Polícia encontra 191 kg de cocaína em caminhão no norte do Paraná


Apreensão foi feita na BR-153, em Santo Antônio da Platina, na quarta (8).
Segundo a PRF, droga estava na carroceria e no tanque de combustível.

Do G1 PR
Droga estava escondida na carroceria e no tanque de combustível do caminhão (Foto: Divulgação/PRF)Droga estava escondida na carroceria e no tanque de combustível do caminhão (Foto: Divulgação/PRF)
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 191,6 quilos de cocaína na BR-153, em Santo Antônio da Platina, norte do Paraná, na quarta-feira (8).
Segundo a PRF, a droga estava escondida em um caminhão, parado no km 40 da rodovia, em frente ao posto de fiscalização. Os policiais rodoviários desconfiaram do motorista e decidiram vistoriar o veículo, que estava vazio.
saiba mais

Ainda conforme a PRF, 103,8 quilos da droga estavam escondidos em um fundo falso na parte frontal da carroceria de madeira, próximo à cabine. O restante estava dentro do tanque de combustível do caminhão.
O motorista do caminhão, de 31 anos, foi preso em flagrante por tráfico de drogas. À polícia, ele contou que saiu de Pontes e Lacerda (MT) e levaria a droga até Curitiba.
A droga e o caminhão foram encaminhados junto com o suspeito para delegacia da Polícia Civil em Santo Antônio da Platina.

Câmara de Santo Antonio da Platina aprova redução no salário de prefeito e vereadores no norte do PR

Projeto foi aprovado nesta quarta-feira (15), em Santo Antônio da Platina.
Salário dos vereadores será de R$ 970; o do prefeito será de R$ 12 mil.

Do G1 PR, com informações da RPC Londrina
A Câmara Municipal de Santo Antônio da Platina, no norte do Paraná, aprovou nesta quarta-feira (15) a redução salarial do prefeito, do vice-prefeito e dos vereadores. Os novos valores passam a valer a partir dos próximos mandatos, que começam em janeiro de 2017.(veja vídeo)
A cidade de 40 mil habitantes possui nove vereadores. O projeto previa inicialmente o aumento do salário dos cargos do Executivo e do Legislativo, e chegou a ser aprovado em primeira discussão, votada na terça-feira (14).
saiba mais

Porém, com a repercussão negativa e a pressão popular, sete vereadores dos nove vereadores se reuniram e decidiram apresentar uma emenda ao projeto, reduzindo os valores pagos atualmente.
De acordo com a emenda do projeto, o salário do prefeito, que iria de R$ 14,7 mil para R$ 22 mil, será de R$ 12 mil. Já o salário do presidente da Câmara, que passaria de R$ 4 mil para R$ 8,5 mil, vai ser de R$ 970. O dos vereadores, que subiria de R$ 3,7 mil para R$ 7,5 mil, também será de R$ 970.
A alteração no projeto foi aprovada por por sete votos a um. O presidente da Câmara não vota nesses casos, conforme o regimento da Casa.
O projeto com a emenda passará por uma terceira votação na sexta-feira (17). Após isso, será encaminhado para sanção ou não do prefeito Pedro Claro de Oliveira Neto (DEM).
População lotou a Câmara Municipal de Santo Antônio da Platina (Foto: Wilson Kirsche/RPC)População lotou a Câmara Municipal de Santo Antônio da Platina (Foto: Wilson Kirsche/RPC)

A crise ainda vai piorar, diz Lula


lula e dilma 22
Preocupado com os efeitos da Operação Lava Jato sobre o governo, que já enfrenta grave crise política, o ex-presidente Lula (PT) se reuniu na terça-feira (14) com a presidente Dilma Rousseff (PT) e ministros, no Palácio da Alvorada, para montar a estratégia de reação. No diagnóstico de Lula, o estrago foi grande com as buscas e apreensões realizadas em casas de políticos da base aliada, como o senador Fernando Collor (PTB-AL), e o cenário previsto é de mais dificuldades. As informações são do Estadão.
“Preparem-se porque as coisas vão ficar piores”, afirmou o ex-presidente. O encontro começou por volta de meio-dia, com um almoço, e terminou às 16h30. Lula estava furioso com a forma como a Polícia Federal vem agindo e disse a Dilma que ela precisa sair logo dessa agenda negativa.
“Você não tem que ficar falando de Lava Jato”, esbravejou Lula, de acordo com dois participantes da reunião no Alvorada. “Você tem que governar, ir para a rua, conversar com o povo, divulgar os seus programas. Não pode ficar só nessa agenda de Lava Jato e ajuste fiscal.”
Antes de se reunir com Dilma, Lula esteve com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Pediu a ele que insista em divulgar as medidas para a etapa seguinte ao ajuste porque, na sua avaliação, o governo deve “vender” esperança. Para o ex-presidente, a aprovação de Dilma e mesmo a dele desmoronaram muito mais por problemas na economia do que por denúncias de corrupção na Petrobras.
Lula disse a Levy que o governo ainda erra na comunicação. “O ajuste fiscal não pode ser apresentado como um fim em si mesmo”, insistiu. “O que nós temos que mostrar para as pessoas é onde queremos chegar.”
A conversa entre os dois foi cordial. Tanto que, no Alvorada, Lula afirmou que as divergências entre Levy e o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, sobre a redução da meta fiscal precisam ser contornadas. O ex-presidente cobrou unidade no governo e chegou a elogiar o vice Michel Temer, que comanda o PMDB e é articulador político do Planalto.
Dilma concordou com o padrinho, mas não escondeu a insatisfação com as últimas críticas feitas por ele. Afirmou, ainda, nada poder fazer em relação às investigações da PF. Nos bastidores, políticos dizem que os próximos alvos são os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).
Quebrando o gelo
Lula não conversava com Dilma havia quase um mês, desde que criticou a estratégia do Planalto para sair da crise. Num encontro com religiosos, o ex-presidente disse que ele e a sucessora estavam no “volume morto”.
O receio do governo é que o novo movimento da PF provoque ainda mais tensão no relacionamento com a base, no momento em que Dilma que sofre ameaças de impeachment. Há quem avalie, porém, que, se Cunha e Renan forem denunciados, o discurso pró-saída de Dilma perde consistência no Congresso.
Além de Lula, participaram da reunião no Alvorada os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), Edinho Silva (Comunicação Social), Jaques Wagner (Defesa), Miguel Rossetto (Secretaria-Geral), o governador de Minas, Fernando Pimentel, e o presidente do PT, Rui Falcão. Pimentel é alvo de operação da PF que apura arrecadação ilegal de dinheiro em suas campanhas.

Temer diz que PMDB quer ter candidato à Presidência em 2018


temer-g1
do G1:
O vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, afirmou nesta quarta-feira (15) que seu partido quer ter candidato à Presidência na eleição de 2018. Articulador político do Palácio do Planalto, Temer deu a declaração, em um evento da sigla, após ser questionado por um jornalista sobre se a aliança com o PT terminará em 2018.
Outros caciques do PMDB, como o ex-presidente José Sarney, e os presidentes do Senado, Renan Calheiros (AL), e da Câmara, Eduardo Cunha(RJ), estavam ao lado do vice-presidente no momento em que ele manifestou o interesse de o PMDB encabeçar uma chapa presidencial para a sucessão de Dilma Rousseff.
“Nós estamos abertos para novas alianças, com todos os partidos. Apenas o que está sendo estabelecido é que o PMDB quer ser, digamos assim, cabeça de chapa em 2018″, ressaltou Temer.

Cansado de assaltos, empresário fecha loja e protesta com 'roubômetro'


Vicente Castro mandou fazer cartazes e fixou na loja, em Presidente Dutra.
Roubômetro lista três últimos assaltos sem solução ao estabelecimento.

Do G1 MA
Após assaltos, empresário mandou fazer cartazes com 'roubômetro' (Foto: Eliziane Guedes dos Santos)Após assaltos, empresário mandou fazer cartazes com 'roubômetro' (Foto: Eliziane Guedes dos Santos)
O empresário Vicente Alves de Castro Neto, de 44 anos, resolveu protestar de forma inusitada contra a falta de segurança depois que sucessivos assaltos o levaram a fechar a loja de celulares que mantinha em Presidente Dutra, no Maranhão. Após encerrar as atividades na cidade, ele mandou confeccionar cartazes exibindo um "roubômetro" e os fixou na fachada do estabelecimento.(veja vídeo)
Ninguém fala nada. A gente registra boletim de ocorrência e não acontece nada"
Vicente Castro, 44, empresário
No "roubômetro", estão listados os três últimos assaltos sofridos que não foram solucionados pela polícia - em junho de 2014 e em abril e julho deste ano. Nos cartazes, o empresário explica que a loja está fechada e que teve que demitir os funcionários, deixando recados aos ladrões, aos clientes e às autoridades responsáveis pela segurança pública.
"Senhor Ladrão, solicito que após furtar-me de novo ofereça os produtos a mim mesmo! Comprar de novo no mercado legal custa caro e sei que o Sr. vende baratinho. Prometo sigilo absoluto, pois não desejo ser preso por receptação de produto furtado", ironiza em um dos cartazes.
"Pagamos nossos impostos e não temos segurança para trabalhar, por isso estamos fechados", explica aos clientes. "Autoridades competentes, não aguento mais ser assaltado! Cadê a segurança? Como honro com meus compromissos financeiros? Vou virar estatística?", reclama em outro cartaz.
Empresário protesta contra insegurança em Presidente Dutra (MA) (Foto: Eliziane Guedes dos Santos)Empresário protesta contra insegurança em
Presidente Dutra (MA) (Foto: Eliziane Guedes)
Protesto
Em entrevista por telefone ao G1, Vicente Castro contou que é dono de lojas em várias cidades do Maranhão, mas foi a primeira vez que teve que fechar uma delas por causa de assaltos. Segundo ele, o estabelecimento em Presidente Dutra ficou em funcionamento durante sete anos. Os assaltos se tornaram mais frequentes desde ano passado.
"Não aguento mais tanto roubo. Na cidade de Presidente Dutra não tem segurança de nada. Teve um dia que assaltaram minha loja no sábado de manhã e, na segunda-feira, assaltaram uma agência de banco bem pertinho. Eles levam tudo lá, moto, celular, cordão, carteira. Tipo assim, eu lamento pelas pessoas que trabalhavam comigo, mas não posso manter um negócio só pra bandido roubar", reclama.
O empresário disse que teve que demitir os cinco funcionários da loja e contou que registrou boletim de ocorrência em todas as ocasiões de roubo. O prejuízo, segundo ele, está entre R$ 80 mil e R$ 100 mil.
"O meu objetivo era protestar para ver se alguém faz algo. O que eu queria era chamar atenção e fico feliz que está tendo boa divulgação, estou satisfeito. Ninguém fala nada. A gente registra boletim de ocorrência e não acontece nada", concluiu.
G1 entrou em contato com a Secretaria de Estado de Segurança Pública e aguarda esclarecimento do órgão.
Câmeras de segurança
As imagens das câmeras de segurança registraram o último assalto à loja, ocorrido no dia 11 de julho. No vídeo, um homem chega ao local como se fosse um cliente e, de repente, levanta a camisa e mostra uma arma à atendente. Em seguida, ele ordena aos três funcionários que estão no estabelecimento que recolham os celulares e tablets e coloquem dentro de uma mochila, saindo do local a pé.

José Genoino é internado em hospital na Zona Sul de SP


Ex-deputado foi encaminhado ao quarto no início da tarde desta quarta.
Família não autorizou hospital a divulgar estado de saúde do paciente.

Do G1 São Paulo
Advogado de José Genoino vai pedir para que seu cliente cumpra a pena em prisão domiciliar/GNews (Foto: Reprodução Globo News)Ex-deputado José Genoino, em imagem de arquivo
(Foto: Reprodução Globo News)
O ex-deputado federal José Genoíno (PT), de 69 anos, deu entrada por volta das 10h desta quarta-feira (15) no Hospital Santa Cruz, na Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo. Por volta das 14h, ele foi encaminhado para o quarto. Segundo a assessoria do hospital, a família não autorizou divulgar informações sobre o paciente e o motivo da internação.
Em julho de 2013, Genoino passou por uma cirurgia de urgência no Hospital Sírio Libanês após passar sentir dores no peito, sendo diagnosticada a dissecção da aorta - a principal artéria estava abrindo em camadas.
saiba mais

Em novembro do mesmo ano, ele passou mal no presídio da Papuda, onde cumpria pena por condenação no julgamento do mensalão, e precisou ser internado. Na mesma época, um laudo do Instituto de Medicina Legal da Polícia Civil do Distrito Federal informou que ele era "paciente com doença grave, crônica e agudizada, que necessita de cuidados específicos".
Condenação
Genoino foi condenado a 4 anos e oito meses por corrupção ativa no processo do mensalão. Em março, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu extinguir a pena com base no decreto de indulto de Natal editado pela presidente Dilma Rousseff no final de 2014.

O ex-deputado foi preso em novembro de 2013 e passou a cumprir pena no regime fechado. Com problemas cardíacos, chegou a obter autorização para se tratar em casa em prisão domiciliar no início de 2014, mas, em maio, teve de voltar à prisão. Em agosto, progrediu para o regime aberto, para ficar preso em casa.

No dia 25 de dezembro de 2014, dia em que foi publicado o decreto, Genoino havia cumprido 1 ano, 2 meses e 14 dias da pena, já levando em conta 34 dias que havia descontado por cursos de direito e informática que realizou na Penitenciária da Papuda, além de trabalho como auxiliar de biblioteca do presídio.
O decreto de indulto prevê perdão aos condenados que cumprem pena em regime aberto ou prisão domiciliar, desde que faltem até oito anos para o cumprimento da pena total. Outra condição é ter cumprido ao menos um quarto da pena, se não reincidente, e ter apresentado bom comportamento na prisão.

Suspeito de tentar furtar carro é baleado e imobilizado por PM no RS


Caso ocorreu na manhã desta quarta-feira (15) em rua de Porto Alegre.
Outro assaltante também foi ferido pelo policial de folga, mas fugiu.

Do G1 RS
Policial persegue e fere suspeito de assalto em Porto Alegre  (Foto: Leandro Silva Kaipper/Arquivo pessoal)Policial persegue e fere suspeito de assalto em Porto Alegre (Foto: Leandro Silva Kaipper/Arquivo pessoal)
Dois assaltantes foram surpreendidos na manhã desta quarta-feira (15) ao tentar furtar um veículo na Avenida Baltazar de Oliveira Garcia, no bairro Rubem Berta, em Porto Alegre. Avisado por uma vizinha da ação dos bandidos, o dono do carro, que é sargento do Batalhão de Operações Especiais (BOE) e estava de folga, perseguiu e baleou a dupla, conseguindo prender um dos suspeitos.
Suspeito de tentar furtar carro foi imobilizado por PM em Porto Alegre (Foto: Reprodução/RBS TV)Suspeito de tentar furtar carro foi imobilizado por
PM em Porto Alegre (Foto: Reprodução/RBS TV)
O caso ocorreu por volta das 9h15. Segundo testemunhas, o veículo estava estacionado na rua quando um dos criminosos conseguiu abrir a porta e entrar.
Vizinha avisou policial
Uma moradora da região viu a ação dos ladrões e avisou o dono do veículo, que saiu de casa armado e atirou contra a dupla.
De acordo com a Brigada Militar, um dos homens foi ferido na perna, mas conseguiu fugir.
O outro assaltante também foi baleado e acabou rendido pelo sargento – que pediu para não ter o nome divulgado. O ladrão ferido foi encaminhado ao Hospital Cristo Redentor.
O caso está sendo registrado na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento.

Câmara resgata mandato de quatro anos para presidente e demais cargos


Deputados analisam propostas de alteração à PEC da reforma política.
Texto ampliava mandato para 5 anos para compensar fim da reeleição.

Nathalia PassarinhoDo G1, em Brasília
A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (15), ao analisar propostas de mudança à PEC da Reforma Política, resgatar o mandato de quatro anos para presidente da República, governador, deputado e demais cargos eletivos. Os parlamentares excluíram do texto-base trecho que instituía mandato de cinco anos, o que, na prática restitui o mandato de quatro. No caso de senador, volta a ser de oito anos.
A proposta de emenda à Constituição da reforma política já foi votada em dois turnos pela Câmara, mas os deputados ainda analisam destaques que visam modificar a redação.  A ampliação do mandato para cinco anos para cargos majoritários havia sido uma forma de a Casa “compensar” a aprovação do fim da reeleição para presidente, governador e prefeito.

Ao analisar o mesmo destaque, os deputados também restituíram a data atual de posse do presidente da República e governadores, que é em 1 º de janeiro. O texto-base havia alterado a data para 5 de janeiro, no caso de presidente, e 4 de janeiro, para governadores.
Defensor de manter o prazo atual de quatro anos, o líder do DEM, deputado Mendonça Filho (PE), disse que a ampliação do mandato “afastaria o eleitor do representante”. “Quatro anos é de ótimo tamanho. Não é tão longo que afaste o eleitor do deputado, nem tão pequeno que nos obrigue a submeter a eleições em períodos curtos”, disse.
O deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) argumentou que o eleitor precisa ter o direito de mudar de representante em quatro anos, se o governo for ruim. “Imagine o eleitor que tem um mal governante, tem de esperar cinco anos?”, criticou.
Já o PT se manifestou contra manter o mandato em quatro anos. O deputado Henrique Fontana (PT-RS) argumentou que a ampliação do tempo de governo havia sido uma das condições para que o partido apoiasse o fim da reeleição.

“É um ato coerente que, se a gente muda o sistema para fim da reeleição, que haja mandato de cinco anos. E agora, em uma votação de quórum baixo, aprovamos mandato de quatro anos. Estamos caminhando para um modelo de votação da reforma política que se assemelha a um Frankenstein”, disse o petista.
saiba mais

Mais cedo nesta quarta (15), os deputados derrubaram destaque, de autoria do DEM, que visava manter a reeleição para presidente da República. Com a decisão fica mantida a proibição de dois mandatos consecutivos para todos os cargos majoritários – presidente, governador e prefeito.
No total, desde o início da análise da PEC da reforma política, os parlamentares aprovaram 11 modificações à legislação atual, entre os quais o fim da reeleição e mandato de cinco anos para todos os cargos eletivos:
- fidelidade partidária;
- prazo para desfiliação do partido sem perda de mandato;
- novas regras para projeto de iniciativa popular;
- possibilidade de policiais e bombeiros voltarem à ativa após mandato;
- emissão de recibo em papel nas urnas;
- fim da reeleição;
- mandato de cinco anos para todos os cargos eletivos (derrubado na votação desta quarta)
- redução da idade mínima para candidatos a senador, deputado e governador;
- restrições de acesso de pequenos partidos ao fundo partidário;
- alteração na data da posse de presidente e governador;
- permissão de doações de empresas a partidos.
Além dos itens aprovados, os parlamentares também rejeitaram algumas mudanças estruturais no modelo político brasileiro:

- instituir o voto facultativo nas eleições do país;
- obrigar o candidato a registrar programa de campanha;
- autorização para candidatura a mais de um cargo na mesma eleição;
- alterar o atual sistema proporcional com lista aberta para escolha de deputados;
- proposta de eleições simultâneas para todos os cargos eletivos;
- proposta que previa o fim das coligações entre partidos nas eleições para a Câmara;
- cota para as mulheres no legislativo;
- perda de mandato a parlamentar que assume cargo no Executivo;
- criação do cargo de “senador vitalício” para ex-presidentes da República;
- voto em trânsito para todos os cargos eletivos;
- formação de federações partidárias.