Tradicional na política, família Barros vem com mais força


barros - metro curitiba
A família Barros, tradicional na política de Maringá, desembarca com ainda mais força em Curitiba a partir do ano que vem. Enquanto Cida Borguetti foi eleita vice–governadora e vai ocupar o posto no Palácio Iguaçu, a filha única do casal (com Ricardo Barros), Maria Victoria, de apenas 22 anos, foi eleita para ocupar um cargo na Assembleia Legislativa.
Curitibana, ela somou 44.870 votos no Paraná, sendo a terceira mais votada em Maringá, com cerca de 16 mil votos. Comemora, no entanto, ter conquistado eleitores em quase 90% dos municípios, sendo 5 mil deles em Curitiba. “Escolhi 55 cidades para trabalhar, até porque depois é difícil representar todos. E tive votação expressiva na capital”, diz.
Apesar de ter a base eleitoral no norte, mesma região da sua família. Maria Victoria se orgulha de ter feito a campanha sem “usar o sobrenome nem do meu pai, nem da minha mãe”.
Na atuação, no entanto, não nega que vai seguir o pai. “Eu aprendi com ele que política é servir à comunidade e também um modo de vida (…). O segredo é trabalhar 24 horas, ter o dom da articulação e estar sempre presente nos municípios, com escritório de representação aberto de segunda a segunda”, diz.
Enquanto pai e filha estão no PP, Cida Borguetti assumiu em 2013 a presidência estadual do PROS. Eleita agora para a vice-governadoria, após mandatos como deputada, ela adianta que, ao contrário dos outros vice-governadores, que costumam assumir postos em secretarias, ela só ficará em seu cargo. “Minha posição será apenas essa, ajudando como vice”, resume.
Já Ricardo Barros (PP) assume seu quinto mandato na Câmara Federal, após ter sido o mais votado em Maringá. Sempre cotado para participar do governo, onde já foi secretário de Beto Richa, Barros segue atuante. “Ele é um líder, mas ainda é muito cedo para pensar além da Câmara”, diz Cida.