Policiais se infiltram na Tribal Tech e dupla de traficantes vai presa em flagrante


Da Redação
Dois jovens foram presos na após serem flagrados vendendo comprimidos de ecstasy na mais famosa festa rave da Grande Curitiba, a Tribal Tech, que aconteceu em uma chácara de Piraquara no último sábado (11). Já esperando ações de venda como essa, policiais civis da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) se infiltraram na festa e conseguiram apreender 250 comprimidos.
Foto: Juliano Cunha - Banda B
Foto: Juliano Cunha – Banda B
Segundo o delegado-titular da Denarc, Miguel Stadler, os dois jovens vieram de Itajaí (SC) somente para vender drogas sintéticas nesta festa. “A maioria dos comprimidos estava com Jonatan Albino da Silva, 18 anos, mas ele estava guardando a droga para Luiz Felipe da Silva Alves, 20 anos, que é quem comandava as ações dos bandidos”, explicou Stadler, destacando que eles vendiam cada comprimido a R$ 25.
O delegado-titular do Núcleo Metropolitano da Denarc, Cássio Conceição, explicou que como era sabida a possibilidade da comercialização desse tipo de drogas na festa, policiais civis do Núcleo Metropolitano e do Núcleo de Curitiba da Denarc se infiltraram entre os frequentadores do evento. “Na madrugada de domingo, conseguimos flagrar a venda e fazer as prisões”, contou, lembrando que a festa que teve início às 18h de sábado (11) terminou somente às 15h de domingo (12).
Assista ao vídeo que mostra o momento da prisão:aqui


IMG-20141013-WA0021
Foto: Juliano Cunha – Banda B
Maconha
Por volta das 13h30 desta segunda-feira (13), policiais civis do Núcleo de Curitiba da Denarc prenderam Juliana Bueno do Amaral, 37 anos, com 1,1 quilo de maconha e uma balança de precisão. A mulher foi capturada em sua casa, no Umbará, em Curitiba. Parte da droga foi encontrada já dividida em pequenas porções para venda, inclusive dentro da geladeira da cozinha de Juliana. “Há alguns meses nós prendemos o companheiro dela com meio quilo de cocaína. Desconfiamos que ela continuava traficando e hoje conseguimos prendê-la em flagrante” explicou Stadler.
.

Compartilhe:


Segundo exame descarta suspeita de ebola no Brasil


Da Agência Brasil

O Ministério da Saúde informou hoje (13) que deu negativo o resultado do segundo exame feito no paciente com suspeita de ebola. O Instituto Evandro Chagas, em Belém, confirmou que o homem de 47 anos, procedente da Guiné, não tem o vírus.
Segundo o ministro, Arthur Chioro, os critérios para a alta do paciente serão analisados pela equipe médica do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no Rio, onde está internado. As pessoas que tiveram contato com ele, e que ficaram em observação, foram liberadas do monitoramento.
O ministro disse que as medidas de prevenção da doença permanecem iguais. “Todas as medidas de prevenção e de vigilância em relação ao ebola permanecem. Ao mesmo tempo que passamos tranquilidade à população, entendemos que se trata de uma enfermidade de risco pequeno, mas que não podem ser descartadas as medidas de prevenção”, avaliou o ministro.
O homem natural da Guiné chegou ao Brasil no dia 19 de setembro. Em Cascavel, o africano sentiu febre no dia 8 de outubro, e no dia seguinte procurou uma Unidade de Pronto-Atendimento. Ministério da Saúde foi acionado e o paciente transferido para o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, onde permanece em observação.
Foram feitos dois exames de sangue no paciente, um no dia em que o ministério foi avisado da suspeita e outro 48 horas depois. É o procedimento indicado pela Organização Mundial da Saúde para confirmação ou descarte de um caso da doença.
A Guiné é um dos países da África Ocidental onde há uma epidemia de ebola. No país, pelo menos 1.350 pessoas foram contaminadas e 778 morreram com a febre hemorrágica, desde o começo do ano.
ebola

Com calor daqueles, lojas de Curitiba já sofrem com falta de ventiladores no estoque

 

Por Marina Sequinel





O calor acima dos 30°C que assola a Grande Curitiba desde semana passada já faz com que osventiladores das lojas ‘sumam’ dos estoques antes mesmo de o verão começar. Em uma das lojas contatadas pela Banda B, 30 aparelhos foram vendidos só de domingo (12) para esta segunda-feira (13).
Os vendedores confirmaram que a procura pelo produto aumentou nos últimos dias e que já esperam uma correria ainda maior assim que a próxima estação chegar. Segundo eles, os ventiladores não duram muito tempo nos estoques.
Segue abaixo a relação de lojas consultadas pela reportagem e a situação dos estoques em cada local:
- Casas Bahia (Bacacheri): Há ventiladores na loja, mas os estoques já estão acabando e não há previsão para a chegada de mais produtos.
- Magazine Luiza (Centro): Não há na loja física, apenas para pronta-entrega. Nesta terça-feira (13), o estabelecimento deve receber uma nova leva de mercadorias.
- Ponto Frio (Bacacheri): Um estoque de reserva com 30 peças acabou de ontem para hoje. Amanhã, mais ventiladores devem chegar na loja.
- Lojas Colombo (Rebouças): A procura aumentou significativamente nos últimos dias. O estoque não registrou falta do produto, mas os vendedores orientam os consumidores a serem rápidos caso queiram adquirir a mercadoria.
- Lojas Salfer (Centro): A loja recebeu uma carreta cheia de ventiladores na semana retrasada para abastecer os estoques.
- Hipermercado Condor (Bigorrilho): Não registrou falta do produto, mas deve receber ainda mais ventiladores ao longo da semana.
.

Aécio diz que vai fazer em 4 anos o que o PT não fez pelo Paraná em 12


aecio curitiba beto 3
O candidato à presidência pelo PSDB, Aécio Neves, disse nesta segunda-feira (13) que será o presidente que vai acabar com os boicotes que o governo federal impôs ao Paraná. Para Aécio, o Paraná já foi muito prejudicado, pela falta de recursos federais. “O Paraná será recompensado. Farei em quatro anos, o que Paraná teria que ter recebido em 12 anos”, destacou .
O governador Beto Richa disse que Aécio conhece os interesses do Paraná, pois foi o político que mais esteve no Estado. “É imprescindível para o Brasil votar em Aécio, como fizemos no primeiro. O Paraná será o exército de Aécio que vai mudar o Brasil”, disse.
aecio curitiba beto 2
Aécio disse que também quer trabalhar com o governo do Paraná para ajudar na segurança pública, como reforço nas fronteiras. “No meu governo, a segurança pública será uma prioridade do governo federal. Vamos fortalecer a Polícia Federal, tão sucateada, e investir mais nas Forças armadas, para que possa cuidar das nossas fronteiras”, disse Aécio.
Aécio reforçou que é um candidato que vem para unir todos em um projeto de nação. “Não sou o candidato de um partido ou ideologia, sou o candidato da aliança da transformação por um Brasil melhor”, disse falando para mais de quatro mil lideranças de todo o Paraná.
aecio curitiba beto 4
Aécio destacou que o apoio da Marina que veio somar em uma grande aliança pelo Brasil. “Me tocou fundo a decisão de Marina. Foi uma decisão corajosa a favor do Brasil”, disse. “A eleição no primeiro turno mostrou que o Brasil quer mudança. Majoritariamente, a população votou pela alternância de poder”, disse.
O senador eleito por São Paulo, José Serra, disse que o paraná será decisivo para eleger Aécio. “O Paraná, que elegeu Beto Richa e deu a vitória de Aécio Neves no primeiro turno, agora tem o compromisso de dar a vitória para Aécio no segundo turno”, disse Serra.
Para o senador Álvaro Dias, o Brasil precisa acabar com a corrupção, com o caso da Petrobras. “O partido, envolvido com a corrupção, agora apresenta cinco projetos contra a corrupção. Nós só temos um projeto contra a corrupção: a eleição do Aécio”, disse.
aecio curitiba beto 5
Durante o encontro com lideranças, o presidente da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Ágide Meneguette, declarou seu apoio ao candidato tucano, afirmando que quase todo setor produtivo do Paraná está com Aécio. “Há momentos na história que é preciso tomar partido. Neste momento, o melhor para o Brasil é Aécio Neves”, disse Meneguette.

‘Vou subir no palanque com a Marina’, diz Richa


beto palanque
De Carlos Ohara, Uol:
Reeleito para o segundo mandato em primeiro turno –a exemplo de 2010–, com 55% dos votos válidos em disputa contra dois senadores –Roberto Requião (PMDB) e Gleisi Hoffmann (PT)– o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), afirmou diz que sua vitória “só será completa, com a vitória de Aécio [Neves]” e diz que entrou “de cabeça” na campanha do candidato de seu partido.Convicto da necessidade de apoios, ele não faz qualquer objeção em subir em palanque ao lado de Marina Silva (PSB), que no primeiro turno, não expressou seu apoio ao governador paranaense, mesmo com apoio declarado do PSB estadual e nacional à Richa. “Sem problema algum. Temos um excelente relacionamento”, diz ele.
Aos 49 anos, Richa concorda com Marina e também que fim da reeleição, mas defende o aumento no mandato para cinco anos.
O governador do Paraná discorda do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que em entrevista aos blogueiros do UOL –Josias de Souza e Mário Magalhães -, disse que o PT cresceu nos grotões do país e que o Partido dos Trabalhadores tem o voto dos “menos informados”.
Para ele, houve uma estruturação do PT e de partidos ligado ao governo federal, embasadas na distribuição do Bolsa Família, onde a contrapartida era a “simpatia partidária e o voto”.
No inicio da tarde desta sexta-feira (10), Beto Richa concedeu a seguinte entrevista exclusiva ao UOL.
UOL – No Paraná, os votos pró-Aécio Neves seguiram uma tendência desproporcional em relação ao resto do país, com o resultado de 49,79% dos votos, enquanto Dilma conseguiu 32,54%. Diferença de mais um milhão de votos. Por que isso ocorreu?
Beto Richa - Fizemos uma campanha intensa com o Aécio, uma campanha casada. Muitos políticos tem receio de se associar a outro, mesmo sendo do mesmo partido, para evitar perder votos em determinados setores. Eu acredito que o eleitorado está de olho nisso. Querem candidatos coerentes e que não dissimulam. Para mim é um orgulho apresentar o Aécio. Candidato que acredito muito, exemplo de gestor público, político moderno. A campanha casada, facilitou. Eu tive 55% e ele quase 50%. Votação muito parecida.
O senhor venceu em 34 das 39 prefeituras administradas pelo PT no Estado.
Fiz um governo municipalista. A discriminação que recebi do governo federal, não reproduzi com os prefeitos.
Marina Silva se recusou a subir em seu palanque no primeiro turno. O senhor vai subir ao lado dela no palanque de Aécio, caso ele a apoie?
Com maior tranquilidade, sem problema algum. Me contaram que ela teria dito isso, mas o PSB estava no meu palanque, O vice dela (Beto Albuquerque) gravou depoimento para minha campanha. Tenho um excelente relacionamento com a Marina. Não vejo qualquer dificuldade.
Marina apresentou condições para apoiar Aécio, como não redução da maioridade penal e o fim da reeleição . O que o senhor acha disso? É a favor ou contra essas duas questões?
São pautas semelhantes ao programa do Aécio. Sou a favor do fim da reeleição. Disputei no modelo vigente, mas acho que uma ampliação do tempo de mandato seria suficiente. Quatro anos é pouco, mas cinco é suficiente. Quanto a maioridade penal, eu creio que em alguns casos, como em crimes hediondos ou reincidência, deve haver medidas mais duras. Mas isso deve ser amplamente discutido, antes de qualquer mudança. Tenho a mesma posição do governador Geraldo Alckmin e do Aécio.
E sobre denúncias envolvendo membros de seu partido em Minas, com o mensalão mineiro, e em São Paulo, com o cartel do metrô. Como evitar e combater a presença de corruptos no governo?
A melhor maneira de combate é com exemplo. Mostrando que o líder, o governante é intolerante com qualquer desvio de conduta ou ato de corrupção. Havendo qualquer situação, por menor que seja, punição exemplar. Não conheço detalhes das situações em Minas e São Paulo, mas sei que ainda não houve condenações. Mas, se preciso, tem de cortar na carne.
O PSDB teve um mau desempenho nas regiões Norte e Nordeste. Porque esse cenário é diferente das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste?
As informações é que lá [Norte e Nordeste] tem um grande número de pessoas beneficiadas com o Bolsa Família. Não dá para esconder o peso deste programa que mantém a família permanentemente assistida pelo poder público. Não sou contra o programa, mas contra essa dependência o que pode influenciar em uma eleição. Não sou contra pobre, sou contra a pobreza. Temos que combatê-la de todas as formas. Acho que nessas regiões o que têm pesado é essa forma de execução do Bolsa Família.
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, afirmou em entrevista que “o PT está fincado nos menos informados, que coincide de ser os mais pobres. Não é porque são pobres que apoiam o PT, é porque são menos informados”. O senhor concorda com essa afirmação?
Não, não concordo. Eu respeito o Fernando Henrique, mas não concordo. Acho que é mais o peso do Bolsa Família, que contribuiu, em eleições anteriores, para estruturação do PT e dos partidos ligados ao governo federal nesses locais. Em eleições e estaduais, a distribuição do Bolsa Família fortaleceu estes partidos nestes Estados. Não sei se era essa a ideia inicial. Mas com o sucesso do programa, eles mantiveram as pessoas dependentes, com a contrapartida da simpatia partidária e o voto.

Tradicional na política, família Barros vem com mais força


barros - metro curitiba
A família Barros, tradicional na política de Maringá, desembarca com ainda mais força em Curitiba a partir do ano que vem. Enquanto Cida Borguetti foi eleita vice–governadora e vai ocupar o posto no Palácio Iguaçu, a filha única do casal (com Ricardo Barros), Maria Victoria, de apenas 22 anos, foi eleita para ocupar um cargo na Assembleia Legislativa.
Curitibana, ela somou 44.870 votos no Paraná, sendo a terceira mais votada em Maringá, com cerca de 16 mil votos. Comemora, no entanto, ter conquistado eleitores em quase 90% dos municípios, sendo 5 mil deles em Curitiba. “Escolhi 55 cidades para trabalhar, até porque depois é difícil representar todos. E tive votação expressiva na capital”, diz.
Apesar de ter a base eleitoral no norte, mesma região da sua família. Maria Victoria se orgulha de ter feito a campanha sem “usar o sobrenome nem do meu pai, nem da minha mãe”.
Na atuação, no entanto, não nega que vai seguir o pai. “Eu aprendi com ele que política é servir à comunidade e também um modo de vida (…). O segredo é trabalhar 24 horas, ter o dom da articulação e estar sempre presente nos municípios, com escritório de representação aberto de segunda a segunda”, diz.
Enquanto pai e filha estão no PP, Cida Borguetti assumiu em 2013 a presidência estadual do PROS. Eleita agora para a vice-governadoria, após mandatos como deputada, ela adianta que, ao contrário dos outros vice-governadores, que costumam assumir postos em secretarias, ela só ficará em seu cargo. “Minha posição será apenas essa, ajudando como vice”, resume.
Já Ricardo Barros (PP) assume seu quinto mandato na Câmara Federal, após ter sido o mais votado em Maringá. Sempre cotado para participar do governo, onde já foi secretário de Beto Richa, Barros segue atuante. “Ele é um líder, mas ainda é muito cedo para pensar além da Câmara”, diz Cida.

Pelo futuro do país


beto richa futuro país
por Beto Richa
Quero aqui reiterar, mais uma vez, o meu mais sincero agradecimento ao povo paranaense. De forma especial àqueles que deram seu voto de confiança em nosso trabalho, mas também a todos que participaram do processo eleitoral e, assim, contribuíram para enriquecer a nossa democracia.
O Paraná que foi às urnas no dia 5 de outubro disse sim ao diálogo e ao desenvolvimento. Enfatizou de forma inequívoca o seu apoio à ética, à transparência, à geração de empregos e à modernização da gestão pública, ao mesmo tempo em que disse um não insofismável à mentira, à intolerância e à truculência.
Quem não entendeu o recado categórico das urnas está fadado à irrelevância no confronto das ideias. E é neste terreno que continuaremos trabalhando por um país melhor e mais justo, por Aécio Neves presidente da República. Porque o Paraná é muito importante para todos nós que escolhemos esta terra para viver e ser felizes com as nossas famílias. Mas o Brasil é fundamental.
Nosso estado vive um ciclo de industrialização sem precedentes, pelo volume e extensão dos investimentos aqui realizados nos últimos anos, como comprovam todos os indicadores do IBGE, do Ipardes e do Ministério do Trabalho. Mas este processo de desenvolvimento seria ainda mais sólido se a economia nacional estivesse rodando nos trilhos do crescimento. Enquanto o Paraná amplia e diversifica a sua indústria, o Brasil sofre com a desindustrialização.
Neste ano, o PIB brasileiro deverá crescer 0,3%, índice insignificante que coroa o pífio desempenho da economia nos quatro anos de governo da presidente Dilma Rousseff. A inflação continua acima dos 6% (a inflação dos preços de alimentos é ainda mais alta), corroendo o poder de compra do trabalhador. As contas externas fecharão 2014 com déficit de US$ 80 bilhões. Os escândalos de corrupção se sucedem e agora ameaçam a saúde da maior empresa do país, a Petrobras, orgulho e patrimônio de todos os brasileiros.
A gestão petista mostrou méritos iniciais ao preservar a matriz econômica herdada do presidente Fernando Henrique Cardoso e, beneficiada pela prosperidade global, ampliou os programas de distribuição de renda. Mas não teve competência para guiar o país pelos caminhos árduos da crise que se seguiu à bonança. São vários anos seguidos de inflação alta e crescimento baixo.
Esperava-se que a presidente Dilma compensasse a inexperiência política com competência administrativa. Mas que ilusão! A gerente que aparecia na propaganda petista revelou-se um engodo. O desastre no setor de energia é a fotografia mais nítida de sua gestão, marcada por um intervencionismo obtuso que quebrou a confiança dos investidores, e pelo mais avassalador aparelhamento partidário do Estado que já se viu na República. Aqui, sofremos com a estagnação econômica agravada pela odiosa discriminação imposta ao Paraná, um dos primeiros estados em arrecadação e dos últimos a receber repasses e investimentos federais.
Paranaenses e brasileiros têm, em 26 de outubro, a extraordinária oportunidade de romper o círculo vicioso em que se transformou o governo do PT. Aécio Neves tem a têmpera, o talento e o dinamismo exigidos pelo momento: é o nome da mudança. É o único candidato com os atributos e virtudes para vencer os imensos desafios que travam o desenvolvimento nacional.
Beto Richa é governador reeleito do Paraná.

Em menos de uma hora, dois acidentes diferentes matam dois homens na BR-116


Por Luiz Henrique de Oliveira e Antônio Nascimento


Em uma diferença de menos de uma hora, dois homens morreram em acidentes de trânsito na BR-116, em Curitiba, na noite deste domingo (12). O primeiro caso foi um atropelamento no km 117 e o segundo um acidente entre carro e motocicleta no km 115.
Km 117
Por volta das 20h50, um homem ainda não identificado morreu após ser atropelado por um ônibus na pista sentido Fazendo Rio Grande da BR-116, na entrada para a Vila Pompeia, no bairro Tatuquara, em Curitiba.
O policial rodoviário federal (PRF) Zardo falou sobre o caso à Banda B. “O rapaz foi atravessar a rua e acabou sendo atingido por um ônibus de linha que estava lotado. Ele morreu na hora devido aos ferimentos generalizados”, explicou.
Km 115
Cerca de uma hora depois, na pista sentido Curitiba, no entrocamento com a Rodovia do Xisto, um motociclista morreu após bater contra um Vectra.
“O rapaz não portava documentos, assim como a vítima do atropelamento, e acabou morrendo na hora. Após a batida contra o Vectra ele foi em direção ao guard rail da pista, onde não resistiu a pancada”, descreveu o PRF Zardo.
BR-376
Se na BR-116 dois homens morreram na hora, na BR-376, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, um motociclista escapou com ferimentos leves por um milagre, durante a tarde de ontem.
De acordo com o guarda municipal Jacomel, o acidente aconteceu no início da pista sentido Joinville. “Foi uma cena feia, porque o motociclista parou embaixo do ônibus, mas aparentemente está bem e não corre risco. O sinaleiro fechou e o o condutor não conseguiu frear a tempo”, explicou.
.

Idosa atropelada por motocicleta enquanto voltava de igreja morre no hospital


Da Redação


Uma idosa de 75 anos morreu no Hospital Cajuru, em Curitiba, na tarde deste domingo (12). Ela foi atropelada no sábado (11) por uma motocicleta na Av. Prefeito Maurício Fruet com a Rua Luiz França, no bairro Cajuru.
O atropelamento por uma motocicleta aconteceu por volta das 18h30 na pista sentido Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Segundo o Corpo de Bombeiros, Isolda Bambina Formolo voltava de uma igreja quando foi atingida e socorrida ao hospital, onde não resistiu aos ferimentos.
Ainda de acordo com o apurado pela Banda B, o motociclista envolvido no atropelamento tem 25 anos e ficou no local para prestar esclarecimento.

Empresário desaparecido há 70 dias é encontrado morto na Colônia Mergulhão; foto


Por Elizangela Jubanski 

empresariodentro
Empresário estava com ferimentos de arma de fogo. Foto: Arquivo familiar/Banda B

Desaparecido há quase 70 dias, o corpo do empresário Clorivan Fernandes, 36 anos, foi encontrado na Colônia Mergulhão, na zona rural de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. O reconhecimento do corpo aconteceu por meio da arcada dentária após exames complementares no Instituto Médico Legal (IML). Fernandes foi enterrado no município de Coronel Vivida, sudoeste do Paraná.
A cunhada dele, Rosilene Batista, confirmou à Banda B, nesta segunda-feira (13), que o corpo de Fernandes foi encontrado na quinta-feira passada. “Temos poucas informações. Sabemos que ele foi encontrado por um homem que estava com um cavalo cortando capim. No atestado dele saiu que ele foi morto por ferimento de arma, mesmo”, conta.
O corpo de Fernandes foi recolhido ao IML e precisou de exames para confirmar a identidade, já que estava em avançado estado de decomposição. Também, de acordo com a cunhada, o laudo apresenta que a morte aconteceu entre 60 e 70 dias atrás, o que corresponde a data do desaparecimento.
A família contou que o empresário do ramo da marcenaria foi velado e sepultado em um cemitério de Coronel Vivida, cidade que Fernandes nasceu, por uma vontade que ele mesmo já teria expressado. “No fim de semana anterior ao dia do desaparecimento ele disse para a esposa dele que, se algo acontecesse com ele, queria que fosse enterrado naquela cidade”, descreveu.
A Polícia Civil investiga o que pode ter acontecido com o empresário Fernades, mas o crime de latrocínio já teria sido descartado. “Não levaram nada dele, carteira, caminhonete, cartões de banco, então, sabemos que não foi assalto”, acredita a cunhada.
Clorivan desapareceu junto com a caminhonete dele, uma Nissan, na noite do dia 4 de agosto, uma segunda-feira, no momento em que ia a uma igreja entre os bairros Cajuru e Vila Oficinas. O veículo foi encontrado um dia depois na zona rural de Piraquara, na região metropolitana de Curitiba.

Fim de semana de calor registra 24 mortes violentas; maioria foi assassinato


Por Elizangela Jubanski e Antônio Nascimento

O fim de semana de temperaturas altas registrou 24 mortes violentas em Curitiba e região metropolitana de Curitiba. De acordo com o boletim oficial do Instituto Médico Legal (IML), das 18 horas de sexta-feira (10) até as 6 horas de hoje (13), 13 pessoas foram assassinadas desse total. Oito foram vítimas do trânsito, um registro de queda, um afogamento e um enforcamento também integraram o balanço.
No fim de semana passado, o balanço do IML registrou 19 mortes violentas. No entanto, desse total, nove pessoas morreram no trânsito e sete foram vítimas de homicídios.
Casos
Entre os últimos corpos recolhidos pelo IML está o de um homem, ainda sem identificação, com cerca de 30 anos que foi encontrado morto em um matagal na rua Anastácio Homann no bairro Orleans, em Curitiba. Moradores ouviram diversos disparos de arma de fogo e acionaram a Polícia Militar (PM). O homem vestia bermuda colorida, botas pretas e camisetas brancas. O cabo Pivovar, do 12ºBPM, confirmou que a vítima foi morta com cerca de cinco disparos. “Tinham várias cápsulas de pistola 380. As testemunhas também contaram quer viram um Golf saindo do local”, finalizou.
Também, durante a madrugada, dois homens foram executados na Cidade Industrial, em pouco tempo de diferença. O primeiro crime aconteceu no Diadema, Felipe José dos Santos chegava em casa quando foi executado por um motociclista com vários tiros. A polícia investiga o envolvimento dele no tráfico de drogas.
Já na região do Vila Sandra, na rua Itaiópolis, o jovem Gabriel Luiz Goes, 21 anos, foi morto quando retornava na casa da namorada, por volta das 23 horas. Ele também foi morto por um motociclista, à queima roupa, com um disparo de arma de fogo que atingiu o rosto dele. O irmão de Gabriel já teria sido preso acusado no envolvimento de um incêndio criminoso no bairro Campo Comprido, que vitimou duas garotas. Não há informações se esse crime tem relação com o irmão de Gabriel.

Grupo que teria abastecido festa rave com lança-perfume é preso em Curitiba


Por Elizangela Jubanski e Antônio Nascimento

lança-perfume
Além dos frascos de lança-perfume, grupo tinha revólver calibre 38, munições e celulares com mensagens alusivas ao tráfico. Foto: AN/Banda B

Um grupo que teria sido responsável por abastecer uma festa rave na região metropolitana com lança-perfume foi preso em Curitiba. A prisão aconteceu na manhã desta segunda-feira (13) na Vila Torres e sete pessoas, entre elas uma mulher, foram presos com 13 frascos de lança-perfume, revólver, munições, dinheiro e celulares usados para a venda e compra do material ilícito. Eles afirmaram ser da cidade de Itajaí, em Santa Catarina.
lança-perfume-dentro
Materiais apreendidos pela polícia. Foto: AN/Banda B
A festa aconteceu durante todo fim de semana no município de Piraquara. Policiais militares da 5ª Companhia do 12º Batalhão da Polícia Militar (BPM) viram que dois carros – Voyage e Gol, com placas de Itajaí, estavam em atitude suspeita em frente a rua casa, na rua Plínio Barroso, na Vila Torres.
Durante a abordagem, policiais encontraram 13 frascos de lança-perfume, um revólver calibre 38 com seis munições intactas, R$ 1.324 em notas, e celulares com mensagens de compra e venda de lança-perfume em caixa.
A dona da casa e um jovem que dormia no momento da abordagem também foram presos em flagrante. O grupo contou aos policiais que veio para a região de Curitiba para participar da festa rave Tribaltech, como faz em diversos municípios que sediam outras festas raves.
No entanto, mensagens nos celulares dos jovens confirma que compra e a venda do produto. O material foi apreendido e todos os detidos foram encaminhados para a Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) e serão autuados por tráfico de drogas, porte ilegal de arma e associação ao tráfico.
.

Homem sai de bar em carro importado, capota ao bater contra veículo estacionado e sai rindo


Da Redação


Um homem em um carro importado capotou o veículo na Rua Ulisses Vieira, no bairro Vila Izabel, em Curitiba, na noite deste domingo (12). A informação de testemunhas é que ele apresentavasinais de embriaguez.
importadocapotado
Carro capotou e motorista não se feriu (Foto: Cha Borges)
De acordo com a leitora do Portal da Banda B, Cha Borges, o rapaz não chegou a dirigir nem por 100 metros. “Já capotou em um carro que estava estacionado. Saiu rindo de dentro do carro, sem ferimentos e com a ajuda de um amigo”, afirmou.
Outras testemunhas comentavam o risco do rapaz dirigir embriagado e afetar pessoas inocentes. Até o momento em que a leitora saiu do local do acidente, a Polícia Militar (PM) ainda não tinha sido acionada.

Em Manaus, criança guarda mesada e compra dois carros: 'valeu a pena'


Iann passou um ano economizando para conseguir o carro dos sonhos.
Pais ajudaram com reforma do veículo, que custou ao todo R$ 23 mil.

Do G1 AM
  •  
Iann comprou um Fusca 1981 com dinheiro do seu próprio cofre (Foto: Indiara Bessa/ G1 AM)Iann comprou um Fusca 1981 com dinheiro do seu próprio cofre (Foto: Indiara Bessa/ G1 AM)
O pequeno Iann Porto Melo, de oito anos, sempre gostou de carros e hoje pode dizer que o seu veículo preferido é um Fusca 1981, que comprou com as economias do seu próprio cofre. "Todo dia a gente ficava economizando, aí compramos", disse Iann ao G1. O menino conseguiu dinheiro para dois Fuscas, juntou as peças necessárias e hoje tem seu veículo todo equipado: "só falta colocar o ar-condicionado", explicou.

O primeiro veículo custou R$ 2.500, em um site de vendas. Como o carro não estava em boas condições, Iann, com a ajuda do pai, comprou mais um Fusca, desta vez por R$ 1.700. Segundo o menino, as peças do segundo veículo ajudaram a montar o Fusca 1981. A  reforma do veículo "perfeito" durou cerca de um ano.
A paixão por veículos é compartilhada com o pai, com quem mora. Foi também o pai, o jornalista Fábio Melo, de 38 anos, que apresentou o Fusca ao menino. Os dois começaram a pesquisar a história do veículo e o menino se interessou pelo modelo. Em seguida, o garoto começou a guardar dinheiro para a compra.
Durante mais de um ano ele juntou a mesada que recebia, o que deu para a compra dos veículos. Já a reforma foi patrocinada pelos pais, no valor total de R$ 23 mil. "Ele sempre foi um bom menino e sempre tirou boas notas. Ele mereceu", afirmou o pai.
Iann e o carro em 2013, logo que após a compra (Foto: Arquivo Pessoal)Iann e o carro em 2013, logo que após
a compra (Foto: Arquivo Pessoal)
Eles acompanhavam o dia a dia dos carros na oficina. Fábio contou que, desde o dia em que comprou o veículo, registrou todos os momentos de Iann com o carro, com  objetivo de fazer um pequeno documentário contando a trajetória dos dois.

Após a reforma, os pais de Iann resolveram presenteá-lo no seu aniversário de oito anos, no dia 11 de julho de 2014. "Levamos ele para frente de casa, e trouxemos o carro todo reformado com um laço verde em cima", relembrou o pai. O carro agora possui vidros elétricos, aparelho de som e motor original.
A história do carro aumentou a popularidade do menino. Ele costuma receber visitas de vários amigos para conhecer o Fusca. O carro vira atração por onde Iann passa. "Valeu a pena juntar o dinheiro. Agora, gosto de ir para a escola no meu carro e quando chego lá todos pedem para tirar foto com a gente", disse Iann.

Apesar da paixão por carros, o menino diz querer ser jogador de futebol, e que não tem pressa para começar a dirigir. "Ainda faltam 10 anos para tirar a minha carteira de motorista", ressaltou Iann.
Fábio Melo diz que sempre apoiou o sonho do filho (Foto: Indiara Bessa/ G1 AM)Fábio Melo diz que sempre apoiou o sonho do filho (Foto: Indiara Bessa/ G1 AM)

Suzane Richthofen dispensa advogado e diz não querer herança


Em documento inédito, obtido com exclusividade pelo Fantástico, Suzane pede o afastamento de seu advogado Denivaldo Barni.

Suzane Von Richthofen, a jovem condenada por mandar matar os próprios pais, em 2002, em São Paulo, volta ao noticiário. Suzane, hoje com 30 anos, procurou recentemente uma juíza para informar que abre mão de toda a herança. E que pretende se reaproximar do irmão, Andreas, que nunca mais falou com ela. Também dispensou o advogado que a acompanhou por todos esses anos. O repórter Valmir Salaro reuniu dois promotores que seguem o caso de perto. O tema da discussão: será que um dia Suzane vai ter condições de voltar à vida normal?
A cadeia parece não ser mais um peso na vida de Suzane, presa há 12
anos pelo assassinato dos pais. Ela já poderia ir para o regime semiaberto, trabalhar fora do presídio e sair cinco vezes por ano para passear. Mas preferiu continuar na prisão.

E não foi só isso. É o que mostra este documento inédito, obtido com exclusividade pelo Fantástico. Suzane também pediu o afastamento de seu advogado, Denivaldo Barni. O motivo, segundo ela, é "que há muito tempo não se sente segura com a atuação de seu advogado, tanto no aspecto judicial quanto pessoal". Pede ainda que ele seja proibido de visitá-la.

No mesmo documento, outra decisão surpreendente. Ela abre mão da herança dos pais. O interesse pelo patrimônio da família era apontado como motivo do crime.

Entre os bens que fazem da parte da herança está uma casa onde aconteceu o crime. O imóvel é avaliado em quase R$ 3 milhões. Além de abrir mão de todo o patrimônio da família, Suzane manifestou um outro interesse: reencontrar o irmão Andreas. Os dois se viram pela última vez em 2006, durante o julgamento de Suzane, e disputavam na Justiça a herança deixada pelos pais. Mas agora Suzane quer receber a visita do irmão e já autorizou a entrada dele na cadeia.
Promotores têm posições diferentes em relação à postura de Suzane
A história é acompanhada pelos por estes dois promotores. Eles visitam presídios para fiscalizar o cumprimento das penas e ouvir presos. Entre eles, Suzane, que está há sete anos na Penitenciária de Tremembé, interior de São Paulo. O promotor de Justiça Paulo José de Palma e o promotor de Justiça Luís Marcelo Negrini têm posições diferentes em relação à postura da Suzane, se ela é uma nova mulher, se ela se recuperou.

Fantástico: Ela pode conviver tranquilamente junto à sociedade?
Paulo José de Palma, promotor de Justiça: A Suzane é uma presa exemplar. Ela trabalha, ela participa de atividades sociais. Ela tem o respeito dos seus superiores hierárquicos, dos diretores, das próprias presas. Por que não conferir essa oportunidade?
Fantástico: O senhor concorda?
Luís Marcelo Negrini, promotor de Justiça: Algumas características pessoais mostram que ela ainda não estaria apta, madura, para prosseguir no cumprimento de um regime semiaberto.
Fantástico: O senhor já teve contato pessoal com a Suzane Richthofen?
Paulo José de Palma, promotor de Justiça: Algumas vezes, sim. Não é um contato constante, nem poderia ser. É um contato profissional. Parece que chegou a hora dela ir para um regime mais brando.
Luís Marcelo Negrini, promotor de Justiça: Eu estive na penitenciária uma vez e assim que ela percebeu a presença de autoridades, estavam juízes, promotores, a própria direção do estabelecimento, você verifica uma mudança do comportamento. A intenção de mostrar serviço, de querer aparecer, de querer mostrar uma liderança. O cuidado tem que ser maior também, porque a possibilidade de fuga existe.
Medo de sair
Luís Marcelo Negrini, promotor de Justiça: Qual é o preso hoje que se encontra há 12 anos preso e não quer ir pAra um regime mais benéfico, com direito a essas saídas temporárias? Esse próprio comportamento da Suzane mostra que ela não tá preparada para enfrentar e para ter direito a esse regime mais brando.
Paulo José de Palma, promotor de Justiça: Me parece que nesse caso que a Suzane lançou mão de uma estratégia: pra se resguardar a sua segurança, ela optou por ficar no regime fechado.

Troca de advogado
Fantástico: O fato dela ter trocado de advogado, isso tem alguma indicação pra vocês, de que ela era manipulada, dominada por esse advogado e agora ela estaria livre para ter uma vida mais tranquila dentro e fora da cadeia?
Paulo José de Palma, promotor de Justiça: O que me parece claro é que, com a nova defesa ela tem demonstrado ao menos a intenção de conversar com o irmão, de refazer a sua imagem.
Luís Marcelo Negrini, promotor de Justiça: O que me pareceu, com essa atitude, por parte dela, em renunciar aos poderes do advogado, seria isso. Uma maior liberdade pra que um outro defensor possa fazer uma defesa técnica não tanto levando em conta "quero isso ou quero aquilo".

O Fantástico tentou insistentemente ouvir o advogado Denivaldo Barni para que comentasse a decisão de Suzane, mas ele não retornou nenhuma de nossas ligações.

Contato com o irmão
Paulo José de Palma, promotor de Justiça: O que se comenta na unidade prisional é que ela gostaria muito de falar com o irmão, gostaria de reatar uma proximidade maior, se não uma amizade. O que não se sabe é se o irmão pretende a mesma coisa.
Luís Marcelo Negrini, promotor de Justiça: Ela ainda tem que pensar que a situação na qual ela se encontra foi causado por ela, num ato absurdo, hediondo.
Fantástico: O senhor acha que isso é um risco, ela sair e fazer algum mal ao irmão?
Luís Marcelo Negrini, promotor de Justiça: Não, ela não apresenta indicativos nesse sentido. Nós próprios exames, que foram realizados, não se denotou, por parte dela, indícios de ser uma pessoa violenta.
Abandono da herança
Paulo José de Palma, promotor de Justiça: Os pais eram contra a relação de namoro que ela mantinha. Ela se opôs a isso e mandou matar os pais, pensando claramente na vantagem financeira.
Fantástico: E essa vantagem financeira, hoje, o senhor acha que acabou, ela abrindo mão dos bens para o irmão?
Paulo José de Palma, promotor de Justiça: Acho que sim, eu acho que essa questão já tá superada, quer voluntariamente, por uma renúncia própria dela, quer por força das ações, que o irmão moveu contra ela.
Fantástico: E para o senhor doutor?
Luís Marcelo Negrini, promotor de Justiça: É inadmissível você ceifar a vida dos pais porque não gosta do namorado ou, pior ainda, por uma questão financeira.

Se o encontro entre os dois irmãos vai acontecer, ainda é um mistério. A advogada de Andreas Richthofen, Maria Aparecida Evangelista, não quis falar a respeito. Enquanto isso, Suzane aguarda a construção da ala de semiaberto do Presídio de Tremembé, onde pretende ficar até conseguir a liberdade definitiva.