Resultado do Enem 2014 sai na próxima semana


Notas mínima e máxima das provas objetivas serão divulgadas na mesma época.

10/11/2014 14h27 - Atualizado em 10/11/2014 14h30

O Boletim Individual de Desempenho do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2014 será disponibilizado na primeira semana de janeiro do próximo ano, conforme confirmado pelo Ministro da Educação, Henrique Paim, durante coletiva de imprensa. Na última edição, o resultado foi divulgado em 3 de janeiro.
Para acessar as notas, os participantes deverão informar o ano de realização do exame, o CPF e a senha cadastrada no ato da inscrição. Vale ressaltar que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) não calcula uma média global do desempenho, apenas apresenta as notas por área de conhecimento, já que as universidades têm autonomia para definir os critérios de uso das notas para ingresso no ensino superior.
Além disso, o órgão utiliza a metodologia da Teoria de Resposta ao Item (TRI) para o cálculo das médias em cada uma das quatro áreas. O método, que foi adotado em 2009, não considera apenas o número de questões corretas, mas também a consistência das respostas dos candidatos segundo o grau de dificuldade de cada questão da prova objetiva. Isso significa que participantes com o mesmo número de acertos poderão ter notas diferentes, dependendo da coerência de suas respostas.
Em janeiro de 2015, o Inep também anunciará as notas mínima e máxima das provas objetivas, que variam e dependem das questões da prova aplicada no respectivo ano.
Enem 2014
As provas foram aplicadas neste final de semana, dias 8 e 9 de novembro, para mais de 8,7 milhões de estudantes. No primeiro dia, das 13h às 17h30, eles foram condicionados a 45 questões objetivas sobre Ciências Humanas e suas Tecnologias (geografia, história, sociologia e filosofia) e 45 de Ciências da Natureza e suas Tecnologias (biologia, física e química).
Ontem, os candidatos tiveram uma hora de acréscimo para responder outras 45 perguntas de múltipla escolha sobre Linguagens, Códigos e suas Tecnologias (português, literatura e inglês ou espanhol), 45 questões de Matemática e suas Tecnologias (matemática) e elaborar a redação, cujo tema foi a “Publicidade infantil em questão no Brasil”. Saiba mais.
Segundo dados preliminares divulgados pelo Ministério da Educação (MEC), 1.519 candidatos foram eliminados nesta edição, sendo 236 por uso indevido de telefones celulares. A abstenção neste ano foi de 28,6%, ante 29,7% em 2013. O gabarito oficial é esperado para quarta-feira, 12 de novembro.
Enquanto isso, os participantes poderão conferir a versão extraoficial na correção comentadadisponibilizada pelo Vestibular Brasil Escola, em parceria com o Colégio Oficina do Estudante, de Campinas/SP. Dúvidas podem ser esclarecidas ao abrir uma demanda nesta página ou pelo telefone 0800 616161.

'Não sei como consegui escapar', diz sobrevivente do 'Charlie Hebdo' em Paris


Jornalista se escondeu debaixo da mesa e não foi visto por atiradores.
'Pensei que voltariam atrás dos sobreviventes', contou ele a rádio francesa.

Do G1, em São Paulo
O jornalista Laurent Léger, que sobreviveu ao ataque à sede do jornal 'Charlie Hebdo'' (Foto: Reprodução/Twitter/laurent_leger)O jornalista Laurent Léger, que sobreviveu ao
ataque à sede do jornal 'Charlie Hebdo''
(Foto: Reprodução/Twitter/laurent_leger)
“No inicio, pensei que eram fogos de artifício. Então ouvi passos. Ainda me pergunto como consegui escapar.”
O depoimento é do jornalista do “Charlie Hebdo” Laurent Léger, sobrevivente do atentado que matou 12 pessoas na sede do jornal nesta quarta-feira (7). Ele contou sua história à rádio francesa “France Info”.
Léger estava na reunião na qual os atiradores abriram fogo no momento do ataque e viu seus colegas caírem atingidos pelas balas. Segundo o relato reproduzido pela rádio, ele se salvou por ter se escondido debaixo de uma mesa.
Com isso, o jornalista foi o único na sala de reuniões a não ser baleado, além de uma colega, que foi poupada por ser mulher.
O jornalista contou que um homem encapuzado e todo de preto, segurando uma arma com as mãos, entrou no escritório gritando "Allahu akbar". Em seguida, ele abriu  fogo. “O cheiro de pólvora... Em poucos segundos todos estavam no chão. Eles dispararam a esmo”, lembra o sobrevivente.
'De repente, o silêncio'
Laurent Léger explicou que escapou dos olhos dos atacantes por “ter sido capaz de se jogar debaixo da mesa”. "Fiquei deitado lá. Vi os outros caídos, o som das explosões, e, de repente, o silêncio, era um longo silêncio", contou à “France Info”.
Ele disse que, em seguida, ouviu passos e percebeu que o atirador estava voltando. “Mas a sala é muito apertada. Ele não conseguiu enxergar todo o recinto”, relatou.
Explicou, ainda, que o atirador saiu do ambiente e trocou algumas palavras com outra pessoa, e então ele percebeu que os bandidos eram dois. "Eu o ouvi dizer a um colega que ele não matou as mulheres. No entanto, havia uma morta na sala de reuniões", continuou Léger.
Junto com Lèger, estavam na sala de reunião, em volta de uma mesa oval, o editor-chefe e cartunista Stéphane Charbonnier (Charb), os cartunistas Jean Cabu, Georges Wolinski, Bernard Verlhac (Tignous), Philippe Honoré e Riss, os jornalistas Fabrice Nicolino e Philippe Lançon, o economista Bernard Maris e as colunistas Sigolène Vinson e Elsa Cayat.
Desses, cinco sobreviveram: Riss, que levou um tiro no ombro, Fabrice Nicolino, alvejado na perna, Philippe Lançon, baleado no rosto, além de Sigolène Vinson, que, segundo o "Le Monde", foi poupada por ser mulher e orientada a ler o Alcorão, e Lèger, que não foi notado.
Segundo o relato do jornalista à rádio francesa, após o ataque se instalou o caos. "Eu pensei que eles viriam atrás dos sobreviventes. É uma aberração, é irreal. Foi uma confusão, corremos para ver os feridos. Nós não entendíamos o que tinha acontecido. Tudo isso no coração de Paris, em um jornal."
Arte ataque França Charlie Hebdo (Foto: Editoria de Arte/G1)

Chuva com vento de 85 km/h derruba teto em aeroporto e árvores em SP


Temporal colocou toda a região e fechou Congonhas por 22 minutos.
Alagamentos afetaram vias importantes e paralisou Terminal Bandeira.

Do G1 São Paulo
Um temporal com rajadas de ventos que alcançaram até 85 km/h derrubou na noite desta quinta-feira (8) parte do teto de um hangar no Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo. O incidente não afetou o terminal de passageiros, mas a chuva chegou a levar a Infraero a suspender as operações de pouso e decolagens por 22 minutos.

Os ventos que afetaram o aeroporto também derrubaram ao menos 36 árvores pelas ruas da capital paulista. A região dos Jardins, nas imediações da Avenida Paulista, foi uma das mais prejudicadas. O economista Luis Sérgio dirigia pela Alameda Casa Branca quando flagrou, em vídeo, a queda de uma delas (veja abaixo). Nessa região, também houve quedas na Alameda Lorena e na Avenida Rebouças.
Os pontos de alagamentos chegaram a afetar 23 pontos da cidade, sendo que 11 deles foram considerados intransitáveis pela Companhia de Engenharia de Tráfego. O Túnel do Anhangabaú, no Centro, foi uma das vias afetadas. Na mesma região, o Terminal Bandeira também foi prejudicado e as saídas e chegadas de ônibus foram suspensas por 34 minutos, das 18h45 até 19h19, por causa da água acumulada.

Queda de teto de hangar em Congonhas
A Infraero informou que a estrutura metálica do teto desabou no hangar da empresa Target em Congonhas pouco depois das 19h. Até pouco antes das 21h não havia número oficial de aeronaves danificadas. Segundo a Globo News, ao menos quatro foram atingidas.
O hangar da TAM Aviação Executiva teve danos na estrutura lateral, mas nenhum avião sofreu danos, de acordo com a Infraero. Já a companhia aérea diz que seu hangar em Congonhas não foi prejudicado e que a empresa está prestando seus serviços normalmente. Ninguém ficou ferido e as operações no aeroporto não foram prejudicadas.

Estados de atenção
A chuva começou por volta das 18h. As primeiras regiões afetadas foram as zonas Leste, Norte, Centro e Marginal Tietê. Cerca de 20 minutos depois, o temporal alcançou as zonas Sudeste, Oeste, Sul e Marginal Pinheiros.
Também foi verificada queda de granizo em diversas regiões da cidade. O CGE verificou queda de granizo no Morumbi, às 18h44, e na Consolação, às 18h35. O leitor do G1 Márcio de Freitas registrou em vídeo a queda de granizo na Avenida Celso Garcia, na Zona Leste de São Paulo.

SP chuva Terminal Bandeira alagamento 9 de julho (Foto: Cristiane Moreira/VC no G1)Chuva na região do Terminal Bandeira nesta quinta-feira (Foto: Cristiane Moreira/VC no G1)
Carro atingido por árvore na Alameda Lorena (Foto: Marcelo Mora/ G1)Carro atingido por árvore na Alameda Lorena durante chuva (Foto: Marcelo Mora/ G1)
bar na região do Anhangabaú (Foto: Marcelo Mora/G1)Bar na região do Anhangabaú precisou erguer as comportas (Foto: Marcelo Mora/G1)

Apreensão aumenta após novos tiroteios e ataques na França


Da Agência Brasil

A perplexidade e a incredulidade das primeiras horas que se seguiram ao atentado de ontem (7), em Paris, ao semanário satírico Charlie Hebdo, no qual 12 pessoas foram mortas, foram substituídas pelo clima de apreensão e medo após eventos ocorridos nas últimas horas e ainda não esclarecidos: uma policial foi morta por um atirador que disparou a esmo na parte sul de capital francesa e locais de manifestação de fé muçulmana, em diferentes regiões do país, foram atacados.
charly_hebdo2 (1)
Foto: Agência Brasil
Uma operação de guerra está em curso para capturar os suspeitos de ter atacado a redação do Charlie Hebdo, no centro de Paris, e ontem (7) mesmo o governo francês elevou ao máximo o nível de alerta do plano interministerial contra o terrorismo: o VigiPirata.
Cerca de 3 mil policiais buscam deter dois suspeitos, identificados pelo Ministério do Interior como sendo os irmãos Chérif Kouachi e Saïd Kouachi, de 32 e 34 anos. O terceiro suspeito, Mourad Hamyd, de 18 anos, se entregou à polícia.
O empresário norte-americano naturalizado brasileiro Glen Homer mora há quatro anos em Paris com a mulher e dois filhos. Sua impressão, hoje, é que Paris amanheceu em câmera lenta, com as pessoas atônitas. A casa de Homer fica perto das Galerias Lafayette, conhecido centro de compras da capital. “O policiamento, que é sempre presente, foi reforçado”, disse ele à Agência Brasil nesta manhã.
“Estamos todos muito apreensivos por causa das incertezas, por não sabermos exatamente o que está acontecendo. Mas o povo francês é combativo e não se deixa abater. As manifestações espontâneas desta quarta-feira, as vigílias, são uma expressão dessa combatividade”, afirmou Homer. Segundo ele, escolas, museus, o comércio e as repartições públicas funcionam normalmente. No entanto, com o alerta máximo de segurança, excursões e passeios escolares foram suspensos.
O empresário considera pouco provável que a população reaja aos ataques responsabilizando estrangeiros ou grupos religiosos. “Principalmente em Paris, onde é grande o número de estrangeiros, a maioria das pessoas entende que a violência é a manifestação de uma minoria radical. E como as principais lideranças muçulmanas se anteciparam e condenaram o ataque ao Charlie Hebdo, acho que não deverá haver caça às bruxas.”
A jornalista francesa Karima Saidi tem opinião semelhante. De acordo com Karima, como os terroristas ainda não foram presos e suas motivações reais não são conhecidas, o principal debate entre os franceses, no momento, diz respeito aos limites da liberdade de expressão. Francesa de ascendência árabe, Karima, no entanto, não esconde o medo de que a situação se radicalize. “Há muita solidariedade, mas, ao mesmo tempo, muito medo. Medo de que as coisas piorem e a violência aumente devido à ação de um grupo minoritário.”
Segundo o Ministério do Interior, o VigiPirata é um sistema permanente de vigilância, prevenção e proteção, que se aplica na França e no exterior, com efeitos sobre os transportes, a saúde, a alimentação e as redes de energia e de segurança dos sistemas de informação, entre outros, coordenado pelo primeiro-ministro Manuel Valls.
O sistema é acionado e alimentado a partir de informações colhidas pelos serviços de inteligência e, em caso de ataque terrorista, como está sendo classificado o de ontem, pode ser prorrogado por planos específicos de intervenção. De acordo com o ministério, além de tentar proteger os cidadãos e o território francês de ameaças terroristas, o VigiPirata permite às autoridades de defesa agir rápida e coordenadamente em caso de ataques.

Cientistas australianos criam pequeno RIM com células-tronco


Pesquisa ainda está longe de produzir órgão para transplante.
No entanto, feito representa avanço nos estudos da área, dizem cientistas.

Agência EFE
Uma equipe de cientistas australianos conseguiu criar um rim do tamanho de um feto de cinco semanas a partir de células-tronco, informou nesta segunda-feira (16) a imprensa local.
"É menor que o rim de um adulto. Essencialmente se trata de um pequeno rim em desenvolvimento", explicou a cientista Melissa Little ao canal 'ABC'.
Os especialistas submergiram as células-tronco em concentrações perfeitamente calibradas de moléculas denominadas fatores de crescimento ou tróficos para guiá-las no crescimento deste órgão em processo que imitava o desenvolvimento normal.
Os cientistas utilizaram um molde para a criação do órgão e destacaram que ainda faltam várias décadas para que possam produzir este tipo de órgãos para transplantes.
"Tivemos que guiar as células através de todos os passos que estas normalmente adotariam durante seu desenvolvimento", disse Melissa ao detalhar o processo de elaboração.
A princípio, os cientistas queriam que as células-tronco produzissem somente um tipo de célula do rim, mas no transcurso das pesquisas notaram que podiam formar dois tipos de células-chave para a formação deste órgão.
Assim, conseguiram que as células colocadas em um molde se organizassem por si mesmas para criar as complexas estruturas existentes no rim humano, acrescentou a 'ABC' ao citar este estudo publicado na revista científica 'Nature Cell Biology'.
"Conseguimos produzir um conjunto de células mais complexas e isto representa um grande avanço em termos do que foi feito até agora", explicou Melissa.
A curto prazo, esta conquista será útil para testes científicos de novos remédios para combater doenças que afetam o rim e mais adiante a melhorar os tratamentos médicos.
"Um em cada três australianos está em risco de desenvolver doenças crônicas nos rins e os tratamentos atualmente disponíveis incluem diálise e transplantes", disse a especialista.
Estes primeiros resultados são promissores porque revelou o fato de que as células-tronco podem ser organizadas no laboratório para produzir tecidos artificiais que podem substituir os danificados.

Policiais civis fazem carreata até velório para homenagear colega morto por assaltantes


Da Redação

stadler
Stadler ao lado do lutador de UFC, Anderson Silva (Foto: Arquivo Pessoal)
Policiais civis de todo o Paraná iniciaram por volta das 17h30 desta quinta-feira (8) uma carreata em homenagem ao policial Renato Stadler, morto em uma troca de tiros com assaltantes no bairro Fazendinha, em Curitiba. Várias viaturas se reuniram no Estádio do Pinheirão e seguiram para uma igreja do bairro Portão.
Stadler morreu no final da tarde de quarta-feira (7) após se envolver na troca de tiros na Rua Arnaldo Thá. O policial estava com a esposa em uma loja de celulares e chegou a atingir os bandidos antes de ser baleado na cabeça. Ele estava lotado no Diep, Departamento de Inteligência da Polícia Civil.
Segundo informações da Polícia Civil, o delegado-geral Júlio Cezar dos Reis deve ainda promover um ato de promoção por merecimento a Stadler, uma homenagem póstuma que o eleva de terceira para segunda classe.
O enterro está marcado para acontecer na sexta-feira.

OS ANALGÉSICOS E OS SEUS RINS - 5 DICAS IMPORTANTES




Ao abrir o armário dos medicamentos lá de casa, é provável encontrar pelo menos um tipo de medicação para as dores. Frequentemente as pessoas não se apercebem que esses mesmos fármacos que ajudam as dores de cabeça latentes a desaparecerem, que reduzem as febres e aliviam as dores podem ter efeitos colaterais perigosos, incluindo danos para os rins.

Com o intuito de passar a palavra acerca da importância de proteger os seus rins quando toma analgésicos, a americana National Kidney Foundation (NKF) juntou-se à Alliance for Rational Use of NSAIDs (Aliança para o Uso Racional dos Anti-Inflamatórios Não Esteroides), uma recente coligação de saúde pública de profissionais e organizações de pacientes, para sensibilizar acerca do consumo seguro e apropriado dos anti-inflamatórios não esteroides (AINE).

Antes de correr para o armário dos medicamentos, leia as dicas sugeridas pela NKF:

1. Os analgésicos permitem o alívio da dor, mas é importante medir os potenciais benefícios e o risco dos efeitos colaterais, como os danos no rim, a retenção de fluídos, o aumento da pressão arterial e questões relacionadas com a digestão. Vários analgésicos podem ser aviados sem receita, enquanto outros requerem prescrição médica, mas todos os fármacos para as dores carregam consigo o risco dos efeitos colaterais. É importante ler sempre a bula para ver que tipo de medicação está a tomar.

Exemplos de AINEs: Aspirina, Paracetamol, Ibuprofeno, Naproxeno.


2. Se está a perder a função renal, certos tipos de analgésicos como estes anti-inflamatórios não são recomendados, porque reduzem a corrente sanguínea para os rins.
 Elevadas doses e um consumo a longo-prazo de analgésicos podem danificar os rins, mesmo os saudáveis. Os analgésicos devem ser tomados exactamente como prescritos ou como assinalado no rótulo – uma dose mínima durante o mais curto período de tempo possível.


4. Uma vez que a maioria dos AINEs é associada apenas à marca ou ao nome genérico, não sendo classificada como AINE, muitas pessoas poderão não estar cientes que estão a tomar este tipo de fármaco ou acidentalmente podem estar a tomar mais do que um anti-inflamatório não esteroide em simultâneo. Aproximadamente 23 milhões de Americanos consomem AINEs sem prescrição todos os dias.


5. Fale e faça perguntas no gabinete médico ou na farmácia. As pessoas com problemas de rins podem ser particularmente sensíveis a estes anti-inflamatórios. Fale com o seu médico acerca de como este pode ajudá-lo a lidar com as suas preocupações e a prevenir face a potenciais danos adicionais para os rins.


Ao trabalhar para a consciencialização sobre os efeitos colaterais destes fármacos e o impacto negativo que eles podem ter nos seus rins, a NFK e a Alliance for Rational Use of NSAIDs reconhece o valor que estes analgésicos têm numa comunidade que sofre a sério. O medo dos efeitos colaterais não deve impedir as pessoas de tomarem AINEs, uma vez que uma dor não tratada pode tornar-se num problema sério para a sua saúde. Conheça os factos e procure ser um paciente informado para tomar as decisões que são melhores para si e para o seu corpo.

RIM ARTIFICIAL QUE GARANTE MAIS LIBERDADE AOS DIALISADOS ESTÁ A CAMINHO


Milhões de pacientes de diálise em todo o mundo poderão, a curto prazo, gozar de uma maior liberdade de movimentos, poupando dinheiro, através do uso de um dispositivo portátil que substitui a função do rim. É esta a convicção do presidente da Awak Technologies Pte Ltd, que pretende ter este produto disponível no mercado em breve.

O produto – que permite uma diálise peritoneal “mais livre” – foi alvo de testes de laboratório, em animais, em Singapura. Também nos Estados Unidos da América e na Alemanha tiveram lugar ensaios clínicos, segundo o Wall Street Journal (WSJ).

“Nos últimos 40 anos, o único desenvolvimento [no campo do tratamento dialítico no estágio final da doença renal] foi que a máquina passou a ter metade do tamanho”, lembrou Gordon Ku, nefrologista e presidente da Awak, a empresa responsável pela concepção deste dispositivo presente entre os finalistas dos inventos candidatos aos Asian Innovation Awards.

Gordon Ku trabalhou com uma equipa de investigadores norte-americanos na construção deste dispositivo desde 2007. Nos últimos 4 anos, a máquina viu reduzida a sua dimensão – de um colete do tamanho de um tronco de corpo humano para o tamanho de uma pequena mala.

 “Como os rins naturais, este [dispositivo] mantém a regulação metabólica e dos fluídos num estado estacionário”, o que contrasta com “a prática dialítica corrente, que fornece uma função mais intermitente do que contínua”, pode-se ler na página da Awak Technologies a propósito deste produto.

Se a Hemodiálise limpa o sangue, ao introduzi-lo numa máquina que o devolve depois livre de toxinas, na Diálise Peritoneal é o revestimento interior do abdómen – a chamada membrana peritoneal – que é utilizado para filtrar o sangue. “O ‘adsorvente’ remove todas as toxinas urémicas e todos os eletrólitos durante o processo”, lembra o doutor Ku ao WSJ.

A Awak efectuou testes de laboratório, recorrendo a fluídos de diálise já utilizados, passando-os pela máquina e examinando-os posteriormente. Os resultados revelam que o fluído fica livre de toxinas.

De acordo com a Awak, os dialisados deverão mudar os cartuxos, descartáveis, presentes no dispositivo, três vezes por dia. Por sua vez, o fluído introduzido nestas máquinas não deve ser mudado mais do que uma vez por mês. Nesta medida, espera Gordon Ku, a mistura de água e químicos usada na diálise, geralmente de custos avultados, deverá ser economicamente mais acessível para os pacientes, para os fornecedores e para os centros de tratamento.

Mudança de estilo de vida, menos medicamentos

Um “desafio” habitual para os pacientes dialisados é a experiência de “níveis “inconsistentes” de químicos entre os tratamentos, o que pode resultar em falta de controlo da pressão sanguínea, anemia ou retenção de fosfato. Com este dispositivo, os investigadores acreditam que não serão necessários medicamentos extra para tratar os efeitos secundários indicados.

O maior benefício, de acordo com a Awak, é “uma mudança no estilo de vida”, que permite, por exemplo, os pacientes “viajar livremente e regressar ao trabalho”.

Segundo o doutor Ku, depois disponibilizados estes dispositivos, os médicos estarão aptos a fazer tratamentos à medida dos pacientes, usando diferentes “cartuchos” para pessoas de maior porte e pessoas mais activas.

Em comunicado de imprensa, em Outubro deste ano, a Awak anunciou que pretende estender esta “tecnologia adsorvente inovadora” aos sistemas de hemodiálise.

Fonte; Portal da Diálise

Em nove meses, 2,5 mil mulheres foram atendidas em Curitiba pela Patrulha Maria da Penha


Da SMCS
Desde março do ano passado, quando foi criada na Guarda Municipal de Curitiba a Patrulha Maria da Penha, aproximadamente 2,5 mil mulheres vítimas de violência doméstica foramatendidas na cidade. A Patrulha foi criada com o objetivo de atender as mulheres que possuem medidas de proteção expedidas pelo Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher.
É um serviço para prevenir e inibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, feito em parceria com o Tribunal de Justiça do Paraná através da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Cevid). As equipes orientam, fazem visitas periódicas e acompanham de perto a situação de vítimas dessa violência em Curitiba.
patrulha-maria-da-penha-600x450
Agentes da Maria da Penha tiveram muito trabalho nos últimos nove meses (Foto: SMCS)
São 15 agentes da Guarda em quatro viaturas que passam nas nove regionais da cidade. Nas equipes há sempre duas agentes femininas para que as mulheres se sintam mais acolhidas. O número 153 da Guarda Municipal é divulgado às mulheres para buscarem ajuda, em caso de reaproximação do agressor.
O trabalho é feito de segunda a sexta-feira, das 8h às 18 horas. No período noturno e nos finais de semana, a Patrulha atua em escala de plantão para atendimentos emergenciais. O serviço já encaminhou 12 agressores à Delegacia da Mulher, por descumprimento das medidas.
“Embora não tivéssemos experiência nesta área específica, foi um trabalho muito positivo. Nosso trabalho tem sido de escuta e sempre respeitamos a individualidade e a privacidade de cada família. Além de visitas, fazemos rondas pela vizinhança daquela mulher, visando inibir o agressor de uma possível aproximação”, diz a inspetora da Guarda Municipal Paulina Wojcik, coordenadora do serviço.
“Com a implantação de mais este serviço de proteção à mulher em situação de violência, por meio da Guarda Municipal, a cidade de Curitiba sai na frente e já serve de inspiração para outras cidades do estado e do País, além de dar mais afetividade ao cumprimento das medidas preconizadas na Lei Maria da Penha”, afirma a secretária da Mulher, Roseli Isidoro.
Pelos resultados apresentados, ela afirma que se trata de uma medida que deu certo. “E graças ao envolvimento do Poder Judiciário que confere legalidade à atuação da Patrulha e claro, pela competência e pelo preparo dos agentes da Guarda Municipal que entenderam de imediato, a essência do projeto”, acrescenta.
A desembargadora Denise Kruger, coordenadora da Cevid, afirma que, apesar das dificuldades no dia a dia da Patrulha, as equipes têm cumprido sua missão da melhor forma possível. “Elas têm alcançado o objetivo de oferecer proteção às mulheres em situação de violência, com medidas de proteção deferidas pelo Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Curitiba, contribuindo para minimizar a reincidência das agressões”. Ela acrescenta que a partir do trabalho dos agentes da Patrulha, houve um aumento no número de prisões preventivas em função dos descumprimentos de medidas protetivas.
Na avaliação da juíza da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Luciane Bortoleto, a atuação da Patrulha complementa o trabalho do Poder Judiciário que, segundo ela, não dispõe de mecanismos efetivos para a fiscalização do cumprimento das decisões judiciais. “Assim, a atuação da Guarda Municipal veio para conferir mais segurança às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, a partir do acompanhamento frequente e periódico dos casos em que foram deferidas as medidas protetivas de urgência”, afirma.
Os integrantes da Patrulha passam por cursos de capacitação ministrados por psicólogos, assistentes sociais e profissionais do direito da Secretaria da Mulher, do Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, do Cevid e da Rede de Atenção à Mulher em Situação de Violência.
A ideia surgiu em Porto Alegre e lá é uma iniciativa do governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual da Mulher e da Polícia Militar. A diferença é que em Curitiba o serviço é pioneiro no Brasil, pois é realizado pela Guarda Municipal.
A Patrulha leva o nome da Lei Maria da Penha (11.340/2006) – uma homenagem a Maria da Penha Maia Fernandes, vítima de violência doméstica e que foi até as últimas instâncias para punir seu agressor. A lei cria mecanismos de proteção à mulher vítima de violência doméstica e familiar, com a possibilidade de concessão de medidas protetivas de urgência e encaminhamento para serviços de acolhimento, atendimento, acompanhamento e abrigamento.

Sedu tem R$ 400 milhões para 2015, diz Ratinho Jr


ratinho jr obras
O deputado Ratinho Jr (PSC), secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, disse nesta quinta-feira (8) ao jornal Bem Paraná que sua pasta não depende de recursos do caixa geral do Tesouro do Estado para tocar seus projetos, que são financiados por organismos nacionais e internacionais, através da Agência de Fomento. “Temos R$ 400 milhões para este ano, o que é bastante dinheiro”, adianta. Os projetos da Sedu e da Paranacidade financiam obras e equipamentos às prefeituras e cidades paranaenses.

Em 10 anos, Globo perde 4 em cada 10 TVs ligadas


de Ricardo Feltrin, UOL:
A TV Globo aberta continua vendo sangrar sua audiência. Entre 2004 e 2014, a emissora perdeu 40% de share, segundo dados obtidos por esta coluna com exclusividade.
“Share” é a participação de uma emissora no universo somente de TVs ligadas. É calculado em porcentagem, e não em pontos de ibope, e uma forma de ver o comportamento do público diretamente pelo aparelho de televisão.
Ou seja, dez anos atrás aproximadamente 50% das TVs ligadas ficavam sintonizadas na Globo entre 7h e 0h, de segunda a domingo. Em décadas passadas, esse índice chegou a 70%. Em finais de algumas grandes novelas, teria beirado os 90% até.
No ano passado, esse índice de share da Globo baixou para 32%. Em outras palavras, a emissora perdeu importantes 18 pontos percentuais (40%) no universo de TVs ligadas.
Para efeito de comparação, na década passada o share da Record era de 10% e hoje está em 15%. Já o SBT tinha 20% de share e hoje tem apenas 13%.
Mas, para onde foi todo esse público que antes deixava a TV ligada na Globo (e no SBT), uma vez que não houve migração em massa para outras emissoras abertas?
A resposta não foi medida em números mas certamente pode ser explicada: a maior parte desse público “fujão” ocupa seu tempo diante da TV hoje com canais pagos (mais de 260% de crescimento no período), DVDs e videogames.
Um público imenso também está mais ocupado com internet, mas o ibope nunca fez uma estimativa a respeito.
É certo que a Globo é líder de audiência também na TV por assinatura, mas é bom lembrar que nem 30% da população brasileira tem acesso a esse tipo de diversão.
Pelo índice de pontos, em 2004 a média da Globo era de 21,7 pontos das 7h à 0h. No ano passado despencou para 13,5.

Por que Dilma não demite a presidente da Petrobras


dilma e graça
de Ricardo Noblat:
Um dia ainda será desvendado o mistério da ligação para a vida ou para a morte entre a presidente Dilma Rousseff e a presidente da Petrobras, Graça Foster – a Graciosa.
Conhecedor das entranhas do que já foi apurado até agora sobre a roubalheira na Petrobras, o Procurador Geral da República recomendou a demissão de Graça e dos demais diretores da empresa.
Elegante e diplomático como sempre, o vice-presidente Michel Temer procedeu da mesma forma. Por sinal, não há um só político com juízo que pense diferente disso. E, no entanto…
Sobrou para Moreira Franco, ministro da Secretaria de Aviação Civil, que havia sido escalado por Dilma para permanecer no cargo durante seu segundo governo. Moreira teve um bom desempenho na Secretaria.
Repórteres de O Globo, Simone Iglesias e Geralda Doca apuraram que Dilma resolveu mandar Moreira embora por que ele, em uma reunião do PMDB, defendeu a demissão de Graça.
Amizade apenas não justifica o empenho desmedido de Dilma em manter Graça na presidência da Petrobras. Graça está bichada. Na melhor das hipóteses, foi incompetente por desconhecer o que se passava ao seu redor.
O comportamento de Dilma alimenta a suspeita de que ela e Graça agiram juntas para acobertar o esquema de corrupção da Petrobras montado ainda no governo Lula. Nesse caso, como ela poderia largar Graça de mão?
Dilma não é Lula. Que largou de mão José Dirceu para que uma cabeça rolasse em pagamento pelo escândalo do mensalão.

Paraná anuncia centro integrado de combate ao crime organizado


sesp - org.
O secretário de Segurança Pública do Paraná, Fernando Francischini, anunciou nesta quinta-feira (8), a criação de centro de monitoramento integrado de imagens que ajudará na inteligência para desmembrar o crime organizado no Estado. A operação contará com sistemas do governo do estado e de municípios. “É uma determinação do governador Beto Richa a integração da Secretaria de Segurança Pública com os municípios do Paraná, bem como a criação de um sistema de monitoramento de câmeras para auxiliar o trabalho da polícia”, disse Francischini. As imagens vão ajudar, por exemplo, a combater assaltos, roubos de carros e as quadrilhas que agem em caixas eletrônicos.
Ontem o secretário esteve com o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), para propor um convênio com o município para a central. Com isto, as captadas pelas câmeras da Urbs, da Secretaria Municipal de Trânsito e da Guarda Municipal seriam integradas ao Centro Integrado de Comando e Controle da Sesp. “É mais uma das medidas para o combate à criminalidade em Curitiba. As imagens são de grande valia para o trabalho de inteligência das polícias Civil e Militar do Paraná”, completou Francischini.

Buscas em rio para tentar encontrar João Rafael serão retomadas, diz Sesp-PR


Por Felipe Ribeiro e Bruno Henrique

Quase 16 meses após o desaparecimento do menino João Rafael Kovalski, de dois anos, o secretário de Segurança Pública do Estado Paraná (Sesp-PR), Fernando Francischini, anunciou nesta quinta-feira (8) a abertura de uma força-tarefa para tentar localizar o garoto. Segundo o secretário, ele já conversou até mesmo com os bombeiros, para que uma nova varredura nas proximidades do rio em que João sumiu possa ser realizada.
joaorafael
Foto: Reprodução
“Já chamei os delegados envolvidos na investigação e vamos utilizar a minha experiência para verificar se podemos tomar um novo rumo. Na minha gestão nenhum caso será abandonado, queremos começo, meio e fim nas investigações”, disse.
João Rafael desapareceu no dia 24 de agosto de 2013. Ele morava em Adrianópolis, na região metropolitana de Curitiba, e foi visto pela última vez em uma chácara do município enquanto brincava próximo a um rio. Um boné foi encontrado a cerca de 300 metros da casa do menino alguns dias após o desaparecimento, mas familiares descartaram que o objeto fosse dele. Desde o desaparecimento, várias hipóteses foram levantadas, até mesmo que ele poderia estar na Holanda. A última hipótese levantada era a de que a babá poderia ter sequestrado o menino, possibilidade esta que não foi confirmada.
Segundo o secretário, buscas podem ser realizadas até mesmo no exterior para tentar localizar o menino. “Queremos esgotar todas as possibilidades. Vamos ouvir pessoas, quebrar sigilos até que eu me sinta confortável de encerrar a investigação”, concluiu.

Secretário diz que Curitiba virou ‘Bom Dia Vietnã’ e que cidade vive uma ‘guerra’


Por Luiz Henrique de Oliveira e Bruno Henrique


“Um abacaxi grande nas mãos”. As aspas do secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná (Sesp), Fernando Francischini, pode se referir as ações da Gangue da Dinamite, a abordagem policial com estudante ferido no Água Verde, a ‘Chacina do Hipermercado’, o assassinato de um policial civil durante assalto ou ao tiroteio no Centro. A questão é de múltipla escolha e a resposta certa deveria ser nenhuma das alternativa, porém a realidade em Curitiba nos leva a todas as anteriores.
“Como brinquei com vocês, estou naquela situação de ‘Bom Dia Vietnã’ (referindo-se ao filme em que um militar americano é transportado para a Guerra do Vietnã e fica responsável pela comunicação com os demais soldados do país por meio de uma rádio). Todo dia de manhã temos um abacaxi para resolver, porque precisamos dar mais segurança para a população e a família de todos. A gente vive um guerra, não tem como ser todo dia assim”, disse Francischini em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (8).
perseguicaofora
Perseguição no Água Verde aconteceu durante a tarde e assustou moradores (Foto: Juliano Cunha – Banda B)
A chamada à imprensa aconteceu depois que ontem um policial civil foi morto durante um assalto no bairro Fazendinha e pouco antes um tiroteio aconteceu em frente à sede do jornal Gazeta do Povo, na Praça Carlos Gomes, no Centro. “Estamos arrumando a ‘casa’ para enfrentar tudo isso. Precisamos de alguns meses para que operações mais efetivas acontençam e tenhamos resultados”, disse.
Cravados
Para justificar o crescimento da violência, o secretário falou sobre a posição geográfica do país. “Estamos cravados entre o Paraguai e o resto do Brasil. O tráfico de drogas e as armas passam por aqui e o Primeiro Comando da Capital (PCC) está dentro de nosso presídio, devido à divisa com São Paulo. Todo dia temos coisas para resolver e queremos trazer as respostas efetivas”, afirmou.
Caso Água Verde
Durante a entrevista, Francischini falou sobre a abordagem policial, na tarde da última terça-feira (6), que terminou com um estudante universitário baleado no bairro Água Verde. No caso, o jovem, sem passagens pela polícia, foi abordado por policiais em uma viatura policial descaracterizada e, ao achar que se tratava de um assalto, fugiu e acabou baleado, segundo seus advogados.
“Estamos instaurando um procedimento na corregedoria da Polícia Civil para definir o que aconteceu nessa situação. As abordagens dessas viaturas descaracterizadas são comuns, mas é necessário avisar que é da polícia, colocar giroflex e fazer do jeito certo. Quando tivermos uma resposta sobre esse caso passaremos à imprensa”, garantiu.
Referente ao caso do Água Verde, os advogados da família do estudante baleado enviaram uma nota à Banda B:
A família do jovem, por meio de seus advogados, vêm a publico para esclarecer que Gabriel nunca se envolveu com qualquer atividade ilícita.
No momento da abordagem, o jovem assustou-se, pois pensou tratar-se de um assalto, quando acabou por acelerar momento em que foi vitimado por um disparo de arma de fogo. Insta esclarecer que a vítima estava sozinha no carro e não portava qualquer arma de fogo.
O veículo pertence a família e está em situação regular. Ele encontra-se internado e a situação de saúde é estável.
Ressalta-se que os envolvidos confiam nas autoridades responsáveis pela investigação e esperam que os fatos sejam devidamente esclarecidos.

.