Moradores de SP sentem tremor após terremoto no Chile


Bombeiros receberam chamadas em regiões altas, como a Av. Paulista.
Corporação indica que moradores desçam dos prédios.

Do G1 São Paulo
Os bombeiros de São Paulo receberam cerca de 50 telefonemas na noite desta quarta-feira (16) com informações sobre tremores na região da Avenida Paulista, Vila Mariana e Tatuapé. Também houve ocorrências em Guarulhos e Osasco, na Grande São Paulo. Segundo a corporação, os tremores são reflexo do terremoto ocorrido no Chile.
A corporação indica que as pessoas desçam dos prédios e verifiquem sinais de rachaduras e trincas. Caso algo seja constatado, é preciso acionar a Defesa Civil, no telefone 199.
Avenida Paulista
O analista de sistemas Leandro dos Reis Oliveira, de 31 anos, trabalha em um prédio na Avenida Paulista e conta ter sentido o tremor. “Vi que as janelas estavam fechadas e um quadro começou a tremer. Foi muito rápido, questão de segundos”, descreveu.
Ele andava pelo 12º andar, por coincidência onde também estava em 2010, quando sentiu o tremor provocado por outro terremoto no Chile. “Na primeira vez foi muito esquisito, acho que uns 10, 15 segundos, parece que comecei a ficar enjoado, uma sensação horrível”, lembrou.

Nas redes sociais, muitas pessoas relatam ter sentido o tremor nesta região de São Paulo, principalmente em prédios altos. Faculdades na região da Avenida Paulista chegaram a ser esvaziadas porque a terra tremeu.

Um funcionário da unidade da FMU da Avenida Brigadeiro Luís Antônio, no Centro, disse que os alunos foram liberados mais cedo. "Teve o tremor no Chile, teve o reflexo, afetou a Paulista também e o pessoal que estava mais na parte de cima sentiu. Por segurança, a gente evacuou o prédio às 20h15", afirmou, sem revelar o nome.
Nós sentimos como se o prédio estivesse balançando"
Estudante Patricia Serpa
Segundo ele, o tremor foi sentido do meio para cima do prédio de 17 andares. Não houve tumulto nem feridos. “Foi só um tremor e balançou as cortinas um pouquinho. O prédio é de vidro. Se fosse alguma coisa mais grave tinha estourado vidro."
A estudante de gestão financeira Patricia Serpa estava assistindo aula no 15º andar no momento do tremor. "Eu estava na sala de aula e sento perto da janela. Primeiro nós sentimos um tremor e depois nós sentimos como se o prédio estivesse balançando. Algumas pessoas sentiram e começaram a alarmar discretamente", contou.
A estudante de mídias sociais Tamara Lopes, de 23 anos, contou que também precisou sair da faculdade, que fica na Avenida Paulista. “Eu senti uma coisa leve, pensei que era meu celular vibrando. Estava no 9º andar, a professora avisou que os bombeiros pediram para evacuar. Os elevadores pararam de funcionar e começamos a descer a escada. Parece que o pessoal do 15º andar foi o que mais sentiu, até livros caíram”, afirmou.

Mooca
O estudante Caio Campos, de 18 anos, diz que o tremor foi sentido no prédio onde mora, na Mooca. "Eu moro no 4º andar e todos meus vizinhos falaram que o lustre bateu, os móveis tremeram", relatou. Segundo o jovem, os moradores desceram para a rua, onde ainda estavam por volta das 21h10, cerca de meia hora depois de sentirem o tremor. "Somente meu prédio sentiu tremor, inclusive a polícia está aqui na rua", contou.
Eu estava dormindo, acordei e vi tudo tremendo"
Estudante de 16 anos
Uma estudante de 16 anos, que mora no mesmo prédio, disse ter acordado com o tremor. “Eu estava dormindo, acordei e vi tudo tremendo”, contou. “Pensei que estava com tontura, mas minha irmã também sentiu.” A garota disse que desceu com a mãe e a irmã pela escada do prédio onde mora. “Todo mundo estava descendo. Fui de pijama.” Cerca de 30 minutos após sentir o tremor, a jovem ainda estava insegura. “A gente ficou no térreo."
Terremoto no Chile
Um forte terremoto ocorreu nesta quarta-feira (16) ao norte de Santiago, perto de Coquimbo, no Chile. Segundo o jornal 'El Mercurio', a magnitude preliminar do tremor é 8.3. Um alerta de tsunami foi emitido pelas autoridades para toda a região costeira. Houve pelo menos duas réplicas. As autoridades locais determinaram a evacuação das áreas litorâneas, enquanto imagens de televisão mostravam sirenes de alerta ativadas.
Prédio de faculdade na região da Avenida Paulista vazio (Foto: Roney Domingos/G1)Prédio de faculdade na região da Avenida Paulista vazio (Foto: Roney Domingos/G1)

Padrasto diz que mãe matou menino achado em freezer, afirma testemunha


Justiça brasileira decretou prisão preventiva da mãe e do padrasto.
Desde 2014, Conselho Tutelar sabia que a mãe agredia menino de 7 anos.

O Jornal Nacional teve acesso a informações exclusivas sobre um crime que provocou choque no Brasil inteiro: o assassinato do menino Ezra, de sete anos. O corpo dele foi encontrado num freezer, dentro da casa onde vivia com a família, na área central de São Paulo.(veja vídeo)
Uma testemunha ouvida pela polícia pode ter sido a última pessoa que falou com o padrasto do menino. Ela contou que, por telefone, o padrasto disse que a mãe se excedeu e matou a criança, que foi colocada dentro de um freezer.
Uma semana antes do corpo ser encontrado, câmeras do prédio onde a família morava registraram o momento em que o padrasto levou um freezer para o apartamento.
O laudo necroscópico aponta que Ezra sofreu uma lesão por instrumento cortante na região da virilha da perna direita. A causa da morte: hemorragia interna aguda.
A mesma testemunha detalhou que, antes de desligar o telefone, o padrasto disse que eles fugiriam para a África. No último dia 3, o sistema de vigilância do aeroporto internacional em Guarulhos gravou a mãe, o padrasto e as duas filhas do casal embarcando para a Tanzânia. Ezra foi visto com vida, pela última vez, seis dias antes.
Desde 2014, o Conselho Tutelar sabia que a mãe agredia o menino de 7 anos. A Justiça suspendeu o convívio familiar e encaminhou Ezra para um abrigo, onde ele ficou por seis meses. O casal passou por tratamento psicológico e o menino voltou para casa.
A Justiça brasileira decretou a prisão preventiva de Lee Ann Finck, a mãe, e de Mzee Shabani, o padrasto. E acionou a Polícia Federal para que os nomes sejam incluídos na lista de procurados da Interpol.
O corpo de Ezra está no IML de São Paulo há 12 dias. A Secretaria de Segurança Pública diz que não vai autorizar o enterro, enquanto o consulado da África do Sul não indicar alguém da família no Brasil para fazer a liberação. Na semana passada, o consulado disse que vai avisar as autoridades brasileiras quando encontrar parentes do menino lá na África.
O coordenador do Movimento Nacional de Direitos Humanos disse que acionou o Unicef para que cobre do governo sul-africano a mandar alguém da família de Ezra reconhecer o corpo.
“O menino não teve uma vida digna no Brasil, que ao menos ele tenha um enterro, um velório digno lá na África do Sul onde moram os seus familiares”, disse Ariel de Castro Alves, coordenador do Movimento Nacional de Direitos Humanos/SP.

Suspensão de concursos públicos atinge mais de 40 mil vagas

Os ministros da Fazenda, Joaquim Levy; e do Planejamento, Nelson Barbosa; anunciam cortes no Orçamento durante coletiva - 14/09/2015
Ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, e o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, durante o anúncio de cortes no Orçamento do próximo ano realizado na última segunda-feira (Pedro Ladeira/Folhapress)
A suspensão dos concursos públicos previstos para 2016, anunciada pelo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na última segunda-feira, envolverá até 40.389 cargos em órgãos dos três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário). A informação foi divulgada nesta quarta-feira pela pasta. A medida faz parte do pacote fiscal anunciado por Barbosa e pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, com o objetivo de cobrir o rombo de 30,5 bilhões de reais do déficit do Orçamento do próximo ano.
O ministério destaca que os concursos agendados para este ano não foram afetados pelos cortes e ocorrerão normalmente. Os principais deles são processos de seleção para vagas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e de agências reguladoras, como a Agência Nacional de Aviação Civil e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
A proposta ainda precisa ser avalizada pelo Congresso. O governo espera gerar, com o cancelamento dos concursos, uma economia de 1,5 bilhões de reais, parte dos 26 bilhões de despesas que o governo pretende cortar no próximo ano. O conjunto de todas as medidas, que inclui a recriação da CPMF e o aumento de alíquota de impostos, representa um esforço fiscal de 66,2 bilhões de reais.
O anúncio do governo frustrou quem está estudando para ser aprovado nos processos seletivos. O diretor da Central de Concursos, um dos principais cursinhos da área, Jaime Kwei, relatou que muitos dos alunos já vieram lhe procurar para saber sobre o anúncio. "Muitos alunos nos questionaram. Mas nós sabemos que isso não é um processo imediato. Em média, os alunos chegam a estudar de um a dois anos [para passar nos testes]. Esse é um período normal de preparação. Então, ele pode usar esse tempo para continuar se preparando para 2017", afirmou.

Justiça condena Cid Gomes a pagar R$ 50 mil a Cunha por danos morais


Sentença foi motivada por declaração feita pelo ex-ministro da Educação ao presidente da Câmara, em março

REDAÇÃO ÉPOCA
16/09/2015 - 10h59 - Atualizado 16/09/2015 11h25
Assine já!
Eduardo Cunha e Cid Gomes  (Foto: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados)
Justiça do Distrito Federal condenou o ex-ministro da EducaçãoCid Gomes a pagar R$ 50 mil ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, por danos morais. As informações são do G1. Ainda cabe recurso.
De acordo com o portal, em março, durante sessão em que foi convidado a ir à Câmara para esclarecer declarações feitas em uma universidade de Belém, o ex-ministro disse que preferia ser mal-educado do que ser "acusado de achaque", numa referência a Cunha. O presidente da Câmara foi à Justiça alegando que as declarações "mancharam sua onda e reputação".
Na ocasião, ao prestar explicações aos deputados, Gomes disse que não concordava com a postura de vários que "mesmo estando no governo tem uma postura de oportunismo". O plenário reagiu negativamente. Cid Gomes continuou, apontando o dedo para o presidente da Câmara, que o acusou de mal-educado: “Fui acusado de ser mal-educado. Prefiro ser acusado por ele [Eduardo Cunha] do que ser como ele, acusado de achaque”.
Depois disso, Cid Gomes deixou o cargo no governo Dilma.

PT contraria Fruet e descarta o pedágio urbano em Curitiba


stica -cmc
O PT está se descolando do prefeito Gustavo Fruet (PDT) em Curitiba. Contrariando Fruet, o vereador Jonny Stica (PT) apresentou emendas ao novo Plano Diretor para proibir a implantação de sistemas de controle de tráfego de automóveis como o pedágio urbano e o rodízio de placas. As propostas são avaliadas pela equipe de Fruet, que elaborou o plano diretor, como parte das soluções ao caótico trânsito no centro da capital, inspirada no pedágio implantado em Londres, capital da Inglaterra.
No Bem Paraná, Stica disse que os dois mecanismos são protelatórios e ineficazes e, por não trazerem avanços para a mobilidade urbana, devem ser descartados. Em relação a uma possível cobrança pelo trânsito no perímetro urbano, o petista também é contrário. “A população está sobrecarregada com a alta carga tributária e já paga impostos que custeiam o transporte público e a manutenção das vias públicas”.

TSE dá registro ao ‘Partido Novo’


d’O Globo
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concedeu registro nesta terça-feira ao Partido Novo. O 33º partido brasileiro é presidido pelo empresário João Dionísio Filgueira Barreto Amoêdo e tem entre os dirigentes administradores, engenheiros, médicos, economistas, advogados e outros profissionais do setor privado. A legenda poderá concorrer às eleições municipais de 2016 e será identificada nas urnas com o número 30.
No site do partido, os dirigentes explicam que o Novo é “um movimento iniciado por cidadãos insatisfeitos com o montante de impostos pagos e a qualidade dos serviços públicos recebidos”. E completa: “Este grupo de pessoas nunca havia se candidatado a nenhum cargo eletivo, mas concluiu que um partido político seria a ferramenta democrática adequada para realizar as mudanças desejadas e necessárias”.
Uma das regras do estatuto do partido proíbe o “carreirismo político”, vetando ao filiado eleito para cargo no Legislativo que se candidate a mais de uma reeleição consecutiva para o mesmo cargo. O estatuto também proíbe candidato ou ocupante de cargo eletivo de participar da gestão partidária.
O partido foi criado em fevereiro de 2013, mas solicitou o registro à Justiça Eleitoral em 2013. Foram entregues ao TSE 492 mil assinaturas de apoiamento. Segundo os ministros do tribunal, o critério da lei foi atendido. Pela lei em vigor em 2013, são necessárias a apresentação de assinaturas de apoio em número igual a 0,5% dos votos válidos nas últimas eleições para a Câmara dos Deputados – no caso, 486,5 mil. A lei nova, deste ano, não foi aplicada. As regras atuais são mais rígidas, porque impedem que pessoas filiadas a outros partidos apoiem a criação de uma nova legenda.
Dos sete integrantes do TSE, a ministra Luciana Lóssio foi a primeira a apontar objeção à criação do Partido Novo. Ela lembrou que, além dos partidos já existentes, 41 novas siglas já publicaram estatutos e estão tentando registro eleitoral. Segundo ela, haverá uma avalanche de pedidos de registro no TSE em breve. Por isso, o tribunal deveria ser mais criterioso.
Luciana questionou, por exemplo, o fato de não terem sido apresentados ao TSE o nome dos apoiadores, mas apenas listas dos cartórios eleitorais com o número de apoiadores. Outros ministros lembraram que, ao conceder registro a outros partidos recentemente, o tribunal considerou o procedimento válido, porque os cartórios eleitorais teriam credibilidade para atestar que as assinaturas eram válidas.
Depois dessa ponderação, Luciana votou pelo deferimento do registro ao Partido Novo. O julgamento terminou com seis votos a um. A ministra Maria Thereza de Assis Moura foi a única a votar contra. Para ela, o TSE deveria aplicar a lei nova, ainda que o pedido de registro tenha sido feito antes de ela entrar em vigor.

Terremoto de magnitude 8,3 atinge o Chile; tremor é sentido no Brasil, relatam internautas2


Do UOL, em São Paulo

  • Martin Bernetti/AFP
Um terremoto de magnitude 8,3 atingiu o Chile, próximo a região de Valparaíso, na noite desta quarta-feira (16) sacudindo prédios e fazendo as pessoas buscarem refúgio nas ruas, informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos. O epicentro do tremor foi a cerca de 55 km a oeste de Illapel. Ele ocorreu por volta de 19h54 e teve uma profundidade de 33 km.
O Centro de Tsunami do Pacífico emitiu alerta de possível tsunami no litoral de Chile, Peru, Equador, Colômbia e Havaí (EUA). Diversas fortes réplicas, de magnitude maior que 6, foram sentidas minutos depois do primeiro tremor.
De acordo com a imprensa chilena, várias pessoas que moram perto da costa já estão sendo evacuadas de suas casas. 

Brasil e Argentina

No Brasil, diversos internautas relataram nas redes sociais que também sentiram um leve tremor. Há relatos na capital paulista, Santos, Campinas, Belém, São Luís e Pouso Alegre (MG). Os Bombeiros de São Paulo receberam 50 chamados de pessoas que sentiram o terremoto. "Pensei que estava ficando louca! Meu marido e eu estamos de férias no Brasil. Somos do Chile e sentimos o prédio balançar. Estamos na Vila Mariana, no último andar do prédio", contou Paola Rivera Bruno, empresária que mora em Santiago do Chile, 37, via WhatsApp (11) 97500-1925.
"Moro no Campo Belo [SP capital], no 21° andar. Estava sentado no sofá e minha mulher estava no quarto passando roupa. Eu senti balançar e perguntei se ela havia sentido, ela disse que não e veio até a janela da sala. Quando parou em frente a janela sentiu balançar e então descemos correndo. Nisso, o vizinho também saiu na porta e perguntou. Ele viu o lustre dele balançar e a esposa dele viu a cabeça dele balançar", relatou Robson Furtado Chaves, 34, publicitário, também via WhatsApp.
Na Argentina, internautas relataram tremores nas cidades de Santa Fé, Mendoza e Buenos Aires. "Estou em Buenos Aires e no 18º andar do hotel. Todo o quarto se moveu, cama, lâmpadas e janelas. Senti o tremor durante uns 30 segundos mais ou menos. Já havia presenciado terremotos quando morei na Califórnia", relatou Fernando Tidei, 45, gerente de projetos, via WhatsApp (11) 97500-1925.(assista a videos)

Outros casos

Um terremoto de magnitude 8,8 chacoalhou e causou um enorme tsunami no Chile em 2010 matando mais de 500 pessoas e destruindo 220 mil casas. Pela força, esse terremoto encurtou o dia da Terra por uma fração de segundo, alterando a rotação do planeta.
O Chile é um dos países mais sujeitos a terremotos do mundo, porque ao longo de sua costa a placa tectônica Nazca mergulha sob a placa sul-americana, empurrando a imponente cordilheira dos Andes a altitudes cada vez maiores. O terremoto mais forte já registrado na Terra aconteceu no Chile --um tremor de magnitude 9,5 em 1960, que matou mais de 5.000 pessoas.
Ampliar

Os 10 terremotos de maior magnitude da história10 fotos

3 / 10
A ilha de Sumatra, na Indonésia, registrou em 26 de dezembro de 2004 um terremoto de magnitude 9,1, com epicentro no mar, que causou um tsunami que matou 230 mil pessoas em 14 países da região. O tremor, que popularizou o termo tsunami, ocorreu a 30 km de profundidade no Oceano Índico e foi sentido até na costa leste da ÁfricaReuters

Gleisi recebeu R$ 1,5 milhão de propina da UTC


unnamed
Na sua delação premiada assinada com o Ministério Público Federal, o dono da UTC e da Constran, Ricardo Pessoa, disse que todas as doações oficiais ao PT, eram na verdade, propinas de contratos das empresas junto a Petrobras. A afirmação de Pessoa compromete ainda mais a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), amiga do empresário.
A UTC financia Gleisi desde sua primeira campanha em 2006, à prefeitura de Curitiba. A empreiteira já repassou R$ 1,5 milhão à petista: R$ 100 mil (2006), R$ 250 mil (2008), R$ 250 mil (2010) e R$ 900 mil (2014).
Pessoa também prestou depoimento no inquérito que Gleisi responde no STF (Supremo Tribunal Federal) sobre a participação da petista no esquema da Petrolão. O empresário também arrolou o marido de Gleisi, o ex-ministro Paulo Bernardo (PT), como testemunha em processo que responde no Petrolão.

Apenas sete dos 27 governadores defendem a CPMF


gov
O encontro que deveria servir para chancelar o suporte de governadores à recriação da CPMF conseguiu reunir apenas sete dos 27 governadores. O governador Beto Richa e os demais governadores de oposição não compareceram. O evento na Câmara dos Deputados reuniu os governadores do Rio de Janeiro, Ceará, Piauí, Bahia, Alagoas, Tocantins e Amapá, três deles do PT, três do PMDB e um do PDT, além da a vice-governadora do Acre. Eles anunciaram que vão propor a deputados e senadores modificações na proposta que recria o imposto. A intenção é aumentar a alíquota da contribuição de 0,2% para 0,38%, a fim de que 0,18% da arrecadação sejam distribuídos igualmente entre estados e municípios.Após a reunião, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, avisou aos governadores que a chance de aprovação do novo imposto é pequena.

Governadores vão a Cunha por CPMF e ouvem das dificuldades para aprová-la



Alan Marques - 30.ago.2015/Folhapress
BRASÍLIA, DF, BRASIL, 30.08.20125. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, comanda sessão de votação da Casa. (FOTO Alan Marques/ Folhapress) PODER
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) durante sessão de votação na Casa
Ouvir o texto
PUBLICIDADE
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), recebeu nesta quarta-feira (16) o apelo dos governadores pela alíquota de 0,38% da CPMF. Mantendo o tom crítico adotado nos últimos dias, ele se comprometeu a não obstruir a votação de uma proposta que chegue à Casa, mas reiterou as dificuldades, tanto de acordo, quando do processo legislativo, para aprovar a nova tributação.
"Acho que está fadado à derrota fragorosa. Porém, se chegar a ponto de votar, não vou obstruir. Com muita boa vontade, vai entrar em vigor em julho de 2016, se passasse", afirmou o presidente após encontro com oito governadores que estiveram no Congresso.
"É difícil sair da CCJ, pouco provável sair de uma comissão especial, ainda mais difícil sair do plenário. São etapas difíceis que têm que ser enfrentadas e lentas, longas. Além disso, tem noventena. Não é fácil. Não vai conseguir resolver o problema deles em 2016", acrescentou.
AUMENTO DE RECEITAS
Cunha disse se sensibilizar com a situação dos governadores, mas afirmou que a conversa de cerca de uma hora com eles não o fez mudar de posição. "Acho que a CPMF é um aumento de carga tributária pernicioso", avaliou.
O peemedebista defende uma solução conjunta já que "todo mundo está sofrendo efeito da perda da confiança na economia". "Eu mesmo propus que todo o recurso da repatriação fique para Estados e municípios. Pode ser um caminho para ajudá-los em 2016", sugeriu.
Mais uma vez, Cunha criticou o governo com a previsão de reduzir R$ 200 milhões com cortes de cargos comissionados em ministérios. "O governo não está fazendo seu sacrifício, não está cortando suas despesas. Ele [governo] pode buscar aqui aumento de arrecadação ao Congresso e propor, mas não somos nós que temos obrigação de resolver o deficit do governo. O governo tem que resolver seu deficit".
Além disso, atacou a postura do Palácio do Planalto de incentivar os governadores a pressionar suas bancadas no Congresso a aprovar a CPMF. "O governo está tentando dividir a derrota com os governadores, jogando-os aqui para fazerem o papel que o governo não consegue fazer, porque não tem uma base articulada".
Na saída do encontro, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), relatou que fez um apelo a Eduardo Cunha para que ele coloque a proposta da CPMF em votação. "O presidente da Câmara dos Deputados é contra, mas ele disse que não vai atrapalhar o pleito e falou da dificuldade dessa matéria ser aprovada", disse.
Ele ressaltou que defenderá a medida a senadores e deputados da bancada federal do Rio de Janeiro e observou que, diante da atual crise econômica, "dificilmente algum governador do país não precise desses recursos".
Segundo ele, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), informou ao peemedebista também ser favorável à recriação do tributo. Os mandatários estaduais de partidos de oposição, como PSDB, DEM e PSB, não compareceram ao encontro.
Na tarde desta quarta, os oito governadores se reuniram também com o presidente do Senado Federal, Renan calheiros (PMDB-AL).
Após o encontro com Renan, Pezão afirmou que o apelo feito pelos governadores aos parlamentares pela aprovação da CPMF com uma alíquota maior, para que uma parte seja destinada a Estados e municípios, pode surtir efeito positivo.
"Assim como não estamos [governadores] no Congresso, eles [deputados e senadores] também não estão lá nas administrações. Mas estão vendo os números, estão vendo as contas. Acho que todos vão ser solidários. Até quem é de oposição, tenho certeza que entende esses problemas que o estado está sofrendo", disse.
"A gente entende a dificuldade que a presidente está tendo para fechar suas contas, mas todos os prefeitos nesse final de ano agora, dificilmente cumprirão suas metas", completou.
CORTE DE GASTOS