Explosão em navio-plataforma deixa 3 mortos e 10 feridos no litoral do ES


Bombeiros estão no local buscando 6 pessoas desaparecidas.
Navio é operado por empresa estrangeira a serviço da Petrobras.

Do G1 ES
Uma explosão em um navio-plataforma a serviço da Petrobras deixou três mortos e dez feridos nesta quarta-feira (11), em Aracruz, no litoral Norte do Espírito Santo, segundo a Agência Nacional de Petróleo (ANP).
Seis pessoas estão desaparecidas. Segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública, uma equipe de nove bombeiros foi enviada ao navio em dois helicópteros da Marinha para realizar as buscas. O orgão informou que o trabalho seguirá durante toda a madrugada e que na manhã desta quinta-feira (12) dará um novo posicionamento sobre as buscas.
A suspeita dos bombeiros, ainda segundo a secretaria, é de que os funcionários estejam em alguma sala não atingida pela explosão e sem forma de se comunicar. O navio-plataforma está sem iluminação, o que dificulta o resgate.
(O G1 acompanhou em tempo real o resgate das vítimas)
Nota divulgada pela ANP informa que ocorreu uma explosão na casa de bombas às 12h50 e que foi comunicada 1 hora depois. Segundo a agência, 74 pessoas estavam no navio-plataforma. Não houve vazamento de óleo no mar.
Infraero informou que os feridos foram levados de helicóptero para o Aeroporto de Vítória, de onde saíram nove ambulâncias com vítimas para os hospitais Vitória Apart Hospital e Metropolitano, em Serra, Grande Vitória. Os veículos foram escoltados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), para garantir rapidez no trânsito.
Momento de resgate de feridos, no Aeroporto de Vitória (Foto: Internauta/ G1)Ferido em explosão no navio-plataforma chega ao Aeroporto de Vitória (Foto: Arquivo Pessoal)
Vitória Apart Hospital, unidade referência em tratamento de queimados, informou que recebeu para atendimento emergencial seis vítimas da explosão e que cada uma delas está sendo avaliada por uma equipe médica.
Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), dois feridos tiveram queimaduras graves e oito trauma.
A suplente de coordenação do Sindipetro-ES, Mirta Chieppe, informou que 32 trabalhadores foram resgatados do navio-plataforma por um baleeiro e já estão hospedados em um hotel em Vitória. Outras cerca de 30 pessoas que permaneceram na plataforma após a explosão estão a caminho da capital e também vão ficar na mesma hospedagem, junto com familiares. Segundo o sindicato, todas essas pessoas estão sendo assistidas por psicólogos, médicos e assistentes sociais.

O sindicato ainda informou que os três corpos ainda pemanecem no navio-plataforma, que está totalmente desligado. Por esse motivo, ainda não foi possível chegar onde eles estão.
O QUE É FPSO
Floating Production Storage and Offloading
É um navio adaptado para funcionar como plataforma de produção, armazenamento e transferência de gás ou petróleo para outras embarcações.
Petrobras
O navio-plataforma FPSO Cidade de São Mateus é operado pela BW Offshore e afretado (contratado) pela Petrobras, que confirmou o número de vítimas e informou que havia 74 pessoas embarcadas no total – mas não especificou quantas trabalham para a petroleira.
"A unidade opera, desde junho de 2009, no pós-sal dos campos de Camarupim e Camarupim Norte, no litoral do Espírito Santo, a cerca de 120 km da costa", afirma o texto.
A plataforma, que armazena e produz petróleo e gás, tem foco maior na produção de gás. Segundo a ANP, sua produção é de 2,250 milhões de metros cúbicos de gás/dia e 350 metros cúbicos de óleo/dia.
O FPSO Cidade de São Mateus foi o primeiro para gás instalado no Brasil. O contrato entrou em vigor em 2009 e tem duração até 2018.
O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, comentou nesta tarde o acidente: “A diretora de Abastecimento e Gás [da Petrobras] já se deslocou até o local, estamos esperando um relatório do ocorrido. Mas quero desde já, em nome do governo federal, prestar condolências aos familiares das vítimas e pedir a Deus que aqueles que foram feridos tenham o pronto restabelecimento.”
Ambulâncias aguardam chegada de feridos em acidente de plataforma no Espírito Santo (Foto: Internauta/ Gazeta Online)Ambulâncias aguardam por feridos no Aeroporto de Vitória (Foto: Internauta/ Gazeta Online)
O ministro disse que estava com a presidente Dilma Rousseff quando recebeu a notícia da explosão na plataforma. “A presidente lamentou muito e ficou muito sentida porque, afinal de contas, houve perda de vidas humanas”, disse Braga.
Brasileiros e estrangeiros
Mais cedo, Kristian Flaten, vice-presidente de relações com investidores da BW Offshore – sediada na Noruega – já havia informado sobre mortes, porém não sabia afirmar o número exato. Flaten afirmou que a tripulação da embarcação é mista de brasileiros e estrangeiros. Segundo ele, a BW irá divulgar um comunicado ainda nesta quarta com mais detalhes sobre o caso.
Vice-presidente de projetos da BW no Brasil, Benito Ciriza, lamentou o acidente e disse ao G1 que, no momento, a empresa está dando assistência às vítimas e auxiliando no resgate.
Resgate
As informações da Petrobras e da ANP confirmam os primeiros dados sobre o acidente, passados no início da tarde pelo Sindipetroleiros do Espírito Santo.
O sindicato afirmou que 32 pessoas que estavam na plataforma conseguiram desembarcar, sendo transportadas por um baleeiro (um tipo de barco).
Ao ser informado sobre o ocorrido, o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, entrou em contato com a direção da Petrobras e colocou o estado à disposição para o socorro e atendimento às vítimas. O governo estadual ainda ofereceu ambulâncias e suporte à logística da operação.
Acidente em plataforma a serviço da Petrobras no ES - VALE ESTE (Foto: Arte/G1)
Investigações
A Marinha do Brasil, por meio da Capitania dos Portos do Espírito Santo (CPES), informou que tomou conhecimento da explosão na plataforma e encaminhou um navio e duas aeronaves para a área, “com a prioridade inicial de realizar a evacuação de pessoal e remover as vítimas para os hospitais da Grande Vitória". 
A CPES diz ainda que será aberto um Inquérito Administrativo sobre Acidentes e Fatos da Navegação (IAFN), para esclarecer as causas e responsabilidades pelo ocorrido na plataforma. "O prazo para a conclusão do inquérito é de 90 dias”, diz a nota.
Imagem de arquivo da plataforma FPSO da Petrobras, em São Mateus, Espírito Santo (Foto: Divulgação)Imagem de arquivo da plataforma FPSO da Petrobras, em São Mateus, Espírito Santo (Foto: Divulgação)