A importância da fisioterapia em pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise:



 A Doença Renal Crônica é uma perda de forma progressiva e irreversível da síndrome caracterizada pela perda lenta, progressiva e irreversível da função renal. O objetivo desse estudo é revisar artigos originais que estudem a influência da Fisioterapia em portadores de Doença Renal Crônica. Foram utilizadas para a pesquisa as bases de dados Scielo e Lilacs. A metodologia utilizada foi a revisão integrativa através de artigos que foram selecionados verificando as informações relevantes para o presente estudo com publicação entre ano de 2007 a 2013, sendo identificados 14 artigos através da busca dos descritores fisioterapia, doença renal crônica e exercício físico. Desta forma verificou a importância da adesão da fisioterapia nos centros nefrológicos durante a hemodiálise através de programas de exercícios físicos adequadamente prescritos durante a hemodiálise são seguros podendo gerar benefícios a fim de promover melhoras no condicionamento funcional, função pulmonar e força muscular.

          Unitermos: Fisioterapia. Doença renal crônica. Hemodiálise. Exercício físico.


A Doença Renal Crônica (DRC) é uma síndrome metabólica que leva a perda irreversível da função renal, gerando alterações fisiológicas e funcionais em todo e sistema corporal, causadas pela redução da atividade física, hipotonia, anemia e alterações no metabolismo com prejuízo na qualidade de vida, acarretando problemas físicos, psicológicos, sociais e econômicos na vida diária destes pacientes (RIELLA, 2010).
    As principais causas da DRC também chamadas de doenças de base são o diabetes melittus, a hipertensão arterial e as glomerulonefrites. Uma vez estabelecida no organismo humano, a DRC pode levar a um conjunto de complicações e morbidades.
    Estudos apontam alguns fatores que contribuem para a progressão da DRC estabelecida, tais como: proteinúria persistente; dieta elevada de proteína e fosfato, dislipidemia, hiperfosfatemia, anemia, doença cardiovascular, tabagismo e obesidade (TERRA, 2010).
    Alterações cardiovasculares e músculo esquelético são comuns nessa população. Inúmeras desordens bioquímicas e circulatórias trabalham juntas para promover alterações musculoesqueléticas. Além disso, o estilo de vida sedentário acentua ainda mais essas manifestações.
    Pacientes com insuficiência renal crônica sofrem uma série de comprometimentos e limitações nas atividades diárias, isso se deve a síndrome urêmica, que vem a ser uma alteração dos sistemas no qual envolve anemia, uremia, alterações metabólicas, doenças cardiopulmonares, imunológicas e psíquicas, além das disfunções musculoesqueléticas que acarretam no comprometimento físico. (GUYTON; HALL, 2011).
    As principais complicações durante a hemodiálise são: câimbras, fraqueza muscular, lombalgia, dor em membros inferiores e parestesia. Isto se deve a uma série de fatores como a anemia, a miopatia urêmica e a neuropatia, a atrofia de desuso, o prejuízo do metabolismo muscular, a disfunção autonômica, a má nutrição e algumas comorbidades associadas. (TERRA, 2010)
    Esses pacientes, principalmente os sedentários, apresentam menor aptidão física, o que ocasiona o aceleramento e o agravamento da doença. De acordo com Barbieri (2007) e Martins e Cesarino (2005), o sedentarismo nos indivíduos com IRC é consequência de suas limitações em um cotidiano monótono, principalmente após o inicio do tratamento hemodialítico que se realiza em média, por quatro horas e três vezes por semana, e assim influenciando diretamente na capacidade funcional e a qualidade de vida (QV) desses pacientes.
    Na Insuficiência Renal Crônica (IRC), os pacientes demonstram diminuição da capacidade funcional devido a baixa tolerância ao exercício. Essa diminuição dos exercícios físicos pode causar alterações musculoesqueléticas como fadiga e diminuição da resistência. Sendo assim o exercício físico se apresenta como recurso terapêutico na prevenção e no retardo destas alterações.
    A fisioterapia é um instrumento de grande importância à pacientes com DRC, principalmente quando sua intervenção das manifestações musculoesqueléticas já ocorre dentro dos centros nefrológicos, melhorando significativamente nas alterações fisiológicas e funcionais desses pacientes. (COELHO, 2007)
    As atividades fisioterapêuticas tem sido bem reconhecidas como uma forma de intervenção terapêutica que pode melhorar as alterações fisiológicas, psicológicas e funcionais desses pacientes, pois a IRC é considerada um problema de saúde pública devido sua evolução progressiva, sem alternativas de melhoras rápidas tem como consequência altas taxas de morbidade e mortalidade (CHERCHIGLIA et al, 2010).
    Oportunizar e inserir o fisioterapeuta a equipe é de fundamental importância tendo como propósito estabelecer programas de exercícios durante a diálise para pacientes em hemodiálise dando motivação em um ambiente estruturado e monótono a fim de prevenir e diminuir os efeitos da condição clínica da doença renal, como as manifestações musculoesqueléticas, cardiovasculares e respiratórias nos pacientes. (SOARES; ZEHETMETER; RABUSKE, 2007); (MEDEIROS; PINENT; MEYER, 2002); (ROCHA et al,2010).
    Desta forma verificou-se a necessidade de realizar esta pesquisa de revisão integrativa com o objetivo verificar a importância da fisioterapia em pacientes renais crônico submetidos à hemodiálise.
Metodologia
    Realizou-se uma revisão integrativa de artigos científicos sobre a importância da fisioterapia em pacientes renais crônicos submetidos a hemodiálise, indexados nas bases de dados: LILACS (literatura latino-americana e do Caribe em ciências da saúde) e SCIELO Brasil (Scientific Electronic Library Online). Para busca, foram utilizados os seguintes descritores: fisioterapia, doença renal crônica, hemodiálise, exercício físico.Estas palavras-chave poderiam estar no titulo ou no resumo. Como estratégia complementar utilizou-se a busca manual em listas de referências dos artigos selecionados.
    Os títulos e resumos dos artigos foram analisados e incluíram-se os estudos que tiveram como desfecho a fisioterapia e sua importância em pacientes com DRC em Hemodiálise (HD), artigos disponíveis por completo nas bases de dados pesquisadas, escritos em português e publicados entre os anos de 2007 e 2013. Quando o titulo e o resumo não eram esclarecedores, o artigo era lido na integra para que estudos relevantes não fossem excluídos da revisão.
    A busca foi conduzida de março a agosto de 2013 de forma independente, seguindo os critérios de inclusão e exclusão. Foi realizada uma análise descritiva de dados extraídos dos estudos selecionados que foram: autor, ano de publicação, número da amostra, objetivos, principais resultados observados.

    A busca aos artigos, segundo a estratégia definida, resultou em 26 artigos, e, de acordo com os objetivos do estudo e os critérios de inclusão, apenas 14 artigos foram selecionados.