Trio armado invade Unidade de Saúde de Curitiba para tentar matar paciente


Por Marina Sequinel e Luiz Henrique de Oliveira

Um trio armado invadiu a Unidade de Saúde Capanema, no Prado Velho, em Curitiba, para tentar matar uma paciente na manhã desta sexta-feira (10). A Guarda Municipal (GM) e a Polícia Militar (PM) chegaram ao local, na Rua Manoel Martins de Abreu, antes de os criminosos conseguirem efetuar a ação.
Os três homens armados entraram na Unidade atrás de uma mulher de 22 anos, que estaria devendo dinheiro para eles por tráfico de drogas. A Guarda não soube confirmar, no entanto, se a situação está ligada a uma briga de gangues.
O trio conseguiu fugir e a mulher foi escoltada até o ponto de ônibus para voltar para casa. Um deles usava uma camiseta laranja, o outro uma branca e o terceiro estava sem camisa.
Adolescentes baleados
Um pouco antes da ação, um adolescente de 16 anos foi baleado perto da Unidade dentro de um Pegeout prata. Ele chegou a ser levado para o Hospital Cajuru por amigos, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.
O rapaz que estava com ele também foi atingido, mas sobreviveu aos disparos e foi hospitalizado. A GM não soube informar se os dois casos estariam relacionados.

Polícia apreende 40 quilos de dinamite em supermercado: “Evitamos uma tragédia”


Por Felipe Ribeiro e Juliano Cunha

Uma ação policial realizada entre a noite de quinta e a manhã desta sexta-feira (10) terminou na apreensão de 40 bananas de dinamite dentro de um supermercado de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. De acordo com o Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), a ação evitou com que 170 caixas eletrônicos de bancos fossem explodidos e roubados por assaltantes.
Segundo o delegado-titular do Cope, Luiz Alberto Cartaxo Moura, desde que houve o furto de explosivos em uma pedreira localizada da RMC, o Cope iniciou a investigação que levou até o estacionamento na noite de quinta-feira. “Monitoramos o veículo a partir de informações que nos passaram e encontramos duas mulheres e duas crianças com os explosivos. Se ocorresse um acidente, poderíamos estar falando de uma tragédia hoje”, disse.
No porta-malas do veículo estavam armazenados os explosivos. Elas receberam esse material para revender. O autor do roubo e terceiro preso foi detido no Boa Vista. Lá, foram encontrados mais cerca de dois quilos do mesmo explosivo, pertencente ao mesmo lote furtado da pedreira.
Patrick Ramos Gaveliki, 19 anos, já com passagem por receptação, e as irmãs Nycolli de Farias, 20 anos, e Cristiane de Farias, 33 anos, foram autuados segundo o artigo 16 do Estatuto do Desarmamento, que se refere a possuir ou ter em depósito artefatos explosivos. A pena varia de 3 a 6 anos de prisão em regime fechado. “Todo esse explosivo possivelmente seria vendido para quadrilhas especializadas em explodir caixas eletrônicos. Por isso, a investigação segue para chegarmos até essas pessoas”, afirmou Cartaxo.
O delegado ainda concluiu dizendo que a legislação para este crime precisa ser revista, já que expõe risco para toda a comunidade. “Precisamos sensibilizar nossos governantes, já que o risco de vida não é levado em conta, apenas o furto qualificado”, concluiu.
Os presos agora ficam à disposição da justiça.

Richa reassume o governo do Paraná


richa reassume -
Notas Políticas, Gazeta do Povo:
O governador reeleito do Paraná, Beto Richa (PSDB), deve voltar aos trabalhos no governo estadual na segunda-feira. Licenciado desde o dia 29 de setembro, o tucano passou grande parte da semana se dedicando à campanha do presidenciável Aécio Neves (PSDB). Na quarta-feira, Richa, o senador reeleito Alvaro Dias (PSDB) e outras lideranças do partido estiveram reunidas em Brasília para definir estratégias para o segundo turno da campanha presidencial do senador mineiro. De acordo com a assessoria de Richa, ele já está em Curitiba e deve passar o fim de semana descansando com a família. Durante a campanha, Richa passou a maior parte do tempo conciliando a agenda de candidato com a de governador e só se licenciou do cargo na última semana antes do pleito.

Secretaria monitora 68 por contato com paciente suspeito de ebola no PR


A Secretaria de Saúde do Paraná (Sesa) está monitorando 68 pessoas que tiveram contado com um paciente suspeito de ter sido contaminado pelo vírus do ebola em Cascavel (região Oeste). A maioria estavam internadas ou trabalham na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) II onde o africano Souleymane Bah foi atendido. De acordo com informações do Superintendente de Vigilância em Saúde da Sesa, Sezifredo Paz, ao G1, a preocupação maior no momento é com pessoas que tenham tido contato com o paciente antes do internamento.
O número de monitorados é maior do que o apontado pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, em entrevista coletiva realizada em Brasília. Segundo o ministro, eram 64 pessoas haviam tido contato com o paciente. Para o grupo considerado de baixo risco – os 68 já em monitoramento – a febre deve ser medida duas vezes por dia, durante os próximos 21 dias. Caso seja percebida alteração, a UPA II deve ser avisada imediatamente.
De acordo com Sezifredo Paz, duas pessoas não identificadas que levaram o paciente até a UPA II estão sendo procuradas com prioridade, por estarem em grupo de risco considerado maior do que os que estiveram na unidade de saúde. Além destes, a Sesa pede que qualquer pessoa que possam ter tido contato com Souleymane Bah, de 47 anos, procurem a Secretaria Municipal de Saúde ou a Vigilância Sanitária para passarem a ser monitoradas.
“Sabemos que ele passou por um albergue, mas eles (imigrantes) usam o mesmo nome e isso dificulta. Estamos levantando todas as informações e tem equipes indo a campo”, afirmou o secretário municipal de saúde de Cascavel, Reginaldo Andrade. Ainda conforme Andrade, imagens de câmeras de segurança serão usadas para identificar as pessoas com quem Bah esteve na recepçõa da UPA II – a estimativa é de que ele tenha ficado por quase quatro horas.
Souleymane Bah chegou por volta das 6h30 desta sexta-feira (10) na base aérea do Galeão, no Rio de Janeiro. O paciente de 47 anos, que é de Guiné, na África Ocidental, foi trazido em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) e levado ao Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), referência em doenças infecciosas. Antes, ele estava internado em Cascavel, no Paraná.
Bah chegou ao Brasil na condição de refugiado e, de acordo com o documento expedido pela Coordenação Geral de Polícia de Imigração, pode permanecer no país até 22 de setembro de 2015. De acordo com o governo, o hospital paranaense recebeu o paciente classificado como suspeito de infecção por ebola na quinta-feira (9). Ele relatou que na quarta (8) e na manhã de quinta teve febre. Até o início da noite, estava subfebril e não apresentava hemorragia, vômitos ou quaisquer outros sintomas. Está em bom estado geral e, mantido em isolamento total.
O ministério da Saúde destacou que, por estar no 21º dia, limite máximo para o período de incubação da doença, o caso foi considerado suspeito, de acordo com os protocolos internacionais para o ebola – a Guiné é um dos três países que concentram o surto da doença na África. O vírus só é transmitido por meio do contato com o sangue, tecidos ou fluidos corporais de doentes, ou pelo contato com superfícies e objetos contaminados. O ebola somente é transmissível quando surgem os sintomas.

Doleiro cita reuniões com tesoureiro do PT


Foto: Sergio Lima/ Folhapress youssef - foto sérgio lima - folhapress
Do Globo:
O doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, contaram em depoimento à Justiça Federal do Paraná detalhes de como o dinheiro das fornecedoras da Petrobras migraram para o caixa dois do PT, PMDB e PP e abasteceram suas campanhas políticas em 2010. Segundo ele, cada diretoria tinha um operador indicado pelo partido de mando. Até agora, foram identificadas 13 empresas que pagaram ou repassaram, a pedido de empreiteiras, dinheiro de suborno destinados a políticos. Odebrecht, Camargo Corrêa, OAS, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, Galvão Engenharia, UTC Engenharia, Mendes Junior, Engevix, Toyo Setal, Jaraguá Equipamentos Industriais, Iesa e Sanko Sider são citadas nas investigações.
Segundo Youssef, ele operava apenas o dinheiro da diretoria de Abastecimento e soube por empreiteiras e pelos próprios operadores do esquema nas demais áreas. O doleiro disse que se reuniu pelo menos duas vezes com João Vaccari, tesoureiro do PT, que atuava como “operador” da diretoria de Serviços, área que recebia 2% do valor dos contratos da diretoria de Abastecimento, além dos 3% integrais dos contratos que ela própria firmava.
Perguntado se o pagamento da comissão era informado para as empreiteiras, Youssef foi categórico.
— Era bem colocado, sim, muito bem colocado. Era negociado contrato a contrato — disse, acrescentando que se não pagassem havia ingerência política e do próprio diretor da área, “de forma que ela não faria a obra”.
A maioria das empresas que pagou suborno emitiu notas para empresas de fachada criadas por determinação de Youssef, como Rigidez, GDF e RCI, ou que vendiam notas frias para o esquema, como a MO Consultoria, de Waldomiro Diniz, que cobrava 14,5% do valor das faturas.
Depois de passar pelas empresas de fachada, o dinheiro era distribuído aos beneficiários.
— O que era de Brasília ia para Brasília, o que era de Paulo Roberto Costa ia para Paulo Roberto Costa, no Rio de Janeiro — afirmou Youssef, o responsável pelos pagamentos, inclusive de Costa, que recebia o dinheiro vivo em entregas a um de seus dois genros.
Em seu depoimento, Paulo Roberto Costa afirmou que uma agenda apreendida pela Polícia Federal em sua residência tem uma tabela onde consta que ele pagou R$ 28,5 milhões para sete políticos do PP. Um dos beneficiados foi João Pizzolatti, do PP de Santa Catarina, que recebeu R$ 5,5 milhões. Ele não foi encontrado ontem.
Acusado de ser o mentor da organização criminosa, Youssef afirmou que o operador inicial do esquema era o deputado José Janene, que se encarregava de fazer a distribuição do dinheiro entre os políticos até 2010.
— Não fui o criador desta organização. Eu simplesmente fui uma engrenagem para que se pudesse haver recebimento e pagamento a agentes públicos.
Perguntado se a divisão do dinheiro costumava ser variável, o doleiro disse que não. Segundo ele, os percentuais sempre foram os mesmos e também a divisão era feita de acordo com “o cronograma”. Apesar de os percentuais sobre os valores dos contratos serem variáveis e passíveis de serem negociados pelas empresas, o percentual destinado aos agentes políticos era fixo.
Youssef se mostrou surpreso com a informação de que o PT, na diretoria de Serviços, recebia um percentual de 2%, maior do que o destinado ao PP, de 1%.
— Se ele (Paulo Roberto Costa) está dizendo que era 2%, ele sabe mais do que eu — comentou.
A cada licitação da Petrobras, detalhou, as empresas entregavam a Costa uma lista das empresas que participariam do certame e quem seria a vencedora. O então diretor se encarregava de entregar ao doleiro.
Das empreiteiras envolvidas no esquema da Petrobras, a Camargo Corrêa era a única que não repassava dinheiro diretamente para as contas de empresas abertas pelo doleiro Alberto Youssef ou que vendiam notas fiscais para sustentar o esquema. Youssef contou à Justiça Federal que a empreiteira , que lidera o consórcio responsável pelas obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, utilizava empresas subcontratadas para fazer o repasse. Uma delas foi a Sanko-Sider, fornecedora de tubos. Contratada pelo consórcio, a empresa teve de incorporar em sua contabilidade os valores a serem repassados aos agentes políticos. Ou seja, a Camargo Corrêa repassava o valor da propina para a Sanko-Sider e a empresa depositava nas contas das empresas indicadas pelo doleiro Alberto Youssef.
O doleiro foi além. Disse ainda que dois dos executivos da Camargo Corrêa também recebiam dinheiro do esquema. Ou seja, eram beneficiados pelas propinas. Youssef disse que ele próprio fazia os pagamentos.
— Eu pagava em dinheiro vivo. Ele retirava no meu escritório — contou.
Youssef disse que conheceu o sócio da Sanko-Sider, Márcio Bonilho, e que a empresa estava em dificuldades financeiras. Ele teria então passado a apresentar a empresa para fornecedoras da Petrobras, para que pudesse se recuperar. A cada contrato obtido, a Sanko-Sider pagava uma comissão ao doleiro. Um destes contratos foi para que a empresa fornecesse para o consórcio CNCC, liderado pela Camargo Corrêa e responsável pelas obras da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.
— Devido ter feito o fornecimento, foi pedido à Sanko que repassasse o dinheiro, para que pudessem pagar os agentes públicos e Paulo Roberto Costa.
A Camargo Corrêa, segundo ele, teria pagado aos políticos percentual mais alto do que os 3% comuns aos demais contratos. Segundo ele, os políticos receberam 10% do valor pago por cada tubo de aço usado na refinaria de Pernambuco.
O papel do doleiro, segundo ele próprio, era emitir notas fiscais, por meio de várias empresas, para os fornecedores da Petrobras. No caso de pagamentos feitos fora do país, seu trabalho era internalizar o dinheiro. Pelo menos duas empresas, a Odebrecht e a Toyo Setal, pagaram as comissões destinadas aos políticos no exterior e o doleiro se encarregou de internalizar o dinheiro, em reais.
OUTROS DOLEIROS ENVOLVIDOS
O doleiro afirmou que, além dele, também atuavam no esquema a doleira Nelma Mitsue Penasso Kodama, Leonardo Meirelles, sócio da Labogen, e Carlos Rocha — os três foram indiciados em processos abertos com base na Operação Lava Jato.
O esquema da propina da Petrobras, segundo ele, incluía também o setor de navios que atuam com a empresa
Paulo Roberto Costa afirmou à Justiça que chegou a indicar empresas de menor porte para participar de licitações na Petrobras. Ele disse que essa era uma forma de tentar quebrar o cartel das grandes empresas.
— Parece um pouco de demagogia, mas eu fiz isso. Diziam para mim, “você vai quebrar a cara, essas empresas não vão dar conta”. Algumas empresas faliram, outras foram em frente. As empresas do cartel ficaram zangadas — disse Costa.
Costa confessou que os R$ 23 milhões depositados em contas suas e de seus parentes na Suíça são oriundas de propinas pagas por fornecedores da Petrobras e reafirmou que devolverá o dinheiro aos cofres públicos. Confessou ainda à Justiça que tem mais dinheiro no Royal Bank of Canada, nas Ilhas Cayman, mas não citou os valores.
— Vou devolver o dinheiro. São vantagens indevidas de propinas na Petrobras — disse o ex-diretor, que devolverá ainda uma lancha e um terreno em Mangaratiba, no Rio.

Sergio Moro um juiz acima de qualquer suspeita


S
A rede de internautas do PT decidiu qustionar a data de interrogatório do doleiro Alberto Youssef e do es-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, como manobra de forum para prejudicar Dilma e sua campanha pela reeleição. Nada disso. Esse interrogatório foi marcado pela Judstiça em 19 de setembro, há muito tempo, muito antes do segundo turno. E o juiz Sergio Moro é figura respeitadíssima no Judiciário de todo o país exatamente porque não mistura seu fazer jurídico com o processo político ou com qualquer outro tipo de interesse. O que Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa estão a revelar pode meter medo em Dilma, Lula e companhia. Mas reagir dessa forma desrespeita o Judiciário.

Caminhoneiro embriagado invade pista contrária e mata pai e filhas que iam visitar parentes


Por Luiz Henrique de Oliveira e Antônio Nascimento


Uma tragédia no KM-273 da BR-277, em Prudentópolis, interior do Paraná, matou pai e filhas na noite desta quinta-feira (9). O causador do acidente foi o caminhoneiro Euclides Barros, de 65 anos. Ele dirigia embriagado e invadiu a pista contrária em um trecho de reta, de acordo com aPolícia Rodoviária Federal (PRF).
Segundo a PRF, a carreta carregada de soja, com placas de Cascavel, fazia o sentido Curitiba quando o motorista perdeu o controle em uma reta e atingiu dois veículos, uma caminhonete S10 com placas de São Sebastião, interior de São Paulo, e um Ford Fiesta com placas de Jaguará, Santa Catarina.
As vítimas fatais estavam na S10. “São pai e duas filhas, que iam até Quedas do Iguaçu visitar parentes. A mãe também estava na caminhonete e foi a única sobrevivente. Ela esta consciente e foi encaminhada ao hospital com ferimentos. No Fiesta, o condutor e a irmã dele também tiveram ferimentos e estão hospitalizados”, descreveu à Banda B o policial rodoviária federal Dezulinski.
Morreram no acidente: Ademar Miguel Dembiski, Daniele Dembinski, de 18 anos, e Nicole, 12. O motorista do caminhão teve ferimentos leves. “O teste do bafômetro dele apontou 0,40 mg/l de álcool no sangue. Ele foi o causador do acidente”, concluiu o agente.

Adolescente de 15 anos corre no meio da rua para fugir de tiros, mas é morto em Colombo


Por Elizangela Jubanski e Danaê Bubalo

colombo-adolescente
Garoto tinha envolvimento com as drogas, disse a família. Foto: DB/Banda B

Um adolescente de 15 anos foi assassinado na noite desta quinta feira (9) em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. Bruno Murilo da Silva foi atingido por três tiros
O fato aconteceu por volta das 21 horas na Avenida Allan Kardec, no Jardim Campo Alto. Segundo informações de moradores, o adolescente foi visto correndo no meio da rua logo após o início dos disparos. Uma equipe do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate), do Corpo de Bombeiros, foi acionada, mas a vítima não resistiu.
De acordo com o Soldado Alves, do 22º Batalhão, o adolescente foi atingido por dois tiros no peito e um na cabeça. “Tentamos levantar algumas informações, mas por enquanto a lei do silêncio impera. A família contou que ele tinha envolvimento com as drogas”, descreveu.
Familiares do rapaz afirmaram que ele era usuário de drogas e que, provavelmente, esse seja o motivo do crime. Não há informações sobre o autor dos disparos ou de que foram ele teria fugido. O corpo de Bruno foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba e a Delegacia do Alto Maracanã investiga o caso.
.

Denarc prende nove traficantes que iam abastecer Litoral do Paraná com maconha


Da Redação com Polícia Civil
denarcdentr
Maconha e armas apreendidas pela Polícia Civil (Foto: Polícia Civil – PR)

Policiais civis do Núcleo Metropolitano da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) concluíram, na manhã desta quinta-feira (9), a Operação Tabuleiro, desencadeada após dois meses de investigação e que busca coibir o tráfico de drogas principalmente no litoral do Estado durante a temporada de verão. Ao todo, nove pessoas foram presas, 42 quilos de maconha, meio quilo de cocaína, duas armas e três veículos (dois Sienas e um Golf) foram apreendidos.
O delegado-titular da Denarc, Miguel Stadler, explicou que todos os anos junto com a Operação Verão, que é desenvolvida pelo Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), ampliando significativamente o número de policiais civis e militares no litoral do Estado na alta temporada, a Denarc também envia equipes especializadas para coibir o tráfico de drogas. “Esta operação foi uma espécie de preparação para a Operação Verão. Nosso objetivo foi justamente amenizar o efeito do tráfico de drogas no litoral do Estado”, disse o delegado Cássio Conceição, titular do Núcleo Metropolitano da Denarc e coordenador da Operação Tabuleiro.
Dos nove presos, cinco foram capturados nesta quinta, quando logo nas primeiras horas da manhã equipes da Denarc cumpriram mandados de prisão em Curitiba, Cascavel, Paranaguá, Pontal do Paraná e Matinhos. Participaram da operação policiais civis do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), Subdivisão de Operações (SO) da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), 1.ª Subdivisão Policial de Paranaguá, Delegacia de Guaratuba e núcleos da Denarc de Curitiba, Ponta Grossa e Cascavel.No cumprimento de alguns mandados, os policiais civis tiveram apoio de policiais militares do 6.ª Comando Regional de Polícia Militar (CRPM). No total foram presos dois traficantes em São José dos Pinhais, um em Curitiba, um em Cascavel e cinco no litoral do Estado.
Foram presos: Mohamed Belo Hage (Matinhos), Marcos Batista Robatino (Paranaguá), Amarildo Antonio Fernandes De Lima (Cascavel), Volmir Antonio Correia (Matinhos), Sidney de Oliveira (Paranaguá), Amarildo Silva (Curitiba), Luciano Moretti Magalhães (Matinhos), Michele Pereira dos Santos (São José dos Pinhais) e Amanda Andressa Anaceto (São José dos Pinhais).

Paciente com suspeita de Ebola foi transferido para o RJ, diz Richa


ebola - beto richa twtt
A nota oficial da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná sobre o caso pode ser lida  AQUI

Princípio de incêndio em sala de cinema causa tumulto no Shopping Mueller


Por Elizangela Jubanski e Greyson Assunção


(Fotos: Monique Vilela/Banda B)

Um princípio de incêndio em uma das salas de cinema fechou o Shopping Mueller, no Centro de Curitiba, na noite desta quinta-feira (9). Uma poltrona da última fileira da sala 3 do Cinemark foi incendiada e causou tumulto no shopping por volta das 21h45. Ninguém se feriu e ainda não há informações sobre quem teria ateado fogo na poltrona.
A fumaça se espalhou pelo andar e o Corpo de Bombeiros foi acionado. No entanto, o que controlou as chamas foi o dispositivo sprinter, um sistema de combate a incêndio instalado no teto das salas. Houve tumulto assim que o fogo começou, mas, rapidamente, as pessoas foram tiradas da sala.
Em entrevista à Banda B, o capitão Luiz Alberto disse que o incêndio pode ter sido criminoso. “Há fortes indícios de que isso foi provocado. Quem nos acionou foram os clientes. Provavelmente é um vandalismo mesmo”, disse. Para garantir a segurança, os clientes foram retirados das outras salas de cinema e o shopping fechou as portas do cinema, por volta das 22 horas.
Outro lado
A Banda B entrou em contato com a assessoria do Shopping Mueller que confirmou o fogo em uma das poltronas e afirmou que a evacuação aconteceu de maneira tranquila. Também, que o Corpo de Bombeiros foi acionado, mas que as chamas já tinham sido controladas pelo sistemasprinter. 

Homem morre eletrocutado após entrar em sala de transformador de parque de Curitiba


Por Luiz Henrique de Oliveira e Antônio Nascimento
cobra dentro 2
Homem achava que sala do transformador não estava funcionando e levou a descarga (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

Um homem de 44 anos, que seria usuário de drogas, morreu eletrocutado dentro da sala de transformador do Parque da Imigração Japonesa, no bairro Uberaba, em Curitiba, na manhã desta sexta-feira (10).
Segundo a Polícia Militar (PM), Enilson Marcondes Martins tinha furtado fios de cobre e entrado na sala por achar que a energia estava cortada, quando ao mexer no transformador levou uma descarga elétrica de mais de 13,8 mil volts.
cobre dentro
Vítima morreu eletrocutada com mais de 13 mil volts (Foto: AN – Banda B)
O soldado Osvaldo, da PM, falou sobre o caso à Banda B. “Ele veio furtar os fios e chegou a cortar alguns aqui dentro do parque. Provavelmente achou que estava sem energia e entrou na sala do transformador, onde levou a descarga. Familiares afirmaram que ele era usuário de drogas e já esperavam que algo assim aconteceria”, contou.
O corpo de Enilson foi recolhido ao Instituto Médico Legal de Curitiba (IML). De acordo com a PM, outro homem que estava com a vítima não foi localizado.

Motorista vê blitz, acelera e bate contra poste ao se perder em curva; suspeita é de embriaguez - Imagens




Por Elizangela Jubanski e Danaê Bubalo


Um motorista se envolveu em um acidente na noite desta quinta-feira (9) no bairro Alto da XV, em Curitiba, ao tentar fugir de uma blitz na avenida Victor Ferreira do Amaral. Thiago Alberto Zanotin dirigia um Celta, com placas de Campina Grande do Sul, não conseguiu fazer uma curva na altura da Praça das Nações, perdeu o controle e atingiu violentamente um poste. Ele teve diversos ferimentos e a passageira, uma jovem com cerca de 20 anos, também ficou em estado grave e foi encaminhada ao Hospital do Trabalhador.
O acidente aconteceu por volta das 23h30 no momento em que policiais montavam uma blitz próximo ao Departamento de Trânsito (Detran). O motorista Zanotin notou a presença da Polícia Militar (PM) e fugiu em alta velocidade. Na curva, na pista sentido Centro, perdeu o controle do carro e atingiu violentamente um poste.
“A princípio eles estão bastante feridos, com bastante ferimentos. Estamos tentando estancar algumas hemorragias, mas dá a impressão que, de modo geral, a situação não é tão grave assim. Dá impressão que fizeram algum tipo de entorpecente ou álcool”, disse o médico do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) à Banda B.
O tenente Vieira do Batalhão de Polícia de Trânsito (Bptran) confirmou que a Polícia Militar ainda montava a blitz quando o motorista fez uma manobra perigosa e fugiu em alta velocidade. “Ao ver que a equipe policial realizava uma blitz, ele acelerou, fugiu em alta velocidade, mas não aguentou fazer a curva na altura da Praça. A princípio fugiu por estar embriagado mesmo, porque o carro dele estava com a documentação toda certa”, explicou.
Os dois feridos foram socorridos pelo Siate e encaminhados ao Hospital Evangélico. A pista ficou parcialmente bloqueada, mas não houve registro de congestionamento. Veja abaixo o momento do resgate às vítimas do acidente: