Ex-funcionários da Petrobras receberam propina na compra de refinaria norte-americana, diz MPF


Redação com agências

operacao lavajata
Coletiva de imprensa aconteceu na sede da PF em Curitiba. Foto: DM/Banda B

A  20ª fase da Operação LavaJato, intitulada Operação Corrosão, já possui provas que indicam o recebimento de propina por parte de ex-funcionários da Petrobras em relação à compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. A informação foi dada pelo procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, do Ministério Público Federal, na manhã desta segunda-feira (16) durante uma entrevista coletiva, no auditório da Polícia Federal em Curitiba.
“Nós , do Ministério Público Federol, e também a Polícia Federal, devemos produzir as provas e entregar às autoridades brasileiras e americanas. A decisão de como proceder diante dessas provas é uma decisão política. Houve pagamentos por parte de representantes da empresa que vendeu à Petrobras, então, esse negócio, objetivamente, está viciado”, disse o procurador.
Ainda duranta a coletiva, Santos Lima afirma que há uma lista de nomes de ex-funcionários que teriam recebido propina dentro da Petrobras. “Temos nomes de inúmeros funcionários que recebiam propina, estamos aprofundando as investigações, mas podemos dizer que são todos ex-funcionários. Aguardamos laudos também para confirmar nomes de empresas”, afirma.
Operação
A Polícia Federal cumpre, ao todo, 11 (onze) mandados de busca e apreensão, 02 (dois) mandados de prisão temporária, 05 (cinco) mandados de condução coercitiva nas cidades do Rio de Janeiro/RJ, Rio Bonito/RJ, Petrópolis/RJ, Niterói/RJ e Salvador/BA.
As ações policiais desta manhã têm como alvo ex-funcionários da PETROBRAS S/A investigados pelo recebimento indevido de valores por parte de representantes de empresas contratantes da estatal, notadamente em contratos relacionados com as refinarias Abreu e Lima e Pasadena.
Em um segundo procedimento estão sendo cumpridas medidas em investigação que apura a atuação de novo operador financeiro identificado como facilitador na movimentação de recursos indevidos pagos a integrantes da Diretoria de Abastecimento da PETROBRAS S/A.
Os investigados responderão pela prática dos crimes de corrupção, fraude em licitações, evasão de divisas e lavagem de dinheiro dentre outros crimes em apuração. Os presos serão trazidos para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba ainda hoje.