Rússia diz que soldado morreu na Síria em tentativa de resgatar pilotos


Segundo Estado Maior russo, helicóptero que fazia busca foi alvejado.
Turquia derrubou jato russo nesta terça (24) e pilotos estão desaparecidos.

Do G1, em São Paulo
O Estado Maior da Rússia informou que um soldado morreu durante uma operação de busca pelos pilotos do jato russo abatido pela Turquia nesta terça-feira (24) informou a France Presse. O helicóptero onde estava o soldado foi atingido por disparos e teve que aterrizar na Síria.(veja vídeos)
Vídeo obtido pela Reuters mostra o que seria a aeronave sendo explodida com um míssil disparado por rebeldes sírios. Segundo a agência, o Ministério da Defesa russo não atendeu às ligações para comentar o que teria ocorrido com o helicóptero. (veja o vídeo acima)
De acordo com a France Presse, o general Serguei Rudskoi disse que o helicóptero fazia a busca pelos pilotos do jato quando foi alvejado. "Uma operação de busca e resgate dos pilotos rusos no local onde houve a queda [do jato] foi lançada com o apoio de dois helicópteros Mi-8. Durante a operação, um dos helicópteros foi danificado por disparos e teve que aterrizar. Um soldado acabou morrendo."
Pilotos do jato
Ainda não há informações oficiais sobre os pilotos do jato abatido. Um grupo rebelde sírio divulgou um vídeo, obtido pela Reuters, que mostra um suposto piloto do jato, que estaria morto.
Porém, segundo a EFE, fontes do governo turco teriam dito ao jornal "Hürriyet" que os pilotos foram feitos prisioneiros pelos rebeldes sírios da zona onde o jato caiu. O serviço secreto turco estaria tentando a liberação dos pilotos.
'Facada', diz Putin
O presidente russo Vladimir Putin afirmou que a derrubada do avião russo pelas forças de segurança turcas terá graves consequências nas relações entre os dois países.
saiba mais

"A perda de hoje é uma facada nas costas que foi dada pelos cúmplices dos terroristas", declarou Putin em coletiva de imprensa na presença do rei da Jordânia, Abdullah II.
"Certamente, vamos analisar o que aconteceu. E os eventos trágicos de hoje vão ter consequências sérias nas relações russo-turcas", acrescentou. "Nosso avião, nossos pilotos, não ameaçavam a Turquia", disse.
A Turquia derrubou o avião militar russo na fronteira com a Síria, no incidente mais grave desde o início da intervenção da Rússia no conflito sírio no fim de setembro.
Ancara afirma que a aeronave violou o espaço aéreo turco. Moscou admitiu que o avião foi derrubado, um caça do tipo Sukhoi Su-24, mas garantiu que o aparelho sobrevoava o espaço aéreo sírio.
Como resposta, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, suspendeu sua visita à Turquia marcada para esta quarta-feira. Lavrov também recomendou aos russos que não viajem ao país devido à crescente ameaça terrorista, de acordo com a imprensa local.
Otan
Após uma reunião extraordinária convocada devido à queda do avião, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, manifestou apoio à Turquia e rejeitou qualquer sugestão de que o incidente aconteceu fora das fronteiras turcas, informou a Reuters.
Perguntado se havia alguma possibilidade de o avião ter sido realmente derrubado dentro da Síria, Stoltenberg disse: "As avaliações que temos de aliados são consistentes com as informações que temos da Turquia", disse ele em entrevista coletiva.
"Nós estamos em solidariedade com a Turquia e apoiamos a integridade territorial de nosso aliado da Otan", disse Stoltenberg.
Justificativa turca
O primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu, por sua vez, justificou a decisão de suas forças armadas de abater o avião militar russo que, segundo Ancara, violou seu espaço aéreo, ao afirmar que a Turquia tem o dever de fazer de tudo para proteger suas fronteiras.
"Todo mundo deve saber que é nosso direito internacional reconhecido e nosso dever adotar todas as medidas necessárias contra qualquer coisa que viole nosso espaço aéreo ou nossas fronteiras", declarou Davutoglu à imprensa.
O Su-24 caiu no extremo noroeste do território sírio, ao oeste da cidade de Idleb, cenário há alguns dias de violentos combates entre o exército leal ao presidente Bashar al-Assad, apoiado pelos russos, e os rebeldes.
Obama
Após reunião com o presidente francês Fançois Hollande, Barack Obama disse que a derrubada dos caças turcos na fronteira sírio-turca revela "um problema com as operações russas" na Síria. Ele instou Moscou e Ancara a conversarem para prevenir uma "escalada das tensões".