Parada cardiorrespiratória provocada por golpes causou a morte de lutador


Mexicano Pedro Aguayo Ramirez, de 35 anos, sofreu um trauma na cervical após 
de uma sequência de golpes em uma exibição de luta livre em Tijuana, no México

Por Rio de Janeiro
A causa da trágica morte do lutador mexicano Pedro Aguayo Ramirez, de 35 anos, foi uma parada cardiorrespiratória causada pelo trauma na cervical, de acordo com Ernesto Franco, médico que o atendeu após o incidente. Segundo ele, a morte também não aconteceu dentro do ringue, conforme especulado anteriormente. Mais conhecido como "Hijo del Perro Aguayo" no mundo da luta livre, o ídolo mexicano morreu de forma trágica depois de receber uma sequência de golpes de Oscar Gutierrez, o Rey Mysterio, em um evento de "lucha libre" em Tijuana, uma luta ensaiada com coreografias e golpes plásticos, que é sucesso no México. 
luta.livre morte Pedro Aguayo Ramirez (Foto: EFE)Pedro Aguayo Ramirez morreu com parada cardiorrespiratória causada por trauma na cervical (Foto: EFE)
- Foi uma parada cardiorrespiratória. O golpe pode ter desencadeado isso. Os sinais vitais e os reflexos estavam muito reduzidos, mas ainda existiam - disse o médico que cuidou do lutador, Ernesto Franco, em uma entrevista ao jornal mexicano "Mediotiempo". 
Ramirez demorou cerca de dois minutos para ser atendido, mas o médico de sua família, Mario García Orozco, descartou a possibilidade de negligência no socorro. O corpo do ídolo mexicano foi velado no último domingo em Guadalajara. As cenas dos golpes e do lutador inconsciente no ringue que rodaram o mundo são impressionantes. 
O Ministério Público local afirma que o mexicano foi levado para um hospital próximo do local da exibição ainda com vida na noite de sexta-feira e foi declarado morto à 1h30 da madrugada de sábado. Há quatro anos, o lutador se curou de um câncer no estômago que quase interrompeu sua carreira.

Novas vítimas contam como foram contaminadas, de propósito, pelo HIV


Fantástico revela detalhes do 'clube do carimbo', grupo formado por pessoas que transmitem o vírus da Aids de propósito.

Domingo passado (15), o Fantástico revelou detalhes do "clube do carimbo", um grupo formado por pessoas que transmitem o vírus da Aids de propósito. Nesta semana, o programa encontrou novas vítimas desse grupo que age de forma criminosa. E perguntou às autoridades o que está sendo feito para identificar os chamados carimbadores.
Depois da confissão, a revolta de quem viu a reportagem de domingo (15) e foi vítima de um "carimbador": de uma pessoa que transmite o vírus da Aids de propósito.

Uma dessas vítimas é vendedor, tem 32 anos e descobriu que era portador do HIV há quatro meses.

“Toda hora ia no médico, toda hora sentindo muito cansaço. Cheguei a perder em dois meses coisa de 13 a 14, 15 quilos”, conta o vendedor, que não quis se identificar.

Ele diz que frequentava uma sauna no centro de São Paulo e lá encontrou um homem, que não falou que tinha a doença. Eles não usaram camisinha.

“Eu fui carimbado contra a minha vontade. Não mudou só a minha vida. Mudou a vida de todo mundo que está a minha volta. Você acha que, de repente, encontrou uma pessoa bacana. Na verdade, essa pessoa está ali só pra te prejudicar”, diz o vendedor.

No domingo, o Fantástico mostrou como os carimbadores agem.
O Ministério Público já conseguiu identificar um dos carimbadores e nos próximos dias deve chamá-lo para prestar depoimento. Além de lesão corporal grave, os dois homens que confessaram transmitir o vírus de propósito também podem responder por outro crime: participar de organização criminosa.

É que os carimbadores costumam trocar mensagens em grupos secretos nas redes sociais. Também há páginas na internet que incentivam as pessoas a transmitir o vírus de forma intencional e ensinam como fazer isso sem o parceiro desconfiar.

“Vamos tentar localizar os administradores, os proprietários desses blogs, desses sites e vamos tentar tirar esses sites do ar, além de responder por incitação ao crime”, afirma o delegado Ronaldo Tossunian.

Vítimas de carimbadores já estão procurando a polícia para denunciar.

“Estamos localizando os autores através de vítimas que têm nos procurado e a partir delas vamos atrás dos autores pra tentar provar que aquele indivíduo foi responsável por passar, transmitir o vírus para aquela vítima”, conta Ronaldo Tossunian.

O Instituto Emílio Ribas, em São Paulo, é um hospital de referência no tratamento da Aids. Atende hoje 6,5 mil portadores do vírus.

“A maior parte dos pacientes portadores de HIV são extremamente conscientes e preservam não só a saúde própria como dos próximos”, explica Jean Gorinchteyn, médico do Instituto Emilío Ribas.

O médico diz que os carimbadores fazem parte de um grupo restrito.

“Clube do carimbo acaba acontecendo principalmente pra aqueles indivíduos que não fazem o tratamento e que ainda mantém o estigma de revolta dizendo: ‘Como eu fui contaminado sem ser informado, assim eu vou fazer para outras pessoas’", conta Jean Gorinchteyn.

Um militar, de 33 anos, tem certeza que contraiu o vírus do ex-namorado.

“Eu falava que eu tinha medo de ser contaminado. Ele falava: ‘não, eu não tenho nada’”, lembra o militar, que não quis se identificar.

Ele diz que duas pessoas também foram infectadas de propósito pelo seu ex-parceiro.

“Essa pessoa age na região, desta forma, usando as pessoas, passando o vírus sem qualquer pudor, sem qualquer medo de punição”, afirma o militar.

“Nunca tirem o preservativo das relações antes que ambos tenham feito realmente um teste sorológico para garantir que não haja positividade seja de um, seja de outro”, diz Jean Gorinchteyn.

“Conheça com quem você está. Um minuto da sua vida, você pode se arrepender para o resto da sua vida. Porque não é fácil conviver com o vírus”, alerta o militar.

Ex-BBBs Diego e Franciele são expulsos por taxista que se recusou a levá-los ao Vidigal; veja o vídeo



Diego Grossi e Franciele Almeida passaram por um momento de constrangimento nesta segunda-feira, quando tentaram pegar um táxi no Leblon. Além de se recusar a subir o morro do Vidigal, onde eles moram, o motorista parou o carro e colocou no chão as sacolas de compras do casal.
“Já estávamos dentro do carro quando ele parou, tirou as nossas compras da mala e deixou no meio da rua. E ainda nos chamou de favelados. Ele foi muito agressivo”, desabafou Diego. “Anotei a placa do carro e já procurei um advogado para saber que providências podemos tomar”.
Diego e Franciele participaram da edição de 2014 do “Big Brother Brasil” e engataram um romance dentro da casa. O casal, que mora no Vidigal há 8 meses, já teve corridas recusadas antes, mas nunca de maneira tão grosseira. “Outros taxistas já disseram que não gostam de subir, mas nunca passamos por uma situação tão delicada”.

Diego Grossi e Franciele Almeida


Justiça aceita denúncia contra tesoureiro do PT, Duque e mais 25


Todos são suspeitos de envolvimento em crimes descobertos na Lava Jato.
MPF apresentou denúncia na segunda-feira (16), em Curitiba.

Adriana Justi e Bibiana DionísioDo G1 PR
Vaccari (Foto: Rede Globo)Vaccari está entre os denunciados pelo MPF
(Foto: Rede Globo)
A Justiça Federal aceitou nesta segunda-feira (23) a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), João Vaccari Neto, e contra o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato de Souza Duque.
Ambos e mais 25 pessoas - também denunciadas pelo MPF - se tornaram réus diante da Justiça Federal sob a acusação de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.
Na tarde desta segunda, o PT divulgou nota na qual afirma que "não são verdadeiras" as acusações contra Vaccari e que ele está à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos.

O MPF apresentou a denúncia na segunda-feira (16), dia em que a 10ª fase da Operação Lava Jato foi deflagrada. Foi nesta fase que Duque foi detido pela segunda vez. O pedido de prisão foi motivado por movimentações financeiras realizadas pelo ex-diretor em contas bancárias do exterior.
O doleiro Alberto Youssef - apontado como o líder do esquema de corrupção, desvio e lavagem de dinheiro na Petrobras - o ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e o engenheiro Pedro José Barusco Filho, que era gerente-executivo de Serviços e Engenharia e braço direito de Duque, também foram denunciados.

Nesta ação, o juiz Sérgio Moro, responsável pelas ações da Operação Lava Jato em primeira instância, deixou de receber denúncia contra Youssef pelo crime de corrupção, pelo fato do doleiro já responder por este crime em outras ações penais.

"Há aparentemente litispendência com as imputações já pendentes. Concedo ao MPF o prazo de cinco dias para esclarecer o ponto, especificamente se os crimes de corrupção a ele imputados na presente ação penal já não estão abarcados pelas outra denúncia", diz trecho do despacho.
Moro também faz ressalvas quanto aos acusados por intermediação das propinas, que na avaliação do magistrado, "não podem responder, pelos mesmos atos, por crimes de corrupção ativa e passiva como sugere a denúncia".
Os 27 réus são:
-Adir Assad
-Agenor Franklin Magalhães Medeiros
-Alberto Elísio Vilaça Gomes
-Alberto Youssef
-Ângelo Alves Mendes
-Augusto Ribeiro de Mendonça Neto
-Dario Teixeira Alves Júnior
-Francisco Claudio Santos Perdigão
-João Vaccari Neto
-José Aldemário Pinheiro Filho
-José Américo Diniz
-José Humberto Cruvinel Resende
-Julio Gerin de Almeida Camargo
-Lucélio Roberto Von Lehsten Góes
-Luiz Ricardo Sampaio de Almeida
-Mario Frederico Mendonça Góes
-Marcus Vinícius Holanda Teixeira
-Mateus Coutinho de Sá Oliveira
-Paulo Roberto Costa
-Pedro José Barusco Filho
-Renato de Souza Duque
-Renato Vinícios de Siqueira
-Rogério Cunha de Oliveira
-Sérgio Cunha Mendes
-Sonia Mariza Branco
-Vicente Ribeiro de Carvalho
-Waldomiro de Oliveira
A denúncia
Quinze denunciados são de empreiteiras, cinco são operadores, quatro são ligados aos operadores, dois ex-diretores da Petrobras e um ex-gerente. A denúncia envolve desvios de recursos da Petrobras em quatro obras: Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), Refinaria de Paulínia (Replan), Gasoduto Pilar/Ipojuca e Gasoduto Urucu Coari. As empresas responsáveis por estas obras são OAS, Mendes Júnior e Setal.
MPF fala sobre a Operação Lava Jato, em Curitiba (Foto: Fernando Castro/G1)MPF fala sobre a Operação Lava Jato, em Curitiba
(Foto: Fernando Castro/G1)
De acordo com a denúncia, Vaccari participava de reuniões com Duque para tratar de pagamentos de propina, que era paga por meio de doações oficiais ao PT. Dessa maneira, os valores chegavam como doação lícita, mas eram oriundas de propina.
O MPF aponta que foram 24 doações em 18 meses, no valor de R$ 4,260 milhões.
O tesoureiro do PT indicava em que contas deveriam ser depositados os recursos de propina, segundo o MPF. "Vaccari tinha consciência de que os pagamentos eram feitos a título de propina", afirmou o procurador do MPF Deltan Dallagnol durante entrevista coletiva nesta tarde, em Curitiba.
Além de Dallagnol, participam da coletiva o procurador do MPF Roberson Henrique Pozzobon e o delegado da Polícia Federal Marcio Anselmo.
GNEWS_Duque (Foto: GloboNews)Duque voltou a ser preso nesta segunda-feira (16)
(Foto: GloboNews)
Segundo o MPF, as penas para os crimes apontados são: formação de quadrilha, um a três anos; corrupção, dois anos e oito meses a 21 anos e quatro meses; e lavagem de dinheiro, de quatro anos a 16 anos e oito meses. Combinados os crimes, porém, as penas podem ultrapassar 100 anos de prisão.

Duque se cala na CPI
O ex-diretor de Serviços da Petrobras foi até a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), no Congresso Nacional, que apura as denúncias de irregularidades na estatal. Ele se recusou a responder às perguntas dos deputados federais. Já em sua primeira manifestação na CPI o ex-dirigente advertiu aos parlamentares que, por orientação de seus advogados, ele iria exercer o direito constitucional de ficar em silêncio.
Outros presos
O empresário paulista Adir Assad também foi preso. De acordo com o procurador  Pozzobon, Assad aparece como um novo operador do esquema de propina, atuando junto às empresas prestadoras de serviço à Petrobras.
Assad é engenheiro civil e promove shows e eventos no Brasil. Ele trouxe a banda U2, a cantora Amy Winehouse e Beyonce para o país. Ele também era dono das empresas JMS Terraplanagem Ltda., S Terraplanagem Ltda. e Rock Star Marketing.
Adir também já foi alvo em outros escândalos e foi investigado pela CPI do bicheiro Carlos Cachoeira, no Congresso Nacional, como suposto intermediário de propinas envolvendo a empreiteira Delta com o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit).

De acordo com Pozzobon,
 o pedido de prisão contra Adir Assad foi estruturado após a apreensão de notas fiscais na casa de Mário Góes.Também foi preso Lucélio Góes, filho de Mário Góes, apontado pela Polícia Federal como um dos operadores do esquema e que está detido desde fevereiro deste ano.
De acordo com os policiais, o nome faz referência a uma frase dita por Duque quando foi preso pela primeira vez, em novembro de 2014.
Ao despachar favorável ao mandado de prisão, o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em primeira instância, afirmou que o ex-diretor de Serviços da Petrobras "esvaziou" contas na Suíça e enviou € 20 milhões para contas secretas no principado de Mônaco. O dinheiro, que não havia sido declarado à Receita Federal, acabou bloqueado pelas autoridades do país europeu.

“Autoridades estrangeiras comprovaram que Duque recentemente movimentou seus recursos de contas na Suíça titularizados por ele para contas de outros países na Europa. Notadamente, o principado de Mônaco, ao qual recebeu ainda no segundo semestre de 2014 quantia que superava R$ 5 milhões”, disse o procurador.

Presos da Lava Jato vão dividir celas e banheiros na Grande Curitiba


Justiça autorizou transferência de 12 presos para o Complexo Médico-Penal.
Polícia Federal pediu a transferência alegando lotação das celas.

Do G1 PR
Nas celas cabem três presos, que compartilham o banheiro (Foto: Tony Matoso/RPC)Nas celas cabem três presos, que compartilham o banheiro (Foto: Tony Matoso/RPC)
Os 12 presos da Operação Lava Jato que serão transferidos para o Complexo Médico Penal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, vão dividir cinco celas da unidade. O grupo teve a transferência autorizada pelo juiz federal Sérgio Moro, após um pedido da Polícia Federal, que alegou superlotação na carceragem da Superintendência de Curitiba, onde eles estão atualmente.
A ala que os presos da Lava Jato vão ficar é destinada a receber presos que possuem nível superior e policiais. A transferência dos detentos deve ocorrer na terça-feira (24). Não se sabe como será a divisão dos presos nas celas. Na Polícia Federal, eles também ficavam em celas compartilhadas, porém, com mais pessoas no mesmo espaço.
Atualmente, 90 pessoas estão detidas na ala. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (Sesp) do Paraná, os presos da Lava Jato poderão interagir com outros detentos  durante os banhos de sol, que devem durar uma hora. A roupa será o uniforme fornecido pelo Departamento de Execução Penal (Depen), uma calça cinza, azul ou laranja e camiseta branca. Ao entrar na cela, os presos vão receber um kit que tem, entre outras coisas, escova de dentes e papel higiênico.
Ala recebe presos com nível superior e policiais militares condenados (Foto: Tony Matoso/RPC)Ala recebe presos com nível superior e policiais
militares condenados (Foto: Tony Matoso/RPC)
Ao todo, serão cinco celas usadas pelos presos transferidos. No local, é possível colocar uma televisão, mas eles não podem ter ventiladores. O acesso a livros e revistas só será possível pelo acervo da biblioteca do presídio. A alimentação também será a que é fornecida pelo Depen. Não é possível levar objetos pessoais para a unidade.
Em cada cela, cabem três presos. Nenhum dos 12 transferidos recebeu qualquer condenação nos processos da Lava Jato, mas tiveram as prisões preventivas já decretadas pela Justiça Federal, ou seja, devem ficar presos até que se acabe a fase de instrução do processo ou até a eventual condenação. Entre os detentos está o ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque. Veja a lista completa:
Adir Assad, empresário apontado como um dos operadores do esquema de corrupção;
Agenor Franklin Magalhães Medeiros, diretor-presidente da área internacional da OAS;
Erton Medeiros Fonseca, diretor de negócios da Galvão Engenharia;
Fernando Antônio Falcão Soares, lobista conhecido como Fernando Baiano, apontado como um dos operadores do esquema de corrupção na Petrobras;
Gerson de Mello Almada, vice-presidente da empreiteira Engevix;
João Ricardo Auler, presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa;
José Aldemário Pinheiro Filho, presidente da OAS;
José Ricardo Nogueira Breghirolli, apontado como contato de doleiro com a OAS;
Mário Frederico Mendonça Góes, apontado como um dos operadores do esquema;
Mateus Coutinho de Sá Oliveira, funcionário da OAS;
Renato de Souza Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras;
Sérgio Cunha Mendes, vice-presidente executivo da Mendes Júnior
Despacho
Na decisão, Sérgio Moro detalhou os motivos pelos quais definiu a custódia dos presos no Complexo Médico-Penal. "Não ouvi as defesas antes das decisões, pois rigorosamente não há um direito de ser recolhido à prisão no local de preferência do preso", disse. O juiz ressalta ainda que "o local apresentado ao juízo para acomodar os presos no sistema prisional estadual parece adequado, talvez até com melhores condições do que as da carceragem [da PF]", pontuou o magistrado.
Outros réus
No despacho, Moro também diz que não autorizou a transferência de Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras. Segundo o juiz, o réu já estaria recebendo assistência psicológica na carceragem da Polícia Federal. O pedido do tratamento foi feito pela defesa de Cerveró no início de fevereiro, após o ex-diretor passar mal na sede da PF.
Outro que teve o pedido de transferência negado foi o presidente da construtora UTC, Ricardo Ribeiro Pessoa, por solicitação do Ministério Público Federal (MPF).
Além dos dois, permanecem na sede da PF: o doleiro Alberto Youssef, os executivos da Camargo Corrêa Dalton dos Santos Avancini e Eduardo Leite, além das doleirasNelma Kodama e Iara Galdino, já condenadas em uma das primeiras ações oriundas da Lava Jato.
Transferência para o DF
No domingo (22), a defesa do vice-presidente da empreiteira Mendes Junior, Sérgio Cunha Mendes, protocolou na Justiça Federal do Paraná um pedido para que Mendes fosse transferido para o presídio da Papuda, em Brasília.
Contudo, Sérgio Moro negou o pedido da defesa. O magistrado alegou que a presença de Cunha Mendes em Curitiba "ainda se mostra necessária".
Presos soltos 
Na última sexta-feira (20), três suspeitos presos na 10ª fase da operação, deflagrada na segunda-feira (16), foram soltos, porque as prisões temporárias venceram. São eles: Sônia Mariza Branco, Dario Teixeira Alves e Lucélio Góes.
Conforme a polícia, Mário Góes, o pai de Lucélio, era um dos operadores do esquema de corrupção e atuava por meio da empresa catarinense Arxo. Ele está detido desde fevereiro deste ano.
Sônia Marisa Branco e Dario Teixeira Alves eram, segundo a investigação, "laranjas" do esquema, ligadas ao operador Adir Assad.

Velório de Cláudio Marzo será aberto ao público no Rio, nesta quinta-feira


A despedida acontecerá no Parque Lage, na Zona Sul da cidade.
Fãs poderão se despedir entre 11h e 16h.

Do G1 Rio
Cláudio Marzo em 'Era uma vez',de 1998 (Foto: Divulgação/TV Globo)Cláudio Marzo quando atuou na novela 'Era uma vez',de 1998 (Foto: Divulgação/TV Globo)
O velório do ator Cláudio Marzo acontecerá no Parque Lage, no bairro do Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio, na próxima quinta-feira (26). O público poderá se despedir do ator entre às 11h e 16h. A cremação do corpo acontecerá na sexta-feira (27), em uma cerimônia reservada somente à família.
Cláudio Marzo, de 74 anos, morreu às 5h39 deste domingo (22) na Clínica São Vicente, na Gávea, Zona Sul do Rio. Segundo a assessoria da unidade, ele estava internado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) com quadro de pneumonia desde o dia 4 de março.
Ainda não há informações sobre onde o velório será realizado. Segundo a assessoria do hospital, Marzo tinha o desejo de ser cremado. A família aguarda a chegada de um dos filhos que mora na Austrália.
Outras internações
O ator também foi internado no dia 8 de fevereiro devido a um quadro infeccioso, associado à insuficiência renal e a um enfisema descompensado, informou o boletim médico divulgado pelo Dr. João Manuel Pedroso, clínico geral e cardiologista do ator.
No dia 28 de dezembro de 2014, Cláudio foi internado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do mesmo hospital com um quadro de arritmia cardíaca e pneumonia. Entretanto, recebeu alta médica no dia 31 de dezembro e pôde passar a virada do ano em casa.
Primeiro time da Globo
Marzo tinha 25 anos quando recebeu o convite para trabalhar na TV Globo. Ele morava em São Paulo e fazia parte do Grupo Oficina. Ele ainda atuava como dublador da série americana “Mr. Novac”. Foi quando se mudou para o Rio e assinou contrato. Ele fez parte do primeiro grupo de atores contratados pela Globo, inaugurada em 26 de abril de 1965.
“Por coincidência, a Globo tinha comprado esses filmes que eu dublava. Então, já contratado, eu continuava em São Paulo, até terminar as dublagens. Queria ter vindo antes, estava doido para vir para o Rio”, lembrou o ator, em depoimento ao site Memória Globo.
Foi por conta desse pequeno atraso que o ator acabou escalado não para a primeira, mas para a segunda novela da emissora no horário das 19h. Era “A Moreninha”, de Graça Mello, com 35 capítulos.
Ele nasceu no dia 26 de setembro de 1940, em São Paulo, filho de uma família de operários e descendente de italianos. O ator abandonou os estudos aos 17 anos para trabalhar como figurante na TV Paulista. Depois, foi contratado pela TV Tupi. “Deixei até o cabelo crescer para viver o músico, ninguém naquela época tinha cabelo comprido”, disse.
Claudio Marzo e Regina Duarte em Minha Doce Namorada (Foto: Divulgação/TV Globo)Cláudio Marzo e Regina Duarte em 'Minha Doce
Namorada' (Foto: Divulgação/TV Globo)
“Sempre tive vontade de ser ator, achava uma coisa fantástica. Os atores me emocionavam. Achava interessante você transmitir emoções e consciência de mundo para as pessoas. Na época, eu acreditava, ingenuamente até, que o teatro pudesse modificar o mundo.”
Par com Regina Duarte
O ator participou de várias novelas nos anos 1960, sendo "Véu de Noiva" um de seus momentos mais marcantes. Ele atuou ao lado de Regina Duarte, na trama de Janete Clair. A novela é considerada importante por ter sido uma resposta à tendência iniciada por "Beto Rockfeller", exibida pela TV Tupi. Foi ainda a primeira a ganhar uma trilha sonora original, com músicas escolhidas por Nelson Motta.

O par romântico Marzo e Regina Duarte no gosto popular. E voltou a ser escalado em "Irmãos Coragem", de Janete Clair, produzida em 1970. Na trama, o ator viveu um dos irmãos Coragem, Duda, um craque dos campos de futebol. Foi mais um sucesso de público. “Eu não queria fazer sucesso em televisão. Eu queria ser ator de teatro, entende? E achava que, na minha cabeça, na época, fazer sucesso em televisão era uma coisa que te queimava. Novela, televisão, isso era uma coisa inferior. Mas eu precisava trabalhar”, confessa.

"Minha doce namorada", de 1971, e "Carinhoso", de 1973, trouxeram de volta Cláudio Marzo e Regina Duarte. Na década seguinte, participou de produções que marcariam a carreira. Em "Brilhante", novela de Gilberto Braga exibida em 1981, interpretou o motorista Carlos, que vivia romance com a patroa, Chica Newman, interpretada por Fernanda Montenegro.
Manchete e filmes
Marzo também participou de duas novelas na extinta TV Manchete. Ele esteve em "Kananga do Japão", de Wilson Aguiar Filho, em 1989; e "Pantanal", de Benedito Ruy Barbosa, no ano seguinte. A carreira de Marzo também inclui trabalhos no cinema. Foram 35 longas-metragens, com destaque para "O Homem Nu", dirigido por Hugo Carvana, com roteiro de Fernando Sabino, em 1990.
Retorno à TV Globo
De volta à Globo em 1993, atuou em "Fera Ferida", de Walther Negrão, no papel do coveiro Orestes Fronteira. Dois anos depois, foi convidado para participar do remake de "Irmãos Coragem", dessa vez vivendo o poderoso coronel Pedro Barros, justamente quem perseguia a família Coragem. Em 2007, na Globo, atuou na novela "Desejo Proibido", de Walther Negrão, e na minissérie "Amazônia – De Galvez a Chico Mendes", de Gloria Perez, no papel de Ramalho Jr, ex-governador do Acre. O último trabalho na Globo foi no seriado "Guerra e Paz", em 2008. O ator interpretou o capitão Guerra.
  •  
Trajetória em linha do tempo de Cláudio Marzo (Foto: G1)

Claudia Raia publica esclarecimento sobre conta na Suíça

Atriz usou uma rede social para comentar matéria do jornal 'O Globo' que listou artistas que mantinham valores no exterior.

do EGO, no Rio

Claudia Raia (Foto: Thiago Duran/AgNews)Claudia Raia (Foto: Thiago Duran/AgNews)
Claudia Raia usou sua conta no Instagram para comentar matéria publicada pelo jornal "O Globo" nesta segunda-feira, 23, na qual é citada em uma lista de artistas que possuem, ou possuíram, contas supostamente secretas em um banco em Genebra, na Suíça.
No post, intitulado "nota de esclarecimento", a atriz afirma que a conta que mantinha em conjunto com o ex-marido Edson Celularifoi encerrada no ano de 2006. De acordo com documento citado na matéria do jornal - que teria sido "vazado" por um ex-técnico de informática do banco HSBC - , a conta guardava um total de US$ 135,7 mil.
Leia na íntegra o esclarecimento da atriz:
"Em relação à matéria 'Lista de correntistas do HSBC', publicada hoje, venho informar que a conta citada – encerrada em 2006 - continha um dinheiro que era uma reserva pessoal, fruto de muito trabalho, com seus devidos impostos recolhidos. Sobre a associação leviana e irresponsável que a matéria tenta fazer entre a existência dessa conta e a captação de recursos para meus espetáculos musicais através da Lei Rouanet, gostaria de afirmar que sempre realizei corretamente a rígida e transparente prestação de contas exigida pela Lei - nunca houve nenhum tipo de dúvida sobre isso. Essas contas, inclusive, estão disponíveis no órgão competente para qualquer tipo de consulta.

Sou uma empresária e produtora cultural que luta há 30 anos para levar espetáculos de qualidade à população brasileira, gerando empregos e capacitando profissionais no país. Não há o menor cabimento associar um antigo investimento pessoal meu a valores de captação para produções culturais realizadas por mim. Entendo a importância da investigação dos casos de corrupção que vêm assombrando nosso país e assim como todos os brasileiros torço para que os culpados sejam punidos.
"
Além de Claudia Raia e Edson Celulari, Maitê ProençaJô SoaresMarília Pêra e Francisco Cuoco também aparecem no documento publicado na matéria do jornal "O Globo".
  •  
  •  
Claudia Raia fala sobre conta em Genebra (Foto: Instagram / Reprodução)Claudia Raia fala sobre conta em Genebra (Foto: Instagram / Reprodução)