Ladrões não se intimidam e levam carro de soldado da PM em frente ao Batalhão de Trânsito


Por Luiz Henrique de Oliveira
GOLPRATA DENTRO
Aluno soldado pede ajuda (Foto: Arquivo pessoal)

O aluno soldado da Polícia Militar (PM), Thiago Machado, procurou a Banda B nesta terça-feira para divulgar o furto de seu Gol quadrado, que aconteceu às 18h30 de ontem (17). O detalhe é que o veículo foi levado em frente ao Batalhão de Polícia de Trânsito (Bptran) da PM, no bairro Tarumã, em Curitiba.
Os bandidos não se importaram com a presença dos policiais e, de maneira sorrateira, realizaram o furto. De acordo com Thiago, no momento da ação acontecia uma aula de instrusão no Bptran. “Eu estava lá e quando sai não encontrei o carro”, afirmou à Banda B.
Thiago, que está começando a vida de casado e a carreira militar, lamentou o que aconteceu. “É o único meio que eu tinha pra vir trabalhar e levar minha esposa pro serviço dela também”, descreveu, relatando também o carinho especial que tinha pelo veículo. “Você não imagina o quanto eu cuidava daquele carro”, afirmou.
Quem tiver informações sobre o carro pode entrar em contato com Thiago, ou com sua esposa Andressa, pelo telefone: (41) 9267-4422 , (41) 9950-4422 e (41) 3095-0003.

Homem acusado de matar estudante uruguaia em Foz diz que foi aconselhado por pai de santo



O delegado-chefe da Polícia Civil, Alexandre Macorin e o delegado-chefe da Homicídios, Marcos Araguari de Abreu, concederam uma entrevista coletiva na manhã desta terça-feira (18), contando sobre o depoimento de Jéferson Diego Gonçalves, réu confesso pelo assassinato da estudante uruguaia Martina Conde, morta por enforcamento no dia 6 de março, em um apartamento no centro de Foz do Iguaçu.
acusado-matar-uruguaia-180314-bandab
(Foto: Divulgação – Polícia Civil)
Jéferson foi capturado na cidade de Nova Laranjeira, à 250 quilômetro de Foz e em seguida trazido à fronteira. O depoimento durou cerca de 3 horas, onde o acusado confessou e contou detalhes do dia do crime e fuga da cidade. Segundo o delegado Macorin, Jéferson apresentou apresenta comportamento psicopata e não demonstra arrependimento pelo crime e sim pelo objetivo não ter dado certo.
Na noite do crime, Martina e Jéferson marcaram um encontro em um terreiro de “pai de santo” e depois foram para um bar beber. Em seguida, passaram em um supermercado para comprar mais bebidas. No apartamento, eles teriam tido relações sexuais e em seguida Jéferson teria tomado um banho e pensado em cometer o crime. O acusado relatou que matou a estudante como forma de oferenda, após orientação do “pai de santo”.
Para ler a reportagem completa, clique aqui.

Denúncia de bagunça generalizada leva polícia a colégio do Capão Raso


Da Redação

Foto: Arquivo pessoal
Foto: Arquivo pessoal
Uma denúncia de suposta formação de bagunça levou a Polícia Militar a realizar uma abordagem preventiva no final da manhã desta terça-feira (18) no Colégio Estadual Emílio de Menezes, no Capão Raso, em Curitiba. Um estudante da escola chegou a relatar uma possível rixa entre escolas da região, mas a informação não foi confirmada pela PM.
De acordo com o tenente Davi, da Patrulha Escolar, vários jovens sem uniforme se reuniram em frente à instituição e, com a preocupação de pessoas no entorno, a PM foi acionada para tentar impedir que algo acontecesse. “Eles estavam aguardando no portão, quando algumas pessoas nos avisaram, nos encaminhamos até lá e realizamos a abordagem preventiva”, disse.
Após a abordagem, os jovens foram liberados e rapidamente se dispersaram do local.

Jovem é assassinado a tiros em linha de trem do Sítio Cercado e amigo foge do local


Por Felipe Ribeiro e Juliano Cunha

assassinadositiocercado2-180314-bandab
Foto: Juliano Cunha – Banda B
Um jovem de 18 anos foi assassinado na tarde desta terça-feira (18) próximo a linha férrea da Rua Nova Esperança, no bairro Sítio Cercado, em Curitiba. De acordo com o investigador Henrique, da Delegacia de Homicídios, um veículo que possivelmente se trata de um Astra teria passado e realizado os disparos contra Bruno Daniel de Oliveira, que morreu na hora. Segundo testemunhas, a vítima estava acompanhada de um amigo, que fugiu do local logo após o crime.
“Só ficamos sabendo que esses bandidos passaram e o mataram com seis tiros, mas o local aqui é de consumo intenso de drogas, já que é ermo e escondido. Pelo que percebemos aqui, eles bebiam e consumiam drogas no momento do crime”, disse.
A Delegacia de Homicídios agora investiga o caso.

VEREADOR OLIVEIRA DA AMBULÂNCIA ESTÁ PERTO DE PERDER O MANDATO




O TRIBUNAL DE JUSTIÇA AO ANALISAR A APELAÇÃO CRIME Nº 1.101.731-7, ORIUNDA DA 1ª VARA CRIMINAL DO FORO REGIONAL DE COLOMBO DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA, TENDO COMO APELANTE O SENHOR JOAQUIM GONÇALVES DE OLIVEIRA (OLIVEIRA DA AMBULÂNCIA) NEGOU PROVIMENTO, MANTENDO A SENTENÇA DE 1º GRAU, MANTENDO A CONDENAÇÃO DO APELANTE OLIVEIRA. OU SEJA, A PENA DE 03 (TRÊS) ANOS E 03 (TRÊS) MESES DE RECLUSÃO, EM REGIME ABERTO, E 15 (QUINZE) DIAS-MULTA. 

A PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE FOI SUBSTITUÍDA POR DUAS RESTRITIVAS DE DIREITO, CONSISTENTES EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE, PELO PERÍODO INTEGRAL DA PENA, BEM COMO A PRESTAÇÃO PECUNIÁRIANO VALOR DE 10 (DEZ) SALÁRIOS-MÍNIMOS A SEREM REVERTIDOS EM BENEFICIO DO CONSELHO DA COMUNIDADE LOCALAINDA, A PERDA DO MANDATO. 

O ACORDÃO DA DECISÃO. 

DECISÃO: Acordando que receberia como salário a importância de R$ 1.300,00 e passaria a exercer suas atividades na Casa de Atendimento do Povo, mantida pelo vereador. Todo o dia 25 de cada mês recebia a importância que inicialmente era de R$3135,39 e com os reajustes estava recebendo R$ 3.470.59 (conforme recibos de pagamento de fls. 56- 67); mantendo o assessor os R$ 1.300,00 em sua conta e sacava o valor excedente que era em torno de R$ 2.100,00, em espécie, e entregava para o vereador no gabinete na Câmara de Vereadores deste município. EMENTA: APELAÇÃO CRIME Nº 1.101.731-7, DO FORO REGIONAL DE COLOMBO DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - 1ª VARA CRIMINAL APELANTE: JOAQUIM GONÇALVES DE OLIVEIRA APELADO: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ RELATOR: DES. JOSÉ CARLOS DALAQUA. 
A APELAÇÃO CRIMINAL. DELITO DE CONCUSSÃO (ARTIGO 316 DO CÓDIGO PENAL). CONDENAÇÃO. INSURGÊNCIA.PRELIMINARES. NULIDADE PROCESSUAL POR SUPRESSÃO DA FASE DO ART. 396-A DO CPP.INOCORRÊNCIA. AUSÊNCIA DE EVIDENTE PREJUÍZO AO RÉU. NULIDADE NÃO COMPROVADA. ALEGAÇÃO DE CERCEAMENTO DE DEFESA PELA NÃO OITIVA DE TESTEMUNHA INTIMADA ATRAVÉS DE CARTA PRECATÓRIA. NÃO OCORRÊNCIA. REALIZAÇÃO DE JULGAMENTO QUE INDEPENDE DO RETORNO DA CARTA PRECATÓRIA, BASTANDO O FIM DO PRAZO QUE FOI ASSINALADO PARA O SEU CUMPRIMENTO. INTELIGÊNCIA DO ART. 222 DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL. A ARGUMENTAÇÃO DE NULIDADE PROCESSUAL PELA OCORRÊNCIA DE FLAGRANTE FORJADO. NÃO ACOLHIMENTO. HIPÓTESE DE FLAGRANTE ESPERADO, PORTANTO, LEGAL, REALIZADO APÓS VIGÍLIA DOS POLICIAIS NA CÂMARA MUNICIPAL DE COLOMBO. TESE DEFENSIVA DE CONTRIBUIÇÃO VOLUNTÁRIA DOS ASSESSORES NÃO CONFIRMADA. CONJUNTO PROBATÓRIO QUE SE MOSTRA FIRME, APTO A AMPARAR PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA fls. 2A DECISÃO CONDENATÓRIA. SENTENÇA MANTIDA.RECURSO CONHECIDO E NÃO PROVIDO.
( Ainda cabe recurso  no  STJ)


VEJA MATERIA ORIGINAL NO BLOG IVAN DE COLOMBO












Decretada indisponibilidade de bens de ex-prefeito JOTA CAMARGO e de editora até o valor de R$ 2.720.604,10


Eles teriam cometido direcionamento de licitação em Colombo


Ex- prefeito J. Camargo



A Justiça de Colombo, município da Região Metropolitana de Curitiba, concedeu liminar decretando a indisponibilidade bens, até o valor de R$ 2.720.604,10, do ex-prefeito da cidade o Sr. José Antonio Cmargo na gestão 2009/2012 e de editora de livros pedagógicos. A decisão atende pedido do Ministério Público do Paraná em ação civil pública contra os requeridos por ato de improbidade administrativa.

De acordo com o promotor de Justiça Paulo Conforto, em 2004, a Promotoria de Justiça de Proteção ao Patrimônio Público de Curitiba recebeu comunicação anônima de suposto direcionamento em procedimentos licitatórios para a compra de livros didáticos, materiais e serviços de educação, que estariam ocorrendo em vários municípios do Paraná. Diante disso, o MP iniciou uma investigação, que constatou a ocorrência do direcionamento no município de Colombo.

O esquema fraudulento, descrito pela 6.ª Promotoria de Justiça de Colombo, começava com a publicação de um edital, feito sob medida para beneficiar o SEFE ? Sistema Educacional Família e Escola Ltda. (antiga Base Editora e Gerenciamento Pedagógico Ltda.). Eventuais empresas concorrentes eram desclassificadas na análise prévia do material, feita pela Secretaria de Educação do Município, e a Base Editora vencia o certame.

Na ação, o MP pede o ressarcimento ao erário dos valores pagos à empresa, com a decretação da indisponibilidade de bens, concedida pelo juiz César Augusto Bochnia. Em seu despacho, ele pontua que "... caracteriza o direcionamento o fato de os editais dos certames licitatórios realizados em outros municípios do estado do Paraná serem idênticos ao confeccionado por este município à época em que o primeiro demandado exercia o cargo eletivo de prefeito, tendo a segunda ré como vencedora da licitação".

Além do ressarcimento aos cofres públicos do valor pago à editora, a Promotoria requer que o ex-prefeito tenha seus direitos políticos suspensos por até oito anos e que o SEFE seja impedido de contratar com o poder público pelo prazo de cinco anos. Segundo o MP, o mesmo esquema de fraude à licitação teria acontecido em outros municípios do Paraná, como Rio Azul, Campina da Lagoa, Palotina, Cornélio Procópio, Guamiranga, Marechal Cândido Rondon, Campina Grande do Sul, Castro, Mercedes, Matelândia, Irati, Imbituva e Jaguariaíva, entre outros.

CÂMARA DE VEREADORES DE COLOMBO APROVA CPI QUE VAI INVESTIGAR ROUBO DA FESTA DA UVA


Foto: Marcio Fausto

Foto; Marcio Fausto

Foto: Marcio Fausto



A Câmara Municipal de Colombo aprovou nessa terça feira dia 18 de março por maioria de votos o requerimento nº 001/2014 que pedia a instauração de uma CPI - Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar indícios de irregularidades que ocorreram nas "festas da uva" dos anos de 2009 a 2012. Nos próximos dias a comissão será instalada contando com a participação de 05 vereadores.  Na Festa da Uva de 2011, houve um sequestro das irmãs do ex-prefeito J.Camargo que ocupavam cargo na administração municipal e parte do dinheiro arrecadado das bilheterias da festa foi roubado, e até hoje não se conhece o resultado do inquérito que foi instaurado na época, pois  o processo está sob segredo de justiça. Apenas os vereadores Hélio Feitosa do PSC, Oliveira da Ambulância do PTB e a vereadora Michele Mocelin  votaram contra a CPI, e outros vereadores que na hora da votação se ausentaram. Em breve nossa reportagem vai apurar  os nomes dos vereadores que saíram na hora da votação.










Família planeja mudança para Curitiba, mas perde tudo ao levar golpe de fretista


Por Marina Sequinel e Juliano Cunha
A família recebeu doações e está com a casa quase toda mobiliada. (Fotos: Juliano Cunha – Banda B)

Uma família do Alto Boqueirão, em Curitiba, perdeu tudo durante a mudança de Santa Catarina para a capital paranaense. Eles levaram um golpe do fretista, que prometeu fazer o transporte dos móveis, mas nunca chegou ao novo endereço.
Segundo Sidnei Ferreira, a família contratou um caminhão por R$ 800. “O motorista se mandou com todas as nossas coisas. Todo mundo ficou desesperado, sem saber o que fazer”, contou em entrevista à reportagem nesta terça-feira (18).
Na última sexta (14), Sidnei procurou ajuda da Banda B por meio do Programa Luiz Carlos Martins, que vai ao ar todas as manhãs a partir das 8h. Os ouvintes, então, se mobilizaram e ajudaram a família com doações. Hoje, a casa está quase toda mobiliada, com cama de casal e de solteiro, mesa, sofá, cadeiras. “Nós agradecemos muito a todos que nos ajudaram. A gente tem quase tudo agora, só falta a geladeira”.
Minutos após a entrevista ir ao ar na 2ª edição do Jornal da Rádio, outro ouvinte já avisou que vai doar uma geladeira para a família. Entre outras doações feitas estão uma máquina de lavar e cestas básicas. “Muito obrigado a todos. É bom ver que ainda existe bondade nas pessoas”, concluiu Sidnei.
As investigações acerca do caminhoneiro, identificado como Marcelo Silva, continuam. A polícia ainda apura os fatos para localizar e prender o suspeito.

MS AMPLIA PORTARIA 389 QUE VAI ATENDER PACIENTES RENAIS PARA RETARDAR ENTRADA EM DIÁLISE

Saúde amplia tratamento para doentes renais crônicos




O Ministério da Saúde (MS) publicou, nesta sexta-feira (14), a portaria 389 que amplia o atendimento à pessoa com doença renal crônica. A partir deste ano, estados e municípios poderão ofertar serviços de acompanhamento desses pacientes em diferentes estágios, além da diálise e transplante renal já disponíveis no Sistema Único de Saúde e direcionados aos casos mais graves.
No ano passado, o total aplicado foi R$ 2,5 bilhões. Atualmente, o país tem cerca de 90 mil pacientes em tratamento pelo SUS nos 692 serviços em funcionamento.
A doença renal crônica (DRC) se caracteriza pelo mal funcionamento dos rins, responsável por filtrar e tirar impurezas do sangue. O atendimento é realizado em Serviços de Nefrologia, que atualmente atendem pacientes em estágio avançado, ou seja, que dependem da realização de diálise. Com a nova portaria, esses serviços poderão se habilitar também para o atendimento de pacientes em estágios iniciais, com acompanhamento ambulatorial e realização de exames periódicos para avaliar a evolução do quadro da doença.
Além disso, a política lançada pelo Ministério da Saúde cria um novo tipo de serviço, que é a Unidade Especializada em DRC, que poderá ser instalada em um ambulatório ou unidades hospitalar. Neste serviço, será feito o acompanhamento ambulatorial do paciente na fase pré-diálise com equipe multiprofissional, formada por médico nefrologista, psicólogo, assistente social e nutricionista.
A política também garante ao doente renal crônico o direito à informação, sendo assegurado aos conselhos de saúde e às associações ou comissões de pacientes o acesso aos estabelecimentos de saúde que prestam atendimento.
ESTÁGIOS - A DRC é silenciosa. Cerca de 70% dos pacientes que entram para diálise não sabiam que estavam com a doença. Em parte dos casos, é recomendado o transplante de rim. O incentivo oferecido por meio desta portaria está direcionado ao acompanhamento multiprofissional das pessoas que estão nos estágios pré-diálise.  Esta iniciativa soma-se ao Projeto de Qualificação em Nefrologia Multidisciplinar, lançamento em janeiro pelo Ministério da Saúde em parceria com a Universidade Federal do Maranhão (UFMA). O convênio, direcionado aos profissionais do SUS, conta com investimento de R$ 6,5 milhões até 2015.
PARCERIA – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – em parceria com o Ministério da Saúde – também publica nova Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 11/2014, no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (14), com objetivo de proporcionar mais segurança ao paciente renal crônico que se submete a sessões de diálise. A resolução institui nos serviços de diálise os Núcleos de Segurança do Paciente, que estão obrigados a notificar à Anvisa sobre qualquer problema que a pessoa venha a sofrer no processo de assistência, desde pequenos eventos até casos grave, como, por exemplo, infecções.
Além de estipular o prazo de um ano para que os serviços de diálises ofereçam capilares descartáveis para pacientes portadores de hepatite.  Os capilares funcionam como um tipo de filtro e hoje são esterilizados por meio de reprocessamento e reutilizados. A utilização de modelos descartáveis era obrigatória apenas para os pacientes com HIV. Com a decisão, ficam estabelecidos critérios para o processo dialítico e elenca padrões que devem ser seguidos pelos estabelecimentos de saúde para a melhoria da segurança do processo.
A nova resolução foi discutida por representantes da comunidade acadêmica, da Anvisa, do Ministério da Saúde, das associações dos Pacientes Renais Crônicos do Brasil, dos Centros de Diálise e Transplantes e de Enfermagem em Nefrologia e da Sociedade Brasileira de Nefrologia.

Grave acidente entre carro e ônibus na Visconde de Guarapuava deixa oito feridos


Por Elizangela Jubanski e Bruno Henrique


Um grave acidente deixou oito pessoas feridas na manhã desta terça-feira (18) no Centro de Curitiba. A colisão entre um veículo e um ônibus aconteceu na Avenida Visconde de Guarapuava esquina com a rua 24 de Maio. Sete passageiros do ônibus Vila Sandra, que seguia sentido bairro, ficaram feridas. A motorista do carro, de apenas 19 anos, também teve ferimentos, mas passa bem. Todos foram encaminhados a hospitais de Curitiba.
O acidente aconteceu por volta das 9 horas. Testemunhas afirmaram que o motorista do coletivo furou o sinal vermelho e atingiu a lateral do carro violentamente. O carro, uma caminhonete Hilux, ficou completamente destruído. O veículo capotou duas vezes depois da colisão. Beatrice Vendramin teve ferimentos e foi socorrida pelo Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate). Ela está bem e não corre risco de morte. Outros seis passageiros e o motorista do coletivo sofreram ferimentos leves e também passam bem.
“O fato do veículo ser blindado pode ter ajudado a motorista a não ter se ferido gravemente porque o impacto foi muito forte”, disse a aspirante Jenifer, em entrevista à Banda B.
Uma gestante que estava dentro do ônibus disse, em depoimento ao Batalhão de Polícia de Trânsito (Bptran), ter visto claramente o acidente e que o motorista do Vila Sandra teria furado o sinal. Outra testemunha, uma enfermeira que teria prestado os primeiros socorros às vítimas, também deu declaração parecida ao Bptran e disse que o sinal estava verde para a motorista da Hilux.
Policiais do Bptran ainda estão no local recolhendo informações e agentes da Secretaria do Trânsito auxiliam o fluxo de carro. O cruzamento não foi bloqueado, mas por volta das 9h20 registrou congestionamento.

'Acharam que ela era bandida', disse filha de arrastada por PMs no Rio


Thais Lima foi ao estúdio do Bom Dia Rio nesta terça-feira (18). 
Cláudia Ferreira da Silva foi arrastada por carro da PM após ser baleada.


Thaís Lima, filha de Cláudia Ferreira da Silva, que foi arrastada por um carro da PM na manhã desta domingo (16) após ser atingida por uma bala perdida no Morro da Congonha, em Madureira, no Subúrbio do Rio, disse que os policais que estavam no local acharam que Cláudia tivesse envolvimento com o tráfico de drogas. Thaís foi ao estúdio do Bom Dia Rio na manhã desta terça-feira (18) para contar como tudo aconteceu. Ela disse que não acredita na Polícia Militar.
"Foi só virar a esquina e ela deu de frente com eles. Eles [os policiais] deram dois tiros nela, um no peito, que atravessou, e o outro, não sei se foi na cabeça ou no pescoço, que falaram. E caiu no chão. Aí falaram [os policiais] que se assustaram com o copo de café que estava na mão dela. Eles estavam achando que ela era bandida, que ela estava dando café para os bandidos", contou.
Segundo Thaís, os moradores tentaram impedir que a polícia levasse Cláudia do local. No tumulto, policiais teriam atirado para o alto para afastar as pessoas. Ainda segundo ela, o porta-malas do carro da PM que levou Cláudia abriu uma primeira vez na Rua Buriti, logo após o socorro feito pelos PMs.
"Um pegou ela pela calça e outro pela perna e jogou dentro da Blazer, lá dentro, de qualquer jeito. Ficou toda torta lá dentro. Depois desceram com ela e a mala estava aberta. Ela ainda caiu na Buriti [rua, em Madureira], no meio do caminho, e eles pegaram e botaram ela para dentro de novo. Se eles viram que estava ruim porque eles não endireitaram (sic) e não bateram a porta de novo direito?", questionou.
A filha da vítima contou que trocas de tiros são comuns no Morro do Congonha, mas que o episódio que tirou a vida de sua mãe foi atípico, já que, segundo ela, não houve confronto com traficantes e os policiais militares teriam chegado na comunidade atirando.
"Lá é quase sempre assim, mas dessa vez ninguém entendeu nada a atitude deles, de chegar atirando assim, na rua. Não teve troca de tiros", explicou.
Thaís comentou também a diferença de postura no socorro da sua mãe e de um outro baleado na mesma situação. Segundo ela, o corpo do homem atingido na troca de tiros permaneceu no local esperando a perícia, enquanto Cláudia foi levada para o hospital.
"Se matou ela, como se fosse bandida, porque deixaram o outro na rua? O corpo dele ficou lá, esperando a perícia", questionou ela, que disse querer justiça na resolução do caso que matou sua mãe. "Eu quero justiça e que eles paguem o que eles fizeram com a minha mãe", finalizou.
Beltrame repudia conduta dos PMs
O secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, disse por meio de nota nesta segunda-feira (17) que repudiou a conduta dos policiais que fizeram o resgate da auxiliar de serviços gerais Claudia Ferreira da Silva,  Ele informou que, além do inquérito Policial Militar instaurado, a Polícia Civil também investiga o caso.

Os subtenentes Adir Serrano Machado e Rodney Miguel Archanjo, e o sargento Alex Sandro da Silva Alves, foram presos em flagrante e serão julgados pela Auditoria de Justiça Militar após a conclusão do Inquérito Policial Militar (IPM), que tem prazo de 30 dias para ser finalizado. O resultado da perícia realizada pelo Centro de Criminalística da PM será anexado ao documento. Eles serão encaminhados a Bangu 8, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste, após o término dos depoimentos.

A Polícia Militar informou, em nota, que a conduta de levar a vítima no porta-malas não condiz com as orientações do curso de formação da corporação. Segundo a PM, o procedimento correto quando há possibilidade de socorro para baleados é instalar a vítima no banco traseiro do veículo.

Testemunhas contaram que Cláudia foi colocada no porta-malas do carro da polícia para ser levada ao hospital. No entanto, durante o trajeto, o porta-malas abriu e a auxiliar de serviços caiu, sendo arrastada pela rua.

Moradores da comunidade também acusam os policiais que participaram da ação de armar um falso flagrante. Segundo relatos, os PMs teriam plantado armas ao lado do corpo do segundo suspeito morto na operação. No domingo e nesta segunda-feira, moradores de Madureira fizeram manifestação contra a morte dela.

O jornal Extra publicou nesta segunda-feira o vídeo feito por um cinegrafista amador que mostra a mulher sendo arrastada por cerca de 250 metros. Cláudia teria ficado pendurada no para-choque do veículo apenas por um pedaço de roupa. “Minha filha contou que ela ia comprar R$ 3 de pão e R$ 3 de mortadela, mas não deu tempo de chegar”, disse o marido de Cláudia, que preferiu não ser identificado por questões de segurança.
PMs afastados

"Lamentamos muito a forma como a senhora Cláudia foi socorrida, é uma forma que nós não toleramos. A corporação não compactua com isso. Por essa razão, eles estão sendo autuados e serão conduzidos à unidade prisional", afirmou o relações-públicas da PM, tenente-coronel Cláudio Costa em entrevista à GloboNews. "O ideal era que ela fosse no banco de trás, amparada por um policial. O que não aconteceu", acrescentou Costa, referindo-se à forma como a vítima foi socorrida.
Moradores atearam fogo em lixeiras e jogavam no meio da pista (Foto: Reprodução / TV Globo)Moradores atearam fogo em lixeiras e jogavam no
meio da pista (Foto: Reprodução / TV Globo)
Resposta da PM
Em nota, a PM disse que Cláudia da Silva Ferreira foi colocada no porta-malas do carro e no caminho do hospital a porta se abriu. Foi nesse momento que parte do corpo da moradora acabou sendo arrastado pela rua, provocando mais ferimentos. O comando da PM afirmou que este tipo de conduta não condiz com um dos principais valores da corporação que é a preservação da vida e da dignidade humana.
A Polícia Militar informou ainda que os policiais encontraram Cláudia já baleada no alto do morro. Ela ainda foi levada para o Hospital Estadual Carlos Chagas, mas não resistiu.
Segundo a PM, na operação em Madureira, um traficante foi morto e outro foi ferido e preso. Os policiais apreenderam quatro pistolas, rádios e drogas na comunidade. A Polícia Civil vai investigar de onde partiram os tiros.
Para a família, a dor se mistura à indignação. “A sensação é que no morro, na favela, só mora bandido, marginal. Inseguança, somos tratados como animais”, diz um amigo de Cláudia.