PV vai com Requião e Rosane é vice


29 de junho de 2014
deputada federal Rosane Ferreira (PV) será a vice na chapa encabeçada por Roberto Requião. Boa decisão. Rosane é boa deputada e empresta a Requião um pouco de doçura, necessária para quebrar a imagem de brucutu que Requião construiu. LEIA MAIS
Agora, jura Requião, a política é do “paz e amor” e o “pau, cacete e porrada” será usado estrategicamente. Com o PV na coligação, o PMDB ganha mais uns comerciais pelo tempo a mais de TV. Alem do PV, PC do B e PPL vão com PMDB.
Requião vota na convenção do PMDB que decidiu por sua candidatura ao governo do Paraná
Foi definido na manhã deste sábado (28) o nome da deputada federal Rosane Ferreira (PV) como candidata à vice do senador Roberto Requião (PMDB) na disputa pelo governo do Paraná. Confirmou-se também a coligação estadual entre PMDB, PV, PC do B e PPL. Tudo foi decidido em reunião com os principais dirigentes estaduais dos quatro partidos.
Pelas redes sociais, o senador anunciou a coligação de “gente limpa, séria e dedicada ao Brasil e Paraná” e disse a aliança tem 30 dias para completar a chapa de deputados estaduais e federais.
“O Requião vem com a história e com o resgate das políticas de base, e eu venho com a vontade de estar presente na vida dos pequenos municípios e de ressignificar o papel da vice liderança”, afirma Rosane.
Ela conta que não desejava concorrer novamente ao Legislativo e que ficou contente por conseguir conciliar o desejo de participar do governo do Paraná à vontade de apoiar candidatos do PV-PR à Câmara Federal.
Escolha de Requião para o governo foi dividida
Por uma diferença de 69 votos, o PMDB do Paraná decidiu no último dia 20 lançar o senador Roberto Requião como candidato ao governo do estado. O partido estava dividido entre aliança com os tucanos ou seguir com chapa própria.
O grupo do PMDB que defendia coligação com os tucanos recebeu 250 votos, já Requião conseguiu 319. Houve ainda quatro votos nulos e um em branco. Com a votação, Requião derrotou a opção defendida pela maior parte dos deputados estaduais, pela direção do partido e pelo ex-governador Orlando Pessuti.
A posição do partido era considerada peça-chave para definir o cenário eleitoral no estado e afeta, principalmente, a candidatura do governador Beto Richa (PSDB).