Parabéns prefeita BETI PAVIN, por sua LUTA em favor da REABERTURA da SANTA CASA DE COLOMBO

Prefeita Beti Pavin e seu vice Ademir Goulart

A Santa Casa de Colombo, reabrirá nessa quarta feira dia 05 depois de permanecer fechada por quase 3 anos, por falta de interesse da administração anterior que não fez nada para impedir o seu fechamento. Umas das promessas de campanha da prefeita Beti Beti Pavin era lutar para que esse importante hospital que atende nossa população mais carente reabrisse o mais rápido possível. Foram quase 3 anos de muita luta da nossa prefeita e sua equipe da Secretária de Saúde, na pessoa do seu secretário Dr. Fernando Aguilera.
No dia 25 sábado foi realizado um Culto Ecumênico, no pátio da Santa Casa com a presença de autoridades religiosas e do povo que veio em grande numero para conhecer as Santa Casa toda reformada e apata para reabrir para atender a nossa comunidade. Nessa oportunidade a prefeita Beti, agradeceu aos empresários e a todos que colaboraram para que a Santa Casa reunisse condições de ter as portas abertas novamente.
O CRM - Conselho Regional de Medicina, liberou o seu funcionamento desde que fosse respeitado sua exigências que é a reabertura em 3 fases. 
Na primeira fase é apenas com consultas e exames laboratoriais, na segunda fase será com a abertura do  moderno Centro Cirúrgico e para a última e terceira fase com o funcionamento do Pronto Socorro por 24 horas:
Nessa noite o Secretário Interino de Saúde o Dr. Humberto Blanco emitiu uma nota para a imprensa falando da liberação do CRM para a abertura da Santa Casa:
Nota: Boa noite, é com muito prazer que comunico a todos  que oficialmente à partir de hoje, o CRM do Paraná, retirou a interdição da Santa Casa de Misericórdia de Colombo. Muito obrigado à todos que de uma forma ou outra colaboraram para este sonho se tornar realidade”






Justiça do Acre devolve às ruas o assassino da motosserra Hildebrando Pascoal

Hidelbrando Pascoal (PFL-AC) – 1999
Hidelbrando Pascoal, eleito deputado pelo PFL-AC, em imagem de 1999, quando foi preso: 'O apenado não exerce mais qualquer tipo de liderança nefasta', diz juíza(Antônio Cruz/ABr/VEJA)
Dezesseis anos depois de assombrar o país e ficar conhecido como o Homem da Motosserra, o ex-deputado Hildebrando Pascoal vai voltar às ruas - apesar de ter sido condenado a mais de 100 anos de prisão, por crimes como homicídio, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.
A juíza Lana Campos, da Vara de Execuções Penais do Acre, concedeu nesta terça-feira ao criminoso o direito de progressão do regime fechado para o semiaberto. Com isso, ele poderá deixar a prisão e cumprir pena em regime domiciliar.
A juíza levou em conta o fato de Hildebrando estar em situação "delicada" de saúde e não demonstrar que pretende cometer novos crimes. "O apenado não exerce mais qualquer tipo de liderança nefasta que o levou ao cárcere, e o fato de isolar-se em sua própria cela, conforme menciona o Ministério Público em sua promoção, demonstra que o reeducando não quis envolver-se com os outros criminosos."
O Ministério Público pedia que o ex-deputado fosse submetido a um exame criminológico, com psicólogos, psiquiatras e assistentes sociais, para avaliar se está apto a deixar a cadeia. Os promotores citaram cartas escritas por ele da prisão com ameaças de morte a autoridades. Mas a juíza rejeitou a solicitação: "O juízo sobre a possibilidade do condenado reincidir é algo impossível de ser realizado, já que está na esfera do 'futuro', do que irá acontecer, e não interessa ao mundo jurídico sob pena de admitirmos 'juízos de adivinhação' que sejam capazes de restringir um dos mais importantes direitos fundamentais: a liberdade".
Hildebrando ganhou de imediato o direito de ficar sete dias longe da prisão, desde que permaneça em casa durante a noite e cumpra alguns requisitos simples, como não frequentar bares, não portar armas e não se envolver em tumultos".
O ex-deputado foi coronel da Polícia Militar comandou um grupo de extermínio que ficou conhecido em todo o país por usar métodos bárbaros de execução. Em um dos casos, um mecânico que teria colaborado com um rival de Hildebrando foi esquartejado com uma motosserra, ainda vivo.

3ª Feira de “Aumigos” será realizada em Colombo


WEBMASTER 4 DE AGOSTO DE 2015

Evento acontece no dia 15 de agosto, no Parque Municipal da Uva; visitantes podem levar seus cães para participar da “cãominhada”

3ª Feira de “Aumigos” será realizada em ColomboSensibilizar a população e incentivar a adoção de animais abandonados. É com esse objetivo que acontecerá no município a 3ª Feira de Adoção e Conscientização de “Aumigos” de Colombo. O evento é uma realização da prefeitura, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, e acontece no dia 15 de agosto, no Parque Municipal da Uva.
Durante o encontro, cães filhotes e adultos serão encaminhados para a adoção. “Não importa a origem, desde que consiga uma família. O evento não recolhe animais, mas, é aceito ração, medicamentos, jornais, cobertores e casinhas que já foram utilizadas”, afirma o secretário Evandro Busato.
Além das adoções, os visitantes podem levar seus cães para participar da Cãominhada, que tem início às 16:30. Já para conseguir um animal de estimação é necessário possuir 18 anos, apresentar RG, comprovante de residência e assinar o Termo de Adoção. A feira ainda terá exposição e venda de produtos pet.
Nas edições anteriores da feira, 32 cães foram adotados e ganharam um novo lar.
Serviço:
“3ª Feira de Adoção e Conscientização de “Aumigos” de Colombo” e Cãominhada
Data: 15/08/15 (sábado) – Horário: das 10h às 17h
Local: Parque Municipal da Uva
Endereço: Rua Marechal Floriano Peixoto, 8771 – Centro
Contato: (41)3656-4849

2º GP de Ciclismo reúne atletas colombenses


WEBMASTER 4 DE AGOSTO DE 2015

O evento reuniu 120 ciclistas de Curitiba e Região Metropolitana, além de 40 esportistas do município

O evento reuniu 120 atletas de Curitiba e Região Metropolitana, além de 40 ciclistas colombenses
O evento reuniu 120 atletas de Curitiba e Região Metropolitana, além de 40 ciclistas colombenses
A largada aconteceu às 8h, em frente do 22º Batalhão de Policia Militar, em Colombo e contou com o percurso de quatro mil metros com a duração de 4 horas
A largada aconteceu às 8h, em frente do 22º Batalhão de Policia Militar, em Colombo e contou com o percurso de quatro mil metros com a duração de 4 horas
O evento foi prestigiado pela Prefeita de Colombo, Beti Pavin
O evento foi prestigiado pela Prefeita de Colombo, Beti Pavin
A Prefeitura de Colombo, por meio do departamento de Esporte promoveu neste domingo, (2), o 2º GP Colombo de Ciclismo Parque dos Lagos. O evento, chancelado pela Federação Paranaense de Ciclismo e ranking estadual, foi considerado um sucesso, reunindo 120 atletas de Curitiba e Região Metropolitana, além de 40 ciclistas colombenses.
A largada aconteceu às 8h, em frente do 22º Batalhão de Policia Militar, em Colombo e contou com o percurso de quatro mil metros com a duração de 4 horas. A corrida foi disputada entre nove categorias. O evento foi prestigiado pela Prefeita de Colombo, Beti Pavin e o renomado técnico olímpico e ex-atleta paranaense, Hernandes Quadri Junior.
“Novamente Colombo mostra sua força no esporte de duas rodas. A tendência é trazer mais provas ciclísticas para o município, que sempre está disposto a receber esta modalidade, pois há um grande número de atletas, sendo um dos esportes mais praticados pela população da região”, conta o coordenador do departamento de Esporte, Gilmar Franco.
Resultado – Moutain Bike Masculino
1º Cezar Henrique Ivanoski Ramos
2º Sergio Pocidonio Alberto
3º Eli Anderson Rosa Mendes
4º Marco A. de França Coradin
5º Eduardo Gilioli Do Nascimento
6º Luiz Mario Borato
7º Felipe Santos Vilela
8º Carlos Alberto da Costa
9º Arnaldo Antunes Junior
10º Allan da Silva Espindola
11º Rubens Galvao Ribeiro Martins
12º Deliésio Arantes
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: João Senechal/PMC

PF deve investigar repasses eleitorais a filho de Dirceu

Deputado Federal Zeca Dirceu


A Polícia Federal cogita investigar as doações eleitorais recebidas pelo deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR), filho do ex-ministro José Dirceu, para saber se recursos repassados por operadores do petrolão tiveram origem no esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato. De acordo com o ex-executivo da construtora Engevix Gerson Almada, investigado na Lava Jato, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e o lobista Milton Pascowitch pediram que a empresa fizesse doações a petistas, entre os quais Zeca Dirceu. Houve ainda doações para o parlamentar vindas do irmão de Pascowitch, José Adolpho, e do executivo Julio Camargo. Os três são delatores do petrolão. "O que a gente tem visto é a repetição de um padrão segundo o qual as doações oficiais eram feitas como retorno por contratos e licitações. Pode ser que seja pagamento de corrupção travestido de doação legal", diz o delegado Igor Romário de Paula, que atua na Lava Jato. (Laryssa Borges, de Brasília)

MP denuncia ex-comandante de Operações Especiais da PM do Rio


MP denunciou ex-oficial da PM nesta terça-feira
MP denunciou ex-oficial da PM nesta terça-feira Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo / 15/09/2014
Extra
Tamanho do texto A A A
O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) ofereceu denúncia nesta terça-feira contra o ex-comandante do Comando de Operações Especiais (COE) da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Alexandre Fontenelle, pelo crime de lavagem de dinheiro. Maria Mércia Fontenelle de Oliveira e Maria Paula Fontenelle de Oliveira, respectivamente mãe e irmã do oficial, também foram denunciadas pelo MP.
Um veículo Corolla foi adquirido por Fontanelle
Um veículo Corolla foi adquirido por Fontanelle Foto: Divulgação
Além disso, o MP realiza operação nesta manhã para cumprir dez mandados de busca e apreensão em vários pontos do Rio. A Corregedoria da Polícia Militar e a Subsecretaria de Inteligência dão apoio à ação, que, nesta nova fase, recebeu o nome de Operação Profilaxia.
Também foi oferecida denúncia contra o ex-subcomandante do 14º BPM (Bangu), major Carlos Alexandre de Jesus Lucas; o ex-chefe da P2 (Serviço Reservado) do 14º BPM, capitão Walter Colchone Netto; e o ex-coordenador operacional do 14º BPM, major Edson Alexandre Pinto de Góes. Todos são acusados pelo crime de lavagem de dinheiro.
Ex-oficial colocou imóveis em nome de parentes na Zona Norte do Rio
Ex-oficial colocou imóveis em nome de parentes na Zona Norte do Rio Foto: Divulgação
De acordo com a denúncia, o coronel Fontenelle é o real proprietário de dois apartamentos registrados em nomes de terceiros e de uma casa em área nobre de Búzios, na Região dos Lagos. O primeiro apartamento, localizado no Grajaú, tem 200 metros quadrados, está avaliado em R$ 995 mil e foi registrado no nome da irmã, Maria Paula. O segundo, uma cobertura em Jacarepaguá, está registrado nos nomes da mãe, do major Lucas e do capitão Colchone. O imóvel vale R$ 750 mil e tem 300 metros quadrados. As escrituras dos dois apartamentos foram feitas na mesma data, à época em que os oficiais atuavam no 14° BPM (Bangu). Além dos dois imóveis, Fontenelle também adquiriu no mesmo período um veículo Toyota Corolla.
No decorrer das investigações, R$ 287,6 mil em espécie foram apreendidos na residência do major Edson. O dinheiro estava escondido em sacos plásticos, dividido em maços de R$ 5 mil, dentro de um armário. Também foram encontrados 400 euros, joias em ouro e um bilhete manuscrito, que demonstrava uma divisão de quantias em dinheiro entre coronel Alexandre, major Edson e capitão Colchone.
Apartamentos luxuosos chamam atenção
Apartamentos luxuosos chamam atenção Foto: Divulgação
Ainda segundo a denúncia, Fontenelle incorreu no crime de lavagem de dinheiro três vezes e pode pegar pena de reclusão entre três e dez anos, por cada incidência, mais multa. Também foram encaminhadas cópias dos autos para a Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva, para que se apure crime de improbidade administrativa por incompatibilidade patrimonial.
Amigos S.A
A Operação Amigos S.A. foi deflagrada no dia 15 de setembro de 2014. Foram denunciados pelo crime de associação criminosa armada 26 policiais militares do 14° BPM (Bangu), dentre eles, seis oficiais que integraram o Estado-Maior do batalhão. Um mototaxista que fazia parte do esquema de arrecadação de propina também foi preso. A quadrilha exigia pagamento de propina de comerciantes, mototaxistas, motoristas e cooperativas de vans, além de empresas transportadoras de cargas na área do batalhão. O processo tramita na 1ª Vara Criminal de Bangu.
Ímovel é avaliado em quase R$ 1 milhão
Ímovel é avaliado em quase R$ 1 milhão Foto: Divulgação
Como desdobramento das investigações iniciadas durante a Operação Amigos S.A., o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), em parceria com a Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro (SSINTE/SESEG) cumpre dez mandados de busca e apreensão, na manhã desta terça-feira (04/08), em vários pontos do Rio. A Corregedoria da Polícia Militar dá apoio à ação, que, nesta nova fase, recebeu o nome de Operação Profilaxia.


CPI da Petrobras adia acareação de Paulo Roberto Costa e Youssef


Juiz encaminhou ofício atestando que Costa apresentou problemas de saúde. Nova data ainda não foi definida

REDAÇÃO ÉPOCA
04/08/2015 - 12h53 - Atualizado 04/08/2015 12h53
Assine já!
CPI da Petrobras vai ter que adiar por no mínimo 15 dias a acareação marcada para a próxima quinta-feira (6) entre o ex-diretor de Refino e Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef. O juiz federal Sergio Moro determinou a suspensão de depoimentos do ex-diretor por recomendação médica.

Segundo o ofício enviado ao presidente da CPI, o deputado Hugo Motta (PMDB-PB), o juiz afirmou que houve “problemas de saúde recentemente” e que tal decisão é “em decorrência derecomendação médica”, mas não deu detalhes da atual situação. As informações são da Folha de S.Paulo.

Segundo o G1, Motta vai se reunir com integrantes da comissão nesta terça-feira (4) para definir uma nova agenda para esta semana. Um das propostas é fazer uma sessão para votar requerimentos, inclusive o de convocação do ex-ministro José Dirceu, preso na segunda.

No final de julho, a defesa do doleiro Alberto Youssef também pediu ao juiz Sergio Moro que revogasse sua ida a Brasília para participar da CPI. Segundo o advogado Antônio Figueiredo Basto, o deslocamento colocava em risco sua “integridade física e moral”, como reportou O Globo.
Alberto Youssef (à esq.) e Paulo Roberto Costa (à dir.) (Foto: Joedson Alves/Estadão Conteúdo e Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)

Dirceu chega à carceragem da PF em Curitiba sob grito de 'ladrão' e foguetes

Preso na nova fase da Operação Lava Jato, o ex-ministro José Dirceu chegou por volta das 17h30 desta terça-feira (4) na sede da Polícia Federal em Curitiba, sede das investigações, sob gritos e foguetes.
Cerca de 50 pessoas, abraçadas a bandeiras do Brasil e com buzinas, apitos e faixas elogiando a Justiça e a Polícia Federal, aguardavam o ex-ministro em frente à sede da PF. Gritavam "ladrão" e "vagabundo".
Uma delas soltou fogos quando Dirceu chegou ao local, escoltado por policiais e dentro de uma viatura. "José Dirceu ladrão, o seu lugar é na prisão", gritou outro. "Polícia Federal, orgulho nacional", afirmava outro grupo.
Dirceu aterrissou na cidade em um avião da PF, vindo de Brasília, pouco depois das 16h40. O voo durou cerca de 2 horas e 20 minutos. O ex-ministro demonstrou tranquilidade no caminho da sede da PF e conversou pouco, segundo o delegado Igor Romário de Paula.
PUBLICIDADE

O petista entrou pelo portão de trás do prédio, sem aparecer para o batalhão de jornalistas que o aguardava. Segundo o delegado, a utilização de uma entrada secundária foi decidida de última hora, devido à aglomeração de manifestantes na entrada principal.
Entre os manifestantes, havia integrantes de movimentos organizados, como o Acorda Brasil, o Movimento Brasil Livre e o Direita Curitiba. Outros diziam ter ido sozinhos. "É o primeiro dos grandes. Se o povo não vier apoiar, pode acabar em pizza", disse a psicóloga Liliana Padilha, 53, que estava desde as 15h na PF com o marido, o engenheiro aposentado Carlos Padilha, 58.
"É o cabeça do esquema. Que maravilha ele estar preso", elogiava a dona de casa Rosane Sachet, 61, abraçada a uma bandeira do Brasil.
Até mesmo os servidores da PF saíram do prédio ou se posicionaram nas janelas para acompanhar a chegada do ex-ministro.
DENTRO DA CELA
Dirceu cumpria prisão domiciliar desde novembro em Brasília pela condenação no escândalo do mensalão. Sua transferência a Curitiba foi autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal).
Ele irá permanecer detido na carceragem da PF, no bairro Santa Cândida, a oito quilômetros do centro da cidade.
No local, já estão outros 14 presos da Lava Jato, além dos outros sete detidos na última fase da Lava Jato, deflagrada nesta segunda (3).
Dirceu divide cela com dois presos por contrabando. Ele está sem contato com o irmão, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, e com o assessor Roberto Marques, além dos demais presos na segunda, que estão em outra ala.
Na ala do ex-ministro estão o doleiro Alberto Youssef e os ex-diretores da Petrobras Nestor Cerveró e Jorge Zelada.
Na carceragem da PF, a comida é servida três vezes por dia, com talheres de plástico. Os presos têm direito a uma hora de sol diariamente, e precisam limpar a própria cela. Às quartas-feiras, eles recebem visitas de familiares e amigos. Conversam por cerca de meia hora em um parlatório, por meio de um telefone, separados por um vidro.

'PIXULECO'

petista foi preso nesta segunda (3), na casa onde mora, em Brasília, durante a 17ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Pixuleco.
Ele foi apontado pelo Ministério Público Federal como um dos responsáveis pela criação do esquema de corrupção na Petrobras.
"Chegamos a um dos líderes principais, que instituiu o esquema, permitiu que ele existisse e se beneficiou dele", disse o procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos responsáveis pelas investigações.
Os procuradores da Lava Jato apontam Dirceu como responsável pela indicação do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, que foi responsável pela negociação de contratos de obras da Petrobras de 2003 a 2012 e é acusado de cobrar propina dos fornecedores da estatal.
O procurador Lima afirmou que o esquema de corrupção na Petrobras reproduziu características do mensalão, porque parte do dinheiro abasteceu políticos do PT e de outros partidos governistas. "O DNA é o mesmo: compra de apoio partidário", disse.
Para ele, o esquema foi "sistematizado" no governo Lula. Questionado se o ex-presidente também seria investigado, Lima disse que "nenhuma pessoa no regime republicano está isenta de ser investigada".



MAL-ESTAR
Nesta segunda, Dirceu chegou ao prédio da PF queixando-se de mal-estar e solicitou a presença de um médico de sua confiança. Segundo o delegado da Polícia Federal, Luciano Lima, foi constatado que o ex-ministro –que já esperava que fosse preso estava com pressão alta. Ele foi medicado e passa bem.
O delegado relatou ainda que Dirceu comeu a mesma marmita que os demais presos, porém, sem sal, em virtude de sua condição de saúde.
No final da tarde desta segunda, o petista recebeu a visita de sua companheira, Simone Patrícia Tristão Pereira. Ela levou roupas e roupas de cama para Dirceu.
Como foi examinado na superintendência, o ex-ministro não precisou fazer exame corpo de delito.
'PRISÃO POLÍTICA'
O advogado do ex-ministro José Dirceu, Roberto Podval, afirmou nesta segunda que os pagamentos recebidos pela empresa de seu cliente referem-se todos a serviços prestados. A prisão de Dirceu não tinha "justificativa jurídica", segundo o defensor, que a classificou como "política".
Disse ainda que Dirceu se tornou um "bode expiatório" da Operação Lava Jato.
"A justificativa colocada me parece mais uma justificativa política", declarou Podval. Questionado, explicou que o juiz federal Sergio Moro reagiu "a uma pressão popular" ao decretar a prisão.

'É mais fácil matarem Dirceu do que ele fazer uma delação', diz advogado



PUBLICIDADE
O advogado do ex-ministro José Dirceu, Roberto Podval, descartou a possibilidade de o petista fazer um acordo de delação premiada.
"É mais fácil matarem Dirceu do que ele fazer uma delação premiada", disse Podval à Folha.
O criminalista também afirmou que não há chances do irmão do petista, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, firmar uma negociação com o Ministério Público Federal.
José Dirceu é preso
Os dois estão presos desde segunda (3), quando foram alvos da 17º fase da Operação Lava Jato, batizada de "Pixuleco".
Na manhã desta terça (4), a colunista Mônica Bergamo publicou uma mensagem enviada por Dirceu à coluna afirmando que não cogitava fazer um acordo de delação. "Primeiro porque não tenho o que delatar. Segundo porque não tem nada a ver com minha vida e trajetória", disse o ex-ministro.
A defesa de José Dirceu recebeu a informação de que o depoimento do petista não deve ser marcado para esta semana pela Polícia Federal.
O próximo passo dos advogados que defendem o ex-ministro é entrar com um Recurso Ordinário Constitucional contra o habeas corpus negado a Dirceu pelo Tribunal Regional Federal.
'PIXULECO'
Dirceu foi apontado pelo Ministério Público Federal como um dos responsáveis pela criação do esquema de corrupção na Petrobras.
"Chegamos a um dos líderes principais, que instituiu o esquema, permitiu que ele existisse e se beneficiou dele", disse o procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos responsáveis pelas investigações.
Os procuradores da Lava Jato apontam Dirceu como responsável pela indicação do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, que foi responsável pela negociação de contratos de obras da Petrobras de 2003 a 2012 e é acusado de cobrar propina dos fornecedores da estatal.
O procurador Lima afirmou que o esquema de corrupção na Petrobras reproduziu características do mensalão, porque parte do dinheiro abasteceu políticos do PT e de outros partidos governistas. "O DNA é o mesmo: compra de apoio partidário", disse.
Para ele, o esquema foi "sistematizado" no governo Lula. Questionado se o ex-presidente também seria investigado, Lima disse que "nenhuma pessoa no regime republicano está isenta de ser investigada"

Modelo da polêmica bolinha diz que pensou em brincar: ‘Quer que eu mexa direito? Eu mexo’


Adriana, à esquerda, posa para foto com Cleber Machado e as outras companheiras
Adriana, à esquerda, posa para foto com Cleber Machado e as outras companheiras Foto: Reprodução Instagram
Marjoriê Cristine
Tamanho do texto A A A
Pelo terceiro ano consecutivo, Adriana da Cruz foi escolhida para participar do sorteio da Copa do Brasil. No entanto, a modelo não esperava se tornar protagonista. Ao segurar e soltar uma bolinha, no evento realizado na manhã desta terça-feira, na sede da CBF, a modelo de 29 anos mal sabia que cruzaria o destino de Flamengo e Vasco. Adriana largou a bolinha, mexeu no pote novamente e saiu o adversário vascaíno. A jovem se diz assustada com a repercussão e explicou como tudo aconteceu. O fato é: tem Flamengo e Vasco pelas oitavas de final da Copa do Brasil.
- Estou assustada com tudo isso. Não foi nada demais. Aconteceu exatamente o que apareceu ao vivo. Eu estava mexendo no pote quando um jornalista gritou: "mexe isso direito". Eu me assustei e larguei a bolinha, e fui mexer novamente. Até o Cleber brincou com isso na hora. Por coincidência o Vasco, e acabou gerando essa repercussão, não entendo o por quê - disse por telefone.
Moradora de Padre Miguel, Adriana pensou até em brincar na hora quando tudo aconteceu. A modelo afirmou que se tivesse um microfone daria até uma descontraída com a situação.
- Eu até pensei na hora que o jornalista gritou em falar: "Quer que mexa direito? Se vocês quiserem eu mexo", mas eu não tinha aqueles microfones. Então, resolvi largar no susto e peguei no susto de novo. Eu não entendo nada de futebol, não gosto, mas eu sempre faço esse trabalho - contou.
Foto: Reprodução Facebook
Adriana explicou que nenhuma das modelos têm acesso as bolinhas antes do sorteio e que não há como saber quais os nomes e números estão no interior. Como ela não abriu a primeira bolinha que pegou, não há como saber qual clube constava lá.
- A bolinha estava fechada, não temos como visualizar nada. Realmente, o sorteio é super correto, não tem como armar nada. É sorte mesmo, por isso é um sorteio - falou.
Foto: Reprodução Facebook
A polêmica repercutiu até entre os amigos da modelo, que também comentaram nas redes sociais. Adriana ficou com medo de perder o trabalho e não ser mais chamada por conta dessa repercussão.
- O fato chega a ser engraçado, mas é uma polêmica desnecessária. Não tenho por que de fazer isso, trocar e pegar outro por algum motivo. Foi no susto mesmo. Eu até liguei para agência para falar depois dessa repercussão. A pessoa que me contratou disse que não foi nada demais. Fiquei com medo de não me chamarem mais, mas eles me disseram para ficar tranquila, que não irá interferir em nada - disse.
A pergunta que pairou é se Adriana da Cruz era torcedora do Flamengo ou do Vasco. A resposta: nenhum dos dois.
- Não conheço nada. Começaram a falar muita coisa, que torço para um, que queria o outro. Não acompanho futebol, não torço para nenhum time e nem sou ligada nisso. Eu nem entendia o problema de Flamengo e Vasco se encontrarem nessa eliminatória. Me explicaram que um vai eliminar o outro. Mas o que para mim não faz diferença, não entendo - afirmou.


Polícia sabia de tentativa de assalto a banco com 5 mortos em Piracicaba


PM à paisana que morreu também tinha conhecimento da ação nesta terça.
Outras 3 pessoas ficaram feridas durante tentativa de roubo em Piracicaba.

Do G1 Piracicaba e Região
Fiat Doblo seria utilizado durante fuga de assaltantes do Banco Bradesco em Piracicaba (Foto: Claudia Assencio/ G1)Veículo seria utilizado durante fuga de assaltantes
em Piracicaba (Foto: Claudia Assencio/ G1)
A Polícia Militar sabia, através do serviço de inteligência da corporação, que uma agência do Banco Bradesco, em Piracicaba (SP), seria alvo de uma tentativa de assalto nesta terça-feira (4) que deixou cinco mortos, entre eles quatro suspeitos e um PM à paisana, além de mais três pessoas feridas. Segundo o tenente coronel Marcos Antônio Félix, a quadrilha era monitorada também pela Polícia Federal.

O comandante da PM ainda afirmou que o policial militar à paisana também sabia da possibilidade de existir a ação da quadrilha nesta terça-feira e estava nas proximidades do banco para tentar impedir o roubo. A quadrilha foi surpreendida quando saía da agência pelo agente, que atirou na direção dos criminosos.

"A quadrilha era organizada e tinha informações privilegiadas. Eles sabiam exatamente como era o funcionamento da agência", afirmou Félix. O Bradesco disse que a agência ficou fechada nesta terça-feira e que não vai comentar o caso.

Houve troca de tiros e o policial militar morreu a caminho do hospital. Ele será velado durante a madrugada desta terça na Câmara de Vereadores. O sepultamento acontece às 16h desta quarta-feira (5), no Cemitério Parque da Ressurreição, em Piracicaba.

Vigilantes suspeitos
Segundo a PM, dois vigilantes terceirizados do banco são suspeitos de ter facilitado a entrada dos ladrões. Segundo o major Paulo Ricado Borges, um dos seguranças não impediu a entrada dos suspeitos pela porta giratória do banco, mesmo após o sinal de alerta ter sido ativado. O segundo vigilante também não teria feito nada para impedir.
saiba mais

"Um deles vestia uma blusa de moleton e o outro carregada uma mochila quando tentou passar pelo dispositivo, que apitou. O gerente pediu que o vigilante não permitisse a entrada dele, mas o funcionário não o obedeceu", relatou o major.

Crime
O crime aconteceu na Avenida Rui Barbosa, a principal via de comércio da Vila Rezende, tradicional bairro da cidade. Segundo a Polícia Civil, os criminosos conseguiram entrar na agência, renderam o gerente, recolheram os malotes do cofre e, quando tentaram fugir, foram surpreendidos pelo PM à paisana, que atirou. Os suspeitos que conseguiram fugir deixaram o dinheiro no local.
Marcas de sangue no interior do Banco Bradesco em Piracicaba (Foto: Claudia Assencio/ G1)Marcas de sangue no interior do Banco Bradesco
em Piracicaba (Foto: Claudia Assencio/ G1)
Na troca de tiros, outros dois criminosos, além de uma pessoa que estava em um bar próximo ao banco foram baleados. O policial militar atingido foi socorrido, mas morreu a caminho do hospital.

Além dos quatro suspeitos mortos no tiroteio e dos outros dois baleados e socorridos com vida, há ao menos mais seis pessoas envolvidas no crime, segundo informações da Polícia Militar. Quatro homens que ainda estavam dentro da agência bancária foram detidos.

A Polícia Civil apreendeucom os suspeitos que foram presos, coletes à prova de bala, oito revólveres, munições, gorros e uniformes que eles usaram para entrar na agência disfarçado. O delegado responsável pela investigação, João Batista Camargo, afirmou que já conseguiu identificar dois criminosos.

Pânico
A ação criminosa causou pânico nos comerciantes, que fecharam as portas.  A dona de uma loja disse que ouviu cerca de 20 disparos. “A princípio achei que era rojão, mas logo vi que o pessoal das lojas estava entrando e vi o que tinha acontecido. Foi um horror”, comentou a mulher de 56 anos, que pediu para não ser identificada.

A cabeleireira Marli Maria Zurk, de 65 anos, estacionava o carro quando os criminosos passaram atirando. “Fiquei desesperada, nunca vi uma situação dessa, só na televisão. A primeira coisa foi tentar me salvar”, relatou.
  •  
Suspeitos são colocados em carro da PM após tentativa de assalto a banco em Piracicaba (Foto: Claudia Assencio/G1)Suspeitos são colocados em carro da PM após tentativa de roubo em Piracicaba (Foto: Claudia Assencio/G1)

Com mandado em aberto, terror dos consultórios odontológicos é preso em Curitiba


Por Felipe Ribeiro e Antônio Nascimento

Especialista em roubos de consultórios odontológicos, Anderson Soares da Silva, de 41 anos, foi preso acusado por vários crimes em Curitiba. Em entrevista à Banda B nesta terça-feira (4), o delegado Rafael Vianna explicou que foram pelo menos três situações em que a Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) confirmou o envolvimento dele.
“Fizemos uma metodologia aqui na delegacia de atuar nos crimes que vem tirando a paz da população e um dos com maior registro de ocorrências era esse. Ele estava com mandado em aberto por outros crimes e semelhantes e agora vai responder por todos eles”, disse.
Segundo o delegado, ele foi detido após praticar um dos crimes no último fim de semana.
Preso no hospital
Em outro caso, Alex dos Santos Siqueira, de 19 anos, foi preso em flagrante após tentar assaltar uma residência. De acordo com o delegado Viana, ele foi baleado pela vítima com uma pistola 380 e alegou ao hospital que havia sido assaltado. “Verificamos em todos os hospitais e a história dele não convenceu, então foi preso.
Silva e Siqueira agora ficam à disposição da Justiça.