PT apoia greve da saúde e se afasta mais de Fruet


unnamed
A greve dos servidores na saúde fez parte do PT se manifestar favoravelmente aos grevistas. Segundo fruetistas, o mapoio foi considerado o beijo da morte na relação de Fruet com o PT. Em nota, o coletivo Ação Petista, ataca os secretários Ricardo Mac Donald (Governo) e Meroujy Cavet (Recursos Humanos) que, segundo os petistas, aplicam “a tática da enrolação e da protelação contra o legítimo direito dos funcionários da saúde”.
“Para piorar o quadro de desconfiança entre o funcionalismo, Fruet ausentou-se da negociação de ontem com os representantes dos grevistas, passando a impressão de estar pouco empenhado em solucionar o impasse que traz intranquilidade aos profissionais da saúde e afeta o atendimento à população. Em outra ocasião, durante a abertura dos trabalhos anuais da Câmara de Vereadores, o prefeito já havia se esquivado de presenciar os protestos de insatisfação do pessoal da saúde, preferindo ausentar-se da solenidade”, completa a nota. Leia a seguir a sua íntegra.
Como petistas apoiamos a greve dos servidores da saúde de Curitiba
Desde segunda-feira, dia 30 de março, os servidores da saúde de Curitiba, junto com seu sindicato, o SISMUC, estão em greve. Eles cobram o cumprimento de um acordo feito há um ano entre a administração municipal e a categoria. Pelo acordo a prefeitura pagaria as horas-extras atrasadas e concederia o pagamento de benefícios reconhecidos.
O prefeito Gustavo Fruet vem permitindo que os secretários envolvidos na negociação com o sindicato, em especial a Secretária de Recursos Humanos e o Secretário de Governo, apliquem a tática da enrolação e da protelação contra o legítimo direito dos funcionários da saúde. Para piorar o quadro de desconfiança entre o funcionalismo, o mandatário municipal ausentou-se da negociação de ontem com os representantes dos grevistas, passando a impressão de estar pouco empenhado em solucionar o impasse que traz intranquilidade aos profissionais da saúde e afeta o atendimento à população. Em outra ocasião, durante a abertura dos trabalhos anuais da Câmara de Vereadores, o prefeito já havia se esquivado de presenciar os protestos de insatisfação do pessoal da saúde, preferindo ausentar-se da solenidade.
Nós, enquanto petistas, consideramos legítima a greve e apoiamos a direção do SISMUC e a categoria na luta por não serem caloteados nos seus direitos.
Nos somamos na exigência ao prefeito Gustavo Fruet de que seja cumprido o acordo com os servidores para que a população tenha, o quantos antes, o retorno do funcionamento normal dos postos de saúde.