Modelo colombiana é presa na China por tráfico de droga e pode pegar pena de morte

Modelo colombiana Juliana López Sarrazola
Modelo colombiana Juliana López Sarrazola(Juliana López Sarrazola/Facebook)
Uma modelo colombiana foi presa na China por tráfico de droga e pode ser condenada à prisão perpétua ou pena de morte. Policiais do aeroporto internacional da província de Guangzhou encontraram pasta base de cocaína escondida dentro do laptop que estava na mala da Juliana López Sarrazola, de 22 anos, no dia 18 de julho.
Juliana, que também é jogadora de futebol, viajava pela segunda vez ao país para cumprir contratos publicitários, mas sua família que vive na Colômbia não recebeu notícias da modelo por quatro dias e precisou procurar o consulado colombiano na China para descobrir seu paradeiro.
LEIA TAMBÉM:
A família garante que Juliana é inocente. A uma rádio local, uma tia de Juliana afirmou que ela não precisa traficar droga para conseguir dinheiro, pois a modelo conta com diversos desfiles na agenda e iria participar do Concurso Miss Mundo Colômbia no segundo semestre.
"Sabemos que ela está incomunicável e que uma consulesa colombiana na China ia agendar uma visita para falar com ela. Acreditamos que o computador com a pasta base foi colocada em sua mala", disse Alejandro Duque, diretor da equipe em que joga Juliana.
Parlamentares e o ministério de Relações Exteriores da Colômbia estão em contato com diplomatas chineses para resolver o caso.

Suécia fecha quatro presídios por falta de detentos

Suécia
Vista da cidade de Estocolmo, na Suécia(Thinkstock/VEJA)
A Suécia passa por uma drástica queda no número de prisões nos últimos dois anos e, por esse motivo, as autoridades decidiram fechar quatro penitenciárias e um centro de detenção, informa reportagem do jornal britânico The Guardian. "Vemos um declínio extraordinário no número de detentos. Agora temos a oportunidade de fechar parte de nossa infraestrutura", disse Nils Oberg, diretor de Serviços Penitenciários do país.
O serviço penitenciário sueco fechou presídios em quatro cidades: Aby, Haja, Bashagen e Kristianstad. Dois desses prédios devem ser vendidos para a iniciativa privada e os outros dois devem abrigar temporariamente outras instituições estatais.
Leia também
O número de detentos na Suécia vinha sendo reduzido em cerca de 1% ao ano desde 2004. Entre 2011 e 2012, a redução ampliou para 6% ao ano, taxa que deve ser mantida em 2013 e 2014. Oberg declarou que a abordagem liberal adotada pela Suécia quanto às prisões, com prioridade na reabilitação de prisioneiros e trabalhos voluntários, influenciou a queda de ocupação no sistema prisional do país.
"Nós acreditamos que os esforços em investir na reabilitação e prevenção de recaída de crimes tiveram um impacto", disse Oberg. Tribunais suecos vêm adotando penas mais brandas para crimes relacionados com drogas após uma decisão da Suprema Corte em 2011, explicando, pelo menos, parte da queda brusca do número de detenções.
O governo sueco, no entanto, vai manter a opção de reabrir pelo menos duas das prisões fechadas se o número de detentos voltar a crescer. "Nós não estamos no ponto de concluir que esta [queda das prisões] é uma tendência de longo prazo e que é uma mudança de paradigma", disse Oberg. "O que temos certeza é de que a pressão sobre o sistema de justiça criminal tem caído acentuadamente nos últimos anos", concluiu.
População carcerária - Segundo dados compilados pela organização World Prison Brief (WPB), os Estados Unidos têm a maior população carcerária do mundo, com 2 239 751 de detentos. A China ocupa o segundo lugar com 1 640 000 pessoas atrás das grades. Os presos da Rússia totalizam 681 600 pessoas e, em quarto lugar, está o Brasil, com 548 003 encarcerados. A Suécia tem 4 852 presos.

Polícia norueguesa só disparou duas balas em 2014, e ninguém morreu

Policiais na cidade de Bergen, na Noruega
Policiais na cidade de Bergen, na Noruega(Stock/Getty Images)
A polícia da Noruega disparou suas armas somente duas vezes no último ano - e ninguém ficou ferido - apontaram novas estatísticas divulgadas pelo jornal britânico The Independent, que revela o baixíssimo uso de armas no país. Em 2014, os oficias noruegueses sacaram suas armas somente 42 vezes, número mais baixo desde 2002. Somente duas pessoas foram mortas em tiroteios policiais nesse mesmo período de 12 anos.
A maior parte dos policiais na Noruega, assim como em países como Grã-Bretanha, Irlanda e Islândia, fazem suas patrulhas desarmados e carregam suas armas somente em circunstâncias especiais. Na Grã-Bretanha, somente uma pessoa foi atingida por policiais em 2014. A Islândia, outro exemplo de estabilidade mundial - foi considerado o país mais seguro do mundo pelo Índice Global da Paz 2015, elaborado pelo Instituto para Economia e Paz - teve sua primeira vítima morta em uma operação policial armada no final de 2013, em um subúrbio de Reykjavik, capital do país.

Já nos Estados Unidos, onde os oficiais andam armados a todo o tempo, 547 pessoas foram mortas só durante o primeiro semestre de 2015, 503 com tiros de armas de fogo. Nos primeiros 24 dias desse ano, a polícia americana matou 59 pessoas, número maior do que o registrado na Inglaterra e País de Gales nos últimos 24 anos, que é de 55 vítimas. Mesmo que as populações totais desses países sejam bastante distantes, os cidadãos americanos ainda estão 100 vezes mais sujeitos a serem atingidos por tiros de armas policiais do que os britânicos.
O Brasil também sofre atualmente com muitos problemas de violência policial. Segundo os dados mais recentes do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 1.890 pessoas foram mortos por policiais brasileiros em 2012. No mês de junho, o governo dos EUA divulgou seu relatório anual sobre a situação global dos direitos humanos e no capítulo referente ao país criticou o uso excessivo da força policial e as condições carcerárias nacionais. Em outro documento, elaborado pela organização Human Rights Watch, fica evidente a preocupação com a tortura, maus-tratos, execuções extrajudiciais e outras práticas policiais. A organização aponta também que as autoridades têm feito esforços para conter a violência da polícia, mas que os resultados dessas ações ainda são bastante pequenos.

Os tentáculos da Lava Jato pelo mundo

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal, durante entrevista coletiva sobre oferecimento de novas denúncias referentes à 14ª fase da Operação Lava Jato, em Curitiba - 24/07/2015
TEIA – O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal, durante entrevista coletiva sobre as denúncias da Operação Lava Jato(Geraldo Bubniak/AGB/Folhapress)
Em um país com um triste repertório de escândalos de corrupção, a comparação entre casos de assalto aos cofres públicos pode ser muito útil em aspectos que vão além do criminal e político. O caso do petrolão, por exemplo, serve para uma excelente aula de globalização, fim das fronteiras econômicas e a complexidade das transações financeiras na era da internet. Muito diferente dos velhos tempos em que a maior parte do dinheiro era movimentada em malas, jatinhos privados e até caixas de uísque. Mesmo quando o fruto da corrupção era mandado para o exterior, os mecanismos usados eram mais diretos. Agora, frequentemente, o dinheiro passa por várias escalas antes do destino final. Em nenhum outro escândalo de corrupção tantos valores viajaram tanto e por tantos países. O site de VEJA fez um resumo do que se sabe até aqui sobre o tema.
Lava jato no exterior
(VEJA.com/VEJA)

Investigadores da Lava Jato apelidam Eduardo Cunha de Voldemort


O presidente da Câmara é comparado ao vilão de Harry Potter

MURILO RAMOS
01/08/2015 - 09h30 - Atualizado 01/08/2015 09h30
Assine já!
Voldemort (Ralph Fiennes) (Foto: Warner Bros/Everett Collection/Fotoarena)
Os investigadores no Paraná não podem – em razão de Eduardo Cunha ser parlamentar – buscar indícios de sua participação em irregularidades da Lava Jato. Por isso, apelidaram Cunha deVoldemort, o inominável. Voldemort é o antagonista de Harry Potter na saga de J.K. Rowling.

O baby face vem aí. Mark Zuckerberg vai ser papai


É uma menina! O fundador do Facebook aproveitou para falar sobre um assunto delicado: o aborto espontâneo

BRUNO FERRARI
31/07/2015 - 15h25 - Atualizado 31/07/2015 16h08
Assine já!
O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou na tarde desta sexta-feira (31) que será pai pela primeira vez. Ele contou a novidade num post em que aparece numa foto abraçado com sua esposa, Priscilla Chan. “Priscilla e eu temos uma notícia emocionante: nós estamos esperando uma menina!”, escreveu.
Zuckerberg aproveitou para abrir um pouco de intimidade do casal, algo raro para o bilionário. Ele contou no post que ele e Cilla, apelido carinhoso de sua esposa, tentavam ter filhos há anos, mas que ela sofreu três abortos espontâneos.
“Quando você recebe a notícia de que vai ter um filho, começa a imaginar como eles serão e fazer planos para o futuro. E, de repente, eles se vão. É uma experiência solitária”, escreveu Zuckerberg. E completou: “Quando começamos a falar com os nossos amigos, percebemos a frequência com que isso ocorre. Muitos que tiveram problemas semelhantes conseguiram filhos saudáveis depois de tudo”.
Zuckerberg diz que a gravidez já está avançada o suficiente para diminuir consideravelmente os riscos de um aborto espontâneo. Também contou que durante o ultrassom viu a filha fazendo um sinal de jóia com as mãos, ou um “curtir”. 
A publicação não revela o nome do, ou melhor, da baby face. Alguma sugestão?
"Cilla" e "Zuck": casal anunciou no Facebook que terá uma menina (Foto: Divulgação)

Dois meses antes de ser preso, Marin comprou mansão de R$ 13,5 milhões


O ex-presidente da CBF adquiriu, em março, um imóvel 2,6 mil metros quadrados num bairro chique de São Paulo

RICARDO DELLA COLETTA
02/08/2015 - 09h30 - Atualizado 02/08/2015 09h30
Assine já!
José Maria Marin (Foto: Wilton Junior/Estadão Conteúdo)
Dois meses antes de ser preso em Zurique, na Suíça, sob a acusação de receber propina, o ex presidente da CBF José Maria Marin esbanjava. Por meio de sua empresa JMN Empreendimentos, Marin adquiriu uma mansão de 2.600 metros quadrados na Avenida Europa, um dos endereços mais nobres de São Paulo, por R$ 13,5 milhões (valor registrado) e que estava alugada para uma clínica de oncologia. Entre corretores, diz-se que o imóvel custou a Marin a bagatela de R$ 28 milhões.

Preso assassino de adolescente na Praça Espanha


presoespanha
Por Felipe Ribeiro e Djalma Malaquias
A Polícia Civil prendeu em flagrante, ainda na madrugada deste sábado (1°), o acusado pela morte do adolescente Cristian Prates, de 17 anos, crime ocorrido na Praça da Espanha, em Curitiba. De acordo com o delegado Janderson Janini Afonso, o suspeito foi identificado como Diego Maradona da Silva Saes, de 28 anos, que contou que estava com a arma para se proteger de uma rixa envolvendo torcidas organizadas do Atlético e do Coritiba.Maradona já possui antecedentes por roubo, furto e pichação. Ele foi autuado em flagrante pelo crime de homicídio doloso.
“Ele confessou o crime e disse que estava com a arma para se proteger desta briga entre torcidas. O Cristian não tinha nada a ver com isso, mas acabou se envolvendo em uma confusão com o grupo do Diego. Segundo o depoimento do autor, ele estava embriagado quando fez o disparo para proteger um amigo”, relatou o delegado.
O socorrista Vieira, do Corpo de Bombeiros, relatou à reportagem da Banda B que a vítima chegou a ser socorrida com vida, mas não resistiu ao ferimento. “Encontramos a vítima em estado bem grave. Ele estava dentro da praça no momento do assassinato e muita gente ficou nas proximidades”, explicou.

Prefeitura de cidade do PR distribui medicamentos vencidos a doentes

Distribuidores vendiam remédios vencidos para prefeitura. Golpe inclui fraude em licitação e superfaturamento, com desvios de até R$ 20 milhões.

O Repórter Secreto do Fantástico vai entrar em ação para investigar uma falcatrua que deixou muito cidadão doente. É o esquema do desvio de milhões em dinheiro público de uma prefeitura para distribuir e vender remédios com data de validade vencida.
Uma equipe do Grupo de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Cascavel, no Paraná, faz uma ação num porão na casa de um prefeito. Nos subterrâneos do crime, investigar o lixo é importante. Neste caso, então, é mais importante ainda, porque essa é uma história cheia de lixo.(assista ao vídeo)
Tem papelada oficial da prefeitura, contratos, notas fiscais, licitações, que foi triturada ou rasgada e jogada fora. Só não sumiu de vez porque o Gaeco conseguiu pegar. Nesses papéis estão as provas de um crime que envolve ainda distribuidor de remédio e secretários municipais. Todos ganhando muito dinheiro sujo.
Gelson: Tem uma mercadoria aqui que o pessoal do caminhão de lixo vai pegar. Você não precisa?
Eunice: Se for para jogar, dá para nós.
Eles estão falando de remédios vencidos, que tinham que ter ido para o lixo, mas foram distribuídos pela prefeitura entre a população do município de Ibema, interior do Paraná. “Estavam me dando remédio, só que eles não estavam me curando, estavam me matando, sabe? ”, diz uma vítima.
As investigações estão só começando e já se espalharam por outras 20 cidades. O golpe inclui fraude em licitação e superfaturamento. Tudo levando a um desvio de até R$ 20 milhões à custa da saúde do povo.
Por isso o repórter Eduardo Faustini está no interior do Paraná, para perguntar: cadê o dinheiro que tava aqui?
Maio deste ano, o Fantástico esteve em Cascavel, Paraná. Eunice Vieira de Lara, secretária de Saúde de Ibema, entra na sede da distribuidora Fernamed, que fornece medicamentos para a cidade de Ibema. Depois que ela sai da firma, um funcionário da distribuidora coloca caixas no bagageiro do carro da prefeitura de Ibema.
“Ou o motorista da prefeitura pegava diretamente na distribuidora aqui em Cascavel ou ela mesmo vinha até Cascavel e pegava pessoalmente as caixas com esses medicamentos para levá-los até o posto de saúde local”, diz Juliana Stofela da Costa, promotora do Gaeco de Cascavel.
A própria secretária de Saúde pegando remédio na distribuidora, que fica em outra cidade? Coisa esquisita. O Gaeco também acha esquisito. E está de olho na secretária. Na viagem de volta, a pedido do Gaeco, a Polícia Rodoviária Federal para o carro. O bagageiro estava cheio de remédios. Mas a hora de Eunice ainda não chegou. A blitz foi feita só para investigar os movimentos dela.
Mesma coisa acontece em outro dia, quando ela estava voltando da distribuidora num furgão, também da prefeitura de Ibema. Dessa vez, os policiais rodoviários encontram dinheiro com ela: R$1.050. Só uma pequena parte da corrupção.
Segundo as investigações, é propina. “Valores mensais e, às vezes, valores semanais eram pagos de propina conforme a necessidade do prefeito e conforme a disposição de verba das distribuidoras de medicamento”, diz Tiago Nóbrega de Almeida, delegado do Gaeco de Cascavel.
As investigações da corrupção botaram na cadeia o prefeito de Ibema, Antônio Borges Rabel, do DEM; a secretária de Saúde, Eunice Vieira de Lara; o secretário de Finanças, Valdir Schéfer; mais uma funcionária da secretaria de Saúde; e ainda Gelson Teixeira, Alexsandro dos Santos, Odair Sartor e Fabio de Castro, responsáveis por três distribuidoras de remédios.
“Havia um esquema entre eles de licitações fechadas, ou seja, com cartas marcada já saberiam quais empresas venceriam as licitações”, destaca a promotora.
“Passava a funcionar a prática de desvios de medicamentos, o superfaturamento de notas, a emissão de notas fictícias, tudo para lesar o erário público, e principalmente a população local”, conta o delegado.
O que que acontecia com os remédios desviados? “A secretária de Saúde, junto com a sua assistente, vendia para farmácias locais”, diz o delegado.
A população então tinha que pagar por um remédio que deveria ter sido distribuído de graça? E o pior. “Muitos medicamentos chegavam já vencidos ao município”, diz o delegado.
Um monte de remédio foi apreendido pelo Gaeco. A data de validade de alguns foi apagada ou raspada.
No começo da reportagem, você viu o papo da então secretária de Saúde, Eunice Vieira de Lara, com Gelson Teixeira, dono da distribuidora Fernamed. Sente só essa outra conversa de Gelson e Eunice. “Eu vou mandar um xarope aqui que está vencido, mas nós vamos apagar o vencimento dele”, diz Gelson.
Eram vários tipos de medicamentos. “Muitos deles são tarja-preta. Com certeza, também seriam comercializados sem a receita médica necessária, que podem colocar em risco a vida de muitos dos cidadãos”, diz o delegado.
O que acontece com quem toma remédios vencidos? “O remédio deixa de ter efeito, e a pessoa está tomando remédio achando que está sendo tratada, mas efetivamente não está tratando a doença”, destaca Jorge Luiz Vieira Trannin, médico do Ministério Público-PR.
A dona de casa Eva Borges de Oliveira, que sofre de hipertensão, é uma das vítimas desse esquema hediondo. “Tomava, tomava, tomava, e nada adiantava. Nada adiantava. Sempre passando mal, cada vez mais mal. A minha pressão um dia foi para 26 por 18,5. Quase morri”, conta.
Fantástico: Há quanto tempo a senhora tomava os remédios?
Eva: Desde setembro estava tomando.
E aconteceu com o Téo. O médico achava que ele podia estar com coqueluche. Tossia muito. “Eu nunca verifiquei data de vencimento. Eu me sinto culpada por isso, porque eu tinha que verificar, como mãe eu tinha que verificar”, diz a comerciante Elizete Nunes Bonfim.
“Me deu muita raiva, porque isso não se faz. Uma criança que nem eu”, destaca o estudante Téo Bonfim da Luz. 
Quando a notícia da operação policial correu pela cidade é que todo mundo entendeu por que os remédios não estavam adiantando. “Você está determinando a morte ou sequela de alguém. Na verdade, é uma forma de deixar que alguém morra”, destaca o médico do Ministério Público do Paraná.
As investigações procuram descobrir quantos remédios foram distribuídos pelo esquema desde 2013, ano do início dos contratos. Entre a papelada apreendida, aquela que não foi destruída, como você viu no início da reportagem, está a contabilidade da propina.
“Só nesse mês agora de junho, a discriminação aqui para o prefeito de Ibema, R$ 1 mil; para o secretário de Finanças, R$ 5 mil; para a secretária de Saúde, mais R$ 5 mil”, conta o delegado.
Na lista também estão nomes de secretários e prefeitos de 20 municípios paranaenses.
Delegado: Catanduvas, nós temos aqui R$ 1 mil para o secretário de Saúde.
Fantástico: Qual o nome que aparece?
Delegado: Aparece o apelido "Dodô", que é o apelido do Anderson Sene.
O repórter Eduardo Faustini foi até Catanduvas, atrás do secretário Dodô. Ele nega ter recebido propina e participado do esquema. “A gente nunca recebeu isso aí. A gente nunca recebeu um medicamento com data de validade rasurada”, afirma o secretário de Saúde de Catanduvas, Anderson Sene.
O Repórter Secreto do Fantástico foi também às empresas Gralha Azul, Dezenove e Fernamed. As três distribuíram medicamentos vencidos, segundo as investigações, mas elas não responderam aos pedidos de entrevista.
Já a esposa de outro réu, Sérgio Titenis, o dono da farmácia acusada de vender remédios desviados da prefeitura de Ibema, diz que a farmácia não participou da falcatrua. “Eu defendo a minha farmácia. Não tenho nada com isso”, diz Marizete Vigo.
A prefeitura de Ibema não quis se manifestar. Mas, antes de ser preso, o prefeito chegou a se defender. “Se realmente forem confirmadas, vamos sentar com o jurídico, a comissão de licitação, para nós analisarmos o caso, o que que vai ser feito”, diz o prefeito Antônio Borges Rabel.
Os réus saíram da cadeia, mas continuam afastados dos cargos e respondendo a processo criminal. “Esperamos que sejam efetivamente condenados pelos crimes que praticaram”, diz a promotora.
“O quanto nós sofremos na mão dessas pessoas, então eu quero justiça”, diz a mãe de Téo. 
“Acho que eles não tinham que sair mais de trás das grades, sabe? Quantas pessoas aí não morreu por causa de remédio estragado”, diz dona Eva.
Por isso, senhor Antonio Borges Rabel, o Repórter Secreto quer saber: cadê o respeito à saúde da população de Ibema? Cadê o dinheiro que estava aqui?

Morre, aos 74 anos, o psiquiatra e escritor Içami Tiba


Escritor é autor de livros como “Quem ama, educa!” e “Limite na Medida Certa” Foto: Reprodução / Facebook
Diana Figueiredo e Júlia Zaremba
Tamanho do texto A A A
Morreu na noite deste domingo, aos 74 anos, o escritor e psiquiatra Içami Tiba. Segundo o filho do escritor, André Luiz Tiba, o pai estava internado desde o início do ano no Hospital Sírio- Libanês, em São Paulo, lutando contra um câncer. O enterro será realizado nesta segunda-feira, às 16h, no Cemitério do Morumbi. Içami Tiba deixa a esposa, Maria Natércia, os filhos, Natércia, André e Luciana, e dois netos, Kaká e Dudu.
Escritor morreu no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo
Escritor morreu no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo Foto: Reprodução / Facebook
A diretora global de educação do Banco Mundial, Claudia Costin, lamentou a morte de Içami Tiba em seu Facebook. “É com grande tristeza que informo o falecimento, aos 74 anos, do grande educador e psiquiatra Dr. Içami Tiba", escreveu a ex-secretária municipal de Educação do Rio de Janeiro.
Içami Tiba nasceu em Tapiraí SP, em 1941. Formou-se em medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em 1968 e especializou-se em Psiquiatria no Hospital das Clínicas da USP. Por mais de 15 anos, foi professor de Psicodrama de Adolescentes no Instituto Sedes Sapientiae. Foi o Primeiro Presidente da Federação Brasileira de Psicodrama em 1977-78 e Membro Diretor da Associação Internacional de Psicoterapia de Grupo de 1997 a 2006.
Içami escreveu mais de 40 livros sobre educação, como o best-seller
Içami escreveu mais de 40 livros sobre educação, como o best-seller "Quem ama, educa!" Foto: Divulgação / Integrare Editora
Içami Tiba foi o educador mais popular do Brasil. Escreveu mais de 40 livros sobre educação - como o best-seller “Quem ama, educa!” e “Limite na medida certa” - e proferiu mais de 3.400 palestras. Tiba realizou mais de 77 mil atendimentos como psiquiatra e psicoterapeuta de adolescentes e família. Em 2005 fundou a Integrare Editora.
Em 2004, o Conselho Federal de Psicologia pesquisou através do Ibope qual o maior profissional de referência e admiração. Içami Tiba foi o primeiro entre os brasileiros e o terceiro entre os internacionais, precedido apenas por Sigmund Freud e Gustav Jung.


Justiça determina que bancos não abram na falta de policiamento no RS


Liminar deferida neste domingo (2) vale para todo o estado na segunda (3).
Entidades temem falta de segurança em função do anúncio de paralisação.

Do G1 RS
A Justiça do Trabalho determinou que as agências bancárias não abram nesta segunda-feira (3), caso não haja policiamento ostensivo nas ruas. A liminar deferida neste domingo (2) vale para todo o Rio Grande do Sul e atende uma ação judicial proposta pelo Sindicato do Bancários (SindBancários) e pela Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Instituições Financeiras do estado (Fetrafi-RS). A decisão é da juíza de plantão no Foro Trabalhista de Porto Alegre, Noêmia Saltz Gensa.
saiba mais

A ação foi ajuizada no sábado (1) pelas entidades, que temem uma paralisação geral da Polícia Civil e Brigada Militar na segunda (3), em função do parcelamento dos salários dos servidores públicos, anunciada pelo governo do estado na última sexta (31). A medida adotada na tentativa de equilibrar as finanças gerou uma série de protestos de setores, principalmente da segurança pública.
A orientação, no entanto, é que os funcionários compareçam aos bancos para que sejam avaliadas as condições de trabalho e verificar se há a necessidade de dispensar os trabalhadores.
PMs fazem operação padrão
Em meio aos protestos que ocorreram ao longo do fim de semana no interior do estado, policiais militares deram início a uma manifestação chamada por eles de "operação padrão". Os PMs se dirigem aos batalhões para cumprir as escalas, mas trabalham somente com equipamentos e viaturas com documentações em dia.
A assessoria de comunicação da Brigada Militar informou que a medida passou a ser adotada na noite de sábado (1) em Santana do Livramento, na Fronteira Oeste, e se mantém neste domingo (2) em diversas cidades, inclusive Porto Alegre.
Policiais seguem a pé do 1º Batalhão da Polícia Militar para o Estádio Beira-Rio em Porto Alegre (Foto: Fabio Almeida/RBS TV)Policiais seguem a pé do 1º Batalhão da Polícia Militar para o Estádio Beira-Rio em Porto Alegre (Foto: Fabio Almeida/RBS TV)
Os policiais que se deslocaram do Batalhão de Operações Especiais ao Estádio Beira-Rio para o jogo entre Inter e Chapecoense pelo Brasileirão, marcado para começar às 16h deste domingo, foram transportados apenas pelos veículos regulares. Das 40 viaturas, apenas cinco puderam sair. Oitenta PMs foram levados em diversas viagens do batalhão ao local da partida.
Paralisações programadas para segunda
Além dos servidores da segurança pública, funcionários de outros setores, programam uma paralisação das atividades para segunda-feira (3). Saiba aqui o que pode ser afetado no estado com os protestos.
A Federação Sindical dos Servidores, que representa 40 categorias, diz que o estado vai parar a partir da semana que vem. “As categorias estão mobilizadas e farão uma paralisação histórica no estado na próxima segunda-feira e uma assembleia no dia 18 para decidir por um greve ou não”, explica o vice-presidente da Fessergs Flávio Berneira Júnior.
A categoria está descontente com o parcelamento do salário de julho dos servidores estaduais. A medida foi anunciada na sexta-feira (31). O motivo da decisão, conforme o governo, é a crise financeira do estado, que se agrava com as quedas no orçamento nos últimos meses. A última vez que os servidores tiveram os salários parcelados foi em 2007, durante o governo de Yeda Crusius.
O pagamento de julho será dividido em três datas de agosto: na sexta (31), último dia útil do mês, os servidores públicos receberam R$ 2.150,00. Mais uma fatia, de R$ 1 mil, deve ser depositada no dia 13 de agosto. Aos funcionários que recebem salário superior a R$ 3.150,00, o restante será pago do dia 20 até 25 de agosto.