Testemunhas não comparecem à sessão sobre quebra de decoro de André Vargas


Os "faltosos" devem receber nos próximos dias uma notificação para comparecerem ao Conselho de Ética da Câmara





18/06/2014 | 17:58 | 
Ninguém compareceu à primeira oitiva das testemunhas convidadas para depor no processo de quebra de decoro parlamentar contra o deputado André Vargas (sem partido-PR) no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Dos oito chamados pelo relator Júlio Delgado (PSB-MG), apenas dois confirmaram seus depoimentos: o doleiro Alberto Youssef, preso no Paraná e que prestará esclarecimentos via videoconferência no dia 1º de julho, e o dono do jatinho que o doleiro cedeu para Vargas, o empresário Bernardo Tosto, que responderá por escrito.
Delgado reclamou que um acordo foi firmado com a liderança do PT para que os deputados Cândido Vaccarezza (PT-SP), o líder Vicentinho (SP) e o presidente nacional da sigla, deputado Rui Falcão (SP), comparecessem nesta quarta-feira. Dos três petistas apenas Vaccarezza comunicou oficialmente que não estaria presente na reunião. Os demais não responderam aos convites encaminhados no dia 3 de junho. "O não comparecimento é a demonstração de que tem alguma coisa errada", concluiu o relator.

Em pleno recesso informal devido à Copa do Mundo, apenas três membros do colegiado compareceram à reunião, além do relator e do presidente, deputado Ricardo Izar (PSD-SP). Vargas foi representado pelos seus advogados Marcos Gusmão e Michel Saliba.As testemunhas devem receber nos próximos dias uma notificação para comparecerem ao Conselho de Ética da Câmara. Se não atenderem ao segundo convite, o regimento permite que o relator dispense a oitiva das testemunhas. Diferentemente de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), o Conselho de Ética não tem poder de convocação e deve limitar as notificações a simples convites. Além das testemunhas do relator, outras oito foram arroladas por Vargas, entre elas o doleiro preso. "A contaminação eleitoral não será para mim, será contra eles", destacou Delgado, referindo-se à ausência dos petistas nesta manhã.
Mesmo cientes de que medidas judiciais podem atrapalhar o trâmite do processo, o objetivo do colegiado é votar o relatório até 17 de julho, último dia antes do recesso parlamentar. Delgado reafirmou a intenção de cumprir "rigorosamente" os prazos e atender assim às "cobranças da sociedade". "Não quero que passe à sociedade nenhuma impressão protelatória", disse Delgado. A próxima reunião do Conselho de Ética está marcada para o dia 25 de junho.

Dilma e Lula virão para Curitiba no dia 3 de julho



Objetivo da visita é mobilizar petistas em torno da pré-candidatura da senadora Gleisi Hoffmann ao governo do estado


A presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva virão a Curitiba no próximo dia 3 para participar da plenária estadual do Partido dos Trabalhadores (PT). O encontro, que deve ocorrer às 19 horas, será aberto a filiados, militantes e simpatizantes do partido. O diretório estadual do partido, porém, ainda não soube informar o local da plenária.
Via assessoria de imprensa, o PT informou que o objetivo é mobilizar os petistas em torno das pré-candidaturas de Dilma à reeleição, da senadora Gleisi Hoffmann ao governo do estado e dos pré-candidatos a deputado federal e deputado estadual do partido.
Procurados pela reportagem, os diretórios nacionais e estaduais não souberam dar mais informações sobre a chegada ou a programação da visita de Dilma e Lula. O Instituto Lula apenas confirmou a vinda do ex-presidente, mas também não soube informar sobre outras atividades durante a visita.

Dilma sanciona lei que garante adicional de periculosidade para motoboys

Presidenta Dilma usa capacete


A lei altera a CLT e determina que os brasileiros que usam a moto para trabalhar com o transporte de passageiros e mercadorias recebam adicional de 30% sobre o salário
18/06/2014 | 20:41 | 
Ao sancionar a lei que inclui o pagamento de adicional de periculosidade para mototaxistas, motoboys e motofretistas, a presidenta Dilma Rousseff disse que a medida é justa, necessária e um direito desses trabalhadores, que enfrentam diversos perigos e até risco de vida.
A lei altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e determina que os brasileiros que usam a moto para trabalhar com o transporte de passageiros e mercadorias recebam adicional de 30% sobre o salário. O projeto tramitou por mais de dois anos no Congresso.
Dilma lembra que a profissão está presente em todos os grandes centros do país, e citou, por exemplo, o caso de mães que precisam dos serviços da categoria durante a madrugada para receberem remédios para os filhos. A presidenta acredita que a lei não irá gerar desempregos. “Eu duvido que o patrão, que precisa ter um número significativo de motoboys, em uma lei que abrange todo o Brasil, que caso não seja cumprida, criará uma ilegalidade no exercício da atividade para o qual o motoboy é contratado, possa deixar de contratar”, disse a presidenta.
Para o senador Marcelo Crivella, autor do projeto de lei no Senado, a expectativa é que os profissionais invistam o adicional em equipamentos de segurança. “[A lei garante] a possibilidade dele poder comprar uma bota de couro, um casaco de couro, não andar com pneu careca, ter as lanternas da motocicleta sinalizando corretamente, condições de se aperfeiçoar.
Crivella lembrou que os motociclistas estão entre as principais vítimas dos acidentes de trânsito, citando que diariamente em São Paulo dois motoboys morrem e dez terão de usar cadeira de rodas.
A presidenta Dilma defendeu ainda a adoção de faixas exclusivas para a circulação dos mototaxistas, motoboys e motofretistas. “Temos dever, como representantes do Poder Público, e no meu caso como presidenta da República, zelar e tomar todas medidas para proteger vocês. Essa medida do adicional de periculosidade é apenas o começo”, concluiu.
De acordo com o Sindicato dos Mensageiros, Motociclistas, Ciclistas e Mototaxistas de São Paulo (Sindimoto/SP), a categoria tem cerca de dois milhões de trabalhadores em todo o país.

JURISPRUDÊNCIA CRIADA NO TOCANTINS PODE INTERFERIR NA CONVENÇÃO DO PMDB NA SEXTA DIA 20

 A executiva nacional do PMDB determinou que no Estado do Tocantis o PMDB não poderá fazer coligação com com o PSDB. Essa determinação da executiva nacional pode criar jurisprudência aqui no Paraná. A executiva nacional determinou uma comissão para acompanhar a CONVENÇÃO ESTADUAL DO PMDB aqui no Paraná. Foi escalado o deputado de SC Mauro Mariani e o ex senador Wellington Salgado de MG  para acompanhar a  convenção no Paraná.  








Anatel aprova norma para reduzir preços de ligações entre operadoras de celular


Da Agência Brasil

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou hoje (18) uma proposta para reduzir os valores das ligações de celulares entre operadoras diferentes. Até 2019, o Valor de Remuneração de Uso de Rede da telefonia móvel (VU-M) deverá ser reduzido em mais de 90%, passando dos atuais R$ 0,23 para R$ 0,02 . O VU-M é o valor que as operadoras de celular pagam para usar a rede de outras empresas.
ligações
Foto: Reprodução
“Esta redução de preços de interconexão deverá se refletir nos preços dos serviços de telefonia ofertados pelas empresas ao consumidor, pois haverá aumento da competição no setor”, diz a agência. De acordo com a norma aprovada hoje, os valores dessas tarifas estarão referenciados aos custos e serão reduzidos gradativamente até o nível de custo eficiente de longo prazo
Com a medida, a Anatel espera que os preços das ligações entre operadoras diferentes fiquem mais próximos dos preços cobrados para chamadas entre usuários da mesma empresa. Assim, o consumidor não precisará de vários aparelhos celulares ou vários chips em um mesmo celular para realizar chamadas para outras operadoras.
As reduções nos valores de interconexão também deverão impactar o preço das chamadas fixo-móvel, que deverão ter uma redução substancial, segundo a Agência.
Para aprovar a norma, o conselho diretor da Anatel analisou os impactos das reduções de VU-M já implementadas em 2012 e 2013, que não geraram resultados negativos para o setor nem redução de investimentos ou lucros das empresas.

Mulher com fone de ouvido fica gravemente ferida após ser atropelada por ligeirão


atropelamento-180614-bandab
Vítima se distraiu com fones de ouvido e acabou sendo atingida por biarticulado.

Uma mulher de 39 anos ficou gravemente ferida após ser atropelada por um ônibus biarticulado, no bairro Parolin, em Curitiba, na tarde desta quarta-feira (18). O acidente aconteceu na canaleta da rua Marechal Floriano Peixoto, próximo ao viaduto.
atropelamento-180614-bandab1
(Foto: Juliano Cunha  )
Segundo o cabo Silva, do Batalhão de Trânsito de Polícia de Trânsito (BPTran), ela atravessava a rua com fones de ouvido quando foi atingida pelo coletivo. O motorista afirmou que buzinou para alertá-la, mas ela continuou andando e ele não conseguiu segurar o veículo.
A vítima, que não foi identificada, foi encaminhada inconsciente e em estado grave para o Hospital do Trabalhador.

Fonte; Banda B

Último feriado prolongado do ano será com Estrada da Graciosa ainda fechada



Devido às fortes chuvas das últimas semanas, o último feriado prolongado de 2014 ainda não terá a Estrada da Graciosa liberada para turistas que pretendem viajar para o litoral paranaense. De acordo com informações do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR) repassadas nesta quarta-feira (18), devido ao solo úmido, as máquinas não conseguem ter acesso ao local onde a ponte está sendo construída.
OBRAS DE RECUPERACAO ESTRADA DA GRACIOSA
Foto: AEN
Um comerciante entrou em contato com a reportagem nesta quarta para reclamar da demora. Ele diz entender que as chuvas prejudicaram as obras, mas diz que a falta da Copa do Mundo e dos feriados prolongados vem prejudicando muito os comércios da região. “A gente precisa com urgência desta ponte, nossos prejuízos já estão insustentáveis e um mês tão esperado quanto o da Copa nós estamos perdendo”, comentou. O último jogo em Curitiba, Rússia x Argélia, está marcado para o dia 26, então é provável que a Graciosa siga fechada até lá.
O DER estima que a ponte que permitirá o tráfego de veículos em meia pista deve ser liberada até o fim de junho. As equipes já finalizaram todos os pilares, vigas e lajotas da obra. Atualmente, os serviços estão sendo feitos na estrutura de base da ponte.
A Estrada da Graciosa foi interditada para o trânsito de pessoas e cargas no mês de março, após um deslizamento de terra no quilômetro 10,8 que abriu uma cratera na pista.

Fonte: Banda B
.

Coordenador-geral do Tribunal de Contas do Paraná é preso em operação do Gaeco


O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), coordenado pelo Ministério Público do Paraná (MPPR), realizou uma operação no Tribunal de Contas do Estado na tarde desta quarta-feira (18). O coordenador-geral do TCE, Luiz Bernardo Dias Costa, foi preso durante a ação, que aconteceu no Centro Cívico, em Curitiba. Ele foi conduzido ao Gaeco para prestar esclarecimentos.
tce
(Foto: Divulgação/TCE)
Costa fazia parte da Câmara Temática de Transparência da Copa do Mundo no Paraná. O MPPR não informou o motivo da prisão do coordenador. 
reportagem entrou em contato com a assessoria do MPPR, mas o órgão não divulgou mais detalhes sobre o caso.

.

MP denuncia Odebrecht por trabalho escravo e tráfico internacional de pessoas


Ação teve início após reportagem da BBC Brasil revelar denúncias de maus tratos em obra da empresa em Angola.

BBC
Da esquerda à direita, os operários Rafael Rocha Gomes, José Edval da Silva e Evaldo Barbosa Araújo (BBC Brasil), entrevistados na reportagem da BBC em outubro, disseram ter sido submetidos a maus tratos na construção da usina Biocom  (Foto: BBC)Da esquerda à direita, os operários Rafael Rocha Gomes, José Edval da Silva e Evaldo Barbosa Araújo (BBC Brasil), entrevistados na reportagem da BBC em outubro, disseram ter sido submetidos a maus tratos na construção da usina Biocom (Foto: BBC)
O Ministério Público do Trabalho (MPT) denunciou o grupo empresarial Odebrecht por, segundo o órgão, manter 500 trabalhadores brasileiros em condições análogas à escravidão na construção de uma usina em Angola.
De acordo com a ação, iniciada após uma reportagem da BBC Brasil revelar denúncias de maus tratos na obra, a construtora teria praticado ainda tráfico de pessoas no transporte de operários até a usina Biocom, na província de Malanje.
A denúncia, entregue na sexta-feira à Justiça do Trabalho de Araraquara (SP) pelo procurador Rafael de Araújo Gomes, pede que a Odebrecht pague uma indenização de R$ 500 milhões por danos coletivos aos trabalhadores. O procurador notificou a Polícia Federal e o Ministério Público Federal para que dirigentes da empresa e de suas subcontratadas respondam criminalmente.
A Odebrecht disse à BBC Brasil que só pronunciaria sobre o caso após ser notificada judicialmente. Normalmente, a notificação judicial ocorre alguns dias úteis após o Ministério Público protocolar a ação. Mas, com as interrupções de serviços públicos ocorridas por conta dos jogos da Copa do Mundo, esse prazo pode vir a ser ampliado.
Três empresas do grupo Odebrecht são rés na ação, que tem 178 páginas e envolveu extensa investigação: a Construtora Norberto Odebrecht (CNO), a Olex Importação e Exportação e a Odebrecht Agroindustrial (antiga ETH Bioenergia).
  •  
Segundo ação do MPT, trabalhadores foram submetidos a "condições degradantes de trabalho". Na foto, área externa do refeitório (Foto: BBC)Segundo ação do MPT, trabalhadores foram
submetidos a 'condições degradantes de trabalho'.
Na foto, área externa do refeitório (Foto: BBC)
Passaportes retidos
Em dezembro de 2013, a BBC Brasil publicou uma reportagem em que operários diziam ter sido submetidos a maus tratos na construção da usina Biocom, entre 2011 e 2012. Dezenas de fotos e vídeos cedidos à reportagem mostravam o que seriam péssimas condições de higiene no alojamento e refeitório usados pelos trabalhadores.
Os trabalhadores afirmaram ainda que funcionários que trabalhavam na segurança da empresa impediam que eles deixassem o alojamento e que tinham seus passaportes retidos por superiores após o desembarque em Angola. De acordo com os operários, muitos adoeciam - alguns gravemente - em consequência das más condições, e pediam para voltar ao Brasil. Alguns dizem ter esperado semanas até conseguir embarcar.
Segundo a ação do Ministério Público do Trabalho, braço do Ministério Público da União, 'os trabalhadores, centenas deles, foram submetidos a condições degradantes de trabalho, incompatíveis com a dignidade humana, e tiveram sua liberdade cerceada, sendo podados em seu direito de ir e vir'.
Os funcionários, diz a denúncia, "foram tratados como escravos modernos, com o agravante de tal violência ter sido cometida enquanto se encontravam isolados em país estrangeiro distante, sem qualquer capacidade de resistência".
Após voltar ao Brasil, dezenas de operários entraram na Justiça contra a Odebrecht e suas subcontratadas na obra. A Justiça tem reconhecido que eles foram submetidos a condições degradantes e ordenado que sejam indenizados.
O MPT diz que, embora os trabalhadores não fossem empregados da Odebrecht, mas de empresas subcontratadas pela construtora – entre as quais a Planusi, a W Líder e a Pirâmide –, a responsabilidade pelas condições na obra era inteiramente da Odebrecht, conforme definido nos contratos entre as companhias.
Tráfico de pessoas
A denúncia lista uma série de ilegalidades que, segundo o MPT, teriam sido cometidas pela Odebrecht no envio dos trabalhadores a Angola. De acordo com o órgão, as empresas subordinadas à companhia recorreram a agenciadores ilegais ('gatos') para recrutar operários em diferentes regiões do país, especialmente no Nordeste. A prática, diz a denúncia, constitui crime de aliciamento.
Após o recrutamento, segundo a denúncia, ocorria outra irregularidade: em vez de solicitar à embaixada de Angola vistos de trabalho aos operários, a Odebrecht pedia vistos ordinários, que não dão o direito de trabalhar.
Para obter os vistos, segundo o MPT, a Odebrecht "desavergonhadamente mentiu à embaixada de Angola", dizendo que os operários viajariam ao país para "tratar de negócios" e permaneceriam ali menos de 30 dias (limite de estadia do visto ordinário). No entanto, diz a Procuradoria, as passagens aéreas compradas pela Odebrecht previam a volta dos trabalhadores em prazos bem superiores a 30 dias.
Segundo o MPT, a empresa recorreu ao esquema para "contar com trabalhadores precários e inteiramente submetidos a seu jugo, incapazes de reagir ou de reclamar das condições suportadas, impossibilitados de procurar outro emprego, e que sequer pudessem sair do canteiro de obras".
A prática, segundo o MPT, sujeitou os trabalhadores a graves riscos em Angola, inclusive o de prisão, e violou tratados internacionais contra o tráfico humano.
Ratificado pelo Brasil em 2004, o Protocolo de Palermo engloba, entre as definições para a atividade de tráfico, o recrutamento e transporte de pessoas mediante fraude ou engano para fins de exploração em "práticas similares à escravatura".
Dinheiro público
Segundo a investigação do MPT, contratos celebrados entre a Odebrecht e suas subordinadas na obra mencionam que haveria empréstimos do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) à construção. O BNDES, porém, disse à BBC Brasil que jamais financiou a obra.
Em junho de 2012, o Ministério do Desenvolvimento e Comércio Exterior decretou sigilo sobre todas as operações de crédito do BNDES a Angola e Cuba.
Entre 2006 e 2012, quando os dados ainda eram públicos, o BNDES destinou US$ 3,2 bilhões (R$ 7,2 bilhões) a obras de empresas brasileiras em Angola. A Odebrecht, maior construtora brasileira e maior empregadora privada de Angola, onde opera desde 1984, abocanhou a metade desses financiamentos.
'Círculo íntimo'
Primeira indústria de açúcar, eletricidade e etanol de Angola, a Biocom é uma sociedade entre a Odebrecht, a estatal angolana Sonangol e a empresa Cochan. Segundo o jornal português Público, o dono da Cochan é o general angolano Leopoldino Fragoso do Nascimento, um dos homens mais próximos do presidente angolano, José Eduardo dos Santos, no poder desde 1979.
A usina, que custou cerca de R$ 1 bilhão, deve ser inaugurada até o fim deste ano.
Embora a Biocom tenha sócios angolanos, o MPT diz que, desde 2012, a Odebrecht tornou-se sócia majoritária da usina e "passou a administrá-la como dona". Segundo o órgão, ao se associar à Cochan, a Odebrecht buscou contemplar o "círculo íntimo" do presidente angolano no empreendimento e mascarar que a usina, anunciada à população local como angolana, é na verdade brasileira.
Como punição pelos atos, a Procuradoria pede que a Odebrecht seja multada caso mantenha práticas ilícitas, indenize os trabalhadores afetados em R$ 500 milhões e deixe de receber empréstimos de bancos públicos. A ação pede ainda que a companhia pague multa no valor de 0,1% a 20% do seu faturamento anual.
Segundo o MPT, o caso requer "uma punição absolutamente exemplar", para que a companhia não se sinta encorajada "a repetir as mesmas condutas no futuro".

Policiais civis do 11.ª DP prendem homem por receptação de veículo


Policiais civis do 11.º Distrito Policial (DP) da capital, prenderam, na última sexta-feira (13), André Luis Horstmann, 18 anos, suspeito de receptação de veículo roubado e falsificação de documento público. Horstmann conduzia um Sonic vermelho, com placas AVS-5067, quando foi abordado pelos policiais e apresentou um documento com indícios de falsificação, já que o chassi apresentado no documento não condizia com o do veículo.

Após uma fiscalização mais aprofundada, os policiais identificaram que o veículo era roubado e que já circulava por mais de um ano em mãos de criminosos. Investigações apuraram que o carro era utilizado para cometer roubos e tráfico de drogas em regiões vizinhas.

Horstmann foi preso em flagrante e está à disposição da Justiça.

Cope prende traficante em festa de aniversário


Dr. Luiz Albero Cartaxo Moura - Delegado COPE



Em duas situações distintas, uma no Centro e outra no Cajuru, em Curitiba, policiais civis do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) prenderam dois traficantes de drogas, no último final de semana.
No último sábado (14), os investigadores do Cope prenderam Rafael Lourenço, 24 anos, o “Rafinha”, que já estava condenado por tráfico de drogas. “Ele é um traficante velho conhecido da polícia”, disse o delegado Matheus Laiola do Cope.

Após várias tentativas de prender “Rafinha”, os policiais ficaram sabendo que ele participaria de uma festa de aniversário, no Cajuru. Os policiais descobriram onde a festa seria realizada e quando o traficante chegou no local, os policiais o abordaram. Ao ser abordado, ele apresentou um RG e uma CNH falsos. “Tivemos que elaborar uma estratégia não convencional para a prisão de 'Rafinha', já que ele é uma pessoa extremamente desconfiada da ação da polícia, mas graça à nossa insistência, conseguimos capturá-lo. Ele andava com documentos falsos visando não ser preso, já que contra ele havia mandado de prisão”, contou Laiola, destacando que o traficante é integrante de uma quadrilha extremamente violenta especializada em roubos e tráfico de drogas.

O delegado-titular do Cope, Luiz Alberto Cartaxo Moura, contou que a quadrilha era composta por sete integrantes e seis já tinham sido presos pela polícia anteriormente. “Faltava apenas o 'Rafinha' para colocar toda a quadrilha atrás das grades”, afirmou Cartaxo.

“Rafinha” foi preso por tráfico graças a um mandado de prisão já existente e também foi autuado pela prática de uso de documento falso.
Foragido de Rondônia

Na madrugada do último domingo (15), policiais civis do Cope prenderam Dario Alber da Silva Costa, 39 anos. Ele é natural de Porto Velho-RO e estava foragido da Justiça. “Costa é conhecido da polícia, já tendo sido preso em flagrante por estelionato e por tráfico de drogas por duas vezes”, contou Laiola.

Cliente ferido em tiroteio em frente ao Palladium está na UTI; ele teria ido ao cinema sozinho



O jovem Altieris Marcelino Peixoto, de 24 anos, que foi baleado em frente ao Shopping Palladium após um tiroteio na noite de segunda-feira (16), está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital do Trabalhador (HT). Ele precisou passar por uma cirurgia e respira com a ajuda de aparelho, segundo o último boletim da casa hospitalar. Amigos e parentes do jovem pedem doação de qualquer tipo sangue para o jovem.
altieris
Altieiris está internado na UTI e precisa de doação de sangue (Foto: Reprodução Facebook)
De acordo com Renata Foleto, amiga da família, o rapaz e natural de Minas Gerais. “Ele trabalha com Tecnologia de Informação e mora a uma quadra do shopping. É um jovem trabalhador e pelo o que sabemos teria ido sozinho ao cinema. O estado de saúde dele é bem grave e é necessário doação de sangue para reposição”, descreveu.
As doações podem ser feitas no Hemocentro coordenador – 2, na Travessa João Prosdocimo, número 145, no bairro Alto da XV, no nome do jovem.
A Banda B entrou em contato nesta manhã com a assessoria de imprensa do HT que informou que o estado de saúde do jovem continua gravíssimo. Ele foi baleado com um tiro no tórax.

Fonte; Banda b

Polícia flagra transbordo de carga de costela roubada e motorista e ajudante são liberados horas depois


Por Luiz Henrique de Oliveira e Bruno Henrique

Policiais militares, civis e guardas municipais prenderam, na manhã desta quarta-feira (18), quatro membros de uma quadrilha de roubo durante o transbordo da costela roubada de um caminho frigorífico na Rua Rio Tietê, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Outros dois assaltantes fugiram e chegaram a manter o motorista e o ajudante como reféns por algumas horas, porém os trabalhadores foram liberados no bairro Sítio Cercado, na capital.
Ocupantes de um Fiat Palio e uma Parati abordaram o caminhão frigorífico e foram flagrados durante o transbordo da carga, já que a polícia investigava a ação dos marginais. “Três foram presos em flagrante e outros dois, que estavam no veículo que seria usado para o transbordo da carga, não foram localizados. Ainda, uma mulher foi detida em um dos carros usados pelos marginais”, descreveu  o supervisor Sérgio, da Guarda Municipal de Pinhais.
Os assaltantes, que tinham levado motorista e ajudante como reféns, não foram localizados. Eles liberaram os trabalhadores, sem ferimentos, algumas horas após o crime.

Fonte: Banda b
.