Lula: "Serão três anos de pancadaria, mas vou sobreviver"


Ex-presidente discursou durante reunião do Diretório Nacional do PT nesta quinta-feira (29)

REDAÇÃO ÉPOCA
29/10/2015 - 17h32 - Atualizado 29/10/2015 17h54
Lula na reunião do Diretório Nacional do PT (Foto: Jorge William/ Agência O Globo)
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta quinta-feira (29), durante reunião do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, que sobreviverá à "campanha de criminalização e de ódio promovida contra ele": "Serão três anos de pancadaria, mas eu vou sobreviver", declarou.
"Tem uma coisa que aprendi: enfrentar a diversidade. Podem ficar certos: eu vou sobreviver. E eles, terão a credibilidade que imaginam?", questionou o ex-presidente, que citou que o PT vive omaior bombardeio da história do país, "sendo atacado 24 horas por dia".
Segundo o G1, o presidente do PT, Rui Falcão, criticou o que classificou de "ataque odioso" à família do ex-presidente
"É preciso acabar com a ofensiva que se dirige ao governo, à presidenta, ao nosso partido e à nossa liderança maior que é o presidente Lula. Há uma campanha coordenada para nos fragilizar. […] E agora tem esse ataque odioso à família do presidente Lula e, simultaneamente ao companheiro Gilberto Carvalho", disse Falcão.
Falcão se refere à Operação Zelotes, da Polícia Federal (PF), que cumpriu, na última segunda-feira (26), mandado de busca e apreensão na empresa LFT Marketing Esportivo, em São Paulo, que pertence a Luis Claudio Lula da Silvaum dos filhos de Lula. A operação investiga fraudes e tráfico de influência no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). 
No mesmo dia, o ex-ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência do governo Dilma e ex-chefe do gabinete pessoal do ex-presidente Gilberto Carvalho foi apontado pela PF como o principal interlocutor de lobistas que atuaram no governo Lulapara a aprovação da Medida Provisória 471, em 2009 -- que concedeu benefícios fiscais a empresas automotivas. Segundo representação da PF pedindo busca e apreensão na terceira fase da Zelotes, à qual ÉPOCA teve acesso, Carvalho seria o principal contato dos sócios da consultoria SGR. O Ministério da Fazenda e a Receita Federal pediram a quebra dos sigilos fiscal e bancário de ambos.
Segundo o G1, Lula atribuiu parte da atual crise à "mudança de discurso" de Dilma Rousseff em relação às promessas da campanha eleitoral do ano passado. Na avaliação de Lula, a presidente está fazendo exatamente o que afirmou que não faria enquanto tentava conquistar mais um mandato.
Logo no início da reunião do Diretório Nacional, o PT fez uma homenagem ao ex-presidente da sigla e ex-presidente da Petrobras José Eduardo Dutra, que morreu no dia 4 de outubro deste ano. 
"Zé Eduardo era um homem que não flertava com as elites, mas era um homem amplo de grandes debates políticos. Sou testemunha do grande líder que ele foi para esse partido", disse o secretário de Finanças do PT, Márcio Macêdo.