Vereador morre durante final de torneio de futebol no Maranhão


João Evangelista (PMDB), 54 anos, estava no terceiro mandato. 
Ele participava tranquilamente de jogo quando, de repente, caiu.

Do G1 MA
Presidente da Câmara Municipal de São João dos Patos, vereador João Evangelista (PMDB),  54 anos (Foto: Site da Câmara de São João Batista)Vereador João Evangelista (PMDB), 54 anos (Foto: Site da Câmara de São João Batista)
O presidente da Câmara Municipal de São João dos Patos, João Evangelista de Carvalho (PMDB),  54 anos, morreu, no início da noite deste sábado (10), após sofrer um infarto durante partida da final de torneio de futebol com amigos no clube dos motoqueiros na cidade do interior do Maranhão.

Ao G1, uma testemunha que estava no local, mas preferiu não se identificar, informou que João Evangelista participava normalmente da partida de futebol quando, de repente, caiu. O vereador recebeu os primeiros socorros ainda no local e foi levado para Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município, que faz divisa com o Piauí.

No começo do mês passado, o irmão  do vereador,Turíbio Neto de Sousa, sofreu infarto e, também, faleceu. João Evangelista estava no 3º mandato.A família aguarda a chegada de um dos filhos que vem de São Paulo (SP). Evangelista será velado em sua residência, na Avenida Presidente Medice. O corpo será enterrado neste domingo (11).

Mãe é presa suspeita de obrigar filha a fazer sexo para pagar por moradia


Mulher prestou depoimento em Tatuí e foi liberada após pagar fiança.
Menina, de 12 anos, afirmou que abusos aconteciam desde julho.

Do G1 Itapetininga e Região
Uma mulher de 47 anos foi presa na sexta-feira (9) suspeita de obrigar a própria filha, de 12 anos, a se prostituir em Tatuí (SP). Segundo o Conselho Tutelar da cidade, a mãe, que é prostituta, obrigou a menina a fazer sexo vaginal, oral e anal com três homens, sendo um deles um idoso de 71 anos com quem elas moravam.  Após ser presa, a mulher pagou fiança de R$ 5 mil. Ela foi detida por abandono de incapaz e abandono intelectual, já que tirou a menina da escola, e também pode responder pelos estupros.(assista aqui)
Casa do idoso que abrigava mulher e filha é suja, diz órgão (Foto: Divulgação/ Conselho Tutelar Tatuí)Casa do idoso que abrigava mulher e filha é suja,
diz órgão (Foto: Divulgação/ Conselho Tutelar Tatuí)
A menina disse ao Conselho Tutelar que os abusos aconteceram em datas diferentes nos últimos três meses, desde julho, quando ela e a mãe começaram a viver com o idoso, no Bairro Novo Horizonte. “Como a casa era do idoso, talvez tanto a mãe como a filha foram obrigadas a fazer sexo para ficar lá”, afirma o presidente do Conselho Tutelar, Luiz dos Santos Netto.
Outro homem, de 46 anos, suspeito de manter relações sexuais com a menina, vive no mesmo bairro. Ele e o idoso prestaram depoimento, negaram a versão da menina e foram liberados. O terceiro suspeito de estupro, de 37 anos, já está preso por outro crime cometido e ainda não falou sobre o caso.
A mãe da garota foi liberada após pagar fiança. “Ela, como protetora da criança, permitiu que ficasse exposta aos abusos sexuais, então também é responsável pelas suspeitas de estupro. Acho que para evitar que a filha contasse o que estava acontecendo, também tirou a menina da escola e a deixava dentro da casa todos os dias”, diz o conselheiro tutelar.
Caso foi registrado na Polícia Civil do município (Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)Caso foi registrado na Polícia Civil do município
(Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)
‘Só pedia por banho’
De acordo com a conselheira Fabiana Cristina Campos, a menina contou que estava há cinco dias sem tomar banho, sem alimentação adequada e estava cheia de piolhos. “A casa era muito suja”, afirma.
O presidente do Conselho, Santos Netto, ressalta ainda que a menina tinha a aparência debilitada e só pedia por um banho durante a conversa. "A cada momento ela parava para perguntar se podia tomar um banho. Além da infestação de piolhos, as unhas estavam compridas e sujas. Me parece que há uma falta de estrutura familiar desde a juventude dessa mãe, já que ela expõe a própria filha a tais riscos”, afirma.
saiba mais

O Conselho Tutelar recebeu a denúncia do caso na sexta-feira quando trabalhava com outra família, com problemas de moradias, no Bairro Novo Horizonte. A conselheira tutelar Fabiana e equipes da Guarda Civil Municipal foram ao local e conversaram com a menina. “De início ela estava muito nervosa, a mãe atendeu nossa equipe junto. Pedi que a mulher se retirasse e junto com uma guarda continuamos perguntando até que a menina contou a versão dela”, explica Fabiana.
Depois do registro, A garota foi encaminhada ao abrigo municipal de crianças. Não há informações se os estupros começaram há três meses ou se ela já era abusada antes disso. Ela passará por exame de delito no Instituto Médico Legal (IML) de Itapetininga (SP) na próxima terça-feira (13) e o laudo será somado ao inquérito.
  •  
Bairro onde mãe e filha moravam com o idoso de 71 anos (Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)Bairro Novo Horizonte, onde mãe e filha moravam com o idoso (Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)

Sequestro termina na morte de vítima e um dos suspeitos, em Goiás


Eles seguiam em carro pela GO-409, mas condutor perdeu controle e capotou.
Menor, também suspeito no crime, ficou ferido e foi apreendido pela PM.

Do G1 GO
Um sequestro terminou na morte de duas pessoas na GO-409, nas proximidades de Tuverlândia, no sudoeste de Goiás, na tarde deste sábado (10). De acordo com a Polícia Militar, a vítima, Geraldo Magela de Melo, de 50 anos, foi capturado em Santa Helena de Goiás, mas os sequestradores o levavam até a cidade para sacar dinheiro em um caixa eletrônico. Porém, o veículo em que estavam capotou e ele e um suspeito morreram.(veja vídeo)

Segundo a PM, Geraldo foi feito refém por um jovem de 20 e um menor, de 17. "Familiares tinham nos informado de que ele tinha sido sequestrado e estava nas proximidades de um rio em Santa Helena, sendo espancado. Nós estivemos na área indicada duas vezes, mas ele não foi localizado", contou o sargento Elismar Vieira Machado.
Geraldo Magela de Melo, 50, morreu em acidente após ser sequestrado, em Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Geraldo morreu em acidente após ser sequestrado,
em Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Com medo de serem reconhecidos na cidade, os suspeitos levaram a vítima até Turvelândia, onde pretendiam sacar R$ 500 que Geraldo tinha na conta. No entanto, como não acharam banco no município, decidiram seguir para Acreúna, que fica na mesma região. No trajeto, sofreram o acidente.
Com o impacto, Geraldo foi arremessado para fora do carro e  morreu na hora. Já o rapaz de 20 anos chegou a ser socorrido e levado a um hospital, mas também não resistiu. O menor sofreu ferimentos leves e, após receber atendimento médico, foi apreendido.
Segundo a PM, a dupla usou uma pistola falsa para render o homem e depois passou a usar uma faca para intimidá-lo. No entanto, nenhum dos equipamentos foi encontrado após o acidente. A suspeita é que a os rapazes conheciam Geraldo.

‘Você me ajudou, agora é minha hora de te ajudar’: alunos criam campanha por professora com câncer


Da BBC Brasil
berta
Ex-aluna de Berta, Gabriela fez campanhas nas redes sociais para arrecadar fundos. (Foto: Arquivo pessoal)
professora carioca Berta López Toste, de 45 anos, tem no currículo mais de duas décadas de magistério e apenas uma prova ainda não concluída: vencer a batalha contra um câncer.
Ela sofre de um tipo raro da doença ─ o condrossarcoma grau 2 ─ originado na região pélvica e que acabou se espalhando para os pulmões. Suas chances de cura são baixas ─ o câncer resiste mesmo após sessões excruciantes de quimioterapia e radioterapia.
Berta, contudo, não esmoreceu. Após pesquisar extensamente na internet, descobriu um tratamento experimental em um hospital de ponta nos Estados Unidos e viu ali a esperança de sobrevida.
Mas a eventual reabilitação tinha um preço: pelo menos R$ 500 mil, segundo suas estimativas iniciais. Pensou em vender tudo o que tinha, inclusive o apartamento ainda não quitado. “Mesmo assim, seria impossível pagar tudo”, conta ela à BBC Brasil.
Foi quando seu marido, Alexandre, teve a ideia de contar sua história nas redes sociais. O intuito era arrecadar dinheiro para financiar seu tratamento. “Ele dizia que as pessoas iriam se comover com o meu caso, que eu havia dado aula para muita gente, e certamente receberia ajuda”.
Inicialmente, Berta relutou. “Nunca havia pedido a ninguém, ainda mais dinheiro”, afirma. Mas acabou convencida de que o tempo não estava correndo a seu favor.
E numa inversão dos papeis tradicionais dentro de sala de aula, a professora Berta, que leciona desenho geométrico, passou a ser ajudada por seus alunos ─ e também ex-alunos.
O esforço conjunto rendeu frutos e a campanha, que antes se restringia a amigos e conhecidos, viralizou nas redes sociais, catapultando o volume das doações. Celebridades do esporte, como o jogador Fred, do Fluminense, e Fabi, ex-jogadora da seleção brasileira de vôlei, também aderiram à causa.
Até agora, o post em que Berta conta sua história em sua página pessoal no Facebook, publicado em junho deste ano, obteve cerca de 22 mil compartilhamentos. Já a campanha arrecadou R$ 320 mil, ou 64% da meta prevista. Caso a marca seja ultrapassada, o dinheiro excedente será doado a instituições de caridade, ressalva a professora.
“Postei meu pedido de ajuda em 5 de junho deste ano. A cada minuto, multiplicavam-se os compartilhamentos. Fiquei muito assustada. Imaginava que meus alunos me ajudariam, mas nunca me passou pela cabeça tamanha repercussão”, diz.
“Foi uma avalanche, um tsunami de energia. Recebi mensagens de alunos muito antigos, de quem já havia perdido contato. Eles diziam: ‘Você me ajudou, agora é minha hora de te ajudar’. Aquilo me emocionou tanto que era algo “, acrescenta.
A estudante Gabriela Dias, de 19 anos, foi uma das responsáveis pela corrente de solidariedade que se formou em torno de Berta, professora de três dos mais renomados colégios do Rio de Janeiro (CAp UERJ, Pedro II e Santo Agostinho).
“Eu e meus amigos da escola usamos todos os recursos disponíveis para aumentar a amplitude dessa campanha. Criamos uma página específica para contar o caso dela no Facebook (https://www.facebook.com/groups/ajudeberta/). Também fizemos uma festa junina no colégio com os fundos revertidos para o tratamento dela”, disse ela à BBC Brasil.
Segundo Gabriela, que foi aluna de Berta no Pedro II, a iniciativa foi uma forma de “retribuir à professora o carinho que ela sempre teve por nós”.
“A ajuda financeira é só parte desse carinho. Berta nos tratava como filhos. Quando soubemos que ela estava atravessando essa fase difícil, ficamos apreensivos e decidimos fazer todo o possível para ajudá-la”.
Gabriela alerta, no entanto, para a necessidade da continuidade da campanha.
“Inicialmente, o volume de doações foi impressionante, mas agora o ritmo caiu e o valor estacionou. Precisamos atingir a meta e ajudá-la”, diz ela.
Esperança
No início de agosto, Berta viajou aos Estados Unidos para fazer a primeira consulta no hospital Moffitt Cancer Center, no Estado americano da Flórida.
Após uma bateria de exames, contudo, recebeu com surpresa o diagnóstico.
“Eles reavaliaram meu diagnóstico, e existe dúvida se ele é tão grave quanto o que me foi dito aqui no Brasil. Mas pediram para eu fazer uma biopsia nos pulmões. Na hora, chorei muito e passou uma filme da minha vida na minha cabeça”, diz ela.
Enquanto aguarda os novos resultados, Berta diz querer “viver o presente”.
“Agora, não me preocupa quem está certo ou errado. Sempre tive esperança. Minha meta agora é recuperar a minha saúde”.

Brasil fica entre piores em ranking de tratamentos paliativos a pacientes terminais


Da BBC Brasil
pacientes-terminais
(Foto: Thinkstock)
O Brasil ficou na antepenúltima posição em um ranking de 40 países que avaliou tratamentos paliativos para pacientes em estado terminal.
O estudo, feito pela consultoria Economist Intelligence Unit, analisou a disponibilidade, o custo e a qualidade destes tratamentos. Grã-Bretanha, Austrália e Nova Zelândia lideraram o ranking geral. O Brasil ficou na 38ª posição, à frente apenas de Uganda e Índia.
A lista incluiu 30 integrantes da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e outros 10 países com dados disponíveis.
“Os países na lanterna incluem, sem surpresa, países em desenvolvimento e dos Brics, como China, México, Brasil, Índia e Uganda, onde, apesar de exceções notáveis de excelência… avanços em prover tratamento no fim da vida são lentos”, disse o estudo.
“Não é surpresa encontrar países como Grã-Bretanha, Austrália e Nova Zelândia no topo do ranking, dado a relativa riqueza, infraestrutura e longo reconhecimento da importância de desenvolver estratégias nacionais de saúde no fim da vida”.
Diferenças culturais
O Brasil também ficou nas últimas posições no quesito disponibilidade de tratamentos, ocupando a 36ª posição, à frente apenas de Eslováquia, Portugal, Rússia e China. Essa lista também foi liderada por Grã-Bretanha, Nova Zelândia e Austrália.
Sheila Payne, diretora do Observatório Internacional para Tratamento no Fim da Vida, disse que a baixa pontuação de nações em desenvolvimento “se deve à falta de financiamento e reconhecimento nestes países sobre políticas públicas de saúde em tratamento paliativo”.
O relatório também aponta para razões culturais que influenciam no tratamento dado a pacientes terminais, como os tabus fortes sobre morte em países como Japão, China e na Índia, onde muitas família preferem ocultar do paciente sua real condição médica para protegê-lo.
Já nos Estados Unidos, parece imperar a política do “manter vivo custe o que custar”, sugere o texto.
“Somos o epicentro das tecnologias que nos permitem deixar as pessoas vivas por mais 60 dias sem nenhuma melhora no resultado, mas com um aumento substancial nos custos”, disse Paul Keckley, diretor-executivo do Centro Deloitte para Soluções de Saúde, braço da consultoria Deloitte, citado no relatório.
“E quanto mais fundamentalista, evangélico ou conservador (for a família), menos as pessoas irão desafiar a opinião médica ou pedir por algo que não seja recomendado pelo médico”.
Conhecimento público de tratamentos
O Brasil também ficou nas últimas posições no ranking de conhecimento público sobre tratamentos disponíveis no fim da vida.
Numa escala que mediu o nível de conhecimento de 1 a 5, o Brasil ficou no grupo 2, junto com Finlândia, Índia, Itália, México, Portugal, Rússia, Suíça, entre outros países. Bélgica, Irlanda e Grã-Bretanha lideraram a lista.

Quase 33 mil pessoas devem embarcar na Rodoviária no fim de semana


Da SMCS

O feriado de Nossa Senhora Aparecida, na próxima segunda-feira (12), deve aumentar o movimento na Rodoviária de Curitiba neste fim de semana. A previsão é que 32,8 mil pessoas embarquem nos próximos dias, a maioria entre a noite de sexta-feira e a tarde de sábado.
Para esta sexta-feira (9) estão previstas saídas de 600 ônibus, com embarque de 20,5 mil passageiros. Para o sábado, a previsão é de 12,3 mil embarques e 410 ônibus. A média diária de saídas neste ano é de 350 ônibus e 8,6 mil passageiros.
A maioria dos passageiros (35%) vai viajar para o interior do estado; outros 25% vão para o litoral e 20% para Santa Catarina. Os demais embarques são para São Paulo (12%), Rio Grande do Sul (3%) e outros estados.(5%)
A previsão para este feriado é de movimento um pouco acima do realizado em 2013, com o embarque de 30 mil pessoas. Em 2014, o 12 de outubro caiu num domingo, o que não alterou o movimento da Rodoviária.

Caminhão carregado com açúcar tomba no Contorno Sul; motorista fica ferido


Redação com PRF



(Fotos: PRF e Felipe Particular)

Um caminhão carregado com açúcar tombou no canteiro central da BR-376, Contorno Sul, na madrugada desta sexta-feira (8). O acidente aconteceu no quilômetro 598 por volta das 2 horas. O motorista teve ferimentos leves.
O acidente aconteceu em frente à empresa New Holland e um caminhoneiro que passava pelo local no momento do tombamento disse à Banda B que chovia no momento do acidente. Não há informações sobre como o caminhão saiu da pista e tombou.
Parte do veículo ficou sobre a faixa da esquerda, da pista sentido São Paulo. Por volta das 10 horas, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o transbordo da carga e posterior destombamento devem começar ainda pela manhã. Uma equipe da PRF está no local e usa a área de acostamento para manter duas faixas abertas ao fluxo de veículos.

Parada da Diversidade bloqueará várias ruas na região central de Curitiba no domingo


Da SMCS

O evento Parada da Diversidade irá bloquear diversas ruas da região central da cidade no domingo (11), entre 8 e 21 horas.
A concentração dos carros de som será realizada na Rua Barão do Cerro Azul entre as ruas Pres. Carlos Cavalcanti e Inácio Lustosa. A passeata acontece na Av. Cândido de Abreu, a partir da Rua Inácio Lustosa e segue até a Praça Nossa Senhora de Salete, onde acontecerão shows a partir das 17 horas.
Haverá bloqueios totais nos seguintes cruzamentos e acessos:
– Rua Mateus Leme com ruas Paula Gomes, Barão de Antonina e Aristides Teixeira.
– Rua Barão de Antonina com Rua Duque de Caxias.
– Pista marginal sentido Centro Cívico da Av. Cândido de Abreu com ruas Heitor Stockler de França e Comendador Fontana.
– Rua Lysimaco Ferreira da Costa com Av. Cândido de Abreu e Rua Mal. Hermes.
– Rua Papa João XXIII com Rua Ernani Santiago de Oliveira.
– Rótula da Rua Dep. Mário de Barros, para impedir acesso à Praça Rio Iguaçu.
– Rua Campos Sales com Rua Mauá.
– Acesso à Rua Comendador Fontana pela Rua Aristides Teixeira.
– Acessos à Rua Inácio Lustosa pela Rua Riachuelo e pela Av. João Gualberto.
– Acesso à Rua Heitor Stockler de França pela Av. João Gualberto.
– Av. Cândido de Abreu com a Rua Inácio Lustosa.
– Rua Mateus Leme com a Rua Paula Gomes.
Haverá um bloqueio parcial na Rua Heitor Stockler de França, após o acesso à Rua Ary Camargo Queiroz.
Os desvios de trânsito na região central devem ser realizados pela Rua Barão de Antonina, Rua Sen. Xavier da Silva, Rua Mateus Leme, Rua Treze de Maio, Rua Barão do Serro Azul, Rua Campos Sales, Rua Mauá, Rua Heitor Stockler de França, pista marginal sentido Centro Cívico da Av. Cândido de Abreu, Rua Comendador Fontana, Rua Mal. Hermes, Rua Campos Sales e Rua Mauá.
Agentes da Secretaria Municipal de Trânsito, guardas municipais e policiais do Batalhão da Polícia de Trânsito estarão nas áreas de bloqueio para orientar o trânsito durante todo o evento

Inmetro alerta pais sobre cuidados com presentes para o Dia da Criança


Da Agência Brasil

O diretor de Avaliação da Conformidade do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Alfredo Lobo, recomendou hoje (9) que os pais, ao comprarem presentes para o Dia da Criança, tenham alguns cuidados que garantam segurança aos filhos. Entre as orientações estão verificar se o produto tem o Selo de Identificação da Conformidade do Inmetro e adquirir brinquedos adequados à faixa etária da criança.
inmetro
Foto: Agência Brasil
Outra recomendação é que os pais comprem os presentes no mercado formal. “Jamais comprar brinquedo no mercado informal, porque ele, certamente, tem grande chance de ter algum tipo de irregularidade e ser nocivo à criança”, disse Alfredo Lobo. O diretor do Inmetro sugeriu também que os pais e responsáveis sigam as instruções de uso e se encarreguem de retirar o brinquedo da embalagem. Segundo ele, por mais seguro que o brinquedo seja, é preciso haver uma supervisão dos responsáveis, de maneira a evitar que a criança faça um uso indevido do produto. As medidas visam a evitar acidentes.
Reclamações
De acordo com o Sistema Inmetro de Monitoramento de Acidentes de Consumo (Sinmac), os artigos infantis respondem por 13% das reclamações recebidas no período de 2006 e 2015, das quais 28% se referem a brinquedos. De acordo com Alfredo Lobo, artigos infantis em geral estão entre os grupos de produtos com maior incidência de acidentes, juntamente com artigos do lar, que englobam itens de cozinha e mobiliário.
“Ainda que exista o programa de certificação e que ele seja muito forte, pela natureza do artigo brinquedo e a forma inusitada com que uma criança pode fazer uso dele, o produto oferece risco”, alertou. O diretor lembrou que, muitaz vezes, pais com filhos de diferentes idades deixam que brinquedos para crianças maiores fiquem acessíveis aos mais novos. “O risco é muito grande. Apesar de o produto estar certificado e ser considerado um produto seguro, ele tem riscos, na medida em que for feito mau uso dele.”
O banco de dados foi criado pelo Inmetro com base em relatos feitos por consumidores na página do órgão, ligado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, na internet. O objetivo do Inmetro é identificar a necessidade de aperfeiçoar regulamentos e articular a melhoria de produtos com a indústria e de normas com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
Em função do Dia da Criança, o Inmetro intensificou a fiscalização no comércio nacional contra produtos infantis pirateados ou contrabandeados. A operação especial terminou esta semana. Ao todo, foram feitas 3.588 ações de fiscalização em todo o país, envolvendo 740.266 artigos. Foi encontrado índice de irregularidade médio de 1,83%, ou o correspondente a 13.573 produtos. “Isso é feito rotineiramente por meio dos órgãos estaduais de pesos e medidas”, destacou Alfredo Lobo.
O maior índice de irregularidade, de 44%, foi encontrado em Mato Grosso do Sul. Segundo o diretor, pelo fato de o estado ser vizinho do Paraguai e da Bolívia, “ele é mais suscetível à entrada de produtos irregulares, pirateados, contrabandeados”. De acordo com a lei, os comerciantes flagrados vendendo produtos irregulares, como brinquedos sem o selo de conformidade, podem sofrer penalidades que vão desde advertência, multa de R$ 100 a R$ 1,5 milhão e apreensão dos artigos, até interdição do ponto de venda. “Em geral, é uma multa associada a uma apreensão, no caso de ser um produto que ofereça um risco iminente, imediato”, disse o diretor.
A certificação de brinquedos é compulsória no Brasil desde 1992. O selo que contém a marca do Inmetro e do organismo acreditado responsável pelo processo de certificação prova que o produto foi submetido a ensaios e aprovado em testes. Caso os pais encontrem brinquedos sem o selo do Inmetro, podem denunciar a irregularidade à Ouvidoria do órgão, no telefone 0800 285 1818.