Policial militar é acusado de execução após perseguição em SP


Imagens mostram que não há troca de tiros, apenas um homem dispara, o PM. Ouvidor da Polícia de São Paulo diz que suspeito foi assassinado.

Um policial militar persegue suspeitos na Zona Lesta de São Paulo. As imagens mostram que não há troca de tiros, apenas um homem dispara, o PM.
“Ele não estava, com certeza, correndo risco de vida, o policial”, diz Júlio César Fernandes Neves, ouvidor da Polícia de SP.
O homem baleado, morreu. Fabricio Rodrigues dos Santos tinha 23 anos. O PM foi identificado: é o soldado Diego Lopes Silva, de 30 anos, preso desde sexta-feira (20), acusado de execução.
As imagens obtidas pelo Fantástico são do dia 5 de agosto de 2014. Foram gravadas pelas câmeras de segurança de uma distribuidora de materiais elétricos. Às 11h10, quem estava na rua se assustou com os tiros. Dois homens aparecem fugindo nas imagens. Na sequência, um outro. E, logo atrás, o soldado Diego Lopes Silva. O PM atira em Fabricio pelas costas.
O soldado fala com o baleado e corre em direção aos outros dois suspeitos.
“O policial não revista o Fabricio, num indício de que sabia que o indivíduo não representava risco para a segurança dele”, avalia o promotor de Justiça Leonardo Sobreira Spina.
Repórter: Ele estaria desarmado?
Promotor: Sim
Fabricio espera o policial se afastar e, ferido, entra na distribuidora. Um minuto depois, um funcionário vai para a rua e encontra o soldado Diego, avisa que o homem baleado está lá dentro e os dois vão para a empresa.
O modelo de câmera não grava sons e, por causa do posicionamento dela, não é possível ver o que acontece a seguir. Só é possível observar um clarão. Uma mulher que está próximo ao local se assusta e entra no escritório. Já o homem que mostrou onde estava Fabricio vira o rosto.
O Fantástico mostrou as imagens para o ouvidor da polícia de São Paulo, que recebe denúncias contra policiais civis e militares. Ele não tem dúvida: o clarão é de um tiro e Fabricio foi assassinado.
“Foi exatamente uma execução. Quem vê uma cena dessas fica assustado, surpreso e muito triste”, avalia Júlio César Neves.
“A vítima, quando foi mortalmente atingida, já estava subjugada”, afirma o promotor de Justiça.
A gravação continua e mostra que alguma coisa cai no chão. Para o Ministério Público, é a cápsula da bala usada para executar Fabricio com o tiro no peito. O policial Diego Lopes Silva pega o objeto. Essa cápsula nunca foi entregue para perícia.
“O policial militar não queria aquele cidadão vivo e queria se eximir de uma possível culpa ali, mudando a cena do crime”, diz o ouvidor.
E mais: o local onde Fabricio foi morto, não foi isolado, como seria o procedimento correto. Um PM que ainda não foi identificado mexe no corpo.
O soldado Diego Lopes Silva disse que Fabricio e dois comparsas estavam em um carro e não obedeceram a ordem de parar. Depois, houve a perseguição a pé. O PM assumiu que atirou, mas alegou legítima defesa, no linguajar policial, “resistência seguida de morte”.
Em depoimento ao Departamento de Homicídios de São Paulo, Diego disse que Fabricio atirou várias vezes contra ele e que, ao ser baleado, o rapaz deixou a arma, uma pistola, cair no chão. O soldado contou que pegou a arma do suspeito e que não deu nenhum tiro em Fabricio dentro da empresa.
Além das imagens das câmeras de segurança, outra prova contra o soldado é o laudo oficial da perícia. Fabricio não tinha resíduos de pólvora nas mãos, indicando que ele não disparou a pistola.
“Houve a necessidade da prisão cautelar do policial militar para que as testemunhas do caso se sintam livres para prestar um depoimento verdadeiro”, explica o promotor de Justiça. 
Depois que Fabricio foi morto, a polícia pesquisou os antecedentes dele. O rapaz já tinha cumprido pena por receptação e respondia por furto. Naquele dia, ele e os dois comparsas tinham acabado de furtar rodas de carros.

Ao Fantástico, os pais de Fabricio disseram esperar por uma punição aos culpados. “Não vai trazer ele de volta, mas Justiça eu quero que tenha para ele”, diz a mãe.
“Covardia atirar pelas costas do meu filho. Eu vou trabalhar, você não se concentra direito, eu penso no meu filho 24 horas por dia”, conta o pai.
O assassinato de Fabricio Alves dos Santos faz parte de uma lista de 801 pessoas mortas pela Polícia de São Paulo em 2014. Esse número revela o nível de violência usado principalmente pela Polícia Militar para combater o crime no estado. São essas as principais conclusões do relatório anual da Ouvidoria da Polícia de São Paulo, a que o Fantástico teve acesso.

Em 2013, 436 pessoas foram mortas por policiais no estado de São Paulo. Em comparação a 2014, houve um aumento de 83,7%.
Fantástico: Em que momento o policial pode atirar para matar?
Júlio César Neves, ouvidor da Polícia de SP: Só em legítima defesa de sua vida.

Em 2014, 79 policiais foram mortos. Em 2013, 74.
Em nota, a Secretaria de Segurança Pública disse que o aumento de mortes se deu por causa do crescimento de 52% nos confrontos de criminosos com a polícia. Também afirmou que não tolera abusos e excessos; e que age para coibir e punir quando necessário.
Acusado de execução, o soldado Diego Lopes Silva pode ser condenado a 30 anos de cadeia.

Empresário diz ter pago propina para aprovar lei no Rio Grande do Norte


Na delação, George Olímpio conta que esquema foi negociado na residência oficial da então governadora Wilma de Faria.

Será possível alguém comprar o que não deveria estar à venda? Por exemplo: comprar uma lei? Pois um empresário nordestino diz que fez exatamente isso: distribui propina a vários políticos para aprovar uma lei que era do interesse dele.
O homem que não quis ser identificado falou durante três horas e meia para o Ministério Público. “Ou é 100 mil, que é o valor total do mês, ou é 100 menos o valor que tinha sido antecipado”, afirma homem.
O empresário, que pediu para não ter o rosto gravado durante o depoimento, é George Olímpio, doRio Grande do Norte. O esquema delatado teria ocorrido entre 2008 e 2011, quando George montou um instituto para prestar serviços de cartório ao Detran do estado.

O instituto tinha a função de cobrar uma taxa de cada contrato de carro financiado no Rio Grande do Norte. Mas segundo o Ministério Público, nessa taxa estava embutido o custo da propina.
Na delação, o empresário conta que o esquema da propina foi negociado na residência oficial da então governadora do estado, Wilma de Faria, do PSB, hoje vice-prefeita de Natal. “Eu fui chamado para uma reunião com Lauro Maia”, diz o delator. Lauro Maia é o filho de Wilma.
“Essa reunião foi dentro da casa da governadoria, dentro de um gabinete que era o gabinete que Lauro recebia as pessoas para fazer tratativas”, diz George Olímpio.
Segundo o delator, era Lauro quem determinava o valor da propina de cada contrato de veículo financiado no estado. “Ficou definido que para o governo ia R$ 15 por contrato. A média de contratos por mês girava em torno de 5 mil”, conta.
O que daria, por mês, R$75 mil de propina para o governo. Em março de 2010, a então governadora deixa o cargo para concorrer ao Senado. Quem assume é o vice, Iberê Ferreira, também do PSB, hoje falecido. Segundo a promotoria, ele também recebeu propina.

As investigações, que começaram em 2011, mostram que o esquema só era viável porque o então diretor do Detran, Érico Vallério de Souza, recebia dinheiro.
“A gente marca o encontro no escritório, exatamente para eu repassar esse dinheiro a ele. Todo mês era feito o encontro de contas”, afirma o delator.
Neste mesmo período, o empresário George Olímpio investe em um esquema mais audacioso: a compra de uma lei para tornar obrigatório a inspeção veicular no estado.
“Você imagina um veículo acabou de sair da fábrica, teria que pagar inspeção veicular”, afirma Paulo Batista Lopes Neto, promotor de Justiça.
Para a lei ser aprovada rapidamente, George diz que contou com a ajuda do deputado Ezequiel Ferreira, do PMDB, hoje presidente da Assembleia Legislativa.
“Eu digo: de quanto é que seria essa ajuda? Aí o Ezequiel me diz: George, uns 500 mil. Eu tenho como pagar 300 mil. Eu dou 150 quando for aprovado e os outros 150 você me divide em três vezes”, conta o delator.
Na última sexta-feira (20), o procurador-geral da Justiça denunciou Ezequiel, ou seja, entregou a acusação formal ao juiz por crime de corrupção passiva.

“A lei foi aprovada com a dispensa de toda a burocracia legislativa. Não passou, não tramitou em nenhuma comissão temática da assembleia”, afirma o procurador-geral de Justiça Rinaldo Reis Lima.
O valor foi pago, mas a inspeção nunca chegou a funcionar porque, ainda em 2011, o Ministério Público descobriu todo o esquema. Na época, 34 envolvidos foram denunciados inclusive George Olímpio. Mas foi só em 2014 que ele decidiu contar tudo.
“Ele estava se sentindo abandonado pelos comparsas, pelos demais membros da organização criminosa e ele, temendo ser responsabilizado penalmente sozinho, procurou o Ministério Público em troca de colaborar para ter a obtenção de alguma espécie de benefício”, diz a promotora de Justiça Keiviany Silva de Sena.
Em um dos trechos da delação George Olímpio cita José Agripino, senador do DEM pelo Rio Grande do Norte. Diz que o senador pediu para ele mais de R$ 1 milhão no ano de 2010.
O encontro entre o empresário e o senador teria sido no apartamento de Agripino. “Subimos para parte de cima da cobertura de José Agripino e começamos a conversar e ele disse que, ele José Agripino disse: 'É George, a informação que nós temos é que você deu R$ 5 milhões para campanha de Iberê'", afirma o delator.
Iberê era o governador na época. “Eu dei R$ 1 milhão para campanha de Iberê. Ele disse: pois é, e tal, como é que você pode participar da nossa campanha? Eu falei R$ 200 mil. Disse: tenho condições de lhe conseguir esse dinheiro já. Estou lhe dando esses R$ 200 mil, na semana que vem lhe dou R$ 100 mil. Ele disse: 'pronto, aí vai faltar R$ 700 mil para dar a mesma coisa que você deu para a campanha de Iberê'. Para mim, aquilo foi um aviso bastante claro de que ou você participa ou você perde a inspeção. Uma forma muito sutil, mas uma forma de chantagem. R$ 1,150 milhão foram dados em troca de manter a inspeção”, diz o delator.
Por telefone, Fantástico falou com José Agripino que estava em Miami, nos Estados Unidos.
Fantástico: O senhor conhece George Olímpio?
José Agripino: Conheci George Olímpio, é uma figura conhecida em Natal e é parente de amigos do meu pai de muito tempo atrás, eu o conheci sim.
Fantástico: Ele disse que já foi na casa do senhor em Brasília. Ele já foi, senador?
José Agripino: Teria ido. Ele foi na minha casa uma vez. 
Fantástico: E este apartamento no Rio Grande do Norte ele disse que esteve lá também? Ele já esteve nesse apartamento também?
José Agripino: Esteve também.
Fantástico: Ele disse que o senhor pediu mais de R$ 1 milhão para ele e este pedido foi feito no apartamento do senhor.
José Agripino: Eu nunca pedi nenhum dinheiro, nenhum valor a George Olímpio. E conforme ele próprio declarou em cartório, não me deu R$ 1 milhão coisíssima nenhuma.
O senador enviou ao Fantástico o documento de 2012, que George Olímpio teria registrado em cartório. “É uma infâmia, uma falta de verdade. Está completamente falso e faltando com a verdade”, afirma José Agripino.
Como senador, Agripino tem o chamado foro por prerrogativa de função. Por isso, todo o material que se refere a ele foi enviado para a Procuradoria-Geral da República.
O Fantástico procurou todos os outros citados.
Em nota, Wilma Faria diz que considera qualquer citação ao seu nome nesse contexto como ilação caluniosa, injusta, desrespeitosa e antidemocrática. O filho dela, Lauro Maia, disse que desconhece o conteúdo da delação de George Olímpio e, mesmo assim, repudia qualquer afirmação de que teria participado em esquema criminoso.
O Fantástico não encontrou Érico Vallério, ex-diretor do Detran, no prédio dele. A equipe deixou recado mas ele não ligou de volta.

O deputado estadual Ezequiel Ferreira de Souza diz que não recebeu a notificação oficial da denúncia oferecida pelo Ministério Público e que no momento oportuno provará a inconsistência do processo.
Em nota, a família de Iberê Ferreira disse que o ex-governador, antes de falecer, negou as acusações feitas contra ele.
Mesmo com a delação premiada, George Olímpio é réu no processo. E aguarda o julgamento em liberdade.
“O que nos impressionou é exatamente que toda a investigação levada a efeito pelo Ministério Público e toda análise da prova foi uma análise perfeitamente compatível com que de fato aconteceu, da forma como George, posteriormente, narrou”, afirma promotora Keiviany Silva de Sena.

Governo discutirá mudanças em benefícios trabalhistas com base aliada


Da Agência Brasil

O ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, Pepe Vargas, vai conversar, na próxima semana, com parlamentares que apoiam o governo sobre as medidas propostas pelo Executivo para alterar o acesso a benefícios trabalhistas e previdenciários. As medidas provisórias (MPs) 664 e 665, que modificam regras da concessão dos seguros-desemprego e defeso, da pensão por morte, do auxílio-doença e do abono salarial, enfrentam críticas dos partidos de oposição, de centrais sindicais e da própria base governista no Congresso Nacional.
carteira-de-trabalho
(Foto: Marcello Casal Jr/ABr)
Ao lado de outros ministros, Vargas se reunirá com líderes da base política no Senado e na Câmara dos Deputados, com o objetivo de traçar estratégias para a apreciação das matérias. Na terça-feira (24), ele receberá, em café da manhã, líderes dos partidos de apoio ao governo no Senado, e almoçará com os líderes partidários na Câmara. Na quarta-feira (25) de manhã, o ministro se reunirá, com senadores que compõem o bloco de apoio (PT, PCdoB e PDT).
Da parte do governo participam, além de Pepe, os ministros Manoel Dias (Trabalho e Emprego), Carlos Gabas (Previdência Social), Miguel Rossetto (Secretaria-Geral) e Nelson Barbosa (Planejamento, Orçamento e Gestão). Na semana passada, Dias havia anunciado que o governo aguardava uma proposta formal das centrais sindicais sobre o tema, e adiantou que nova reunião está marcada para o dia 25.
As entidades trabalhistas também negociam com os parlamentares e solicitaram, também na semana passada, que as medidas sejam devolvidas ao Executivo.

Brasileiro foi executado na Indonésia sem receber extrema-unção, diz padre


Marco Archer foi arrastado da cela chorando, segundo religioso.
Episódio abriu crise entre governo brasileiro e da Indonésia.

Do G1, em São Paulo
Marco Archer (Foto: Reprodução TV Globo)Marco Archer foi executado na Indonésia no dia 17 de janeiro (Foto: Reprodução TV Globo)
O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira foi executado na Indonésia sem direito à extrema-unção, segundo o padre Charles Burrows, que afirma ter sido impedido pelas autoridades do país de dar o último conforto ao condenado antes do fuzilamento ocorrido no dia 17 de janeiro.
Em entrevista ao grupo de mídia australiano "Fairfex Media", reproduzida pelo jornal "The Sydney Morning Herald", o padre católico, que atua na Indonésia há mais de 40 anos, disse que um desentendimento impediu o acesso dele à ilha onde fica a prisão e, com isso, a realização dos últimos rituais de reconciliação e penitência.

"Ele teve que ser arrastado da cela chorando e gritando 'me ajude'", disse Burrows, acrescentando ainda que o brasileiro defecou nas calças.
"Os guardas foram muito educados, mas o procurador não me dava a carta para entrar na ilha. A embaixada brasileira ficou muito chateada. Eles me disseram que ninguém se preocupou em cuidar dele [Archer]. Normalmente, há um momento em que o pastor ou padre vão para consolá-los. Ninguém consolou o Marco", disse, o padre, que detalhou ainda os momentos finais de desespero do brasileiro, que era católico.
Segundo o padre, o brasileiro chorou "durante todo o tempo até os últimos minutos".
Na sexta-feira (20), o governo brasileiro decidiu adiar o início da atuação do embaixador da Indonésia em Brasília, Toto Riyanto, em razão do estremecimento nas relações entre os dois países.
No mesmo dia em que o brasileiro Marco Archer foi executado, Dilma divulgou nota oficial na qual se disse "consternada e indignada" com a decisão do governo da Indonésia e anunciou que havia decidido chamar o embaixador brasileiro em Jacarta para "consultas". Na linguagem diplomática, chamar um embaixador para consultas representa uma espécie de agravo ao país no qual está o embaixador.
Um dia antes da execução de Marco Archer, o assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, disse que o fato de o governo indonésio não aceitar os pedidos de clemência criaria “sombra” nas relações diplomáticas entre os países. Dilma havia apelado pessoalmente ao colega da Indonésia para tentar evitar a execução.
O instrutor de voo livre Marco Archer havia sido preso em 2004, ao tentar entrar na Indonésia com 13 quilos de cocaína escondidos nos tubos de uma asa delta. A droga foi descoberta pelo raio-x, no Aeroporto Internacional de Jacarta. Archer conseguiu fugir do aeroporto, mas duas semanas depois acabou preso novamente. A Indonésia pune o tráfico de drogas com pena de morte.

Em protesto, caminhoneiros mantêm seis pontos de bloqueio em rodovias que cortam o PR


Da Redação


Os caminhoneiros seguem mobilizados em todo o Paraná nas principais rodovias do Estado. São seis pontos de bloqueio nas estradas federais na tarde deste domingo (22), segundo balanço da Polícia Rodoviária Federal (PRF).
Entre as reivindicações, estão a redução nos preços dos combustíveis e nas tarifas de pedágio e a diminuição da carga tributária. Confira abaixo a lista com as rodovias e os bloqueios:
manifestacao
Manifestação dos caminhoneiros em Medianeira (Foto: Divulgação PRF)
-Pérola do oeste, BR 163, km 64;
-Santo Antônio do Sudoeste, BR 163, km 32;
-Medianeira, BR 277, km 667;
-Apucarana, BR 376, km 245;
-Arapongas, BR 369, km 179;
-Guarapuava, BR 277, km 338
As interdições afetam caminhões. Automóveis, ônibus e cargas perecíveis estão passando normalmente pelo bloqueio. Professores estaduais acompanham os caminhoneiros no protesto.
Estaduais
A Polícia Rodoviária Estadual informou que as manifestações também estão sendo realizadas em Nova Prata do Iguaçu, na PR 471; em Marmeleiro, Mariópolis e Clevelândia, na PRC 280; em Dois Vizinhos, na PR 281; em Francisco Beltrão, na PR 483; em Itapejara do Oeste, na PR 566 e na PR 493; em Manoel Ribas, na PRC 487; em Vitorino, na PRC 158; em Jardim Alegre, na PR 466 e em Realeza, na PR 182.
.

Cuba descobre variante mais agressiva e preocupante do vírus HIV


Da BBC Brasil


Especialistas em saúde de Cuba detectaram há alguns anos algo diferente e pouco comum nos pacientes com o vírus do HIV no país: eles desenvolviam a Aids de uma forma extraordinariamente rápida. Tão rápido que, em menos de três anos, já se encontravam muito doentes, sem praticamente tempo de perceberem que tinham o HIV.
Um grupo internacional de cientistas chegou para investigar a situação e concluiu que, realmente, em Cuba existe uma variante do HIV que é muito mais agressiva. “Sabemos que 144 pacientes têm essa linhagem do vírus, mas com certeza há mais gente. Isso é só o que conseguimos contar”, disse à BBC Anne Mieke Vandamme, da Universidade Leuven, da Bélgica.
Vandamme, cujo trabalho foi publicado na revista EBioMedicine, explicou que se trata de uma linhagem do vírus que foi originalmente descoberta na África.
aids
(Foto: BBC Brasil)
“Ela foi parar em Cuba por meio das relações dos cubanos com a África. Ainda que não tenhamos conhecimento de que a linhagem tenha se disseminado pela África, ela tem se disseminado em Cuba”, acrescentou.
Mais rápido
Os especialistas explicam que, em uma infecção normal, o vírus do HIV tem de se “agarrar” aos receptores, as proteínas na membrana das células. Em uma infecção comum, o vírus usa o ponto CXCR5. Depois de muitos anos em pleno estado de saúde, ele se muda para o CXCR4, o que coincide com a aceleração da propagação da Aids.
A equipe de cientistas, liderada por Vandamme, observou que, nos pacientes cubanos, essa transição acontece de forma muito mais rápida. Isso quer dizer que o vírus não “espera” tanto para se dirigir ao CXCR4. O que elimina, de forma drástica, a fase em que o paciente tem uma vida saudável.
Os cientistas estudaram amostras de sangue de 73 pessoas que haviam sido infectadas recentemente e 52 delas já haviam desenvolvido a Aids. Vandamme explica que o HIV tem diferentes linhagens que podem ser classificadas como “subtipos”; o detectado em Cuba tem “basicamente HIV recombinado de três outros subtipos”.
“Você precisa ter sido infectado por mais de um tipo de linhagem do HIV para ter um vírus recombinado como esse”, esclarece.
Anti-retrovirais
A especialista explica que, se o tratamento com anti-retrovirais costuma funcionar bem para tratar infecções normais, ele perde um pouco da eficiência dependendo do nível de avanço da doença – “quanto mais avançada ela se encontra, menos consegue se recuperar do sistema imunológico”.
“Inclusive, para alguns pacientes, é tarde demais para ter qualquer benefício dos medicamentos”, acrescentou.
A cientista explica que, por enquanto, não há preocupação sobre a possibilidade de esta linhagem do vírus se expandir para além da ilha. Isso porque, atualmente, não há muito contato dos cubanos com o resto do mundo.
“É uma linhagem local, por enquanto. Não consigo prever se vai se expandir para fora ou não, mas se isso acontecer, então precisaremos nos preocupar.”
Em Cuba, por enquanto, foram diagnosticados um total de 17.625 casos de HIV desde que a epidemia surgiu, na década de 1980, segundo dados da Infomed, site oficial da rede de saúde cubana.
A epidemia cubana é majoritariamente do sexo masculino – 80% de todos os infectados são homens. O Estado oferece atenção e tratamento gratuito a todos os infectados.

Acidente na BR-101 mata 5; estavam indo reconhecer corpo de parente morto bebê está entre vítimas


Ocupantes estavam a caminho de DPT para reconhecer corpo de parente.
Criança não estava no 'bebê conforto' e foi lançada a 5 metros de distância.

Do G1 BA
Acidente matou cinco pessoas, entre elas um bebê, e deixou o condutor ferido (Foto: Camila Oliveira/TV Santa Cruz)Acidente matou cinco pessoas, entre elas um bebê, e deixou o condutor ferido (Foto: Camila Oliveira/TV Santa Cruz)
Cinco pessoas morreram, entre elas um bebê de 4 meses, e um ficou ferido, após um acidente de carro no km 552 da BR-101, entre as cidades de São José da Vitória e Arataca, no sul da Bahia, no início da tarde deste domingo (22). De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o veículo invadiu a pista contrária, bateu em uma árvore e capotou.
Segundo a polícia, as vítimas saíram de Teixeira de Freitas para reconhecer o corpo de um parente no Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Itabuna, que teria sido assassinado no sábado (21), no município de Itajuípe. A criança que está entre as vítimas do acidente não estava no 'bebê conforto' e foi lançada a cinco metros de distância de onde o carro parou.
Dois corpos já foram identificados pela polícia. O bebê de quatro meses, com iniciais A.G.S.F, e José Altino Marcílio Santos, de 56 anos, que viajava no banco do carona. O motorista do carro sobreviveu ao acidente e foi socorrido para o Hospital de Base de Itabuna.
Não há informações sobre o parentesco entre os passageiros, nem sobre o estado de saúde do condutor do veículo. Os cinco corpos foram encaminhados para o DPT de Itabuna.
Vítimas estavam a caminho do DPT de Itabuna para reconhecimento do corpo de um parente (Foto: Camila Oliveira/TV Santa Cruz)Vítimas estavam a caminho do DPT de Itabuna para reconhecimento do corpo de um parente (Foto: Camila Oliveira/TV Santa Cruz)

Motociclista invade lan house e mata jovem com vários tiros em Piraquara


Da Redação


O jovem Douglas Amado Batista, de 26 anos, foi assassinado com dois tiros na tarde deste domingo (22). O crime aconteceu por volta das 17h na Rua Júlio Dalilenko, no Jardim Santa Lúcia, em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba.
De acordo com a Polícia Militar (PM), o garupa de uma motocicleta, armado com um revólver, desceu em uma lan house e atirou contra o inimigo. Ele usava um capacete e fugiu sem ser localizado. A vítima já contava com passagens pela polícia.
A Delegacia de Piraquara investiga o caso.

Carro capota no Hauer e para em cima de placa de rede de fast-food


Da Redação


acidente dentro copy
Carro derrubou placa de fast-food (Foto: Marina Oliveira)
A leitora do Portal da Banda B, Marina Oliveira, registrou um capotamento sem vítimas graves durante a noite deste sábado (21), no bairro Hauer, em Curitiba. Um Renault Clio bateu contra um carro na Rua Alcino Guanabara, que liga ao bairro Boqueirão.
Segundo Marina, o Renault parou em cima de uma placa de uma lanchonete fast-food. “Foi um acidente de grande proporção. O carro parou quase dentro do McDonald’s”, afirmou a leitora.
Como o cruzamento tem sinalização, a possibilidade é de que um dos carros envolvidos tenha cruzado o sinal vermelho. O Batalhão de Polícia de Trânsito (Bptran) realizou o Boletim de Ocorrência do caso.

Amigos e familiares prestam homenagem a Dionísio Filho durante missa de Sétimo Dia


Por Luiz Henrique de Oliveira


Amigos e familiares participaram, na manhã deste domingo (22), na Igreja dos Passarinhos, nobairro Bigorrilho, em Curitiba, da missa de Sétimo Dia da morte de Antônio Dionísio Filho, o Dionísio Filho ou simplesmente Djonga. Após a missa, companheiros dele na Rádio Banda B,onde o ex-jogador era comentarista e apresentador, prestaram uma última homenagem.
“Antônio Dionísio Filho, um príncipe negro pitando a pincel. Nosso querido Djonga, que deixou muitos exemplos bons para todos nós. Não falo isso apenas porque ele morreu, pois falava sempre quando era vivo”, disse, após a celebração, o radialista e diretor-geral da Banda B, o deputado estadual Luiz Carlos Martins.
djonga
(Foto: Arquivo Banda B)
O radialista também comentou a importância de Djonga em sua recuperação. “Devoto de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, o Djonga ofereceu muitas novenas para mim. Eu sai do fundo do poço da depressão e estou me recuperando bem. Dia 4 de março estou de volta aos microfones da Banda B”, concluiu Martins.
Também presente, o radialista Edmar Colpani, apresentador do Programa Tarde Total, falou sobre a amizade com Djonga, que trabalhava  com o vereador na Câmara Municipal de Curitiba (CMC). “Uma das figuras carimbadas do Barigui e de tantos outros lugares. E agora? Cadê o Dionga? Até as capivaras e os jacarés estão tristes”, afirmou.
No fim, Colpani deixou um recado para todos os que acreditam na ressurreição. “Se acreditamos, então temos que viver sabendo que o nosso Djonga não simplesmente morreu. Viva o Nosso NEGRÃO”, finalizou.
Também estiveram na missa os três filhos de Djonga, a esposa, o diretor-executivo da Banda B, Michel Micheleto, e a jornalista da RPCTV, Dulcinéia Novaes.

Após morte de jovem, grupo tenta queimar ônibus da linha Cabral/Tamandaré


Por Luiz Henrique de Oliveira e Antônio Nascimento


A morte de um jovem de 19 anos, de primeiro nome Juan, pode ter motivado um atentado contra um ônibus do transporte coletivo, na manhã deste domingo (22), no Centro de Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba. Ninguém ficou ferido, porém o veículo precisou ser tirado de circulação, por conta de pedras e do princípio de incêndio.
Segundo o apurado pela Banda B, durante a madrugada Juan morreu ao ser atropelado ou ter caído de um ônibus da Linha Cabral/Tamandaré, também no Centro da cidade da RMC. Na manhã de hoje, jovens, que podem ter tido a intenção de vingar o acidente, renderam o motorista da mesma linha e colocaram querosene nos bancos.
onibus
Vidros do ônibus foram quebradas pelo grupo de jovens (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)
“Os caras colocaram a faca no pescoço do motorista e pediram para ele parar o ônibus. O fogo começou, mas a população ajudou e o controlou. Apesar disso, várias janelas do coletivo foram quebradas”, disse uma testemunha, que não quis se identificar.
A mesma testemunha lamentou o que aconteceu. “O motorista deste ônibus nada tinha a ver com o que o episódio de ontem de madrugada”, afirmou.
Causa da morte
A Banda B tenta apurar a decorrência da morte de Juan. Amigos afirmam que ele foi atropelado pelo motorista por uma imprudência, já o condutor nega e diz que o jovem teria pulado da janela do ônibus e batido a cabeça, após ter entrado sem pagar. Na sala de imprensa da Polícia Militar (PM), a única informação é de que a vítima morreu depois de bater a cabeça no asfalto.
A Polícia Civil deve investigar o caso.

Motociclistas em manifestação de apoio a Sergio Moro


unnamed
Um grupo de 100 motociclistas promoveu uma manifestação de apoio ao juiz Sergio Moro e à Polícia Federal no sábado (21) em Curitiba. Primeiro, o grupo foi à sede da Justiça Federal, deram um ‘abraço’ no prédio e cantaram o hino nacional. Depois o grupo se deslocou à superintendência da PF onde estão presos os executivos de empreiteiras e outros investigados pela Operação Lava Jato. Eles colocaram uma corrente e cadeados no portão do prédio para os executivos não escaparem. Também houve gritos de “Fora, Cardozo”, em referência ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que se reuniu neste mês, em Brasília, com advogados e representantes de empreiteiras.

Suspeito de morte de profª em Itabela é assassinado por dupla em bar


Segundo polícia, homem foi baleado por dois homens em Porto Seguro.
Arlinda Santos, de 37 anos, foi morta a pedradas em outubro de 2014.

Do G1 BA
Professora (Foto: Reprodução/TV Bahia)Arlinda foi morta em outubro de 2014
(Foto: Reprodução/TV Bahia)
O suspeito de matar a professora Arlinda Santos Ferreirade, de 37 anos, em outubro de 2014 no município de Itabela, extremo sul da Bahia, foi morto no distrito de Itaporanga, em Porto Seguro, na sexta-feira (20). De acordo com a Polícia Civil, o homem foi baleado dentro de um bar por dois homens, que estavam em uma motocicleta.
A delegacia em Porto Seguro afirma que o suspeito já tinha diversas passagens pela polícia por outros crimes.
De acordo com o delegado de Itabela, Hermano Costa, o suspeito teria praticado o crime contra a professora por motivação passional. "A ex-namorada dele [Adonias] terminou com ele para ficar com a professora. Para se vingar, ele a matou. Temos gravações, mensagens de celular, que ajudaram a esclarecer o caso", disse ao G1.
O irmão de Adonias também teria participado do crime e é procurado pela polícia, informou o delegado. Após ser atacada a pedradas, Arlinda Santos chegou a ser levada para o Hospital Frei Ricardo, mas não resistiu aos ferimentos. Ela era professora da Escola Municipal Archimedes Ernesto da Silva e ensinava na turma da alfabetização. 

Ex-baixista da Legião Urbana é encontrado morto em Guarujá, diz PM


Renato Rocha era conhecido também como Billy ou Negrete e tinha 53 anos. Corpo estava no chão do quarto do hotel onde ele estava hospedado.

Mariane Rossi e Daniela FiscarelliDo G1 Santos
Detalhe da capa do álbum "Que país é este', de 1987 (Foto: Reprodução)Renato Rocha (à direita), na capa do álbum
"Que país é este', de 1987 (Foto: Reprodução)
O ex-baixista Renato Rocha, integrante da primeira formação da banda Legião Urbana, foi encontrado morto, na manhã deste domingo (22), dentro de um hotel em Guarujá, no litoral de São Paulo.
Segundo a Polícia Militar, o corpo encontrado encostado na porta de um hotel no bairro da Enseada, por volta das 8h30, era do músico que fez parte da primeira formação da banda. Informações obtidas preliminarmente pela polícia indicam que Renato teria morrido de causa natural.
A irmã do músico, responsável por administrar uma das páginas em homenagem a Renato nas redes sociais, postou uma mensagem falando sobre a morte do músico. "Renato faleceu nesta manhã, de parada cardíaca, em São Paulo. Vai com os anjos, Renato. Força ao seu casal de filhos, sua netinha, ao seu pai e aos seus demais familiares", diz a mensagem.
Na mesma publicação, uma mensagem atribuída ao irmão de Renato, o médico Roberto Rocha, explica que uma mulher foi chamar o músico no quarto e, como ele não respondeu, acabou acionando outras pessoas para abrir a porta. Renato teria sido encontrado caído, já morto.
Roberto da Silva Rocha, também irmão do ex-baxista, escreveu em uma rede social que está de luto. "Meu irmão acaba de falecer em sampa, ele foi baixist do Legião Urbana, Renato Rocha, Negrete". Ele acrescenta ainda que o músico 'deixa um casal de filhos e uma neta que não curtiu'.
Ainda segundo a polícia, o corpo foi removido do hotel e encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) do Guarujá. Ainda não há informações sobre local e horário do velório e do enterro do músico.

Legião Urbana
Renato da Silva Rocha, conhecido também como Billy ou Negrete, tinha 53 anos. Ele era baixista e compositor do Legião Urbana, banda da qual fez parte da formação original ao lado de Renato Russo, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá.
Renato, que afirmou em entrevistas enfrentar problemas com drogas, foi convidado em 2014 para uma participação no projeto Urbana Legion. Ele voltou aos palcos para tocar os sucessos do Legião Urbana junto com o também ex-integrante Eduardo Paraná.