Parlamentares custarão mais de R$ 1 bilhão em 2015


camara - senado
Os congressistas brasileiros vão custar, no mínimo, R$ 1 bilhão aos cofres públicos por ano a partir 2015. O valor considera uma média dos salários e dos principais benefícios pagos a deputados e senadores, como a contratação de assessores e o combustível pago a todos.
Além destes, alguns repasses não têm valores divulgados ou são difíceis de calcular, como despesas médicas, cota gráfica e manutenção dos apartamentos funcionais. O que significa que o número final dos custos que os políticos geram é ainda maior. As informações são do R7.
São 513 deputados e 81 senadores que receberão R$ 33,7 mil por mês em salários durante o ano todo. Além disso, todos recebem um auxílio moradia no valor de R$ 3.800. Na Câmara, os deputados têm direito a uma cota para atividade parlamentar que varia entre R$ 27,9 mil e R$ 41,6 mil, de acordo com seu Estado de origem, mais uma verba de gabinete de R$ 78 mil.
Somando tudo isso e utilizando sempre os valores mais baixos, um deputado custa por mês R$ 143,4 mil. Por ano, esse valor é de R$ 1.720.800. Todos os 513 vão custar, portanto, 882.770.400.
Já no Senado o “cotão” varia entre R$ 21 mil e R$ 44 mil. Cada senador pode contratar até 55 funcionários para seus gabinetes, com verba de gabinete média de R$ 80 mil. Além disso, todos têm direito a gastos ilimitados com celulares, que não estão incluídos no “cotão” e a um veículo oficial, alugado pelo Senado, e com o combustível pago.
Somando o que é possível somar, constata-se: Um senador custa por mês R$ 138,5 mil. Por ano, esse valor é de R$ 1.662.000. Todos os 81 custam, portanto, R$ 134.622.000. Juntando os valores das duas Casas, chegamos à conclusão que os parlamentares custam anualmente R$ 1.017.392.400. No mínimo.

Em nota, Governo diz que vai lutar pela integração do transporte na RMC


onibus - ur3
Em nota divulgada pela Agência Estadual de Notícias, o Governo do Paraná esclarece alguns pontos em relação ao valor do subsídio repassado à prefeitura de Curitiba para manter a integração do transporte coletivo na região metropolitana da capital. “O Governo do Estado vai lutar para manter a integração do sistema de transporte coletivo da RMC, uma conquista social da população de Curitiba e da Região Metropolitana. Se necessário for, o Estado recorrerá à Justiça para que a população de Curitiba e da Região Metropolitana não seja prejudicada por decisões unilaterais da URBS”, diz a nota.
“Os dados apontados pela pesquisa da Fipe indicam que a URBS vem utilizando na gestão da RIT parte dos recursos arrecadados na Região Metropolitana para custear o transporte coletivo urbano de Curitiba. Enquanto a URBS estima que o número de passageiros oriundos da Região Metropolitana representa 21,7% do total de usuários da RIT, a pesquisa da Fipe constatou que esse número chega, na verdade, a 31,2%, ou seja, é cerca de 50% maior do que a URBS alega”, diz outro trecho da nota.
“Além disso, a própria planilha da URBS demonstra que a RIT tem um custo operacional 15% menor nas linhas metropolitanas, em comparação com as linhas urbanas de Curitiba. A discrepância entre o que a URBS utiliza e o que a pesquisa da Fipe constata produz evidente evasão de recursos da Região Metropolitana para o caixa da URBS, o que configura apropriação indébita de receita.
Leia a seguir a nota na íntegra.
NOTA DE ESCLARECIMENTO
Em relação à nota divulgada pela Prefeitura de Curitiba sobre o indicativo de greve do transporte coletivo, o Governo do Estado esclarece:
1 – Desde novembro de 2014, o Estado tem procurado a Prefeitura de Curitiba para negociar a readequação e renovação do convênio que permite à URBS a gestão do transporte coletivo metropolitano integrado (RIT).
2 – A pesquisa de origem e destino de passageiros da RIT, feita pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), da Universidade de São Paulo (USP), mostrou uma discrepância no número de passageiros da Região Metropolitana de Curitiba em relação aos dados apresentados pela URBS, e que subsidiaram o convênio encerrado em 31 de dezembro de 2014.
3 – Os dados apontados pela pesquisa da Fipe indicam que a URBS vem utilizando na gestão da RIT parte dos recursos arrecadados na Região Metropolitana para custear o transporte coletivo urbano de Curitiba.
4 – Enquanto a URBS estima que o número de passageiros oriundos da Região Metropolitana representa 21,7% do total de usuários da RIT, a pesquisa da Fipe constatou que esse número chega, na verdade, a 31,2%, ou seja, é cerca de 50% maior do que a URBS alega.
5 – Além disso, a própria planilha da URBS demonstra que a RIT tem um custo operacional 15% menor nas linhas metropolitanas, em comparação com as linhas urbanas de Curitiba.
6 – A discrepância entre o que a URBS utiliza e o que a pesquisa da Fipe constata produz evidente evasão de recursos da Região Metropolitana para o caixa da URBS, o que configura apropriação indébita de receita.
7 – Independente da renovação do convênio operacional com a URBS, o Governo do Estado mantém ainda a isenção de ICMS sobre o óleo diesel utilizado na RIT, o que significa um subsídio de cerca de R$ 24 milhões por ano. Além disso, em 2014 o Governo do Estado repassou outros R$ 65 milhões em subsídio direto para a URBS.
8 – Enquanto o Estado desonerou o ICMS sobre o óleo diesel, a URBS continua cobrando 4% de taxa de administração e a Prefeitura de Curitiba, 2% de ISS sobre a tarifa técnica.
9 – O Governo do Estado vai lutar para manter a integração do sistema de transporte coletivo da RMC, uma conquista social da população de Curitiba e da Região Metropolitana.
10 – Se necessário for, o Estado recorrerá à Justiça para que a população de Curitiba e da Região Metropolitana não seja prejudicada por decisões unilaterais da URBS.
Curitiba, 23 de janeiro de 2015
Governo do Estado do Paraná

TRT determina frota mínima e apresentação de plano para fim ‘da guerra’ no transporte coletivo


Por Marina Sequinel e Bruno Henrique


Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR) determinou nesta segunda-feira (25) que o Governo do estado (por meio da Coordenação da Região Metropolitana – Comec), as empresas e a Urbanização de Curitiba (Urbs) quitem o valor do ‘vale’, o adiantamento salarial dos motoristas e cobradores, até as 14h30 de amanhã. Grande parte das empresas pagou menos do que os 40% esperado por motoristas e cobradores na última quarta-feira (21). Ao mesmo tempo, os trabalhadores devem garantir a circulação da frota mínima de 70% dos veículos em horários de pico (entre 5h e 9h e entre 17h e 21h) e 50% em horários normais a partir das 0h desta terça – sob pena de multa em caso de descumprimento. O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) prometeu cumprir a determinação.
Apesar da frota mínima, o estado de greve continua. Uma nova audiência de conciliação vai acontecer amanhã às 14h30, em que o URBS e Comec devem trazer uma nova proposta para os recorrentes atrasos na salário e também o fim da assistência de saúde para motoristas e cobradores. Após essa reunião, o estado de greve poderá ser mantido ou não. Antes disso, o vale cair na conta dos trabalhadores também deve definir os rumos que a audiência irá tomar.
“Para mim, nada foi resolvido de forma concreta, ficou tudo na mesma”, afirmou um dos trabalhadores que acompanhou a audiência pelo lado de fora do prédio do TRT. Ele preferiu não se identificar.
Audiência
Durante a audiência, o desembargador Luiz Eduardo Gunther chegou a questionar o presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira, sobre o não cumprimento da frota já no primeiro dia e o sindicalista garantiu que não havia recebido a decisão até o período da tarde. O sindicato das empresas, Setransp, também afirmou que o retorno não seria imediato devido a falta de trabalhadores nas garagens.
A Urbs e a Comec chegaram várias vezes a citar a dívida do subsídio e divergir de valores. Enquanto a Urbs afirma que a dívida é de quase R$ 16,5 milhões, a Comec garante que a dívida é de R$ 15,8 milhões. O advogado do órgão atrelado ao Governo do Estado, Raul Siqueira, garantiu Casa Civil e Secretaria da Fazenda farão uma reunião para definir forma de pagamento da dívida, com a possibilidade de parcelar a dívida em 7 vezes.
Paralisação
Nenhum ônibus saiu das garagens na madrugada desta segunda-feira. Com a deflagração da greve, a partir da zero hora, a porta das garagens foi bloqueada pelo Sindimoc, que impediu até mesmo a saída dos madrugueiros. A greve foi decidida pelo não pagamento do adiantamento salarial previsto em contrato, o chamado “vale”.
Estima-se que mais de duas milhões de pessoas tenham sido prejudicadas no primeiro dia de paralisação. A Urbs chegou a abrir o cadastramento de veículos particulares para oferta de transporte alternativo. O preço autorizado é de R$ 6,00 por passageiro. A medida deve seguir na terça-feira.

Motociclista morre na hora após bater contra caminhão parado em Curitiba


Por Felipe Ribeiro e Juliano Cunha
pinheirinhodentro
Motociclista bateu contra caminhão parado (Foto: Colaboração)

Um motoqueiro de 23 anos morreu no começo da tarde desta segunda-feira (26) após bater contra a traseira de um caminhão na Rua Benedito Costa Coelho, no bairro Pinheirinho, em Curitiba.
De acordo com testemunhas, a vítima subia a pista em alta velocidade e o caminhão realizava um serviço de pintura em uma residência. O motociclista bateu forte o peito contra o parachoque e morreu na hora.
O corpo de Cláudio dos Santos foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML).

Funcionário de empresa de telefonia morre após levar choque durante manutenção


Por Marina Sequinel e Marco Piza

Um homem de 36 anos morreu após levar um choque no bairro Tatuquara, em Curitiba, na tarde desta segunda-feira (26). O caso aconteceu na Rua Delegado Doutor Bruno de Almeida.
O funcionário de uma empresa de telefonia trabalhava na manutenção de um poste quando foi atingido pela descarga elétrica. Técnicos em segurança do trabalho estiveram no local.
O nome da vítima e mais detalhes sobre a ocorrência não foram divulgados. O corpo do funcionário foi recolhido ao Instituto Médico Legal de Curitiba.

Greve de ônibus deixa Centro de Curitiba às moscas e comerciantes indignados


Por Marina Sequinel e Luiz Henrique de Oliveira

As ruas estão sem pedestres, mas lotadas de carros, devido à paralisação dos motoristas e cobradores de Curitiba e Região. (Fotos: Denise Mello)

IMG-20150126-WA0008
Lotérica vazia no Centro de Curitiba. (Foto: Denise Mello)
A greve de ônibus que atinge Curitiba e região metropolitana deixou o Centro da capital às moscas nesta segunda-feira (26). Com a falta de funcionários e de clientes, alguns comerciantes acreditam que o prejuízo será menor se fecharem as lojas até que a situação se resolva.
Um estabelecimento que vende sapatos na região, por exemplo, passou o expediente com cinco trabalhadores – de um total de 26 -, já que a maioria não conseguiu se transportar até a loja. No local, estavam apenas o gerente, três vendedores e uma funcionária da limpeza.
Em uma loja de brinquedos, três dos 15 contratados foram para o trabalho nesta segunda. “Hoje, eu calculo um prejuízo de 80% ou mais. Não tem nem o que fazer. Se a greve continuar, é melhor fechar e reabrir só semana que vem”, disse o dono do estabelecimento à Banda B, bastante indignado com a situação.
Quem passa pela área central de Curitiba, vê lotéricas, lojas de celulares e até o Instituto de Criminalística vazios. Ainda não há previsão para o término da paralisação dos motoristas e cobradores da cidade e região.

Dilma tem medo de Eduardo Cunha porque teme o impeachment


dilma medo
O “x” do problema. Dilma Rousseff, Aloizio Mercadante, Pepe Vargas e Ricardo Berzoini se reuniram na semana passada no Palácio do Planalto para tratar de um dos temas que mais afligem o governo: a eleição para a presidência da Câmara.
De acordo com relatos feitos a outros petistas, muito mais do que qualquer diferença ideológica ou antipatia pessoal, o que pesa mesmo no núcleo duro do governo contra Eduardo Cunha e a favor de Arlindo Chinaglia é o receio de que o peemedebista possa pôr em votação – ou liderar – um processo de impeachment contra Dilma.
Cunha já mandou recados de que não agirá assim. Mas o Planalto não acredita.
Por Lauro Jardim

Laudo da perícia da morte do irmão de MC Gui atesta overdose de cocaína


Nove meses depois, exames mostram que Gustavo consumiu drogas em excesso. Os pais se emocionam e dizem não saber do uso de cocaína.

A família de um astro do funk brasileiro foi surpreendida esta semana com o resultado de um laudo oficial da perícia paulista. Esse laudo, ainda inédito, mostra que Gustavo Castanheira, irmão do cantor MC Gui, morreu aos 17 anos de overdose de cocaína.
O pai, a mãe e o MC Gui deram uma entrevista exclusiva ao Fantástico. Eles fazem questão de alertar todo mundo para o perigo das drogas.
Nove meses se passaram desde a morte de Gustavo.
“Fazia tudo junto, ele viajava com a gente. Não tem como. Até hoje, são todos os dias pensando nele”, conta MC Gui, irmão de Gustavo.

“Eu daria tudo, tudo o que a gente ganhou, tudo o que eu conquistei, a carreira do Gui, tudo para ter ele aqui”, diz a mãe de Gustavo e Gui, Claudia Castanheira.

Nesses nove meses, uma pergunta tinha ficado sem resposta até hoje: O que provocou a morte de Gustavo, o irmão de 17 anos do MC Gui, um dos funkeiros mais famosos do Brasil?
Excesso de energéticos? Alguma doença que ninguém desconfiava? Esta semana, a família recebeu o laudo da perícia: Gustavo morreu de overdose de cocaína.
“Quando eu vi escrito no laudo a cocaína, eu sinceramente, entrei em choque. Não dá para acreditar, não”, conta a mãe.

Fantástico: Você sabia que ele usava drogas?
MC Gui: Eu já vi ele usando maconha. Só que eu brigava com ele e ele me obedecia. Tipo, ele jogava fora.
Fantástico: Mas você nunca viu ele usando uma droga mais pesada? Cocaína, por exemplo?
MC Gui: Não.

O laudo afirma: "Gustavo fez uso prévio de cocaína e teve morte súbita em decorrência de insuficiência respiratória aguda". Segundo o exame, ele não tinha bebido nada de álcool.

Mãe: A gente tinha uma desconfiança que havia possibilidade de ele estar envolvido mas não com esse tipo de droga.
Fantástico: E que tipo de mudanças ele teve no comportamento?
Mãe: Chegava em casa meio alterado. Tava meio agressivo nas palavras. O pai já chegou até falar para ele: "Se eu descobrir que você está usando droga, se eu pegar, Gustavo, eu vou te amarrar dentro de casa". Ele chegou a comprar uma corrente e falou que ia amarrar.

O que aconteceu com Gustavo no dia da sua morte? Como foram os últimos momentos desse adolescente, crescido na Zona Leste de São Paulo? Um jovem que, graças ao irmão mais novo, conheceu a fama, o sucesso.
Dezessete de abril do ano passado, uma quinta-feira. Foi a última vez que Giulia viu o namorado Gustavo.

Giulia Moraes: Ele começou a vomitar. A gente disse: "Nossa, Gu. Você está vomitando bastante. Ele: "É, meu, precisa marcar um médico. Vamos marcar um médico".
Fantástico: Você alguma vez percebeu que ele usava drogas?
Giulia: Ele tinha, às vezes, uns comportamentos estranhos mas tipo, de ver assim, nunca vi. Mas a gente meio que desconfiava.

Três dias depois, era domingo de Páscoa. Por volta das 17h, os pais saíram para acompanhar MC Gui em um show. Gustavo, que ajudava na produção do irmão cantor, mentiu dizendo que ia ficar com a namorada.

“Nesse dia, perguntei se ele tava com a chave de casa. Ele pôs a mão no bolso para olhar se tava, na hora que ele puxou, caiu uma trouxinha de maconha no chão. Aí, eu peguei, falei para ele: "Gustavo, você não tem jeito". Ele jurou de pé junto que não era dele. "Você está mentindo para você mesmo. Você não está mentindo pra mim", conta Rogério Alves, pai de Gustavo.

Parte dos parentes de Gustavo estava na casa deste comerciante, um amigo da família, comemorando a Páscoa. O jovem chegou no fim da noite.

“Onde ele tava, ele arrumou uma carona. Aí, ele chegou aqui com um rapaz. Deixou ele aqui. Subiu cumprimentou todo mundo”, lembra o comerciante Luiz Alberto de Brito.
Gustavo estava muito agitado quando chegou na casa do amigo, na Zona Leste de São Paulo, para participar de um jantar da família. Os parentes acreditam que ele pode ter usado drogas durante o dia.

“Falei: “Gustavo. Você tá muito louco, você bebeu, cara?"  Ele falou que "Nada, mano. Tô de boa, tô tranquilo". Eu não imaginei droga”, diz o comerciante.

MC Gui e os pais chegaram para o jantar logo depois. Gui ficou na casa do amigo. Já Gustavo foi embora com os pais.

“Pra mim, era embriaguez. Só que os olhos dele estavam diferentes”, lembra a mãe de Gustavo.
Três horas depois, por volta das 4h, ele insistia em sair de casa e voltar para o lugar onde aconteceu o jantar. Um amigo veio buscá-lo. Gustavo passou mal e acabou desmaiando.

Luiz Alberto: Ele começou a sentir enjoo. Ele falou: "Quero vomitar. Estou passando mal". Nessa que ele saiu para vomitar, ele desmaiou. Eu me desesperei. Não voltava. Ele tava querendo puxar ar”.

O amigo e a mãe levaram Gustavo ao hospital:
“Nunca imaginei enterrar meu filho tão cedo. A droga levou meu filho. Levou uma vida, um menino lindo, um menino saudável. Deus foi muito injusto comigo que não me deu a oportunidade de eu ajudar meu filho. Queria muito poder ter ajudado. Tentando, não consegui. Eu não tive esse tempo”, conta emocionada a mãe de meninos.

Na pele do irmão caçula, a prova da amizade e do carinho. O rosto de Gustavo e a música de maior sucesso, justamente a que ele mais gostava.
“Sonhar, nunca desistir, ter fé pois fácil não é nem vai ser”, resume MC Gui.

A polícia informou que a investigação continua. Agora, para saber quem foi o traficante que vendeu drogas para Gustavo.

“Todos os jovens, não faça isso que não vale a pena. Faz a gente sofrer, pai, mãe, família, irmão”, fala muito emocionado o pai do jovem.

MC Gui: Quando eu sinto saudade, eu choro, quieto. Só que eu me seguro.
Fantástico: Você vive num mundo onde a droga tá muito perto.
Mc Gui: Eu me afastei de diversas pessoas que usam drogas.
Fantástico: Que mensagem você quer deixar, Gui?
Mc Gui: Pensamento positivo e jamais se envolver com drogas. Você tem uma vida maravilhosa pela frente. Então, tem que seguir em frente com a cabeça erguida, sempre com os pés no chão.

MEC divulga lista com aprovados no Sisu; confira


Da Agência Brasil



A primeira edição de 2015 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) registrou 2.791.334 inscritos. O número é 9% superior ao da primeira edição, em 2014, quando se inscreveram 2.559.987 candidatos. O resultado foi divulgado hoje (26) na página do Sisu na internet.  CLIQUE AQUI NO SITE DO SISU
As instituições de ensino superior com maior número de inscrições foram as universidades federais do Ceará (187.563), de Minas Gerais (186.881) e Pernambuco (177.563). Os cursos mais procurados foram os de administração (312.991), direito (262.255), pedagogia (249.348) e medicina (237.267).
O curso de medicina teve a disputa por vagas mais acirrada. A relação de candidato por vaga em medicina chegou a 63,14, seguida pelo de psicologia, com 55,16 candidatos por vaga.
Os cursos mais procurados na primeira edição do Sisu em 2015 (maior relação entre candidato e vaga) foram arquitetura e urbanismo, do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP). Em seguida, o de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e engenharia Civil, também no IFSP.
Do total de inscritos, 53% têm idade entre 18 anos e 24 anos. As mulheres são maioria (57%), enquanto os homens somam 43% dos inscritos.
Do total de inscrições, 51,9% optaram pela modalidade de ampla concorrência, que ofertou 109.810 vagas, 42,7% pela lei de cotas, com 82.879 vagas, e 5,4% pela modalidade de ações afirmativas, com 12.825 vagas. A maior relação de candidato por vagas ocorreu na modalidade de cotas, com 27,99.
O secretário-executivo do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, durante entrevista coletiva nesta sobre o balanço das inscrições no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) de 2015.(Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O secretário executivo do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, durante entrevista coletiva sobre as inscrições no SisuMarcelo Camargo/Agência Brasil
“Os estudantes sabem que têm esse direito e podem fazer essa opção, então, observamos que está tendo uma procura e há cada vez mais uma qualificação e disputa acirrada”, comentou o secretário executivo do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, sobre a disputa por vagas por meio da lei de cotas e de ações afirmativas das instituições.
O Sisu oferece vagas em instituições públicas de ensino superior. Para concorrer, é preciso ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014 e não ter tirado 0 na redação.
Os candidatos selecionados devem procurar a instituição de ensino para fazer a matrícula nos dias 30 de janeiro, 2 e 3 de fevereiro. Este ano, haverá apenas uma chamada. Os candidatos que não forem selecionados poderão participar da lista de espera, também a partir de hoje, na página do Sisu. O prazo final é 6 de fevereiro.
A edição deste ano oferece 205.514 vagas em 5.631 cursos de 128 instituições públicas de educação superior.

Delação do chefão da UTC-Constran deixa Gleisi na linha de tiro


gleisi - pt
A decisão do ex-presidente da UTC-Constran, Ricardo Pessoa (que está preso em Curitiba por envolvimento no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato), de negociar um acordo de delação premiada deixou a senadora Gleisi Hoffmann (PT) mais uma vez na linha de tiro. Gleisi, que vive sobressaltada desde que foi apontada pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, e pelo doleiro Alberto Youssef, como beneficiária de R$ 1 milhão do Petrolão, vislumbra a possibilidade de ser envolvida em novas denúncias graves. Ricardo Pessoa é apontado como “coordenador” do clube dos empreiteiros que faziam negócios criminosos com a Petrobras. A UTC é uma das grandes financiadoras das campanhas da senadora.
Na campanha de 2010 a UTC de Ricardo Pessoa doou R$ 250 mil para a campanha que elegeu Glesi para o Senado. A doação, ‘por dentro’, pode sinalizar a existência de outras contribuições da empreiteira a senadora ‘por fora’, caixa dois. Gleisi é casada com Paulo Bernardo, que chefiava, em 2010, o estratégico ministério do Planejamento. No caso da doação do R$ 1 milhão não contabilizado denunciado por Youssef e Paulo Roberto Costa, foi Paulo Bernardo quem solicitou a doação, feita em dinheiro vivo. Novas doações dessa natureza podem vir à tona com a delação do chefão da UTC. Todas as empreiteiras investigadas pela PF, as maiores do país), são grandes doadoras das campanhas de Gleisi.

Ladrões capotam carro roubado e curiosos causam congestionamento no Contorno Sul


Por Elizangela Jubanski


Dois ladrões de carro capotaram um Fiat Palio roubado do município de Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba, na manhã desta segunda-feira (26). Os suspeitos não se feriram e foram presos pela Polícia Militar (PM). O dono do carro esteve no local e reconheceu os bandidos.
A Polícia Militar (PM) recebeu a informação sobre um veículo Fiat Palio que havia sido roubado há pouco, em Campo Largo. A viatura estava na BR-277, acessando o Contorno Sul, quando viu o carro com os suspeitos e iniciou uma perseguição, que terminou em capotamento.
O acidente aconteceu entre as empresas Volvo e Eletrolux e, embora o carro tenha capotado às margens, há congestionamento no local por causa dos curiosos que diminuem a velocidade para ver o que aconteceu. Os dois bandidos não tiveram feridos e foram presos em flagrante pela Polícia Militar (PM). A Polícia Rodoviária Federal (PRF) está no local.
Outro
A poucos quilômetros, outro acidente aconteceu no Contorno Sul, envolvendo um carro e uma motocicleta. Eles não se feriram gravemente e foram socorridos por uma ambulância do Siate. O acidente aconteceu na Juscelino K. de Oliveira, sentido Santa Felicidade.
O motorista do Fiat Palio fez um retorno e o motociclista o atingiu pela lateral. O cabo leme disse à Banda B que, mesmo perigoso, não há placas de sinalização impedindo que o retorno feito pelo motorista fosse proibido. “Ele perdeu a entrada da BR e foi fazer retorno. O certo seria entrar na margem para, então, cruzar, mas não há placas aqui”, disse. O motociclista tem 20 anos e foi socorrido ao Hospital Trabalhador, sem ferimentos graves.

Sergio Moro é eleito personalidade do ano


sergio - moro2
Em sua 12ª edição, o Prêmio Faz Diferença elegeu o juiz paranaense Sergio Moro como “personalidade do ano de 2014″. O prêmio, uma iniciativa do jornal O Globo e da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, homenageia brasileiros que protagonizaram acontecimentos emblemáticos ao longo do ano. A premiação será em março no Rio de Janeiro. Leia o que o jornal escreveu sobre o juiz.
Em seu gabinete em Curitiba, o juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava-Jato, tomou uma decisão que surpreendeu o Brasil pelo ineditismo e pela coragem: mandou para a cadeia os principais empreiteiros do país. É nas mãos de Moro, de 42 anos, que está o julgamento do crime de corrupção mais estrondoso do Brasil, que desviou milhões da Petrobras. Discreto e formal, é um juiz plugado: na Lava-Jato, depoimentos são prestados por vídeo.
Responsável por homologar o 1º acordo de delação premiada no Brasil, nos anos 2000, também é um estudioso do crime organizado. Já condenou líderes do tráfico internacional, como Lucio Rueda Bustos, do México, e Fernandinho Beira-Mar. Tem marcado a carreira por rigor nas penas, altas multas e colaboração de intermediários da hierarquia criminosa para atingir níveis mais altos nas organizações. Desde a estreia no caso Banestado, por onde saíram pelo menos R$ 150 bilhões do país entre 1996 e 2002, já atuou em pelo menos 8 grandes casos que extrapolaram o Paraná, atingindo outros estados.

Homem espanca ex-mulher e parte para cima de bombeiros que prestavam atendimento


Por Luiz Henrique de Oliveira e Bruno Henrique


Um homem causou muita confusão na manhã deste domingo (25) após agredir a ex-mulher na Rua Padre José Martini, no bairro Santa Felicidade, em Curitiba. Além de deixar a mulher de 28 anos entre a vida e a morte, o rapaz, de 26, partiu para cima dos socorristas do Corpo de Bombeiros.
A ambulância que atendeu a mulher foi apedrejada e outra precisou ir em apoio. “A situação foi bem complicada. O estado da mulher é gravíssimo e preocupa. O rapaz parecia estar transtornado”, disse à Banda B o cabo Cordeiro, que estava na ambulância que chegou em apoio.
O agressor fugiu após o que causou e não foi localizado. O apelido dele é ‘Mingo’ e, segundo testemunhas, estava no bairro desde que saiu da cadeia beneficiado pelo Indulto de Natal. Ele deveria ter retornado à cadeia, mas não o fez.
.

Adolescente de 15 anos se afoga no Litoral do Paraná e é socorrido de helicóptero


Da Sesp-PR


Um adolescente de 15 anos, que se afogou no balneário Nereidas, em Guaratuba (PR), litoral do estado, neste fim de semana, foi rapidamente levado ao Hospital Regional de Paranaguá pela equipe do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA) – antigo Graer -, com a utilização da aeronave Falcão 3. A ação durou cerca de 20 minutos desde o acionamento da aeronave até a entrega do adolescente ao hospital.
resgate
(Foto: PMPR)
De acordo com o capitão Claudio da Cruz, co-piloto da aeronave, o médico do Graer, Dr. Rodrigo Faria, com auxílio da equipe, realizou o primeiro atendimento em 10 minutos, depois disso o rapaz foi encaminhado ao hospital. “Temos certeza que a agilidade com que a equipe conseguiu chegar no local, fazer os procedimentos iniciais e remover a vítima contou muito para o salvamento da vida dela”, avalia.
O acionamento da aeronave foi feito pelo Corpo de Bombeiros, após eles resgatarem o garoto do mar. “Com certeza o trabalho inicial deles também foi imprescindível no processo, por isso nosso trabalho integrado tem dado muitos resultados, somente na sexta fomos acionados para sete ocorrências no litoral e no sábado para duas”, descreve o tenente- coronel Adonis Nobor Furuushi, Comandante do BPMOA.

PM fecha quadra no Hugo Lange após ameaça de bomba em estacionamento de banco



Por Luiz Henrique de Oliveira e Danaê Bubalo
isoladadentro
Quadra foi isolada pela PM (Foto: Danaê Bubalo – Banda B)

A Polícia Militar (PM) isola, desde as 10h desta segunda-feira (26), uma quadra na Rua Augusto Stresser, entre a Rua Schiller e a Padre Germano Mayer, no bairro Hugo Lange, em Curitiba. O motivo é uma mala encontrada abandonada em uma parede entre o prédio da agência doBanco Itaú e o estacionamento do local.
isoldadentro2
(Foto: DB – Banda B)
O Esquadrão Antibombas da Polícia Militar foi acionado a fim de realizar os procedimentos necessários para que a suposta bomba seja desarmada. Vários curiosos acompanham o trabalho dos policiais, que até o momento preferiram não gravar entrevista.
“Está tudo fechado aqui. Tomara que não seja nada, mas falaram que tem uma mala meio estranha né”, disse a moradora Fernanda Caetano, que acompanha o trabalho da PM.