PUCPR investiga abusos de veteranos contra calouras de Engenharia Civil


Da Redação
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) abriu nesta sexta-feira (13) investigação para apurar possíveis abusos cometidos por veteranos contra calouras do curso de Engenharia Civil, em Curitiba. A denúncia partiu do Coletivo Marias da Boca Maldita, que informava que as recém aprovadas no curso precisaram trocar a capa do Facebook com a mensagem “Sou uma caloura burra e esse semestre a cerveja é por minha conta”, além de vídeos relacionados a sexo enviados pelo Whatsapp.
Segundo a nota de repúdio do coletivo Marias da Boca Maldita, o trote foi machista e vexatório. “Como se não bastasse isso, elas ainda devem gravar um vídeo dizendo se é virgem, posição sexual favorita, ‘opção’ sexual, dentre outras coisas. Até quando isso será tolerado dentro de uma universidade, um ambiente que deveria ser de instrução e formação para vida se torna um antro de machismo, misoginia e preconceito, trotes tidos por muitos como uma simples brincadeira, porém carregados de humilhação para com estas meninas, que encontram é um ambiente hostil que as ridiculariza”, diz a nota do grupo.
Em nota interna enviada aos estudantes da PUC, o Centro Acadêmico de Engenharia Civil repudiou o trote e garantiu não ter nenhuma ligação com o caso. “Nós sempre promovemos o trote solidário, que é uma maneira saudável e que gera um ótimo retorno para a sociedade”, disse.
A universidade, por sua vez, afirmou que proíbe a realização de trotes e que já deu início à apuração para identificar os responsáveis, que pode levar até mesmo a expulsão. A instituição também ressaltou que alunos que sejam coagidos ou ameaçados podem fazer denúncia para os professores, coordenadores de curso, na ouvidoria ou na reitoria da instituição de ensino.

Brasileiro é encontrado morto em apartamento em Londres


Família não tinha notícias da vítima há mais de 15 dias e acionou a polícia. 
Segundo bombeiros da Inglaterra, causa da morte seria um ataque cardíaco.

Gabriela RibeiroDo G1 Rio Preto e Araçatuba
Um morador de São José do Rio Preto (SP) foi encontrado morto na quinta-feira (12) dentro do apartamento onde morava em Londres. De acordo com informações dos amigos e parentes, Renato Rezende, de 47 anos, morava e trabalhava em um hotel na Inglaterra havia 16 anos.
Em entrevista ao G1 neste sábado (14), a mãe de Renato, Maria Emília Galego, afirma que ela e o filho sempre conversavam pela internet e por telefone. No entanto, ela relata que não tinha notícias dele há mais de 15 dias e entrou em contato com a polícia, que foi até o apartamento onde o rio-pretense morava. "A gente conversava sempre. Ele já tinha ficado algumas vezes sem dar notícia, mas nunca por tanto tempo", comenta a mãe de Renato.

A polícia londrina informou a família no Brasil que homem já estava morto há pelo menos duas semanas."Os bombeiros disseram para a gente que ele sofreu um ataque cardíaco há alguns dias, mas ainda vamos avaliar outras hipóteses", comenta a mãe de Renato.
 A família irá aguardar o resultado do laudo que esclarecerá as causas da morte para trazer o corpo do recepcionista ao Brasil. O caso será investigado pela polícia do Reino Unido. Após a solicitação de Maria Emília, os policiais ingleses entraram no apartamento e encontraram Renato sem vida. Ainda segundo a mãe da vítima, os bombeiros informaram que o corpo, aparentemente, estava sem sinais de violência. 
Renato Rezende, rio-pretense de 47 anos foi encontrado morto em apartamento em Londres (Foto: Arquivo Pessoal)Renato foi encontrado morto em apartamento em Londres (Foto: Maria Emília Galego/Arquivo Pessoal)

SC-418 ficará fechada por pelo menos quatro horas para resgate das vítimas de acidente de ônibus


Já não é mais possível subir a Serra Dona Francisca, de onde o ônibus caiu

SC-418 ficará fechada por pelo menos quatro horas para resgate das vítimas de acidente de ônibus Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal
Os Bombeiros Voluntários de Joinville e a Polícia Militar Rodoviária ainda trabalham no resgate dos passageiros do ônibus que caiu de uma ribanceira de 400 metros de altura na Serra Dona Francisca, na SC-418, no fim da tarde deste sábado. Por conta disso, segundo informações da PMRV, a SC-418 ficará bloqueada por pelo menos mais quatro horas.
De acordo com informações dos Bombeiros Voluntários de Joinville, haviam entre 40 a 50 passageiros no veículo com placas de União da Vitória. A PMRV confirmou que foram pelo menos 39 mortos e 11 feridos, entre eles, adultos e crianças.

Os bombeiros de Joinville disponibilizaram três ambulâncias, um veículo de resgate, um carro de combate a incêndio e mais um carro de apoio. O helicóptero Águia também está auxiliando no resgate e tentou pousar na região, mas não conseguiu. O helicóptero arcanjo, de Florianópolis, chegou para prestar auxílio e também não conseguiu efetuar pouso. 

Equipes da polícia e de bombeiros de toda a região foram acionadas para ajudar no socorro às vítimas. Ao todo, 15 ambulâncias estão no local.

As vítimas estão sendo levadas para hospitais de Joinville, Jaraguá do Sul e também Curitiba. O trânsito está interditado nos dois sentidos da rodovia. 

Uma reunião acontece na sede dos Bombeiros Voluntários de Joinville neste momento para montar uma operação de resgate que pode durar até a madrugada deste domingo

Sobe para 32 o número de mortos em acidente na Serra Dona Francisca em SC


Ônibus caiu em ribanceira no fim da tarde deste sábado, próximo ao mirante

Sobe para 32 o número de mortos em acidente na Serra Dona Francisca Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal
Um ônibus de turismo do Paraná caiu de uma ribanceira de 400 metros de altura naSerra Dona Francisca no fim da tarde deste sábado, a cerca de dois quilômetros do mirante.

Segundo informações dos Bombeiros Voluntários de Joinville, haviam entre 40 a 50 passageiros no veículo com placas de União da Vitória. A Polícia Militar Rodoviária confirmou que foram pelo menos 32 mortos e 11 feridos, entre eles, adultos e crianças.

Os bombeiros de Joinville disponibilizaram três ambulâncias, um veículo de resgate, um carro de combate a incêndio e mais um carro de apoio. O helicóptero Águia também está auxiliando no resgate e tentou pousar na região, mas não conseguiu. O helicóptero arcanjo, de Florianópolis, chegou para prestar auxílio e também não conseguiu efetuar pouso. 

Equipes da polícia e de bombeiros de toda a região foram acionadas para ajudar no socorro às vítimas. Ao todo, 15 ambulâncias estão no local.

As vítimas estão sendo levadas para hospitais de Joinville, Jaraguá do Sul e também Curitiba. O trânsito está interditado nos dois sentidos da rodovia. 

Uma reunião acontece na sede dos Bombeiros Voluntários de Joinville neste momento para montar uma operação de resgate que pode durar até a madrugada deste domingo.

Caminhão com 20 mil litros de combustível afunda em rua de SP


Moradores da capital paulista ficaram apavorados no sábado (14).
Outro caminhão teve que fazer toda a transferência do combustível.

Em São Paulo, moradores da Zona Leste ficaram apavorados na manhã de sábado (14) por causa de um caminhão-tanque lotado de combustível que afundou na rua.
O caminhão carregado com 20 mil litros de álcool e gasolina ficou atolado em uma obra de prolongamento da rede de esgoto. Por sorte, não tombou. Mesmo assim, havia risco de explosão.
Os bombeiros foram chamados, mas foi preciso esperar a chegada de outro caminhão para fazer a transferência do combustível.
De madrugada, tinha acontecido a mesma coisa com um microônibus, como mostram as imagens enviadas por uma telespectadora.
Sabesp, que é a companhia de saneamento da Região Metropolitana de São Paulo, disse que já tinha terminado a obra na de rede esgoto naquele ponto da rua, mas que um vazamento de água provocou o incidente.
A companhia informou ainda que já está fazendo o conserto e que o serviço vai ficar pronto no sábado (14).

Ciclistas pedem respeito no trânsito em 'Pedalada pelada' na Paulista


'Obsceno é o trânsito', dizia convite para o evento em redes sociais.
Chuva reduziu número de participantes previsto por organizadores.

Do G1, em São Paulo
Ciclistas participam da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas participam da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Dezenas de ciclistas se reúnem na Avenida Paulista, em São Paulo, para participar da "Pedalada pelada" na noite deste sábado (14). A iniciativa, segundo a organização, é uma forma de pedir respeito e alertar sobre os riscos aos quais os ciclistas estão sujeitos em meio ao trânsito.

Ciclistas participam da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)"Vamos nos mostrar como nus sentimos no trânsito. Obsceno é o trânsito!" diz em rede social a convocação para a ação. A pedalada ocorre também no Rio de Janeiro e em outras cidades pelo mundo. A iniciativa é conhecida como World Naked Bike Ride (WNBR).

Antes do início da pedalada em São Paulo, o evento criado no Facebook tinha mais de 750 presenças confirmadas, mas o número de participantes foi bem menor. A chuva que caiu na cidade durante o dia e início da noite pode ter sido um desmotivante para algumas pessoas.
Ciclistas participam da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas participam da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas participam da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas participam da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas participam da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Detalhe da bicicleta de um dos participantes da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Detalhe da bicicleta de um dos participantes da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)
Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)Ciclistas se preparam para participar da pedalada pelada na Avenida Paulista (Foto: Fábio Tito/G1)

Aumenta para 30 mortos acidente com ônibus em SC


Segundo informou a PRE à equipe da RBS TV, há pelo menos 30 mortos. Acidente aconteceu na SC-418, na Serra D. Francisca, em Campo Alegre.

Do G1 SC

Um ônibus de turismo caiu de uma ribanceira de aproximadamente 400 m na tarde deste sábado (14) no km 89 da SC-418, em Campo Alegre, na região de Joinville, no Norte do Estado.
Segundo a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) informou à equipe da RBS TV, há pelo menos 30 mortos e 11 feridos, mas o número pode ser maior.

Local do acidente

O motorista do ônibus, com placas de União da Vitória, PR, teria perdido o controle do veículo numa curva. O local do acidente fica próximo a um mirante na região turística conhecida como Serra Dona Francisca.
Resgate
Equipes trabalham no resgate de feridos. Segundo o coronel Paulo Henrique Hemm, da PM, duas crianças, de aproximadamente 3 e 6 anos, foram resgatadas com traumatismo craniano  grave. As vítimas estão sendo levadas para hospitais de Joinville, Jaraguá do Sul e Curitiba, no Paraná.
Há pelo menos 15 viaturas e ambulâncias dando apoio no local, mas as equipes enfrentam dificuldades por conta da escuridão e pela falta de sinal de rádio e celular no local.
Por volta das 20h, o trânsito da rodovia estava interditado nos dois sentidos para os trabalhos de resgate. Foi formado um corredor de emergência para a saída de ambulâncias. Um gerador está sendo usado no local.
O grupo de Bombeiros Voluntários de Joinville está reunido para organizar uma operação de resgate que deve atravessar a madrugada.
acidente de ônibus em campo alegre, serra dona francisca, mortos (Foto: Jean Mazzonetto/RBS TV)Equipes enfrentavam dificuldades no início da noite para resgatar vítimas (Foto: Jean Mazzonetto/RBS TV)



PM localiza caminhão roubado que levava 14 T dinamites e prende suspeito


Carga não estava no veículo achado na Marginal Tietê, região do Tatuapé.
Suspeito detido será encaminhado para o Deic, que apura o roubo.

Do G1 São Paulo
A Polícia Militar (PM) localizou neste sábado (14) o caminhão usado no transporte de dinamites que foi roubado na madrugada de sexta-feira (13). A carga não estava no veículo. Uma pessoa foi presa. O caminhão foi achado na Marginal Tietê, na região do Tatuapé Zona Leste de São Paulo.
  •  
Caminhão levava 14 toneladas de dinamite. (Foto: Arte/G1)
O caminhão foi levado em Guarulhos, na Grande São Paulo, com 14 toneladas de dinamite. O motorista já tinha sido preso após confessar que ajudou os bandidos no crime. A Polícia Civil montou uma força-tarefa para investigar o desaparecimento da carga
A dinamite vinha do interior e seria levada para minas de carvão em Santa Catarina, mas viajava sem escolta. Segundo o depoimento do motorista, ele estava na Avenida Santos Dumont quando o caminhão foi fechado por um carro preto por volta das 3h30. Três homens armados e encapuzados desceram e levaram o caminhão.
Entrega da carga deveria ocorrer em SC. Explosivos foram extraviados em Guarulhos após sair de fábrica em Cruzeiro. (Foto: Reprodução/TV Globo)Entrega da carga deveria ocorrer em SC. Explosivos foram extraviados em Guarulhos após sair de fábrica em Cruzeiro. (Foto: Reprodução/TV Globo)

Para prevenir roubos como este e evitar que os explosivos sejam usados para ataques a caixas eletrônicos, desde o dia 1º esse tipo de carga tinha que circular pelo estado com escolta particular. A fiscalização deve ser feita pelo Exército.
O dono da transportadora confirmou que o caminhão viajava sem escolta. O Comando Militar do Sudeste informou que a responsabilidade pela escolta privada e armada é da transportadora.

O Exército ainda esclareceu que a determinação está em vigor, mas só a partir de 6 de abril é que as empresas que não cumprirem começarão a ser punidas. Elas podem até perder o registro. Segundo a nota do centro de comunicação do Exército, a fiscalização está sendo feita.

Ônibus de turismo cai em ribanceira e deixa ate agora 15 mortos no Norte de SC, diz PRE


Segundo informou a PRE à equipe da RBS TV, há pelo menos 15 mortos. Acidente aconteceu na SC-418, na Serra D. Francisca, em Campo Alegre.

Do G1 SC
ônibus cai de ribanceira na serra dona francisca, em campo alegre na região de joinville (Foto: Jean Mazzonetto/RBS TV)Motorista teria perdido o controle do veículo em uma curva na serra (Foto: Jean Mazzonetto/RBS TV)
Um ônibus de turismo caiu de uma ribanceira de aproximadamente 400 m na tarde deste sábado (14) no km 89 da SC-418, em Campo Alegre, na região de Joinville, no Norte do Estado.
Segundo a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) informou à equipe da RBS TV que está no local, há pelo menos 15 mortos, mas o número pode ser maior.
O ônibus, com placas de União da Vitória, PR, teria perdido o controle do veículo numa curva. O local do acidente fica próximo a um mirante na região turística conhecida como Serra Dona Francisca.
Resgate
Equipes trabalham no resgate de feridos. Segundo o coronel Paulo Henrique Hemm, da PM, duas crianças foram resgatadas com traumatismo craniano. As vítimas estão sendo levadas para hospitais de Joinville, Jaraguá do Sul e Curitiba, no Paraná.
Há pelo menos 15 viaturas e ambulâncias dando apoio no local, mas as equipes enfrentam dificuldades por conta da escuridão e pela falta de sinal de rádio e celular no local.
O grupo de Bombeiros Voluntários de Joinville está reunido para organizar uma operação de resgate que deve atravessar a madrugada.
acidente de ônibus em campo alegre, serra dona francisca, mortos (Foto: Jean Mazzonetto/RBS TV)Equipes enfrentavam dificuldades no início da noite para resgatar vítimas (Foto: Jean Mazzonetto/RBS TV)

Empresas no Paraná serão abertas em 3 dias

unnamed
A abertura de novas empresas no Paraná será formalizada exclusivamente pelo portal do programa Empresa Fácil – www.empresafacil.pr.gov.br. A medida a partir de 20 de março, faz parte da iniciativa do governo, por meio da Junta Comercial do Paraná, para a operação da rede de simplificação do registro empresarial. O sistema será utilizado para empresas que não precisam de vistoria e para as quais o processo de abertura tradicional é hoje de cerca de 30 dias. Pelo portal, o período será, em média, de 3 dias. A informação é do presidente da Jucepar, Ardisson Akel.

Lula depõe na Polícia Federal e diz que nada sabe de dinheiro clandestino


unnamed
Lula foi Lula ao falar à PF e disse não saber de nada em caso de dinheiro clandestino. Inquirido sobre “empréstimo” de 7 milhões de dólares ao PT, ele transferiu a responsabilidade por eventuais irregularidades a Delúbio Soares e João Vaccari
Rodrigo Rangel, Veja
Na sede da Polícia Federal, em Brasília, tudo foi planejado para oferecer ao visitante o conforto a que ele tem direito como ex-presidente da República e, principalmente, a mais absoluta discrição. Lula pediu, e foi atendido, para depor em um local reservado. Os policiais escolheram uma sala contígua ao gabinete do diretor-geral. Foi assim que, na terça-feira 9 de dezembro de 2014, Lula prestou seu depoimento. O ex-presidente, acompanhado de três advogados, entrou pela garagem do prédio e usou o elevador privativo do diretor para levá-lo ao 9º andar. Com a solenidade, o respeito e a deferência que merece um ex-mandatário da República, depois de várias tentativas em vão, a polícia finalmente conseguiu interrogar Lula sobre uma passagem ainda obscura do mais rumoroso caso de corrupção a estourar durante o seu governo, o mensalão.
Desde que deixou o governo, em 2010, pouca coisa se ouviu do ex-presidente sobre o escândalo. Seu principal ministro, seus amigos mais próximos, a cúpula de seu partido e muitos dos parlamentares que apoiavam seu governo foram condenados à prisão. Embora, em última instância, fosse o principal beneficiado pela compra de apoio parlamentar, o ex-presidente nunca foi acusado de nada. Em 2005, Lula se disse traído quando se revelou que o tesoureiro e amigo Delúbio Soares e José Dirceu, seu braço-direito, haviam montado uma rede clandestina de captação de dinheiro para subornar parlamentares e sustentar as campanhas políticas do PT. Preservado por todos os que sabiam de seu envolvimento direto no mensalão, Lula escapou do processo judicial. Ele passou todo o seu governo negando a existência do esquema. Quando desceu a rampa do Palácio do Planalto, porém, prometeu que contaria “a verdadeira história do mensalão”. Diante dos policiais federais em Brasília, Lula voltou à versão que, oficialmente, sustentou.
A Veja teve acesso à integra do depoimento, um documento de valor histórico inestimável em que Lula, pela primeira vez, formaliza o que tem de importante a dizer sobre o caso: absolutamente nada. São quatro valiosas páginas que sintetizam a natureza do ex-presidente diante de uma situação embaraçosa – ele, como sempre, jura que não sabia de nada, que nunca se envolveu com os malfeitos de seu governo e, quando confrontado com os fatos, aponta o dedo para terceiros para salvar a própria pele. Durante pouco mais de uma hora, Lula driblou as 28 perguntas elaboradas previamente e lidas por um delegado convocado especialmente para a ocasião.