Menino de 11 anos era um dos escravos em confecção


DIÁRIO foi à oficina e ao menos 15 peruanos ainda estavam no local porque diziam não ter para onde ir

Oficina, na Rua Ascendino Lisboa, onde os peruanos trabalhavam 16h / Hilton de Souza/ Diario SP

Por: Diário SP Online
portalweb@diariosp.com.br
O boliviano Efraim Abachi Quifocala, de 28 anos, preso na última quarta-feira (15), suspeito de manter 18 peruanos em situação de escravidão, em uma oficina de costura, na Penha, Zona Leste, também fazia seu filho de 11 anos trabalhar no local, segundo vizinhos.
Na sexta (17) o DIÁRIO foi à oficina, na Rua Ascendino Lisboa, e ao menos 15 peruanos ainda estavam na oficina porque diziam não ter para onde ir, incluindo a mulher de Efraim e seus dois filhos. Não foi permitida a entrada da reportagem. 
Só uma boliviana, Silvia Molho, 30, que se disse amiga dos funcionários da oficina, falou. Segundo ela, todos negam ser escravizados e que, ao contrário do que a polícia afirmou, só havia dois peruanos no local, o pai e filho, que fugiram e denunciaram o caso. Os demais seriam bolivianos. “Aqui todos podem sair  e, se trabalham a mais, é para ganhar dinheiro.”
Conforme a polícia, Efrain obrigava os peruanos a trabalhar 16 horas por dia e ficavam sem tomar café da manhã caso não fizessem cem peças de roupa.