Vizinho de família é preso suspeito de matar menina de 6 anos em Conchal


Moradores depredaram delegacia e colocaram fogo em ônibus em Conchal.
Ana Gabrielle Santos Ferreira foi sepultada na manhã desta sexta-feira (21).

Do G1 São Carlos e Araraquara
Moradores de Conchal se revoltam e tentam linchar suspeito de matar menina de 6 anos (Foto: G1)Moradores de Conchal se revoltam e tentam linchar suspeito de matar menina de 6 anos (Foto: G1)
Um homem suspeito de matar a menina Ana Gabrielle Santos Ferreira, de 6 anos, foi preso na noite desta sexta-feira (21), em Conchal (SP), segundo a Polícia Civil. Ele é vizinho da família da garota do conjunto habitacional CDHU e confessou o crime.(veja vídeo)
O suspeito, que não teve a identidade divulgada, foi interrogado na delegacia da cidade e transferido para Itirapina. Revoltados, os moradores queriam linchá-lo e depredaram a fachada da delegacia, além de colocarem fogo em um ônibus e em objetos de uma praça da cidade. A garota foi enterrada durante a manhã.
Segundo a Polícia Civil, o homem disse em depoimento que quando encontrou a menina no prédio estava sob efeito de drogas e álcool e que não tentou violentá-la sexualmente. Como a criança reagiu, ele colocou um isopor em sua boca e a matou a facadas, colocando o corpo em um saco e deixando em uma cama. Ele disse que não sabe o motivo de ter cometido o crime.
As suspeitas sobre ele começaram depois que vizinhos perceberam mau cheiro no local. Após investigações, a polícia localizou o homem em um ônibus que levava trabalhadores da colheita de laranja.
Com a prisão, dezenas de moradores se reuniram em frente à delegacia para tentar agredir o suspeito. Ele foi escoltado e a Polícia Civil pediu reforço de policias de outras cidades da região para conter a população. O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) também foi ao local. O homem foi levado para a penitenciária de Itirapina.
Moradores colocaram fogo em objetos em praça e queimaram ônibus em Conchal (Foto: G1)Moradores colocaram fogo em objetos em praça e queimaram ônibus em Conchal (Foto: G1)
Moradores colocaram fogo em objetos em praça e queimaram ônibus em Conchal (Foto: G1)Moradores colocaram fogo em objetos em praça e queimaram ônibus em Conchal (Foto: G1)
O caso
O corpo de Ana Gabrielle Santos Ferreira foi enterrado sob forte comoção na manhã desta sexta-feira (21) no cemitério municipal da cidade. A menina de 6 anos estava desaparecida desde a noite de sábado (15).
Ana Gabrielle foi encontrada em um terreno perto da casa da tia, no CDHU, onde a menina estava quando desapareceu.  A criança havia passado o dia na casa da tia em um condomínio. Por volta das 20h, a tia e a prima saíram. Em seguida, a garota foi atrás da prima e desapareceu. Parentes e amigos saíram pelas ruas espalhando cartazes e perguntando se alguém havia visto a criança.
Familiares e amigos se despediram de Ana Gabrielle em Conchal (Foto: Claudia Mourão/EPTV)Familiares e amigos se despediram de Ana Gabrielle em Conchal (Foto: Claudia Mourão/EPTV)
O corpo
A família disse acreditar que o corpo da criança tenha sido deixado no local, na quinta-feira, após as buscas realizadas pelas autoridades. “Ela não estava ali. A gente tinha vasculhado todo aquele lugar. Esse corpo foi colocado hoje cedo, de madrugada”, afirmou a tia, Zuleide Ferreira.
É muita crueldade fazer uma coisa dessas. Não tem condições, a gente tem que descobrir e ir atrás desse assassino. Ele tem que pagar, porque a menina era indefesa, a mãe está sofrendo, a situação dela [está ruim], imagina agora sem a filha dela"
Rosãngela, tia de Gabrielle
“É muita crueldade fazer uma coisa dessas. Não tem condições, a gente tem que descobrir e ir atrás desse assassino. Ele tem que pagar, porque a menina era indefesa, a mãe está sofrendo, a situação dela [está ruim], imagina agora sem a filha dela”, falou Rosângela Ferreira, tia de Ana Gabrielle, na quinta à EPTV.
A Guarda Municipal informou que a criança estava coberta com um lençol, dentro de um saco plástico. Além disso, as mãos da criança estavam amarradas e havia ferimentos de faca no pescoço e no corpo.
Desaparecimento
Rosângela Alves Ferreira, tia da menina, contou que, na noite de sábado, ela, o namorado, a sobrinha e a filha de 10 anos estavam no apartamento. "A Ana estava comendo o bolo que fiz para ela", lembrou a tia.
saiba mais

De acordo com a mulher, em determinado momento ela desceu as escadas do prédio e a filha foi atrás, levando uma bolsa. Quando as duas voltaram, a criança não estava mais na sala. "Perguntei para o meu namorado e ele disse que ela tinha descido atrás da gente", afirmou.
"Eu só dei uma saidinha de três a quatro minutos e quando voltei para dentro ela já não estava mais. Eu acho que ela desencontrou o caminho e na hora que entramos e vimos que ela não estava e descemos, ela pode ter corrido para a rua, alguém pode ter chamado. Está um mistério muito grande", falou Rosângela. Desde então, ninguém mais teve informações sobre o paradeiro da criança.
Sem notícias, a mãe da garota, Suzana dos Santos Ferreira, não conseguiu comer e desmaiou. Ela teve de tomar soro e ficou sob efeito de calmantes, de acordo com Rosângela.
Ana Gabrielle Santos Ferreira  estava em condomínio do CDHU em Conchal quando sumiu (Foto: Reprodução/ Facebook)Ana Gabrielle Santos Ferreira estava em condomínio do CDHU quando sumiu (Foto: Reprodução/ Facebook)

Agência contratada pelo PT paga R$ 20 mil de salário a criador de Dilma Bolada


Jeferson Monteiro, o dono da personagem, encabeça lista de pagamentos da Pepper, a agência que faz guerrilha virtual para o partido

FILIPE COUTINHO
21/08/2015 - 19h48 - Atualizado 21/08/2015 20h55
Assine já!
Dilma Rousseff durante encontro com Jeferson Monteiro criador do Dilma Bolada (Foto:  Roberto Stuckert Filho/PR)
No PT, existem duas Dilmas. Aquela que preside o país, a Rousseff, de que quase nenhum brasileiro gosta nestes idos de 2015. E a outra, a Bolada, que dois milhões de brasileiros curtem nas redes sociais. Como Bolada diz: “Sou a Rainha da Nação, a Diva do Povo, a Soberana das Américas… Sou linda, sou diva, sou Presidenta. SOU DILMA!”. Dilma Bolada, a caricatura que tem toda a simpatia e toda a verve que tanto faltam à presidente, é criação do publicitário Jeferson Monteiro. Ele sempre jurou – J-U-R-O-U – que fazia a personagem por amor. Mas ÉPOCA descobriu que o publicitário recebe um pixuleco de R$ 20 mil mensais do PT para fazer Dilma divar nas redes e zoar sem dó os adversários políticos da presidente e do partido.
As provas estão em documentos enviados por advogados da agência Pepper Interativa ao Superior Tribunal de Justiça. A Pepper é uma espécie de agência parapartidária do PT. É usada para tudo que o partido não pode fazer diretamente em campanhas ou nas redes sociais – como guerrilha digital a favor do governo e contra os assim declarados inimigos da causa. A Pepper trabalhou nas duas campanhas presidenciais de Dilma – Rousseff, não a Bolada – e tem contrato com o PT. Está sendo investigada no STJ na Operação Acrônimo, em que a PF descobriu evidências dum esquema de lavagem de dinheiro e corrupção envolvendo o governador de Minas, Fernando Pimentel, e operadores do PT. ÉPOCA já mostrou que a dona da Pepper, Danielle Fonteles, é investigada por intermediar pagamentos do BNDES para a mulher do governador Fernando Pimentel, Carolina Oliveira, no período que ele era ministro de Dilma e chefiava o banco. Dani, como é chamada, usou até contas secretas na Suíça para receber dinheiro, enquanto pagava faturas de cartão de crédito da mulher de Pimentel.
No ano passado, ÉPOCA revelou que o criador de Dilma Bolada exigia receber meio milhão de reais da campanha à reeleição da petista. Num ato pouco amoroso, chegou até a tirar a personagem do ar, de modo a pressionar a campanha. Depois mudou de ideia. Quando ÉPOCA revelou o caso, Bolada, ou Jeferson Monteiro, desceu do salto, fez um barraco, reafirmou que a personagem “não estava à venda” - e não recebeu um real do tesoureiro João Vaccari, amigo de Dani. A mesada de R$ 20 mil, intermediada pela Pepper, surgiu logo depois, como “agrado”, nas palavras de um alto dirigente petista. Começou a ser paga neste ano. O dinheiro sai das contas do PT, entra na Pepper e segue para a empresa do publicitário. Nesse caso, não parece haver ilegalidade. Há apenas hipocrisia. É uma relação comercial. Mas a Pepper não quis explicá-la à ÉPOCA.
Jeferson, tampouco. Apesar das evidências, insistiu à reportagem que não recebe do PT para manter o personagem Dilma Bolada. Disse que apenas presta serviços a Pepper. “A Dilma Bolada não está vinculada a nenhuma  empresa ou partido. Não está e nem nunca esteve. Como já foi dito exaustivamente, as páginas na internet são independentes e não há nenhuma relação com ninguém para que elas existam ali. O serviço por mim, Jeferson Monteiro, executado está relacionado à comunicação digital e nas redes sociais, análise, produção e estratégia de conteúdo para os clientes da agência”. ÉPOCA pediu um exemplo desses "serviços". Jeferson não quis dar um só exemplo de cliente ou serviço prestado a Pepper. Dois dirigentes do PT e um marqueteiro do partido confirmaram à ÉPOCA que cabe a Pepper, com dinheiro do contrato com a sigla, pagar pelos serviços de Dilma Bolada.

Entre os sites governistas bem pagos, Dilma Bolada tenta ser pelo menos engraçada e popular. Hoje, Jeferson conta com 1.603.243 seguidores no Facebook e 456 mil no Twitter, que se deliciam com as tiradas pagas com dinheiro do PT. “A única preocupação do PSDB e do Aécio hoje é me derrubar da Presidência. Vão trabalhar e aceitem, em 2018 vocês tentam de novo, c...”. Além, claro, de elogios. Quando Dilma brindou com a chanceler alemã Angela Merkel, nesta semana, Jeferson bolou: “Miga, aqui no Brasil a gente brinda com cerveja num copo de boteco mesmo, liga não. Detesto frescura!” ÊTA PRESIDENTA SIMPLES!!!“

Novos documentos obtidos pela reportagem mostram que Danielle, ao se aproximar de petistas, fez fortuna com o dinheiro do PT. Atualmente, a Pepper Interativa tem oito clientes, numa receita mensal na casa de R$ 1,2 milhão. O PT é, de longe, o principal cliente de Danielle. Todo mês o partido paga R$ 530 mil à Pepper, algo como 45% das receitas (declaradas) da empresa. A lista de funcionários da agência, por outro lado, mostra como a operação é lucrativa. Os 61 funcionários da empresa custam por mês R$ 362 mil, uma média de R$ 6 mil por cabeça. O diretor de criação do escritório de Brasília, por exemplo, tem um salário de R$ 11.400. Não é à toa que Dilma Bolada e seus R$ 20 mil mensais são o maior salário da agência do PT. Êta governismo bem pago!

Vacas magras no PT após queda de André Vargas


post - 21.08.2015
Fernando Tupan
O PT de Curitiba vive um período de vacas magras com a estiagem financeira. Os petistas de carteira da capital paranaense reclamam que após o declínio e a cassação do ex-deputado André Vargas, no ano passado, o partido trocou o caviar pelo melaço. O sintoma mais sentido foi a mudança da sede municipal do Capanema para a sede do Diretório Estadual, na Princesa Izabel. Como há uma debandada de militantes, a arrecadação caiu e as dificuldades apareceram. Como Vargas foi o principal articulador das linguiçadas que levaram o grupo de Natalino Bastos a presidência da Executiva Municipal, o jeito foi apertar os cintos. Afinal os recursos sumiram.

'Tenho medo do deputado Eduardo Cunha', explicou delator da Lava Jato


s
PUBLICIDADE
"Eu tenho medo do deputado Eduardo Cunha [PMDB-RJ]", afirmou o lobista Júlio Camargo aos investigadores da Operação Lava Jato para tentar justificar a decisão de mudar sua delação premiadapara acusar o presidente da Câmara de receber US$ 5 milhões de propina do esquema de corrupção da Petrobras.
Segundo o lobista, Cunha é um homem poderoso, que teria condições de retaliar sua família e suas empresas, de forma direta ou indireta. "Estamos tratando da terceira pessoa mais importante do país e de uma pessoa agressiva quando quer alcançar seus objetivos", disse Camargo.
O lobista disse ainda que repensou sua fala porque "não queria ter mais qualquer pendência neste tema e queria ir até o fim". Boa parte da denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra Cunha pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro leva em consideração a colaboração de Camargo com as investigações.
Segundo procuradores, a mentira do delator pode ter efeito sobre seus benefícios acertados em troca da colaboração com as investigações.
O Ministério Público afirma que Cunha recebeu US$ 5 milhões em propina. Os pagamentos ocorreram, segundo a PGR, entre 2007 e 2012, após o fechamento de contratos entre a Petrobras e a Samsung Heavy Industries, da Coreia do Sul, para fornecimento de dois navios-sondas para a estatal do petróleo no valor total de US$ 1,2 bilhão.
Entre os documentos que constam na denúncia contra Cunha, também foi anexado um e-mail da Igreja Evangélica Assembleia de Deus do Rio à funcionária de Camargo de doação de R$ 250 mil. A mensagem, de 31 de agosto de 2012, traz o valor e fala ainda que "conforme orientação do Julio, seguem os dados para a doação que ele ficou de fazer hoje".
Duas empresas de Camargo, Piemonte e Treviso, fizeram transferências para as contas da greja no valor total de R$ 250 mil em 31 de agosto de 2012. A PGR diz que é "notória" a vinculação de Cunha com a igreja

Procuradoria fez acareação para confirmar pressão de Cunha por propina



PUBLICIDADE
A Procuradoria-Geral da República realizou uma acareação entre o lobista Júlio Camargo e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, ambos delatores da Operação Lava Jato, para tentar comprovar o vínculo do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com o esquema de corrupção da Petrobras.
Os investigadores colocaram os delatores frente a frente, em junho, para saber se Camargo procurou Paulo Roberto pedindo um encontro urgente com o então ministro de Minas e Energia e atual senador Edison Lobão (PMDB-MA) para tratar de requerimentos apresentados por Cunha na Câmara que teriam o objetivo de pressionar pelo pagamento de propina do esquema.
A informação consta da denúncia contra o parlamentar, protocolada nesta quinta-feira (20) no STF (Supremo Tribunal Federal) pela PGR, na qual o deputado foi acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Segundo a Procuradoria, na acareação Paulo Roberto Costa confirmou a reunião relatada por Julio Camargo.
De acordo com os relatos, Julio Camargo foi no dia 31 de agosto de 2011 ao gabinete de Paulo Roberto Costa, no Rio, pedir a reunião com Lobão, que acabou ocorrendo naquele mesmo dia, na base aérea do aeroporto Santos Dumont, onde o então ministro iria decolar para Brasília.
Na ocasião, Camargo teria reclamado a Lobão sobre dois requerimentos patrocinados por Cunha na Câmara dos Deputados que pressionavam empresa representada por Camargo. Segundo o relato, Lobão comentou: "Isto é coisa de Eduardo [Cunha]", tendo ligado para o deputado, chamando-o para uma reunião.
Em seguida, diante de Camargo, o ministro teria telefonado para o deputado e indagado: "Você enlouqueceu?".
A PGR detectou na agenda de Lobão que ocorreu de fato uma reunião com Cunha no gabinete do ministro, mas só no dia 22 de setembro, às 14h30. Essa reunião não consta na agenda divulgada na internet pelo ministro, que só mostra "despachos internos" no referido dia.
Lobão também é investigado no STF por ligação com a Lava Jato.
REQUERIMENTOS
Janot escreveu que ficou comprovado na investigação que Eduardo Cunha foi o verdadeiro autor de dois requerimentos protocolados na Câmara dos Deputados em 2011 por Solange Almeida, então deputada e hoje prefeita de Rio Bonito (RJ).
Segundo o doleiro Alberto Youssef e Camargo disseram em seus acordos de delação premiada, o objetivo dos requerimentos era pressionar Camargo para que ele pagasse propina a Cunha e Baiano.
Em abril, a Folha revelou que o nome de Cunha aparecia como autor dos arquivos de computador em que foram redigidos os requerimentos protocolados por Solange. Semanas depois, o Ministério Público Federal realizou diligências na Câmara para fazer cópias do material.
O delator Camargo disse que, depois de saber dos requerimentos, procurou manter um encontro pessoal com Cunha, o que ocorreu em setembro de 2011. Na reunião, segundo Camargo, Cunha foi "irredutível" e teria dito: "Eu não sei da história e nem quero saber. Eu tenho um valor a receber do Fernando Soares e que ele atrelou a você".
Camargo disse que Cunha nesse momento "solicitou expressamente a quantia de US$ 5 milhões".
Segundo a denúncia, o deputado recebeu "ao menos" US$ 5 milhões pagos por um operador, Júlio Gerin Camargo, por meio do lobista Fernando Soares, o Baiano. Os pagamentos ocorreram, ainda de acordo com a PGR, entre 2007 e 2012, após o fechamento de contratos entre a Petrobras e a Samsung Heavy Industries, da Coreia do Sul, para fornecimento de dois navios-sondas para a estatal do petróleo.
Os contratos tiveram o valor total de US$ 1,2 bilhão.
A investigação da PGR e da Polícia Federal confirmou trechos das declarações prestadas por Camargo, como encontros no Rio em que o delator teria relatado as pressões de Cunha. Porém, não conseguiu identificar contas bancárias controladas diretamente por Cunha que teriam sido beneficiadas com os repasses de Baiano. Para a PGR, os indícios foram suficientes para a denúncia.
IGREJA
Segundo Janot, Cunha era "sócio oculto" de Baiano e "o destinatário final da propina paga". Parte dos valores teria sido paga à Igreja Evangélica Assembleia de Deus do Rio a partir de orientações de Baiano.
Duas empresas de Camargo, Piemonte e Treviso, fizeram transferências para as contas da greja no valor total de R$ 250 mil em 31 de agosto de 2012.
A PGR diz que é "notória" a vinculação de Cunha com a igreja. "Foi nela inclusive que Cunha celebrou a eleição para presidência da Câmara dos Deputados, conforme amplamente divulgado na imprensa", diz a denúncia da PGR.
Conforme a denúncia, Camargo não havia feito doações à igreja, "nunca frequentou referida igreja e professa a religião católica".
Denunciado pela Procuradoria-Geral da República por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o presidente da Câmara nega ligação com o esquema e acusou o governo de estar por trás das denúncias que o envolvem em crimes investigados na Lava Jato.
Cunha nega os crimes. Nesta sexta, disse que não irá retaliar "quem quer que seja" e reiterou que não há "a menor possibilidade" de renunciar ao cargo que ocupa.

Filho simula roubo para vender carro e amigos acabam presos em rodovia do Paraná


Da PRF

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu no final da tarde desta quinta-feira (20) em Alto Paraíso, região noroeste do Paraná, dois homens que viajavam em um automóvel roubado.
carrofilho
Foto: Divulgação PRF
A dupla foi abordada pela equipe da PRF em frente ao Posto Porto Camargo, na BR 487. A ocorrência de roubo havia sido registrada horas antes em Maringá, norte do estado.
Inicialmente, condutor e passageiro, ambos sob o efeito de drogas, disseram aos policiais rodoviários federais que compraram o veículo havia dez dias. Mas, após a confirmação da vítima de que seu filho havia sido assaltado e o veículo, roubado, a dupla voltou atrás e corrigiu a versão.
Os dois revelaram que conhecem o filho da vítima, que entregou o veículo para que o negociassem no Paraguai. O dinheiro seria então dividido entre os três amigos.
O motorista admitiu ter utilizado cocaína em Umuarama (PR). O passageiro disse ter consumido álcool ao longo da viagem.
A PRF encaminhou os dois presos e o automóvel para a Delegacia da Polícia Civil em Xambrê.
.

Conhecido por trotes telefônicos, humorista Willmutt morre em acidente de trânsito


Da Redação com G1

acidente
(Foto: Reprodução Facebook)
O humorista paranaense Cleiton Geovani Kurtz, conhecido pelo personagem alemão “Willmutt”, morreu às 14h desta sexta-feira (21) em um acidente de carro perto da cidade de Aporé, em Goiás, segundo a Polícia Rodoviária Estadual (PRE). Kurtz tinha 39 anos e era de Marechal Cândido Rondon, no oeste do Paraná.
Conforme a PRE, Kurtz dirigia o veículo pela GO-184, quando no KM-91 um pneu estourou. “O veículo saiu da pista e capotou. Ele ficou preso no cinto de segurança, foi socorrido, mas morreu no hospital”, disse o sargento Sales.
Postagem na rede social Facebook confirmou a morte do paranaense:
É com pesar que comunicamos o falecimento do humorista Cleiton Geovani Kurtz, o WILLMUTT, vítima de acidente de trânsito nesta sexta-feira (21), no Estado de Goiás. O corpo será trasladado para Marechal Cândido Rondon, no Paraná. O sepultamento ainda não tem horário marcado.


Protesto de pescadores e empresários impede travessia do ferryboat em Guaratuba


Da Redação com Diário Guaratuba


Empresários e trabalhadores da pesca bloqueiam o acesso à travessia do ferryboat em Guaratuba, no Litoral do Paraná, na tarde desta sexta-feira (21). Eles querem protestar contra as multas e embargos de indústrias do setor pelo Ibama.
_DSC0683
(Foto: Diário de Guaratuba)
Diversos barcos costeiam o porto de embarque. Cerca de 200 pessoas participam da manifestação que começou por volta das 12h, em frente a uma das empresas embargadas. Por volta das 16h, dezenas de carros aguardavam a liberação, que só deve acontecer em caso de emergência, segundo os organizadores da manifestação.
A Polícia Militar acompanha a manifestação. O protesto é por conta das multas aplicadas pelo Ibama nesta quarta (18) e sexta (20) por causa de problemas em licenciamentos ambientais e falta do Registro Geral de Atividade Pesqueira (RGP).
Com informações do Diário Guaratuba.

Foto no celular entrega arma e jovem é presa após namorado ser abordado no Centro


Por Felipe Ribeiro

Uma foto de celular levou uma jovem de 21 anos para a cadeia na tarde desta sexta-feira (21) após o namorado ser abordado com drogas no Centro de Curitiba. De acordo com o guarda municipal Marco Rocha, uma equipe percebeu a atitude suspeita de um veículo Pálio e realizou a abordagem na Rua Inácio Lustosa.
“O veículo estava com quatro rapazes, que tentaram fugir da equipe, já que todos eles possuem passagem por tráfico. Acionamos o canil e encontramos inicialmente 65 gramas de maconha”, comentou.
Com a chegada da namorada de um deles ao local, a guarda fez uma verificação no celular e encontrou a foto da arma, que entregou o casal. “No quarto dela, localizamos a pistola com a numeração suprimida. Ela imediatamente assumiu ser a responsável”, disse.
O namorado confessou ser o dono da droga, mas um homem de tornozeleira eletrônica também estava no carro.
Foram encaminhados para a Polícia Civil Erika Renalti, de 21 anos, e José Augusto Guedes de Oliveira.
.