Acusados de assassinar delegado no litoral do estado vão a júri popular na segunda


Por Felipe Ribeiro e Luiz Henrique de Oliveira

Está marcado para a próxima segunda-feira (14) o julgamento dos dois acusados pela morte do delegado José Antonio Zuba de Oliva, em Pontal do Paraná, no litoral do estado. Francisco Diego Vidal Coutinho, vulgo Russinho, e Paulo Roberto Pereira Quintal, vulgo Tutancâmon vão a júri popular pelo crime de homicídio qualificado, quando se tem a intenção de matar. O delegado foi morto durante uma operação realizada em um camping do Balneário Shangri-lá no ano de 2010.
delegadopontal-110414-bandab
Foto: Reprodução
De acordo com o investigador Cláudio, que trabalhou dois anos com o delegado Zuba, a expectativa é a de que a justiça seja feita e que os acusados peguem uma condenação boa. “Ele era um bom profissional, gostava do que fazia, uma espécie rara na polícia. A esperança é de mobilização da Polícia Civil para que esses caras fiquem longos anos na cadeia”, disse.
Segundo informações repassadas pela Delegacia de Polícia Civil de Pontal na época, o delegado Zuba foi morto ao verificar denúncia de um grupo suspeito dentro do camping. Acompanhado de um funcionário da prefeitura e de investigadores, eles foram recebidos a tiros. Zuba morreu na hora, com tiros de metralhadora e pistola. Outro funcionário da prefeitura ficou gravemente ferido, morrendo no hospital. O grupo fugiu nos dois carros, com placas do Rio de Janeiro.
Os dois acusados que vão a julgamento na segunda-feira estavam foragidos da penitenciária de Bangu 4 do Rio de Janeiro na época do crime. Coutinho já respondeu por duplo homicídio.

Após tarde de tiroteio, polícia prende quadrilha de ladrões de banco em Curitiba


Da Redação com Polícia Civil
Na ordem: Edson Costa, Evandro Oliveira, Marcelo Fron, Robson Vieira e Ferguison de Souza. (Fotos: Juliano Cunha – Banda B)

Policiais civis do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) prenderam, na tarde desta quinta-feira (10), após perseguição e tiroteio, cinco membros de uma quadrilha especializada em roubos a bancos. Eles tentaram assaltar uma agência bancária em frente ao quartel da polícia no Boqueirão, em Curitiba.
Os presos são Ferguison Lopes de Souza, de 24 anos, Edson Miranda da Costa, de 30, Robson Jorge Vieira, 35, Evandro Gomes de Oliveira 24, e Marcelo Adriani Fron, 44.Durante a ação, foram apreendidos um carro Corsa, um Palio, um colete balístico, uma pistola 380, três revólveres calibre 38, um carregador de pistola e munições.
quadrilha-roubo-banco-110414-bandab
(Foto: Juliano Cunha – Banda B)
Segundo o delegado do Cope, Leonardo Bueno Carneiro, as equipes ficaram sabendo, por meio do trabalho de inteligência, da possibilidade da quadrilha agir por volta das 16 naquela agência. De imediato, os policiais se deslocaram até o local. “Houve troca de tiros e o Souza foi baleado, hospitalizado, mas já está aqui na carceragem do Cope”, contou o delegado.
Souza, Costa, Veiria e Oliveira fugiram do local num Palio. Após a troca de tiros, todos foram presos, exceto Oliveira. Ele conseguiu se esconder dentro de uma casa na Rua Augusto Essenfelder, mas logo na sequência foi capturado. “Dentro do carro encontramos uma mochila com armas, munições e o colete balístico”, contou Carneiro.
Fron já havia sido preso nas proximidades do banco, com o Corsa e a pistola 380 municiada. “Os cinco marginais foram autuados em flagrante por porte ilegal de arma de fogo, formação de quadrilha e roubo qualificado”, explicou o delegado, destacando que todos já tinham passagens pela polícia, inclusive com condenações.

Mulher entra em trabalho de parto durante congestionamento e bebê nasce dentro de carro


Por Marina Sequinel e Luiz Henrique de Oliveira

Não, não é filme. Essa história realmente aconteceu em Curitiba: uma mulher estava presa em um congestionamento na Avenida Visconde de Guarapuava, no Centro da cidade, quando entrou em trabalho de parto. Ela não conseguiu chegar ao hospital a tempo e o bebê nasceu dentro do carro. O caso aconteceu nesta quarta-feira (9) pela manhã.
A enfermeira que realizou o parto, Fabíola Amorin de Lima, contou à Banda B que nunca vai esquecer da cena que vivenciou. “Chovia muito e o trânsito estava completamente parado. Eu só pensava que ia ser difícil chegar em casa. De repente, uma mulher saiu gritando no meio da rua ‘eu preciso de um médico’. Eu disse que médico não tinha, mas uma enfermeira sim”, relatou ela em entrevista na tarde desta sexta-feira (11). (Ouça a entrevista no ícone de áudio acima)
bebe-nasceu-110414-bandab
Cauê nasceu dentro de um Fiat Uno no meio da Avenida Visconde de Guarapuava. (Foto: Fabíola Amorin de Lima)
Fabíola desceu do carro e foi até o Fiat Uno onde a mãe estava. “Ela já estava deitada no banco de trás do carro com uma toalha sobre as pernas, pronta para ter a criança. A bolsa já tinha estourado. Eu olhei para aquilo e pensei ‘o bebê vai nascer aqui e agora, nas minhas mãos’”, completou.
Em seguida, ela começou a orientar a mãe. “Eu falei para ela que, na próxima contração, a criança ia nascer e que, para isso, ela precisava fazer bastante força. Graças a Deus, deu tudo certo”, afirmou. Foi assim que o pequeno Cauê chegou ao mundo, com 3 kg.
A enfermeira, então, segurou o cordão umbilical para estancá-lo até a ambulância chegar. A mãe e o bebê foram encaminhados para a Maternidade Victor Ferreira do Amaral. “Eu nunca tinha feito um parto na minha vida. Mas esse que eu fiz, pode ter certeza, eu vou guardar para sempre”, concluiu.
De acordo com a cunhada da mãe de Cauê, Ana Carolina Rocha, o menino chegou em casa na tarde de hoje e está bem. “Se não fosse a Fabíola, eu não sei nem se ele estaria aqui vivo. Nós agradecemos muito por tudo ter ocorrido bem”, disse ela.
Para ela, essa é a história de como, em meio ao caos e ao estresse urbano, a vida pode surgir de uma maneira mágica e inesperada. Porque muitos reclamaram daquele carro parado, atrapalhando o trânsito, sem saber o que na verdade acontecia. Porque alguém colocou justamente aquela enfermeira para ajudar a mãe, esquentar o menino, evitar a hipotermia e trazê-lo a vida.

OUÇA O ÁUDIO DO PROGRAMA MESA REDONDA DOS BLOG'S DE QUINTA FEIRA DIA 10/04


Ouça o áudio do PROGRAMA MESA REDONDA DOS BLOG'S DE QUINTA FEIRA DIA 10/04, COM APRESENTAÇÃO DE IVAN DE COLOMBO E NILTON DO RIM com direção de HELIO COSTA.

Gleisi diz que “é preciso dar um tempo para Vargas se defender”, mas admite prejuízo


Por Elizangela Jubanski e Antônio Nascimento

gleisi_hoffmanm-de
Gleisi admitiu que situação de Vargas deixa partido com pontos negativos. Foto: Reprodução
A pré-candidata ao Governo do Paraná, Gleisi Hoffmann (PT), declarou na manhã desta sexta-feira (11) que é preciso esperar o ex-vice presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas (PT), se defender das acusações.  O petista é acusado de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava-Jato. “É preciso fazer isso com serenidade. O deputado já está vindo a público dar suas explicações para, então, responder pelos seus atos”, disse a senadora hoje em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. A senadora  se encontrou com o prefeito da cidade.
De acordo com Gleisi, cabe às instituições envolvidas fazerem essa averiguação sobre a denúncia do deputado. “Nesse caso não me cabe fazer julgamentos, nem absolvições. Tanto a instituição Câmara dos Deputados quanto o Partido dos Trabalhadores têm o seu processo para fazer a apuração. O deputado tem se manifestado e cabe a ele falar sobre esses fatos”.
Prejuízo
Sobre um possível prejuízo na campanha para o Governo depois do escândalo recente envolvendo o ex-vice-presidente da Câmara, Gleisi não nega que o fato seja negativo ao partido. Ela é pré-candidata ao governo do paraná pelo PT.  ”Ainda tem um bom período até a campanha, é difícil fazer uma avaliação agora. Mas, não tenho dúvidas que para o Partido dos Trabalhadores é ruim, já que é um deputado que está envolvido”, apontou.
gleisi_hoffmanm-dentro
Senadora e o prefeito de Pinhais. Foto: AN/Banda B
A senadora também aproveitou o momento para alfinetar o futuro adversário na campanha, o governador Beto Richa (PSDB), ao citar sobre a decisão do prefeito de Pinhais, Luizão (PT), em se manter no cargo e não disputar uma cadeira na Câmara Federal, como se cogitava.
“Foi uma decisão difícil porque o prefeito tem um potencial de votos muito grande e eu, como uma possível pré-candidata ao Governo, queria muito o prefeito Luizão como deputado federal na nossa chapa. Mas também entendo que ele tem um compromisso com a comunidade e é difícil você fazer um compromisso, dizer que vai cumprir até o final e depois renunciar para tentar outro mandato. Já assistimos esse filme antes e sabemos a consequência disso, que aconteceu, inclusive, aqui no estado do Paraná. Por isso admiro muito a decisão do prefeito de Pinhais”, finalizou. Ao se reeleger como prefeito de Curitiba em 2008, Richa havia dito que não iria deixar a prefeitura, caso eleito, para disputar o governo e, dois anos depois, mudou o discurso e se candidatou ao governo do Paraná.
Durante a tarde, a senadora estará em Campo Largo, também na região metropolitana,  para visitar obras e se reunir com prefeito e secretários.

Polícia Federal cumpre mais 21 mandados e faz novas prisões na Operação Lava-Jato


Redação com PF


A Polícia Federal cumpre na manhã desta sexta-feira (11), mais 21 mandados expedidos pela Justiça Federal dentro da Operação Lava-Jato. Entre os mandatos, dois são de prisão temporária, quatro de condução coercitiva e quinze de busca e apreensão nas cidades de São Paulo/SP, Campinas/SP, Rio de Janeiro/RJ, Macaé/RJ e Niterói/RJ.
A PF representou por estes mandados para buscar documentos que auxiliem os trabalhos da investigação. O material arrecadado hoje deve contribuir para os relatórios finais dos inquéritos em andamento.  A Operação Lava-Jato, deflagrada no dia 17 de março, investiga um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas envolvendo quatro doleiros de ampla atuação no país, entre eles, Alberto Yousseff, de Londrina, que teria ligações com o ex-vice presidente da Câmara Federal, deputado André Vargas (PT).  Acredita-se que podem ter sido movimentados pela quadrilha mais de R$ 10 bilhões.
A PF já informou que não haverá entrevista coletiva sobre as novas prisões e não revela os nomes das pessoas com mandados de prisão e condução coercitiva.
Transferência
Ontem (10), a Polícia Federal pediu a à Justiça a transferência dos doleiros Alberto Youssef e Carlos Habib Chater e também do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Os três estão presos na sede da PF em Curitiba. O pedido é para que o trio seja transferido para o presídio federal de Catanduvas (PR), considerado de segurança nacional. No pedido, a PF argumenta que a carceragem de sua superintendência é inadequada para os presos e não há segurança. Chater, acusado de movimentar o mercado paralelo de Brasília, era um dos contatos de Youssef, segundo as investigações da PF.
A defesa de Youssef e dos demais suspeitos e também o Ministério Público terão cinco dias para opinar sobre a transferência, antes que a 13ª Vara Federal do Paraná efetivamente decida sobre a transferência para Catanduvas.
O acesso aos presos da Lava-Jato já tinha sido limitado por ordem judicial no começo desta semana, depois da revelação da Revista VEJA de que Youssef foi assediado por emissário do deputado federal do PT, André Vargas. Por ordem do juiz Sérgio Moro, apenas advogados com procuração ou familiares podem, desde segunda-feira, conversar com os presos da Lava-Jato.
Como mostrou VEJA, Vargas e Youssef trabalhavam de maneira coordenada para obter contratos para o laboratório Labogen, de propriedade do doleiro, com o Ministério da Saúde. Nas conversas telefônicas interceptadas com autorização da Justiça, Vargas informa que “vai atuar” em favor dos interesses de Youssef. A ajuda foi materializada em um contrato inicial de 30 milhões de reais firmado com a pasta. Vargas se diz amigo de Youssef há 20 anos e foi mimado pelo doleiro com o fretamento de um jatinho por cerca de 100 mil reais.
 * com informações da Revista Veja

Mulher que ajudou o filho a matar suposto ladrão é presa em Santa Felicidade


Da Redação com PMPR


Policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) realizaram o cumprimento de um mandado de prisão de Marilu do Rocio, de 49 anos, na manhã desta quinta-feira (10/04), no bairro Santa Felicidade, na capital paranaense. Ela é suspeita de ter envolvimento na morte de um adolescente de 16 anos que foi encontrado em uma represa na região de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), em setembro do ano passado.
desaparecido-300813-bandab
Jovem foi morto após ser flagrado dentro de casa em Matinhos (Foto: Arquivo pessoal)
O filho da mulher, que também tinha em um mandado de prisão em aberto, fugiu antes da chegada da PM e segue procurado pela polícia. Segundo informações do sargento James Gracino Gonçalves, da Rondas Ostensivas de naturezas Especiais (RONE), o adolescente era suspeito de arrombar frequentemente uma casa que a mulher suspeita tinha em Matinhos (PR), no litoral do estado. “Ele teria roubado a casa várias vezes, e, no último roubo, teria limpado a casa. A mulher e o filho teriam supostamente flagrado este roubo e agredido o adolescente”, disse o sargento.
Os policiais descobriram onde a mulher e o filho dela, de 29 anos, moravam e, por volta das 10h desta quinta-feira, a equipe foi até a casa da mulher com o mandado de prisão em mãos, no bairro Santa Felicidade, e deu voz de prisão. “O filho dela também possuía um mandado, mas ele havia fugido da casa e segue procurado”, afirmou o sargento James.
A mulher não ofereceu resistência à prisão e foi encaminhada até a Delegacia de Vigilância e Capturas, no centro de Curitiba (PR), sendo transferida em seguida para o Centro de Triagem, em Piraquara.

Megaoperação da PM prende mais de 30 pessoas e cumpre 80 mandados de busca


 Da Redação com PMPR

A Polícia Militar (PM) do Paraná deflagrou na manhã desta sexta-feira (11) a megaoperação “Miragem”, que abrange a Grande Curitiba, o Litoral e Foz do Iguaçu. A ação cumpriu 26 mandados de busca e apreensão e 30 de prisão. Em paralelo, a PM, em parceria com o Gaeco, realizou outra operação na capital, por meio da qual cumpriu 20 mandados no total. As ações tiveram como objetivo tirar de circulação foragidos da justiça e combater o tráfico de armas e entorpecentes, além de jogos de azar.
Curitiba, 11 de Abril de 2014,Operação PM/2,Fotos: Cabo Daniel Meneghetti.
(Foto: Cabo Daniel Meneghetti)
“Com este tipo de ação, esperamos trazer ainda mais tranquilidade à população do estado, principalmente das cidades citadas”, avalia o subcomandante-geral, coronel Péricles de Matos. No total, a Operação Miragem prendeu 23 pessoas, sendo quatro em Curitiba (um flagrante) e a Operação do Gaeco realizou nove prisões a apreendeu 29 máquinas caça-níqueis.
As ações da megaperação “Miragem” foram realizadas por 205 policiais militares integrantes do 6º Comando Regional (6º CRPM – região metropolitana e litoral), do 1º Comando Regional (1º CRPM – Curitiba), do 14º Batalhão da PM (Foz do Iguaçu), das Agências de Inteligência e do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Destas unidades também estão sendo aplicadas as ROTAMs (Rondas Ostensivas de Natureza Especial). A operação em parceria com o Gaeco, contou com o apoio de PMs do Gaeco e do Bope.
Litoral
No Litoral, as investigações começaram em agosto de 2013 e resultaram na manhã de hoje com o cumprimento de 18 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Judiciário, sendo 14 em Paranaguá, dois em Pontal do Paraná e dois em Matinhos. Os mandados resultaram em 19 presos, duas armas de fogo apreendidas (calibre 38), 30 gramas de maconha, cinco gramas de cocaína e seis buchas de crack. Um dos presos, Fernando César Dias da Silva, recebeu a equipe do Bope a tiros, mas foi preso sem ferimentos.
Curitiba
Em um das ações, no bairro Umbará, em um dos locais de cumprimento de mandado, foram presos dois homens, um de 24 anos, que já tinha passagem por roubo, e outro de 23, que não tinha passagem pela polícia, mas foi preso em flagrante com buchas de crack e cocaína.
Neste local, foram apreendidas 942 gramas de pasta base de cocaína em tablete, R$ 1.510 em dinheiro, uma balança de precisão, três aparelhos celulares, uma bucha de cocaína e outra de maconha. O material estava escondido dentro de um exaustor na cozinha da casa. Ele foi encaminhado para a 10ª Delegacia da Polícia Civil.
RMC
Na região metropolitana, duas situações merecem destaque: em Araucária também foi cumprido um mandado de busca e apreensão, mas nada foi localizado. No entanto, o suspeito estava com mandado de prisão preventiva e foi preso e encaminhado à delegacia da cidade. Em Pinhais, no jardim Weissópolis, um homem foi levado para a delegacia da cidade devido a um dos mandados. Quando os policiais chegaram no local, encontraram uma casa com câmeras de segurança e grades nas portas, mas foi feito um cerco e ele acabou preso.
Em Foz do Iguaçu (PR), as atividades também foram iniciadas às 6h, por equipes do Serviço Reservado (P2) e do Pelotão de Choque do 14° Batalhão de Polícia Militar (14º BPM).
Gaeco
Em paralelo à “Miragem”, uma operação do Gaeco foi realizada com apoio do Bope, por meio da qual foram apreendidas 29 máquinas caça-níqueis e nove pessoas acabaram encaminhadas ao Gaeco, além da apreensão de materiais relacionados com os jogos de azar e de uma quantidade de maconha. O promotor do grupo, André Glitz, ressalta que a parceria com a Polícia Militar foi fundamental para que os 20 Mandados de Busca e Apreensão fossem cumpridos. “Essa parceira foi muito importante, se não fosse o apoio da PM, não seria possível concluir os mandados”.

Acidente entre Kombi e Interbairros deixa 3 feridos e fecha Avenida das Torres por duas horas


Por Elizangela Jubanski e Danaê Bubalo


Três pessoas ficaram feridas em um grave acidente envolvendo um ônibus do transporte público de Curitiba e uma Kombi na noite desta quinta-feira (10), no bairro Jardim das Américas, em Curitiba. O ônibus da linha Inter 2 seguia pela rua Durval de Moraes quando colidiu contra a Kombi, que seguia pela Avenida Comendador Franco. Ninguém do coletivo teve ferimentos. As vítimas feridas estavam na Kombi e foram socorridas.
O acidente aconteceu por volta das 19h30 e, segundo informações de testemunhas, um dos veículos teria furado o sinal vermelho. Com o impacto, a Kombi foi arrastada por cerca de 20 metros até parar na pista sentido São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. A avenida das Torres ficou parcialmente interditada por cerca de 2 horas.
“A questão do trânsito afeta bastante porque é um horário bem intenso, mas conseguimos contornar a situação. O trabalho agora é apurar o acidente e descobrir como aconteceu”, disse a tenente Baggi à Banda B.
Duas pessoas que ficaram feridas na colisão foram levadas ao Hospital do Evangélico com ferimentos leves e a terceira vítima foi encaminhada ao Hospital Cajuru em estado grave, com fraturas na costela. Ninguém ficou ferido no ônibus.

Colombo participa da 2ª Conferência Estadual de Proteção e Defesa Civil


WEBMASTER 10 DE ABRIL DE 2014

Evento reúne representantes de todo Estado no Salão de Atos do Parque Barigui

Os representantes da Defesa Civil de Colombo, Italo Perini, Josmar Amaral, Claudia Maria Gomes e a equipe da Vigilância Sanitária participam hoje, 10 e amanhã, 11, da 2ª Conferência Estadual de Proteção e Defesa Civil. O evento é uma realização da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil do Paraná.
O encontro, que reunirá participantes de todo o Estado, tem por objetivo elaborar diretrizes com base na Lei Federal 12.608/12 a partir dos seguintes eixos temáticos: gestão integrada de riscos e resposta a desastres, a integração de políticas públicas relacionadas à proteção e defesa civil, a gestão do conhecimento em proteção e defesa civil, e a mobilização e promoção de uma cultura de proteção e defesa civil na busca de cidades resilentes.
Ao final da conferência estadual serão elaboradas propostas para encaminhamento & agrave; 2ª Conferência Nacional, que acontecerá em Brasília, em novembro de 2014.
Serviço:
2ª Conferência Estadual de Proteção e Defesa Civil
Data: 10 e 11/04 (quinta e sexta-feira)
Horário: 9h30 (abertura)
Local: Salão de Atos do Parque Barigüi – Rodovia BR 277, bairro Santo Inácio – Curitiba
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
BLOG – colombopmc.blogspot.com.br; FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo: TWITTER: @ColomboPMC, INSTAGRAM: @colombopmc e no site oficial: www.colombo.pr.gov.br

Repórter do GLOBO é preso por fotografar ação da polícia na desocupação da Favela da Telerj

  • Ele foi filmado por um policial após ser imobilizado


 


RIO - O repórter do jornal O GLOBO Bruno Amorim foi preso pela Polícia Militar por fotografar a operação de desocupação da Favela da Telerj, no Engenho Novo. Um PM arrancou os óculos de Bruno, deu-lhe uma chave de braço e o acusou de incitar a violência. Após ser imobilizado, ele foi filmado pelo mesmo policial, que dizia: "Estou filmando um repórter da Globo que estava jogando pedras. Vocês mostram a nossa cara, agora estou mostrando a sua". O policial estava sem identificação na farda.
- Na hora em que fui preso, policiais estavam brigando com os manifestantes - afirmou Bruno.

Bruno teve o seu aparelho celular apreendido por mais de uma hora e não conseguiu se comunicar com a redação até as 9h20. Jornalistas de outros veículos começaram a ligar para suas chefias para informar a prisão. O repórter foi levado para a 25ª DP (Rocha). Ele é acusado de desacato, incitação à violência e resistência à prisão. Desde o início da ação, na manhã desta sexta-feira, os policiais estão ameaçando prender repórteres e cinegrafistas que estão fazendo a cobertura da reintegração de posse.Na mdrugada desta sexta-feira, a polícia ameaçou dar voz de prisão a outro repórter do GLOBO, Leonardo Barros, que estava no local acompanhando a movimentação dos PMs. Os PMs mandaram Leonardo correr, caso contrário seria preso. Ele se negou. Então ordenaram que se afastasse ou seria preso por resistência e desacato. Os militares não estavam deixando os profissionais da imprensa registrarem a confusão. Ainda na madrugada, antes de iniciar a desocupação, repórteres de emissoras de TV também foram ameaçados.
Durante a confusão, um grupo de pessoas que saiu do prédio depredou carros da TV Globo, SBT e Record, estacionados perto de um posto de gasolina.


Fonte; O Globo

Curitiba vacina mais de 70% das meninas contra HPV


Da SMCS

Um mês após o início da vacinação contra o HPV em Curitiba, a Secretaria Municipal da Saúde já vacinou 27.459 meninas de 11 a 13 anos, o que corresponde a 70,2% do total do público alvo. A vacinação está sendo feita nas 109 unidades básicas de saúde e entrou em 2014 para o calendário regular de vacinas, passando a ser ofertada durante todo ano.
hpv
(Foto: Divulgação)
A vacina protege contra o papilomavírus humano (HPV) que é responsável por 70% dos casos de câncer de colo de útero em todo o mundo. A doença é a terceira principal causa de morte por câncer entre mulheres no Brasil.
“Nossa meta é vacinar 80% das 39.125 meninas que estão nesta faixa etária e nos surpreendemos com a procura. Agora, é importante que os pais que ainda não vacinaram levem suas filhas nas unidades básicas e os outros fiquem atentos para a data da segunda dose que será daqui seis meses e a terceira após cinco anos”, ressaltou Juliane Oliveira, diretora de Epidemiologia da Secretaria.
Proteção
A vacina contra o HPV tem eficácia comprovada para proteger mulheres que ainda não iniciaram a vida sexual e, por isso, não tiveram nenhum contato com o vírus. Hoje, é utilizada como estratégia de saúde pública em 51 países, por meio de programas nacionais de imunização. Mas é importante ressaltar que ela não substitui os outros meios de prevenção, como o uso da camisinha e exames ginecológicos.
“É importante que essas meninas, quando iniciarem a vida sexual, tenham em mente que esta é apenas mais uma maneira de se prevenir, mas que as outras não podem ser jamais deixadas de lado”, frisa Juliane.
Em 2015, de acordo com o calendário desenvolvido pelo Ministério da Saúde, a vacina passa a ser oferecida para meninas entre 9 e 11 anos.

Viatura da polícia capota em grave acidente com grávida e criança de 10 anos


Por Elizangela Jubanski e Danaê Bubalo


Dois policiais ficaram feridos em um grave acidente que envolveu uma viatura da Polícia Civil e um Celta no Centro de Curitiba na noite desta quinta-feira (10). A colisão aconteceu por volta das 21h30 na Avenida Visconde de Guarapuava esquina com a rua Barão do Rio Branco. Os policiais faziam escolta de presos e o motorista do outro carro levava a esposa grávida ao hospital, na companhia da filha de 10 anos. Ele reclamou, dizendo que o policial deu de dedo na cara dele logo após o acidente, sem querer saber sobre o estado de saúde das vítimas.
De acordo com informações levantadas no momento do acidente, os policiais foram a Florianópolis (SC) levar dois presos para uma audiência e retornavam à capital. Os dois policias da Divisão de Investigação Criminal (DIC) ficaram feridos e foram encaminhados ao Hospital Cajuru. Os presos não tiveram ferimentos e foram encaminhados por outros policiais civis até o Centro de Triagem.
O tenente Romaniuk contou à Banda B que os socorristas do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) encontraram um dos policiais já na calçada. “Foi uma colisão grave e quando chegamos tinha um policial dentro da viatura e outro já na calçada. Os socorristas orientaram para que eles não se mexessem. Os dois foram levados ao hospital. A mulher do outro motorista foi levada ao hospital por testemunhas porque estava grávida. Aparentemente parece não ter sido grave”, aponta.
Luiz César de Lima, 36 anos, que estava com a esposa e a filha de 10 anos dentro do Celta, disse que o policial o acusou de ter furado o sinal vermelho. “Eu estava vindo pela Visconde dentro de uma velocidade permitida, o sinal abriu e eu fui. Quando eu cruzava a rua, a viatura passou em uma velocidade alucinante. Eu segurei ainda, senão ele ia dar no meio do meu carro. O policial desceu da viatura me dando de dedo, mas eu não furei sinal nenhum. Sem querer saber da situação das pessoas dentro do carro. Um absurdo”.
Não há informações sobre o estado de saúde da grávida e da criança. A Corregedoria da Polícia Civil vai instaurar inquérito para apurar as causas do acidente.