Senador cria projeto que prevê que presos arquem com seus custos na prisão


  

Um dos piores problemas do Brasil em relação ao estado de sua população carcerária são os custos que batem de frente com a falta de recursos. Tendo isso em vista, o senador Waldemir Moka (PMDB-MS) quer mudar a forma de administração dos presídios.

Em novo projeto de lei, apresentado no início de setembro, o senador propõe que todo detendo que tiver condições financeiras pague durante seu período atrás das grades. Ou seja, o próprio preso seria responsável por arcar com custos que hoje pertencem ao Estado.

“Nosso sistema penitenciário tem um monte de dificuldades, além da superlotação. Então eu acho que aquele que for preso e tiver condições financeiras, ele tem de pagar a estadia dele, a manutenção. Isso custa caro, é muito caro mesmo manter uma pessoas presa”, comentou Waldemir à Rádio Senado.

  

Encerrada em agosto deste ano, a CPI do Sistema Carcerário constatou a situação extremamente complexa e difícil das cadeias no Brasil. Nela, Moka discursou sobre a Lei 7210, de 11 de julho de 1984, a Lei de Execução Penal, que segundo ele torna a gestão de presídios no país quase impossível.

“Somente transferindo para o preso o custo de sua manutenção no presídio é que o sistema penitenciário poderá melhorar e, ao mesmo tempo, por via oblíqua, proporcionar destinação de mais recursos para outras áreas, como serviços públicos de saúde e educação”, explica trecho do projeto.

O preço de um presidiário no Brasil varia entre R$ 2,5 mil e R$ 3 mil por mês, de acordo com o estado em questão. Moka ainda enxerga, além do viés econômico, um lado pedagógico em sua proposta. Para ele, os detentos, ao sentirem no próprio bolso o preço da prisão, poderiam evitar crimes futuros