Grave acidente mata cinco pessoas na BR-272; entre elas, uma criança



Cinco pessoas morreram em um grave acidente na BR 272 na manhã deste sábado (22), na região noroeste do Paraná. A colisão frontal envolveu dois carros e ocorreu por volta de 6 h no km 375, trecho entre Campo Mourão e Farol.
Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal, a batida ocorreu durante uma ultrapassagem. Com o impacto, os veículos Gol de Umuarama e a Montangrave-acidente-220314-bandaba de Boa Esperança incendiaram.
Os quatro ocupantes do Gol morreram carbonizados. As vítimas, dois homens, uma mulher e uma criança ainda não foram identificadas.
Para ver a reportagem completa, clique aqui.

Trio é morto a tiros dentro de quadra de escola estadual na RMC


Por Marina Sequinel e Roberto Romanowski
assassinato-quadra-escola-220314-bandabdentro11
A quadra esportiva da escola é aberta para a comunidade. (Foto: Roberto Romanowski – Banda B)

Um homem e uma mulher foram mortos a tiros dentro da quadra esportiva de uma escola estadual em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, na noite desta sexta-feira (21). O crime aconteceu na rua Flamingo, no bairro Capela Velha.
Segundo a supervisora Gisele, da Polícia Civil, um desentendimento teria desencadeado os disparos, mas ainda não se sabe o motivo da discussão. Uma terceira pessoa, que estava com a dupla e desapareceu depois do crime, foi encontrada morta ao lado da quadra na manhã deste sábado (22). O local é aberto à comunidade e, muitas vezes, é ambiente de atividades ilícitas.
assassinato-quadra-escola-220314-bandadentro
Terceiro corpo foi encontrado na manhã deste sábado. (Foto: Roberto Romanowski – Banda B)
“Nós trabalhamos com a hipótese de que ele também tenha sido vítima do mesmo ato que matou o casal”, explicou em entrevista àBanda B. O terceiro indivíduo foi identificado como Ivan Aires da Silva, de aproximadamente 20 anos.
Um dos dois encontrados ainda ontem morreu no local dos disparos e o outro foi encaminhado ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e também entrou em óbito. Os dois foram atingidos com vários tiros.
Os corpos das vítimas foram encaminhados ao Instituto Médico Legal e a Delegacia de Araucária deve investigar o caso.

Aposentado por invalidez é assassinado dentro de casa em Curitiba


Por Marina Sequinel e Roberto Romanowski
assassinato-invalidez-220314-bandab1
No local da ocorrência. (Foto: Roberto Romanowski – Banda B)

Um homem de 37 anos, aposentado por invalidez, foi morto dentro de casa no bairro Campo de Santana, em Curitiba, na manhã deste sábado (22). Antônio de Souza morava com a esposa na rua Maria Pilato Tortato, em um terreno com residências de outros familiares.
assassinato-invalidez-220314-bandab
(Foto: Roberto Romanowski – Banda B)
Segundo o tenente Ekermamn, da Polícia Militar (PM), dois homens invadiram o local quando a mãe da vítima, que vive junto no terreno, percebeu a ação. Ela tentou impedir os criminosos e foi agredida. “Ao ouvir a mãe gritar, Antônio saiu de casa e os bandidos foram até ele. Eles atiraram contra a vítima, que morreu na hora”, relatou o tenente àBanda B. Após o crime, a dupla fugiu pela parte de trás da casa.
Devido à ação dos autores, a polícia descartou a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte). Ainda não se sabe o que teria motivado a morte do aposentado. De acordo com os familiares, ele não tinha passagens pela polícia e nem envolvimento com o tráfico.
O corpo de Antônio foi encaminhado para o Instituto Médico Legal. A Delegacia de Homicídios de Curitiba deve investigar o caso.

Briga entre pai e filho acaba com traficante foragido e mulher presa na RMC


Por Marina Sequinel e Roberto Romanowski

Uma briga entre pai e filho acabou fornecendo pistas à polícia sobre o tráfico de drogas emPiraquara, na região metropolitana de Curitiba. A confusão aconteceu no bairro Guarituba noite desta sexta-feira (22).
Segundo o cabo Domingos, da Polícia Militar (PM), o pai, de 60 anos de idade, não concordava com a vida criminosa do filho, traficante que utilizava a casa como quartel general. “O pai já não aguentava mais, até nos contou que o rapaz chegou a ameaçá-lo de morte. Por isso, acabou acionando a PM”, relatou à Banda B.
Com a informação de que Sérgio Alves Peres, de 36 anos, estaria com a esposa e o filho em um veículo Golf prata, a polícia fez buscas pela região e avistaram o carro próximo à residência dele, na rua São Francisco. “Ao perceber a presença da polícia, ele abandonou o carro e deixou a esposa e o filho, de três anos, para trás. Ele correu para o interior da casa e conseguiu fugir pelo telhado, pulando os muros dos vizinhos”, explicou Domingos.
A esposa de Sérgio, Kely Cristina de Oliveira Ferreira, de 21 anos, foi presa. No carro, os policiais encontraram cerca de 300 gramas de cocaína pura, além de uma balança de precisão e aproximadamente R$ 5 mil em dinheiro.
A criança foi entregue aos cuidados de parentes do casal. O fugitivo, segundo o próprio pai, já conta com passagens criminais e possui um mandado de prisão em aberto por tráfico. A polícia continua a procura pelo criminoso.

Preso pela PF, ex-diretor da Petrobras chega a Curitiba para interrogatório



ex-diretor de abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa chegou à Curitiba por volta das 20h desta sexta (21), onde será interrogado pela PF (polícia Federal). Costa, preso no Rio de Janeiro ontem, foi transferido em um voo comercial. Ao chegar no Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, a aeronave taxiou até o terminal de carga, onde o preso foi colocado em uma viatura. A imprensa não teve acesso à operação.
ex-diretor-petrobras-220314-bandab
Ex-diretor foi preso nesta quinta-feira (20) por suspeita de lavagem de dinheiro. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)
Costa é investigado na operação Lava Jato – que prendeu 24 pessoas por lavagem de ao menos R$ 10 bilhões em dez anos – e também por participar da compra de metade de uma refinaria pela Petrobras, em Pasadena, nos EUA.
Para ler a reportagem completa, clique aqui.

Justiça manda UFPR demitir 916 funcionários do HC, mas reitor garante permanência


Da Redação

A Justiça do Trabalho determinou durante a última semana que o Hospital de Clínicas (HC) exonere os 916 funcionários contratados pela Fundação da Universidade Federal do Paraná (Funpar), mas o reitor Zaki Akel Sobrinho afirmou no começo da tarde desta quinta-feira (20) que não fará isso. Segundo nota divulgada pela UFPR, há anos o hospital enfrenta um problema crônico de falta de pessoal. “Atualmente, o hospital já possui um déficit que chega a aproximadamente 600 profissionais para colocar os 550 leitos ativos. Hoje, a instituição tem 2,9 mil funcionários e os funcionários da Funpar representa 1/3 do quadro do hospital”, afirma nota da universidade.
zaki-200314-bandab
Foto: UFPR
A decisão juiz Sandro Augusto de Souza concede um prazo de 90 dias para a demissão desses trabalhadores e a substituição por servidores devidamente concursados. Em caso de descumprimento da decisão, o HC e a Universidade Federal do Paraná (UFPR) estão sujeitos a uma multa diária que varia de R$ 5 mil a R$ 150 mil.
Segundo a nota da UFPR, o diálogo foi o caminho escolhido para resolver o impasse. Em entrevista coletiva, o reitor Zaki Akel e o diretor do Hospital de Clínicas da UFPR, professor Flávio Daniel Tomasich explicaram as providências a serem tomadas.
Os dirigentes pretendem utilizar os 90 dias de prazo para negociar tanto com o Ministério Público do Trabalho quanto com o Ministério da Educação (MEC) em busca de uma solução definitiva para a questão, que se arrasta há quase três anos e meio. “Vamos continuar defendendo tanto os servidores da Funpar, que não podem viver com essa incerteza, quanto a excelência dos serviços prestados no HC, que são um direito da comunidade”, afirmou o reitor.
EBSERH
Mesmo diante dessa situação, o reitor afirmou que aderir à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) não é uma solução no momento. Apesar disso, ele destacou que acredita que, se houver flexibilidade para que a UFPR continue tendo autonomia na gestão de pessoal, ensino e pesquisa do HC, a negociação pode progredir. “Temos percebido algumas mudanças. Nos termos que nos foram apresentados há dois anos, a EBSERH foi rejeitado por unanimidade pelo nosso Conselho Universitário”, observou.
O reitor lembrou que uma parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, concedendo dois andares do HC para instalação da UPA Matriz, com utilização de mão-de-obra da prefeitura, vai liberar servidores da UFPR para outras unidades, permitindo a reabertura de 22 leitos do hospital e a transformação de seis leitos em UTT.
Sobre a greve dos servidores técnico-administrativos da UFPR, aprovada em assembleia do dia 17 de março e que iniciou nesta quinta-feira, tanto o reitor quanto o professor Tomasich informaram que só nos próximos dias poderão ter uma noção exata do grau de adesão e de como isso irá se refletir nos serviços da UFPR e do HC. Entretanto, ressaltaram que já entraram em contato com a diretoria do Sinditest para solicitar a manutenção do atendimento no hospital para evitar prejuízo à população. De qualquer forma, um plano de contingência já aprovado garante o atendimento nos serviços de emergência e crônicos, como transplantes e quimioterapia.

Professores se acorrentam e fazem greve de fome após prefeito cancelar reunião


Por Marina Sequinel e Roberto Romanowski
greve-de-fome-220314-bandabdentro
Na imagem exposta pelos manifestantes, estão Merogi Cavet, secretária de Recursos Humanos, e o prefeito Gustavo Fruet. (Foto: Roberto Romanowski – Banda B)

Os professores dos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs), que estão em grevedesde a última terça-feira (18), fizeram mais uma manifestação na noite desta sexta-feira (22) em frente à Prefeitura de Curitiba. Com o cancelamento de uma audiência com o prefeito Gustavo Fruet na tarde de ontem, seis educadoras decidiram se acorrentar e iniciar uma greve de fome.
Elas prometeram permanecer na rampa de acesso a entrada príncipal da prefeitura, até conseguirem uma resposta do prefeito. A audiência estava marcada para as 14h30 e os professores esperaram até as 16h, mas Fruet não apareceu e a reunião foi cancelada, sem data prevista para acontecer.
“É um desrespeito muito grande. Nós estamos aqui debaixo de chuva, acampados, e o prefeito se nega a discutir a nossa pauta. Por isso decidimos agir de maneira mais extrema”, disse Alessandra Oliveira à Banda B, uma das ‘acorrentadas’ do protesto. Educadora há 18 anos, hoje ela atua na CMEI da Vila das Torres.
greve-cmei-220314-bandab
Educadores estão em greve desde a última terça-feira (18). (Foto: Roberto Romanowski – Banda B)
Apesar de a greve ter sido considerada ilegal pela Justiça, muitos professores continuaram a se mobilizar e continuam acampados em frente à prefeitura desde a última quinta-feira (20). O Sindicato dos Servidores Municipais (Sismuc) decidiu bancar a multa de R$ 80 mil diária em caso de descumprimento da ordem da Justiça e, ainda, recorrer da decisão.
De acordo com a coordenadora do Sindicato dos Servidores Municipais (Sismuc), Soraya Zgoda, os principais pontos da pauta da categoria são: plano de cargos e carreira igual a do magistério, reajuste salarial e a redução da carga horária de trabalho de 40 para 30 horas. “Em nenhum dos quatro dias de greve o prefeito apareceu para falar com a gente. Ele só manda os secretários e nada é resolvido. Nós queremos ser valorizados”, afirmou a coordenadora.
Ainda na noite desta sexta, a Prefeitura de Curitiba se manifestou por meio de uma nota publicada no site e nas redes sociais do órgão. Segue o texto na íntegra:
Carta aos educadores e ao sindicato
Nesse momento de impasse, a Prefeitura de Curitiba reafirma o compromisso com a valorização dos educadores, nos termos do plano de governo debatido na campanha eleitoral. A proposta sempre foi o plano de cargos e salários, a hora-atividade e aposentadoria, e não a redução da carga horária.
Apesar disso, a Prefeitura em nenhum momento se recusou a discutir o assunto. Porém precisa deixar claro que o impacto financeiro e pedagógico de uma medida como essa é desproporcional, principalmente neste ano. Está em risco o atendimento em horário integral nos CMEIS.
Para evitar esse retrocesso no atendimento às famílias, seria necessário contratar milhares de novos educadores. Em uma conta rápida, com os salários atuais, isso representaria cerca de R$ 200 milhões por ano, sem considerar os demais reflexos financeiros. Ou seja, seria criado um gasto extra de aproximadamente 20% do orçamento da educação, inviabilizando outros avanços urgentes nessa área e impedindo qualquer novo ganho salarial ou ajuste de carreira para os próprios educadores, durante muitos anos.
A postura da Prefeitura é de clareza, não de intransigência. Tanto que, no mesmo período, negociou com sucesso com os sindicatos dos garis, dos motoristas e cobradores, da Guarda Municipal e dos professores. Todas essas categorias conquistaram avanços reais, cultivando o diálogo.
A Prefeitura reafirma a disposição de calcular detalhadamente, em conjunto com o sindicato, todos os impactos da ideia da redução da carga horária para 30 horas, para que todos os educadores e todos os cidadãos curitibanos tenham clareza e consciência sobre o tema. Reafirmamos também o prazo de 23 de abril para concluir essa análise, com participação de quem o sindicato quiser indicar.
As portas estão abertas para esse grupo de trabalho se reunir, a partir de segunda-feira, 8:30h, com os indicados pelo sindicato e participação da Câmara Municipal.