Terminal do Guaraituba recebe obras de melhorias


WEBMASTER 8 DE OUTUBRO DE 2015

Os serviços de reforma visam garantir um serviço de qualidade para as pessoas que precisam do serviço de transporte público

A prefeita Beti Pavin visitou o local e ressaltou a importância das obras
A prefeita Beti Pavin visitou o local e ressaltou a importância das obras
O secretário de Obras e Viação, Rubens Cardoso explicou sobre os principais serviços executados no Terminal do Guararituba
O secretário de Obras e Viação, Rubens Cardoso explicou sobre os principais serviços executados no Terminal do Guararituba
Quem usa o terminal diariamente já percebeu que o local está recebendo obras de revitalização
Quem usa o terminal diariamente já percebeu que o local está recebendo obras de revitalização
O terminal do Guaraituba funciona com 13 linhas diárias, das 5h à meia noite, e atende cerca de 40 mil passageiros por dia útil. E para deixar o local mais confortável e seguro, a prefeitura de Colombo por meio da secretaria de Obras e Viação vem desenvolvendo um projeto de revitalização do terminal.
Como o terminal ainda está em obras é necessário à compreensão dos passageiros. A prefeita Beti Pavin visitou o local e ressaltou a importância das obras. “A revitalização foi planejada para atender os passageiros que diariamente precisam desse serviço. Queremos garantir uma estrutura adequada e um serviço de qualidade. Porém, é necessária a colaboração de todos”, afirma.
Quem usa o terminal diariamente já percebeu uma das principais alterações: a adequação dos sanitários. Entre os serviços executados estão o conserto dos azulejos, troca de vasos, troca de portas e restauração da parte elétrica. Nos banheiros femininos os serviços já foram realizados. A limpeza das pastilhas já está com 80% dos serviços executados, além do início da lavagem da cobertura de policarbonato. Também foram retiradas as lixeiras de concreto para melhorar a circulação dos passageiros e os pisos já estão sendo repostos.
Com a execução dos serviços uma das principais solicitações da população devem ser atendidas, como explica o secretário de Obras e Viação, Rubens Cardoso. “Estamos fazendo a lavagem das pastilhas e, nas próximas etapas, a limpeza da cobertura. Assim, pretendemos dar fim as pichações”, afirma.
O terminal do Guaraituba possui 2.637 m² de área coberta e ocupa um terreno de 8.718 m². Conta com 17 plataformas para ônibus, além de uma área de 257 m² para comércio e serviços.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo

Escola Padre Durval Secchi em Colombo promove passeata em prol do meio ambiente


WEBMASTER 8 DE OUTUBRO DE 2015

A ação faz parte das atividades da 1° Ecogincana que está sendo realizada em 15 escolas do município

A intenção das atividades é promover práticas que desenvolvam a conscientização ambiental
A intenção das atividades é promover práticas que desenvolvam a conscientização ambiental
Os alunos desfilaram nas ruas, próximas a escola, com cartazes que abordam temas relacionados ao meio ambiente
Os alunos desfilaram nas ruas, próximas a escola, com cartazes que abordam temas relacionados ao meio ambiente
Na última terça-feira, 6, os alunos da Escola Municipal Padre Durval Secchi, no bairro Guaraituba, realizaram uma passeata para promover a conscientização sobre os cuidados com a preservação do meio ambiente.
A escola está entre as 15 do município que participa ativamente da 1ª Ecogincana. A ação é uma realização da Prefeitura de Colombo, por meio das Secretarias de Meio Ambiente e Educação.
Os alunos do 1° ao 5° ano do ensino fundamental desfilaram caracterizados nas ruas do bairro, próximo à escola, com cartazes que abordam temas, entre eles: a reciclagem, poluição, importância da preservação das florestas, rios e animais. As crianças também apresentaram a mascote que representará a escola no final das atividades da ecogincana.
“Não queremos contribuir apenas com a escola, mas também com a população em geral. Acreditamos que a gincana é uma maneira de incluirmos os pais e familiares. Pois, estamos incentivando as crianças para que divulguem esta mensagem de conscientização,” afirmou o secretário de Meio Ambiente, Evandro Busato.
Segundo a professora da Escola Municipal Padre Durval Secchi, Marilene Guibor de Assis Baldão as crianças já estavam desenvolvendo atividades relacionadas ao meio ambiente dentro do colégio. “Eles ajudaram na limpeza, organização e cultivo de flores no jardim da escola. Eles estão animados com as atividades da ecogincana e o mais importante é que estão transmitindo isso aos pais, que aos poucos, mudam seus hábitos em favor do meio ambiente,” afirmou.
Apresentação da mascote que representará a escola no final das atividades da ecogincana
Apresentação da mascote que representará a escola no final das atividades da ecogincana
A atividade que teve início no dia 08 de setembro envolve mais de seis mil alunos do município e visa promover práticas que desenvolvam a conscientização ambiental, qualidade de vida e a cidadania, além de integrar a comunidade escolar das equipes participantes, por meio de atividades socioambientais e culturais, promovendo a socialização, colaboração e competição saudável em benefício do Meio Ambiente.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: Marcio Fausto/PMC

Colombo contará com unidade móvel de atendimento para emissão de carteira de identidade


WEBMASTER 8 DE OUTUBRO DE 2015

Posto Móvel de Identificação funcionará como um Posto de Atendimento fazendo a coleta da biometria e biografia das pessoas

O Delegado Geral Adjunto, Naylor Gustavo Robert, a Prefeita Beti Pavin, o delegado-geral da Polícia Civil, Júlio Reis o assessor Ronald Carlos de Oliveira e o diretor do Instituto de Identificação, Alcimar de Almeida Garrett
O Delegado Geral Adjunto, Naylor Gustavo Robert, a Prefeita Beti Pavin, o delegado-geral da Polícia Civil, Júlio Reis o assessor Ronald Carlos de Oliveira e o diretor do Instituto de Identificação, Alcimar de Almeida Garrett
 Posto Móvel para atendimento voltado à emissão de Carteiras de Identidade irá percorrer o município
Posto Móvel para atendimento voltado à emissão de Carteiras de Identidade irá percorrer o município
A Prefeita Beti Pavin esteve nesta terça-feira, 06, no Instituto de Identificação do Paraná, reunida com o delegado-geral da Polícia Civil, Júlio Reis, para trazer em breve para Colombo, o Posto Móvel para atendimento voltado à emissão de Carteiras de Identidade. “Esta é mais uma meta de trabalho que temos em parceria com o Governo do Estado que será colocada à disposição da população”, destacou a prefeita.
O Posto Móvel de Identificação funcionará como um Posto de Atendimento, totalmente informatizado, fazendo a coleta da biometria e biografia das pessoas, tendo a vantagem ainda de se deslocar a qualquer localidade onde sejam necessários os serviços de identificação civil.
Em Colombo esta ação está programada para percorrer as escolas do município no decorrer deste ano e também no ano que vem, para dar preferência a confecção da carteira de identidade das crianças. “A unidade móvel tem como objetivo facilitar o atendimento da população, inclusive em locais mais afastados”, destacou o delegado-geral da Polícia Civil, Júlio Reis.
Segundo o diretor do instituto, Alcimar de Almeida Garrett, a população que tem dificuldade de mobilidade, seja porque estão em hospitais ou por possuir alguma doença que impossibilite o deslocamento, receberá o atendimento necessário para a confecção de sua Carteira de Identidade. O objetivo central é que todo cidadão paranaense consiga exercer sua cidadania plena.
Também estavam presentes o delegado geral Adjunto, Naylor Gustavo Robert, o diretor do Instituto de Identificação, Alcimar de Almeida Garrett e o assessor do deputado estadual Luiz Claudio Romanelli, Ronald Carlos de Oliveira.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: João Senechal/PMC

Alunos da rede Estadual participam do projeto Sustentabilidade: da escola ao rio


WEBMASTER 9 DE OUTUBRO DE 2015

As atividades visão disseminar o conceito de sustentabilidade e formar agentes multiplicadores

O programa e o cronograma das atividades foram apresentados aos alunos e professores na última segunda-feira, 5
O programa e o cronograma das atividades foram apresentados aos alunos e professores na última segunda-feira, 5
O Colégio Estadual Luiz Sebastião Baldo, da Vila São José, foi indicado pela Prefeitura de Colombo para participar do Projeto Sustentabilidade: da escola ao rio, desenvolvido pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar). O programa foi apresentado aos alunos e professores na última segunda-feira, 5. O objetivo é desenvolver ações de educação socioambiental em rios urbanos com a intenção de integrar o conceito de sustentabilidade e melhorar a qualidade ambiental.
Segundo o secretário de Meio Ambiente, Evandro Busato o colégio foi selecionado porque já desenvolve várias atividades relacionadas à preservação do meio ambiente. “Os alunos e professores criaram mecanismos para desenvolver a sustentabilidade na escola, isso é gratificante. Pois, a nossa intenção é realmente essa – despertar o interesse para as questões ambientais,” afirmou.
Para solucionar o problema de restos de comida, os estudantes desenvolveram o minhocário e o sistema de compostagem. A reciclagem e segregação correta do lixo também estão entre as ações. “Os alunos fabricam o próprio sabão, – com óleo de cozinha usado, que é utilizado para lavar louça e panos de limpeza da escola. Devido à demanda de óleo recebido da população, a escola se tornou ponto de coleta do material”, explicou Busato.
Além dessas atividades, o colégio também foi escolhido pela localização. “Ele fica próximo à bacia do Rio Palmital, um dos mananciais que abastece o município de Colombo”, destaca o secretário da pasta. A Sanepar vem desenvolvendo um levantamento da situação socioambiental do rio, para elaborar estratégias de preservação e recuperação da área. Durante a ação será realizada a coleta e análise de amostras da água.
Está previsto no cronograma desenvolvido pela Sanepar – atividades com os alunos. Eles farão o reconhecimento da Bacia do Palmital, visita à Estação de Tratamento de Água Miringuava, em São José dos Pinhais, visita à Estação de Tratamento de Esgoto Santa Quitéria, em Curitiba e atividade de mobilização incluindo um seminário de Educação Ambiental, em Pinhais. O encerramento contará com outro seminário que será realizado no Colégio Luiz Sebastião Baldo.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Fotos: João Senechal/PMC

Estão abertas as inscrições para a seletiva de bandas e músicos para a 53º Festa da Uva de Colombo


WEBMASTER 9 DE OUTUBRO DE 2015

O concurso acontece entre os dias 13 e 15 de novembro e selecionará os melhores artistas de variados estilos para se apresentarem na 53ª Festa da Uva de Colombo

A Prefeitura já realizou uma Seleção de Bandas e Músicos que se apresentaram na 52ª Festa realizada em fevereiro neste ano
A Prefeitura já realizou uma Seleção de Bandas e Músicos que se apresentaram na 52ª Festa realizada em fevereiro neste ano
Os preparativos para a 53ª Festa da Uva de Colombo, que acontece entre os dias 28, 29, 30, 31 de Janeiro de 2016, já estão a todo vapor. E as atrações artísticas que prometem agitar o evento serão definidas no 1º Festival de Música de Colombo e na 2ª Seleção e premiação de bandas e músicos para a 53ª Festa da Uva de Colombo.
O concurso acontece entre os dias 13 e 15 de novembro, no Parque Municipal da Uva. A ação será realizada pela Prefeitura de Colombo, por meio da Secretaria Municipal de Esporte, Cultura, Lazer e Juventude em parceria com o departamento de Cultura.
As inscrições para o concurso já estão abertas e vão até o dia 3 de novembro, e selecionará os melhores artistas de variados estilos a se apresentarem na 53ª edição. Para participar, parte do grupo, dupla, solo deverá ser de Colombo. “O nosso objetivo é valorizar ainda mais o cenário musical local, dando visibilidade aos artistas da nossa terra”, comenta o secretário interino da Cultura, José Mauri Henemann. Neste contexto, em 2014, a Prefeitura já realizou uma Seleção de Bandas e Músicos que se apresentaram na 52ª Festa realizada em fevereiro neste ano.
As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no departamento de Cultura ou na Biblioteca da Sucursal do Maracanã. Lembrando que a relação das categorias que se apresentarão em cada dia estará disponível no site www.colombo.pr.gov.br e no departamento de Cultura, a partir de 05 de novembro.
Além dos objetivos de incentivar o talento musical; revelar talentos no município; valorizar os músicos colombenses; os compositores, arranjistas e intérpretes. “Poderão participar somente os conjuntos que tenham entre seus componentes 50% dos integrantes que residam no município”, destaca a diretora do departamento de Cultura, Rita Straioto.
Os artistas participarão somente em uma das quatro categorias que são: Música Sertaneja, Música Popular Brasileira (MPB), Música Gospel e Pop Rock. A seleção e o julgamento acontecerão entre os dias 13 e 15 de novembro e serão avaliados e classificados por uma comissão julgadora composta por especialistas da área nos seguintes quesitos: harmonia, melodia, ritmo, arranjos, execução e interpretação.
Sobre a premiação
Após a análise serão premiados com troféus, apresentação na 53ª Festa da Uva e cachê, os três primeiros lugares das quatro categorias (Música Sertaneja, Música Popular Brasileira (MPB), Música Gospel e Pop Rock). Já os classificados em 4º e 5º lugares ganharão troféu, participarão da 53ª edição e também receberão cachê.
As bandas, grupos, trios, duos ou solo poderão participar somente em uma das 4 categorias abaixo:Categoria I – Música Sertaneja de Raiz Categoria II – Musica Popular Brasileira –MPB Categoria III – Musica Sacra/GospelCategoria IV – Pop – Rock/ instrumental
O Regulamento e a Ficha de Inscrição estarão disponíveis no site: http://www.colombo.pr.gov.br e outras informações poderão ser obtidas no telefone (41) 3656-6423/3656-8041 ou e-mail cultura.colombo@yahoo.com.br.
Serviço:
1º Festival de Música de Colombo e na 2ª Seleção e premiação de bandas e músicos para a 53ª Festa da Uva de Colombo
Inscrições:
Biblioteca Pública Municipal Rui Barbosa
Endereço: Rua Zacarias de Paula Xavier, 470 – Centro
Contato: 41-3656.1400
Biblioteca Sucursal do Maracanã
Endereço: Rua Dorval Ceccon, 664 – Jardim Fátima
Contato: 41-3666.3464
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: Marcio Fausto/Arquivo PMC

Propina em casos investigados pela Lava Jato chega a R$10 bilhões


Só na Petrobras, o valor chega a R$6,2 bilhões

REDAÇÃO ÉPOCA
09/10/2015 - 18h04 - Atualizado 09/10/2015 18h04
O procurador do MPF Deltan Dallagnol  (Foto: Agência Brasil)
O valor da propina paga nos esquemas de corrupção na Petrobras e em outras estatais, investigados pela Operação Lava Jato, gira em torno de R$10 milhões. O valor pode ser maior – de até R$20 milhões se forem incluídos nessa conta os desvios de recursos feitos em contratos com fornecedores e negócios superfaturados.  Só na Petrobras, a cifra chega a R$6,2 bilhões.



As estimativas, segundo o jornal O Globo, são de Deltan Dallagnol, procurador do Ministério Público Federal (MPF). “Essa é uma estimativa”, disse Dallagnol. Nesta sexta-feira (9), ele participou da 5ª Conferência Regional da International Associations of Prosecutors (IAP) para a América Latina.Na opinião dele , a Operação Lava-Jato não muda a forma como se combate corrupção no Brasil, mas cria condições melhores para coibir desvios de verbas públicas. “A Lava-Jato combate um tumor, mas o sistema é cancerígeno. Não temos uma defesa jurídica contra a corrupção no Brasil. Vivemos uma janela de oportunidade e, se não aproveitarmos esse momento para mudarmos nossa realidade, não sabemos quando teremos outra oportunidade como essa”.

Prestes a dar um calote bilionário, Sete Brasil esbanja em benefícios

quebrada Navio-sonda  da Sete Brasil.  A corrupção  na empresa começou antes da produção (Foto: Reprodução)
TEMPO

A empresa que fornece sondas à Petrobras gasta US$ 50 milhões em reembolsos como academia e escola para seus fornecedores

SAMANTHA LIMA
09/10/2015 - 22h04 - Atualizado 09/10/2015 22h05
Os funcionários mais graduados da empresa norueguesa Odfjell Drilling, no Rio de Janeiro, compartilham com milhares de pessoas as preocupações com a derrocada da indústria de petróleono Brasil. Mas o pessoal da Odfjell pode relaxar a tensão da incerteza exercitando-se em uma sofisticada rede de academias, que cobra mensalidades de R$ 500. Os filhos dos funcionários estrangeiros da Odfjell estudam em escolas cujas mensalidades chegam a R$ 4 mil, mais uma taxa de matrícula de R$ 14 mil. O custo não sai de seus bolsos, nem do caixa da Odjfell. Quem paga a conta é a Sete Brasil, a empresa criada para fornecer à Petrobrassondas capazes de chegar ao petróleo alojado na camada pré-sal, mas que vive nas profundezas da falência.

Os benefícios à Odfjell estão garantidos por uma cláusula inserida em um contrato de 2012, no qual a norueguesa se comprometia a gerenciar a construção das sondas. Assim, só no ano passado, a Sete Brasil gastou US$ 8,3 milhões em reembolsos de gastos desse tipo da Odfjell, inclusive R$ 525 mil pela reforma de uma sala da sede da empresa, em Botafogo, Zona Sul do Rio.  A Sete Brasil é generosa – paga a mais e não exige detalhes. Em dois anos, reembolsou US$ 12 milhões em gastos feitos pela Odebrecht Óleo e Gás. A Odebrecht nem detalhou 75% das despesas – alegou direito a sigilo. Outras duas fornecedoras – a Atlas, que tem a empreiteira OAS como uma das sócias, e a norueguesa Seadrill – tiveram o mesmo privilégio. O operador ainda recebe 15% acima do valor da fatura apresentada.

Ninguém prestava atenção em contratos assim, pixulecos em uma indústria que movimenta cifras de dezenas de bilhões de dólares, até que começou a faltar dinheiro. A Sete Brasil corre orisco de quebrar e causar perdas de R$ 9 bilhões a seus sócios e deR$ 16 bilhões a seus credores. No mês passado, a Sete Brasil demitiu 25 de seus 110 funcionários. Na penúria, uma auditoria nos gastos descobriu que a alquebrada desembolsou cerca de US$ 50 milhões, desde 2013, a título de despesa de pessoal de suas fornecedoras, empresas encarregadas de operar sondas que ainda nem saíram do estaleiro. Procurada, a Odfjell confirmou os reembolsos e alegou que eram previstos em contratos. Odebrecht, OAS e Seadrill não responderam aos pedidos de esclarecimento. Em nota, a Sete Brasil afirmou que o contrato “com os operadores foi formulado e aprovado pela administração anterior” e que “o plano de reestruturação da Sete Brasil não prevê esse tipo de contrato no modelo de negócios da companhia”.

Criada em 2011, a Sete Brasil é um produto do tipo particular de capitalismo praticado no Brasil. Na empolgação da descoberta do pré-sal, o governo Lula decidiu que, em vez de comprar no mercado internacional, criaria uma empresa brasileira para fornecer sondas à Petrobras. Foi formada uma sociedade entre aestatal Petrobras, fundos de pensão de estatais, como Previ, Petros e Funcef, e bancos – BTG, Bradesco e Santander. O plano era construir 29 sondas. Mas a Sete Brasil já nasceu com o sistema do petrolão instalado. A corrupção começou antes mesmo da produção. O presidente João Carlos Ferraz e os diretores Pedro Barusco e Eduardo Musa foram indicados aos cargos pela Petrobras. Nos últimos 11 meses, o trio se converteu em delatores da Lava Jato. Barusco, ligado ao diretor preso Renato Duque, disse que recolhia propina de 1% nos contratos firmados pela Sete Brasil com estaleiros contratados para construir as sondas. A denúncia fez o BNDES recuar de um financiamento de US$ 10 bilhões, desencadeando a crise que levou a companhia a dar calote em bancos e estaleiros.


A esperança da Sete Brasil é arrancar da também combalida Petrobras um contrato de fornecimento de sondas para evitar que os credores peçam sua falência. Por várias vezes os credores aceitaram prorrogar prazos de pagamento, para evitar o prejuízo. O próximo prazo dado pelos bancos se esgota em 19 de outubro. Porém, dentro da Petrobras, há má vontade contra a Sete Brasil. Com a queda no preço do barril de petróleo, o valor inicialmente previsto para aluguel das sondas, de US$ 400 mil diários, está acima do mercado internacional. O risco de colocar a assinatura em um projeto investigado pela Lava Jato leva os técnicos da estatal a se apegar a filigranas que fazem as minutas do contrato ir e voltar quase indefinidamente. A última tentativa, no mês passado, em uma reunião com mais de 50 pessoas e a presença do presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, acabou derrubada. Os sócios querem que a Sete Brasil opere 14 sondas com parceiros e que os contratos sejam estendidos de 15 para 20 anos. A Petrobras quer a Sete Brasil operando apenas cinco sondas, ao lado de outros dois operadores, e por 15 anos. Sem acordo, acaba o sonho da grande Sete Brasil – e mimos como musculação e escola de graça para parceiros. 

Negócio da Petrobras na África irrigou contas de Cunha e de sua mulher, diz Suíça

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) - 26-06-2015
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) - 26-06-2015(Yasuyoshi Chiba/AFP)
Documentos enviados pelo Ministério Público suíço à Procuradoria-Geral da República (PGR) no Brasil indicam que um negócio de 34,5 milhões de dólares fechado em 2011 pela Petrobras, em Benin (África), serviu para irrigar quatro contas na Suíça cujos beneficiários são o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e sua mulher, Cláudia Cordeiro Cruz.

Os documentos enviados pelas autoridades suíças à PGR indicam que as quatro contas receberam, nos últimos anos, repasses de 4,8 milhões de dólares e 1,3 milhão de francos suíços, que somados equivalem a 23,2 milhões de reais.
O "giro do dinheiro", como classificam os investigadores o caminho para chegar até o parlamentar, supera o valor bloqueado pelas autoridades suíças em 17 de abril, no total de 2,468 milhões de francos suíços. Convertido em reais pelo câmbio atual, o montante corresponde a 9,638 milhões. Cunha tem negado reiteradas vezes a existência de contas no exterior em seu nome. Procurado nesta sexta-feira, 9, não se manifestou a respeito das investigações.
O caminho do dinheiro, segundo os investigadores suíços, começa no pagamento da Petrobras à petroleira africana Companie Beninoise des Hydrocarbures Sarl (CBH), que celebrou em Benin a venda de 50% de um bloco de petróleo à estatal brasileira. A conta da empresa tem como titular o brasileiro Idalécio de Oliveira, que repassou 31 milhões de dólares à Lusitânia Petroleum Ltd, controladora da CBH, que permaneceu com a outra metade do bloco. De acordo com as investigações, a conta da Lusitânia está em nome de Idalécio. Por meio desta conta foram destinados 10 milhões de dólares, em maio de 2011, ao empresário João Henriques.
Conforme o jornal O Estado de S.Paulo, Henriques, apontado como lobista do PMDB no esquema de corrupção na Diretoria Internacional da Petrobras, disse em depoimento à força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, que fez uma transferência bancária a um político no âmbito de um contrato da estatal para aquisição do campo de exploração em Benin.
O material suíço enviado à Procuradoria-Geral da República confirma cinco repasses feitos por Henriques para uma das contas em nome de uma das três offshores que têm Cunha como beneficiário. No total, esses depósitos somam 1,3 milhão de francos suíços. Cunha abriu três contas em nome das offshores Orion SP, Netherton Investments Ltd e Triumph SP, todas no banco suíço Julius Baer. A primeira recebeu o dinheiro do operador do PMDB, no mês seguinte ao negócio na África, e alimentou as outras duas.
Um dos documentos usados pelo parlamentar para conseguir registrar as contas é o seu passaporte diplomático. Os registros mostram ainda endereço de Cunha na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.
Além dos repasses de Henriques, as contas das offshores de Cunha receberam valores de chamadas "contas de custódia", sediadas, por exemplo, no Merrill Lynch International. A suspeita de investigadores é que estas sejam meras "contas de passagem", utilizadas por exemplo para operadores viabilizarem a chegada do dinheiro ao destinatário final. Desde quarta-feira, 7, a PGR recebeu os documentos e iniciou a investigação para chegar aos dados que não foram apurados pela Suíça.
Os documentos, entre os quais extratos bancários, foram encaminhados em alemão ao Brasil e as comunicações diplomáticas do Ministério Público suíço, em francês. Investigadores brasileiros calculam em ao menos 15 dias o tempo para fechar a primeira etapa da análise das contas do parlamentar e decidir pela abertura de um inquérito perante o Supremo Tribunal Federal ou oferecimento direto de uma denúncia à Corte.
As autoridades suíças conseguiram bloquear apenas duas das quatro contas ligadas ao parlamentar. Isso porque o deputado encerrou as outras duas em abril e em maio do ano passado, após o início das investigações da Operação Lava Jato. Nos registro da Netherton Investments, que tem sede em Cingapura, a Suíça congelou 2,322 milhões de francos suíços. A conta é considerada a principal pelos investigadores.
Já a quarta conta ligada ao peemedebista, que também teve saldo bloqueado, tem a mulher de Cunha como titular e recebeu o nome fantasia de Kopek. O saldo em conta bloqueado neste caso foi de 146,375 mil francos suíços.
As quatro contas foram abertas entre maio de 2007 e setembro de 2008. Anos antes, portanto, do recebimento dos valores oriundos do negócio da África. Investigadores brasileiros apuram a partir de agora como os negócios foram irrigados antes de 2011 e a existência de possíveis outras contas ligadas ao deputado.
(Com Estadão Conteúdo)

MP pede mais de 30 anos de prisão para ex-deputado Luiz Argôlo

Ex deputado Luiz Argolo e Ricardo Hoffman deixam a sede da polícia federal em Curitiba (Pr) para depor na justiça federal na tarde desta quarta-feira (24)
O ex-deputado Luiz Argolo: helicóptero de presente(Vagner Rosário/VEJA)
O Ministério Público Federal apresentou ao juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba, as últimas alegações antes da sentença judicial e defendeu que o ex-deputado federal Luiz Argôlo seja penalizado a mais de 30 anos de prisão por 76 atos de peculato, dez de corrupção e dez de lavagem de dinheiro. Segundo a acusação, o ex-parlamentar do Partido Progressista (PP) era um dos políticos mais próximos do doleiro Alberto Youssef ele foi beneficiado no esquema do petrolão tanto por ter sido filiado ao PP, partido que se beneficiou em larga escala do propinoduto, quanto por uma decisão pessoal do doleiro, que admitiu ter "interesse pessoal" na carreira política do ex-parlamentar.
Conforme o MP, Argôlo recebia propina e presentes específicos, como móveis, cadeiras de rodas e até um helicóptero. Para o procurador Paulo Roberto Galvão, Argôlo pode ser classificado "quase como sócio" de Alberto Youssef em negócios ilícitos. A proximidade dos dois era tanta que os investigadores conseguiram mapear 78 visitas de Argôlo aos escritórios de Youssef em viagens cujas passagens aéreas acabaram custeadas pela Câmara dos Deputados. Foram pelo menos 40 visitas (93 trechos aéreos) entre 2011 e 2014 pagas pela Câmara ao custo aproximado de 55.000 reais.
Na manifestação final contra Argôlo antes da sentença, o MP alega que o ex-deputado sabia da origem criminosa dos recursos que recebia do doleiro e que colocava o mandato parlamentar na Câmara a serviço dos interesses de Youssef. "Cuida-se de crimes praticados com o intuito de impedir que fosse traçado qualquer tipo de conexão entre o então deputado federal e um lavador de dinheiro profissional, de modo que Luiz Argôlo pudesse usufruir dos valores sem maiores preocupações", disse o Ministério Público. Ao "trabalhar" para Youssef, Argôlo intercedeu, em nome do doleiro, junto ao Banco do Nordeste para a liberação de uma linha de crédito para a empresa de fachada GFD Investimentos.
Durante a apresentação de sua defesa, Luiz Argôlo chegou a afirmar que achava que Youssef era um "vendedor de joias" ou um "empresário do estado da Bahia" e justificou parte dos recursos recebidos do doleiro alegando ter vendido a ele um terreno em Camaçari (BA).

Vídeo indica que PMs alteraram local após chacina em Carapicuíba


Vítimas aparecem em posições diferentes das registradas pela perícia.
Crime teria sido motivado por vingança.

Do G1 São Paulo
Um vídeo de um morador indica que policiais militares alteraram a posição dos corpos de quatro vítimas de uma chacina em Carapicuíba, na Grande São Paulo. O crime ocorreu em 19 de setembro e deixou quatro jovens, com idades entre 16 e 18 anos, mortos em frente à pizzaria onde trabalhavam como entregadores.(veja vídeo)
saiba mais

Segundo as investigações, o crime foi motivado por vingança: os jovens teriam roubado a bolsa da mulher do soldado da PM Douglas Gomes Medeiros. O policial foi preso cinco dias depois. As famílias das vítimas negam que os jovens fossem criminosos.
As imagens feitas com um celular por um morador mostram os corpos caídos. Um deles tem as mãos na nuca. Pouco depois da gravação, uma equipe da Força Tática foi até lá. Depois de os PMs entrarem, as vítimas mudaram de posição. O jovem que na gravação do morador está com as mãos na cabeça aparece, nas imagens da Polícia Técnico-Científica, com os braços abertos.
Os três PMs que estavam no carro da Força Tática foram presos na quinta-feira (8). O sargento Aquiles Rodolfo de Oliveira e os soldados Cristiano Gonçalves Machado e Luis Fernando De Andrade foram levados para a Corregedoria da corporação. O G1 não localizou a defesa dos PMs para comentar as prisões.
Durante o depoimento, o sargento disse que, quando chegaram à cena do crime, as vítimas estavam nas mesmas posições registradas pelas fotografias da perícia. Depois de ver o vídeo feito pelo morador, que mostra a posição dos braços de uma das vítimas de forma diferente, o PM afirmou que "ao chegar, não conseguiu visualizar com detalhes a posição dos corpos, pois estava muito escuro” e que “não chegou perto das vítimas".
  •  
Imagem mostra que um dos adolecentes estava rendido durante chacina em Carapicuíba (Foto: TV Globo/Reprodução)Imagem mostra que um dos adolecentes estava rendido durante chacina em Carapicuíba (Foto: TV Globo/Reprodução)
Uma câmera de segurança do comércio vizinho mostra que o carro entra na rua da pizzaria à 00:28 e outra câmera registra o momento em que o carro para, no meio da rua com os faróis acesos. É possível ver um clarão dos tiros. Vinte segundos depois, os criminosos vão embora.
Crime
Segundo uma testemunha que estava junto com os jovens e conseguiu fugir, um carro com quatro homens parou no local e começou uma discussão entre eles. Uma das pessoas do carro teria sacado uma arma e efetuado os disparos.
Quando a polícia chegou no local, as vítimas estavam de bruços. Os tiros foram efetuados principalmente na cabeça. Nenhum dos jovens tinha passagem pela polícia.
Segundo a Polícia Militar, eles conversavam à 0h20 deste sábado quando foram atacados por pessoas dentro de um carro cinza. Os quatro morreram no local.
Familiares e amigos acompanham o enterro dos adolescentes Douglas Bastos Vieira, 16 anos; Mateus Moraes dos Santos, 16 anos; José Carlos do Nascimento, 18 anos; e Carlos Eduardo Montilha de Souza, 18 anos, no Cemitério Municipal de Carapicuíba, na Grande  (Foto: Marco Ambrosio/Estadão Conteúdo)Familiares e amigos acompanham o enterro dos adolescentes Douglas Bastos Vieira, 16 anos; Mateus Moraes dos Santos, 16 anos; José Carlos do Nascimento, 18 anos; e Carlos Eduardo Montilha de Souza, 18 anos, no Cemitério Municipal de Carapicuíba, na Grande (Foto: Marco Ambrosio/Estadão Conteúdo)

Vendedora morre ao fazer cirurgia plástica em Goiânia, diz família


Segundo irmã, houve complicações na operação e não tinha UTI no local.
Valéria colocou silicone, fez lipoescultura e abdominoplastia em clínica.

Vitor SantanaDo G1 GO
A família da vendedora Valéria Souza da Silva, de 35 anos, denuncia que a mulher morreu ao fazer uma cirurgia plástica na quinta-feira (9), em Goiânia. De acordo com os parentes, ela teve complicações operatórias e não tinha UTI na clínica onde foi realizado o procedimento. A irmã da vítima, a também vendedora Érica Souza da Silva, conta que o médico mentiu e disse que o local tinha toda estrutura necessária para fazer a operação.(veja vídeo)
Valéria foi até a Clínica para colocar silicone nos seios, fazer uma lipoescultura e também abdominoplastia. “Antes de fechar o contrato, minha irmã perguntou se a clínica tinha UTI, porque ela não queria que desse nada errado, tinha medo de morrer e deixar os três filhos. O médico garantiu que tinha”, disse Érica.
saiba mais

Segundo a irmã da vítima, o médico disse que Valéria teve uma queda de pressão e uma complicação e que ela tinha sido transferida para outra clínica com UTI. “Quando perguntamos se faltava UTI, ele disse que não, mas que a de lá não tinha todos os equipamentos necessários para reverter o quadro dela”, contou.
Érica informou ainda que, ao conversar com os médicos da clinica para onde Valéria foi transferida, eles disseram que a paciente já chegou sem sinais vitais.
A família registrou o caso no 5º Distrito Policial, mas os agentes informaram que o caso será investigado pelo 8º DP de Goiânia.
A Clínica Performance explicou que possui os equipamentos de UTI, mas que o quadro clínico da paciente se agravou por causas desconhecidas e inesperadas. Com isso, a equipe médica decidiu transferir a mulher para um hospital com mais recursos para tentar reverter o quadro clínico dela.
Vendedora Valéria Souza da Silva morreu ao fazer cirurgia plástica em Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Vendedora Valéria Souza da Silva morreu ao fazer cirurgia plástica (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)