'Adolescentes se inspiraram em série literária para fugirem do PI', diz polícia


Menino contou ter fugido para receber treinamento contra espíritos.
Três garotas foram encontradas quando tentavam embarcar para a Bahia.

Catarina CostaDo G1 PI
Livros de ficcção foram apreendidos na casa de adolescente (Foto: Chagas Silva/JF Agora)Livros de ficcção foram apreendidos na casa dos adolescente (Foto: Chagas Silva/JF Agora)
Depois de localizar os quatro adolescentes que fugiram na cidade de José de Freitas, Norte do Piauí, a polícia descobriu que a fuga foi inspirada na série literária 'Instrumentos Mortais', da escritora norte-americana Cassandra Clare. O garoto que desistiu da "aventura" e retornou para casa contou à polícia nesta terça-feira (15) que o grupo se baseou no roteiro de um livro.
O desaparecimento dos adolescentes aconteceu no sábado (12) e desde então a Polícia Civil vinha fazendo buscas e investigando as circunstâncias da fuga. Após desistir da viagem, o garoto informou aos policiais a localização das três colegas, que estavam numa parada de ônibus na cidade de São Pedro, a 107 km de Teresina.
Quatro adolescentes de José Freitas estão desaparecidos há dois dias (Foto: Divulgação/Conselho Tutelar)Três meninas e um menino fugiram de casa no sábado (12) (Foto: Divulgação/Conselho Tutelar)
Segundo o chefe de investigação Gilson Ferreira, do 17º Distrito Policial, o menino desistiu por medo e contou à polícia que eles saíram de casa para receber um treinamento de combate a demônios.
saiba mais
No primeiro livro da série, "Cidade dos Ossos", a publicação conta a história da jovem Clary Fray, de 18 anos, que começa uma jornada de caçadores de sombras [seres híbridos de humanos e anjos que caçam demônios].
"Eles tinham planejado tudo há um mês e venderam o que tinham para pagar as passagens. O garoto contou que o treinamento seria na Bahia, depois seguiriam viagem para Minas Gerais e São Paulo, onde iriam combater estes demônios. Ainda durante as diligências encontramos os livros da série na casa de uma das meninas e fizemos a apreensão para saber se tinha alguma ligação com o sumiço deles", informou.
Para o chefe de investigação, o menino disse que foi ameaçado pelas companheiras de viagem e aproveitou o momento em que as amigas estavam dormindo para voltar para casa. O adolescente contou ter vendido o celular para comprar a passagem de volta.
"Encontramos as três garotas abatidas e já embarcando para Bahia. Elas não apresentaram resistência e estavam com várias facas, que segundo elas, era para se defender. Pelas versões apresentadas, descartamos a possibilidade deles terem sido influenciados por algum adulto", frisou.
Os adolescentes estão sendo assistidos pelo Conselho Tutelar e farão acompanhamento psciológico no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas).