Rota de plano para resgatar chefe de facção inclui duas cidades do Paraná


Redação

marcola
Foto: Reprodução
O Paraná estava na rota para o plano de resgate do líder da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola. Ele está preso no estado do São Paulo e duas escalas incluem cidades do Paraná: Loanda e Porto Rico, na região noroeste. As informações de todo o plano e esquema da quadrilha foi divulgado pelo jornal O Estado de S. Paulo. Um relatório sigiloso das polícias Civil e Militar e do Ministério Público de São Paulo aponta, após arrebatar Marcola e outros três integrantes do grupo criminoso, a intenção da facção era levá-los ao Paraguai.
A ideia é resgatar os presos com o helicóptero e levá-los para um aeroporto em Loanda, no Paraná, distante 177 quilômetros de Presidente Venceslau. De lá, eles seriam levados para uma fazenda no Paraguai. Policiais e promotores acompanharam durante quase um ano todo o planejamento da facção e não faltam provas de que o crime organizado tem coragem e dinheiro para a fuga. Escutas mostram que a facção pagou curso de pilotagem para três pessoas no Campo de Marte, em São Paulo, no ano passado. Um dos professores, de acordo com o relatório, era Alexandre José de Oliveira Junior, preso por transportar mais de 400 kg de cocaína em novembro de 2013 no helicóptero do deputado federal Gustavo Perrella (SDD-MG).
Além de Marcola, seriam resgatados Claudio Barbará da Silva, Célio Marcelo da Silva, o Bin Laden, e Luiz Eduardo Marcondes Machado, o Du Bela Vista. Agentes penitenciários descobriram inclusive que Bin Laden já estava serrando a grade das janelas da cela. A segurança no presídio de Presidente Venceslau foi reforçada e policiais de elite fazem rondas permanentes no local. Segundo as investigações, o plano do PCC está pronto para ser executado a qualquer momento.