente da que encontramos quando assumimos o Diretório do PMDB, há um ano atrás, onde em apenas 50% das cidades o partido estava organizado”, revelou Pessuti, ao garantir que até o final de fevereiro, o PMDB deverá estar com 100% de diretórios constituídos em todos os 399 municípios.
Ainda, segundo Pessuti, como parte da reorganização do partido, a partir do início de 2014 “vamos viajar para o interior do Estado, com a finalidade de criar as coordenadorias regionais, visando descentralizar, democratizar e fortalecer o PMDB. Desde que assumimos o diretório estadual temos nos debruçado nessa reorganização e fortalecimento do partido”.