Torcedores avaliam primeiro teste oficial da Arena Corinthians


Problemas como acesso viário, filas e até goteiras no setor coberto foram constatados na inauguração

18 de maio de 2014 |


Almir Leite, Rafael Fiuza e Vítor Marques - O Estado de S. Paulo
SÃO PAULO - O dia 18 de maio ficará marcado pela data que, enfim, o Corinthians apresentou à sua exigente torcida o novo estádio. Mas não serão apenas boas lembranças que permanecerão na memória dos torcedores e público presente na Arena Corinthians. Problemas como acesso viário, filas na entrada do estádio e até goteiras no setor coberto foram constatados na inauguração do estádio padrão Fifa, que será palco da abertura daCopa do Mundo.

O relógio apontava 12h52 quando a fila começou a crescer nas entradas da Arena Corinthians. Com ingressos esgotados pela internet, o público esperado era de 40 mil torcedores. E os torcedores que conseguiram chegar com antecedência, utilizaram o sistema público de transporte. Durante a semana, o site oficial do Corinthians apresentou algumas dicas para quem utilizaria o metrô, com acesso pela entrada Oeste, na estação Artur Alvim e pela entrada Leste, para os torcedores que viriam da Estação Corinthians-Itaquera.
Após se informar, Rafael Cadede, de 26 anos, decidiu utilizar o transporte público e demorou cerca de 25 minutos no percurso entre a estação Jardim São Paulo, na zona norte de São Paulo, para a estação Corinthians-Itaquera, na zona leste. "Achei melhor deixar o carro em casa e acertei na decisão. Agora preciso ver se meu lugar ainda será mantido no estádio", disse o torcedor que tinha ingresso com cadeira marcada.
Para os torcedores que utilizaram o carro para chegar à Arena Corinthians, a experiência foi péssima. O trânsito era caótico nas imediações do estádio. Muitos ficaram bloqueados durante o período que antecedera o jogo, principalmente nas vias de acesso da Radial Leste, onde o trânsito era intenso.
VALOR DO INGRESSOOutro motivo de reclamação foi o valor dos ingressos. Acostumados a pagar um preço até 350% inferior, torcedores aproveitaram para exigir tratamento semelhante ao valor pago. Entre as opções, os sócio-torcedores que utilizavam o plano Minha História deixaram de pagar R$ 70 no ingresso para comprar as opções no setor Leste (R$ 180) ou Oeste (R$ 250).
Outros torcedores que não conseguiram o ingresso arriscaram a ida até o estádio na tentativa de comprar a entrada de visitantes, em bilheterias ou até cambistas. Saíram frustrados em todas as opções. O agente de turismo, Vinicius Freitas, viu na internet que haveria ingressos para visitantes e tentou comprar uma entrada. Porém, ao chegar ao local, encontrou um bloqueio da Polícia Militar e foi informado que os ingressos não seriam mais disponibilizados. "Vou ficar um pouco aqui e se não conseguir comprar ingressos vou assistir ao jogo em casa mesmo", disse o torcedor. 
Adelino Frota, de 79 anos, estava doente e não sabia que os ingressos seriam vendidos somente pela internet. "Acompanho o Corinthians desde Sócrates e Biro-Biro e hoje ninguém me deixa entrar. Deveriam colocar uma bilheteria aqui", reclamou Frota. Dezenas de pessoas ficaram nos arredores do Itaquerão sem ingressos. Edson Brandão veio com um grupo com mais cinco pessoas de Diadema. "Se a gente não conseguir ingresso, a ideia é procurar um bar e assistir ao jogo de lá", disse.
DENTRO DA ARENAAfastado do estádio, alguns cambistas venderam bilhetes por até R$ 400. Dentro da Arena Corinthians, os problemas continuaram. O acesso à internet ficava cada vez mais instável, conforme o público aumentava. Com o sinal fraco, não era possível fazer ligações dos celulares, um problema que preocupa a Fifa para a Copa do Mundo.
No fim do primeiro tempo da partida contra o Figueirense, uma forte chuva caiu em Itaquera, com direito a granizo. Segundo relato de alguns torcedores no setor Leste superior do estádio - a parte coberta -, alguns espectadores se molharam pois havia goteiras no local. Uma parte da cobertura ainda não está pronta.
ACESSO 
O acesso à Arena Corinthians por metrô e trem foi rápido e tranquilo. A linha expressa da CPTM a partir da Estação da Luz começou a funcionar exatamente às 13 horas, como planejado, e o trem percorria o trecho até a estação Itaquera nos prometidos 19 minutos também. Em alguns momentos, os vagões, tanto do metrô quanto da CPTM, receberam um número maior de passageiros, mas sem superlotação.
TRÂNSITO O trânsito foi o grande problema no acesso ao Itaquerão. Como foram feitos bloqueios no entorno do estádio - na Radial Leste a partir da estação Artur Alvim do metrô, a cerca de 2 km da entrada - e do centro de Itaquera a aproximadamente 700 metros da arena -, formou-se grandes congestionamentos a partir das 13 horas. Ressalte-se que os organizadores pediram para que o transporte público fosse utilizado para ir ao estádio.
SINALIZAÇÃO A sinalização estática nas ruas e avenidas na região de Itaquera apresentou deficiências. Os carros credenciados, por exemplo, foram desviados para as ruas de trânsito local, mas não havia placas indicativas nem funcionários da CET para informar o caminho. Alguns marronzinhos consultados pelo Estado na Radial Leste admitiram não saber indicar o trajeto.
ORIENTAÇÃODe maneira geral, funcionou bem. Tanto os 250 orientadores do COL quanto os destacados pelo Corinthians (o número correto não foi revelado), todos bastante animados, indicavam com cordialidade e precisão o acesso ao torcedor dentro e fora da arena. De acordo com relato de torcedores, ocorreram problemas pontuais de má orientação. Dentro da arena, os orientadores tiveram dificuldade com a recusa de muitos torcedores em se sentar no lugar indicado pelo ingresso, mas não houve tumulto no acesso aos setores. Algumas filas se formaram para ganhar o estádio corintiano. 

Barbosa abre polêmica ao proibir trabalho externo a quatro mensaleiros


Publicado em 18/05/2014 | 
A recente decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, de revogar a autorização de trabalho fora da prisão a quatro presos pelo processo do mensalão divide a opinião de especialistas. As negativas foram dadas ao ex-ministro José Dirceu, ao ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, ao ex-deputado Romeu Queiroz e ao advogado Rogério Tolentino. Nesses casos, Barbosa argumentou que eles ainda não completaram um sexto da pena e que, conforme a lei de execuções penais, só a partir desse período é que qualquer condenado pode trabalhar fora da prisão.
Apesar de Barbosa ter utilizado a letra da lei como argumentação, a decisão é conflituosa. O motivo é que, desde 1999, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) adota o entendimento de que a exigência do cumprimento de um sexto da pena só vale para presos do regime fechado, com pena superior a oito anos. Até mesmo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, um dos responsáveis pela acusação dos réus no julgamento do mensalão, defendeu a concessão de trabalho externo para os presos do regime semiaberto – do qual fazem parte Delúbio, Queiroz, Tolentino e Dirceu. Para o advogado especialista em Direito Penal Samuel Rangel, porém, o rigor de tratamento de Barbosa sobre os condenados do mensalão é necessário. “Com esse rigor, há atendimento ao princípio da isonomia”, diz. Já o presidente da Coordenação do Sistema Prisional Brasileiro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Adilson Rocha, está preocupado com o impacto da nova interpretação da lei. “É uma decisão que não considerou a realidade brasileira”, avalia.
Segundo cálculo da OAB, cerca de 20 mil detentos poderão ser atingidos pela interpretação de Barbosa. No Paraná, segundo informações da Secretaria da Justiça, 5 mil dos 18,2 mil presos do estado trabalham dentro e fora dos presídios.
Veja abaixo os argumentos apresentados pelos dois especialistas:
Entrevista
“Decisão não considerou a realidade brasileira”
Adilson Geraldo Rocha, presidente da Coordenação de Acompanhamento do Sistema Carcerário da OAB
Por que o senhor é contrário à decisão do ministro Joaquim Barbosa?
É uma decisão que não considerou a realidade brasileira e, por ter origem no Supremo Tribunal Federal, tem reflexo nacional. Mas a realidade dos estados não é a mesma da do Distrito Federal. Temos milhares de presos condenados no semiaberto trabalhando todos os dias. Os juízos das execuções penais dessas comarcas podem tomar a mesma atitude do ministro, ou seja, mandar recolher todo mundo. Isso vai ser altamente prejudicial para a execução penal no Brasil.
Já existia jurisprudência do STJ para que os condenados do semiaberto trabalhassem antes de cumprir um sexto da pena...
No Brasil, não há estabelecimentos prisionais adequados para o regime semiaberto e os condenados nesse regime acabavam cumprindo a pena no regime fechado. Então, após o cumprimento de um sexto da pena, eles acabavam passando direto para o regime aberto. Por decisões dos juízes das execuções penais confirmadas pelo STJ e pelo STF, nos estados onde não há estabelecimento prisional apropriado para o cumprimento da pena no regime no qual a pessoa foi condenada, ela não pode cumprir a pena no regime mais rigoroso. Nesses casos, se admitiu que os condenados do semiaberto saíssem para o trabalho.
Ou seja, não há uma preocupação sobre uma possível injustiça nesse caso em específico, mas sobre os efeitos da decisão?
Sim, pois isso pode gerar um efeito cascata. A sociedade civil e as entidades se mobilizam para dar trabalho aos presos porque é um grande fator de ressocialização. Essa decisão funcionou como um balde de água fria. Toda decisão judicial deveria facilitar o trabalho e não dificultar.
Mas havia uma jurisprudência para que o ministro apoiasse essa decisão?
Se havia, é bastante antiga porque a mais atual é no sentido de conceder o trabalho externo.
Entrevista
“Todos são iguais perante a lei e o seu rigor tem que ser aplicado”
Samuel Rangel, advogado, professor na Liga Acadêmica Jurídica do Paraná e coordenador do curso prático do Tribunal do Júri
Por que o senhor é a favor da decisão do ministro Joaquim Barbosa?
Porque nesse processo percebe-se que há muita diferenciação. O tratamento que se dá aos réus mostra que eles estão sendo extremamente beneficiados, mas deveriam ter os mesmos direitos que os outros presos. Ou se melhora a condição dos demais presos, ou submete os outros a situação igual dos que já estavam lá. Entendo que diferenciar o tratamento porque se trata do [ex-ministro] José Dirceu é prevaricação.
Mas existe um entendimento antigo de que condenados do semiaberto poderiam sair da prisão para trabalhar sem cumprir um sexto da pena. O ministro não acabou atropelando essa jurisprudência?
A interpretação da lei não é exata. Mas queria saber se, para os outros brasileiros presos, seria garantido o mesmo tratamento. Há certo rigor excessivo da parte do Barbosa. Mas entendo que, nesse rigor, há atendimento ao princípio da isonomia.
Então esse rigor é necessário?
Creio que sim, porque senão chega a ser imoral. Com o trânsito político que essas pessoas têm, tudo ficaria mais fácil. Que o diga a visita da filha do José Dirceu [ao Presídio da Papuda] em carro oficial em contraponto ao tratamento das esposas de presos que são obrigadas a ficar nuas e fazer agachamento nas visitas.
Há uma preocupação de que essa decisão gere reflexos em outros casos. Isso é possível?
Os precedentes são sempre perigosos. Mas, nessa situação, prefiro o rigor de um precedente. Mais preocupado do que com o precedente, fico preocupado com o desrespeito ao princípio da igualdade. Todos são iguais perante a lei. Então o rigor da lei também tem que ser aplicado para eles. Além disso, como juiz da causa, o ministro Joaquim Barbosa tem que ponderar todas as circunstâncias que envolvem o fato, inclusive as circunstâncias políticas do caso.

Multidão se reúne em Marcha para Jesus no centro de Curitiba


17 de maio de 2014
A Marcha para Jesus reúne cerca de 300 mil participantes, na Praça Santos Andrade, em Curitiba. O evento é promovido por igrejas evangélicas e tem o público formado principalmente por jovens, adolescentes e famílias, a organização conta conta com 12 trios elétricos, sendo um exclusivamente para limpeza.
FOTO: Fábio Campana
FOTO: Fábio Campana
Diversas mudanças foram programadas para o trânsito de veículos normais e nos itinerários dos ônibus do transporte coletivo da capital. A marcha segue até às 15h, entre a Praça Santos Andrade, no Centro, e a Praça Nossa Senhora da Salete, no Centro Cívico.
A Rua Cândido de Abreu está bloqueada, o bloqueio deve permanecer até às 19h, de acordo com a prefeitura de Curitiba.
Bandas gospel, como “O filho do homem” e “Ao Cubo” estão entre as principais atrações.
Outros 115 municípios paranaenses também participam da marcha.

Correios explicam gastos milionários para trocar logomarca


18 de maio de 2014
Os Correios justificaram os gastos de R$ 42 milhões para trocar a logomarca da empresa que já foi referência na prestação de serviços de qualidade no Brasil mas que hoje anda mal das pernas. A coluna trazendo a notícia e o pitaco em relação a gastança foi publicada aqui mesmo nesse blog (http://www.blogdajoice.com/correios-torram-milhoes-para-nada-paulo-bernardo-aplaude-os-bobos-pagam-conta/) na quarta-feira desagradou a turma em Brasília. Por meio de nota a empresa se defende. É o que segue.
correios2
Da Assessoria de Comunicação dos Correios:
Com relação ao post “Correios torram milhões para nada. Paulo Bernardo aplaude. Os bobos pagam a conta”, publicado na quarta-feira (14), os Correios esclarecem que o lançamento da nova marca faz parte do processo de revitalização da empresa, iniciado em 2011, e resulta do novo posicionamento da estatal no mercado. Os Correios estão entrando em novas atividades, como serviços postais financeiros, eletrônicos e de logística integrada, serviços modernos como telefonia móvel virtual e comunicação digital, além de recuperarem sua capacidade de investimentos e aumentarem o nível de qualidade operacional.
O mercado concorrencial no Brasil é altamente pulverizado e competitivo, contando inclusive com a participação de gigantes multinacionais. Como todas as outras empresas do setor, os Correios realizam investimento para divulgar sua imagem e seus produtos. O investimento adicional em letreiros de agências e para troca da marca na frota será realizado em dois anos e corresponde a 0,036% da receita dos Correios estimada para o período. Já o  investimento da campanha publicitária equivale a 0,18% da receita de um ano da empresa, lembrando que o investimento em publicidade ocorre todos os anos, conforme previsão orçamentária.

Acidente de ônibus mata 25 pessoas no Ceará


Da Agência Brasil


Um ônibus da Viação Princesa tombou hoje (18) na rodovia BR-020, no município de Canindé (CE), e 25 pessoas morreram no local. O veículo saiu de Boa Viagem (CE), às 7h, com destino a Fortaleza (CE) com 46 passageiros a bordo. O acidente foi comunicado à Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança do Ceará às 8h20.
Segundo a Secretaria de Segurança Pública do estado, o motorista relatou que uma moto, que trafegava na frente do ônibus, freou bruscamente e ele acabou perdendo o controle da direção.
Alguns pacientes foram atendidos em Canindé e aqueles em estado grave foram transferidos para Fortaleza. Segundo o hospital Instituto Doutor José Frota, da capital, os 11 pacientes atendidos na unidade necessitam de intervenção cirúrgica, sendo alguns pacientes, de alta complexidade.

Homem é colocado a força para dentro de carro e aparece morto no dia seguinte


Por Elizangela Jubanski, Danaê Bubalo e Juliano Cunha

desaparecido-dentro
Homem desapareceu quando saia para trabalhar. Foto: JC/Banda B

Um homem de 29 anos que estava desaparecido desde a manhã de ontem foi encontrado morto no início da tarde deste domingo (17) em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba. Carlos Augusto dos Santos foi encontrado com ferimentos de arma de fogo na cabeça às margens da Estrada da Ressaca, zona rural do município. A esposa dele viu dois homens o obrigando a entrar em um carro no dia do seu desaparecimento. O crime tem motivação passional.
desaparecido
Souza pode ter sido vítima de crime passional. Foto: DB/Banda B
De acordo com a esposa de Carlos, Gisele Vaz, ele foi colocado dentro de um carro em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, na manhã de sexta feira (16) no momento em que saia para trabalhar.
A ação dos bandidos aconteceu na Rua Uirapuru, no Jardim Cláudia, cinco quadras da residência da família. Gisele viu toda a ação e contou à polícia que o homem que sequestrou o marido dela seria um conhecido. “Quando eu e meu marido se separamos eu entreguei meu celular para esse homem, na raiva, pedindo para ele atender e dizer ao meu marido que eu não queria mais estar casada. Mas, a gente voltou e agora esse homem acha que é meu dono”, disse em entrevista à Banda B. A versão da esposa é desconexa e ela afirma que não teve nenhum envolvimento com esse homem que teria atendido o telefone dela.
Santos foi colocado dentro de um veículo Siena, de cor preta, com placas AKX-3873 de Curitiba. Ainda, segundo a esposa, esse homem que levou o marido dela já possui passagens pela polícia e ameaçava a vítima há quatro meses. Santos é pai de uma criança de 9 anos. O corpo dele será levado ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba.

Mulher perde o controle e atropela idosas na RMC; uma foi socorrida de helicóptero


Por Felipe Ribeiro e Antônio Nascimento
Uma idosa de 67 anos foi socorrida pelo helicóptero no começo da tarde deste domingo (18) após sofrer um grave acidente na Rua Campina Grande do Sul, em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba.
De acordo com a polícia, a idosa conversava na rua com uma vizinha identificada apenas como Maria, quando uma mulher sofreu uma tontura, perdeu o controle e atropelou as duas com um veículo Celta.
Hildegard Marthe precisou ser socorrida pelo helicóptero por ter ficado presa entre o veículo e um muro em que o carro veio a bater na sequencia. Ela foi encaminhada em estado gravíssimo ao Hospital Angelina Caron. A vizinha foi levada de ambulância ao Hospital Evangélico.


Morador de Curitiba que foi buscar drogas na fronteira é preso no retorno para casa


Por Felipe Ribeiro e Antônio Nascimento

Uma força-tarefa realizada entre as polícias Federal e Militar apreendeu cerca de 30 quilos de drogas na manhã deste domingo (18) em São Luiz do Purunã, na região metropolitana de Curitiba.
drogassaoluizpuruna
Foto: Antônio Nascimento – Banda B
De acordo com a PF, eles receberam a informação de que uma caminhonete Amarock, dirigida por um morador da Cidade Industrial de Curitiba, teria ido para Foz do Iguaçu buscar os entorpecentes. Nisso, foi feita uma barreira na BR-277 que terminou na prisão em flagrante do suspeito e na apreensão da droga, que estava escondida no tanque de combustível.
Uma segunda pessoa, que acompanhava o preso e também trazia drogas em uma caminhonete Ranger, também foi presa e encaminhada à sede da PF em Curitiba.

Motorista perde o controle em “pista ruim”, invade sentido contrário e deixa mulher ferida


Por Felipe Ribeiro e Antônio Nascimento
Foto: Antônio Nascimento - Banda B
Foto: Antônio Nascimento – Banda B
Um motorista de 21 anos provocou um grave acidente no final da madrugada deste domingo (18) na Linha Verde, a BR-476, no bairro Pinheirinho, em Curitiba. Ele seguia no sentido Centro em um veículo Uno, quando perdeu o controle, cruzou o canteiro central e atingiu um Celta que seguia no sentido contrário.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, o motorista disse ter perdido o controle no local por se tratar de uma “pista ruim”. Ele dirigia um carro com placas de São José dos Pinhais e sofreu apenas ferimentos leves. Após o atendimento, ele confessou aos bombeiros que havia tomado uma cerveja antes de dirigir.
Já a vítima de 29 anos, que dirigia o Celta com placas de Araucária, sofreu ferimentos mais graves e foi encaminhada ao Hospital do Trabalhador, mas sem riscos de morte.
Sem seguros
Ambos os veículos não possuíam seguro, sendo que o Uno havia sido comprado e financiado há cerca de um mês o que causou o desespero do causador do acidente no local. A única coisa que ele dizia era não saber como fará para pagar os veículos.

Disputa de racha termina com empresário morto e mulher gravemente ferida em Curitiba


Por Felipe Ribeiro e Antônio Nascimento



Uma disputa de racha entre um Honda Civic e um veículo Peugeot terminou com um empresário morto atropelado no começo da madrugada deste domingo (18) na Rua Nicola Pelanda, no bairro Pinheirinho, em Curitiba.
De acordo com a polícia, ele e uma mulher estavam próximos a uma casa noturna, quando os motoristas passaram em altíssima velocidade e atropelaram as vítimas. Ambos os veículos fugiram do local após o acidente.
O corpo do empresário de 41 anos foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML). Já o da mulher que o acompanhava foi levado ao pronto-socorro.
A Delegacia de Delitos de Trânsito investiga o caso.