Mais confusão na defesa da Odebrecht


A defesa da Odebrecht na Operação Lava Jato recusou-se ontem a explicar as anotações no iPhone de Marcelo Odebrecht, denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) pela participação no esquema bilionário que desviou recursos da Petrobras. “Em seu afã de incriminar Marcelo a todo custo, a Polícia  Federal nem se deu ao trabalho de  tentar esclarecer as anotações com a única pessoa que poderia interpretá-las com propriedade – seu próprio autor”, diz a petição assinada por Dora Cavalcanti, Augusto de Arruda Botelho e Rafael Tucherman, advogados de defesa de Marcelo.

Já escrevi que as anotações enigmáticas do iPhone de Marcelo podem desvendar todo o papel da Odebrecht nos escândalos e as tentativas para interferir nas investigações da Lava Jato. A atitude da defesa – deixar de oferecer uma explicação clara para todas as siglas e para o contexto das anotações – não condiz com a afirmação da petição, segundo a qual “inúmeras passagens revelam a preocupação em esclarecer sociedade e mercado, alé de dar guarida a medidas de investigação independente e apuração interna”.

Para tentar desacreditar o relatório da Polícia Federal a respeito do conteúdo do iPhone, Dora Cavalcanti afirmou, em entrevista coletiva, que a anotação “Vaca 2,2M?” é uma referência a uma vaca comprada por Maurício Odebrecht, irmão de Marcelo, num leilão, por R$ 2,2 milhões, conforme foi noticiado pelo colunista Lauro Jardim, da revista Veja – e não ao tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. A sigla LJ que aparece nas anotações do iPhone é, diz a defesa, uma referência a Lauro Jardim – e não à operação Lava Jato. Tal versão simplesmente não se sustenta. Tenta tomar uma referência apenas para desacreditar todo o trabalho da PF.

Há, no conteúdo do iPhone, pelo menos três outras referências a “Vaca/Vac” que a defesa deixa sem explicação, a saber: “Deixar prédios com Vaca”; “40 para vaca (parte para Feira)”; “200 inclui 100. Nao 300. Ou 100 Vac”.
Trecho do relatório da PF sobre o iPhone de Marcelo Odebrecht com referência a Vaca









O nome de Vaccari aparece ainda por extenso, na frase: “Créditos Vaccari e pgtos diretos”.
Trecho do relatório da PF sobre o iPhone de Marcelo Odebrecht com referência explícita a Vaccari










Quanto à sigla LJ, fica difícil encaixar o nome do colunista de Veja em frases como as seguintes, extraídas do iPhone de Marcelo: “Acho que pisamos na bola mesmo. Nos preocupamos com bancos e sureties mas nao sei se fomos ao Banco Mundial/MIGA/IFC explicar a situacao e mante-los atualizados sobre o LJ, nossa situacao e o que estamos fazendo”; “aproveito para ressaltar a importância de todos os LEs anteciparem as consequências do LJ no seu Negocio, muitas das quais nao sao perceptiveis antes de explodirem”. Por que seria necessário manter organismos do Banco Mundial, como Corporação Financeira Internacional (IFC, na sigla em inglês) ou a Agência Multilateral de Crédito e Garantia ao Investimento (Miga) atualizados a respeito da coluna de Lauro Jardim? Que consequências ele faria “explodir” nos negócios da empresa?
Trecho do relatório da PF sobre o iPhone de Marcelo Odebrecht com referência à sigla LJ






Como se vê, a petição dos advogados da Odebrecht mais confunde que esclarece – e dificilmente ajudará na defesa do réu, diante das abundantes provas apresentadas contra ele na denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal. Falta, enfim, esclarecer a mais comprometedora de todas as anotações: "dizer do risco cta suíça chegar campanha dela?". O que é "cta suíça"? Dela quem?