Menina de 18 anos se prepara para casar com seu próprio pai após dois anos de namoro


Depois de 12 anos afastados, a jovem americana e seu pai se conheceram e passaram uma semana juntos - tempo suficiente para, segundo ela, se apaixonarem e terem a sua primeira relação sexual. Quase dois anos depois, eles planejam se casar e ter filhos biológicos

"AS PESSOAS PRECISAM PESQUISAR MAIS SOBRE INCESTO E GSA", DIZ GAROTA QUE SE PREPRARA PARA CASAR COM O PRÓPRIO PAI (Foto: Thinkstock)
Na década de 80, Barbara Gonyo, fundadora de um grupo de apoio a crianças adotadas que tiveram a chance de conhecer os pais biológicos, cunhou o termo “Atração Sexual Genética” (GSA - sigla em inglês). Segundo ela, ele diz respeito aos intensos sentimentos amorosos e sexuais observados nas reuniões de reaproximação. Em entrevista ao The Guardian, contou que este sentimento tabu ocorre em 50% dos casos em que parentes afastados se reencontram na fase adulta. É exatamente esta a realidade vivida por uma garota americana de 18 anos.
Em entrevista à The New York Magazinea jovem da região dos Grandes Lagos, nos Estados Unidos, deu todos os detalhes do relacionamento de dois anos com o seu pai biológico, que ela conheceu 12 anos depois de completo afastamento. Um relato bastante perturbador.

Nos dois primeiros anos de vida, e
la foi criada pelos avós por conta do descontrole da progenitora e teve um breve contato com seu pai entre os 3 e 5 anos de idade.Mas os encontros eram sempre conturbados e marcados por discussões do ex-casal. Logo, as visitas cessaram.Os pais da menina se conheceram no colégio, aos 18 anos, e a conceberam na noite da festa de formatura. Eles tinham um relacionamento sério há seis meses, mas romperam durante a gravidez. “Eu acho que os problemas psicológicos da minha mãe contribuíram para que a relação não funcionasse. Ela sofre de bipolaridade e outros problemas mentais”, disse. “Eles não eram felizes e não mantiveram o contato depois do meu nascimento.”
“Quando eu tinha uns 15 anos, ele escreveu para a minha mãe dizendo que gostaria de me ver. Eu disse que sentia falta dele e não me importaria em encontrá-lo. Ela me perguntou como eu poderia sentir saudades de alguém que eu mal conhecia, que eu não via há muito tempo. Mas a minha carência era de uma figura paterna.” Sua mãe sempre se relacionou com os caras errados e ela nunca conseguiu se sentir próxima dos padrastos.
Até que aos 17 anos, ela teve a chance de reencontrar o pai biológico. “Minha mãe era muito controladora. Ela tinha a senha do meu Facebook, desde a criação da conta. Um dia, depois de recuperar os meus privilégios de acessar a rede social, ele me adicionou como amigo. A princípio, pensei que fosse o meu avô, por causa do nome similar. Só depois me dei conta de que se tratava do meu pai. Eu disse que achava que ele estava morto e perguntei por que ele demorou para entrar em contato. Ele disse que sempre tentava me adicionar, mas eu sempre rejeitava o convite. Era a minha mãe controlando o meu perfil.”

Os dois passaram cinco dias juntos. “Ele estava morando com a namorada. Na primeira noite, dormiu no sofá e eu no chão, só para ter a certeza de que estava tudo bem. Dormir em lugares diferentes me deixava ansiosa e eu pedi para que ele ficasse comigo, caso eu tivesse pesadelo durante a noite. Na segunda noite, ele dormiu no sofá novamente. E no terceiro dia, eu me vi dormindo com ele no chão, deitada em seu peito, nos braços.
 A quarta noite passamos no chão de novo. Desta vez, nós realmente nos abraçamos. Quando acordamos, estávamos de conchinha. Eu não soube disso na hora, mas depois que nos declaramos, ele confessou ter tido uma ejaculação. [Não senti nada]. Eu estava dormindo e ele foi discretamente ao banheiro.”O contato seguiu via internet e eles descobriram vários gostos em comum. Se encontraram uma semana depois. Passaram o dia todo abraçados.“Descobrimos que somos muito parecidos.” Foi aí que a menina pediu para passar uma semana com ele, que vivia há 30 minutos de distância da sua casa. “Acho que minha mãe sabia que eu iria me mudar. Chegamos a um ponto onde eu precisava escapar, ela era muito controladora.”
Na noite seguinte, enquanto brincavam de lutinha, antes de se deitarem, ela o mordeu. “Eu pude vê-lo arrepiado dos dedos dos pés aos ombros. Em seguida, ele beliscou minha coxa e eu me arrepiei toda. Paramos e dissemos que não sabíamos o que estava acontecendo, mas admitimos que sentíamos algo forte um pelo outro. Discutimos se isso era certo e nos beijamos. Depois, fizemos amor pela primeira vez. Foi quando eu perdi a virgindade.
Ela nunca teve vida social, namorou um garoto durante dois anos, mas foi traída. Em seguida, se relacionou com uma garota, mas ela era muito religiosa e o namoro não vingou.

Em depoimento, ela confirmou que eles se sentiram completamente apaixonados, sentimento que causou o fim do namoro do pai, na época.
 A mãe e a família materna os veem como pai e filha; já a família paterna os aceitam como um casal e “estão ansiosos para que tenhamos filhos”.Há uma razão para eu ter perdido a virgindade com ele - eu nunca me senti confortável com outro homem. Foi incrivelmente sensual. Nós dois tivermos orgasmos”, relatou. E disse que em nenhum momento foi coagida ou sentiu estranheza. “Foi natural. Não foi um tabu. Senti como se estivesse fazendo amor com um homem com que eu estava junto há anos.
Quase dois anos depois do início do relacionamento, eles planejam se casar. “Quero um casamento completo, mas não legalmente registrado. Não acredito que um pedaço de papel prove que você deseja ficar com a pessoa que ama.” Para isso, pretendem se mudar para New Jersey, onde podem se sentir seguros perante a lei. “O incesto entre adultos não é considerado ilegal por lá. E assim que estivermos lá, vou contar a todo mundo.”
O desejo do casal é também ter filhos biológicos. Eles não temem risco algum. “Eu não correria o risco de ter um filho, se eu soubesse que seria prejudicial. Eu pesquisei sobre isso. Todo mundo pensa que as crianças nascidas em relações incestuosas, certamente, terão problemas genéticos, mas isso não é verdade. Isso acontece quando há anos de consanguinidade, como com a família real.”
Mas ela garante que, às vezes, o procura como filha. “Quando eu preciso do meu pai, eu digo, ‘Ei, pai, preciso de você’. E nessa hora, ele não é meu noivo ou namorado, mas meu pai.”
Hoje, ela está com 18 anos e ele com 37, mas garantem que a diferença de idade não faz a menor diferença. “Eu nunca me senti dessa forma com ninguém.”
Quanto aos julgamentos, ela diz: “Eu não entendo por que estou sendo julgada por ser feliz. Somos dois adultos que salvaram um ao outro. As pessoas precisam pesquisar mais sobre incesto e GSA, porque eles não sabem do que se trata e não entendem como acontece. Quando você tem 18 anos, você sabe o que quer. Você é adulto diante da lei. Eu posso cuidar de mim mesma. Não preciso se proteção. Se eu estivesse em uma situação da qual eu tivesse que sair, eu sairia. Não tenho medo de me defender.”

Mega-Sena acumula e e prêmio pode ir a R$ 27 milhões na quarta


Veja as dezenas do concurso 1.670: 01 - 17 - 19 - 30 - 33 - 47.
132 apostas acertaram a quina e receberão R$ 22.296,52 cada.

Do G1, em São Paulo
 
MEGA-SENA
CONCURSO 1670
1 17 19
30 33 47
Nenhuma aposta acertou as dezenas sorteadas no concurso 1.670 da Mega-Sena realizado neste sábado (17) no auditório da Caixa, em Brasília. No próximo sorteio que ocorrerá na quarta-feira (21), a previsão é que o prêmio chegue a R$ 27 milhões.

Veja as dezenas: 01 - 17 - 19- 30 - 33 - 47.
A quina teve 132 acertadores que irão receber R$ 22.296,52. A quadra teve 10.142 apostas que acertaram os quatro números e cada uma receberá R$ 414,56.
Para apostar
A Caixa Econômica Federal faz os sorteios da Mega-Sena duas vezes por semana, às quartas-feiras e aos sábados. As apostas podem ser feitas até as 19h (de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país. A aposta mínima custa R$ 2,50.

TRF nega habeas corpus a Gerson Almada executivo da Engevix envolvida no lava Jato


Executivo da Engevix está preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba
17/01/2015 | 18:21 | 
O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), negou nesta sexta-feira (16) o pedido de habeas corpus do executivo da Engevix Gerson de Mello Almada. Essa é a terceira tentativa da defesa junto ao TRF4 para obter a liberdade donexecutivo.

Almada foi preso durante a 7ª fase da Operação Lava Jato, que teve o foco voltado para atuação das empreiteiras que mantinham contratos com a Petrobras. Ele é acusado de participar de um cartel nas obras da estatal e de pagar propina para os ex-diretores em troca de novos contratos.Em seu despacho, o desembargador federal frisou a “necessidade do encarceramento, sobretudo porque o paciente exercia função importante dentre os investigados representantes das empreiteiras”.
Ele e mais dez executivos estão presos na carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Também estão presos no local o doleiro Alberto Youssef, o lobista Fernando Soares e o ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró.
Nesta sexta-feira (16), o TRF4 também negou o pedido de habeas corpus feito pela defesa de Nestor Cerveró. 

Menino morto pela polícia é enterrado no dia em que faria 12 anos


O pai de Patrick, Daniel Queiroz (de blusa azul) carrega o caixão do filho: ‘Hoje era para ser um dia de festa’
O pai de Patrick, Daniel Queiroz (de blusa azul) carrega o caixão do filho: ‘Hoje era para ser um dia de festa’ Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo

“Parabéns para você”. Foi o que cantaram amigos e parentes de Patrick Ferreira de Queiroz pouco antes de seu sepultamento, na tarde deste sábado, no Cemitério do Catumbi. A criança faria 12 anos hoje, e o que era para ser um dia de festa, se tornou um momento de tristeza e luto para a família. Patrick foi morto por um tiro de fuzil disparado pela polícia, durante operação no Complexo do Lins, na quinta-feira.
— Toda esta gente que está aqui hoje iria jogar uma dúzia de ovos na cabeça do meu filho, para comemorar o aniversário dele. Em vez disso, meu filho está recebendo é uma pá de cal — desabafou Daniel Pinheiro de Queiroz, de 48 anos, pai de Patrick: — Revolta eu já não tenho mais. Vou entregar na mão de Deus e procurar os nossos direitos.
Parentes e amigos cantam ‘Parabéns para você’ antes do sepultamento
Parentes e amigos cantam ‘Parabéns para você’ antes do sepultamento Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo
Uma vizinha, que não quis se identuificar, contou que moradores do Morro da Cachoeira Grande, onde Patrick foi morto, preparavam uma festa surpresa para ele:
— Iríamos comprar bolo, guaraná... Essas coisas de criança.
Momentos antes de cantarem “Parabéns para você”, o pai pediu que o caixão fosse aberto novamente para olhar para o rosto do filho pela última vez. Amigos e parentes aproveitaram para jogar rosas sobre o corpo, enquanto rezavam e cantavam músicas religiosas.
— Agora nós esperamos que a justiça seja feita — disse Scarlete Ferreira de Queiroz, de 20 anos, irmã de Patrick.
O velório de Patrick
O velório de Patrick Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo
Segundo nota divulgada pela Coordenadoria de Polícia Pacificadora no dia da morte de Patrick, ele estava com uma pistola, uma mochila com drogas e um rádio transmissor no momento em que foi baleado durante uma troca de tiros. A família contesta a versão.
Policiais da 26ª DP (Todos os Santos) investigam as circunstâncias da morte de Patrick.


Concessão de seguro-desemprego pode cair 26,5% com novas regras


Agência Brasil

As novas regras para acesso ao seguro-desemprego devem reduzir em 26,5% o número de benefícios concedidos, segundo estimativa divulgada hoje (16) pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), com base nos números de 2014.
No ano passado, 8,5 milhões de pessoas entraram com pedidos de seguro-desemprego no Brasil. Se as regras atuais já estivessem valendo, cerca de 2,2 milhões dos pedidos teriam sido negados. Em comunicado do MTE, o ministro Manoel Dias esclarece que a redução no acesso ao seguro visa a “defender um patrimônio do trabalhador, que é o FAT [Fundo de Amparo ao Trabalhador]”. O fundo é formado por contribuições dos trabalhadores e empregadores e do governo e serve para arcar com esse benefício.
As novas regras, impostas pela Medida Provisória (MP) 665/2014 estabelecem que, para ter direito ao seguro pela primeira vez, o trabalhador tem que ter recebido 18 salários ou mais nos últimos 24 meses. Para obter o beneficio pela segunda vez, ele tem que ter recebido pelo menos 12 salários nos últimos 16 meses. Na terceira vez, é necessário que tenha tido seis salários nos meses imediatamente anteriores à dispensa. Antes, o trabalhador tinha apenas que ter recebido seis salários nos últimos 36 meses, independentemente de quantas vezes já tivesse requisitado o benefício.
De acordo com os dados do Ministério do Trabalho, cerca de 50% das pessoas que receberam o seguro-desemprego pela primeira vez no ano passado atenderiam às novas regras e cerca de 1,5 milhão teriam o pedido negado. Entre os que receberam pela segunda vez, 66% também receberiam, se fizessem o pedido agora e aproximadamente 670 mil não teriam direito ao benefício. Pela terceira vez, não há mudança nos dados, porque as regras permaneceram iguais.
As novas regras para acesso ao seguro-desemprego começam a valer em março. Com a retomada dos trabalhos legislativos no Congresso Nacional em 1º de fevereiro, os parlamentares começarão a analisar o texto da medida e podem propor mudanças ou mesmo recusar a proposta do Executivo, fazendo voltar as regras antigas. A Câmara dos Deputados e o Senado terão 60 dias, prorrogáveis por mais 60, para analisar a MP e votar o texto.

Homem com colete de clube de motociclistas é encontrado morto com pés e mãos amarradas


Por Elizangela Jubanski e Juliano Cunha

motoclube
Homem estava com jaqueta de um grupo de motociclistas. Foto: JC/Banda B
Um homem que estava com um colete de um clube de motociclistas do município de Pinhais foi encontrado morto no bairro Ferraria, em Campo Largo, região metropolitana de Curitiba. Eduardo Muniz, 34 anos, tinha ferimentos por arma de fogo e ainda restirada quando a equipe de socorristas chegou no local.
O crime aconteceu na rua Pascoal Carignano no fim da madrugada. Muniz estava com roupa de motociclista, olhos vendados, mãos e pés amarrados e caído às margens da rua. Não há confirmação de o homem fazia parte desse clube de motociclistas.
O soldado Hames disse à Banda B que a vítima possivelmente foi morta no local por causa da quantidade de sangue. “Os moradores escutaram os disparos e ligaram para a Polícia Militar (PM). Quando os socorristas chegaram ele ainda respirava, mas já estava agonizando”, descreveu. O homem foi morto com dois tiros: braço e dorso.
O corpo de Muniz foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba e a delegacia do município investiga o crime.
Curitiba
Já em Curitiba, no bairro Parolin, Paulo Rogério Guimarães, 36 anos, foi morto a facadas possivelmente durante uma briga. O crime aconteceu na rua Pernambuco e não há motivação, nem suspeito do assassinato. A perita criminalística que esteve no local, Jussara Joeckel, afirmou que a vítima foi morta com um facão ou um objeto grande por causa da profundidade dos cortes.
No bairro Sítio Cercado, na rua José Irineu Budant, Elton Cordeiro, 30 anos, também foi morto a facadas e encontrado pela mãe no início da manhnã de hoje. O rapaz teria saído de casa há algum tempo para morar em um barracão, próximo da mãe. Ela disse que o filho usava entorpecente e o encontrou morto ao levar café para ele, por volta das 8h.
Os corpos foram recolhidos ao IML de Curitiba e a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga os dois casos.

Tarado tenta arrastar garota para dentro de matagal no Parque Barigui e é morto pela Guarda Municipal


Por Elizangela Jubanski e Juliano Cunha

parque-barigui
Suspeito ainda não está identificado e foi morto com um tiro. Foto: JC/Banda B

Um homem foi morto com um tiro no início da tarde dese sábado (17) pela Guarda Municipal (GM) no Parque Barigui, em Curitiba. A identidade do homem ainda não foi confirmada e as primeiras informações é que o suspeito teria arrastado uma garota para dentro de um matagal. Ela estava ao lado do namorado, que conseguiu puxá-la e correr até a base da GM.
O casal passeava de mãos dadas pelo Parque Barigui quando foi abordado por um homem armado. Ele deu voz de assalto, no entanto, logo depois disse ao namorado que levaria apenas a moça, usando termos pejorativos, de acordo com a GM. O suspeito tentou arrastar a garota, que conseguiu se desvencilhar com a ajuda do namorado.
O guarda municipal que participou da ação contou à Banda B que o casal chegou bastante nervoso, pediu ajuda e indicou o local onde o suspeito estava. “Fomos atrás dele, que entrou por trás das churrasqueiras centrais. A perseguição começou, ele atirou contra nossa equipe, que revidou. Mesmo ferido, ele continuou correndo. Depois de um tempo já encontramos esse homem morto”, descreveu o guarda municipal Fernando.
Alguns frequentadores estavam no local, se assustaram com a perseguição, mas ninguém ficou ferido. O corpo do suspeito está dentro da trilha central, a cerca de 20 metros da estrada principal, e será encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba. A identificação do suspeito será feito por meio exames complementares e peritos papiloscopistas.
.

Médica é morta a facadas em apartamento em Mogi das Cruzes


Marido é o principal suspeito pelo crime; ele tentou se matar em seguida.
Crime foi em um residencial no distrito de César de Sousa.

Douglas PiresDo G1 Mogi das Cruzes e Suzano
Médica foi morta a facadas em Mogi das Cruzes (Foto: Divulgação/Facebook)Médica foi morta a facadas em Mogi das Cruzes
(Foto: Reprodução/Facebook)
Uma médica de 43 anos foi morta a facadas dentro de um apartamento em um condomínio no distrito de César de Sousa, em Mogi das Cruzes (SP) neste sábado (17). Segundo a policia, o marido, um estudante de educação física de origem portuguesa, é o principal suspeito de ter assassinado a esposa Adriana Angélica Marques. Ele ainda tentou se matar causando ferimentos no próprio corpo com a faca. De acordo com a polícia, o suspeito foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e passa por cirurgia.
Segundo a polícia, por volta das 9h o casal começou a discutir dentro do apartamento. Conforme a polícia apurou, marido e mulher estavam passando por uma crise conjugal. "Soubemos que a médica estava pedindo a separação e o marido não aceitava", explicou o tenente do 17º Batalhão da PM, Carlos Eduardo Ramalho.
Nesso momento, ainda segundo a PM, o suspeito pegou uma faca e passou a atacar a esposa. "Após a discussão, ele [suspeito] começou a agredir a mulher com uma arma branca [faca]. O síndico do condomínio fez contato com a gente [PM]", detalhou o tenente. A médica não resistiu aos ferimentos e morreu.
No local, o suspeito foi contido pela PM e os bombeiros. "Ele começou a se ferir com a faca e nós conseguimos detê-lo", explica o policial. O estudante de educação física que possui a mesma idade da esposa foi levado para o Hospital Luzia de Pinho Melo. "Ele passou por cirurgia e já recebeu voz de prisão. Está sendo escoltado no hospital e quando tiver alta segue para o CDP", finaliza.

Condenado por tráfico na Indonésia, brasileiro Marco Archer foi executado as 15.31 h horário de Brasilia


Instrutor de voo livre foi morto por pelotão de fuzilamento em prisão.
No país asiático, tráfico de drogas tem pena capital.

Do G1, em São Paulo
Marco dentro da cadeia na Indonésia (Foto: Rogério Paez / Arquivo pessoal)Marco Archer dentro da cadeia na Indonésia (Foto: Rogério Paez / Arquivo pessoal)
O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, foi executado na madrugada deste domingo (18) na Indonésia– 15h31 deste sábado (17), pelo horário de Brasília. O método de execução de condenados à pena de morte no país é o fuzilamento.
O instrutor de voo livre havia sido preso em 2004, ao tentar entrar na Indonésia com 13 quilos de cocaína escondidos nos tubos de uma asa delta. A droga foi descoberta pelo raio-x, no Aeroporto Internacional de Jacarta. Archer conseguiu fugir do aeroporto, mas duas semanas depois acabou preso novamente. A Indonésia pune o tráfico de drogas com pena de morte.
A presidente Dilma Rousseff divulgou nota em que disse estar “consternada e indignada”com a execução do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira na Indonésia. O embaixador do Brasil em Jacarta, segundo a nota, será chamado para consultas.
Além do brasileiro, foram executados na ilha de Nusakambangan, Ang Kiem Soe, um cidadão holandês; Namaona Denis, um residente do Malawi; Daniel Enemuo, nigeriano, e uma cidadã indonésia, Rani Andriani. Outra vietnamita, Tran Thi Bich Hanh, foi executada em Boyolali, na Ilha de Java.
Na linguagem diplomática, chamar um embaixador para consultas representa uma espécie de agravo ao país no qual está o embaixador. Na sexta-feira, a presidente Dilma fez um apelo por telefone ao governante da Indonésia, Joko Widodo, para poupar a vida de Archer, mas não foi atendida. Widodo respondeu que não poderia reverter a sentença de morte imposta a Archer, “pois todos os trâmites jurídicos foram seguidos conforme a lei indonésia e aos brasileiros foi garantido o devido processo legal”, segundo nota da Presidência.
Antes da execução, em entrevista à GloboNews, o ex-cônsul do Brasil em Bali Renato Vianna explicou que Archer e os demais condenados à morte seriam transferidos para um lugar próximo à penitenciária e depois fuzilados por 12 atiradores.
Questionado sobre outros brasileiros anteriormente condenados pelo mesmo motivo na Indonésia e que conseguiram se livrar da pena de morte, Vianna destacou que, no período, as penas não eram tão rígidas com relação às drogas. Explicou ainda que a legislação foi mudada há uns 15 anos.
 
Marco Archer Cardoso Moreira em vídeo obtido pelo cineasta Marcos Prado, que prepara documentário sobre o controlador de voo (Foto: Reprodução/TV Globo)Marco Archer em vídeo obtido pelo cineasta Marcos
Prado (Foto: Reprodução/TV Globo)
"A Indonésia é um país tranquilo, bem aberto, mas eles são muito restritos com relação às drogas. Se a pessoa for pega com um cigarro de maconha, ela vai ser presa e está arriscada a passar até oito anos na cadeia", afirmou. Ele acrescentou que há 138 pessoas para serem executadas – metade são estrangeiras.
As leis da Indonésia contra crimes relacionados a drogas estão entre as mais rígidas do mundo e contam com o apoio da população. "Com isso [as execuções], mandamos uma mensagem clara para os membros dos cartéis do narcotráfico. Não há clemência para os traficantes", relatou à imprensa local Muhammad Prasetyo, procurador-geral da Indonésia.

Além de Marco Archer, outro brasileiro aguarda no corredor da morte da Indonésia, o paranaense Rodrigo Muxfeldt Gularte, também por tráfico de cocaína.

Economia brasileira perdeu 4 anos com Dilma


unnamed
O primeiro mandato de Dilma Rousseff representou quatro anos perdidos para o Brasil na economia, afirma a Carta de Formulação e Mobilização Política desta sexta-feira (16). Em cinco dos 11 primeiros meses de 2014, a economia brasileira encolheu, segundo a metodologia do Banco Central. O BC divulgou ontem o índice de atividade econômica de novembro, com alta de 0,04% em relação a outubro. Os índices de 2014 só serão divulgados em março, mas a previsão não é animadora, de acordo com o Instituto Teotônio Vilela (ITV). Leia a íntegra:
A economia brasileira pode ter fechado 2014 andando de lado, sem crescer ou, na pior das hipóteses, em retração. Os números oficiais do IBGE só serão conhecidos no princípio de março, mas os indicadores antecedentes são desanimadores.
Ontem, o Banco Central divulgou o índice de atividade econômica de novembro, com leve alta de 0,04% em relação a outubro. O resultado veio melhor que o previsto por analistas de mercado, mas não impediu que, no ano, o PIB exiba queda acumulada de 0,12%.
Em cinco dos 11 primeiros meses de 2014, a economia brasileira encolheu, segundo a metodologia do BC. O desempenho coroa um quadriênio de crescimento medíocre protagonizado pela presidente Dilma Rousseff em seu primeiro mandato.
Durante muito tempo, o discurso petista culpou o exterior pelo fracasso. Uma suposta recessão internacional seria responsável por arrastar o Brasil para o fundo do poço. Mas é cada vez mais evidente que quem tragou o país para o buraco sem fundo foi mesmo o governo do PT.
Tanto nos anos Dilma, quando na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva, o Brasil figura nas últimas posições dos rankings de crescimento regional. Em ambos os casos, perdemos para todos os países da América do Sul em termos de expansão do PIB registrada desde o início da era petista, em 2003.
No governo Dilma, perdemos também para todas as economias da América Latina desde 2011 e figuramos em 128° lugar na comparação com todas as nações do mundo cujas estatísticas são compiladas pelo FMI.
Foram várias as promessas frustradas feitas pela presidente. No início de seu governo, ela chancelou previsões de que o PIB brasileiro cresceria em média 5% ao ano, oficializadas pelo ministro Guido Mantega. Depois, já com o anêmico resultado de 2012 (1%) conhecido, previu um “pibão” no ano seguinte. Nada feito.
Na melhor das hipóteses, Dilma terá conseguido alcançar média de 1,6% anual ao longo dos quatro primeiros anos de sua gestão. Em toda a história republicana brasileira, só Floriano Peixoto e Fernando Collor de Mello foram piores que ela.
A perspectiva para este ano é sombria. Com o ajuste recessivo que vem sendo imposto à economia pela equipe do novo governo, a previsão é de alta fraca do PIB até dezembro. Há quem aposte numa retração – que pode ser a primeira desde 2009, se 2014 fechar no azul.
Em termos econômicos, o primeiro mandato de Dilma Rousseff foram quatro anos perdidos para o Brasil. É muito tempo desperdiçado para um país ainda tão carente, com dezenas de milhões de pessoas ainda vivendo em condições indignas. A presidente deve responder por este fiasco.

Um paranaense no corredor da morte na Indonésia


unnamed
O paranaense, de Foz do Iguaçu, Rodrigo Muxfeldt Gularte, 41, foi preso no aeroporto de Jacarta em julho de 2004, flagrado com 6 quilos de cocaína escondidos em pranchas de surf. Ele está condenado a morte, na Indonésia, mas sua execução ainda não tem data prevista para ocorrer.
Relatos ainda não confirmados oficialmente dão conta de que Gularte teve seu segundo pedido de clemência negado pelo presidente da Indonésia, Joko Widodo. Na prática, isso significa que não há mais impedimentos legais para a execução do paranaense. Ele receberá a visita de uma prima neste fim semana. Ela leva um laudo médico que atesta um quadro de esquizofrenia em Gularte, numa tentativa de amenizar a pena.
Segundo Cleverson Marinho Teixeira, presidente do Instituto Não Violência, o laudo foi patrocinado pela Embaixada Brasileira na Indonésia.
“Ele tem um quadro de esquizofrenia diagnosticado por médicos que o examinaram no ano passado e precisa ser internado em um hospital psiquiátrico. Penso que isso evitará, pelo menos momentaneamente, uma execução”, afirmou o advogado.
Angelita, a prima de Gularte, já teria chegado a Tóquio. Da capital japonesa, ela pegaria outro voo para Jacarta. A expectativa é de que ela desembarque na capital da Indonésia na tarde de sábado, pelo horário de Brasília.
Segundo apurou a reportagem, a família de Gularte está reclusa desde a confirmação que o governo indonésio executará no próximo domingo (15 horas de sábado, pelo horário de Brasília) o outro brasileiro preso no país. O carioca Marco Archer Cardoso Moreira, 53, também foi condenado a morte após ser flagrado entrando no país do sudoeste asiático com cocaína.
Neste momento, Clarisse Muxfeldt Gularte, a mãe do paranaense, estaria com parentes mais próximos em uma casa de praia da família. Ela aguarda a confirmação da execução de Archer e novas notícias trazidas por Angelita.

Andressa Urach vendeu suas fotos no hospital por R$ 5 mil, diz jornal


Modelo teria contratado fotógrafo profissional para fazer seus registros internada (Grosby Group)
Apesar de não querer comentar sobre o assunto, teria sido a própria Andressa Urach, 27, quevendeu as suas imagens internada em um hospital para uma agência de fotos.
Segundo informações do colunista Leo Dias, do jornal “O Dia”, os fortes registros da loira em uma cama e cheia de marcas nas pernas foram negociados pela própria modelo no valor de R$ 5 mil.
Além disso, a repórter da Rede TV! teria chamado um fotógrafo profissional para fazer as fotos do estrago ocasionado em seu corpo por aplicações indevidas de hidrogel nas pernas.
Os boatos de quem teria feito e vendido as fotos de Andressa no hospital já circulam há algum tempo.Carlos Urach, pai da famosa, negou que foram os familiares os responsáveis por isso tudo. "Tenho certeza que da minha família não foi porque são pessoas que não são desse nível de se aproveitar de uma pessoa que está doente para ganhar dinheiro. Eles nunca fariam algo assim,boto a mão por todos os Urach do Brasil que não fariam isso. Se ela fez essas fotos para mandar para familiares eu não sei porque pelo menos para mim e para os irmãos dela ela não mandou. Acho que ninguém tem que se meter em até onde a fama dela vai chegar, isso é assunto dela, nem eu como pai e nem ninguém. Simplesmente a amo acima de tudo”, disse ele ao site “Ego”.

Por meio da sua assessoria, Andressa recentemente falou sobre o assunto com o veículo. “Este assunto deixa a mim e minha família tristes, temos sempre que pensar antes de julgar o próximo.Prefiro ter certeza. Estou totalmente focada na minha recuperação, não é o momento de me preocupar com isso. Se as fotos ajudaram a outras pessoas a pensarem nos riscos de saúde sobre qualquer procedimento estético, que tudo isso tenha valido a pena”, falou a modelo que segue emtratamento médico para combater uma nova infecção que surgiu em seu corpo.

Seis morrem e seis ficam feridos em atropelamento e motorista foge


Motorista perdeu o controle do carro, atropelou, e fugiu sem prestar socorro.
Vítimas têm idades entre 11 e 57 anos.

Do G1 Vales de Minas Gerais
Carro bateu em uma árvore, depois de atropelar as vítimas.  (Foto: reprodução\InterTV dos Vales)Carro bateu em uma árvore depois de atropelar as vítimas. (Foto: reprodução\InterTV dos Vales)
Seis pessoas morreram atropeladas na noite dessa sexta-feira (16) em Belo Oriente, no Leste deMinas Gerais. Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal, o motorista perdeu o controle do veículo em uma curva no KM 63 da LMG-758 e atropelou nove pessoas, que estavam sentadas em um banco, na frente de uma casa. Dentro do veículo havia outras três pessoas, que também ficaram feridas. O motorista ainda bateu e uma árvore e fugiu sem prestar socorro.
Ainda segundo a PRF, as vítimas fatais são quatro mulheres de 40, 46, 62, 65 anos, um homem de 33, e uma adolescente de 16 anos. Com o impacto, alguns feridos foram arremessados a 15 metros de distância.
A polícia informou também que as outras seis pessoas feridas foram encaminhadas em estado grave para o Hospital Márcio Cunha, em Ipatinga. Os feridos são duas mulheres de 48 e 18 anos, um homem de 57 e três menores de 11, 12 e 16 anos.
O tráfego de veículos na rodovia que liga Belo Oriente a Açucena foi interditado por quase duas horas, e a pista só foi liberada por volta de uma da manhã deste sábado (17). Os corpos das vítimas foram levados para o Instituto Médico Legal de Ipatinga.
O motorista ainda não foi localizado, e o hospital não soube informar quais feridos estavam dentro do veículo e quais estavam sentados no banco.

Amigo relembra prisão com brasileiro condenado à morte na Indonésia


'Vai aliviar uma dor dele', diz Rogério Paez sobre execução.
Surfista ficou oito anos preso por porte de 3,8 gramas de haxixe.

Janaína CarvalhoDo G1 Rio
Rogério Paez três anos e dois meses após sair da cadeia na Indonésia. (Foto: Janaína Carvalho / G1)Rogério Paez três anos e dois meses após sair da cadeia (Foto: Janaína Carvalho/G1)
Sem dormir direito há três dias e com a voz embargada, o fluminense Rogério Paez acredita que a execução da pena de morte será uma forma de aliviar a dor de Marco Archer Cardoso, brasileiro preso na Indonésia e cujo fuzilamento está previsto para este domingo (18). O surfista e empresário, que atualmente vive em Niterói, contou ao G1 nesta sexta-feira (16) que o instrutor de voo, de quem ficou amigo quando ficaram presos juntos na Indonésia entre 2006 e 2011, chegou a pedir para ser morto antes, tamanho o desespero de esperar sua sentença.
“Se acontecer o que estão falando que vai acontecer, vai ser uma coisa muito triste, muito dolorosa, mas eu tenho certeza que vai aliviar uma dor dele. Esse processo vai dia após dia minando a sua autoestima, você acaba comendo qualquer porcaria, acaba vestindo qualquer coisa”, declarou Paez.
Archer foi preso ao tentar entrar na Indonésia em 2004 com 13 quilos de cocaína escondidos nos tubos de uma asa delta. A droga foi descoberta pelo raio-X, no Aeroporto Internacional de Jacarta. O brasileiro conseguiu fugir do aeroporto, mas foi preso duas semanas depois. O país pune com pena de morte o tráfico de drogas.
Marco dentro da cadeia na Indonésia (Foto: Rogério Paez / Arquivo pessoal)Marco dentro da cadeia na Indonésia, em foto tirada por Rogério Paez (Foto: Arquivo pessoal)
Paez foi preso com um cigarro de haxixe de 3,8 gramas e ficou oito anos em presídios no país, cinco deles com Archer. Os dois já se conheciam do Brasil, mas foi na cadeia que se aproximaram. Como não foi condenado à pena de morte, pouco antes de ganhar liberdade, em novembro de 2011, ele lembra que o amigo chegou a ter um momento de desespero.
“Ele virou para o diretor do presídio e disse: ‘Posso pedir um favor ao senhor? Já tive dois pedidos de clemência negados, eu sei que vou morrer mesmo, então me mata logo’"
Rogério Paez
“Ele virou para o diretor do presídio e disse: ‘Posso pedir um favor ao senhor? Já tive dois pedidos de clemência negados, eu sei que vou morrer mesmo, então me mata logo’. O diretor olhou para ele, rindo, e falou: ‘Marco, adoraria te matar amanhã, mas o homem lá de cima (o presidente) ainda não assinou. Espera mais um pouquinho’”.

Ajuda do budismo 
Segundo Rogério, o budismo foi fundamental para a sua sobrevivência na cadeia. “Por mais que estivesse preso, estava em contagem regressiva para sair. Se eu estivesse condenado à pena de morte acho que estaria muito pior que os dois juntos. O Marco buscou na droga a fuga daquele inferno e o Rodrigo surtou”, afirmou Rogério, referindo-se também a Rodrigo Gularte, outro brasileiro condenado à morte que aguarda o julgamento do pedido de clemência por tráfico de drogas.
Marco durante um dos momentos descontraídos na cadeia, quando fingia ser mulher.  (Foto: Rogério Paez / Arquivo pessoal)Marco durante um dos momentos descontraídos
na cadeia. (Foto: Rogério Paez / Arquivo pessoal)
Apesar de saber que só sairia da prisão para ser executado, Marco era considerado um sujeito bem-humorado e responsável por alguns momentos de diversão para os presos. “O Marco é um showman. Ele faz graça, faz o prisioneiro que tem vontade de matar todo mundo rir. Ele é uma pessoa incrível”, lembra.

Rogério foi solto no dia 9 de novembro de 2011 e, apesar da felicidade, garante que deixou a prisão chorando. “Ele [Marco] ficava usando aquele negócio lá, a tal da metanfetamina, que é a praga das prisões, e ficava falando a noite toda, contando piada, ficava nu, pegava comida dos outros. No final, ele virou um personagem da prisão. Na hora da contagem todo mundo perguntava: ‘Cadê o Marco?' 'Simples, conta um a menos. Ele tá em alguma cela’.”
Risco assumido
Rogério morava havia dois anos em Bali, na Indonésia, quando foi preso. Segundo ele, o mais difícil no começo foi aceitar o fato de ter sido preso e saber qual seria a sua sentença. “Fui preso com 3,8 gramas de haxixe, sabia que poderia dar muito errado e realmente deu. Fui roubado pelo advogado e fiquei oito anos no presídio (...) A maior dor, que não dá para descrever, era pensar na minha família, principalmente na minha mãe, na dor que ela vivia.”
Rogério diz que se manteve de pé na cadeia graças ao budismo (Foto: Arquivo pessoal)Rogério diz que se manteve de pé na cadeia
graças ao budismo (Foto: Arquivo pessoal)
Segundo ele, na cadeia apenas os presos que não têm boa condição financeira passam necessidade e não se alimentam direito. “Os indonésios recebem muito mal, os guardas são muito mal remunerados, não têm como resistir ao suborno”, diz, lembrando regalias. "Se você pagar consegue ter telefone, xampu, DVD e outras coisas consideradas de luxo dentro da cadeia. Lá a gente tem antena de TV a cabo, televisão, DVD. Os mafiosos lá têm coisas que você nem acredita, tem computador, tem tudo."

Após uma tentativa de fuga frustrada e uma briga com um guarda que desrespeitou sua namorada após uma visita, Rogério foi levado para um presídio de segurança máxima com cerca de 3,5 mil presos, entre indonésios e estrangeiros, a maioria presa por tráfico e até mafiosos. “Foi lá que eu conheci a máfia chinesa, a máfia nigeriana, um monte de assassinos, viciados de tudo quanto é jeito. Foi lá que eu vi o que é a escória da sociedade”, lembra.
De acordo com Paez, apesar da pena de morte para traficantes de drogas na Indonésia, outros crimes muito graves têm penas mais brandas. “Lá tinham dois irmãos que foram presos por matar um idoso de 65 anos. Eles chutaram o homem até a morte. Um foi condenado a três anos e o outro a dois anos de prisão. Depois soube que um teve pena maior porque foi o que deu o primeiro chute”, conta o brasileiro.