Nos bastidores da hemodiálise: crise hídrica e energética


     
Todos estão alarmados com o impasse gerado no país pela crise hídrica e os desdobramentos na produção e custo da energia. Ninguém é poupado, mas cabe destacar que alguns segmentos da sociedade são particularmente vulneráveis, dentre eles os pacientes em diálise, que somam 5.000 no Rio Grande do Sul, e 100.000 no Brasil. Cada paciente consome, por sessão de diálise, 400 litros de água potável, que necessita ser tratada por equipamentos especiais, e em épocas de escassez esta água pode estar com qualidade inadequada para este uso. Além disso, as máquinas de hemodiálise e de diálise peritoneal utilizam energia elétrica para seu funcionamento, e interrupções do fornecimento desta podem trazer prejuízos e riscos à saúde destas pessoas.
Como trata-se de tratamento para substituir a função dos rins que deixaram de funcionar, a hemodiálise é essencial às pessoas portadoras de rins não-funcionantes. Nossos rins costumam funcionar permanentemente para manter nosso organismo em equilíbrio, ou seja, eliminando a água e as toxinas produzidas pelo próprio corpo e pela digestão dos alimentos, além de regular a acidez do sangue e produzir hormônios indispensáveis à saúde. A Nefrologia é a especialidade médica que dedica-se a tratar destas pessoas, desde as etapas iniciais das doenças renais até o momento em que estes indivíduos necessitam viver com rins insuficientes, o que no passado já foi incompatível com a vida. Desde a década de 1960, surgiram estes tratamentos com hemodiálise que, feitos três vezes por semana, conseguem manter vidas razoavelmente normais, muitas vezes compatíveis com atividades sociais e laborais das pessoas atingidas. O Brasil é um país onde o acesso ao tratamento para a insuficiência renal é universal e de acesso gratuito, e junto com gestores públicos e privados, centenas de clínicas e milhares de trabalhadores da saúde ajudam a garantir esta conquista da cidadania brasileira.
Há porém uma preocupação crescente com o futuro destas clínicas, o que envolve impacto devastador sobre a vida de milhares de pacientes e suas famílias. Estas clínicas foram criadas, estruturadas e ao longo do tempo se ajustaram às melhorias tecnológicas e ao estrito regramento legal, de tal forma a proporcionar requisitos tecnológicos e humanos compatíveis com o melhor patamar existente. Infelizmente, estes investimentos foram seguidos de uma crescente desproporção dos pagamentos executados pelo gestor público, que vem desconsiderando há vários anos a progressão dos custos deste sistema. Se em 1979 uma sessão de diálise correspondia a 2 salários mínimos da época, em 2013 uma sessão foi paga a 0,25 SM do ano, com insumos importados, atrelados ao dólar, mão de obra especializada e maiores demandas legais. Sendo assim, o impasse é real e imediato em torno de sobrevivência da nossa área.
O impacto da crise hídrica em curso na Região Sudeste ainda não atingiu as clínicas de diálise de nossa região, altamente dependentes de água. Multiplique-se o número de pacientes em diálise no Estado do Rio Grande do Sul (RS) por 400 litros de água e ter-se-á a quantidade de água consumida nas sessões de diálise. E são três sessões semanais! Além disso, todos os prestadores de serviços de saúde preocupam-se com o impacto do aumento anunciado no custo da energia elétrica. No RS, teremos aumento de 36,78% (pela empresa CEEE), 50,09% (pela RGE) e 65,96% (pela AES) de acordo com a região (fonte: Zero Hora). Há vários motivos para esta elevação de preço, desde climáticas-metereológicas, passando pelo planejamento da matriz energética brasileira até por atitudes políticas de estímulo ao consumo.
Cabe lembrar que as Clínicas de diálise pagam tributos (PIS/Cofins, e ICMS - 25%) no custo da energia e em outros ítens de sua atividade, o que abre a possibilidade de discutir a renúncia fiscal como uma alternativa. O sistema brasileiro de diálise já vem então com grande dificuldade em obter sustentabilidade econômico-financeira, e o anúncio do aumento de energia promete agravar a situação. Por isso, a Sociedade Brasileira de Nefrologia e Sociedade Gaúcha de Nefrologia esclarecem aos pacientes e comunicam aos órgãos competentes a respeito desta grave situação. Preocupa a todos nós a vulnerabilidade da manutenção deste tratamento cujo custo cresce a olhos vistos sem que sua remuneração seja reajustada há mais de quatro anos.
Apelamos para os gestores para que sensibilizem-se com a vulnerabilidade das clínicas de diálise, e em especial com as vidas de 100 mil pacientes brasileiros que dependem delas. A sociedade precisa agir, chamando seus representantes para esta responsabilidade com a cidadania brasileira. Os pacientes bem sabem o quanto dependem disso.
Fonte: Sociedade Gaúcha de Nefrologia – SGN  

Cresce número de doações de órgãos e transplantes no Paraná


Publicado em 20/02/2015 14:50

Em comparação com o mesmo período do ano passado, o número de doações concretizadas dobrou - passando de 12 para 24.Fonte SESA
O Estado do Paraná obteve um excelente desempenho na área de transplantes e doações de órgãos em janeiro. Em comparação com o mesmo período do ano passado, o número de doações concretizadas dobrou - passando de 12 para 24 - enquanto o número de transplantes aumentou em 85%, subindo de 21 para 39 procedimentos.

De acordo com o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, os dados apontam que o trabalho de esclarecimento da população e capacitação das equipes envolvidas no processo de captação e transplantes está dando resultado. “Esses números mostram que o Paraná está no caminho certo para reduzir ainda mais a fila de espera por um órgão. São cerca de 2 mil paranaenses que ainda dependem deste gesto de amor e solidariedade”, disse.

A partir de 2011, o Governo do Paraná adotou uma série de medidas para melhorar o fluxo de captações e transplantes no Estado. Uma das ações foi a ampliação do uso da frota aérea estadual para o transporte de órgãos e equipes médicas. Todas as mudanças fizeram que o Paraná saltasse do décimo para o terceiro lugar no ranking de Estados com os melhores desempenhos no setor de transplantes.

FILA – Contudo, a lista de espera por um transplante de órgão no Paraná ainda tem 2.148 pacientes cadastrados. Destes, 1.556 já estão totalmente aptos a serem submetidos ao procedimento. Os outros 592 ainda são considerados receptadores inativos, pois precisam de exames complementares.

Atualmente, a maior demanda é por transplantes de rim, com 1.119 pacientes ativos na fila. Em seguida, vêm os pacientes que necessitam de córnea (289), fígado (102) e coração (38).

Outro dado de destaque no balanço de janeiro de 2015 diz respeito ao número de notificações de potenciais doadores. Neste período foram 70 casos, contra 44 identificados em 2014.

Segundo a diretora da Central Estadual de Transplantes, Arlene Badoch, esse aumento reflete a excelência no trabalho desenvolvido por todos os profissionais envolvidos no processo de doação/transplante. “O aumento nas doações é fruto de uma mudança de conceito promovida através das campanhas de conscientização. Hoje em dia a população está mais solidária e aberta a falar da doação dentro do ambiente familiar”, conta.

CAMPANHA – Para se tornar um doador de órgãos, basta comunicar sua família. Inclusive, este é o tema da campanha “Fale sobre isso”, lançada pelo Governo do Estado em setembro do ano passado. “A doação só ocorre com autorização dos parentes mais próximos. Por isso, ressaltamos a importância das pessoas conversarem com seus familiares e expressarem o desejo de se tornarem doadores após a morte”, explicou Badoch.

A mobilização envolve empresas e instituições parceiras de diversas regiões do Paraná. As ações vão desde inserção da logo em rótulo de produtos comerciais de grande alcance e visualização, divulgação em sites e até palestras com os funcionários.

A Federação Paranaense de Futebol (FPF), por exemplo, incluiu o texto da campanha em seus impressos, tabelas de jogos e informativos eletrônicos relativos ao Campeonato Paranaense de Futebol de 2015. Durante o arbitral do torneio, também foram expostos materiais da campanha para sensibilizar os dirigentes dos clubes participantes.

O presidente da FPF, Hélio Cury, afirma que a iniciativa utiliza o alcance do futebol para chamar a atenção dos torcedores sobre a importância da causa dos transplantes. “É uma satisfação poder participar desta campanha que ajuda a salvar vidas. Através de nossos materiais, temos alcançado milhares de pessoas que de alguma forma se relacionam com as ligas profissionais e amadoras vinculadas à federação”, destacou.

Saiba mais sobre o trabalho do governo do Estado em: 

Mulheres levam susto ao entrar em elevador de shopping: veja as reações


Da Redação

Palladium Shopping Center promoveu, nesta semana, uma ação especial planejada para as comemorações do Dia da Mulher, celebrada no próximo domingo (8). O elevador do shopping, devidamente decorado, foi conduzido por um ascensorista devidamente trajado de smoking, que felicitou as mulheres que entraram no elevador, além de presenteá-las com uma rosa e uma taça de champanhe.
elevador
(Foto: Reprodução)
A ação foi gravada com câmeras escondidas, que flagraram a reação das mulheres que foram surpreendidas pelo ascensorista.  Para a gerente de Marketing do Shopping, Maria Aparecida de Oliveira, a ação foi planejada para demonstrar a atenção que o Palladium tem com as clientes. “Não podemos deixar que o dia a dia faça com que nos esqueçamos de ser mulher e, por isso, para marcar a data fizemos questão de preparar algo diferenciado. Além do mais, nossas clientes já sabem que podem esperar algo inusitado em datas especiais”, disse.
“Para nós, o elemento surpresa é mais um diferencial, e pretendemos trabalhar o vídeo nas redes sociais de forma divertida e descontraída”, completou. Veja as reações das mulheres no vídeo abaixo:

Jovem é estuprada duas vezes durante caminhada em Jundiaí


Vítima teve as mãos amarradas e foi violentada em matagal. 
Caso será investigado pela Delegacia da Mulher; homem fugiu.

Do G1 Sorocaba e Jundiaí
A polícia procura pistas de um homem suspeito de abusar sexualmente de uma jovem de 24 anos, na madrugada desta quinta-feira (5), em Jundiaí (SP). De acordo com informações da Polícia Militar, a vítima caminhava na Avenida 9 de Julho quandoi foi abordada e estuprada duas vezes. 
Segundo relatos da vítima à polícia, o homem correu atrás dela na avenida, a agarrou, em seguida a arrastou para um matagal onde cometeu o estupro. Após a violência sexual, o homem amarrou as mãos da mulher e saiu do local, mas disse ainda que voltaria depois. Ainda segundo o depoimento registrado em boletim de ocorrência, o suspeito voltou ao local poucos minutos depois e a violentou pela segunda vez. 

O homem fugiu após o estupro e não localizado até a noite desta sexta-feira (6). A mulher informou ainda que conseguiu ligar para o pai pedir socorro com o celular que ainda estava no bolso, e foi levada ao hospital do município, onde passou por exames. O caso será investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher da cidade.
A jovem também disse que pediu várias vezes para que o homem a libertasse e a deixasse ir embora, mas não foi não atendida. A mulher só conseguiu se desamarrar após o término do abuso. 

Veja lista completa dos políticos que serão investigados e seus partidos



Publicado em: 6/03/2015

Investigados

ANIBAL GOMES

deputado federal
PMDB - CE

ROSEANA SARNEY

ex-governadora
PMDB - MA

EDUARDO CUNHA

presidente da Câmara
PMDB - RJ

RENAN CALHEIROS

presidente do Senado
PMDB - AL

VALDIR RAUPP

senador
PMDB - RO

ROMERO JUCÁ

senador
PMDB - RR

EDISON LOBÃO

senador e ex-ministro da Energia
PMDB - MA

ARTHUR LIRA

deputado federal
PP - AL

ROBERTO BRITTO

deputado federal
PP - BA

SANDES JÚNIOR

deputado federal
PP - GO

ROBERTO BALESTRA

deputado federal
PP - GO

WALDIR MARANHÃO

deputado federal
PP - MA

LUIZ FERNANDO FARIA

deputado federal
PP - MG

AGUINALDO RIBEIRO

deputado federal
PP - PB

EDUARDO DA FONTE

deputado federal
PP - PE

DILCEU SPERAFICO

deputado federal
PP - PR

NELSON MEURER

deputado federal
PP - PR

SIMÃO SESSIM

deputado federal
PP - RJ

AFONSO HAMM

deputado federal
PP - RS

LUIS CARLOS HEINZE

deputado federal
PP - RS

RENATO MOLLING

deputado federal
PP - RS

JOSÉ OTÁVIO GERMANO

deputado federal
PP - RS

JERÔNIMO GOERGEN

deputado federal
PP - RS

MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO

deputado federal
PP - SP

LAZÁRO BOTELHO

deputado federal
PP - TO

JOÃO LEÃO

ex-deputado
PP - BA

LUIZ ARGÔLO

ex-deputado
PP - BA

JOSÉ LINHARES

ex-deputado
PP - CE

PEDRO HENRY

ex-deputado
PP - MT

PEDRO CÔRREA

ex-deputado
PP - PE

ROBERTO TEIXEIRA

ex-deputado
PP - PE

CARLOS MAGNO

ex-deputado
PP - RO

VILSON COVATTI

ex-deputado
PP - RS

JOÃO PIZZOLATTI

ex-deputado
PP - SC

ALINE CORRÊA

ex-deputado
PP - SP

MÁRIO NEGROMONTE

ex-ministro das Cidades
PP - BA

GLADISON CAMELI

senador
PP - AC

BENEDITO DE LIRA

senador
PP - AL

CIRO NOGUEIRA

senador
PP - PI

ANTÔNIO ANASTASIA

senador
PSDB - MG

VANDER LOUBET

deputado federal
PT - MS

JOSÉ MENTOR

deputado federal
PT - SP

CÂNDIDO VACCAREZZA

ex-deputado
PT - SP

HUMBERTO COSTA

senador
PT - PE

LINDBERGH FARIAS

senador
PT - RJ

GLEISI HOFFMANN

senadora
PT - PR

FERNANDO COLLOR

senador
PTB - AL

JOÃO VACCARI

operador
PT -

FERNANDO BAIANO

operador
SEM PARTIDO -

Arquivados

ALEXANDRE JOSÉ DOS SANTOS

deputado federal
PMDB - RJ

HENRIQUE EDUARDO ALVES

deputado federal
PMDB - RN

AÉCIO NEVES

senador
PSDB - MG

DELCÍDIO AMARAL

senador
PT - MS