A PF vai bater na porta do Palácio do Planalto


Claudio Dantas, na IstoÉ, mostra como Eletrolão envolve Dilma:
“Em julho de 2007, Dilma Rousseff reuniu alguns ministros num comitê que tinha como missão fixar novas metas para o programa nuclear brasileiro. Aficionada às questões do setor elétrico, Dilma puxou para si o papel de coordenadora do grupo. O trabalho resultou num plano que previa, dentre tantas metas ambiciosas, a conclusão das obras da usina nuclear de Angra 3, paralisadas nos anos 80. No comando operacional da empreitada estava o presidente da Eletronuclear, almirante Othon Pinheiro da Silva, que se tornou na semana passada o principal alvo da 16ª fase da Lava Jato. Embora o militar tenha surgido como a face mais visível do esquema, a PF tem elementos que podem fazer com que as investigações atinja outras personagens muito próximos da presidente Dilma. ‘É possível que a gente chegue aos políticos’, disse o delegado Igor Romario de Paula”.
Chegar aos políticos é quase um eufemismo. Ao mergulhar no setor elétrico, a PF vai bater na porta do Palácio do Planalto”.

Forças de segurança do Peru resgatam 15 pessoas em cativeiro na selva


Da Agência Brasil

As forças de segurança do Peru resgataram sete crianças e oito adultos que estavam em cativeiro sob controle da organização guerrilheira peruana Sendero Luminoso na selva do centro e sul do país, informou hoje o vice-ministro da Defesa, Iván Vega.
Os menores e adultos foram resgatados na região dos vales dos rios Apurimac, Ene e Mantaro – denominada Vraem.
Esta foi a segunda operação do gênero realizada esta semana depois de, na segunda-feira, terem sido resgatados outras 26 crianças e 13 mulheres, na mesma região.
Segundo o vice-ministro, em declarações à RPP Notícias, os menores foram encontrados em condições de saúde “deploráveis”, com doenças de pele e subnutridos, tendo sido imediatamente submetidos a cuidados médicos.
Segundo Vega, ainda há entre 60 e 80 menores sequestrados pelos homens do Sendero Luminoso em zonas de difícil acesso naquela região.
O departamento do Tesouro norte-americano anunciou, no início de junho, a inclusão do grupo armado Sendero Luminoso na lista negra de traficantes de droga internacionais e o congelamentodos de bens de três de seus líderes, nos Estados Unidos.
O departamento sublinhou que o Sendero Luminoso se envolveu na última década em todos os aspetos do tráfico de cocaína, desde o cultivo ao transporte e distribuição, devido à pressão por parte das autoridades peruanas.

Criança de 2 anos fica gravemente ferida após peça de trator cair sobre o seu peito na RMC


Por Felipe Ribeiro e Djalma Malaquias

Uma criança de dois anos ficou gravemente ferida após a queda de uma peça de trator sobre o seu peito no começo da tarde deste sábado (1) em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. Ela foi primeiramente atendida em uma unidade de saúde e encaminhada na sequência para o Hospital do Trabalhador.
De acordo com o socorrista Diogo, o pai da vítima levou a menina às pressas para a unidade de saúde Osasco, mas não relatou o que teria acontecido para a queda. “A peça tem aproximadamente 40 quilos e a vítima 15, então foi um impacto muito forte, mas já a entubamos e encaminhamos para o Trabalhador”, disse.
A menina chegou estável ao hospital e passa por todos os procedimentos médicos.
O pai ficou transtornado com toda a situação e deve passar maiores informações na sequência.

Na busca pelo sobrinho, mulher vive cena de terror e encontra corpo carbonizado em poço em Colombo


Por Felipe Ribeiro e Djalma Malaquias

Na busca pelo sobrinho desaparecido, uma mulher acabou vivendo uma verdadeira cena de filme de terror na tarde deste sábado (1) em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. Sabendo da condição de usuário de droga do jovem, ela se aventurou em um terreno que é usado tradicionalmente por eles, mas acabou encontrando um corpo carbonizado.
Foto: Djalma Malaquias - Banda B
Foto: Djalma Malaquias – Banda B
Segundo o guarda municipal Ceccon, ela abordou a equipe na rua, mas já aparentava estar um pouco mais aliviada por não ser quem procurava. “Ela acabou sendo bastante corajosa indo ali e ficou preocupada com o que viu devido a cena forte, mas mesmo assim nos procurou”, explicou o guarda.
Pelas condições do corpo, apenas exames no Instituto Médico Legal (IML) poderão verificar o que aconteceu. Ainda no local, uma segunda família apareceu no local procurando por uma possível vítima.
Ao que tudo indica, a motivação tem realmente a ver com o tráfico da região. A Delegacia do Alto Maracanã deve investigar o caso.
.

Quase um mês após crime, suspeito de matar guarda em Curitiba é preso em São Paulo


Da Redação

Quase um mês após o crime, o principal suspeito de ter matado o guarda municipal Roni Fernandes, no Centro de Curitiba, foi preso na tarde deste sábado (1) no estado de São Paulo. Evandro de Oliveira Marcolino, 27 anos, conhecido como ‘Peixinho’, é um homem bastante temido na região do bairro Boqueirão e faz parte de uma quadrilha envolvida com roubos, assaltos, prostituição, drogas e tem lista extensa na polícia.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Recentemente, o delegado Rafael Vianna, da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR), confirmou que o suspeito tem perfil de bandido. “Ele é uma pessoa violenta, totalmente envolvida na criminalidade, com prostituição de jovens e travestis, tráfico de drogas, assaltos e roubos e um esquema de práticas de crimes”, descreve o delegado.
A mulher que, inicialmente, ajudava nas investigações com informações sobre o assassino foi presa. Sueli Carolina da Silva, 32 anos, é acusada de integrar a quadrilha e repassar denúncias falsas para os investigadores. “A mulher vinha mantendo contato com a gente, passando informações sobre a vida, a família do suspeito, mas nunca encontrávamos ele. Saíamos para diligências e nunca o prendíamos. Descobrimos que ela fazia parte da quadrilha e queria que as investigações ficassem tumultuadas”, conta o delegado da DFR.
Roni Fernandes foi baleado na cabeça após um assalto a uma loja de doces no cruzamento da Rua André de Barros com a Lourenço Pinto. Ele chegou a ser encaminhado às pressas para o Hospital Cajuru, mas não resistiu e acabou morrendo. No mesmo dia, a GM divulgou imagens que mostram o suspeito roubando o estabelecimento e correndo pela região após o crime.
Mais informações sobre a prisão devem ser repassadas em coletiva de imprensa na próxima segunda-feira.

Beijo roubado e sexo oral: funcionária de prisão dá detalhes de fuga cinematográfica de criminosos nos EUA

Os assassinos condenados Richard Matt (acima) e David Sweat, fugiram com a ajuda da funcionária Joyce Mitchell (à dir.), da prisão de segurança máxima do estado de Nova York (EUA)
Os assassinos condenados Richard Matt (acima) e David Sweat fugiram, com a ajuda da funcionária Joyce Mitchell (à dir.), de uma prisão de segurança máxima do estado de Nova York (EUA)(Rob Fountain/Reuters)
Nesta semana, a americana Joyce Mitchell se declarou culpada de ajudar dois assassinos a fugir de uma penitenciária de segurança máxima nos Estados Unidos, em junho. A história contada à polícia pela funcionária da prisão no condado do Clinton, no estado de Nova York, envolve beijo roubado e contrabando de ferramentas escondidas em carne de hambúrguer, elementos que poderiam facilmente fazer parte de um roteiro de Hollywood.
A supervisora da oficina de costura Joyce Mitchell, de 51 anos, teve papel importante na fuga dos assassinos Richard Matt, de 48 anos, e David Sweat, de 35 anos, da Clinton Correctional Facility. Seu envolvimento com os presos começou na oficina da penitenciária, onde também trabalha de seu marido Lyle. A presença do marido não impediu que Joyce se tornasse amiga do prisioneiro David Sweat, assassino condenado à prisão perpétua. A "relação inapropriada" entre preso e funcionária logo foi notada por outros policiais e ele foi afastado da oficina.

Sem o jovem Sweat para seduzir a funcionária, entrou em cena o veterano Matt, condenado a 25 anos de prisão por dois assassinatos. "Ele me tratava com respeito e era gentil comigo. Eu me sentia especial", contou Joyce. A relação de favores prestados por Joyce ao prisioneiro começou com telefonemas à filha dele, para dar notícias do pai preso. Em novembro do ano passado, ele pediu que ela lhe trouxesse um par de luvas de boxe. O presente foi seguido por guloseimas que ela passou a trazer regularmente a Matt.
Em abril, a relação esquentou. "Ele me agarrou e me beijou, com a boca aberta". O prisioneiro passou então a solicitar as ferramentas para cavar o túnel que permitiria a fuga. Sem questionar, Joyce contrabandeava o material para dentro da prisão escondido em carne de hambúrguer. Um mês antes da fuga, ele começou a pedir que ela o masturbasse e fizesse sexo oral - tudo disfarçado pelo largo casaco usado pelos prisioneiros. Enquanto isso, Joyce também mandava fotos nuas e bilhetes eróticos para Sweat.
Pouco antes de escapar, os prisioneiros convenceram Joyce a participar da fuga. Ela seria a motorista dos fugitivos. Ela deveria encontrá-los com um jipe em um ponto pré-determinado fora da prisão. No carro, ela traria suprimentos para o trio sobreviver escondido na mata, como barracas, sacos de dormir, GPS, varas de pescar e, claro, uma arma. De acordo com o plano, eles dirigiriam por seis ou sete horas até um lugar tranquilo e permaneceriam juntos por uma semana. Depois, o casal se separaria de Sweat.
No dia da fuga, porém, Joyce teve um ataque de pânico e não apareceu. Matt foi morto pela polícia no dia 26 e Sweat foi capturado dois dias depois. "Eu vivi uma fantasia. Gostei da atenção e do carinho que eles me davam, e da ideia de ter uma vida diferente", disse Joyce, que pode pegar sete anos de prisão pelo crime.

Moro acha que o ideal é encerrar a principal parte da Lava Jato neste ano


Procuradores do caso no Paraná concordam com o juiz responsável pelo caso

MURILO RAMOS
31/07/2015 - 21h30 - Atualizado 31/07/2015 22h43
Assine já!
O juiz Sérgio Moro (Foto: Paulo Lopes/Futura Press)
São 16 meses de Lava Jato. São 16 fases da operação. São 23 delatores, com a possibilidade de haver mais. Nem só políticos e operadores se impressionam com o tamanho e os desdobramentos da investigação. Os procuradores do caso no Paraná e o juiz Sergio Moro consideram que o ideal mesmo é encerrar a parte principal da investigação até o final deste ano. Tudo para não perder energia com detalhes acessórios e não escapar do mais importante: obter a condenação dos réus que já tiveram seus malfeitos completamente esquadrinhados.

Três mil celulares são roubados de depósito da TAM em Londrina


Criminosos invadiram o galpão e, com um caminhão, levaram a carga.
Para levar os telefones, eles renderam funcionários, mas ninguém se feriu.

Do G1 PR
Galpão fica a cem metros do aeroporto Governador José Richa (Foto: Alberto D'angele/RPC)Galpão fica a cem metros do aeroporto Governador José Richa (Foto: Alberto D'angele/RPC)
Três mil aparelhos celulares foram roubados do depósito da TAM em Londrina, no norte do Paraná, na manhã deste sábado (1º), segundo a Polícia Militar (PM). O galpão fica a cem metros do aeroporto Governador José Richa.
De acordo com a polícia, os criminosos chegaram em um carro preto, por volta das 8h, entraram pelo portão e, ao invadirem o pátio, renderam funcionários da companhia. Logo depois, um outro homem chegou com um caminhão para dar apoio ao grupo que já havia entrado, diz a PM.
Em aproximadamente 15 minutos, de acordo com a polícia, os homens carragaram o caminhão com os milhares de telefones e deixaram o local. A estimativa é de que a carga valha R$ 2,5 milhões.
Em nota, a TAM ressaltou que não houve feridos e que está colaborando com as autoridades policiais nas investigações. Até as 18h30, três suspeitos haviam sido presos - dois em Ourinhos (SP) e um em Londrina -, segundo a Polícia Civil. Parte da carga foi recuperada com eles.

Moro prorroga prisão temporária de investigados na 16ª fase da Lava Jato


Othon Luiz Pinheiro da Silva e Flávio David Barra estão presos em Curitiba.
Eles são investigados por supostas irregularidades na Eletronuclear.

Fernando CastroDo G1 PR
O presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva durante Comissão do Meio Ambiente na Câmara dos Deputados em maio de 2010 (Foto: Janine Moraes/Câmara dos Deputados)O presidente da Eletronuclear segue preso (Foto:
Janine Moraes/Câmara dos Deputados)
O juiz federal Sergio Moro decidiu nesta sexta-feira (31) prorrogar por mais cinco dias as prisões temporárias de Othon Luiz Pinheiro da Silva e Flávio David Barra, presos na 16ª fase da Operação Lava Jato. A decisão acolhe parcialmente requerimento do Ministério Público Federal (MPF), que queria que as prisões se tornassem preventivas – sem prazo para expirar.
Houve uma divergência nos pedidos, já que a Polícia Federal não queria a prorrogação das prisões. Para os policiais, não havia indícios que comprovem a fraude.
Os dois documentos foram analisados pelo juiz Sérgio Moro nesta sexta. No despacho, o juiz destaca que a PF não teve acesso a todos os documentos que MPF disponibilizou ao justificar o pedido de conversão em preventiva. Embora o juiz considere que há elementos que justifiquem a prisão preventiva, ele optou por apenas a prorrogação.
"Apesar disso, mesmo estando presentes os pressupostos e fundamentos da prisão preventiva, resolvo, em vista do histórico profissional do investigado Othon Luiz Pinheiro da Silva, com serviços relevantes prestados ao país na área de desenvolvimento da energia nuclear, e diante de sua afirmação de que poderiam ser esclarecidos, documentalmente, os serviços prestados pela Aratec que teriam justificado os aludidos repasses, resolvo, em benefício dos dois investigados, no presente momento apenas prorrogar a prisão temporária por mais cinco dias", diz trecho do despacho.
O prazo das prisões temporárias expiraria no sábado (1º).  Com a decisão, eles devem ficar presos pelo menos até quinta-feira (6).
O que dizia a PF
- Documentos apreendidos e depoimentos não foram suficientes para comprovar fraudes em licitação em Angra 3;
- Não foi possível comprovar o pagamento de vantagens indevidas a servidores da Eletronuclear;
- Avaliação é preliminar e ainda pode mudar depois da análise de outros documentos disponíveis, que ainda não passaram por perícia.
O que dizia o MPF
- Othon sabia de todos os esquemas de corrupção na Eletrobras e recebeu propina para ajudar a Andrade Gutierrez;
- Documentos apreendidos comprovam pagamento de propinas a funcionários da Eletrobras;
- Flávio Barra pode continuar a cometer crimes, se for solto.
16ª fase
Contratos firmados por empresas já mencionadas na Lava Jato com a Eletronuclear, que tem economia mista e cujo controle acionário é da União, foram o foco desta etapa da operação. A Eletronuclear foi criada em 1997 para operar e construir usinas termonucleares e responde hoje pela geração de cerca de 3% da energia elétrica consumida no país.
Othon Luiz Pinheiro é diretor-presidente licenciado da Eletronuclear e suspeito de receber R$ 4,5 milhões em propina. "A Andrade Gutierrez repassava valores para a empresa de Othon Luiz por meio de empresas intermediárias que atuavam na fase de lavagem de dinheiro", afirmou o procurador do MPF Athayde Ribeiro Costa.
Já Flávio David Barra é presidente global da AG Energia, controlada pelo grupo Andrade Gutierrez. Ele foi citado na delação do ex-presidente da empreiteira Camargo Corrêa Dalton Avancini, que afirmou que havia um acerto futuro de pagamento de propina a funcionários da Eletronuclear, referente às obras de Angra 3, e que Flávio teria participado da reunião, em agosto de 2014.
Flávio David Barra, presidente global da AG Energia, ligada ao grupo Andrade Gutierrez, chega para fazer exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal (IML) de Curitiba. Ele foi preso na 16ª fase da Operação Lava Jato (Foto:  Cassiano Rosário/Futura Press/Estadão Conteúdo)Flávio Barra foi preso na 16ª fase da Lava Jato (Foto: Cassiano Rosário/Futura Press/Estadão Conteúdo)

Gari recebe doações após achar e devolver quase R$ 5 mil no RS


Família jogou dinheiro fora por engano e pediu auxílio à empresa de coleta.
Exemplo de honestidade faz internautas arrecadarem doações em site.

Estêvão PiresDo G1 RS
2 comentários
Gari Santa Cruz do Sul  (Foto: Conesul/Divulgação)Gari devolveu o dinheiro aos donos em Santa
Cruz do Sul (Foto: Conesul/Divulgação)
Morador de uma residência humilde ao lado de outros cinco familiares em uma região de alta exclusão social de Santa Cruz do Sul, a 156 km de Porto Alegre, um gari decidiu optar pelo caminho da honestidade ao se deparar com R$ 4.990 perdidos. Armazenado em um pote de panetone, o dinheiro foi encontrado e devolvido aos donos na última sexta-feira (10) por Jonathan Rafael dos Santos Soares, 23 anos, quando ele trabalhava em uma central de transbordo de lixo do município. Nesta segunda (13), um mutirão virtual foi iniciado para arrecadar doações e  homenageá-lo pela atitude.
Segundo a empresa Conesul, que presta serviços de coleta de lixo na região, os valores foram jogados fora, por engano, pelo filho de uma aposentada, moradora do município de Sinimbu, a 26 km de Santa Cruz do Sul. O dinheiro estaria sendo guardado no pote pela idosa sem o que os familiares soubessem, o que gerou a confusão.
Desesperada, a família procurou a empresa, que solicitou aos funcionários uma varredura para tentar localizar o recipiente em meio a ferros retorcidos por compactadores. “Todos que tentaram desistiram, mas eu decidi seguir procurando. Chovia forte, a água estava gelada, mas pensei: ‘vou achar esse dinheiro’”, contou Jonathan. “Estava de pochete, poderia ter pego para mim, mas decidi entregar. Com certeza a pessoa que perdeu está precisando muito. Sai de lá com o coração mais leve. Ainda mais ao saber que ela era uma senhora”, acrescentou.
De acordo com Jonathan, os proprietários do dinheiro lhe recompensaram com R$ 200. “Nunca havia achado nada de dinheiro. E eu estava determinado a devolver. O que não é meu eu não quero. Lembrei da Bíblia dizendo ‘comerás o teu pão com o suor do teu rosto’”, detalhou.
“As chances de alguém localizar eram muito pequenas. E a reação dele foi de felicidade. É uma pessoa muito humilde. Ele vem de um bairro carente, um ambiente de tráfico e violência. Ele poderia tranquilamente ter dito que não achou”, destacou o coordenador de comunicação da empresa, Cristiano André Machado. .
Inciada por um publicitário, a campanha virtual para recompensar o gari tem a meta de arrecadar a mesma quantia devolvida por Jonathan. Um site foi criado para que internautas possam doar. Até o o início da noite desta segunda-feira, R$ 357 já haviam sido doados e outros R$ 635 estavam pendentes de confirmação.

Jovens acham R$ 400 e devolvem a haitiano após divulgar em rádio no RS


Adolescentes viram estrangeiro derrubar o dinheiro em rua de Santa Rosa.
Fato foi comunicado em emissora de rádio e quantia foi devolvida.

Rafaella FragaDo G1 RS
Adolescente devolveu dinheiro a haitiano que perdeu R$ 400 em Santa Rosa (RS) (Foto: Claudio Bogler/Arquivo pessoal)Adolescente devolveu dinheiro a haitiano 
(Foto: Claudio Bogler/Arquivo pessoal)
Um grupo de adolescentes de Santa Rosa, na Região Noroeste do Rio Grande do Sul, encontrou R$ 400 em dinheiro no meio da rua e devolveu ao dono, um haitiano que vive na cidade e trabalha na área da construção civil. O imigrante voltava para casa após receber o pagamento semanal quando, por descuido, deixou cair o dinheiro. O caso ocorreu na sexta-feira (31).
O estrangeiro estava de bicicleta e não ouviu os chamados dos adolescentes que tentaram avisá-lo ao perceber que a quantia havia caído no chão. Uma das meninas relatou o caso ao padrasto, que trabalha em uma emissora de rádio da cidade, e pediu ajuda para achar o dono.
“Eles não conseguiram falar com o haitiano, que passou rápido por ali de bicicleta. Ela me ligou e contou o que aconteceu. Eu fui para a rádio e avisei um colega que estava no ar. Começamos a divulgar e informamos que o dono podia nos procurar, que íamos levá-lo até a pessoa que achou e guardou o dinheiro”, conta Claudio Bogler ao G1.
Um colega de trabalho do haitiano que ouvia a rádio reconheceu a descrição do homem que havia perdido o dinheiro e avisou o amigo. Foi quando o estrangeiro foi até a emissora de rádio e se identificou.
“Mostrei ele à minha enteada. Em seguida levamos ele até a casa do amigo dela, que ficou o dinheiro”, afirma o locutor.
O dinheiro foi devolvido ao haitiano, que, surpreso, agradeceu o gesto dos adolescentes. “Ele estava feliz da vida. Achou que tinha perdido e nunca mais ia ver o dinheiro. Pediu que Deus nos desse em dobro”, diz Claudio. Segundo ele, o estrangeiro ofereceu uma recompensa como agradecimento. “Mas não aceitamos. A gente estava fazendo nossa obrigação”, conclui.

Taxista se surpreende ao perceber que passageira deu à luz durante corrida


Mulher conta que sentiu dores, a bolsa estourou e filho nasceu em seguida. 
Caso aconteceu em Cabo Frio, RJ, na quinta-feira; mãe e bebê passam bem.

Anna Paula Di CiccoDo G1 Região dos Lagos com informações da Inter TV
Um taxista tomou um susto durante uma corrida nesta semana em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio. A chamada, na tarde de terça-feira (28), era para uma corrida que levaria uma mulher grávida de um shopping da cidade até o hospital. O taxista, Marco Antônio Ribeiro, relata que no meio do caminho a mulher começou a reclamar e gritar de dor. O motorista achou que fosse cólica, mas para a surpresa dele, Tayrine Miranda deu à luz no banco do carona, ao lado dele. 
Criança nasceu durante corrida de táxi em Cabo Frio (Foto: Marco Antônio Ribeiro/Arquivo Pessoal)Criança nasceu durante corrida de táxi em Cabo Frio
(Foto: Marco Antônio Ribeiro/Arquivo Pessoal)
"Ela estava gritando e sentindo muita dor. Eu pensei que fosse alguma dor no estômago, alguma cólica. Eu vi que ela estava grávida, mas não sabia que ela já estava parindo", contou o taxista.
Marco Antônio ficou espantado com a naturalidade do nascimento do menino. "Quando eu vi, o neném já saiu naturalmente, já estava em cima do banco", relembra.
Segundo o taxista, a única maneira de ajudar foi conduzindo o veículo com segurança até o hospital. "Lá corri chamando os médicos e enfermeiros", conta Marco, que aproveitou o momento para fotografar a cena inusitada que presenciou em seu carro.
A mãe, que além do recém-nascido Arthur tem uma menina de 3 anos, também disse ter ficado supresa. "Na hora eu não sabia nem o que fazer. A bolsa estourou e ele veio logo em seguida. Foi no banco mesmo. Tive até que arriar as calças senão ele ia ficar preso alí dentro", conta Tayrine.
saiba mais

Arthur está internado em uma UTI neonatal da cidade. Ele nasceu prematuro, aos sete meses, medindo 39 centímetros e pesando 1,580 kg. A previsão é que ele fique internado na unidade de tratamento por um mês, em obsrvação. 
"Ele é guerreiro e forte. está reagindo muito bem ao tratamento pela idade gestacional que ele veio", ressalta a mãe que ainda agradece o taxista pelo socorro prestado. "Ele (Marco Antônio) chegou na hora que eu mais estava precisando. Se não fosse por ele, eu não chegaria até o hospital. Ele foi muito prestativo e muito atencioso", finaliza Tayrine.
Já o taxista comenta que o episódio vai ficar marcado para sempre. "É uma emoção muito grande porque é uma vida que nasceu dentro do meu táxi", conclui.