Dois assassinatos em poucas horas na região de Curitiba; uma das vítimas chorou antes de morrer


Por Denise Mello e Djalma Malaquias

Dois assassinatos cercados de mistério ocorreram nas últimas horas na região de Curitiba. Um homem foi assassinado em Almirante Tamandaré, com extrema crueldade. O outro morreu na frente de casa, no bairro Cascatinha, em Curitiba, e chegou a chorar pedindo clemência antes de morrer. Nos dois casos, nenhuma pista até o momento.
marcelo
Marcelo foi morto com pleo menos seis tiros – Foto: DM/Banda B
O assassinato no bairro Cascatinha aconteceu por volta das 7h30 em frente a uma casa na Rua Walfrido F. de Andrade. Um homem, identificado apenas como Marcelo Cristiano de Medeiros, 39 anos, foi assassinato com pelo menos seis tiros em frente da casa em que morava com a esposa. Um amigo que tomava banho na casa dele no momento do homicídio, contou que ouviu os tiros e o desespero da vítima.
“Eu estava tomando banho quando ouvi o Marcelinho dizendo ai, ai, ai…chorando. Depois ouvi os tiros. Foram pelo menos seis disparos. Comecei a gritar por socorro de dentro do banheiro, mas quando os vizinhos chegaram e a gente foi ver ele já estava morto. Era meu amigo, muito triste isso”, disse Luiz Guilherme dos Santos. Ele contou que tinha passado a noite na casa de Marcelo e não viu nada. “Estava no banho, não vi nada. O dono de um bar lá embaixo falou que dois homens chegaram, mataram o Marcelinho e fugiram a pé. Eu não vi nada” .
A mulher da vítima tinha saído para trabalhar. A polícia investiga o assassinato.
Morte cruel
Outro assassinato registrado na região de Curitiba na manhã deste sábado aconteceu em Almirante Tamandaré, região metropolitana de Curitiba. Um homem sem identificação, aparentando 30 anos, foi assassinado com golpes de pá no meio da Rua Alberto Piekas, no Jardim Cruzeiro, por volta das 5h30.
Peritos do Instituto de Criminalística estiveram no local e ficaram impressionados com a crueldade do assassino. “Quem matou devia estar com muita Riva porque o homem está com rosto desfigurado. Ele recebeu golpes de pá na cabeça e em todo o corpo”, afirmou o perito Emir. A pá usada no crime foi abandonada ao lado do corpo, cheia de sangue.
Ninguém na região conhecia o homem que estava sem sapatos, calça marrom e blusa branca. O corpo foi recolhido ao Instituto Médico Legal.