Sem salário, trabalhadores da Urbs fecham entradas da Rodoferroviária em pleno movimento de Natal


Por Felipe Ribeiro e Flávia Barros
Fotos: Flávia Barros – Banda B

Com um atraso de oito dias nos salários referentes ao mês de dezembro, funcionários da Urbanização de Curitiba (Urbs) fecharam as entradas da Rodoferroviária por duas horas na tarde desta quarta-feira (23) para protestar. Antevéspera de Natal, a Prefeitura de Curitiba tinha estimativas que 12,5 mil pessoas embarcassem pelo local neste dia 23.
De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Urbanização do Estado do Paraná (SindiUrbano), o acordo coletivo de trabalho prevê que os salários de dezembro devem ser depositados junto com o pagamento da segunda parcela do décimo terceiro salário, o que não aconteceu. “Desde o mês de maio é feito terrorismo com os pagamentos. Agora a empresa teria que pagar até o dia 15, como estabelece o acordo. Alegam que estão sem dinheiro, mas todos os serviços continuam trabalhando normalmente”, disse o presidente do SindiUrbano, Valdir Mestriner.
Por sua vez, a Prefeitura de Curitiba alega que os pagamentos dos salários dos funcionários da Urbs está dentro da legalidade, uma vez que a legislação estabelece como data-limite para o pagamento o quinto dia útil do mês subsequente ao trabalhado. “O acordo coletivo de trabalho da categoria estabelece o pagamento dos salários preferencialmente, até o dia 25 de cada mês e, em dezembro, preferencialmente junto com a segunda parcela do 13º – o que não configura uma obrigatoriedade, e torna-se difícil num cenário de crise como o atual. Nesta quarta-feira (23) a Urbs depositou 25% do valor dos salários e está fazendo todo o esforço para pagar a parcela restante o mais brevemente possível, dentro do prazo legal”, afirma a administração municipal.
Ao todo, os atrasos afetam aproximadamente 1,6 mil funcionários e a categoria entende que o acordo coletivo está acima da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). As categorias afetadas estão relacionadas à ao serviço de limpeza e fiscalização da Rodoviária, gerenciamento de trânsito e gerenciamento do transporte coletivo.
A Guarda Municipal criou um cordão do lado de fora, onde passageiros desembarcam na Rua Martim Afonso. A rua foi liberada por volta das 17 horas.