Adolescente de 17 anos acusa ex-patrão de estuprá-la enquanto trabalhava como doméstica


Por Marina Sequinel e Antônio Nascimento

Uma adolescente de 17 anos acusa um empresário de estuprá-la na casa dele, onde trabalhava como doméstica há um ano, em Porto Amazonas, a cerca de 60 km de Curitiba. Segundo a mãe da menina, o suspeito, de aproximadamente 50 anos, a agarrou enquanto ela arrumava a cama do quarto dele.
“Já fazia tempo que ele a assediava e oferecia propostas para ela. Queria que ela largasse o namorado, com quem ela está há dois anos, e ficasse com ele, porque ele lhe daria muito dinheiro. Mas a minha filha sempre recusou esse tipo de coisa e nunca contou para ninguém por medo”, explicou a mãe da vítima em entrevista à Banda B na tarde desta terça-feira (16).
De acordo com ela, um dia, a adolescente chegou para trabalhar e começou a ser assediada novamente. Quando ela foi para o quarto do casal arrumar a cama, ele teria entrado com as calças já abaixadas e a violentado. “A minha filha está em choque, à base de calmante e consulta com psicólogo, e eu estou gastando o que eu não tenho para deixá-la bem. Eu não quero dinheiro nem nada, só quero que ele seja preso. Ele acabou com a nossa vida”, completou ela.
Um Inquérito Policial foi instaurado para a investigação do caso. O juiz disse para a mãe da vítima que, dependendo das apurações, o empresário poderá responder em liberdade. “Hoje, nós recebemos o laudo de conjunção carnal, que será decisivo para a investigação. Nós já ouvimos várias pessoas, mas temos apenas indícios, já que o acusado negou o crime, mas se recusou a fornecer material genético”, explicou o delegado Plinio Gomes Filho, da Delegacia de Palmeira, responsável pelo caso.
O suspeito é casado e tem uma filha de 10 anos. A ocorrência vai ser apurada e deve ser encaminhada para a Justiça se necessário.