Vazam fotos intimas de Stênio Garcia e esposa


'Não quero sair de casa', disse ela ao EGO. Já o ator está mais calmo: 'Tenho a minha consciência limpa, não fiz nada com a mulher de ninguém'.

Priscila Bessado EGO, no Rio
Stenio Garcia e Marilene Saade no velorio de Chico Anysio (Foto: Alex Palarea/AgNews)Stênio Garcia e Marilene Saade
(Foto: Alex Palarea/AgNews)
Stênio Garcia e Marilene Saade receberam uma ligação de uma amiga na manhã desta quarta-feira, 30, e levaram um susto ao saber que fotos do casal nu viralizaram na internet. As imagens estão circulando na rede desde terça-feira, 29. Procurada pelo EGO, Marilene não conteve as lágrimas e disse estar muito abalada. "Procuramos o advogado Ricardo Brajterman, que vai cuidar de tudo, pois ele conhece bem esse tipo de crime. É uma violência, um crime bárbaro, invadir a privacidade de alguém dessa forma. Estou muito confusa e chocada. Dá vontade de ir embora do Brasil e sumir. O caráter das pessoas está muito feio, não sei se isso é só aqui ou no mundo todo", disse ela.
EGO NAS REDES SOCIAIS

"É uma foto de casal, estamos casados há 18 anos. A gente não invade a intimidade de ninguém. Esse celular esteve em dezenas de lugares então não sabemos quem foi. Eu não sei o que vou fazer, não tenho vontade de sair de casa", desabafou.
Mais calmo, Stênio comentou o episódio. "Para te falar a verdade eu não ligo não porque já apareci nu no teatro, no cinema, mas é claro que foi profissionalmente. De qualquer forma acho terrível e violento alguém invadir a sua privacidade para isso. Quanto à nudez, somos um casal saudável que brinca entre a gente com coisas nossas, mas isso não é para ser levado a público", explicou.
Mesmo com bom humor, o ator não deixou de reiterar a gravidade do caso. "Pena que não ganhei nada com isso. A gente sabe que as pessoas posam para revistas e ganham fortunas por isso, já eu fiz apenas uma brincadeira com a minha mulher, coisa que a gente faz muito, mas não é para invadir a nossa privacidade e violentar isso. Fiquei com muita pena do meu sogro, que é uma pessoa idosa, e está muito chocado com isso. Mas se apareceu é porque foi feito, é sim a minha própria mulher e isso já aconteceu com outros colegas nossos. Temos que tomar mais cuidado e buscar como punir o invasor", afirmou.
Apesar do choque, Stênio disse não se culpar pelo ocorrido. "Quanto ao meu ato com a minha mulher tenho a minha consciência limpa, não fiz nada com a mulher de ninguém", falou.

Policial que dublava Harry Potter morre em confronto no Alemão


Policial trabalhava como dublador de filmes
Policial trabalhava como dublador de filmes Foto: Reprodução Facebook
Alfredo Mergulhão
Tamanho do texto A A A
O policial militar e dublador oficial de Harry Potter no Brasil, Caio César Ignácio Cardoso de Melo, morreu em um confronto na manhã de quarta-feira, 30 de setembro, no Complexo do Alemão. Ele trabalhava na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Fazendinha.
O confronto ocorreu na localidade conhecida como Beco da Farmácia, no Morro do Alemão, depois que agentes faziam patrulhamento de rotina por volta das 9h.
Comunidades de dubladores na internet lamentaram a morte do colega. "Acabamos de receber a triste notícia de que o dublador Caio César, que também exercia a profissão de policial, levou um tiro no pescoço, ele passou por uma cirurgia mas após 4 paradas cardíacas, não resistiu aos ferimentos", diz uma postagem do perfil Dubladores Brasileiros.
Luisa Palomanes, de 29 anos, faz a dublagem da personagem Hermione Granger, a melhor amiga de Harry Potter no filme. Ela lamentou a morte do colega.
- A gente se conheceu com 10 anos de idade, fazendo um curso de dublagem. Fiquei muito chocada com essa notícia. O Caio era uma pessoa muito da paz - disse a dubladora.
Ela esteve com Caio pela última vez nos dias 8 e 9 de agosto, em Brasília, no evento Capital Geek.
- O Caio falava apenas o básico do trabalho como policial, mas ele gostava do que fazia - afirmou Luisa. Os dois também dublaram juntos os personagens Sokka e Kakara, que eram irmãos no desenho Avatar.
Caio César levou um tiro no pescoço e foi levado para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha, também na Zona Norte do Rio. Ele também dublou um personagem A vida é bela, a novela Rebeldes, o desenho Avatar e fazia a voz do Zac Efron no Brasil.
Um jovem de 21 anos também morreu durante tiroteio. Ele chegou a ser socorrido na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Alemão, mas não resistiu aos ferimentos. No local do confronto, a polícia informou que apreendeu uma pistola de fabricação turca, 9 mm. O caso foi registrado pela 45ª DP (Alemão).
Por causa do tiroteio, o teleférico do conjunto de favelas teve a atividade suspensa nesta manhã, conforme informou a SuperVia, que administra o sistema de transporte. De acordo com a empresa, o motivo foi “para garantir a segurança dos passageiros”. Na nota, a SuperVia informa que “os clientes que estavam nas gôndolas foram orientados a desembarcar nas estações mais próximas e a interrupção da operação está sendo comunicada por meio dos sistemas de áudio das estações dos trens e do Teleférico”.


Suíça envia para o Brasil apuração sobre conta de Eduardo Cunha


MP suíço relata contas bancárias em nome do presidente da Câmara.
Eduardo Cunha não quis comentar; defesa diz desconhecer investigações.

Camila Bomfim e Mariana OliveiraDa TV Globo, em Brasília
O Ministério Público da Suíça enviou ao Brasil, nesta quarta-feira (30), os autos da investigação sobre o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por suspeita de lavagem de dinheiro e corrupção passiva, informou a Procuradoria Geral da República.
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, aceitou a transferência feita pelo MP suíço. Os documentos vão primeiro para o Departamento de Recuperação de Ativos do Ministério da Justiça e depois serão remetidos para a Procuradoria Geral da República.
O Ministério Público da Suíça relata na documentação contas bancárias supostamente em nome de Cunha e familiares. As investigações começaram em abril na Suíça e resultaram em bloqueio de valores, segundo informou a PGR.
Indagado nesta quarta se tem conta no exterior, Cunha não quis responder: "O meu porta-voz será sempre meu advogado. Não há o que falar. Não falarei. não vou ficar todo dia comentando. Amanhã, vai surgir outro. Tenho que cumprir a orientação dele de não falar", afirmou.
A defesa de Cunha divulgou nota na qual afirmou que desconhece qualquer procedimento investigatório realizado na Suíça. "Por tal razão, está impedida de tecer comentários acerca dos supostos fatos noticiados", diz o texto da nota. "A defesa do deputado Eduardo Cunha está pronta para prestar os devidos esclarecimentos que se façam necessários, mas mantendo a sua postura de se manifestar somente nos autos de processos e caso formalmente questionada pelas autoridades competentes."
Cunha não pode ser extraditado para a Suíça para responder a processo porque é brasileiro nato. A transferência de processo é um procedimento de cooperação internacional, em que se assegura a continuidade da investigação ou do processo ao se verificar a jurisdição mais adequada para a tramitação do processo penal.
Com a transferência do processo, a Suíça renuncia à sua jurisdição para a causa, que passa a ser do Brasil e de competência do Supremo Tribunal Federal porque, devido à condição de deputado federal, Cunha tem prerrogativa de foro e só pode ser investigado com autorização do STF.
Este é o primeiro processo a ser transferido para o STF a pedido da Procuradoria-Geral da República e o segundo da Operação Lava Jato. A primeira transferência de investigação foi a do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró para Curitiba.
saiba mais

Depoente revelou
Suposto operador do PMDB no esquema de corrupção que atuava na Petrobras, o engenheiro João Augusto Rezende Henriques afirmou em depoimento à Polícia Federal (PF) que fez uma transferência ao exterior para uma conta do presidente da Câmara dos Deputados.
Henriques foi ouvido pela PF na última sexta-feira (25), após ter sido preso na 19ª fase da Operação Lava Jato, que investiga desvio de recursos de contratos da Petrobras.
Em despacho decretando a prisão preventiva de João Henriques, o juiz Sérgio Moro escreve que o suposto operador do PMDB confirmou pagamento de propina a um agente político, com foro privilegiado, já investigado pela Lava Jato.
Eduardo Cunha foi denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot ao Supremo pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. De acordo com a Procuradoria, o presidente da Câmara recebeu propina de contratos firmados entre a Petrobras e fornecedores da estatal.
Em julho, o ex-consultor da Toyo Setal Júlio Camargo afirmou em depoimento à Justiça Federal do Paraná que foi pressionado por Cunha a pagar US$ 10 milhões em propina para que um contrato de navios-sonda da Petrobras fosse viabilizado. Do total do suborno, contou o delator, Cunha disse que era "merecedor" de US$ 5 milhões.
Além disso, investigadores da Lava Jato informaram que o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, também confirmou em sua delação premiada que o presidente da Câmara recebeu, ao menos, US$ 5 milhões em propinas por contratos de locação dos navios-sonda. Baiano é acusado de ser um dos operadores do PMDB no esquema de corrupção que agia na estatal do petróleo.

Arrombamentos fazem prefeitura fechar armazém da família e moradores protestam por reabertura


Por Felipe Ribeiro e Juliano Cunha
Unidade já está fechada há três semanas (Foto: Juliano Cunha - Banda B)
Unidade já está fechada há três semanas (Foto: Juliano Cunha – Banda B)

Debaixo de chuva, moradores do Umbará, em Curitiba, fizeram um protesto na tarde desta quarta-feira (30) contra as três semanas em que o armazém da família do bairro permanece fechado. De acordo com a Prefeitura de Curitiba, a decisão ocorreu devido ao alto número de arrombamentos ocorridos no local, principalmente os três últimos, que ocorreram todos ao longo do mês de setembro.
Uma das líderes do protesto, Sandra Mara, disse que a reabertura está demorando demais e afirmou que muitas famílias necessitam do estabelecimento em funcionamento. “A gente paga os nossos impostos todos em dia e agora não conseguimos usar o armazém por falta de segurança. Estamos esperando, mas está demorando demais”, disse.
Segundo o diretor do departamento municipal de Abastecimento Social, Marcelo Ademir Zanchi, foram três arrombamentos desde o dia 31 de agosto, o que vem impedindo a reabertura da unidade. “Sempre que um crime desses ocorre, temos um procedimento de manutenção, que leva de quatro a cinco dias, até para se verificar e repor o invesntário. Após o feriado de 7 de Setembro até conseguimos abrir, mas já enfrentamos outros dois crimes no período”, explicou.
Dados do departamento apontam que, dos 32 armazéns da família de Curitiba, 26 já tiveram problemas de roubos ou arrombamentos.
Tentativa de solução
Para se tentar solucionar o problema, Zanchi anunciou que a prefeitura já entrou com procedimentos diferentes de segurança e está trabalhando para reabrir a unidade com urgência. “Para os próximos dias estamos entrando com este novo projeto para todos os armazéns. Serão equipamentos novos e o sistema de monitoramento vai mudar”, garantiu.
Quem necessita do armazém, pode seguir a qualquer outra unidade durante o período, que será atendido.

Por falta de provas e documentos, Cunha arquiva três pedidos de impeachment


Da Agência Brasil
Três dos 13 pedidos de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff que estavam em análise na Câmara dos Deputados foram arquivados, na noite de ontem (29), pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A decisão foi publicada hoje (30) no Diário Oficial da Câmara. Cunha havia antecipado a decisão há dois dias, mas queria ler novamente os documentos.
Cunha disse que, mesmo depois de garantir o prazo para que os autores dos pedidos de impeachment fizessem ajustes, apresentassem documentos ou acrescentassem informações aos documentos, esses requisitos formais para a admissibilidade não foram atendidos.
cunha
Ainda resta a análise de dez pedidos por parte de Cunha (Foto: Divulgação)
Entre os pedidos que foram apresentados entre julho e agosto deste ano, um, de autoria do advogado Marcelo Lino, foi indeferido por falta de provas. Na decisão, Cunha explicou que a admissibilidade da denúncia por crime de responsabilidade considera tanto a análise de aspectos formais quanto questões substanciais, como tipicidade e indícios mínimos de autoria do crime. Lino afirmou, no documento, que por ter ocupado a presidência do Conselho Administrativo da Petrobras e ter sido ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff “não apenas era sabedora do esquema de corrupção e nada fez para estancá-lo, como, também, dele [se] beneficiou para angariar recursos para a sua vitoriosa campanha para a Presidência”.
“Não conheço das imputações relativas a atos supostamente praticados pela denunciada quando ministra”, destacou Cunha. Segundo o deputado, o denunciante não demonstrou “minimamente” a existência de indícios suficientes de autoria e materialidade dos crimes de responsabilidade. “Como advogado, o denunciante pode obter cópias de processos judiciais em qualquer juízo”, concluiu.
O segundo pedido arquivado, apresentado pelo também advogado Geraldo Cancian Lagomarcino Gomes, associava à presidenta condutas que representariam atentado contra a Constituição Federal, contra o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais e contra a segurança interna do país. O advogado acusava ainda Dilma de praticar atos de improbidade administrativa, cometer crimes contra a lei orçamentária do país e de participar de uma campanha “enganosa” à reeleição em 2014.
Mesmo depois de solicitar complementos e garantir prazo de 10 dias para que o advogado complementasse as informações para o pedido ser aceito, Cunha afirmou que faltaram documentos pessoais. “O denunciante não informou o número de sua inscrição como eleitor, de forma que não é possível aferir se ele está, ou não, no gozo de seus direitos políticos”, explicou.
A mesma falta de documentos levou ao arquivamento do pedido feito pelo designer gráfico Paulo Rogério Caciji. “O denunciante não informou o número de sua inscrição como eleitor, conforme dispõe o Artigo 14 da Lei 1.079/1950, não sendo possível aferir se ele está, ou não, no gozo de seus direitos políticos”, disse Cunha.

Setransp diz que nova tarifa técnica não cobre custos e já teme pelo pagamento do 13° salário


Da Redação

O Sindicato das Empresas de Ônibus da Grande Curitiba (Setransp) demonstrou preocupação com a definição da prefeitura fixando a tarifa técnica do transporte coletivo em R$ 3,21. Em nota enviada à imprensa nesta quarta-feira (30), as empresas disseram que o valor mantém a insegurança do sistema, “com constante risco de as empresas operadoras não conseguirem quitar regularmente todos os custos da prestação do serviço”, o que poderia levar até a uma paralisação do sistema.
catracafechada
Foto: Juliano Cunha – Banda B
Segundo o Setransp, há forte receio por parte das empresas de não conseguirem fazer o pagamento regular da folha e do 13º salário. “Infelizmente, o sistema continuará vivendo na iminência de não conseguir pagar a planilha de custo, pois houve reajuste de todos os itens que a compõe, como pneus, peças, lubrificantes, etc. Ontem, por exemplo, a Petrobras elevou em 4% o diesel”, afirma a nota.
A nota diz ainda que, desde já, as empresas tomarão as medidas judiciais cabíveis contra a fixação dessa tarifa técnica.
O anúncio da nova tarifa técnica foi feito na terça-feira (29) pela Urbanização de Curitiba (Urbs). De acordo com a autarquia, foi descontado o valor que seria pago às empresas pela amortização dos cerca de 180 ônibus com vida útil vencida, uma vez que, contrariando o que determina o contrato de operação, eles não foram substituídos.
Por fim, as empresas lamentaram o posicionamento da Prefeitura de Curitiba e da Urbs e definiram a decisão como “demagógica e marqueteira”. “Buscam mostrar-se ao lado da população quando atrelam a tarifa técnica à passagem cobrada na catraca. Ora, as empresas não defendem o aumento da passagem para o usuário. Seria até um contrassenso se fizessem isso, pois recebem por passageiro transportado, quanto mais alta a tarifa, menos pessoas nos ônibus”,  conclui a nota das empresas.

Processo anda e acusação acredita que Carli Filho possa ir a júri popular ainda neste ano


Por Felipe Ribeiro e Luiz Henrique de Oliveira

Após mais de seis anos, o ex-deputado federal Luiz Fernando Ribas Carli Filho pode ir a júri popular ainda em 2015. Pelo menos é o que acredita o Ministério Público do Paraná (MP-PR) e os advogados de acusação do caso, uma vez que cinco testemunhas já foram formalmente indicadas para o processo. Em entrevista à Banda B nesta quarta-feira (30), o assistente de acusação, Elias Mattar Assad, disse acreditar que o júri deve acontecer ou na primeira quinzena de dezembro ou no começo de fevereiro do ano que vem.
carlifilho
Carli Filho pode pegar até 30 anos de prisão (Foto: Reprodução)
“O Ministério Público está mais otimista que eu, mas não podemos passar nenhuma regra, uma vez que qualquer pisada em falso, como dizemos vulgarmente, pode anular o processo”, disse.
A data do júri pode ser marcada pelo juiz Daniel Surdi de Avelar, da 2.ª Vara do Júri de Curitiba, até o final de outubro. A defesa também deve indicar cinco testemunhas ainda nesta semana.
Assad lembrou que a sociedade já espera por uma resposta da justiça há seis anos e disse que o despacho é uma das últimas etapas antes do júri. “Ele foi denunciado no final de 2009. De lá para cá tivemos vários processos, inquéritos, audiências, testemunhas. Tivemos vários anos do Tribunal de Justiça decidindo se ele seria levado para o júri e mesmo assim a defesa recorreu e teve a negativa, sinal que a alegação não teve efeito. A ideia na acusação é que ele pegue uma pena justa por um mal injusto”, disse.
Caso condenado, Carli Filho pode pegar de seis a vinte anos de prisão, podendo ter a pena aumentada a 50% por se tratar de duas vítimas. No total, o tempo de prisão pode chegar a 30 anos.
O caso
Carli Filho é acusado de matar Gilmar Rafael Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida em um acidente de trânsito em maio de 2009, no Mossunguê, em Curitiba. Segundo a acusação, ele dirigia embriagado e a 173 km/hora. Na ocasião, o Detran informou que o ex-deputado tinha 130 pontos na carteira de habilitação por infrações de trânsito.

Ministério da Saúde libera MIMPARA para todos os pacientes renais crônicos

GRANDE VITÓRIA PARA O MOVIMENTO RENAL!!!!!!!! A Secretaria de de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde publicou em Diário Oficial na data de HOJE (30/09) a Portaria nº 48 de 29/09/2015 que torna pública a decisão de incorporação do cloridrato de cinacalcete e paricalcitol para pacientes com hiperparatireoidismo secundário. Depois de tanta luta por mais opções de tratamento vencemos hoje mais uma de nossas batalhas!

Agora com certeza é apenas o prazo para licitação e  preparação dos protocolos para ver que tem indicação clínica para fazer uso da medicação.

Richa não vê problemas em ter recebido doações de empresas após e-mails da Odebrecht


Por Elizangela Jubanski e Djalma Malaquias

beto-1
Beto Richa foi questionado durante coletiva na Alep. Foto: DM/Banda B
O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB) disse, na manhã desta quarta-feira (30), que não vê problemas em ter recebido doações de empresas que foram indicadas pelo empreiteiro Marcelo Odebrecht, preso sob acusação de esquema de corrupção.  A declaração foi dada na Assembléia Legislativa do Paraná durante o anúncio do orçamento do Plano Plurianual. “Fico surpreso com a divulgação desses emails, soube pela imprensa, inclusive. Não faz sentido porque não vejo irregularidade, ilegalidade e imoralidade algumas nessa situação”, declarou.
O nome do governador foi citado em e-mails entre a construtora Odebrecht com outras três empresas: Gerdau, Bunge e Suzano. O conteúdo dos e-mails é sobre o currículo do governador, na época, então, candidato ao Governo do Estado. Não há informações concretas sobre o cunho dos e-mails, no entanto, dias depois a investigação aponta que duas, das empresas citadas, fizeram doações de R$ 250 mil e R$ 80 mil, respectivamente, de acordo com as informações do jornal Gazeta do Povo.
Para o governador, essa prática de analisar o currículo do candidato antes de realizar as doações deveria ser algo comum. “Parece que são e-mails de empresas que ajudaram na minha campanha e que queriam consultar meu currículo, que está disponível para quem quiser ver. Inclusive, é uma boa prática os empresários que querem doar para a campanha de um candidato possam ver o currículo dele. E se o meu foi aprovado por uma pessoa, que é um dos mais respeitados, como é o caso de Jorge Gerdau, me sinto honrado”, descreveu.
Ainda, para finalizar, o governador atribuiu a citação do nome nas investigações da Lava-Jato como algo para prejudicar a gestão. “Me estranha o vazamento disse, é para tentar prejudicar minha imagem”.

Perseguição do Batel até Santa Felicidade termina com quatro presos após batida com viatura; fotos


Por Luiz Henrique de Oliveira e Djalma Malaquias
(Fotos: Djalma Malaquias – Banda B)

Uma abordagem policial na Rua Ângelo Sampaio, no bairro Batel, em Curitiba, terminou no bairro Santa Felicidade após uma perseguição de quase dez quilômetros pelas ruas da capital,na manhã desta quarta-feira (30). Quatro suspeitos foram presos em flagrante em um Etios com alerta de roubo após baterem contra uma viatura do 12° Batalhão da Polícia Militar.
Segundo o capitão Lima, da PM, foi uma ação impecável dos policiais, que não precisaram disparar nenhum tiro na ocorrência. “Eles fizeram tudo corretamente, sem expor ninguém ao risco, e conseguiram a prisão após esse acidente aqui na Via Veneto. Os marginais jogaram o carro contra a viatura e foram presos”, explicou à Banda B.
Ainda de acordo com o capitão, com os suspeitos foram encontradas duas armas de fogo. “Nós não temos dúvidas que eles são envolvidos com a criminalidade. Não respeitaram a voz de abordagem e saíram correndo. Agora o caso vai para a Polícia Civil que descobrirá o que eles pretendiam fazer com a arma”, contou.
Devido ao acidente, o trânsito na Rua Via Veneto com a José de Chagas Lima apresentou lentidão.

Parlamento autoriza envio de tropas e Rússia conduz ataque aéreo na Síria


De acordo com as autoridades russas, Moscou apoia o regime de Bashar al-Assad e se posiciona contra o Estado Islâmico

REDAÇÃO ÉPOCA
30/09/2015 - 11h18 - Atualizado 30/09/2015 11h23
O presidente da Rússia Vladimir Putin pediu ao parlamento para enviar tropas à Síria, com o intuito de combater o Estado Islâmico (EI) (Foto: Alexei Nikolsky/RIA Novosti, Kremlin Pool Photo via AP)
A Rússia realizou o primeiro ataque aéreo na Síria nesta quarta-feira (30),  logo após o parlamento russo aprovar pedido do presidente Vladimir Putin para conduzir tropas ao território do Oriente Médio. O intuito é de combater o Estado Islâmico (EI). De acordo com o G1, o Ministério da Defesa da Rússia afirmou que os alvos são equipamentos militares.
"Os ataques aéreos foram feitos de acordo com as forças sírias e com ajuda do centro de coordenação antiterrorista de Bagdá", afirmou um dos responsáveis pelo Ministério da Defesa russo, Yuri Yakubov. De acordo com o presidente Vladimir Putin, esta é uma medida preventiva para combater o terrorismo e o envolvimento militar russo envolverá, temporariamente, apenas a Força Áerea.

Segundo o chefe de administração da presidência russa, Sergei Ivanov, o presidente Bashar al-Assad se dirigiu oficialmente à Rússia para pedir auxílio militar contra o grupo. "O país será de fato o único que atuará sobre uma base legítima: a pedido do presidente da Síria."
Os ataques começaram nos arredores de Homs, segundo o G1. Moscou já tinha comunicado aos Estados Unidos uma hora antes do ataque sobre suas operações. "Eles nos avisaram que começariam a atacar na Síria", disse uma autoridade norte-americana à Reuters.
Na Síria, a guerra civil dura quatro anos e deixou mais de 250 mil mortos. Apesar do posicionamento contra o Estado Islâmico, a Rússia e os Estados Unidos apoiam vertentes diferentes. O primeiro governo está ao lado do presidente sírio, Bashar al-Assad, enquanto os norte-americanos apoiam grupos rebeldes que são contrários ao dirigente.

Mercadante deve deixar a Casa Civil para assumir o ministério da Educação


Jaques Wagner, da Defesa, é o nome mais cotado para substituí-lo

REDAÇÃO ÉPOCA
30/09/2015 - 10h17 - Atualizado 30/09/2015 10h22
O ministro da Casa Civil, Alozio Mercadante (Foto: Pedro Ladeira/ Folhapress)
Aloizio Mercadante deve sair da Casa Civial mas continuar no governo, disseram três interlocutores da presidente Dilma ao jornal O Globo. De acordo com o jornal, Mercadante deve assumir o ministério da Educação, pasta que já ocupou no passado, antes de assumir a Casa Civil. O nome mais cotado para a Casa Civil é o do atual ministro da Defesa,  Jaques Wagner, que se encontrou com a presidente Dilma no Planalto nesta terça-feira (29). De acordo com a Folha de S. Paulo, a ida de Mercadante para a Educação foi acertada com o ministro na manhã desta quarta-feira (30).

>>

Nos últimos meses, Mercadante acumulou desgastes com políticos do PMDB e com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Dilma era pressionada, inclusive por petistas, para substituí-lo. Ainda segunda a Folha, durante a conversa com Mercadante, Dilma demonstrou irritação por ter de substituí-lo.  Com a saída de Wagner da Defesa, o posto deve ser assumido por Aldo Rebelo, atual ministro da Ciência e Tecnologia, informa a Folha.


Nas movimentações da reforma ministerial, Dima também teve de demitir o ministro da Saúde, Arthur Chioro. A demissão foi feita de maneira fria e por telefone: “Fique quieto, não se mexa. Você sai na quinta”, disse a presidente, segundo a Folha. O ministério da Saúde será uma das principais ofertas da presidente para garantir a fidelidade do PMDB. De acordo com O Globo, o Palácio do Planalto afirma que o telefone foi mera formalidade, porque Chioro já sabia que ia deixar o governo desde a quinta-feira passada, quando foi recebido pela presidente.