Falar ou calar, companheira Dilma?


Para qualquer lugar que se olhe, os números justificam a cisão entre PT e trabalhadores

RUTH DE AQUINO
30/04/2015 - 20h57 - Atualizado 30/04/2015 21h17
O 1º de Maio, Dia do Trabalho, deveria ser uma data de gala para o Partido dos Trabalhadores. O PT está no Poder há mais de 12 anos, legitimamente eleito em quatro consultas consecutivas à população. Lula duas vezes. Dilma, mais duas. Por que então a presidente decide não fazer o pronunciamento tradicional em cadeia de rádio e televisão para 200 milhões de brasileiros? Por que não agradecer o voto de confiança dado a ela há apenas alguns meses – que já parecem uma eternidade?
Medo de um panelaço pior que o do Dia da Mulher. Panelas novas, panelas importadas, panelas velhas, panelas arranhadas. Medo do barulho infernal que pode emergir de residências caras, apartamentos modestos ou barracos. Medo da reação dos trabalhadores, não importa quanto ganhem. Medo da desilusão dos que perderam o emprego. A taxa de 6,2% de desocupação é a mais alta desde maio de 2011. O total de desempregados aumentou 23,1% em relação a março de 2014. As contas públicas registraram o pior trimestre em 17 anos.
O governo nega medo de panelaço ou de vaia. Dilma prefere gravar e divulgar alguns vídeos com mensagens nas redes sociais, segundo o ministro da Comunicação, Edinho Silva. O PT não gostou dessa desculpa tecnológica. Dirigentes petistas acham “um absurdo” e criticam a “covardia” de Dilma. Lula também pressiona a companheira. Há duas semanas, ele apelou em reunião com sindicalistas: “Dilma, se tem gente para te defender para sair dessa enrascada, é esse pessoal aqui”.
Qual enrascada? Para qualquer lugar que se olhe, os números justificam a cisão entre o PT e os trabalhadores. Tivemos o pior desempenho da história da caderneta de poupança, com os saques superando os depósitos em R$ 23 bilhões. O salário acaba antes do mês. Brasileiros raspam suas economias. É a maior carestia em 12 anos. A inflação e a desaceleração econômica aumentam as demissões e diminuem o poder de negociação salarial. A renda média do trabalhador foi reduzida em 2,8% em março – a maior queda em um mês desde janeiro de 2003, segundo o IBGE.
Em 2003, em seu primeiro Dia do Trabalho como presidente, Lula fez um discurso na Igreja da Matriz, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Foi uma fala de improviso, coisa inimaginável para Dilma. “E eu tenho, na minha cabeça, cada discurso que fiz na minha vida, eu tenho na minha cabeça cada compromisso que eu assumi em praça pública, eu tenho na minha cabeça programas de governo e eu tenho na minha cabeça que, se falhar, quem falhou foi um pedaço da história deste país e, possivelmente, iremos passar muitos anos para que a gente possa reconstruir a esperança que brotou no nosso país.” Premonição?
Lula dizia querer ser lembrado pela qualidade de vida de homens e mulheres. “E sobretudo pela qualidade da educação e da saúde que a gente quer implantar neste país.” Para tanto, o governo precisa “ter a habilidade de envolver a sociedade brasileira para se tornar cúmplice do governo”. “Podem ficar certos que todo 1o de Maio, às 9 horas da manhã, o presidente da República estará aqui para prestar contas do que estamos fazendo neste país”, afirmou Lula em 2003, pedindo que “Deus abençoe todos nós”.
Doze anos depois, onde está a qualidade na educação e na saúde? Doze anos depois, por que Dilma evita falar em público ou na televisão? Não quer prestar contas? A sociedade foi, sim, cúmplice do governo e acreditou no PT, como queria Lula. O PT teve a bênção de Deus, mas se deixou corromper pelo diabo.
A sociedade só não se sente cúmplice da corrupção e da incompetência que roubaram bilhões dos trabalhadores e de suas famílias. Agora, o ajuste fiscal, necessário como um antibiótico com efeitos colaterais negativos, tira bilhões do seguro-desemprego, da pensão por doença e morte e do abono salarial. O corte de R$ 18 bilhões em benefícios sociais foi reduzido para R$ 7,7 bilhões por resistência do Congresso. Onde está o corte necessário e moralizador nos surreais 38 ministérios? É ou não “corte na carne”?
Neste Dia do Trabalho, Lula e a CUT querem que Dilma condene a terceirização aprovada na Câmara. Na segunda-feira passada, Lula disse que, no 1º de Maio, “tranquilamente, a companheira Dilma vai vetar (a terceirização das atividades-fim das empresas)”. Se falar, a presidente dirá que não é a favor nem contra, muito pelo contrário. Dirá que apoia a terceirização para aumentar chances de trabalho e produtividade. Dirá que rejeita mexer nas conquistas trabalhistas. Dirá, como o presidente do Senado, Renan Calheiros – quem diria –, que não dá para liberar geral a terceirização, num momento em que o Estado aumenta impostos e juros.

Neste feriadão, o povo não quer mesmo ouvir Dilma. Não foi apenas o trabalho que se tornou precário. Foi a presidente.

PF apreende cerca de 500 kg de maconha em Curitiba


Ação fez parte de uma força-tarefa de combate ao crime organizado e resultou na prisão de sete pessoas

SÃO PAULO
  •  
  •  
  • FOLHAPRESS
Uma operação da PF (Policia Federal) em parceria com a PM (Polícia Militar) apreendeu nesta quinta-feira (30) cerca de 500 kg de maconha em Curitiba (PR). As informações são da Agência Brasil.
A ação fez parte de uma força-tarefa de combate ao crime organizado e resultou na prisão de sete pessoas. De acordo com a PF, os policiais receberam a informação de que uma grande quantidade de drogas seria recebida por um casal de traficantes de Fazenda Rio Grande (PR) e passaram a monitorar o local.
Perto da hora do almoço, foram avistados dois carros chegando à casa denunciada. Percebendo a movimentação suspeita, a equipe da força-tarefa entrou em ação.
Parte da droga foi encontrada em um dos veículos e o restante no interior da casa. Os policiais também prenderam num posto de gasolina outros participantes do grupo. Eles atuavam como batedores, acompanhando o transporte da droga entre Foz do Iguaçu e Fazenda Rio Grande.
As sete pessoas presas, três veículos e a maconha foram encaminhados para a superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, e estão à disposição da Justiça.

Agressor de cadelas é acusado de bater em homem na fila de boate


Rafael Hermida foi flagrado agredindo cadelas da noiva
Rafael Hermida foi flagrado agredindo cadelas da noiva Foto: Reprodução
Paolla Serra

Menos de dois meses depois de ser flagrado num vídeo agredindo Gucci e Victoria, as duas cadelas da então noiva, Rafael Hermida Fonseca, de 34 anos, agora é acusado de acertar com tapas, socos e pontapés um homem de 35 anos. De acordo com o registro feito na 15ª DP (Gávea), o empresário estaria aparentemente embriagado quando furou a fila da boate Palaphita, às 5h30m do último dia 11, e agrediu o rapaz. O caso foi encaminhado ao 4º Juizado Especial Criminal (Jecrim) do Leblon e uma audiência foi marcada para às 15h30m de 15 de junho.
De acordo com o depoimento da vítima na delegacia, ela estava na boate “aproveitando sua noite” que transcorria “até então em perfeita normalidade”. Quando se dirigiu à fila para pagar o que consumiu, ele teria sido surpreendido por Rafael, que “tentou passar a frente de todos”.
Ainda na distrital, o rapaz contou que questionou a atitude do empresário. A pergunta o teria deixado “muito irritado” e ele teria dado um soco em seu rosto, “sem qualquer motivo aparente”. A vítima alega que não reagiu à violência e, logo em seguida, os seguranças da casa separaram os dois. Policiais militares do 23º BPM (Leblon) foram chamados e levaram a dupla para a 15ª DP.
De acordo com ocorrência, o empresário não quis prestar depoimento. Ao EXTRA, Rafael Hermida classificou o episódio como uma “bobeira”:
- Apesar de nunca ter acontecido comigo, não são raras as confusões em boates. Infelizmente, eu estava no meio nessa, apenas isso. Não bati nem chutei ninguém. Tanto que fui a delegacia, mas não houve a necessidade de ser ouvido, razão pela qual fui imediatamente liberado.
O empresário contou ainda estar “surpreso” com a existência do processo por lesão corporal leve em que consta como autor. A vítima do caso não retornou as ligações do EXTRA.


Relembre o caso


No início de fevereiro deste ano, a produtora Ninna Mandin flagrou em vídeo o então noivo Rafael Hermida Fonseca, de 34 anos — com quem se casaria em 4 de junho deste ano —, agredindo suas cadelas de estimação, Gucci e Victoria. As imagens foram postadas no perfil da jovem no Facebook e o agressor, denunciado por ela na 16ª DP (Barra da Tijuca).
Rafael usou seu perfil no Facebook para falar sobre o caso. No texto, ele diz ter “marcas na mão de cicatrizes que estão ficando boas de mordidas que a cachorra ‘dócil’ dela fazia comigo!”. Rafael admite as agressões, conta ter agido em resposta a “coisas erradas” que os cães faziam e que “talvez tenha exagerado no castigo, mas que no momento perdi a cabeça, estava muito irritado”. O empresário também diz estar “muito arrependido”.


Menina de 3 anos é morta por suspeitos que procuravam pelo irmão dela


Lauane brincava na porta de casa quando dois homens armados chegaram procurando pelo irmão dela Foto: Reprodução / Agreste Notícia
Extra
Tamanho do texto A A A
Uma menina de 3 anos foi morta com um tiro, na noite desta quinta-feira, na frente de casa, no bairro Bela Vista, em Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste de Pernambuco. De acordo com a polícia, a pequena Lauane Bezerra da Silva brincava no portão, acompanhada da mãe, quando dois homens armados chegaram procurando pelo irmão dela, de 15 anos. Os suspeitos atiraram e uma das balas atingiu a cabeça da menina, que chegou a ser socorrida por uma ambulância do Samu e levada para o Hospital da Restauração, mas não resistiu.
Outra criança, um primo de Lauane, também foi ferido por dois tiros, que atingiram o pé dele. O menino foi levado para o mesmo hospital que a prima e não corre risco de morrer. Os pais da menina, em estado de choque, não quiseram falar com a imprensa e disseram apenas que não sabiam o motivo que levou os criminosos a procurarem pelo filho deles.
A menina chegou a ser atendida em um hospital, mas não resistiu
A menina chegou a ser atendida em um hospital, mas não resistiu Foto: Reprodução / Agreste Notícia
O corpo de Lauane foi levado ao Instituto Médico Legal de Caruaru, cidade vizinha. O sepultamento deve acontecer nesta sexta-feira, em Santa Cruz do Capibaribe. A delegacia da cidade investiga o caso e ainda não divulgou o nome de suspeitos pelo crime.


Policiais de UPP no Complexo do Alemão são atacados a tiros


Complexo do Alemão volta a registrar tiroteios, após 25 dias de trégua
Complexo do Alemão volta a registrar tiroteios, após 25 dias de trégua Foto: Márcio Alves
Extra
Tamanho do texto A A A
Após 25 dias sem tiroteios no Complexo do Alemão, moradores se assustaram ao ouvir disparos na manhã desta sexta-feira. De acordo com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), uma equipe policial da UPP Nova Brasília foi alvo de disparos pouco depois das 11h, quando patrulhava a localidade conhecida como Chuveirinho. Em nota, o órgão afirma que os policiais não revidaram. Até as 13h30m, não havia relatos de feridos.
Nas redes sociais, moradores lamentaram o fim da trégua. “Fiquei muito triste só de ouvir”, escreveu um morador em seu perfil no Facebook. Outro demonstrou preocupação com o fato de haver muitas crianças nas vielas por conta do feriado: “Ai meu Deus, logo hoje! Escolheram o Dia do Trabalhador”.
Problemas
O projeto da Polícia Pacificadora no Complexo do Alemão passou por uma série de problemas. Na última semana de março, uma base avançada da UPP do Alemão foi atacada a tiros. Os criminosos passaram a limitar a circulação dos militares, criando barricadas com trilhos de trem. Uma semana depois, policiais foram expulsos da base avançada e mudaram o endereço do posto, da Rua Canitar para uma garagem, de onde passaram a chegar e ir embora a bordo de um veículo blindado do 16º BPM (Olaria).
A constante troca de tiros entre PMs e traficantes deixou 76 buracos na fachada da escola estadual Caic Theophilo de Souza Pinto, que, por isso, perdeu mais da metade de seus alunos. Durante os confrontos, uma ação policial resultou na morte do menino Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, no dia 2 de abril. Na ocasião, o comandante-geral das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), coronel Luis Cláudio Laviano, admitiu que a PM errou durante a ação


Estudante morre carbonizado em incêndio na república onde ele morava, na Bahia


Rafhael foi encontrado morto carbonizado dentro de casa Foto: Reprodução / Facebook
Extra

Um estudante da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) morreu carbonizado depois que a república em que ele vivia pegou fogo, na noite desta quinta-feira, no conjunto Feira VI. De acordo com a Polícia Civil, o jovem Rafhael da Luz Oliveira, de 19 anos, não conseguiu escapar do incêndio, que durou cerca de uma hora. Agentes do Corpo de Bombeiros foram chamados ao local e conseguiram controlar as chamas e evitar que o fogo se espalhasse pela vizinhança, mas já encontraram Rafhael sem vida. A polícia apura as causas do incêndio.
Rafhael era aluno do 5º período de economia da UEFS e estagiava na empresa júnior da universidade. No apartamento incendiado, ele morava com outras três pessoas, que não estavam no local.
O jovem estava no 5º período de economia na UEFS
O jovem estava no 5º período de economia na UEFS Foto: Reprodução / Facebook
O corpo do estudante foi levado ao Departamento de Polícia Técnica de Feira de Santana e foi reconhecido pelos pais dele. O sepultamento do estudante acontece nesta sexta-feira, em Jacobina, cidade onde ele nasceu.


Nepalês que bebeu a própria urina lamenta amputação e diz que preferia ter morrido


Rishi Khanal no hospital lamentou ter sido resgatado
Rishi Khanal no hospital lamentou ter sido resgatado Foto: Rebecca Conway / AFP
Extra

Resgatado 82 horas após o terremoto em Katmandu, no último sábado, o nepalês Rishi Khanal, de 27 anos, lamentou ter sobrevivido ao desastre. Segundo a agência de notícias Reuters, ele passou três dias sob os escombros de um prédio e, para sobreviver, precisou beber a própria urina. O fazendeiro queria se mudar para Dubai, nos Emirados Árabes, para trabalhar numa sede da rede de lanchonetes Kentucky Fried Chicken, o KFC, onde receberia US$ 220 - cerca de R$ 660 - por mês. Na última quinta-feira, após ter sua perna amputada, ele disse à agência que preferia ter morrido.
Rishi Khanal durante o resgate
Rishi Khanal durante o resgate Foto: Niranjan Shrestha / AP
“O que vou fazer no resto da minha vida? Minha oportunidade de trabalhar em Dubai acabou e eu não posso nem trabalhar como fazendeiro”, disse, no leito do hospital da Universidade de Tribhuvan. “Não tenho nem o dinheiro para comprar uma cadeira de rodas, agora. Como vou passar o resto da vida e sustentar minha família?”, questionou Khanal.
O nepalês havia chegado a Katmandu apenas três dias antes do terremoto de 7.8 graus de magnitude, numa quarta-feira. Ele vivia em uma vila no Oeste do Nepal, onde deixou sua mulher e um filho de seis meses. Seu voo para Dubai estava marcado para segunda. No sábado, ele estava na hospedaria no subúrbio de Katmandu quando, pouco antes de meio-dia, os tremores começaram.
Khanan passou três dias sob os escombros do prédio
Khanan passou três dias sob os escombros do prédio Foto: BIKASH KARKI / AFP
Khanal caiu em alguns segundos e, de repente, o teto do prédio começou a desabar sobre ele. “Eu ficava gritando, pedindo ajuda, mas por três dias não ouvi nenhum barulho e não havia sinais de que houvesse alguém perto de mim”. Mal conseguindo se mover, o nepalês pegou um lenço de seu bolso, molho na própria urina e espremeu em sua boca, para se hidratar. “Me deu mais energia para gritar, e eu sobrevivi”, lembrou. O fazendeiro só foi resgatado na terça-feira e os médicos não conseguiram salvar sua perna.


Vídeo e frase incriminam suspeito de matar palmeirense em SP, diz polícia


'Alguém vai pagar a conta hoje, a vai...', postou santista em rede social.
Câmera registrou torcedor com barra de ferro dentro de estação da CPTM.

Do G1 São Paulo
A Polícia Civil diz que usou imagens de câmeras de segurança e mensagens em redes sociais para identificar um dos santistas suspeitos de agredir torcedores do Palmeiras com barras de ferro na saída de uma estação de trem em São Paulo. O caso ocorreu após o primeiro jogo da final do Campeonato Paulista, no domingo (26). Um palmeirense morreu no hospital.
Segundo o delegado Mário Sérgio de Oliveira, Fernando Carlos Martins Júnior, preso nesta sexta-feira (1º) suspeito de participação no crime, publicou um post pouco antes do fim da partida entre Santos e Palmeiras, cujo time alviverde venceu por 1 a 0, que dizia: "Alguém vai pagar a conta hoje, a vai...".

O alvo era um torcedor palmeirense, que fugiu. O amigo dele, Cláudio Fernando de Morais, não escapou e morreu no hospital após ser agredido.
Câmeras de segurança registraram o momento em que um santista entra na estação Jardim Romano da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), na Zona Leste da capital, com uma barra de ferro nas mãos.
O vídeo mostra quando Cláudio de Morais, acompanhado da namorada e de Daniel, saem da estação com uniformes palmeirenses. Segundo a polícia, eles foram abordados perto de uma passarela, do lado de fora da estação, por um grupo de 15 torcedores do Santos.
Adriana fugiu. Daniel, que foi espancado por barras de ferro, correu para dentro da estação e foi perseguido. Em uma das imagens é possível ver ele pulando a catraca. Em seguida, aparece um dos agressores com a barra de ferro na mão. Ele desiste e vai embora.
Um dos suspeitos do crime, Fernando Carlos Martins Júnior foi preso na manhã desta sexta-feira. Ele estava em casa e chegou na delegacia vestindo uma camiseta da Torcida Jovem do Santos. A polícia já identificou seis agressores que estavam usando barras de ferro durante o ataque e já foram expedidos três mandados de prisão.
O mandado de Fernando Martins foi cumprido nesta sexta. Ele foi levado ao Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), que investiga o caso. O G1 não conseguiu localizar a defesa do suspeito detido para comentar o assunto.
Outros dois suspeitos identificados estão foragidos. Segundo o SPTV, um deles é Odilander Leonardo dos Santos, de 21 anos, que segundo a polícia é o rapaz que aparece perseguindo Daniel nas imagens gravadas na estação da CPTM. O outro é o irmão dele, Guilherme dos Santos, de 20 anos.
Vídeo mostra torcedor santista com barra de ferro nas mãos perseguindo palmeirente em estação da CPTM (Foto: Reprodução TV Globo)Vídeo mostra torcedor santista com barra de ferro perseguindo palmeirense (Foto: Reprodução TV Globo)
Emboscada
O delegado Mário Sérgio de Oliveira contou que a ação foi uma emboscada planejada para atacar torcedores do Palmeiras que saíssem da estação Jardim Romano, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), na Zona Leste da capital.
Qualquer um que deixasse a estação naquele momento trajando uma roupa de um rival, ou com um comportamento que indicasse a predileção por um clube rival, seria vítima desse grupo"
Mário Sérgio de Oliveira, delegado
"Qualquer um que deixasse a estação naquele momento trajando uma roupa de um rival, ou com um comportamento que indicasse a predileção por um clube rival, seria vítima desse grupo", explicou o delegado.
Após o ataque, o palmeirense Cláudio Fernando de Morais foi levado em estado gravíssimo à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Santa Marcelina, na Zona Leste capital. Ele teve a morte cerebral confirmada na quarta-feira (29) e foi enterrado no Cemitério do Tremembé nesta sexta-feira.
"A gente vê acontecer nas outras famílias e acha que a nossa está isenta. Mas pelo contrário. Está cada vez mais exposta, por esse fanatismo, por essa falta de controle ao perder uma partida de futebol", lamentou Mauro Antônio Mendes, tio de Cláudio. Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, a família decidiu doar todos os órgãos do palmeirense.
Palmeirense voltava do jogo deste domingo quando foi agredido (Foto: Reprodução/TV Globo)Palmeirense voltava do jogo deste domingo quando foi agredido (Foto: Reprodução/TV Globo)

Suspeito de assaltar equipe de TV em SP se entrega à polícia e é preso


Luan do Nascimento da Silva teve a prisão temporária decretada.
Equipe realizava reportagem ao vivo na porta da Prefeitura de Guarujá.

Mariane RossiDo G1 Santos
Suspeito de assaltar equipe de TV em Guarujá se entregou à polícia e foi preso (Foto: Mariane Rossi/G1)Suspeito de assaltar equipe de TV em Guarujá se entregou à polícia e foi preso (Foto: Mariane Rossi/G1)
O jovem suspeito de assaltar uma equipe da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo na Baixada Santista e no Vale do Ribeira, durante uma reportagem ao vivo, se apresentou à polícia na tarde desta sexta-feira (1°), na Delegacia Sede de Guarujá, no litoral de São Paulo. Luan do Nascimento da Silva, de 21 anos, estava acompanhado do advogado e dos pais. Sua prisão temporária já havia sido decretada pela Justiça e ele ficará detido.
Repórter realizava entrevista ao vivo quando abordada por homem armado (Foto: Reprodução/TV Tribuna)Repórter realizava entrevista ao vivo quando foi
abordada (Foto: Reprodução/TV Tribuna)
A jornalista Tatyana Jorge fazia uma entrevista ao vivo, na terça-feira (28), em frente à prefeitura, com o diretor de Vigilância em Saúde da cidade, Marco Antônio Chagas, quando o suspeito chegou de bicicleta, armado, derrubou a câmera do cinegrafista Alfredo Neto e exigiu que as pessoas entregassem seus pertences. Com a queda do equipamento, a transmissão acabou sendo encerrada. O jovem fugiu levando aparelhos celulares, relógios e correntes da equipe e do entrevistado. Ninguém se feriu durante a abordagem.
Segundo o delegado Marco Antonio Couto Perez, titular da Delegacia Sede de Guarujá, o advogado do suspeito fez contato prévio com a Polícia Civil, para avisar que seu cliente seria apresentado. Os objetos roubados foram entregues às autoridades. “Vamos robustecer as diligências, com a colaboração que ele já mostrou estar disposto a nos dar. Vamos fazer o reconhecimento pessoal, uma vez que, até agora, apenas o fotográfico foi realizado. Também vamos coletar outros elementos de prova que possam trazer um maior suporte ao conjunto probatório”, explica o delegado.
Objetos levados durante assalto foram entregues à polícia em Guarujá, SP (Foto: Mariane Rossi/G1)Objetos levados durante assalto foram entregues à polícia em Guarujá, SP (Foto: Mariane Rossi/G1)
Diego Scarpa, advogado de defesa de Luan, afirma que o próprio jovem procurou ajuda profissional. “Ele se apresentou devido à comoção, nos procurou para que o auxiliássemos na apresentação dele junto à delegacia. Vou fazer um pedido de revogação da prisão temporária e aguardar o desfecho. Se for negado, vamos impetrar um habeas corpus no Tribunal de Justiça.”, relata.
Luan do Nascimento da Silva foi identificado pela Polícia Civil de Guarujá (Foto: Divulgação/Polícia Civil)Luan do Nascimento da Silva foi identificado pela
polícia (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Segundo a Polícia Civil, após o preenchimento da documentação referente ao caso, o suspeito foi levado para exames no Instituto Médico Legal (IML) e depois encaminhado para o sistema carcerário da região.
Prisão temporária decretada
A Justiça decretou, no início da noite de quarta-feira (29), a prisão temporária, por cinco dias, de Luan do Nascimento da Silva. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Estado de São Paulo, a identificação do jovem como o autor do roubo à equipe de TV foi possível por conta do trabalho conjunto entre as polícias Civil e Militar, que analisaram as imagens do sistema de monitoramento do estacionamento do Paço Municipal de Guarujá, onde ocorreu o crime. No vídeo, é possível vê-lo de bicicleta abordando o grupo e exigindo seus pertences.
Nota de repúdio
Em nota, a Regional de Santos, Baixada Santista e Vale do Ribeira do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) afirma lamentar profundamente o assalto sofrido por três integrantes da equipe de jornalismo TV Tribuna, afiliada da Rede Globo, nesta terça-feira, em frente à sede da Prefeitura Municipal de Guarujá.

Vizinho mata a tiros jovem que errou andar de apartamento em SP


Polícia diz que homem achou que fosse um assalto e disparou.
Adolescente de 18 anos estava embriagado, segundo as investigações.

Do G1 São Paulo
Um jovem de 18 anos morreu, na madrugada desta sexta-feira (1º), após forçar a entrada, por engano, no apartamento do vizinho na Zona Norte de São Paulo, informou o SPTV. (veja vídeo acima)
Matheus Moreno das Chagas voltou para casa, em um condomínio de 27 edifícios em Pirituba, por volta das 3h. Segundo a polícia, ele estava embriagado e teria confundido o apartamento.
O jovem morava no 16º andar no bloco 18, mas acabou entrando num apartamento no 18º andar. O morador, um policial federal aposentado, pensou que fosse um assalto e reagiu a tiros. Matheus morreu na hora.
A polícia encontrou cocaína no bolso dele e já tem as imagens do circuito interno do prédio. Não há, no entanto, câmeras nos andares.
O policial aposentado fugiu antes de a polícia chegar, mas horas depois se apresentou na delegacia. E disse que, na correria, não sabe onde deixou a arma do crime. Os policiais vão investigar se ele agiu em legítima defesa.
Condomínio onde ocorreu caso em Pirituba, na Zona Norte de SP (Foto: Reprodução/TV Globo)Condomínio onde ocorreu caso em Pirituba, na Zona Norte de SP (Foto: Reprodução/TV Globo)

'Só pensava em correr', conta sobrevivente de 'mar' de refrigerante


Alexandre Santana conta detalhes sobre como fugiu de carga de bebida.
'Eu nunca mais vou passar por aqui', diz guarda municipal.

Do G1 Rio
O guarda municipal Alexandre Santana passou por um dos maiores sustos de sua vida na quarta-feira (29). Ele ia para o trabalho às 6h05 e caminhava tranquilamente pela calçada da Rua Xavier Curado, em Marechal Hermes, no Subúrbio do Rio, quando foi surpreendido por uma ‘avalanche’ de engradados de refrigerante em sua direção. Em entrevista ao RJTV desta sexta-feira (1º), ele afirmou que o acidente foi o maior susto de sua vida.
  •  

As imagens de câmeras de segurança das casas da região flagraram o desespero de Alexandre, que correu e se agarrou a um portão para conseguir escapar de um mar de bebida, caixotes e garrafas."Só pensava em correr, correr muito. Tive muito medo de morrer naquela hora", contou o guarda municipal, que não se feriu.
Se não fosse este portão eu já estaria morto"
Alexandre Santana,
guarda municipal
Ele conta como foram os momentos de desespero pelos quais passou. "Eu caminhava normalmente para o trabalho. Estava pensando em fazer um bom dia de serviço. O caminhão vinha em uma velocidade que não era compatível com a curva e eu vi as caixas se projetando para o lado de fora. Coloquei a mão no muro e vi que não tinha para onde correr. Então eu voltei e vi um portão de garagem. Pensei: ‘é aqui que vou me proteger’. E foi o que eu fiz. Corri e me segurei", relata Alexandre, que completa "Se não fosse este portão eu já estaria morto".
Traumatizado, ele não quer mais passar pelo local do acidente. "Eu nunca mais vou esquecer isso. E eu não vou mais passar por aqui. Nunca mais. Agora eu venho de ônibus. Porque esse é um lugar muito perigoso".
Alexandre teve uma surpresa. A família dona da casa cujo portão ajudou a salvá-lo preparou uma festa para o guarda municipal, com direito a bolo, doces e salgados. Todos fizeram questão de brindar, mas com copos de suco.
Redutores de velocidade
Após o acidente, a Companhia de Engenharia de Tráfego (Cet-Rio) informou que o local já possui sinalização na pista e placas. No entanto, eles agora estudam a instalação de um redutor de velocidade. Técnicos da companhia estiveram no local para analisar as condições de trânsito.
A polícia apura se a carga de refrigerantes estava bem presa ao caminhão.
Rio de Janeiro Refrescos Ltda. informou que está apurando as causas do incidente ocorrido nesta quarta (29), em Marechal Hermes. O serviço de transporte é terceirizado e executado pela empresa Águia Branca Logística. A transportadora informou que as manutenções preventivas do caminhão estão em dia e que está prestando toda a assistência necessária.