Imagens inéditas mostram exumação de padre com coração preservado

Exumação do corpo de Ângelo Angioni foi feita 7 anos após sua morte. Cardiologista e um legista analisaram o coração a pedido do Fantástico.

Um mistério vem causando comoção numa cidade do interior de São Paulo As graças atribuídas a um padre morto em 2008 levaram a uma investigação para saber se ele pode ser declarado beato. Decidiram exumar o corpo do padre. E quando abriram a sepultura, a surpresa foi geral. assista ao vídeo)
Foi em José Bonifácio, no interior de São Paulo, que Ângelo Angioni escolheu viver. O missionário italiano chegou e ficou por 57 anos.
“Uma pessoa iluminada, podemos dizer”, diz o padre Mauro Ziati Pereira.
Padre Mauro conviveu 27 anos com Angioni. Para ele, era um padre incansável.
“Atendia o dia todo ali nos horários de manhã ou à tarde”, conta padre Mauro.
Os fiéis chamavam Angioni de Monsenhor, um título da igreja católica.
“Ele não deixou de exercer o ministério dele mesmo tendo sofrido um AVC, que o deixou na cadeira de rodas por quatro anos”, diz padre Mauro.
O segundo AVC - Acidente Vascular Cerebral - veio mais forte. Padre Angioni ficou quatro anos em coma. Em 2008, aos 94 anos, morreu, mas nunca foi esquecido pelos fiéis.
“Depois que ele faleceu, é que começaram a aparecer as graças que poderíamos considerar até como se fosse um milagre”, relembra padre Mauro.
Seu Olimiro diz que o corpo dele todo foi tomado por uma grave alergia que comprometeu até a respiração em 2012.
“Chegou a ponto que o médico chamou a minha filha, junto comigo, falou que meu caso era a morte. Peguei meu tercinho, fui rezando, pedindo pro Monsenhor. Eu senti ele junto comigo. Depois, consegui me curar”, conta o trabalhador rural Olimiro Antônio de Souza.
Ele atribui a cura ao padre. “Saí do hospital, primeiro lugar que eu vim, foi no túmulo do Monsenhor. Chorei muito, não de tristeza, mas de alegria de estar vivo”, relembra Olimiro.
Casos como esse fizeram com que um processo fosse aberto pela Igreja para analisar se Ângelo Angioni pode ser considerado beato. A exumação do corpo de Angioni foi feita sete anos após sua morte. Foi então que surgiu um mistério. O corpo do Monsenhor foi enterrado na igreja onde ele rezava missas. Estava em um altar. No dia 29 de maio, os restos mortais foram retirados de lá. Naquele dia, as pessoas que acompanhavam a exumação ficaram surpresas na hora em que o caixão foi aberto. Elas puderam ver o coração do Monsenhor preservado.
O vídeo acima mostra imagens inéditas do momento da exumação. Um grupo de pessoas acompanhou os trabalhos. Entre elas, padre Mauro, o médico que cuidou de Angioni durante dez anos e dois representantes do Vaticano.
“Quando tirou a parte da batina e camiseta, foi a surpresa do coração, porque eles disseram: ‘olha, o coração! Ainda está intacto!’”, conta padre Mauro.
“Eu não consigo achar uma explicação científica pra isso. Já participei de algumas exumações e nunca, nunca, vi isso aí”, afirma o Valdemir Garcia Palhares, gastroenterologista.
A notícia gerou comoção na cidade. Na missa do dia 7 de junho, a igreja ficou lotada. Uma foto mostrada no vídeo acima mostra o coração logo depois de ser retirado do caixão. Quando foi mostrado às pessoas, estava mais escuro. Segundo o padre Mauro, efeito de um produto químico aplicado depois da exumação para conservar o órgão.
O que a ciência diz sobre o caso?
O Fantástico chamou um cardiologista e um legista. Eles analisaram o coração.
Fantástico: Para o senhor, está bem claro que isso é um coração?
Silvio Reggi, cardiologista: Pela imagem, eu não consigo garantir com 100% de certeza, mas eu digo que é bastante provável.
“De imediato eu digo que não é. Não é. Isso depende de uma análise para ver, mas não é possível que a putrefação leve todo o restante e preserve apenas uma parte. Esse é um resíduo de osso. Evidentemente, colocado dessa maneira, se assemelha à figura de um coração”, destaca Nelson Massini, professor de Medicina Legal/UERJ.
O cardiologista explica que, normalmente, depois de dois anos, o coração estaria totalmente decomposto.
Fantástico: Qual a explicação que o senhor dá pra o coração estar preservado sete anos depois?
Cardiologista: Eu não tenho uma explicação, a menos que nós tenhamos uma análise científica do órgão somente se ele tivesse recebido alguma substância que pudesse ter mantido o coração nessa condição.
Fantástico: Algum produto químico foi colocado para preservar o coração?
Padre Mauro: Foi preparado o corpo como se prepara outro corpo para sepultamento. Não foi colocado nada.
Agora os restos mortais do Monsenhor estão em um sarcófago na igreja. O coração está em uma caixa de acrílico, separado dos ossos. Os fiéis vão até lá e depositam bilhetes em uma caixa. Levam pedidos para alcançar graças.
O processo de beatificação não tem prazo para acabar. Enquanto isso, a polêmica continua.
“Esse coração tá preservado porque é um coração puro. É um coração que dedicou a Deus, dedicou aos fiéis”, afirma o trabalhador rural Olimiro Antônio de Souza.
“Eu acho que tem uma relação mais espiritualizada disso aí. Eu creio nisso”, diz o gastroenterologista.
“As dúvidas que ficam são a seguinte: primeiro, é um coração? É um coração humano? E se é dele? ”, afirma o legista.
A igreja diz que nenhuma amostra do órgão foi recolhida para ser estudada. Com isso, o mistério pode nunca ser esclarecido.

Maridos de vítimas de sequestro e estupro são ouvidos pela polícia


Mulheres foram abordadas na Paraíba e violentadas em PE; uma morreu.
Bebê de uma delas foi deixado na mata, mas foi socorrido e já recebeu alta.

Do G1 PB
No local do crime, foram encontradas roupas das vítimas usadas na tentativa de estrangulamento. (Foto: Camila Torres / TV Globo)No local do crime, foram encontradas roupas das vítimas usadas na tentativa de estrangulamento. (Foto: Camila Torres / TV Globo)
Foram ouvidos na tarde deste domingo (21), em João Pessoa, os maridos das duas mulheres sequestradas em João Pessoa e violentadas em Pernambuco neste fim de semana. Uma das mulheres, de 42 anos, morreu e a outra, de 31 anos, ficou ferida após serem violentadas em Goiana, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, na noite do sábado (20). Elas foram sequestradas no bairro de Jardim Cidade Universitária, em João Pessoa, na Paraíba, por volta das 20h. As duas estavam em um carro com o filho de uma delas, de 9 meses, quando foram abordadas por homens em um carro e uma moto. A criança foi socorrida em um hospital da região e já recebeu alta.
Segundo o delegado Walter Brandão, que acompanha as investigações na Paraíba e colheu os depoimentos, os maridos das vítimas prestaram depoimento antes das duas serem localizadas e falaram durante cerca de uma hora cada um sobre o desaparecimento das duas mulheres. O teor dos depoimentos não foi revelado pelo delegado, que também não informou se eles devem ser convocados novamente para depor.
saiba mais

De acordo com o cabo Edson dos Santos, da Polícia Militar de Pernambuco, uma das vítimas - a mulher que ficou ferida e que também é mãe do bebê - estava indo levar a amiga em casa. As duas moravam no mesmo bairro, onde aconteceu o sequestro. “Ela explicou que quando chegou na casa da amiga, foi abordada por um carro e uma moto e um dos homens entrou no carro dela”, disse o policial. Ainda segundo ele, a vítima não tem certeza de quantos suspeitos estavam envolvidos no crime.
Conforme Brandão, na Paraíba, o caso está sendo investigado como latrocínio (roubo seguido de morte). “As investigações em andamento e ainda não podemos dar detalhes. Acreditamos que duas pessoas tenham praticado o crime, mas ainda não identificamos os suspeitos. Dois inquéritos vão investigar o crime: um na Paraíba e outro em Pernambuco”, informou o delegado.
De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança e Defesa Social da Paraíba (Seds), a delegada Roberta Neiva, titular da 2ª delegacia Seccional de João Pessoa, vai presidir o inquérito no estado. O G1 tentou contato com a delegada por telefone, mas as ligações não foram atendidas. Conforme a assessoria de imprensa da Seds, a delegada viajou para Pernambuco para acompanhar o caso no início da tarde
Local onde o bebê foi encontrado, a menos de dez metros das mulheres. (Foto: Camila Torres / TV Globo)Local onde bebê foi encontrado, a menos de dez
metros das mulheres. (Foto: Camila Torres / TV Globo)
Segundo a polícia de Pernambuco, a vítima foi obrigada a dirigir pela BR-101 de João Pessoa até Goiana, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, onde entrou numa estrada de terra conhecida como Estrada do Aterro Sanitário, na Mata da Usina Santa Tereza. “Depois de entrar na estrada, a cerca de 200 metros da BR, os homens tiraram as roupas delas, espancaram e estupraram", afirmou o cabo Edson dos Santos. Os suspeitos tentaram ainda estrangular as mulheres utilizando tecidos, mas não conseguiram. Em seguida, atropelaram as duas com o carro da vítima, fugindo na sequência. Uma das mulheres não resistiu aos ferimentos. Os criminosos abandonaram o bebê na mata.
Por volta das 11h30 deste domingo (21), trabalhadores rurais e vigilantes da usina encontraram as vítimas e a criança no local do crime e acionaram a polícia. A mulher que sobreviveu foi levada para o Hospital Miguel Arraes, em Paulista, no Grande Recife. Ela sofreu politraumatismo e passa por uma série de exames durante esta tarde. A criança foi encaminhada para o Hospital Belarmino Correia, em Goiana. De acordo com a unidade, o bebê chegou com muita fome, picadas de insetos, mas sem ferimentos graves. Ele já recebeu alta.
A Polícia Militar de Pernambuco informou que está fazendo rondas no local, na tentativa de localizar os suspeitos. A corporação não tem informações sobre a motivação do crime.

Amante de professora confessa assassinato de executivo


Homem diz ter arquitetado crime junto com a mulher da vítima. Veja trechos inéditos de depoimento.

Domingo passado (14), deixamos de exibir uma reportagem sobre o assassinato do executivo Luiz Eduardo de Almeida Barreto, em São Paulo, em cumprimento a uma decisão da juíza Maria Domitila Prado Manssur Domingos. ( assista ao vídeo )
A juíza proibiu a TV Globo de mostrar as declarações que Marcos Fábio Zeitunsian deu à polícia. Marcos Fábio é amante da mulher da vítima e os dois confessaram o crime.
A Associação brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão, Abert, considerou essa decisão uma censura prévia, que afronta a liberdade de expressão, prevista na constituição brasileira, e prejudica a população, que deixa de ser informada.
A TV Globo recorreu e o desembargador Luís Mário Galbetti, do Tribunal de Justiça do estado de São Paulo, suspendeu os efeitos da decisão anterior.
O desembargador considerou que a declaração de Marcos Fábio à polícia é de notório interesse público, e que o direito à informação deve prevalecer. Confira a reportagem que não pudemos mostrar no domingo passado:
Marcos Fábio Zeitunsian, inspetor de segurança. Apelido: alemão. Ele é o amante da professora de português Eliana Barreto. Os dois têm 46 anos.
Delegado: Como você a conheceu?
Marcos Fábio: Ela tava no carro do lado. Eu olhei. Ela olhou, deu um sorriso e daí pedi para ela encostar um pouquinho mais à frente. Encostou e começamos a conversar. A gente se conheceu ali.
Esse primeiro encontro aconteceu 13 anos atrás, na Zona Norte da capital paulista. Nessa época, Eliana morava em São Paulo e já era casada com Luiz Eduardo de Almeida Barreto.
“A gente teve um relacionamentozinho curto naquela ocasião. E aí ela foi para o interior. Aparecida. E aí, a gente perdeu o contato”, conta Marcos Fábio.
Em Aparecida, Eliana e o marido criaram o filho e a filha, que hoje tem 17 e 14 anos. Atualmente, ela dava aula em duas escolas. Luiz Eduardo, 49 anos,  ficava com a família aos sábados e domingos. Durante a semana, ele trabalhava na capital.
“Era um diretor comercial de uma empresa de informática muito conceituada, que desenvolve aplicativos para várias empresas. Ganhava muito bem e estava muito bem de vida”, diz Anderson Gianpaoli, delegado.
A professora Eliana morava em uma casa de classe média com o marido e o casal de filhos adolescentes. Segundo os parentes, ela era muito bem tratada pelo marido Luiz Eduardo. Recentemente, ganhou de presente um carro importado no valor de R$ 120 mil e fazia viagens de férias para os Estados Unidos com a família.
“O que ela gostava realmente era de ter uma vida de madame, ou seja, não trabalhar”, diz Jorge Carrasco, delegado.
A reviravolta na vida da professora começou há dois anos, quando ela reencontrou o antigo amante numa rede social.
Delegado: Você ia lá para Aparecida? Ela vinha para cá?
Marcos Fábio: Eu ia pra lá.
O amante conta que Eliana queria se separar do marido, mas...
“Todo mundo falava pra ela: "olha, conheço muito bem ele. Se separar, ele vai te fazer da vida um inferno”, conta Marcos Fábio.
Segundo Marcos Fábio, ele e a professora encontraram uma solução há um ano: matar o marido de Eliana.
Delgado: A ideia foi sua ou foi dela?
Marcos Fábio: A ideia foi em conjunto. Diz que ele era muito violento, tanto com ela quanto com as crianças.
“É uma mentira que ela está tentando se desculpar, mas não tem o que desculpar. Ela fez uma barbaridade”, diz Celso de Almeida, tio de Luiz Eduardo.
Para executar o plano, Marcos Fábio diz que primeiro falou com um homem chamado Eduardo, que se comprometeu a encontrar um pistoleiro. A polícia ainda não identificou esse Eduardo.
“Eu tinha passado para o Eduardo que a vítima tava batendo na mulher, batendo nas crianças. E ele chegou e falou: "meu, se eu falar isso aí, ninguém vai querer", conta Marcos Fábio.
Para cometer o crime, o pistoleiro teria que ter um motivo mais forte. Alegar que a vítima agredia a própria família seria pouco. A saída foi inventar uma história para o assassino.
Eliezer Aragão da Silva, conhecido como Carioca estava em liberdade condicional: tinha saído da cadeia no mês passado, depois de cumprir 17 anos por latrocínio, o roubo seguido de morte. Marcos Fábio mentiu para o pistoleiro, dizendo que tinha uma filha de sete anos e que ela tinha abusada por luiz Eduardo, que seria um pedófilo.
Marcos Fábio: Esse próprio Eduardo, ele falou: "fala que ele é pedófilo." então, ele criou uma história, passou pro Carioca. Pro Carioca...
Delegado: Comprar a ideia?
Marcos Fábio: Comprar a ideia.
Delgado: Quanto foi pago?
Marcos Fábio: Foi R$ 5 mil.
Segunda-feira, dia primeiro deste mês. Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini: uma área nobre de São Paulo, com muitos escritórios e bancos. Luiz Eduardo trabalhava na região. No celular do pistoleiro Eliezer, fotos do diretor comercial, para não ter engano. Segundo Marcos Fábio, foi a professora quem pagou para matar o marido, com quem foi casada por 24 anos. E ela teria feito mais.
Delegado: Como você fez o levantamento do local onde o Luiz trabalhava?
Marcos Fábio: Ela que me passou todas as informações.
Delegado: E as fotos que foram mandadas do Luiz para o celular do Eliezer? Foi você que mandou?
Marcos Fábio: Sim.
Delegado: E quem te deu essas fotos?
Marcos Fábio: Ela.
Marco Fábio e o pistoleiro se encontraram pouco antes do crime, por volta das 15h30.
Marcos Fábio: Ele disse que tava meio atrapalhado, não sabia exatamente onde era.
Delegado: E você chegou a ver o Luiz?
Marcos Fábio: Sim.
Delegado: Aí, você apontou quem era o Luiz?
Marcos Fábio: Só falei pra ele: "nossa, ele tá vindo ali."
Delegado: Tá. E aí, você foi embora?
Marcos Fábio: Fui embora.
A câmera de segurança de uma padaria gravou o assassinato. Luiz Eduardo estava com um amigo. Eliezer simulou um roubo e atirou três vezes no marido da professora. Ao ser preso, logo depois do crime, ele ainda pensava que a vítima fosse um pedófilo.
Fantástico: Depois que o Eliezer, o assassino, descobriu a verdade, qual foi a reação dele?
Jorge Carrasco, delegado: Ele ficou bem contrariado, bem nervoso a respeito.
Eliezer contou à polícia que Marcos Fábio era o mandante, e dois dias depois do assassinato, ele também foi preso.
Foi quando o inspetor de segurança prestou depoimento, abrindo o jogo para o delegado.
Delegado: Está arrependido?
Marcos Fábio: Demais.
Delegado: O que te motivou então a cometer essa atrocidade?
Marcos Fábio: É o fato de querer estar com ela.
Delegado: Você a ama?
Marcos Fábio: A amo.
Delegado: A intenção não era o dinheiro?
Marcos Fábio: Nunca foi.
Delegado: A intenção era ficarem juntos?
Marcos Fábio: Ficarmos juntos.
Para a polícia, o real motivo do crime foi o seguro de vida do diretor comercial, de R$ 500 mil. O dinheiro serviria para abrir uma sorveteria num shopping para o amante da professora. Quando chegou à delegacia, primeiro Eliana disse que Marcos Fábio era apenas um amigo. O delegado pressiona.
Delegado: E o fato dele falar que você deu 5 pau e depositou na conta dele para ele contratar um cara para matar o seu marido? Caiu a casa. Marcos, verdade ou não?
Mas o que fez a professora confessar o crime foi descobrir que o amante tinha outras mulheres.
“Ela não tinha a ideia de que o Marcos era um galanteador, que tinha uma noiva, que tinha algumas namoradas. Foi quando ela riu e disse: ‘olha no que eu fui me meter. E eu que imaginava que ele era fiel a mim’, conta Anderson Gianpaoli, delegado.
Em depoimento, ela ainda disse que o assassinato do marido seria uma forma de evitar o sofrimento dele com a separação. O Fantástico pediu para que Eliana desse uma entrevista, mas ela se recusou. A professora e o amante estão presos e podem ser condenados a 30 anos de cadeia.
“Acabou com todo mundo. Toda família. Inclusive a própria família dela, que está hoje sofrendo. Todo mundo passando por essa coisa muito triste, muito dolorosa”, conta Celso de Almeida, tio de Luiz Eduardo.

Prisão Marcelo Odebrecht leva panico ao PT

unnamed
Painel, Folha de S. Paulo
A prisão de Marcelo Odebrecht levou pânico ao mundo político pelo grau de conhecimento que o presidente da empreiteira tem dos pormenores da engrenagem do financiamento eleitoral ao PT nos últimos anos. Mesmo negando participação de sua empresa no escândalo de corrupção na Petrobras, o executivo teria feito relatos de como o esquema abasteceu campanhas petistas em 2010 e 2014. O temor é que, se ficar preso por muito tempo, Marcelo resolva desfiar esse novelo.
Via expressa – Dados o potencial de estrago de uma possível fala de Marcelo e a falta de elementos para sustentar as prisões, advogados apostam que a libertação dos presos desta sexta-feira será mais rápida que o padrão.

'Viveu intensamente', diz irmã sobre paraquedista que morreu nos EUA


Família de Andrei Penz quer depositar cinzas na Arena do Grêmio.
Gaúcho de 30 anos morreu em salto na tarde de sexta-feira (19).

Tatiana LopesDo G1 RS
Andrei Penz era experiente e tinha entre 5 e 6 mil saltos de paraquedas (Foto: Arquivo Pessoal)Andrei Penz era experiente e tinha entre 5 e 6 mil saltos de paraquedas (Foto: Arquivo Pessoal)
Andrei Penz morreu aos 30 anos, mas era como se tivesse vivido o triplo. Essa é a análise feita por uma das irmãs do paraquedista que não resistiu a uma queda durante salto na California, Estados Unidos, onde morava havia cerca de cinco anos.
Zara Penz acompanha distante, em Porto Alegre, as notícias do acidente que vitimou seu irmão na tarde de sexta-feira (19). Ainda abalada, ela lembra de Andrei com saudade: "Além do paraquedismo, praticava muitos outros esportes, snowboard, surfe, o que fosse. Viveu a vida intensamente. Eu digo que ele viveu 90 anos em 30", ressaltou em entrevista ao G1.
Andrei 'viveu a vida intensamente', diz irmã (Foto: Arquivo Pessoal)Andrei 'viveu a vida intensamente', diz irmã
(Foto: Arquivo Pessoal)
Andrei morreu praticando uma de suas paixões. Experiente, tinha entre cinco e seis mil saltos. Trabalhava como instrutor e dobrador de paraquedas reserva na California. Sua maneira intensa de viver, segundo a irmã, era justamente o que cativava a todos que o conheciam. "Ele espalhou as sementinhas dele em muitos lugares. Incentivou muitos amigos. Quando estava presente, com qualquer pessoa que fosse, estava 100%. Estava em sua melhor forma, intensamente. E por isso deixou tanta gente assim, tantos amigos".
Logo após a morte de Andrei, o perfil dele no Facebook foi tomado por mensagens de amigos e familiares. Os recados lembravam momentos vividos ao lado do paraquedista e o que ele representava. Muitas das imagens publicadas remetem ao Grêmio, time que ele torcia e que o homenageou antes do jogo do último sábado (20), na Arena, contra o Palmeiras. Foi realizado um minuto de silêncio.
"San Diego e Porto Alegre pararam por ele", completou Zara.
Zara (no centro) com a filha dela e o irmão Andrei (Foto: Arquivo Pessoal)Zara (no centro) com a filha dela e o irmão Andrei
(Foto: Arquivo Pessoal)
Muito pelo amor que Andrei tinha pelo clube, mesmo à distância, a família decidiu trazer parte das cinzas do corpo, que será cremado nos Estados Unidos, para serem depositadas no estádio gremista. Conforme Zara, essa homenagem está prevista para daqui cerca de 15 dias, já no mês de julho, quando as cinzas chegarem a Porto Alegre, trazidas por outra irmã que também morava na California.
Os outros três irmãos residem em Porto Alegre. Um deles, Christian, também era paraquedista. Mas não pratica mais o esporte há algum tempo em função de um acidente que sofreu e lhe deixou com sequelas.
Ainda não estão confirmadas as causas do acidente. A família aguarda as notícias da investigação por parte da polícia nos Estados Unidos, que apura se houve alguma falha no equipamento ou algum outro tipo de problema durante o salto.
saiba mais

Morte repercutiu na imprensa americana
A morte de Andrei repercutiu na imprensa norte-americana. O site da rede de televisão NBC descreveu o gaúcho como um "instrutor de paraquedismo perito com paixão por aventura e amor pela vida". Segundo a publicação, Andrei saltou às 13h30 no horário local, 17h30 em Brasília, conforme informações da polícia de San Diego.
"Uma testemunha que observava debaixo disse a policiais que, quando o homem se aproximou do solo, ele podia vê-lo mexendo nos botões do paraquedas. No entanto, isso não aliviou a queda, e ele bateu forte no chão. A testemunha disse que o paraquedas parecia ter se rompido parcialmente enquanto o paraquedista se aproximava do chão", diz a publicação.
Montagem de fotos no Instagram de Andrei mostra paixão do paraquedista pelo Grêmio (Foto: Arquivo Pessoal)Montagem de fotos no Instagram