Em visita ao Paraná, Eduardo Campos declara apoio a Richa


O pré-candidato à Presidência esteve em Londrina, onde visitou o Hospital do Câncer, e em Maringá, onde participou de reunião na Associação Comercial e Industrial



O pré-candidato à Presidência da República Eduardo Campos (PSB) esteve no Paraná nesta segunda-feira (16). Pela manhã, em Londrina, ele visitou o Hospital do Câncer, classificado por ele como “uma boa experiência para o Brasil”. À tarde, em Maringá, Campos participou de uma reunião na Associação Comercial e Industrial de Maringá (Acim). Em Londrina, o pré-candidato foi acompanhado pelo governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), a quem declarou apoio à sua reeleição.
Marina Silva (Rede), que sairá como vice de Campos, também veio à cidade, mas não foi ao hospital. A ex-ministra do governo Lula tem se posicionado publicamente contra as coligações entre PSB e PSDB, principalmente em São Paulo, onde os tucanos concorrerão ao governo estadual com Geraldo Alckmin. No Paraná, Campos já declarou apoio a Richa.
Em entrevista coletiva, Campos foi questionado se o alinhamento ao PSDB em alguns estados vai de encontro ao discurso da campanha, que é de acabar com a polarização entre PT e PSDB. “Temos que construir uma grande unidade capaz de juntar os bons, os sérios e os competentes em uma agenda que recoloque o Brasil no caminho certo. A gente representa um caminho capaz de unir o Brasil e também de tirar da cena política brasileira as velhas raposas que há 20 anos criaram essa polarização.”
Apesar de ter recebido o apoio de Campos, Richa não foi recíproco, mas justificou que os dois partidos têm um entrosamento antigo. “É uma relação perfeita, harmônica, respeitosa. Isto acabou criando um vínculo forte de trabalho que deixa difícil não estarmos juntos mais uma vez”, declarou. O pernambucano disse perceber essa situação com naturalidade.
Com um discurso alinhado à administração do Hospital do Câncer, que reclama por reajuste nos repasses do Sistema Único de Saúde (SUS) para diminuir o déficit financeiro, o pré-candidato fez duras críticas aos baixos valores pagos pela administração federal aos serviços da unidade. “A tabela do SUS na oncologia condena à morte uma série de pacientes que não estão sendo atendidos hoje por serviços que existem e que têm equipamentos e profissionais habilitados, mas que não são devidamente remunerados.”
A área de oncologia foi citada, pelo pré-candidato, como uma das que pioraram nos últimos anos no País. Além disso, ele disse reconhecer os avanços feitos nos governos de Fernando Henrique Cardoso e Lula, atacou a alta da inflação, os baixos índices de crescimento da economia e o aumento da violência. Nas palavras dele, o governo de Dilma Rousseff (PT) “é o primeiro a terminar pior do que começou”.
Pedágio
Na saída do encontro, o governador Beto Richa disse desconhecer a diferença entre os números divulgados pela Associação das Concessionárias de Pedágio (ABCR) e a Agência Reguladora do Paraná (Agepar), como mostrou reportagem do JL desta segunda-feira (16).
De acordo com Richa, os contratos do governo com as concessionárias são claros. “Eu nunca tive conhecimento dessa diferença da contagem de carros que passam pelas praças de pedágio. Vou procurar hoje ainda esclarecimentos por meio da agência desse cálculo, que segundo você, tem discrepância”, apontou.
Maringá
À tarde, Campos e Marina visitaram a Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), onde o pré-candidato à Presidência fez duras crítica ao governo petista e salientou, por vezes, ser necessária uma reforma política, havendo urgência da “retirada das raposas velhas do comando”. Para ele, o país tem enfrentado uma interrupção no ciclo de crescimento justamente por conta de interesses políticos. “Desde que nós construímos a democracia, os governos têm terminado melhor do quando começaram. Pela primeira vez, nós vemos um governo que vai entregar o Brasil pior do que recebeu”, disse.
Questionado sobre a continuidade dos programas como o Bolsa Família, o candidato disse que, caso eleito, não excluirá as ações que deram certo. Afirmou que os programas sociais terão cada vez mais espaço e empoderamento.
Marina, candidata à cadeira presidencial na eleição passada, teve participação pouco expressiva durante a coletiva. Deixou que as perguntas fossem respondidas pelo colega e só se manifestou ao final, quando questionada se agricultura e meio ambiente poderiam caminhar juntos. Como resposta, disse que deveriam ser agregadas, utilizando-se cada vez menos recursos naturais e apostando em ciência e tecnologia para aumento da produção.
Logo depois, durante a reunião com os empresários, a vice-presidente também se manteve calada parte do tempo. Ao saudar os participantes, alvoroçou a plateia ao dizer que só voltou a disputar as eleições por defender ideologias distantes ao do PT, denominadas por ela como “tranqueiras”. “Se você se junta com tranqueiras para criar alianças, você governa com tranqueiras.”

Carros estacionados no entorno da Arena da Baixada são guinchados



Até as 13h, 55 carros já tinham sido guinchados. É proibido estacionar no perímetro delimitado pela Fifa da 0h até duas horas depois do fim da partida



Cinquenta e cinco carros estacionados no entorno da Arena da Baixada foram guinchados até as 13h desta segunda-feira (16), dia do primeiro jogo da Copa do Mundo na capital paranaense. A ação é desencadeada pela Prefeitura de Curitiba. Os veículos estão proibidos de estacionar na área restrita estabelecida pela Fifa desde 0 hora desta segunda até duas horas depois das partidas em dias de jogos do Mundial (o que hoje deve ocorrer por volta das 20 horas).
O trabalho da prefeitura continua e mais carros podem ser guinchados até o fim do horário da restrição.

De acordo com informações do site preparado pelo poder público municipal com orientações para a população durante os jogos da Copa em Curitiba, além de ser proibido estacionar, há restrição de circulação em dias de jogos, mas em outro horário. Nenhum carro particular, mesmo os credenciados, podem circular na área restrita da Fifa em um período que vai de quatro horas antes do início da partida até duas horas depois do fim do jogo.O pátio para onde são levados os carros irregulares fica na Avenida Salgado Filho, 6080, no bairro Uberaba. A multa é de uma infração média, ou seja, com o acréscimo de quatro pontos na carteira e R$ 85,30. A infração dos carros guinchados no entorno da Arena é por estacionamento em desacordo com a sinalização, afinal, a prefeitura diz que foram colocadas placas no local sobre a proibição. Para retirar o carro, o motorista deve ir ao local até 16h30, porque o pátio fecha as 17 horas. Caso o veículo tenha outras irregularidades, é preciso pagar outras multas antes de retirar o mesmo.
Desde as 10 horas de hoje, foram instalados os Postos de Verificação Veicular. Das 10h ao meio-dia, apenas carros de moradores locais, previamente credenciados, puderam acessar a área. A partir do meio-dia, ninguém mais pôde entrar na área, apenas carros oficiais envolvidos na organização da Copa. O perímetro permanecerá assim até por volta das 20 horas, já que o jogo deve acabar por volta das 18h.

Curitibano que assistiu Copa do Mundo de 1950 sobre a de 2014: “Incrível”


Por Luiz Henrique de Oliveira


O atleticano Sérgio Gomes de Oliveira, de 83 anos, vive uma emoção diferente nesta segunda-feira (16). Presente na Arena da Baixada para assistir Irã e Nigéria, esse não será o seu primeiro jogo de Copa do Mundo, mas a sensação é como se fosse. “Isto tudo está maravilhoso”, afirmou ele.
sergio
Sérgio vive emoção diferente nesta segunda 
Em 1950, Sérgio foi ao Durival de Britto acompanhar os dois jogos que aconteceram no estádio paranista, entre Suécia e Paraguai e Espanha e Estados Unidos. “Agora é tudo muito mais moderno”, disse ele, acompanhado da boa e companheira bengala. “Fiquei na dúvida se a Fifa ia me deixar entrar com ela, mas aqui estou eu”, completou.
Sérgio também mostra emoção ao falar sobre o estádio do seu clube de coração. “Incrível, realmente incrível, ainda mais acompanhado do meu filho e dos netos, algo realmente único. Vou em todas as partidas desta Copa e que venha a próxima”, concluiu.
A única pessoa não presente para ver este momento diferente na vida de Sérgio é a sua esposa, Iracy, que morreu em 2008. “Ela não está aqui na Arena, mas está em um lugar até melhor, vendo ele feliz desse jeito”, afirmou um dos netos do aposentado.
Fonte; Banda b
.

Efeito Copa faz número de mortes violentas diminuir na Grande Curitiba


Por Antônio Nascimento e Geovane Barreiro



O policiamento ostensivo desde a semana passada por causa da Copa do Mundo em Curitiba fez o número de mortes violentas despencar na capital. Das 18 horas de sexta-feira (13) até as 6 horas de hoje (16), apenas duas pessoas foram assassinadas em Curitiba: os casos aconteceram na Cidade Industrial.
Outros sete assassinatos aconteceram nos municípios da região metropolitana: Mandirituba, Pinhais, Campo Magro, Itaperuçu, Colombo e Campina Grande do Sul, onde aconteceu um confronto entre bandidos e polícia. Ao todo, 16 mortes violentas aconteceram na Grande Curitiba – somando aos homicídios, três acidentes de trânsito, duas quedas e dois afogamentos.
A delegada-chefe da Divisão de Homicídios de Proteção à Pessoa (DHPP), Maritza Haise, em entrevista à Banda B, atribui à redução dos números como ‘períodos de calmaria’. “Eles acontecem durante o ano. Há épocas em que Curitiba fica cerca de 5 dias sem homicídios. Ainda é um pouco prematuro para fazermos qualquer análise, mas é obvio que a polícia e até mesmo o Exército nas ruas inibem todo o tipo de violência”, explica.
Entretanto, o policiamento ostensivo está mais concretado nas áreas centrais. “Não há tanto policiamento nos bairros mais afastados, que naturalmente têm números de assassinatos mais altos. É preciso aguardar para, então, analisar profundamente”, finaliza.
Comparativos
No fim de semana anterior, o número de mortes violentas atingiu 23 casos. Desses, onze pessoas foram assassinadas. Já no primeiro fim de semana de junho, esse número foi ainda maior – 34 corpos recolhidos e, desses, 18 casos de homicídios.

Na Baixada, Irã e Nigéria ficam no zero e protagonizam primeiro empate da Copa


Por João Pedro Alves

Depois de quatro dias e 13 jogos com muitos gols e emoção, a Copa do Mundo 2014 teve o primeiro empate na tarde desta segunda-feira (16) com o duelo entre Irã e Nigéria na Arena da Baixada, em Curitiba. E o pior: sem nenhuma bola na rede. No jogo que fechou a primeira rodada do Grupo F, as duas seleções pouco fizeram ofensivamente e o 0 a 0 acabou ficando de bom tamanho para os “azarões” da chave que ainda tem Argentina e Bósnia.
Nem mesmo a festa da torcida ou a recém-inaugurada estrutura da Baixada, considerada um dos mais belos estádios do Mundial, foi capaz de inspirar os atletas que estiveram no gramado curitibano. A Nigéria teve mais posse de bola, tomou mais a iniciativa e foi melhor na partida, mas sem criar grandes perigos que pudessem tirar o zero do placar. O Irã, fechado na defesa, se contentou em frustrar os avanços africanos e em segurar com todas as forças o pontinho que teria com o empate.
O resultado pode não ter sido tão ruins para os times, mas o mesmo não pode ser dito para os torcedores que lotaram a casa do Atlético nesta primeira das quatro partidas que o estádio receberá nesta Copa. O fraco futebol apresentado e a falta de gols, diferente de tudo que havia sido visto nas demais partidas disputadas, gerou vaias nas arquibancadas como forma de manifestar a insatisfação.
Com esse empate sem gols, as seleções estão empatadas na segunda colocação do Grupo F da Copa do Mundo com um ponto ganho. Coincidentemente, elas voltam a campo no próximo sábado (21): primeiro, às 13h, o Irã enfrenta a líder argentina no Mineirão, em Belo Horizonte; depois, às 19h, a Nigéria tem pela frente a Bósnia na Arena Pantanal, em Cuiabá.
.

Manifestantes promovem quebra-quebra em ruas do Centro de Curitiba; 14 foram presos


Da Redação


Manifestantes mascarados iniciaram um quebra-quebra na Av. Marechal Floriano Peixoto com a Sete de Setembro,por volta das 17h desta segunda-feira (16), no Centro de Curitiba. Agências bancárias tiveram os vidros apedrejados e o pelotão de choque da Polícia Militar (PM) precisou agir. Quatorze jovens foram presos, sendo 12 adultos e dois adolescentes, de 15 e 17 anos.
fechado
Lojas foram fechadas no Centro de Curitiba (Foto: Denise Mello – Banda B)
Segundo as primeiras informações, uma agência bancária da Caixa, uma do HSBC e uma do Itaú foram apedrejadas pelos marginais.  Muita gente ficou assutada com tudo o que aconteceu.
Lojas foram fechadas na Marechal Deodoro e a correria foi intensa. Manifestantes correram pela Rua XV de Novembro, perseguidos por policiais militares.
A repórter Danaê Bubalo, acompanhou toda a movimentação. “Foi uma correria intensa. Os comerciantes fecharam as portas e se esconderam. Eles queriam saquear tudo”, contou.
De acordo com a Polícia Militar, todas as ações foram acompanhadas em tempo real e de forma permanente por videomonitoramento, a partir do Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR), e pela Secretaria da Segurança Pública. “As câmeras e a utilização do imageador aéreo – pela primeira vez no Paraná – acoplado à aeronave do Grupamento Aeropolicial e Resgate Aéreo (Graer) auxiliaram toda a ação da polícia que foi planejada e teve intervenção na hora certa”, afirma o secretário da Segurança Pública, Leon Grupenmacher.
As imagens geradas por este novo equipamento e pelas demais câmeras serão encaminhadas à Polícia Judiciária para posterior identificação de outros envolvidos nos atos criminosos registrados nesta segunda-feira.
Fonte Banda B

Ex-prefeito de Colombo tenta barrar CPI da UVA na justiça.

J. Camargo, ex-prefeito de Colombo, que jura por tudo quanto é “anjo e demônio” que não tem nada a esconder do povo de Colombo sobre a sua gestão de 08 anos, entrou com um mandado de segurança para “barrar” a CPI da UVA. Camargo já havia tentado barrar a CPI na justiça de Colombo, não conseguiu e entrou com o pedido no Tribunal de Justiça do Paraná. Se ele não deve, por que não compareceu para depor por 02 vezes? Se ele não deve, por que está tentando barrar a CPI ? Camargo estaria tentando proteger sua irmã Maria Amélia? Maria Amélia foi apontada por Jeimis Marcondes como mandante do roubo da festa da uva de 2011. Nem ela e nem Camargo apareceram para depor na CPI... E agora entram com mandado de segurança para tentar barrar a CPI... Quem não deve não tem o que temer... Do quê o ex-prefeito J. Camargo tem medo ?

Caixa preta do pedágio apresenta números incompletos e divergentes


16 JUN 2014 - 12:35 
Como pode o governo estadual, ou até mesmo a justiça, agir em relação às concessionárias de pedágio que atuam no Estado se os dados sobre o fluxo de veículos nas praças de pedágio e o faturamento das concessionárias são secretos? Matéria do Jornal de Londrina mostra que dados da mesma fonte (a própria concessionária Econorte) são divergentes e incompletos.
Como pode o governo estadual, ou até mesmo a justiça, agir em relação às concessionárias de pedágio que atuam no Estado se os dados sobre o fluxo de veículos nas praças de pedágio e o faturamento das concessionárias são secretos? Matéria do Jornal de Londrina mostra que dados da mesma fonte (a própria concessionária Econorte) são divergentes e incompletos.
Ter acesso aos números do pedágio no Paraná é difícil. E quando se consegue, há dúvidas sobre a veracidade. O Jornal de Londrina obteve de duas fontes diferentes, da Agência Reguladora do Paraná (Agepar), órgão responsável pela fiscalização das concessões, e da Associação Brasileira das Concessionárias de Rodovias (ABCR), entidade representativa das concessionárias, números divergentes sobre o movimento nas três praças de pedágio administradas pela Econorte: a de Jacarezinho e Jataizinho, na BR-369, e a de Sertaneja, na PR-323.
Por um lado, a ABCR informou que 8.068.000 veículos passaram pelas três praças de pedágio no ano passado, uma média de 22.104 por dia. Por outro, a Agepar afirmou que foram 7.398.761 veículos, 20.270 por dia. A diferença é de 669.239 – algo incompreensível, já que a fonte das duas informações é a mesma: a concessionária Econorte.
A Agepar, que recebeu os dados do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), explicou que a contagem é feita exclusivamente pela Econorte. Na semana passada, o JL tentou contato com o DER, por meio da Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística (Seil). E a informação é a mesma: por contrato, somente as concessionárias fazem a contagem dos veículos.
Pelos números informados, não é possível chegar perto do valor real arrecadado pela Econorte. Isto porque existem nove categorias de veículos, cada uma com um valor diferente, cuja pormenorização não é divulgada. Na praça de pedágio de Sertaneja, que é a mais barata, o valor é de R$ 6,10 para motos e bicicletas a motor; R$ 12,20 para veículos leves; e chega a R$ 69 para caminhões com seis eixos. Só os números totais, e divergentes, estão disponíveis.
“Pedagiômetro”
Colocado diante dos dois números diferentes, o deputado estadual Tercílio Turini (PPS) disse que dá para “concluir que, seguramente, os dois números estão para baixo”. “Se eles informaram, dá para desconfiar que o número é bem maior.”
Para ele, “puxando para baixo o número [de veículos que pagam pedágio], puxa-se para baixo a arrecadação [e, consequentemente, o lucro]”. Isto impacta na planilha que define o preço do pedágio, pois o valor arrecadado é levado em conta na hora do cálculo.
No ano passado, Turini propôs um projeto de lei para criar o “pedagiômetro”, que seria a instalação de mecanismos de contagem dos veículos em todas as praças de pedágio do Estado. A contagem seria informada em tempo real pela internet. O projeto não prosperou.
O deputado estadual Douglas Fabrício (PPS), relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Pedágio, criada na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) no ano passado para investigar os contratos, foi procurado pelo JL para comentar o assunto desde a terça-feira passada, mas não foi localizado.
Fonte: Bloga do Esmael

Para Barbosa, xingamentos a Dilma são "baixaria"


Presidente do Supremo Tribunal Federal como "um horror" os xingamentos dirigidos à presidente

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, classificou nesta segunda-feira, 16, como "baixaria" e "um horror" os xingamentos dirigidos à presidente Dilma Rousseff no jogo de abertura da Copa do Mundo, na semana passada, em São Paulo.
Barbosa participa nesta segunda-feira da última sessão como presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Até o final de junho, ele vai pedir aposentadoria. Fã de futebol, Barbosa disse que está adorando a Copa.
Na quinta-feira, 12, por três vezes, durante a cerimônia de abertura e o jogo da seleção brasileira, parte dos torcedores puxou um coro ofensivo à presidente. No dia seguinte, Dilma comentou o episódio e afirmou que não sei deixaria "atemorizar por xingamentos".

Lula acusa FHC de comprar votos para aprovar reeleição


16 de junho de 2014

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou ontem que o também ex-presidente Fernando Henrique Cardoso comprou votos em 1996 para conseguir se reeleger dois anos depois

Foto: (Jairo Goldslus/ÉPOCA)
Foto: (Jairo Goldslus/ÉPOCA)
Lula afirmou que FHC agiu com “desfaçatez” ao falar sobre corrupção na convenção do PSDB que lançou Aécio Neves (MG) candidato a presidente. O ex-presidente tucano apontou corrupção em gestões petistas e disse havê-la “na área da saúde, uma das mais sagradas do povo brasileiro”.
“Na convenção deles vi o ex-presidente falar com a maior desfaçatez ‘é preciso acabar com a corrupção’. Ele devia dizer quem é que estabeleceu promiscuidade entre Executivo e Congresso Nacional quando ele começou a comprar voto para ser aprovada a reeleição em 1996″, afirmou.
Ex-chefe de gabinete de FHC, Xico Graziano rebateu: “Lula, no fundo, tem profunda inveja política de FHC. Sempre se lembra dele quando precisa se defender. É um problema psicológico.”
FONTE: ESTADO DE SÃO PAULO

Bandidos assaltam barraca de cachorro-quente e um morre em confronto com sargento da PM




Dois bandidos armados tentaram assaltar uma barraca de cachorro-quente no bairro Bacacheri, em Curitiba, no fim da noite deste domingo (15). Um deles morreu em confronto com um sargento da Polícia Militar (PM), que estava no local comendo um lanche ao lado da esposa.
De acordo com a sargento Márcia, da PM, um dos bandidos, armado com um revólver calibre 38, resolveu revistar o sargento, sem saber quem ele era. “A arma do sargento estava na cintura e antes do bandido perceber ele o empurrou. Quando isso aconteceu o suspeito disparou duas vezes contra o policial, que prontamente reagiu”, contou.
Segundo a sargento, o suspeito foi socorrido pelo Siate do Corpo de Bombeiros, mas chegou morto no Hospital Cajuru. “O policial também precisou ser medicado, porque fugiu atrás do outro marginal e acabou virando o pé. Esse segundo suspeito entrou em um carro prata e não foi localizado”, descreveu.
A Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba deve receber o inquérito policial do caso.

Fonte; Banda B